Ludwig van Beethoven (1770-1827) – As 32 Sonatas para piano – John O’Conor (6/9)

51Vdjr-N3LLSe a Telarc não começou a série do começo, não poderíamos esperar que ela terminasse pelo fim, não é mesmo? Pois as três últimas sonatas de Beethoven aqui estão, no miolo, o que as tira do contexto como as obras culminantes do compositor para seu instrumento favorito (embora ele ainda viesse a parir as geniais Variações Diabelli). Na minha opinião, não há testamento mais impressionante de uma evolução artística do que comparar as Sonatas op. 2, redondinhas e peroladas, com a concisão visionária da Sonata Op. 111, cuja “Arietta” final inclui um trecho que já foi chamado de “proto-jazz”:

A nós outros, bem, só nos resta dizer “amém”.

LUDWIG VAN BEETHOVEN (1770-1827)

SONATAS PARA PIANO, VOL. VI – JOHN O’CONOR

Sonata no. 30 em Mi maior, Op. 109

01 – Vivace, ma non troppo – Adagio espressivo
02 – Prestissimo
03 – Tema: Molto cantabile ed espressivo – Variazioni I-VI

Sonata no. 31 em Lá bemol maior, Op. 110

04 – Moderato cantabile molto espressivo
05 – Allegro molto
06 – Adagio ma non troppo – Fuga: Allegro ma non troppo

Sonata no. 32 em Dó menor, Op. 111

07 – Maestoso – Allegro con brio ed appassionato
08 – Arietta: Adagio molto semplice e cantabile

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

John O’Conor, piano

Para variar um pouco, aqui não vai uma foto de John O'Conor, mas sim de Thomas Mann, cujo "Doutor Fausto" inclui um admirável capítulo em que o Prof. Kretschmar discorre, em uma palestra para a população da fictícia Kaisersachern, sobre os motivos que teriam levado Beethoven a não escrever um terceiro movimento para a Sonata Op. 111
Para variar um pouco, aqui não vai uma foto de John O’Conor, mas sim de Thomas Mann, cujo “Doutor Fausto” inclui um maravilhoso capítulo em que o Prof. Kretschmar discorre, em uma palestra para a população da fictícia Kaisersachern, sobre os motivos que teriam levado Beethoven a não escrever um terceiro movimento para a Sonata Op. 111

Vassily Genrikhovich

3 comments / Add your comment below

  1. Agora, as três magníficas últimas sonatas! Puxa, levei um susto com a última foto do O’Conor… Ele mudou demais!!! Até cabelo cresceu…
    Bem, o Thomas Mann está mais para o Adagietto da quinta de Mahler…
    De qualquer forma, brincadeiras à parte, parabéns pela ótima série de postagens com as sonatas do Ludovico interpretadas pelo João O’Conor!!
    Abraços
    Mário

  2. Thomas Mann, Sonata opus 111, adoro… só o fino do fino!

    Em 2013 eu tive o privilégio de assistir ao Pollini tocando ao vivo essas últimas 3 sonatas, em ordem. Choveram aplausos por uns 10 a 15 minutos, ele agradeceu n vezes, mas não tocou nenhum bis… Pelas mesmas razões que o Thomas Mann descreve tão bem: depois da opus 111, só resta o silêncio.

Deixe uma resposta