Johannes Brahms (1833-1897) – Concerto para violino, Op. 77 + 16 cadências – Ruggiero Ricci

41Lw1PGJJRLUm álbum com o mesmo conceito daquele que postamos ontem: um célebre concerto para violino, Ruggiero Ricci, e várias cadências de diferentes autores. A orquestra, aqui, sai-se melhor, e Ricci parece mais à vontade com Brahms do que com Beethoven. As cadências mais famosas dividem o álbum com algumas das quais eu não fazia a menor ideia – assim como, em minha habitual ignorância, também não sabia que o célebre musicólogo Donald Francis Tovey tinha sido compositor.

RUGGIERO RICCI PLAYS BRAHMS VIOLIN CONCERTO

Johannes BRAHMS (1833-1897)

Concerto em Ré maior para violino e orquestra, Op. 77

01 – Allegro non troppo (início, compassos 1-525)
02 – Cadência de Ferruccio Busoni
03 – Cadência de Joseph Joachim
04 – Cadência de Edmund Sing
05 – Cadência de Hugo Heermann
06 – Cadência de Leopold Auer
07 – Cadência de Eugène Ysaÿe
08 – Cadência de František Ondrícek
09 – Cadência de Franz Kneisel
10 – Cadência de Henri Marteau
11 – Cadência de Fritz Kreisler
12 – Cadência de Donald Francis Tovey
13 – Cadência de Jan Kubelík
14 – Cadência de Adolf Busch
15 – Cadência de Jascha Heifetz
16 – Cadência de Nathan Milstein
17 – Cadência de Ruggiero Ricci
18 – Allegro non troppo (conclusão, compassos 511-535)
19 – Adagio
20 – Allegro giocoso, ma non troppo vivace – Poco più presto

Ruggiero Ricci, violino
Sinfonia of London
Norman del Mar, regência

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Sir Donald Francis Tovey (1875-1940), compondo uma marcha fúnebre em homenagem à minha ignorância
Sir Donald Francis Tovey (1875-1940) compondo elegia à minha ignorância

Vassily Genrikhovich

3 comments / Add your comment below

  1. Não sei se é por força do hábito, uma vez que a maioria das interpretações utiliza a cadência de Joachim, mas ela me parece a mais adequada para este concerto, parece se integrar perfeitamente à partitura de Brahms. Creio que a maioria das interpretações utiliza esta cadência.

    1. Concordo com você. Certamente é a cadenza mais utilizada pelos violinistas, e não tenho dúvidas de que a posição privilegiada de Joachim – violinista virtuoso e influente, compositor, amigo de Brahms, consultor técnico durante a composição do concerto, dedicatário da obra e seu primeiro intérprete – foi determinante para criar uma cadenza tão bem integrada à obra.

Deixe uma resposta