Johann Sebastian Bach (1685-1750) – Violin Sonatas e Partitas – Viktoria Mullova

Fiz esta postagem há pouco mais de dez anos, nossa, como o tempo passa. E fiquei de cara quando vi que ele nunca mais tinha sido oferecido aos senhores. Que pecado. Tanta coisa aconteceu nestes dez anos … perdi um grande amigo, Pedro Henrique, grande apreciador da obra de Bach, e que considerava a Missa em Si Menor a maior realização da cultura humana. Além dele, meu irmão mais velho, Mauricio também faleceu, e foi ele quem me apresentou a este incrível mundo da música clássica quando deixou uma caixa de LPs em minha casa antes de embarcar para os Estados Unidos em busca de novas aventuras (e assim se passaram quarenta anos), Enfim, a vida seguiu seu rumo. E surpreendentemente, o PQPBach continua firme e forte.

Nao sei quanto aos senhores, mas quando ouço estas obras de Bach fecho os olhos e me concentro. São obras de dificílima execução, e podemos sentir o quanto o solista é exigido, tecnica e emocionalmente falando. E quando falamos de Viktoria Mullova, bem, aí estamos falando de uma das maiores violinistas da atualidade…

Enfim, o texto abaixo tem dez anos.

“Como diz o outro, eis uma novidade nova, ou então, aí está um lançamento recente. Este cd foi lançado semana passada, e, graças à internet, já o temos disponível. Podem babar, senhores… Sintam-se à vontade.

Viktoria Mullova… ai, se ela me desse bola. Talento, dedicação e uma paixão absoluta pela música, e quanto mais velha, melhor. Ja falamos à exaustão sobre ela, já declarei minha paixão platônica por ela, enfim, vamos deixar estes detalhes de lado, e vamos ver com que tamanha paixão ela se dedicou a este projeto de tocar as sonatas e partitas de papai. Ah, aguardem que virá outra postagem dela, logo, logo.

Como consegui estes cds há pouco menos de uma semana, ainda não os consegui ouvir direito, mas já estão no meu mp3 player para serem devidamente apreciados no caminho para o trabalho, e de volta para casa. Mas lhes garanto que o pouco que ouvi já deu para perceber que o negócio é sério.

Abaixo reproduzo o texto da própria Mullova sobre o processo de gravação deste CD, retirado de seu site :

This recording of the Sonatas and Partitas marks a significant milestone on a never-ending journey. I have always felt a very close bond with Bach’s music, and from an early age I sensed it would play a central role in my life. Despite this, getting close to Bach’s world and really understanding it has not been easy nor without long periods of discouragement. For many years, even though I was playing and studying these works on a fairly regular basis, I never managed to find any principle or pathway that would allow me to express my feelings for this music.

When I was at the conservatory in Moscow, my teachers gave me a set of very strict rules for playing Bach’s music: they were based on a widely-held approach of the time that combined a standardized beautiful sound, broad, uniform articulation, long phrasing, if possible, and continuous and regular vibrato on every single note, in imitation, they used to say, of an imaginary organ. I realise that mention of these criteria today might raise a smile, but they give a good idea of the musical aesthetic that I was grounded in. During those years, my Sonatas and Partitas became stiff, monotonous and even more difficult to perform, because I had not been provided with the basic principles for understanding the Baroque text. I used to play them with very little articulation, and without the distinction between strong and weak beats that is so naturally linked to bow-strokes. But most of all, I didn’t understand the harmonic relationships, which are fundamental to a feeling of freedom and involvement in the musical argument. I tried to make up for all these problems by studying hard, but the whole thing seemed to me very difficult and physically impossible to sustain.

Then I left my own country, and a period began when I was travelling constantly and playing a vast number of concerts. This meant endless repetition of the same pieces, a great deal of time spent alone studying, and little time to prepare new repertoire and deepen my understanding of the music I knew, or thought I knew.

It was when I was in Paris rehearsing once that I had the great and unexpected good luck to encounter Marco Postinghel, a young bassoonist and continuo player. He first overturned the few certainties I had about Baroque music, and then, thanks to a friendship which I have come to treasure, took me on a wonderful but demanding journey that has finally led to this recording. I remember that on the very first evening, he told me more about early music in the space of a few hours than I had ever heard or imagined. No one before had used such a body of evidence to explain to me the way the musical discourse, particularly in Bach, is sustained by multiple elements that are all interconnected: harmonic impulse, articulation, polyphony, counterpoint, form, and so on. He explained it all with an enthusiasm that I found completely contagious. I suddenly realised that I had not had the same preparation as an artist as I had as an instrumentalist, and that I needed a period of reflection and study to fill this gap. I immediately cancelled a scheduled recording of Bach’s sonatas for violin and harpsichord, and started feverishly studying and exploring everything to do with early music. I read through a great deal of music by composers such as Biber, Leclair, Tartini, Corelli, Vivaldi and many others, feeling that it would help me to understand the music of Bach better.

I listened to countless concerts and recordings by artists such as Harnoncourt, Gardiner, Giovanni Antonini and his wonderful ensemble ‘Il Giardino Armonico’, and Ottavio Dantone, one of the greatest interpreters of Bach I know, and I was utterly captivated and drawn toward what I heard. With this inspiration in my ears and in my heart, still with the assistance of my friend Marco, I began to study the Baroque repertoire afresh, this time in a completely new, and now systematic way.

I carried on at first on a modern instrument, then as my understanding of the 18th-century aesthetic increased I came, quite naturally, to feel the need to change to gut strings and Baroque bows. Bit by bit, the musicians I admired so much and who had unknowingly given me such help in my investigation, started to invite me to play some concerts with them, and that was a great thrill for me. This injection of trust from them led me to study even more intensely and to make the Baroque repertoire central to my artistic life. So much so that now playing Bach has become part of my spiritual and emotional well-being (an experience that I find almost like meditation).

Now when I happen to hear my old Bach recordings, I’m still amazed by the enormous transformation that has occurred. I recognise the violinist, but not the musician. I am aware that continuing to play and study the works of Bach’s genius is an endless process of exploration and that one day I might find this recording surprising and distant too! But I hope that it bears witness to the seriousness, respect and love with which I have tried to approach this timeless music.

Viktoria Mullova, 2009

Johann Sebastian Bach  – Violin Sonatas e Partitas – Viktoria Mullova

01. Sonata No. 1 in G Minor BWV 1001 – I. Adagio
02. Sonata No. 1 in G Minor BWV 1001 – II. Fuga – Allegro
03. Sonata No. 1 in G Minor BWV 1001 – III. Siciliana
04. Sonata No. 1 in G Minor BWV 1001 – IV. Presto
05. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – I. Allemanda
06. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – II. Double
07. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – III. Corrente
08. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – IV. Double – Presto
09. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – V. Sarabande
10. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – VI. Double
11. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – VII. Tempo di Borea
12. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – VIII. Double
13. Sonata No. 2 in A Minor BWV 1003 – I. Grave
14. Sonata No. 2 in A Minor BWV 1003 – II. Fuga
15. Sonata No. 2 in A Minor BWV 1003 – III. Andante
16. Sonata No. 2 in A Minor BWV 1003 – IV. Allegro

CD 2

01. Partita No. 2 in D Minor BWV 1004 – I. Allemanda
02. Partita No. 2 in D Minor BWV 1004 – II. Corrente
03. Partita No. 2 in D Minor BWV 1004 – III. Sarabanda
04. Partita No. 2 in D Minor BWV 1004 – IV. Giga
05. Partita No. 2 in D Minor BWV 1004 – V. Ciaconna
06. Sonata No. 3 in C Major BWV 1005 – I. Adagio
07. Sonata No. 3 in C Major BWV 1005 – II. Fuga
08. Sonata No. 3 in C Major BWV 1005 – III. Largo
09. Sonata No. 3 in C Major BWV 1005 – IV. Allegro assai
10. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – I. Preludio
11. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – II. Loure
12. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – III. Gavotte En Rondeau
13. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – IV. Menuet I
14. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – V. Menuet II
15. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – VI. Bourrée
16. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – VII. Gigue

Viktoria Mullova – Violin

CD 1 BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE(MP3)
CD 1 BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (FLAC)

CD 2 BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (MP3)
CD 2 BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (FLAC)

FDP Bach

Viktoria Mullova manda um abraço e um belo sorriso para a galera do PQPBach

14 comments / Add your comment below

  1. Escrevo este comentário para publicamente romper relações com FDP Bach.

    Afinal, eu estava preparando esta postagem quando ele, sorrateira e maldosamente, adiantou-se. E ele ainda vem arrastando a asa para a Mullova, como se não fosse um cara casado. E, pior, sabem quem me falou que tinha Mullova largado o Abbado por uma mulher? Sim, ELE, meu irmão, me disse que agora Mullova era CONCORRENTE!

    Meu deus, que decepção.

    :¬)))

  2. Mano PQP, perdão pela rasteira, mas eu estava tão entusiasmado por esta gravação que esqueci de perguntar se você já havia recebido ela, ou se tinha planos de ostá-la. Deixo então para você a missão de postar a outra jóia da coroa Mullova/Bach, as gravações das Sonatas com o Dantone.
    Com relação à Mullova, explico que trata-se de uma paixão platônica, portanto, não se trata de uma traição explícita.

  3. Bobagem minha, FDP. Nem tinha feito o upload ainda.

    Ouvi grande parte do CD. NA MINHA OPINIÃO, Mullova é uma violinista “suja”; isto é, preocupa-se mais com a interpretação (notável, notável) do que com a possível perfeição técnica. Suas gravações naquele ABSOLUTAMENTE ESPETACULAR ÁLBUM DUPLO de concertos modernos para violino, postado por FDP, são imbatíveis até serem batidas… Mas são cheias de tsk, tsk no início das notas mais fortes e até há pequenos erros. Só que sua interpretação supera tudo. Ela é sanguínea, visceral, apaixonada.

    Em Bach esperava maior cuidado técnico. Ela faz isso, seu registro é quase limpo, sem marcenaria nem grandes arroubos. Mas a interpretação, a forma, o fraseado. Nossa, que violinista!

    Vou ouvir de novo a Chaconne agora. É mais lenta que o normal. Ela optou por desnudá-la. Falando nisso…

  4. Reouvi a Ciaccona e otras cositas.

    Ela não faz um Bach-Mullova, faz um Bach-Bach de absoluta serenidade. Não aproximou Bach de si, aproximou-se de Bach.

    Viktoria!

    (Quando chamo Mullova de “suja”, não me refiro ao timbre, que é sempre maravilhoso. Falo de algumas imperfeições que poderiam ser corrigidas facilmente num computador, mas que Mullova ignora. Está correta.).

  5. Não ouvi ainda, mas realmente FDP merece parabéns. Mullova é uma das maiores especialistas vivas nesse repertório, e antecipar nesse blog a sua versão madura me faz lembrar que devo visitar o site com maior frequência (agora sem “trêmia”).

  6. Mas bem que podia ter poupado os ouvintes da péssima notícia de que a mulher “mudou de time”. Nisso eu não posso perdoá-la, parte meu coração.

  7. Conheço a versão que ela gravou no início dos anos 90 (e é muito boa, provavelmente antes de “mudar de time”… Alguém conhece, sabe se a concepção é a mesma ou mudou muito?
    Abraços !

  8. Conheço a versão que ela gravou no início dos anos 90, provavelmente antes de “mudar de time”… Alguém conhece, sabe se a concepção é a mesma ou mudou muito?
    Abraços !

  9. Eduardo, segundo a própria Viktoria Mullova, sua concepção mudou muito desde então, e ela tem se dedicado à estudar estas peças desde então. Sugiro a leitura do texto dela que copiei aí no corpo da postagem. Ela detalha todo o processo da gravação

  10. Sublime…. Não preciso descrever esta maravilha do nosso Pai, J.S.Bach

    Gostaria de ter o msn dos donos deste site, pois preciso trocar ideias e papos sobre estas preciosidades que postam.

    Assumo que virei fã dos autores deste site, pelas raridades que postam, coisa que aqui na minha cidadezinha (Caruaru-PE) raramente consigo encontrar.

    Estão salvando minha vida musical.

    Aguardo respostas… Qualquer coisa adicione o msn que postei.
    Obrigado!

    Boa Noite a todos!

  11. Mullova toca direitinho, nada excepcional. Entretanto ao se comparar as interpretações da Chacona da Partita n° 2 em D menor executadas por Itzhak Perlman e Hilary Hahn chega a ser humilhante. Eu particularmente gosto muito da Hilary, mas o Perlman é sem comentários. Vale a dica para postagem dos mestres.

  12. Carlinhos, sou fã da sua página, primeiro por que vc é filho da … de Bach,kkk; secundus, por que já bebi muito nessa fonte, que é pura para os puros. Queria baixar o Gidon Kremer, na falta de Yehudi Menuhin, conforta-me-ei com essas Sonatas e Partitas, mas não tá postada. O que tá havendo. Please, quero baixá-las, ajude-me. Amplexos.

Deixe uma resposta