Beethoven (1770-1828): Sinfonia No. 9 – BBC National Orchestra and Chorus of Wales – François-Xavier Roth

 

 

 

 

 

 

François-Xavier Roth chamou minha atenção por gravar duas obras primas de Stravinsky – A Sagração da Primavera e Petruchka – com a orquestra que ele fundou em 2003, Les Siècles, usando instrumentos de época. Bem, instrumentos de época em que estas peças foram compostas. A Sagração foi estreada em 29 de maio de 1913 e Petruchka em 13 de junho de 1911. A orquestra Les Siècles é inovadora, como seu regente fundador, e usa tanto instrumentos de época como instrumentos modernos, geralmente no mesmo concerto.

Professor Xavier

François-Xavier também rege outras orquestras. Atualmente é o Gürzenich-Kapellmeister und Generalmusikdirektor der Stadt Köln, Diretor Geral de Música da cidade de Colônia. Este posto foi ocupado por Günter Wand! Além disso, é o Principal Regente Convidado da London Symphony Orchestra. É maestro convidado por muitas outras orquestras, em várias partes do mundo.

Assim, quando cruzei com este disco, saltei-lhe em cima. Reunidos aqui temos então um inovador maestro, uma obra das mais icônicas de todo repertório clássico e uma gravação ao vivo, tomada em um festival – plateia entusiasmada!

Há realmente uma sensação de ocasião em toda a interpretação, que tem algumas características das bandas do movimento HIP com as quais já ficamos bastante acostumados. Som mais transparente, com os grupos de instrumentos bem diferenciados, tímpanos bem audíveis e a música fluindo com mais tensão e urgência. A bem da verdade, devo dizer que este é o mais urgente adagio que já ouvi. Batendo em menos do que 12 minutos é mais urgente do que a gravação do Gardiner com a Orchestre Révolutionnaire et Romantique, minha referência para as gravações historicamente informadas. Portanto, se a sua praia é o Beethoven granítico do Klemperer ou Böhm (especialmente a última gravação), pode se agarrar na poltrona, segurar o chapéu e se preparar para torcer o nariz.

Mas, ao final de umas doze audições, assim como eu, começará a achar que era exatamente isso o que o Ludovico queria dizer:

Seid umschlungen, Millionen!
Diesen Kuß der ganzen Welt!

Sinfonia No. 9 em ré menor, op. 125 ‘Coral’

  1. Allegro ma non tropo e un poco maestoso
  2. Molto vivace – Presto
  3. Adagio molto e cantabile – Andante moderato
  4. Finale
Susan Gritton, soprano
Wendy Dawn Thompson, contralto
Timmothy Robinson, tenor
Matthew Rose, baixo

BBC National Orchestra and Chorus of Wales

François-Xavier Roth

Produção de Tim Thorne

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 255 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 134 MB

Agora os contrabaixos estão descansando

A gravação feita ao vivo em 2007, no Swansea Festival, é muito boa e a plateia só aparece no fim, para aplaudir com muito entusiasmo!

O outro Professor Xavier também gostou da Nona!

Gostei muito de ouvir a Nona mais uma vez com a sensação de descobrimento. Há tempos não fazia isso! Baixe, ouça (é menos do que uma hora…), depois me conte!

René Denon

4 comments / Add your comment below

  1. Esta é sem dúvida a gravação mais rápida da Coral que eu já ouvi! Tive pena dos cantores na última parte da sinfonia, que está, a meu ver, excessivamente rápida. E eu pensava que o Karajan era apressadinho…

    No passado, a execução da Coral levava em torno de setenta minutos. As interpretações de Furtwangler duravam em torno de 75 minutos. A gravação de Klemperer com a Philharmonia nos anos cinqüenta dura 72 minutos, enquanto que a última gravação de Karl Böhm, dura 79 minutos. Essa gravação, feita nos anos oitenta, foi criticada por ser excessivamente lenta. Dentre os regentes da velha guarda, a exceção era Toscanini, que sempre adotava andamentos rápidos e seu Beethoven não fugia a essa regra. A gravação que fez com sua orquestra NBC no início dos anos cinqüenta dura pouco mais de 64 minutos.

    De uns tempos para cá, estimulados pelas execuções historicamente informadas, os regentes passaram a acelerar os andamentos das sinfonias de Beethoven. A interpretação de Abbado com a Filarmônica de Berlim feita em 2000 dura 62 minutos, Gardiner a executa em pouco mais de 59 minutos e Chailly com a orquestra do Gewandhaus de Leipzig o faz em quase 63 minutos.

    Pessoalmente prefiro as gravações mais lentas, que privilegiam um terceiro movimento mais lento e solene (para muitos, o ponto central da sinfonia) e a conclusão, na qual intervém as vozes solistas e o coro, também um pouco mais lento. Afinal, os cantores precisam respirar.

    Nesta gravação de François-Xavier Roth o quarto movimento me pareceu excessivamente apressado. Nem Toscanini se atreveu a fazer tão rápido…

    Enfim, ouvir várias interpretações de uma mesma peça, nos permite observar ângulos e nuances diferentes de uma obra. E o blog permite que façamos isso, ao disponibilizar mais de uma visão para uma obra tão conhecida.

  2. Olá, RN!
    Vejo que a gravação postada lhe deu oportunidade de considerar a música sob uma diferente perspectiva. Eu senti algo parecido quando a ouvi pela primeira vez e depois também, quando decidi postá-la. Não vamos nos esquecer que é uma gravação ao vivo, e assim pode ter um grau a mais de ousadia. Eu acho que você foi muito oportuno quando mencionou a importância do terceiro movimento, Adagio molto e cantabile. Eu acho que a gravação feita pelo Karajan, com a Berliner Philharmoniker entre dezembro de 1976 e janeiro de 1977 tem a versão mais linda que eu conheço deste movimento. Dá a impressão que foi gravado em uma só tomada de som. Praticamente 17 minutos de concentração e intensidade. A sinfonia toda clica em 67 minutos.
    Você também menciona o Furtwängler. Não é tudo que ele gravou que eu gosto, mas há uma gravação da nona feita no em 22 de agosto de 1954, no Festival de Lucerne, com a Philharmonia Orchestra, que eu acho maravilhosa. O Adagio em 19’32. A edição que eu tenho foi lançada pelo selo Tahra. Confesso não ser fanático por velhas gravações, especialmente mono, mas este vale a pena.
    Finalmente, só para lembrar alguém que merece estar nestas listas, Ferenc Fricsay, um regente destas passadas eras que eu prezo bastante. Há uma gravação que ele fez com a BP que é muito bonita.
    Mais uma vez, obrigado pelo mensagem e por mencionar tantas gravações interessantes.
    Abraços
    RD

Deixe uma resposta para René Denon Cancelar resposta