Franz Liszt (1811-1886): Late Chamber Music – Späte Kammermusik

Lizst Chamber musicPUBLICADO POR WELL BACH EM 4/4/2015, REPUBLICADO POR VASSILY EM 27/1/2020, DENTRO DUMA CAMPANHA LANÇADA DENTRO DO CONSELHO DELIBERATIVO PEQUEPIANO PARA SEUS INTEGRANTES PORTADORES DE LISZTITE CRÔNICA DAREM UMA NOVA CHANCE À MÚSICA DO ABADE FRANZ.

TEXTO ORIGINAL DE WELL BACH:
Eis um raríssimo disco. Não somente por não existir em CD, como também pela exímia interpretação de um corpo de músicos de extrema excelência. Também se destaca por trazer uma parte da obra de Liszt pouco cultivada, a sua música de câmara, produzida em sua maior parte no ocaso de sua vida. Vida essa marcada por sucessos, vertiginosas aventuras musicais e românticas; também caracterizada pela grande generosidade com que apadrinhou tantos talentos, alguns dos quais sequer ouviríamos falar se não fosse o seu mecenato e apoio. Grande profeta da música, antecipou com ousadas e desbravadoras criações muito do que viria logo após a sua morte, como o atonalismo, o serialismo e mesmo a essência do que seria o chamado impressionismo de Debussy. Legando à música o que ele mesmo chamou de suas “flechas lançadas para o futuro” e aos pianistas muito trabalho duro de se realizar. A gravação, naturalmente extraída do vinil, talvez não venha a contentar os mais exigentes em matéria de excelência sonora, todavia a qualidade das peças e das interpretações, estou certo, ajudará a abstrair dessa ingrata limitação e nos fará desejar que algum dia este magnífico registro apareça finalmente remasterizado, com toda qualidade sonora que merece. São obras intensamente intimistas, totalmente opostas ao habitual virtuosismo que habitualmente caracteriza tantas peças do velho cigano. O virtuosismo no presente caso é de outra natureza – reside na habilidade do compositor em evocar atmosferas. Impressões sombrias, brumas e recordações de intensos estados de alma; pensamentos e dejavus, alucinações, visões fugidias. Uma melancolia meditativa que não deixa de evocar o Spleen baudelairiano. A faixa dois contém duas obras, a Elégie II e o belíssimo Romance Oubliée para viola e piano, de 1880 [NOTA DE VASSILY: o link republicado contém as cinco faixas do LP separadas]. As Elégies são transcrições do próprio Liszt, originalmente concebidas para piano solo. A Lúgubre Gondola aqui a temos numa transcrição moderna, da peça originalmente também para piano solo, em duas versões.

Gostaria de dedicar esta postagem ao amigo e grande melômano Newman Sucupira (em memória), que também apreciava muito estas obras e essa gravação. Abaixo, vemos o gênio em seu leito de morte – à espera da Lúgubre Gôndola.

Franz Liszt (1811-1886): Late Chamber Music – Späte Kammermusik

1-      Elégie I – para violoncelo, piano, harpa e harmônio.
2-      La Lugubre gondola – para violoncelo e piano.
3-      Elégie II – para violino e piano
4 –     Romance oubliée – para viola e piano.
5-      La Notte – para violino e piano.

Reinbert de Leeuw, piano
Vera Beths, violino e viola
Anner Bijlsma, violoncelo
Gerda Ockers, harpa
Bob Zimmerman, harmônio

Philips, 1984.

[Nota de Vassily: graças ao leitor-ouvinte Eduardo, soubemos que a gravação agora também existe em CD!]

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Presunto de Liszt
Presunto de Liszt esperando pela Lúgubre Gôndola

Well Bach

11 comments / Add your comment below

    1. Às vezes a música nos atrai de forma misteriosa e encontramos tesouros antes que desapareçam. Já me aconteceram episódios assim. rs

Deixe uma resposta