Marcos Portugal: Le donne cambiate (As damas trocadas)

iykl1lidbvk6

Portugal: Le Donne Cambiate
Marcos Antonio Portugal da Fonseca (Portugal, 1762-Rio, 1830)
01: Le Donne Cambiate – Overture
02: Le Donne Cambiate – Act 1: Trio
03: Le Donne Cambiate – Act 1: Aria
04: Le Donne Cambiate – Act 1: Quartet
05: Le Donne Cambiate – Act 1: Recitative & Duet
06: Le Donne Cambiate – Act 1: Cavatina
07: Le Donne Cambiate – Act 1: Recitative & Minuet
08: Le Donne Cambiate – Act 2: Recitative & Aria
09: Le Donne Cambiate – Act 2: Duet
10: Le Donne Cambiate – Act 3: Aria
11: Le Donne Cambiate – Act 3: Aria
12: Le Donne Cambiate – Act 3: Recitative & Aria
13: Le Donne Cambiate – Act 3: Finale

Portugal: Le Donne Cambiate – 2000
City Of London Sinfonia
Maestro Álvaro Cassuto

Outro CD gentilmente cedido pelo musicólogo Prof. Paulo Castagna. Não tem preço !!!

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
320 kbps – 175,1 MB – 1,1 h
powered by iTunes 10.6.3

Boa audição.

modernidade

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :. B. B. King – Deuces wild

Captura de Tela 2017-11-03 às 17.20.37
Em memória do imenso B. B. King
1925 – 2015
.
Deuces wild – 1997
B. B. King & Friends

.
.
.

.
.
01. If you love me (B.B. King & Van Morrison)
02. The Thrill Is Gone (B.B. King & Tracy Chapman)
03. Rock Me Baby (B.B. King & Eric Clapton)
04. Please send me someone to love (B.B. King & Mick Hucknall)
05. Baby I Love You (B.B. King & Bonnie Raitt)
06. Ain’t Nobody Home (B.B. King & D’Angelo)
07. Pauly’s Birthday Boogie (B.B. King & Jools Holland)
08. There Must Be a Better World Somewhere (B.B. King & Dr. John)
09. Confessin’ the Blues (B.B. King & Marty Stuart)
10. Hummingbird (B.B. King & Dionne Warwick)
11. Bring it home to me (B.B. King & Paul Carrack)
12. Paying the Cost to Be the Boss (B.B. King & Roling Stones)
13. Let the Good Times Roll (B.B. King & Zucchero)
14. Dangerous Mood (B.B. King & Joe Cocker)
15. Keep It Coming (B.B. King & Heavy D)
16. Crying Won’t Help You (B.B. King & David Gilmour & Paul Carrack)
17. Night life (B.B. King & Willie Nelson)

Palhinha: ouça 01. If you love me (B.B. King & Van Morrison)

B. B. King – Deuces wild – 1997

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 176,4 MB – 1,2 h
powered by iTunes 10.6.3

Boa audição.

Captura de Tela 2017-11-03 às 17.25.06

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Creator Alme – Pe. José Maurício Nunes Garcia & Manoel A. de M. Senra & Francisco Gomes da Rocha & José R. D. de Meirelez & Jerônimo de Souza Lobo & José Joaquim da Paixão & Manoel Dias de Oliveira (Acervo PQPBach)

2agugqcCreator Alme
Coro e Orquestra Domine Maris

.
O Pe. José Maurício Nunes Garcia (1767-1830, Rio de Janeiro, RJ) apresenta o inspiradíssimo, maravilhoso Moteto ao Pregador escrito para solista e orquestra, em duas versões: Te Christe solum novimus e Creator Alme siderum. Ambas versões possuem estrutura musical e de texto semelhantes. A musical do Creator Alme siderum é mais desenvolvida, possui longa introdução instrumental e escrita virtuosística para o solista.

A partitura da Ave Maria, de Manoel Augusto de Medeiros Senra (Séc. XIX, Coimbra, MG), é destinada a uma voz de soprano solo com acompanhamento instrumental com flauta, clarineta, piston, ophecleid, violinos I e II e contrabaixo. Para esta gravação foram incluídos violoncelo e trompa.

O Invitatorium, de Francisco Gomes da Rocha (1746-1808, Vila Rica, MG), apresenta uma escrita coral de clara textura homofônica. Os violinos realizam um contraponto elaborado à base de semicolcheias apoiadas por notas harmônicas das trompas. O baixo instrumental realiza um apoio com variantes ao baixo vocal. Obra editada por Harry Lamott Crowl, Jr.

Ária escrita para soprano solo acompanhada de conjunto de cordas, a peça Lingua benedicta de José Rodriguez Dominguez de Meirelez (séc. XIX, Pitanguí, MG), não apresenta alterações de andamento e o estilo é bastante influenciado pela ária de ópera italiana. A parte do solista tem uma escrita refinada com coloraturas de ligeiro virtuosismo.

Jerônimo de Souza Lobo (17xx-1803, Vila Rica, MG), além de compositor, atuava como violinista, organista e regente na antiga Vila Rica, atual Ouro Preto. Sua obra O Patriarcha Pauperum possui clara influência da ópera, tanto na escrita como no conteúdo.

José Joaquim da Paixão (Lisboa, c. 1770 – Funchal, c. 1820), de quem se tem poucas referências, teve algumas de suas obras circulado em terras brasileiras nos séculos XVIII e XIX. O Vere Christe possui momentos de virtuosismo percebendo-se influências do italianismo que predominou na época. O Tremit mundus muito se assemelha à obra anterior e conserva a mesma organização estrutural apresentando lirismos na voz solista apoiada pelo conjunto instrumental.

Tractos, Missa e Vésperas, de Manoel Dias de Oliveira (São José del Rey [Tiradentes], 1735-1813), é música para o Sábado Santo. Para a Vigília são quatro os tratos, versículos que se cantam nas épocas de penitência logo após o gradual em substituição à Aleluia. Para a Missa da Tarde foram especialmente compostos todos os cânticos, exceto os que, como o Kyrie e o Glória, fazem parte do ofício ordinário.
(texto adaptado do encarte)

Palhinha: Ouça 1. Te Christe solum novimus (Moteto ao Pregador) na inspirada voz de Katya Oliveira

Pe. José Maurício Nunes Garcia (1767-1830, Rio de Janeiro, RJ)
1. Te Christe solum novimus (Moteto ao Pregador)
2. Creator alme siderum (Moteto ao Pregador)

Manoel Augusto de Medeiros Senra (Séc. XIX, Coimbra, MG)
3. Ave Maria
Francisco Gomes da Rocha (1746-1808, Vila Rica, MG)
4. Invitatorium
José Rodriguez Dominguez de Meirelez (séc. XIX, Pitanguí, MG)
5. O lingua benedicta
Jerônimo de Souza Lobo (17xx-1803, Vila Rica, MG)
6. O Patriarcha pauperum (Moteto ao Pregador para a festa de São Francisco de Assis)
José Joaquim da Paixão (Lisboa, c. 1770 – Funchal, c. 1820)
7. O vere Christe (Moteto ao Pregador)
8. Tremit mundus

Manoel Dias de Oliveira (São José del Rey [Tiradentes], 1735-1813)
9. Tractos, Missa e Vésperas de Sábado Santo 1. Cantemus Domino
10. Tractos, Missa e Vésperas de Sábado Santo 2. Vinea facta est
11. Tractos, Missa e Vésperas de Sábado Santo 3. Attende Caelum
12. Tractos, Missa e Vésperas de Sábado Santo 4. Sicut servus – Alleluia
13. Tractos, Missa e Vésperas de Sábado Santo 5. Confitemini
14. Tractos, Missa e Vésperas de Sábado Santo 6. Laudate Dominum
15. Tractos, Missa e Vésperas de Sábado Santo 7. Vespere autem
16. Tractos, Missa e Vésperas de Sábado Santo 8. Magnificat

Creator Alme – 2005
Coro e Orquestra Domine Maris, regente: Modesto Flávio
Soprano solo: Katya Oliveira
Mezzo-Soprano: Edinea Pacheco Stikan
Baixo (convidado): Lício Bruno
Tenor: Fabrício Miyakawa

.

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 – 320kbps – 159,7 MB – 1,1 horas
powered by iTunes 8.2

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MAX RIP | FLAC 693,3 MB | HQ Scans 31.0 MB |

.

Boa audição!

mares-nunca-dantes-navegados.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Tomás Luis de Victoria (Spain, 1548-1611): The Mystery of the Cross – The Sixteen

2450pa8The Mystery of the Cross
Tomás Luis de Victoria – The Sixteen

 

“…music Christophers was born to conduct.”
BBC Radio Three, Record Review

“This is what recording should be about…excellent performances and recorded sound…beautiful and moving.”
Gramophone

Estudioso, místico, sacerdote, cantor, organista e compositor – seis pessoas em uma só – é por esse motivo, simplesmente, que Victoria é o compositor mais marcante do Renascimento. Ele dedicou sua vida à igreja, e as suas obras revelam uma paixão sincera de tal forma que há momentos, durante sua execução, que nos sentimos quase esmagados pela sua intensidade. Esta série de Victoria pretende mostrar não só a profunda emoção sentida no período da Quaresma, mas também sua capacidade de ser alegremente inventivo e altamente sensual, como no seu tratamento de textos de “O Cântico dos Cânticos”. Harry Christophers

Victoria: The Mystery of the Cross
Tomás Luis de Victoria (Spain, 1548-1611)/Bible – Old Testament
01. Lamentations for Maundy Thursday – Lectio I: Incipit lamentatio Jeremiae
02. Lamentations for Maundy Thursday – Lectio II: Et egressus est
03. Lamentations for Maundy Thursday – Lectio III: Manum suam
04. Lamentations for Maundy Thursday – Hymn: Vexilla Regis (more hispano)
05. Lamentations for Good Friday – Lectio I: Cogitavit Dominus
06. Lamentations for Good Friday – Lectio II: Matribus suis dixerunt
07. Lamentations for Good Friday – Lectio III: Ego vir videns
08. Lamentations for Good Friday – Hymn: Pange Lingua (more hispano)
09. Lamentations for Holy Saturday – Lectio I: Misericordiae Domini
10. Lamentations for Holy Saturday – Lectio II: Quomodo obscuratum
11. Lamentations for Holy Saturday – Lectio III: Incipit oratio Jeremiae

Victoria: The Mystery of the Cross – 2004
The Sixteen
Director: Harry Christophers

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (com encarte)
MP3 320 kbps – 170,9 MB – 1,2 h
powered by iTunes 12.1.0

Boa audição.

solidao

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Tomás Luis de Victoria (1548-1611): Missa Vidi Speciosam – Motetes

kbufbr‘Splendid music, splendidly performed’ (Gramophone)

‘Flawlessly produced’
(The Daily Telegraph)

 

Almost all Victoria’s surviving works were printed in his lifetime; many of his motets were reprinted as many as six times. Of the few works that survive only in manuscript some were wrongly attributed to him by Pedrell at the beginning of the twentieth century. The four-part Ave Maria, perhaps rightly, continues to be accepted as Victoria’s, though it has to be noted that Pedrell first printed it in 1913 and its source remains obscure.

Victoria set the Hymn Ave maris stella twice and published one version in 1581 and this second one in 1600. Alternate verses are sung to plainsong (in one of the many variants of this memorable tune) and the polyphony paraphrases and elaborates it. Ave maris stella is the Hymn at First Vespers on Feasts of the Blessed Virgin.

Ne timeas, Maria, published in 1572 and reprinted several times in subsequent years, is an antiphon at Second Vespers of the Annunciation to the Blessed Virgin Mary.

Sancta Maria, succurre miseris, published in 1572 and reprinted several times in subsequent years, is a prayer for mercy and help for the people, the clergy and for women. It is the Magnificat antiphon at First Vespers for Marian Feasts.

In 1592 Victoria published his Missae … liber secundus and in it is a Mass based on Vidi speciosam. Like its model this Mass is for six-part choir (SSATTB); it is particularly concise, at times declamatory and homophonic—especially in the Gloria and Credo. Victoria begins his Kyrie with the first phrase of the music of the motet with hardly any variation except that he reverses the appearance of the vocal groups, TTB being followed by the SSA group. The Christe for SSAT only is a reworking of the motet’s music at ‘circumdabant eam’. The second Kyrie is based on the motet section ‘Et sicut dies verni’.

The Gloria is a mixture of free homophonic writing mixed with derivations from the first half of the motet until at ‘Qui tollis peccata mundi’ Victoria uses the motet’s second half opening ‘Quae est ista’. Near the Gloria’s end triple time is introduced for ‘Quoniam tu solus Sanctus. Tu solus Dominus’, balancing the similar triple time at ‘Domine Deus, Agnus Dei’ just before the ending of the first half. The Gloria ends with ‘in gloria Dei Patris. Amen’ to music based on the phrase ‘et lilia convallium’ in the motet.
The Credo is concisely written, traditionally so because of its wordiness. Like the Gloria it mixes short syllabic phrases with quotations and rewriting of motifs and sections of the motet model. At ‘Crucifixus’ there is a long passage for the high voices (SSAT) only. The rare repetition ‘Et iterum, et iterum’ is set to the motet’s music for ‘et lilia, et lilia’. Like the end of the Gloria, the Credo’s ‘Amen’ makes use of the flowing phrases of ‘convallium’.

The Sanctus begins with the Vidi speciosam opening music (SSA followed by TTB) and, as so often with Victoria, he breaks into triple time for ‘gloria tua. Hosanna in excelsis’. The Benedictus (SATT) has its own ‘Hosanna in excelsis’ for six voices to a rewriting of ‘Et sicut dies verni’.

Finally, there is just one setting of the Agnus Dei (ending with ‘dona nobis pacem’ by Victoria, for seven-part choir (SSAATTB). The second alto follows the first soprano in a canon ad diapente, at the fifth below. The Agnus Dei makes only minimal use of the motet model. Despite the independence of the voices in this richly polyphonic ending, the treatment is very syllabic; one could hardly call the few flourishes melismata.

(from notes by Bruno Turne, 1984)

Tomás Luis de Victoria (Spain, 1548-1611)
01. Ave Maria
02. Ave Maris Stella
03. Ne timeas, Maria
04. Sancta Maria, succurre miseris
05. Vidi speciosam
06. Missa Vidi Speciosam: 1.Kyrie
07. Missa Vidi Speciosam: 2.Gloria
08. Missa Vidi Speciosam: 3.Credo
09. Missa Vidi Speciosam: 4.Sanctus
10. Missa Vidi Speciosam: 5.Agnus Dei

Tomas Luis de Victoria. Missa Vidi Speciosam – Motetes – 1984
Westminster Cathedral Choir
Director: David Hill
Recording on March 1984, at Westminster Cathedral, London, United Kingdom

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 98,6 MB – 44,8 min
powered by iTunes 12.1.0

Boa audição.

de-inspiração

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :. Lalo Schifrin (1932 – ) – A Tribute to the Memory of the Marquis de Sade

the-dissection-and-reconstruction-of-music-from-the-past-as-performed-by-the-inmates-of-lalo-schifrins-demented-ensemble-as-a-tribute-to-the-memory-of-the-marquis-de-sade
Lalo Schifrin
1966

 

O nome completo desde LP gravado em 1966 é: The Dissection and Reconstruction of Music from the Past as Performed by the Inmates of Lalo Schifrin’s Demented Ensemble as a Tribute to the Memory of the Marquis de Sade.

Lalo Schifrin nasceu na Argentina. Seu pai, Luis Schifrin, liderou a ala dos segundos violinos do Teatro Colón por três décadas. Aos seis anos de idade iniciou um curso de piano de seis anos com Enrique Barenboim, pai do pianista e maestro Daniel Barenboim. Aos dezesseis anos de idade, Schifrin começou a estudar piano com o russo expatriado Andreas Karalis, antigo responsável pelo Conservatório de Kiev, e harmonia com o compositor argentino Juan-Carlos Paz. Durante esse período, Schifrin também começou a se interessar pelo jazz.

Embora tenha estudado Sociologia e Direito na Universidade de Buenos Aires, foi a música que capturou a sua atenção. Aos 20 anos de idade, ganhou uma bolsa de estudo no Conservatório de Paris. Enquanto lá permaneceu, frequentou as aulas de Olivier Messiaen e formalmente estudou com Charles Koechlin, um discípulo de Maurice Ravel. Durante as noites, tocava jazz nos night-clubs de Paris. Em 1955 tocou piano com Astor Piazzolla e representou seu país no Festival Internacional de Jazz de Paris. Em 1960 tocou o piano no conjunto de Dizzy Gillespie.

Escreveu inúmeras trilhas sonoras para mais de 100 filmes e seriados para a televisão e marcou época com suas composições e suas interpretações de jazz com o seu conjunto. Possui 4 Grammy Awards (21 indicações), recebeu 6 indicações para o Oscar e tem a sua estrela no Hollywood Walk of Fame.

1. Old Laces
2. The Wig
3. The Blues for Johann Sebastian
4. Renaissance
5. Beneath A Weeping Willow Shade
6. Versailles Promenade
7. Troubadour
8. Marquis de Sade
9. Aria
10. Bossa Antique

The Dissection and Reconstruction of Music from the Past as Performed by the Inmates of Lalo Schifrin’s Demented Ensemble as a Tribute to the Memory of the Marquis de Sade – 1966
Lalo Schifrin Ensemble

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 76,9 MB – 32,8 min
powered by iTunes 12.5.1

Boa audição!

para-surdos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Coro dos monges da abadia St. Pierre de Solesmes: Cristo no Getsêmani

rjia9zOfício das Trevas da Quinta-feira Santa

Monges da abadia St. Pierre de Solesmes

Enquanto a salmodia é, simplesmente, a da féria (quinta-feira), com antífonas próprias do tempo da Paixão, a grande beleza dos responsórios das Trevas, merecidamente célebres, consiste, sobretudo, em procurar traduzir – e o conseguem – com nuances de uma delicadeza infinita, os sentimentos que dominavam a alma do Senhor durante sua dolorosa Paixão. Tudo está centralizado nele, no seu sofrimento, na sua mansidão, no seu amor e, às vezes, também na sua queixa diante dos maus tratos que lhe infligiram e do abandono dos amigos.

(extraído do encarte)

e0hnm

 

 

f2pve1

Abadia St. Pierre de Solesmes

….

 

 

 

 

 

Cristo no Getsêmani – Trevas da Quinta-Feira Santa e Lava-Pés – 1989
Coro dos monges da Abadia St. Pierre de Solesmes
Direção: Dom Jean Claire

Outro CD gentilmente cedido pelo musicólogo Prof. Paulo Castagna. Não tem preço !!!

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
320 kbps – 165,9 MB – 1,1 h
powered by iTunes 10.6.3

Boa audição.

de-beleza

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

The Silver Trumpets of Lisbon and Lusitanian Organ Music – Charamela Real de Lisboa

15no9ywThe Silver Trumpets of Lisbon and Lusitanian Organ Music

Charamela Real de Lisboa

Com trombetas originais da época (ca. 1720)

A descoberta dos originais dos livros de partituras da Charamela Real na Torre do Tombo, por Edward Tarr, revelou uma porção de manuscritos, compostos especialmente para a Charamela Real, registrados por um compositor desconhecido, ou talvez compositores. Uma grande coleção de instrumentos sobreviveu e pode ser ainda apreciada no Museu dos Coches de Lisboa.

O termo Charamela é geralmente associado, depois das investigações de Tarr, ao conjunto de trombetas naturais [trombetas sem válvulas] de D. João V de Portugal, O Magnânimo, (1689-1750), embora o significado do termo seja ainda controverso.

A Charamela Real abria tradicionalmente os cortejos em que participavam os monarcas, os membros da casa real e os altos dignitários estrangeiros. Podia atuar em embarcações de gala. Na cerimônia de abertura anual do parlamento, os charameleiros não integravam o cortejo entre o paço real e S. Bento. Aguardavam o monarca no interior do Parlamento e iam na frente do cortejo que se organizava entre a porta principal e a entrada da Câmara dos Deputados. Com a transferência da corte para o Rio de Janeiro, D. João VI duplicou no Brasil a Charamela, os Bergantins e os antigos estilos da corte portuguesa, os quais se mantiveram no período do Império.

The Silver Trumpets of Lisbon and Lusitanian Organ Music
do livro da Charamela Real de Lisboa
01. Sonate Nr. 15 for 6 trumpets and timpani
02. Sonate Nr. 44 for 12 trumpets and timpani
03. Sonate Nr. 1 for 6 trumpets and timpani
José António Carlos de Seixas, (Coimbra, 1704 – Lisboa, 1742)
04. Adagio aus Sonate Dó maior, Orgel
do livro da Charamela Real de Lisboa
05. Sonate Nr. 6 for 6 trumpets and timpani
06. Sonate Nr. 5 for 6 trumpets and timpani
José António Carlos de Seixas, (Coimbra, 1704 – Lisboa, 1742)
07. Sonata Dó menor, Orgel
do livro da Charamela Real de Lisboa
08. Sonate Nr. 51 for 12 trumpets and timpani
09. Sonate Nr. 52 for 6 trumpets and timpani
José António Carlos de Seixas, (Coimbra, 1704 – Lisboa, 1742)
10. Amoroso, Orgel
11. Allegro, Orgel
do livro da Charamela Real de Lisboa
12. Sonate Nr. 24 for 6 trumpets and timpani
13. Sonate Nr. 8 for 6 trumpets and timpani
14. Sonate Nr. 26 for 6 trumpets and timpani
José António Carlos de Seixas, (Coimbra, 1704 – Lisboa, 1742)
15. Fuge em Dó menor, Orgel
16. Sonate Nr. 48 for 12 trumpets and timpani
17. Sonate Nr. 36 for 6 trumpets and timpani
José António Carlos de Seixas, (Coimbra, 1704 – Lisboa, 1742)
18. Obra de 6 ̊tom sobre a Batalha, Orgel
do livro da Charamela Real de Lisboa
19. Sonate Nr. 53 for 24 trumpets and timpani

The Silver Trumpets of Lisbon and Lusitanian Organ Music – 1989
Trompetenensemble
Diretor: Edward Tarr
Órgão: Irmtraud Krüger

Um CD do acervo do musicólogo Prof. Paulo Castagna. Não tem preço !!!

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
320 kbps – 125,2 MB – 53,3 min
powered by iTunes 10.6.3

Boa audição.

 

11alncg

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Tomás Luis de Victoria (1548-1611): O Magnum Mysterium & Ascendens Christus: Westminster Cathedral Choir

25fmzvsTomás Luis de Victoria (1548-1611)
O Magnum Mysterium & Ascendens Christus
Westminster Cathedral Choir

Tomás Luiz de Victoria was born in 1548 in Avila, birthplace of St Teresa. Just as she seems to personify the religious ethos of sixteenth-century Spain (the good side of it, at least), so Victoria came to embody the best of the Spanish character in music. As a youth he learnt his art as a chorister at the Cathedral of Avila. So promising was he that he was sent to Rome at seventeen years of age, patronized by Philip II and by the Church, to study at the Jesuit’s Collegium Germanicum.

Victoria’s musical career in Rome brought him into contact with Palestrina and the innumerable singers, organists and composers from all over Europe who were active in the chapels and churches of that great city at the very time when Catholicism regained confidence, new vitality and disciplined reform. The young Spanish priest was soon publishing his compositions in sumptuous editions (even Palestrina was jealous).

The success of his Roman years did not prevent Victoria from yearning for a quiet life in Spain. After his publications of 1585 (including the famous set of Holy Week music) he achieved his desire and returned to take up the position of Chaplain and Chapelmaster at the Royal Convent of the Barefoot Nuns of St Clare in Madrid, effectively the home and chapel of Philip II’s sister, the Dowager Empress Maria. There he ended his days producing less and less after 1600 and nothing, so far as we know, after the publication in 1605 of the great Office of the Dead, the Requiem for the Empress who died in 1603. Victoria died in 1611. He had turned down offers from Seville and Saragossa; he had visited Rome during the period 1592–94, supervising the printing of his works and attending Palestrina’s funeral. In 1595 he returned to Madrid and stayed.

The motet O magnum mysterium (published in 1572) has been a favourite of choirs ever 2przh9vsince the revival of Victoria’s music eighty years ago. Although the original publication entitles it In Circuncisione Domini, its text is taken from a responsory of Christmas Matins and its use has always been as a Christmas motet. One of Victoria’s most endearing creations, it unfolds serenely, richly warm when it expresses the wonder that even the animals behold the Infant in the manger. Then a wonderful hush as Victoria musically caresses ‘O beata Virgo’. The final ‘Alleluia’ dances in triple time and then, with a welter of running notes, comes grandly to a close. The work is set for four-part choir (SATB). This fine work became the basis for a Mass (also for four-part choir) published by Victoria twenty years later, in 1592. It uses all the motives of the motet except for the wonderful brief moment of the ‘O beata Virgo’ section. Victoria, it seems, omitted this from the material for the Mass because it was suitable only for quotation, not development. Similarly he omitted the opening phrase of ‘O quam gloriosum’ in his famous Mass on that motet.

In the Missa O magnum mysterium Victoria swings into triple time briefly just once in the Gloria, fleetingly three times in the Credo, and then to great effect in the Hosanna which follows both Sanctus and Benedictus. He varies his four-part vocal texture just twice. The Benedictus is for three voices (the bass is silent), and in the single setting of Agnus Dei he divides the trebles and makes them sing in canon at the unison. This five-part ending is customarily repeated to accommodate the words ‘dona nobis pacem’.

The motet Ascendens Christus is specified by Victoria In Ascensione Domini and the text comes from the last Responsorium of the Second Nocturn of Matins for that Feast. It was published five times in Victoria’s lifetime. Like O magnum mysterium, it first came out in 1572, and once again Victoria chose to make a Mass upon it which was published in 1592.

In perfect accord with the meaning of the words, Ascendens Christus is joyous and brilliant with strong rising phrases and ringing Alleluia motives. Again in accord with the origin of the text in a Responsorium, the musical plan is ABCB. The work is in two distinct halves. It is for five voice parts (SSATB).

All the motet’s material is imaginatively absorbed into the composition of the Mass. The five voices are retained but sections for reduced choir (or soloists) are scored for four voices in varied combinations. The ‘Christe eleison’ is SSAT. The ‘Domine Deus’ in the Gloria is for SSAB. The Credo has the ‘Crucifixus’ and ‘Et resurrexit’ for SSAT. The Benedictus is for SATB. The Agnus Dei is set only once and is for six voices, SSATTB, in which the first tenors, altos and second trebles are in canon (trinitas in unitate). In this recording the Agnus Dei is sung twice, once to ‘miserere nobis’ and repeated to ‘dona nobis pacem’.

All is lightness and brightness; the Gloria seems to bounce along, so springy are the rhythms, so concise and clearly declamatory with the verbal accents incomparably set. The triple-time Hosanna, sung to the same music after Sanctus and Benedictus, is typical of Victoria’s mature Masses. All is brief, clear and lightly decorated, perfect in liturgical propriety.

Victoria regarded the Mass as something happy and often jubilant. There are moments of quiet adoration or contemplation, but it is very significant that Victoria never chose to base a Mass upon sad or penitential motets, but always upon those of a joyful nature.

(Bruno Turner, 1985, texto extraído do encarte)

Tomás Luis de Victoria (Spain, 1548-1611)
01. Motet: O magnum mysterium
02. Missa O magnum mysterium – Movement 1: Kyrie
03. Missa O magnum mysterium – Movement 2: Gloria
04. Missa O magnum mysterium – Movement 3: Credo
05. Missa O magnum mysterium – Movement 4: Sanctus
06. Missa O magnum mysterium – Movement 5: Benedictus
07. Missa O magnum mysterium – Movement 6: Agnus Dei
08. Motet: Ascendens Christus in altum
09. Missa Ascendens Christus in altum – Movement 1: Kyrie
10. Missa Ascendens Christus in altum – Movement 2: Gloria
11. Missa Ascendens Christus in altum – Movement 3: Credo
12. Missa Ascendens Christus in altum – Movement 4: Sanctus
13. Missa Ascendens Christus in altum – Movement 5: Benedictus
14. Missa Ascendens Christus in altum – Movement 6: Agnus Dei

Victoria: O Magnum Mysterium & Ascendens Christus – 1985
Hill, David (dir) Westminster Cathedral Choir
David Hill, conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (com encarte)
MP3 320 kbps – 125,1 MB – 52,9 min
powered by iTunes 10.5.1

Boa audição.

2gsrc7a

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Tomás Luis de Victoria (1548-1611) – The Call of The Beloved – The Sixteen

5trxh0Tomás Luis de Victoria
The Call of The Beloved
The Sixteen

The great Spanish composer and priest, Victoria, devoted his life to writing supremely uplifting and intense music throughout the church calendar. The Call of The Beloved includes some of the earliest triple-choir music ever to be published and is a reminder of Victoria’s joyous and passionate music, complementing his more austere Requiem and music for Holy Week. (extraído do encarte)

“If one can ever achieve complete emotional expression through the power of music, then here it is.” Harry Christophers

” …this is a beautifully prepared and rewarding recording that deepens our appreciation of one of the greatest masters of the Renaissance.” GRAMOPHONE

Tomás Luis de Victoria (Spain, 1548-1611)
01. Motet: Laetatus sum a 12 (Psalm 121)
02. Missa Laetatus sum a 12 – 1. Kyrie
03. Missa Laetatus sum a 12 – 2. Gloria
04. Missa Laetatus sum a 12 – 3. Credo
05. Missa Laetatus sum a 12 – 4. Sanctus
06. Missa Laetatus sum a 12 – 5. Benedictus
07. Missa Laetatus sum a 12 – 6. Agnus Dei
08. Hymn: Veni Creator Spiritus a 4
09. Hymn: Vadam et circuibo civitatem a 6
10. Motet: Vidi speciosam a 6
11. Hymn: Ad coenam Agni providi a 4
12. Magnificat Sexti toni a 12

The Call of The Beloved – 2002
The Sixteen
Harry Christophers, director

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (com encarte)
MP3 320 kbps – 158,5 MB – 1,1 h
powered by iTunes 10.5.1

Boa audição.

farol

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

A música das Minas Gerais do Século XVIII

29h15wAcervo Curt Lange do Museu da Inconfidência de Ouro Preto, MG

 

Este disco, produzido pela Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais, com o patrocínio da Pró-Reitoria de Pesquisa, apresenta obras musicais de refinado valor artístico, constantes do acervo descoberto por Francisco Curt Lange em sua pesquisa pioneira nas cidades históricas de Minas, na década de 1940.

Hoje, a Coleção Curt Lange acha-se no Museu da Inconfidência, graças à dinâmica atuação de seu Diretor, Dr. Rui Mourão. A catalogação e a restauração das obras ali vem sendo elaborada por competente equipe de pesquisadores, sob a coordenação geral do musicólogo Régis Duprat e supervisão do regente Carlos Alberto Baltazar. Régis Duprat está se dedicando, com especial cuidado, à elaboração do Catálogo Temático dos Manuscritos da Coleção Curt Lange, cujo primeiro volume deverá ser lançado, em breve, pela Editora da Universidade Federal de Minas Gerais.

O “Milagre Musical do Barroco Mulato” é um tema que fascina o mundo e Curt Lange foi o protagonista principal, o emérito bandeirante que lançou a primeira luz sobre o mistério que envolvia a música de Minas Gerais, no século do ouro e dos diamantes, no conturbado momento político em que nasceu a Inconfidência Mineira.

O trabalho de Curt Lange, Doutor Honoris Causa da Universidade Federal de Minas Gerais, hoje prossegue, graças à pesquisa persistente de respeitáveis musicólogos que se ocupam do resgate, da revisão e restauração de obras musicais de nosso passado histórico.

(Sandra Lourero de Freitas Reis, Diretora da Escola de Música da UFMG, extraído da contra-capa, 1990)

A música das Minas Gerais do Século XVIII
Ginés de Morata (séc. XVI)
01. Populæ meus
02. Cum descendentibus in lacum
José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (Vila do Príncipe, 1746- Rio de Janeiro, 1805)
03. Regina cœli laetare
04. Responsório de Santo Antonio
Marcos Coelho Neto, (Vila Rica [Ouro Preto], 1740-1806)
05. Ladainha em Ré
José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (Vila do Príncipe, 1746- Rio de Janeiro, 1805)
06. Gradual para Domingo da Ressureição
07. Antífona de Nossa Senhora

A música das Minas Gerais do Século XVIII – 1990
Orquestra Sinfônica & Corpo Coral Estável da Escola de Música da UFMG
Regência: Maestrina Ângela Pinto Coelho

.
Nota: notamos, na listagem dos tenores do Corpo Coral Estável, o nome do Dr. Allison Roberto F. de Freitas, nosso prezado ouvinte de Belo Horizonte, cujo precioso acervo de LPs doou ao PQPBach.

LP de 1990 gentilmente cedido pelo musicólogo Prof. Paulo Castanha (http://paulocastagna.com) – não tem preço!! – e digitalizado por Avicenna.

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
320 kbps – 119 MB – 31,4 min
powered by iTunes 10.6.3

Boa audição.

casamento

 

 

 

 

 

 

 

 

.

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Minas, 1717-1977: Região do Rio das Mortes

33aug4j Apresentação de orquestras e corais da região do Rio das Mortes, Minas Gerais, mantendo viva uma tradição brasileira ao longo dos séculos.

 

A música sacra brasileira tem seu ponto forte na região do Rio das Mortes. Mais do que em qualquer outro lugar do Brasil, ali a música ainda desempenha o papel para a qual foi composta, não sendo uma mera peça de concerto. As Orquestras e Bandas são tradições fortemente enraizadas no povo daquela região.

Duas das Orquestras desse disco são da cidade de São João Del Rei, a Orquestra Lira Sanjoanense e a Orquestra Ribeiro Bastos. Ambas são Orquestras Bicentenárias que, juntas, mantém a tradição sacro-musical daquela cidade. Os visitantes e moradores dessa cidade histórica se deparam com essas orquestras no seu cotidiano, nas missas de segunda a segunda, executando sempre peças do repertório sacro colonial.

A Orquestra Ramalho, de Tiradentes, antiga São José Del Rei, também preserva essa cultura musical, assim como a Lira Ceciliana de Prados, todavia, ambas são mais ativas em festas maiores, como Semana Santa, Festa de Nossa Senhora do Carmo, Festa de Passos, Festa da Boa Morte, entre outras.

Os dias destinados aos santos são sempre comemorados com muita pompa nessas cidades, principalmente São João Del Rei, onde as duas orquestras sempre “disputam” pela qualidade das peças apresentadas, apresentando sempre peças “novas” do repertório sacro colonial, o que faz com que o repertório dessas orquestras seja bem vasto. Algumas peças são fixas para as festividades para a qual foram escritas, sendo tocadas repetidamente todos os anos na festa, como o Aplaudatur.

96w6xg O ouvinte pode pensar: mas repete-se todos os anos? Sim, todavia, como disse antes, existe uma competição entre as duas orquestras. O Aplaudatur é uma das partes da Novena da Boa Morte. Essa novena é responsabilidade da Orquestra Lira Sanjoanense atualmente, a orquestra executa uma novena diferente a cada dia, durante os nove dias da novena, o que a torna num espetáculo único; logo, são 9 Aplaudatur durante toda novena, algo bem sui generis. As peças Assumpta est Maria e Exaltata est são coros processionais, que o coro da Orquestra Lira Sanjoanense executa durante a procissão da Assunção de Nossa Senhora.

O que o ouvinte deve ter notado, e achado um tanto quanto estranho, é a qualidade desses agrupamentos musicais. Não se pode dizer que nenhuma das execuções apresentadas nessa gravação histórica seja de boa qualidade. De fato, não existe o caráter profissional nesses grupos no que se refere à técnica, mas vale lembrar que esses grupos existem para manter viva a tradição católico-musical desses lugares, sendo formados por pessoas simples, muitos com nenhum estudo musical mais profundo. Com a existência de uma faculdade de música na cidade atualmente, pode-se dizer que houve uma melhora considerável em ambas orquestras de São João Del Rei nas festas maiores, mas no seu dia a dia ainda prevalece aqueles que fazem arte pelo amor a arte e tradição, mantendo o caráter não profissional, mas ainda assim mais elaborado que as gravações aqui apresentadas.

10pzvqpA realidade técnica desses grupos mudou muito da época da gravação desse LP para os dias atuais. Não pense o ouvinte que visitando essas cidades ouvirá música com essa qualidade aqui apresentada, pois o que se pode observar é uma evolução técnica notável até mesmo para os leigos. Deliciem-se com as peças aqui apresentadas, fechem os olhos e imaginem-se numa das igrejas barrocas, cheias de riquezas, cheias de ouro, mas não deixem que absorver a maior riqueza desse lugares, sua cultura.

(texto do maestro e compositor Rafael Sales Arantes especialmente para esta postagem. O maestro Rafael Arantes, nascido e criado na região do Rio das Mortes, na cidade de Aiuruoca, criou e mantém o blog “Música Sacra e Profana Brasileira“. Não deixem de visitar).

[soundcloud url=”https://api.soundcloud.com/tracks/192697028″ params=”color=ff5500&auto_play=false&hide_related=false&show_comments=true&show_user=true&show_reposts=false” width=”100%” height=”166″ iframe=”true” /]

Minas, 1717-1977 Região do Rio das Mortes
Pe. José Maria Xavier (São João del Rey, 1819-1887)
Orquestra Lira Sanjoanense
01. Novena de Nossa Senhora da Boa Morte – Applaudatur
Marcos dos Passos (São João del Rei, Séc. XIX)
Orquestra Lira Sanjoanense
02. Maria Mater Gratia
Presciliano Silva (São João del Rei, Séc. XIX)
Orquestra Lira Sanjoanense
03. Missa a 4 Vozes para Pequena Orquestra – Laudamus
Manoel Dias de Oliveira (São José del Rey [Tiradentes], 1735-1813)
Coral da Orquestra Lira Sanjoanense
04. Moteto: Assumpta Est
05. Moteto: Exaltata Est

Martiniano Ribeiro Bastos (São João del Rei, Séc. XIX)
Orquestra Ribeiro Bastos
06. Primeira Jaculatória de São Francisco de Assis
07. Segunda Jaculatória de São Francisco de Assis

Gregório Resende (Séc. XIX)
Orquestra Ramalho
08. Missa de São Benedito (trecho)
José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (Vila do Príncipe, 1746- Rio de Janeiro, 1805)
Lira Ceciliana de Prados
09. Domenica Palmarum (trecho)

Minas, 1717-1977 Região do Rio das Mortes – 1977
Gravado nos dias 17, 18 e 19 de dezembro de 1976 em:
São João del Rei, na Igreja de São Francisco de Assis,
Tiradentes, na Igreja de Santo Antonio, e
Prados, na igreja matriz
LP de 1977 digitalizado por Avicenna

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 149,2 MB – 1,0 hora
powered by iTunes 12.1.0

Partituras e outros que tais? Clique aqui

 

Boa audição.

nl6bn6

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Concert from Stephansdom – A Mozart Celebration

2055168_DVD_Wiener_Saengerknaben_cover_300dpi
.
Concert from Stephansdom – A Mozart Celebration
.
.
Radio-symphonieorchester Wien
Vienna Boys’ Choir
Chorus Viennensis
.
.
Sandrine Piau, soprano
Dietmar Kerschbaum, tenor
Wolfgang Bankl, bass;
.
.
Bertrand de Billy, director
.
.
.
Postagem especial comemorativa dos 11 anos do PQPBach e dedicada a todos aqueles  que nos tem acompanhado nesta viagem!
 .
.
Este disco registra a celebração do Coro dos Meninos de Viena pelos 250 anos de Mozart, em janeiro de 2006.
 .
Juntamente com conhecidos intérpretes de Mozart como a soprano Sandrine Piau, eles cantam as melhores obras sacras de Mozart, incluindo a Missa da Coroação.
 .
O Coro dos Meninos de Viena é uma das instituições musicais mais conhecidas de Viena. Desde a sua fundação há mais de 500 anos, tem sido um importante cenário na vida musical em todo o mundo. Muitos escritores e músicos famosos tiveram vínculos estreitos com o Coro dos Meninos de Viena – Joseph Haydn, Franz Schubert e Mozart eram membros do coral enquanto crianças.
 .
O local da apresentação é a Catedral de St. Stephen, (Stephansdom em alemão), em Viena, cuja construção gótica iniciou-se em 1340 e onde Mozart e sua esposa se casaram, onde um de seus filhos foi batizado e onde ocorreu a cerimônia do funeral de Mozart.
 .
Palhinha: ouça 05. Laudate Dominum, from Vesperae Solennes de Confessore, K.339, com a soprano Sandrine Piau.
.

.
Concert from Stephansdom – A Mozart Celebration
Wolfgang Amadeus Mozart (Austria, 1756-1791)
01. Church Sonata in C Major, K. 278
02. Mass in C Minor, K.427 – Credo
03. Mass in C Minor, K.427 – Et Incarnatus Est
04. Mass in C Minor, K.427 – Gradual – Sancta Maria, Mater Dei
05. Laudate Dominum, from Vesperae Solennes de Confessore, K.339
06. Coronation Mass in C Major, K.317 – 1. Kyrie
07. Coronation Mass in C Major, K.317 – 2. Gloria
08. Coronation Mass in C Major, K.317 – 3. Credo
09. Coronation Mass in C Major, K.317 – 4. Sanctus
10. Coronation Mass in C Major, K.317 – 5. Benedictus
11. Coronation Mass in C Major, K.317 – 6. Agnus Dei
12. Ave Verum Corpus, K.618
13. Agnus Dei, from Litaniae Lauretanae K. 195
14. Church Sonata in C Major, K.329
.
2Hj3h0096
.
Concert from Stephansdom – A Mozart Celebration – 2006
 .
Radio-symphonieorchester Wien
Vienna Boys’ Choir
Chorus Viennensis
.
Sandrine Piau, soprano
Dietmar Kerschbaum, tenor
Wolfgang Bankl, bass;
.
Bertrand de Billy, director
.
.
Foto do dia da apresentação.
.
.
.
.
.
FLAC | XLD RIP | 290 MB
 .
MP3 | 256 kbps VRB | 130 MB
 .
powered by iTunes 12.7 – 58,4 min
 .
 Boa audição!
musical-landscape

 

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :. Jam session: Ella Fitzgerald, Louis Armstrong, Oscar Peterson, Herb Ellis, Ray Brown, Buddy Rich

ella-louis
Local: Capitol Studios, Los Angeles, CA, USA
Data: August 16, 1956

Oscar Peterson ao piano, o Herb Ellis na guitarra, o Ray Brown no baixo e Buddy Rich na bateria.
.
Ella Fitzgerald e Louis Armstrong estavam batendo um papo até que Oscar Peterson falou: Let’s move our tails!  One … two … three !!!
.
Então começou uma das melhores e mais inesquecíveis jam sessions de todos os tempos !!! Oooh, yeah!!

1. Can’t We Be Friends
2. Isn’t It A Lovely Day
3. Moonlight In Vermont
4. They Can’t Take That Away From Me
5. Under A Blanket Of Blue
6. Tenderly
7. A Foggy Day
8. Stars Fell On Alabama
9. Cheek To Cheek
10. The Nearness of You
11. April In Paris

Ella & Louis – 1956
Louis Armstrong – Vocals, Trumpet
Ella Fitzgerald – Vocals
Ray Brown – bass
Herb Ellis – guitar
Oscar Peterson – piano
Buddy Rich – drums

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 123,7 MB – 53,7 min
powered by iTunes 12.5.1

Oooh, yeah!!

espelho

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Mestres do Barroco Mineiro – Séc. XVIII – vol. 1/2: Missa em Mi Bemol Maior (1782) – Lobo de Mesquita (1746-1805) (Acervo PQPBach)

Captura de Tela 2017-10-20 às 19.58.17Mestres do Barroco Mineiro (séc. XVIII)
vol. 1/2

Missa em Mi Bemol Maior
Lobo de Mesquita

Obra de surpreendente beleza musical, de profunda inspiração, reunindo somente duas partes da liturgia católica, o Kyrie e o Gloria.

Seu pungente e doloroso 10º movimento, Qui sedes ad dexteram Patris, miserere nobis (Tu que sentas à direita do Pai, tende piedade de nós), consegue exprimir musicalmente a essência da cultura judaico-cristã neste movimento. O Coro da Associação de Canto Coral e a Orquestra Sinfônica Brasileira conseguiram captar este sentimento, acompanhando a excelente interpretação do tenor Hermelindo Castelo Branco. É o mais expressivo Qui sedes que meus ouvidos conhecem.

LP de 1958, portanto o áudio resultante não tem a qualidade superior que estamos acostumados a ouvir, mas a beleza da obra supera tudo isso.

Palhinha: ouça 10. Gloria: Qui sedes ad dexteram Patris, miserere nobis

Missa em Mí Bemol Maior, de 1782
José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (Vila do Príncipe, hoje Serro, MG, 1746- Rio de Janeiro, 1805)
01. Kyrie: Kyrie Eleison
02. Kyrie: Christe Eleison
03. Kyrie: Kyrie Eleison
04. Gloria: Gloria in excelsis Deo et in terra pax hominibus bonæ voluntatis
05. Gloria: Laudamus te. Benedicimus te. Adoramus te. Glorificamus te
06. Gloria: Gratias agimus tibi propter magnam gloriam tuam
07. Gloria: Domine Deus, Rex cælestis, Deus Pater omnipotens, Domine Fili unigenite
08. Gloria: Qui tollis peccata mundi, miserere nobis
09. Gloria: Suscipe deprecationem nostram
10. Gloria: Qui sedes ad dexteram Patris, miserere nobis
11. Gloria: Quoniam tu solus Sanctus. Tu solus Dominus. Tu solus Altissimus, Jesu Christe
12. Gloria: Cum Sancto Spiritu in gloria Dei Patris. Amen

Mestres do Barroco Mineiro (séc. XVIII) vol. 1/2
Missa em Mi Bemol Maior No. 1, de 1782
José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (Vila do Príncipe, hoje Serro, MG, 1746- Rio de Janeiro, 1805)
Gravação realizada ao vivo, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, em 1958
Lia Salgado, soprano
Carmen Pimentel, contralto
Hermelindo Castelo Branco, tenor
Jorge Bailly, baixo
Associação de Canto Coral, diretora Cleofe Person de Mattos
Orquestra Sinfônica Brasileira, regente Edoardo de Guarnieri

Digitalizado por Avicenna.

memoria

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 244,6 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 | 320 kbps | 97,9 MB
powered by iTunes 12.4.1 | 40,2 min

 

 

Boa audição!

voce é o q vc ouve

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Mestres do Barroco Mineiro – Séc. XVIII – vol. 2/2: Lobo de Mesquita: Antífona de Nossa Senhora & Ignacio Parreira Neves: Credo & Marcos Coelho: Maria Mater Gratiae & Francisco Gomes da Rocha: Novena de Nossa Senhora do Pilar

8w9imvMestres do Barroco Mineiro (Século XVIII)- vol. II

Associação de Canto Coral & Orquestra Sinfônica Brasileira – 1958

Gravação ao vivo no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, em 1958, pela Orquestra Sinfônica Brasileira sob a regência do Maestro Edoardo de Guarnieri e pela Associação de Canto Coral sob a direção da saudosa Maestrina Cleofe Person de Mattos.

Foram utilizados 2 LPs para a digitalização desta postagem, sendo que o mais importante deles, por ser o em melhor estado de conservação, foi-nos presenteado pelo ouvinte Alisson Roberto Ferreira de Freitas, das Alterosas. Não tem preço !!!

Por mais que se tente, não se consegue um resultado esplendoroso com relação à qualidade desta digitalização, portanto sejam pacientes.

Esta postagem serve também para registrar o trabalho inesquecível da maestrina, musicóloga e professora Cleofe Person de Mattos.

José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (Vila do Príncipe, 1746- Rio de Janeiro, 1805)
01. Antiphona de Nossa Senhora 1. Salve Regina
02. Antiphona de Nossa Senhora 2. Aia Erge Advocata
03. Antiphona de Nossa Senhora 3. Et Jesum

Ignacio Parreiras Neves (Vila Rica, atual Ouro Preto, 1736-1790)
04. Credo 1. Patrem Omnipotentem
05. Credo 2. Sacramentum
06. Credo 3. Et Resurrexit
07. Credo 4. Sanctus
08. Credo 5. Benedictus
09. Credo 6. Agnus Dei

Marcos Coelho Neto, (Vila Rica [Ouro Preto], 1740-1806)
10. Maria mater gratiae – Himno a Quatro
Francisco Gomes da Rocha (1746-1808, Vila Rica, MG)
11. Novena De Nossa Senhora do Pilar 1. Veni Sanctu Spiritu
12. Novena De Nossa Senhora do Pilar 2. Domine ad Adjuvandum
13. Novena De Nossa Senhora do Pilar 3. Gloria Patri
14. Novena De Nossa Senhora do Pilar 4. Sicut Era in Principie
15. Novena De Nossa Senhora do Pilar 5. Invitatório: Quem Terra Pontus
16. Novena de Nossa Senhora do Pilar 6. Quem Terra, Pontus, Sidera (Hino)
17. Novena de Nossa Senhora do Pilar 7. Virgo Prudentissima (Antífona)

Palhinha: ouçam 10. Maria mater gratiae – Himno a Quatro, enquanto conhecem a obra artística de Eunice Pessôa, mãe do Avicenna.

.

Mestres do Barroco Mineiro (Século XVIII)- vol. II – 1958
Associação de Canto Coral, direção de Cleofe Person de Mattos
Orquestra Sinfônica Brasileira, regente Edoardo de Guarnieri

LP de 1958 digitalizado por Avicenna

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 121,4 MB – 39,4 min
powered by iTunes 10.5

Partituras e outros que tais? Clique aqui

Boa audição.

 

2ibl3b7

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Arthur Moreira Lima interpreta Brasílio Itiberê (1846 – 1913)

2lld5j9Arthur Moreira Lima
interpreta Brasílio Itiberê

Brasílio Itiberê nasceu na cidade litorânea de Paranaguá, sendo filho de João Manuel da Cunha e de Maria Lourenço Munhoz da Cunha. Fez os estudos primários em sua terra natal e sua iniciação musical foi ao piano, aprendendo na casa dos seus pais. Já pianista renomado na juventude, transfere-se para a capital paulista para cursar a faculdade de direito, efetuando, nesta cidade, vários concertos. Após obter o diploma de Bacharel em Direito ingressa na carreira diplomática atuando no corpo diplomático em vários países, como: Itália, Peru, Bélgica, Paraguai e na Alemanha.

Sem deixar a música de lado, Brasílio teve relações de amizade com alguns dos maiores pianistas de seu tempo, como Anton Rubinstein, Sgambatti e Liszt.

Considerado um dos precursores do nacionalismo, foi um dos primeiros a inspirar-se em motivos populares e a imprimir à sua obra características nitidamente brasileiras.

Compôs música de câmara e coral, além de peças para piano. Sua Rapsódia Sertaneja o popularizou, especialmente pela célebre canção “Balaio, meu bem, Balaio”.

A sua composição mais conhecida é, sem dúvida, “A Sertaneja” de 1869.

Foi nomeado embaixador em Portugal, porém, morreu antes de assumir a função. Faleceu na capital alemã no dia 11 de agosto de 1913, numa segunda-feira, aos 67 anos de idade.

Uma das muitas homenagens ao autor de “A Sertaneja” está na capital paranaense que denominou uma das suas vias de Rua Brasílio Itiberê.
(extraído da Wikipedia)

BRASÍLIO ITIBERÊ (1846–1913), UM ABOLICIONISTA FERRENHO. E CHORÃO!

Participou ativamente da Campanha Abolicionista, tomando parte em concertos, como pianista e compositor, ainda cooperando para a alforria de escravos (Bruno Kiefer)

… um músico engajado politicamente pela liberdade daqueles que formaram a cultura do Brasil (Fausto Borém e Mario Luiz Marochi Junior)

Quando Arthur Moreira Lima gravou Brazílio Itiberê – quase um disco inteiro (CD disponibilizado com a autorização de Arthur Moreira Lima) – uma injustiça secular se desfazia: excetuando A Sertaneja, pouquíssima coisa dele foi gravada (conhecia-se apenas duas peças gravadas: Noturno (Ana Cândida LP Funarte 1981 – gravação original Rádio MEC 1961) e Protetor Exu (Arnaldo Estrella Antologia de Música Erudita Brasileira  – Selo Festa 1968).

Se por um lado há uma polêmica entre os estudiosos de sua obra – se “erudita” ou “ligeira” (http://www.revistas.ufg.br/index.php/musica/article/view/6007/4638) – e essa discussão não vem ao caso aqui, por outro, e isso nos interessa, não existe a menor dúvida de que ela encarna a alma do choro na sua essência mais profunda.

Nascido quase 20 anos antes de Ernesto Nazareth, poderá ser facilmente confundido com ele pelo estilo em peças como Noturno, por exemplo. Peguemos um dicionário: languidez, sensualidade, entorpecimento, arrebatamento, romantismo exacerbado, aquela coisa esparramada, em outras palavras, o espírito da valsa nazarethiana ou deste Noturno de Itiberê.

Tal como Pássaros em Festa de Nazareth, Noturno começa anunciando algo chopiniano. Mas o que vem a seguir nada mais é do que uma sequência de frases ultra chorosas, semelhantes entre si, alteradas subsequentemente pela harmonia que se desenvolve. Como em Coração que Sente do mesmo Nazareth.

Alguém pouco afeito à música brasileira e muito à Chopin, vai achar esta forma de compôr, no mínimo, uma mera imitação do compositor polonês e ainda por cima piegas.

Na verdade é impossível compreender inteiramente o caráter dessas composições sem mergulhar no âmago do sentimento característico do Brasil. Forçando um paralelo com o cinema, é comum não se compreender um filme como Zabriskie Point de Antonione onde nada acontece. Porém, os jovens espectadores sabiam exatamente o que se passava no imaginário daquela geração retratada no filme, daí, não ser para eles um filme parado, mas ao contrário, intenso até demais.

É preciso dizer também que Brasílio Itiberê nunca foi chorão como foi Nazareth ou Villa-Lobos. Mas foi sim no sentido lato da palavra. Uma pergunta sempre vem à mente quando peças de diversos compositores que mal tem a ver com o choro são objeto de arranjos para conjunto de choro. Sim, é super válido, mas há uma gama de compositores clássicos brasileiros que compuseram choros e valsas (ou peças de outro gênero mas que são choros no fundo) de rara beleza que estão dando sopa por aí. E este é o caso de Brasílio Itiberê.

Passemos ao abolicionista e ao nacionalista. A Sertaneja é tida como a primeira obra erudita brasileira de cunho nacionalista – ou como bem diz Bruno Kiefer, “início de um movimento contínuo e orgânico de busca consciente, da auto-afirmação nacional.” Tudo indica que sua militância político-social-musical nasceu de um exercício puramente intelectual, como Alexandre Levy, Alberto Nepomuceno e ao contrário de Francisco Braga, Villa-Lobos ou Francisco Mignone que vivenciaram de perto as manifestações populares. Citando Helza Camêu, Bruno Kiefer reflete que foi após seu ingresso na Faculdade de Direito de São Paulo que tomou contato com “lundus e modinhas, música de salão, marcada por características brasileiras” bem ao gosto dos estudantes da época.

Neste caminho, Brasílio Itiberê teria privilegiado demais o lado popularesco em detrimento do lado erudito a ponto de motivar uma afirmação surpreendente, partindo-se de um mestre como Bruno Kiefer: “O que salvou o nome do autor foi A Sertaneja.”

Fausto Borém e Mario Luiz Marochi Junior em um estudo soberbo, discordam frontalmente desta idéia e pedem uma nova abordagem à obra de Brasílio Itiberê(http://www.revistas.ufg.br/index.php/musica/article/view/6007/4638).
(Adaptado de: http://blogdochoro2.zip.net/arch2010-01-31_2010-02-06.html)

Obs:- Brasílio Itiberê da Cunha Luz, seu sobrinho (Curitiba, 17 de Maio 1896-Rio de Janeiro, 10 de Dezembro 1967), foi um compositor brasileiro.

Brasílio Itiberê da Cunha (Paranaguá, PR, 1846-Berlim, 1913)
01. A sertaneja, fantasia característica sobre temas brasileiros, Op. 15 (1869)
02. Poème d’amour, fantaisie, Op. 22
03. Étude de concert d’après E. Bach, Op. 33
04. Caprices à la mazurka, No. 3, Op. 32
05. Une larme (Uma lágrima), méditation, Op. 19 (1869)
06. Grande mazurca de salão, Op. 41
07. A Serrana, fantasia característica
08. La Dahabieh (La Gondole du Nil), barcarolle da Suite “Nuits Orientales”, op.27

Louis Moreau Gottschalk (1829-1869)
09. Grande Fantasia Triunfal sobre o Hino Nacional Brasileiro, Op. 69

Arthur Moreira Lima interpreta Brazílio Itiberê – 1995

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 158,7 MB – 1,1 h
powered by iTunes 9.2

Boa audição.

Ian McQue2

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

BONUS: 17 min de um vídeo espetacular mostrando Belo Horizonte em 1949! AQUI
Veja a casa em que Brasílio Itiberê morou em Paranaguá, AQUI

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Jordi Savall & La Capella Reial de Catalunya & Montserrat Figueras: El Cant de la Sibil-la I – Catalunya

Captura de Tela 2017-10-20 às 17.08.47El Cant de la Sibil-la – Patrimônio Imaterial da Humanidade pela UNESCO

Jordi Savall & La Capella Reial de Catalunya

Ao longo de diferentes épocas, regiões e costumes, grande parte das passagens dos Oráculos sibilinos tiveram como prováveis origens culturais o mundo pagão, o judaico ou, ainda, o cristão. Assim, a força da Sibila manteve-se inalterada por séculos no Oriente, seja sobre os devotos de um Deus único ou adoradores de um panteão de divindades.

Sempre idealizada como uma velha mulher que profetiza em estado de êxtase, a Sibila é retratada com várias identidades. Citada desde Ovídio e Heráclito, a profetiza pode ser reconhecida como filha de Noé – na tradição judaica – ou como a “deusa Sibila” na antiga Eritréia, entre outras referências.

El Cant de la Sibil-la (O Canto da Sibila) é um drama litúrgico de melodia gregoriana que se interpreta na versão catalã de forma tradicional na Missa do Galo nas igrejas de Mallorca (entre as quais se destacam a interpretação no Mosteiro de Lluch e na Catedral de Palma) e em Alguer, aldeia da Sardenha.

Na verdade, Maiorca e Alguer são os dois únicos lugares onde o canto é uma tradição que se estende desde o final da Baixa Idade Média até hoje, tendo finalmente sido imune à proibição que ocorreu no Concílio de Trento, 1545-1563. Precisamente por este motivo, em 16 de novembro de 2010 foi declarado pela UNESCO Patrimônio Imaterial da Humanidade, e foi anteriormente declarado de Interesse Cultural (BIC) pelo Conselho da Ilha Mallorca em 13 de dezembro de 2004.

A Sibila é uma profetisa do fim do mundo da mitologia clássica que foi introduzida e adaptada para o cristianismo, graças à analogia que pode ser estabelecida entre as profecias e o conceito do apocalipse.

O mais antigo testemunho da Sibila cristianizada e cantada em mosteiros é fornecido por um manuscrito latino do mosteiro de San Marcial de Limoges (França), em pleno Império Carolíngio. Na Espanha, o documento mais antigo é um manuscrito preservado na visigótica Mesquita-Catedral de Córdoba do ano de 960, pertencente à uma liturgia mozárabe. Do século XI também data o manuscrito de Ripoll escrito em latim, no âmbito da cultura litúrgica hispânica das comunidades atuais da Catalunha, onde grande parte se enraizaria.

El Cant de la Sibil-la se constituiu então uma tradição cultural cristã que tinha como tema central o julgamento final proclamado entre os bons e maus, isto é, sobre os fiéis ao rei e ao Juiz Universal, cuja chegada foi anunciada a partir da festa de seu nascimento na condição humana.

O primeiro passo no processo de popularização foi a incorporação do canto em latim nas catedrais, pelos seus sacerdotes. Isso estava acontecendo em territórios ocidentais no sul da Europa que fazem atualmente parte da Espanha, França, Itália e Portugal, atingindo Mallorca certamente, como consequência, na época da reconquista, da Conquista de Mallorca em 1229 pela Coroa de Aragão. A primeira informação que temos de El Cant de la Sibil-la na Catedral de Mallorca é fornecido pela “consueta de tempore”, também escrito em latim entre 1360 e 1363. (ex-internet)

Palhinha: ouça 03. Sibil·la Catalane

El Cant de la Sibil-la I – Catalunya
Barcelona, X-XI siècles
01. Sibil·la Latine
Montpellier, Lectionarium XII-XIII siècles
02. Sibil·la Provençale
Seu d’Urgele, XV siècles
03. Sibil·la Catalane

El Cant de la Sibil-la I – Catalunya – 1988
Jordi Savall & La Capella Reial de Catalunya & Montserrat Figueras

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 131,1 MB – 54,7 min
powered by iTunes 12.1.0

Boa audição.

Ian McQue

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Victoria: Lamentations of Jeremiah – The Tallis Scholars

2qdzm9xThe Tallis Scholars recording of Victoria’s Lamentations of Jeremiah has been nominated for a Grammy Award in 2011

 

Victoria’s nine Lamentations contain some of his most intense, mystical and moving music and rank alongside the Requiem as one of his greatest achievements.
The Spanishness of Spanish polyphony is often invoked. There is an impression that in their worship the Spanish have a fierceness, coupled to a mysticism, which sets them apart. This way of thinking was current a long time ago: Michelangelo, when asked by the Florentine painter Pontormo how he could best please a Spanish patron, replied that he should ‘show much blood and nails’. Such rawness has readily been attributed to their music, too. (http://www.gimell.com/recording-victoria—lamentations-of-jeremiah.aspx)

Palhina: ouça 01. Lamentations for Maundy Thursday: Lamentation I

Victoria: Lamentations of Jeremiah
Tomás Luis de Victoria (Spain, 1548-1611)
01. Lamentations for Maundy Thursday: Lamentation I
02. Lamentations for Maundy Thursday: Lamentation II
03. Lamentations for Maundy Thursday: Lamentation III
04. Lamentations for Good Friday: Lamentation I
05. Lamentations for Good Friday: Lamentation II
06. Lamentations for Good Friday: Lamentation III
07. Lamentations for Holy Saturday: Lamentation I
08. Lamentations for Holy Saturday: Lamentation II
09. Lamentations for Holy Saturday: Lamentation III
Juan Gutiérrez de Padilla (1590-1664)
10. Lamentations for Maundy Thursday

Victoria: Lamentations of Jeremiah – 2010
The Tallis Scholars
Peter Phillips, director

Capa: O Profeta Jeremias, de Michelangelo, do teto da Capela Sistina.

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 215,7 MB – 1 h
powered by iTunes 10.6

Boa audição.

futuro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Missa de São Sebastião: Antonio Carlos Gomes (1836-1896)

24myhrdAntonio Carlos Gomes (Campinas, 1836-Belém, 1896)
Missa de São Sebastião (1854)

Repostagem

.
Temos o prazer em apresentar o mais novo membro da equipe PQPBach: Bisnaga !

Devemos a ele as postagens das missas de Carlos Gomes. Bisnaga gosta de óperas e de música brasileira de concerto, além de possuir um belo acervo musical.

Bem vindo, Bisnaga !

Missa de São Sebastião

Há 175 anos nascia em Campinas, interior de São Paulo, Antonio Carlos Gomes, mulato, como eram quase todos os músicos, compositores e artistas dos períodos colonial e imperial. Aos mestiços não restavam muitas possibilidades nessa época: eram livres, mas não proprietários de terras; não eram escravos, porém não tinham fortunas. Deslocados num país de ordem escravocrata, muitos integraram o clero (uma boa forma de ascensão social) ou passavam a se dedicar às artes, ambiente no qual alguns acabaram se destacando e se projetando, como é o caso de Carlos Gomes.

Não, Tonico não fora um menino-prodígio como Mozart, que compunha óperas ainda na infância, mas tinha percepção musical excepcional, e por isso seu pai, Manoel José Gomes (também mulato e músico), o ensinou a tocar clarineta. Depois, o menino faria aulas de piano e violino. Logo começou a compor, a dar aulas e a reger esporadicamente a banda do pai e seguindo-o, não tardaria a se enveredar na música sacra.

Quando compôs e apresentou a Missa de São Sebastião, Carlos Gomes era ainda um rapazote de 17 ou 18 anos, mas já mostrava um refinamento compositivo impressionante. Tente imaginar a cena da estreia dessa obra: provavelmente ocorreu na Matriz Nova de Campinas (a atual Catedral Metropolitana), talvez no dia 20 de janeiro (dia de São Sebastião, padroeiro da capital) do ano de 1854. Campinas estava em franca efervescência econômica e cultural, toda em construção. Relatos de viajantes estrangeiros diziam que o movimento das ruas de terra fazia da cidade um local com poeira vermelha constante e asfixiante, que tudo tingia. A matriz tinha sido coberta há poucos anos, cheia de andaimes, ainda não tinha torres e seus altares deveriam ser provisórios, pois só anos depois começariam os entalhes. Nesse ambiente semelhante ao que vemos em filmes de Velho Oeste americano, em que tudo parecia precário e provisório, surge uma obra dessa natureza, com tamanho grau de acabamento.

Curiosamente, a Missa de São Sebastião soa mais operística que a sua segunda missa, a de Nossa Senhora da Conceição, cinco anos posterior. Segundo fala do Maestro Henrique Lian no próprio encarte desta obra, há relações com o bel canto italiano das obras de Bellini, Rossini e Donizetti, com uso das coloraturas e na orquestração mais limpa, que valorizam e destacam os solos. A obra, assim como sua outra missa, apresenta-se apenas com o Kyrie e o Gloria, provavelmente a segunda parte, do Credo (Credo, Sanctus, Benedictus e Agnus Dei) tenha desaparecido.

A missa inicia-se com certa imponência, que soa até estranha para a primeira música: o Kyrie, que depois se desenvolve calmo, mas não triste, e prepara para a entrada apoteótica do Gloria, uma poderosa marcha com grande participação inicial dos sopros, tão caros ao Carlos Gomes que cresceu em meio à banda marcial do pai. Mas já há no Gloria um forte peso do coro, ligando-o às influências de música sacra do compositor. As duas partes que se seguem, o Laudamus e o Gracias, mostram belas e elaboradas coloraturas para soprano (destaque aqui para a longeva e quase flutuante voz de Niza de Castro Tank, com 74 anos na gravação), de muita leveza e graciosidade. Esse clima é transformado com o pesado início do Domine Deus, que depois se dissolve em uma melodia mais leve para tenor. Com uma estrutura semelhante, pesada e depois suavizada, surge a Qui Tollis, agora com a presença dos quatro solistas, fazendo uma preparação para a entrada do coro no alegre Suscipe. Segue-se uma delicada introdução do Qui Sedes, que dará lugar a um dueto dramático de tenor e contralto e, em contraposição, a peça seguinte, o solo de baixo do Quoniam, inicia-se calma e melódica, aumentando a dramaticidade à medida que se desenvolve, para deixar preparada a entrada do coro no Cum Santo Spiritu, outra marcha, essa, com certeza, a peça mais operística de toda a Missa, com final não menos apoteótico que seu início.

Antonio Carlos Gomes (Campinas, 1836-Belém, 1896)
01. Missa de São Sebastião 01. Kyrie
02. Missa de São Sebastião 02. Gloria
03. Missa de São Sebastião 03. Gloria – Laudamus Te
04. Missa de São Sebastião 04. Gloria – Gracias
05. Missa de São Sebastião 05. Gloria – Domine Deus
06. Missa de São Sebastião 06. Gloria – Qui Tollis
07. Missa de São Sebastião 07. Gloria – Suspice deprecationem Nostram
08. Missa de São Sebastião 08. Gloria – Qui sedes
09. Missa de São Sebastião 09. Gloria – Quoniam
10. Missa de São Sebastião 10. Gloria – Cum Sancto Spiritu

Palhinha: ouça Missa de São Sebastião 10. Gloria – Cum Sancto Spiritu

.
Missa de São Sebastião – 2005
Antonio Carlos Gomes

Coral da Unicamp
Carlos Fiorini, regente do coro
Orquestra Sinfônica de Campinas
Henrique Lian, regente

Niza de Castro Tank, soprano
Luciana Bueno, contralto
Rubens Medina, tenor
Manuel Alvarez, baixo

Gravação de duas apresentações ao vivo no Centro de Convivência Cultural, Campinas, 11 e 12 de julho de 2005.

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 154 kbps VBR – 55,7 MB – 50 min
powered by iTunes 10.5

Partituras e outros que tais? Clique aqui

Boa audição.

xc436f

 

 

 

 

 

 

 

Texto e áudio: Bisnaga
Lay-out & Operador de mouse: Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!