Alexander Scriabin (1872-1915): The Complete Piano Sonatas

Não há experiência mais interessante e encantadora que perceber o desenvolvimento de Beethoven nas suas 32 sonatas para piano. Elas descrevem praticamente todas as fases técnicas e pessoais na carreira do compositor. Algo que chega próximo disso é a audição das 10 sonatas para piano do compositor russo Alexander Scriabin. Ouça a sonata n.1 e depois a n.10, dois compositores completamente distintos.

Nas primeiras três sonatas sentimos uma forte influência de Chopin, mas não o Chopin delicado das valsas e noturnos, e sim dos estudos e das duas últimas sonatas, o Chopin revolucionário. Eu já considero a primeira sonata para piano op.6 uma obra-prima. Ela tem quatro movimentos e é a mais longa de suas sonatas. O primeiro movimento (allegro con fuoco) já arrebata a atenção do ouvinte. O quarto movimento, uma marcha fúnebre em homenagem a Chopin, é uma das coisas mais lindas já escritas.

A sonata n.2 op.19 é chamada de sonata-fantasia, pois tem dois movimentos (lento-rápido) praticamente ligados. Um início melancólico com um movimento final arrebatador. Essa obra foi meu primeiro contato com a música de Scriabin, e ainda guardo na memória a época e lugar que ouvi.

A sonata n.3 op.23 talvez seja a obra, entre as demais, cujos temas são mais memoráveis. O movimento andante é sublime. Na sonata n.4 op.40 descobrimos uma sonoridade quase jazzística (Bill Evans?). Poderia ser tocada em qualquer bar “blue note” de esquina e seria muito bem recebida pela tribo do Jazz.

A partir da sonata n.5 op.53 já ouviremos um compositor que, independentemente da escola de Schoenberg, também estava explorando, no mesmo período, os limites do tonalismo. As sonatas também começam a ter apenas um só movimento.

Nesse período (pós-1903) a vida do compositor estava mudando completamente. Scriabin abandonou a mulher e quatro filhos. Partiu com a amante para Paris. Além disso, estava obcecado com as delirantes idéias teosóficas. Suas sonatas também são um reflexo dessas atividades metafísicas. A sonata n.7 op.64 chamada de White Mass é uma experiência mística. Harmonia dificílima, praticamente música atonal. A três últimas sonatas também atingem um ponto que nenhum outro compositor depois dele superou. Nem mesmo as sonatas de Prokofiev …

Devo confessar que apesar da extraordinária interpretação do pianista Marc-André Hamelin, ainda acho os registros feitos por Horowitz insuperáveis (infelizmente ele nunca gravou a integral) .

obs: Pode aparecer o nome do pianista Murray Mclachlan no seu player, mas acredite, a gravação é do Marc-André Hamelin.

Alexander Scriabin (1872-1915): The Complete Piano Sonatas

CD1:

1-4. Piano Sonata n.1, op.6
5-6. Piano Sonata n.2 (sonata-fantasy), op.19
7-10. Piano Sonata n.3, op.23
11. Fantasie op.28
12-13. Piano Sonata n.4, op.30

CD2:

1. Piano Sonata n.5, op.53
2. Piano Sonata n.6, op.62
3. Piano Sonata n.7, op.64
4. Piano Sonata n.8, op.66
5. Piano Sonata n.9, op.68
6. Piano Sonata n.10, op.70
7. Sonata-Fantaise (1886)

Performed by Marc-André Hamelin

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Marc-André Hamelin testando pianos na Sala Especial de Teclados do PQP Bach

CDF

13 comments / Add your comment below

  1. é impressionante o quanto a música de scriabin é angustiante. ela é toda tensa, repleta de inconclusões, de retomadas. nessas sonatas não se vê traços de contentamento em momento algum. é um compositor muito profundo, esse russo. pena ser tão pouco ouvido. dos russos ele é um dos melhores. rachmaninov é bem conhecido, mas é muito comportadinho e pouco profundo em suas obras. digamos que scriabin possa se coadunar com shostakovich. é sério demais. talvez essa seriedade é que o afaste dos ouvintes. mesmo quando ele tenta ser animado, em seus alegros, ali se vê muito mais um esgar caricato de ânimo que algo genuinamente contente. é um grande artista. felicito CDF por esse magnífico cd. indico do compositor os prelúdios. são obras bem típicas do gênero, mas muito interessantes e pessoais.

  2. Excelente gravação, apesar de discordar plenamente sobre o que foi falado sobre as Sonatas de Prokofiev em relação às de Scriabin, basta ver a N°6 que estabelece uma violência e agressividade não acompanhada por Scriabin.

  3. Seu CDF, a interpretação máxima dessas sonatas é a do portoalegrense exilado em Düsseldorf, Roberto Szidon.
    Os discos podem ser baixados aqui: http://avaxhome.ws/music/classical/early_20th_century/scriabin_sonatas_szidon.html

    Esta gravação é uma das obras primas da fonografia do século XX.

    Se alguém postar os Scherzi de Chopin gravados por Szidon, pago-lhe uma cerveja Coruja acompanhada de um sanduíche tirolês, no café do StudioClio, oh yes, dear!

  4. Alan,

    Compartilho o mesmo entusiamo sobre a sonata n.6 de Prokofiev, como também a n.7. São duas sonatas insuperáveis também. Mas como um ciclo de sonatas, o mais importante, desde Beethoven, é o de Scriabin.

    FM,

    Talvez você tenha razão. Eu não esqueceria a integral com Vladimir Askenazy. Mas em se tratando de Scriabin, o mestre de todos é mesmo o Horowitz.

  5. Excelente postagem! Coincidentemente na semana passada eu, vendo não haver sequer o tag do Scriabin no blog, iria sugerir que fossem postadas algumas de suas sonatas e/ou o Concerto para Piano em Fá sustenido menor para estrear Scriabin em grande estilo. Só que acabei achando a integral das sonatas com o Askenazy e fiquei na minha. Mas algo não me agradava na interpretação do russo e por isso já estava pensando novamente em sugerí-lo (Scriabin, bem entendido, e não Askenazy) quando vi essa MARAVILHOSA e SURPREENDENTE postagem com a não menos MARAVILHOSA e SURPREENDENTE interpretação de Marc-André Hamelin. Há algum tempo desejo conhecer mais interpretações deste pouco conhecido (pelo menos por mim) pianista como as sonatas Kreutzer e Marcha fúnebre, além de seus Schumann, Chopin e Liszt (principalmente Nuages Gris) e do maravilhoso concerto para
    piano 17 de Mozart. (isso não é uma sugestão, apenas uma declaração)
    Voltando ao Scriabin, estou há séculos procurando o Piano Concerto mas não consegui achá-lo. Se vocês pudessem fazer este favor…(agora sim, isto é uma sugestão). Na verdade eu não devia pedir mais nada depois desta maravilhosa integral, PARA MIM mais essencial que a integral de Bach, por exemplo, mas como este blog parece ter em pouca conta os compositores
    românticos…A propósito, ontem fez 200 anos da morte de Haydn e os mais ortodoxos e apreciadores da escola vienense parecem ter se esquecido desta memorável data, ao contrário de nós romanticos que sabemos ser mais importante comemorar uma data especial de um Chopin por exemplo do que lembrar do aniversário de nossas mães. Já devo ter pedido umas duas ou 3 vezes aqui, mas como já me estendi bastante vou chutar o balde: SONATA EM SI MENOR COM HOROWITZ!!! Como sei que o PQP vai contrapor ao russo o milanes Pollini, sugiro que postem ambas as versões desta obra-prima, para podermos fazer as devidas comparações. E como o PQP já declarou sua afeição pela Lúgubre Gondola, nada melhor também do que postá-la na interpretação de seu idolotrado Maurizio Pollini.
    Aproveitando a deixa do Horowitz e voltando (novamente) ao Scriabin, tenho as sonatas 9 e 10 com ele (Horowitz, bem entendido, e não Scriabin) e gostaria de saber se ele gravou a 4. E se não, quais outras ele gravou?

  6. Muchas gracias por este genialísimo post. Lamentablemente ya no sirven los links para las sonatas de Scriabin, podría reponerlos?

    Muchas gracias

  7. essa interpretação eh nota 1000000000000………0

    gostaria de disponibilizar no site a de um cd da harmonia mundi que eu tenho com o pianista robert Taub que é uma boa versão também. Como faço isso?

    obrigado

Deixe uma resposta