The Ravi Shankar Edition – West meets East – The Historical Shankar/Menuhin Sessions

71hXDHJxsOL._SL1118_A parceria entre os gigantes Menuhin e Shankar, iniciada a convite do primeiro no Festival de Bath de 1966, resultou numa amizade que duraria até o final de suas vidas e em três bem-sucedidos álbuns que foram condensados neste volume que ora lhes apresento.

Já defendi em outra postagem a divulgação de música clássica de outras paragens, lançando mão das palavras do colega Ranulfus: “uma das coisas que me motivam na colaboração no blog é tentar demonstrar o quanto nosso conceito de ‘clássico’ pode ser justificadamente expandido para além das suas fronteiras tradicionais (no fundo etnocêntricas), e isso com criações autênticas, não com adaptações tipo ‘transcrições de canções populares para orquestra’.”.

A música clássica indiana, com seus instrumentos peculiares, os microtons (shrutis), sua intensa verve e o caráter improvisatório superposto às estritas definições de raga e tala, às quais voltaremos algum dia, pode trazer dificuldades a ouvidos pouco acostumados a ela. A ilustre presença de Lord Menuhin, aqui muito reverente à arte que busca integrar à sua própria, talvez facilite um pouco a introdução de vós outros a este novo planeta musical. Para quem estranha a presença de violino no conjunto de virtuoses indianos, digo que este instrumento, com o mesmíssimo feitio, mas com afinação e sob técnica muito diferentes, é usado há já alguns séculos na Índia para fazer música, ainda que, para isso, seja apoiado entre o ombro esquerdo e o pé direito do executante.

 

Convido os leitores-ouvintes à apreciação do rico som do sitar, da habilidade de Shankar na improvisação e, especialmente, das intervenções daquele que é considerado por muitos o maior percussionista que já existiu – Alla Rakha, mestre supremo da tabla.

Estas gravações históricas marcaram não só a primeira colaboração entre um músico indiano e um grande nome da música ocidental, como também lançaram a carreira de Shankar no Ocidente, onde se tornaria figurinha fácil nas grandes salas de concertos e influenciaria George Harrison e o som dos Beatles. Conquistou, entre seus pares, a reputação de um dos maiores músicos vivos e, ao morrer em 2012, virou uma lenda – não sem antes deixar para o mundo as maravilhosas filhas Anoushka Shankar e Norah Jones, duas estrelas da música, cada qual em sua própria vertente.

Espero que este grande encontro de notáveis deixe com as senhoras e senhores um sabor de “quero mais” que torne bem-vindo, noutras ocasiões, o que de mais eu lhes trouxer da riquíssima música daquele subcontinente.

WEST MEETS EAST – THE HISTORIC SHANKAR/MENUHIN SESSIONS

01 – Prabhati (baseado no Raga Gunkali)
02 – Swara-Kakali (baseado no Raga Tilang)
03 – Raga Piloo
04 – Dhun
05 – Raga Ananda Bhairava
06 – Tenderness
07 – Twilight Mood

Ravi Shankar, sitar
Yehudi Menuhin, violino
Alla Rakha, tabla
Prodyot Sen, Kamara Chakravarli e Nodu Mullick, tanpura
Amlya Dasgupta, tanpura baixo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

 

"Tchê, pra que tanta corda???"
“Tchê, pra que tanta corda???”



Vassily Genrikhovich

9 comments / Add your comment below

  1. Eu comprei esse vinil uma vez pois adoro musica árabe, oriental e indiana. Levei ele na casa do meu pai já que ele é a única pessoa que conheço que tinha um tocador de vinil mas infelizmente estava quebrado (e ainda está), até hoje tinha ficado sem ouvir o álbum, mas agora terei a oportunidade. Obrigado!

    1. Olá, Lucas!

      Espero que goste da gravação.
      Este CD é uma compilação dos três volumes da série “West meets East”, lançados entre o final da década de 60 e o começo da de 70. Se o vinil a que você se referiu era o primeiro da série, ele continha no lado B a Sonata para violino e piano no. 3 de Enescu (professor de Menuhin), com Yehudi e sua irmã Hephzibah.

      1. Interessante, não sabia disso, comprei já faz um tempo então não tenho certeza e o deixei na casa de meu pai. Depois darei uma olhada e comentarei aqui.

  2. sounds exciting
    would be happy for even more of the classical indian music treasures
    but for some reason it’s impossible to open this rar file, ooof

Deixe uma resposta