Dmitri Shostakovich (1906-1975): Concertos para Violoncelo Nos. 1 & 2

Dmitri Shostakovich (1906-1975): Concertos para Violoncelo Nos. 1 & 2

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Estou longe de ser um apaixonado por Mischa Maisky, mas o que ele faz neste CD é extraordinário. Aqui ele prova que é russo mesmo e dá a Shostakovich a força, o caráter e a personalidade corretas. Tilson Thomas e a London Symphony o ajudaram demais. A maioria das pessoas gosta mais do Concerto Nº 1, eu prefiro o 2.

Concerto Nº 1 para Violoncelo e Orquestra, Op. 107 (1959)

Shostakovich e o grande violoncelista Mstislav Rostropovich eram amigos tendo, muitas vezes, viajado juntos, fazendo recitais que incluíam entre outras obras, a Sonata para violoncelo e piano, Op. 40, etc. Desde que se conheceram, o compositor avisara a Rostropovich que ele não deveria pedir-lhe um concerto diretamente, que o concerto sairia ao natural. Saíram dois. Quando Shostakovich enviou a partitura do primeiro, dedicada ao amigo, este compareceu quatro dias depois na casa do compositor com a partitura decorada. (Bem diferente foi o caso do segundo concerto, que foi composto praticamente a quatro mãos. Shostakovich escrevia uma parte, e ia testá-la na casa de Rostropovich; lá, mostrava-lhe as alternativas, os rascunhos ao violoncelista, que sugeria alterações e melhorias. Amizade.)

Estilisticamente, este concerto deve muito à Sinfonia Concertante de Prokofiev – também dedicada a Rostropovich – e muito admirada pelos dois amigos. É curioso notar como os eslavos têm tradição em música grandiosa para o violoncelo. Dvorak tem um notável concerto, Tchaikovsky escreveu as Variações sobre um tema rococó, Kodaly tem a sua espetacular Sonata para Cello Solo e Kabalevski também tem um belo concerto dedicado a Rostropovich. O de Shostakovich é um dos de um dos maiores concertos para violoncelo de todo o repertório erudito e minha preferência vai para a imensa Cadenza de cinco minutos (3º movimento) e para o brilhante colorido orquestral do Allegro com moto final.

Concerto para Violoncelo e Orquestra Nº 2, Op. 126 (1966)

Uma obra-prima, produto da estreita colaboração entre Shostakovich e Rostropovich, a quem o concerto é novamente dedicado. A tradição do discurso musical está aqui rompida, dando lugar a convenções próprias que são “aprendidas” pelo ouvinte no transcorrer da música. Não há nada de confessional ou declamatório neste concerto. Há arrebatadores efeitos sonoros que são logo propositadamente abandonados. A intenção é a de ser música absoluta e lúdica, mostrando-nos temas que se repetem e separam momentos convencionalmente sublimes ou decididamente burlescos. Nada mais burlesco do que a breve cadenza em que o violoncelo é interrompido pelo bombo, nada mais tradicional do que o tema que se repete por todo o terceiro movimento e que explode numa dança selvagem, acabando com o violoncelo num tema engraçadíssimo — como se fosse um baixo acústico — , para depois sustentar interminavelmente uma nota enquanto a percussão faz algo que nós, brasileiros, poderíamos chamar de batucada. Esta dança faz parte de uma longa preparação para um gran finale que não chega a acontecer. Um concerto espantoso, original, capaz de fazer qualquer melômano feliz ao ver sua grande catedral clássica virada de ponta cabeça e, ainda assim, bonita.

Dmitri Shostakovich (1906-1975): Concertos para Violoncelo Nos. 1 & 2

1 Shostakovich: Cello Concerto No.1, Op.107 – 1. Allegretto 6:11
2 Shostakovich: Cello Concerto No.1, Op.107 – 2. Moderato 11:57
3 Shostakovich: Cello Concerto No.1, Op.107 – 3. Cadenza 5:43
4 Shostakovich: Cello Concerto No.1, Op.107 – 4. Allegro con moto 4:43

5 Shostakovich: Cello Concerto No.2, Op.126 – 1. Largo 15:15
6 Shostakovich: Cello Concerto No.2, Op.126 – 2. Allegretto 4:40
7 Shostakovich: Cello Concerto No.2, Op.126 – 3. Allegretto 16:06

Mischa Maisky
London Symphony Orchestra
Michael Tilson Thomas

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Com Shostakovich é sempre na caçapa

PQP

Franz Schubert (1797-1828): Os Trios para Piano

Franz Schubert (1797-1828): Os Trios para Piano

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Tudo aqui é maravilhoso, música e interpretação. Este álbum duplo é uma perfeição só. Será referência por décadas. Há outras versões também excelentes, mas esta… Olha, aqui, os Trios de Schubert brilham muito na compreensiva leitura do trio de Pressler. É a mlhor gravação deles ao menos até outro trio fazê-lo melhor, o que, parece-me, ainda não ocorreu. Muitos compositores escreveram trios para piano: Haydn, Mozart, Beethoven, Mendelssohn, Schumann, Dvorak, Tchaikovsky, Brahms, mas Schubert foi o campeão do gênero. O Beaux Arts os gravou duas vezes, uma vez em 1966, outra em 1985. Esta é a gravação de 85. Tem gente que gosta mais do registro de 66. Isto é, quando se pensa no melhor registro, o Beaux Arts compete com ele mesmo e outros.

Sim, o Trio Op. 100, Nº 2 traz a música de Barry Lyndon, filme de Stanley Kubrick. Mas ouça tudo! São duas obras-primas e os extras não ficam abaixo.

De joelhos. E já.

Franz Schubert (1797-1828): Os Trios para Piano

Piano Trio Nº 1 In B Flat Major, Op. 99, D. 898
1 Allegro Moderato
2 Andante Un Poco Mosso
3 Scherzo (Allegro)
4 Rondo (Allegro Vivace)

Piano Trio In E Flat Major, Op. Posth. 148, “Notturno” D. 897
5 Adagio

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Piano Trio Nº 2 In E Flat Major, Op. 100, D. 929
1 Allegro
2 Andante Con Moto
3 Scherzo (Allegro Moderato)
4 Allegro Moderato

Piano Trio In B Flat Major, D.28 “Sonata”
5 Allegro

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Beaux Arts Trio:
Piano – Menahem Pressler
Violin – Isidore Cohen
Cello – Bernard Greenhouse

A formação mais consagrada do Beaux Arts e a que participa deste álbum duplo.

PQP

.: interlúdio :. Edu & Tom

.: interlúdio :. Edu & Tom

IM-PER-DÍ-V EL !!!

Esse disco de 1981 é uma obra-prima indiscutível.  Pior: é muito complicado de conseguir. Vamos a uma crônica da época de seu lançamento. (Fonte)

Tom e Edu juntos, sem nenhum supérfluo

:: O ENCONTRO DOS DOIS GRANDES COMPOSITORES EM 1981 RESULTOU NUM DISCO FANTÁSTICO. POR SÉRGIO VAZ

A característica mais impressionante de Edu & Tom, LP gravado em novembro do ano passado (1981) e lançado este mês (fevereiro de 1982) pela PolyGram, é a simplicidade dos acompanhamentos. Antônio Carlos Jobim e Edu Lobo são, além de compositores brilhantes, irrepreensíveis, dois dos nossos mais competentes arranjadores e regentes. Músicos de sólida formação, estudiosos, já foram responsáveis por orquestrações complexas, requintadas, utilizando as mais diversas formações instrumentais.

Neste seu primeiro trabalho em conjunto, no entanto, optaram pela simplicidade. Os instrumentos são apenas os indispensáveis para acompanhar suas vozes: piano (tocado por Tom), violão (tocado, na maioria das faixas, apenas por Edu), baixo (Sérgio Barroso e, em duas faixas, Luiz Alves), bateria (Paulo Braga). Além desses instrumentos, há apenas o flugehorn, tocado, em duas faixas, por Márcio Montarroyos. Só.

“É um trabalho simples não por causa da crise do mercado do disco – disse Edu – mas por uma necessidade nossa de passar um clima de proximidade. Se tivéssemos gravado com orquestra, o resultado não seria o mesmo, ficaria frio”. E Tom completou: “Com a orquestra, eu nem veria o Edu, durante a gravação. Colocariam a gente dentro daquelas gaiolas de vidro e não daria nem para trocarmos uma palavrinha”.

O resultado foi um LP que, além de mostrar dois criadores próximos um do outro, num clima de gostosa descontração, é uma prova de que a simplicidade, aliada à competência, produz sons deslumbrantes, perfeitos.

Pode-se dizer que o som é velho, que o disco poderia ter sido feito no início da década de 60, no tempo da bossa nova, dos tradicionais conjuntos de piano-baixo-bateria. É bem verdade. Os interessados apenas em vanguardismos e experimentalismos devem passar longe deste LP. Quem se preocupar mais com beleza não terá qualquer motivo para queixas.

Mudança de planos

Era para ter sido um disco na base de “Edu Lobo convida”. Edu tocaria e cantaria em cada faixa acompanhado por um grande nome. É possível que a PolyGram quisesse repetir o êxito de Erasmo Carlos Convida…, de 1980, que foi o LP de maior vendagem da carreira do ex-Tremendão. Mas, depois que foi gravada a primeira faixa por Edu e Tom, o experiente produtor Aloysio de Oliveira (que, entre muitíssimas ouras coisas, participou das gravações de Tom no início da bossa nova, e produziu o primeiro LP de Edu, em 1965) conseguiu alterar o plano inicial, transformando o disco em um encontro apenas dos dois compositores.

Foram escolhidas dez músicas, cinco de Edu (em parceria com outros compositores), cinco de Tom (três só dele, duas em parceria). Não há nenhuma faixa inédita. Apenas duas são bem recentes, de 1981: “Luiza”, de Tom, e “Moto contínuo”, de Edu e Chico Buarque de Hollanda. E só se pode aplaudir a idéia de regravá-las: são maravilhosas obras-primas, e que estão perfeitas neste disco.

Com exceção de “Ângela”, de Tom, momento menor na obra do grande compositor, todas as outras faixas são antigas, bem conhecidas e muito bonitas: “Ai quem me dera” (Tom e Marino Pinto), “Prá dizer adeus” (Edu e Torquato Neto), “Chovendo na roseira” (Tom), “Canção do amanhecer” e “Canto triste” (Edu e Vinícius de Moraes), “Vento bravo” (Edu e Paulo César Pinheiro) e “É preciso dizer adeus” (Tom e Vinícius).

Na maioria das faixas, Edu e Tom cantam juntos. E a voz afinadíssima, de belo timbre grave de Edu compensa a pobreza da voz do Maestro Jobim. De resto, o pianista Tom está, sem dúvida, em um dos seus momentos mais brilhantes; o violão de Edu é seguro: a bateria aparece mansa, tranqüila, o baixo é perfeito. E as intervenções do sopro de Márcio Montarroyos em “Chovendo na roseira” e especialmente em “Vento bravo” são antológicas ricas, fortes, mas sem floreios desnecessários, sem exibicionismo, enxutas. Bem na medida da simplicidade perseguida em todo o disco.

Resenha publicada no Jornal da Tarde, 18 de fevereiro de 1982

Edu & Tom

1 Ai Quem Me Dera
Antonio Carlos Jobim, Marino Pinto
2:13
2 Prá Dizer Adeus
Edu Lobo, Torquato Neto
4:41
3 Chovendo Na Roseira
Antonio Carlos Jobim
3:24
4 Moto Continuo
Chico Buarque, Edu Lobo
3:30
5 Angela
Antonio Carlos Jobim
3:10
6 Luiza
Antonio Carlos Jobim
2:59
7 Canção Do Amanhecer
Edu Lobo, Vinicius De Moraes
3:30
8 Vento Bravo
Edu Lobo, Paulo César Pinheiro
4:16
9 É Preciso Dizer Adeus
Antonio Carlos Jobim, Vinicius De Moraes
4:18
10 Canto Triste
Edu Lobo, Vinicius De Moraes
3:44

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Tom & Edu, Edu & Tom: amigos

PQP

Carl Philipp Emanuel Bach (1714-1788) / Johann Nikolaus Bach (1669-1753): Magnificat / Missa Brevis

Carl Philipp Emanuel Bach (1714-1788) / Johann Nikolaus Bach (1669-1753): Magnificat / Missa Brevis

Johann Nikolaus era o filho mais velho de Johann Christoph Bach, primo em segundo grau de Johann Sebastian Bach é tio de sua primeira esposa Maria Barbara Bach.

CPE Bach foi o segundo filho de Bach e teve como padrinho um famoso compositor, Georg Philipp Telemann.

Ou seja, estamos novamente na presença da família Bach. O Magnificat de CPE é ótimo, a Missa Brevis de Nikolaus idem. E Rilling é o de sempre, competentíssimo.

Eu, se fosse você, conferiria o CD que é muito bom.

Carl Philipp Emanuel Bach (1714-1788) / Johann Nikolaus Bach (1669-1753): Magnificat / Missa Brevis

Carl Philipp Emanuel Bach — Magnificat
1 Chor 3:03
2 Aire (Sopran) 6:20
3 Aire (Tenor) 4:08
4 Chor 3:45
5 Aire (Baß) 4:36
6 Duett (Alt, Tenor) 6:20
7 Arie (Alt) 5:03
8 Chor 1:54
9 Chor 6:10

Johann Nikolaus Bach — Missa Brevis
10 Kyrie 4:27
11 Gloria 13:02

Gachinger Kantorei Stuttgart
Bach-Collegium Stuttgart
dir. Helmut Rilling

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Johann Sebastian Bach em casa com sua família. | Autor: Toby Edward Rosenthal (1848-1917)

PQP

Carl Philipp Emanuel Bach (1714-1788) / Johann Christian Bach (1735-1782): Magnificat

Carl Philipp Emanuel Bach (1714-1788) / Johann Christian Bach (1735-1782): Magnificat

Carl Philipp Emanuel parece anunciar  Beethoven, Johann Christian é mais Mozart. Nenhum dos dois era o filho preferido, mas JC — filho mais novo — devia ser insuportável. CPE trabalhou anos com Frederico II, da Prússia. JC viveu um bom tempo na Inglaterra, motivo pelo qual ficou conhecido como “Bach Londrino”. Talvez, para nosso tempo, seja difícil entender o homem que foi Johann Sebastian Bach, o pai deles. Ele nasceu em 21 de março de 1685, no que hoje é a Alemanha, numa família de músicos. Era um tempo em que era comum os filhos adotarem a profissão dos pais. Na região da Saxônia, o nome Bach era de tal forma relacionado à música que alguém com tal sobrenome só poderia ser músico e provavelmente trabalhava em alguma igreja. Seguindo a árvore genealógica da família Bach, dos 33 Bach homens, 27 foram músicos. Só que o talento explodiu espetacularmente em Johann Sebastian. Estes 2 Magnificats são muito diferentes dos de JS, soam muito mais modernos, mas não têm aquela transcendência, né? A abertura do Magnificat de CPE é magnífico.

Carl Phillipp Emanuel Bach (1717-1788): Magnificat
1. Magnificat for 4 voices, chorus, 2 flutes, 2 oboes, 3 trumpets, 2 horns, strings & continuo in D minor, H. 772, Wq. 215,: Magnificat
2. Magnificat for 4 voices, chorus, 2 flutes, 2 oboes, 3 trumpets, 2 horns, strings & continuo in D minor, H. 772, Wq. 215,: Quia respex
3. Magnificat for 4 voices, chorus, 2 flutes, 2 oboes, 3 trumpets, 2 horns, strings & continuo in D minor, H. 772, Wq. 215,: Quia fecit
4. Magnificat for 4 voices, chorus, 2 flutes, 2 oboes, 3 trumpets, 2 horns, strings & continuo in D minor, H. 772, Wq. 215,: Et miserico
5. Magnificat for 4 voices, chorus, 2 flutes, 2 oboes, 3 trumpets, 2 horns, strings & continuo in D minor, H. 772, Wq. 215,: Fecit poten
6. Magnificat for 4 voices, chorus, 2 flutes, 2 oboes, 3 trumpets, 2 horns, strings & continuo in D minor, H. 772, Wq. 215,: Deposuit po
7. Magnificat for 4 voices, chorus, 2 flutes, 2 oboes, 3 trumpets, 2 horns, strings & continuo in D minor, H. 772, Wq. 215,: Suscepit Is
8. Magnificat for 4 voices, chorus, 2 flutes, 2 oboes, 3 trumpets, 2 horns, strings & continuo in D minor, H. 772, Wq. 215,: Gloria
9. Magnificat for 4 voices, chorus, 2 flutes, 2 oboes, 3 trumpets, 2 horns, strings & continuo in D minor, H. 772, Wq. 215,: Sicut erat

Johann Christian Bach (1735-1782): Magnificat
10. Tantum ergo, for 4 solo voices, chorus & orchestra in G major, CW E26 (T. 209/7): Tantum ergo
11. Tantum ergo, for 4 solo voices, chorus & orchestra in G major, CW E26 (T. 209/7): Genitori genitoque
12. Magnificat, for 4 solo voices, chorus & orchestra in C major, CW E22 (T. 207/3): Magnificat
13. Magnificat, for 4 solo voices, chorus & orchestra in C major, CW E22 (T. 207/3): Et misericordia
14. Magnificat, for 4 solo voices, chorus & orchestra in C major, CW E22 (T. 207/3): Fecit potentiam
15. Magnificat, for 4 solo voices, chorus & orchestra in C major, CW E22 (T. 207/3): Gloria patri et filio
16. Magnificat, for 4 solo voices, chorus & orchestra in C major, CW E22 (T. 207/3): Et in saecula saeculorum

Elisabeth Scholl
Ruth Sandhoff
Andreas Karasiak
Gotthold Schwarz
Dresdner Kammerchor
La Stagione
Michael Schneider

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

CPE não era o filho preferido, mas era o mais talentoso.

PQP

.: interlúdio :. Charles Mingus: The Clown

.: interlúdio :. Charles Mingus: The Clown

IM-PER-DÍ-VEL !!!

The Clown é um álbum de Charles Mingus gravado e lançado em 1957 na Atlantic Records. É uma espécie de continuação do Pithecanthropus Erectus de 1956. Uma edição de luxo em CD foi lançada em 2000 com duas faixas bônus que estão aqui. Todas as faixas foram gravadas em 12 de março de 1957, exceto The Clown, gravado em 13 de fevereiro do mesmo ano. De acordo com as notas de Nat Hentoff, Mingus explicou por que ele escolheu essas quatro faixas para o álbum: “Eu selecionei essas quatro mais duas outras que eram mais complicadas porque alguns desses caras estavam dizendo que eu não tinha swing. Então… Este álbum também tem o primeiro blues que eu fiz”. Haitian Fight Song e Tonight at Noon estão entra as maiores obras de Mingus. A legenda da foto abaixo pode ser compreendida por quem conhece o histórico do grande Mingus.

Charles Mingus: The Clown

1 “Haitian Fight Song” – 11:57
2 “Blue Cee” – 7:48
3 “Reincarnation of a Lovebird” – 8:31
4 “The Clown” – 12:29
5. “Passions of a Woman Loved” – 9:52
6 “Tonight at Noon” – 5:57

Charles Mingus – bass
Shafi Hadi – alto and tenor saxophone
Jimmy Knepper – trombone
Wade Legge – piano
Dannie Richmond – drums
Jean Shepherd – narration (track 4)

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Mingus descansando após brigar com todos os seus músicos.

PQP

Johannes Brahms (1833-1897): Integral das composições para órgão

Johannes Brahms (1833-1897): Integral das composições para órgão

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Se é surpreendente que Brahms tenha composto obras para órgão, o que se dirá quando algum de nós resolver postar seus motetos… Sim, são obras em que Brahms tenta fingir ser meu pai e não é uma má tentativa, muito pelo contrário. Brahms é denso e tinha a mesma queda de meu pai aos intricados jogos das fugas. Trata-se de muito boa música, principalmente os Onze Prelúdios Corais, Op. 122, escritos quando meu pai já o chamava para fazer-lhe companhia no céu — opa, os crentes vão gostar desta frase saída da pena de um ateu! Mas eu ia dizer que esta foi a última obra escrita por Brahms.

O que realmente não dá para entender é que tais peças — ouçam-nas! — sejam raramente ouvidas. Não parece Brahms, não parece Bach, parece um compositor novo, desconhecido, que faz música de primeira linha.

Johannes Brahms (1833-1897): Integral das composições para órgão

1. Prelude and Fugue in G minor 00:07:25

2. Fugue in A flat minor 00:07:53

11 Chorales Preludes, Op. 122
3. Mein Jesu, der du mich 00:06:20
4. Herzliebster Jesu 00:03:47
5. O Welt, ich muss dich lassen 00:03:41
6. Herzlich tut mich erfreuen 00:02:21
7. Schmucke dich, o liebe Seele 00:02:48
8. O wie selig seid ihr doch 00:02:00
9. O Gott, du frommer Gott 00:06:20
10. Es ist ein Ros’ entsprungen 00:02:37
11. Herzlich tut mich verlangen 00:02:35
12. Herzlich tut mich verlangen 00:04:18
13. O Welt, ich muss dich lassen 00:03:29

14. Chorale Prelude and Fugue on ‘O Traurigkeit, o Herzeleid’ 00:08:58

15. Prelude and Fugue in A minor 00:06:03

Robert Parkins, organ

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

.: interlúdio :. Dorival Caymmi & Tom Jobim ‎– Caymmi visita Tom e leva seus filhos Nana, Dori & Danilo

.: interlúdio :. Dorival Caymmi & Tom Jobim ‎– Caymmi visita Tom e leva seus filhos Nana, Dori & Danilo

Gente, este é um LP de 1964 (capa ao lado) que foi relançado em CD em 1991 (nova capa no link para os créditos). Como não parece haver muito interesse sobre ele, como é bom e como é uma curiosidade cheia de temas instrumentais e o escambau, nos interessa.

A admiração mútua entre Tom e Caymmi foi um fato. Tanto que 30 anos depois, quando Tom se despediu de nós com o maravilhoso Antônio Brasileiro, ele ainda trazia Caymmi. Neste disco de 1994, temos Maracangalha e Maricotinha, duas canções do baiano. Já Caymmi visita Tom é uma curiosidade porque ambos se equilibraram entre o samba-canção, a bossa nova e os temas instrumentais tendendo ao jazz. Mas também é incrível pela alta qualidade musical. Eu curti.

Dorival Caymmi & Tom Jobim ‎– Caymmi visita Tom e leva seus filhos Nana, Dori & Danilo

A1 … Das Rosas
A2 Só Tinha Que Ser Com Você
A3 Inútil Paisagem
A4 Vai De Vez
A5 Canção Da Noiva
B1 Saudades Da Bahia
B2 Tristeza De Nós Dois
B3 Berimbau
B4 Sem Você

Créditos aqui.

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Procure um(a) namorado(a) que te olhe como Tom olha para Caymmi, e vice-versa.

PQP

Anton Bruckner (1824-1896): Sinfonia No. 9 em Ré Menor

Anton Bruckner (1824-1896): Sinfonia No. 9 em Ré Menor

A Sinfonia No. 9 é o coroamento do trabalho sinfônico de Bruckner. Um portento, uma esplêndida obra-prima que ficou inacabada. Quando da sua morte, ele ainda trabalhava na composição da sinfonia. Esta gravação de Celibidache possui a eletricidade e a emoção dos registros ao vivo e ombreia-se às versões de Wand, Haitink e Nelsons. Mas vejam bem, os quatro citados na frase anterior são deuses. Sim, estamos no Olimpo da música. E quem os coloca lá é Bruckner.

Porém, neste álbum que ora postamos, há excertos dos ensaios de Celibidache. Mesmo — meu caso — não entendendo alemão, nota-se como suas correções vão inequivocamente melhorando a música. É uma gravação para ser ouvida várias vezes e ainda aprender.

A Sinfonia foi estreada postumamente em 1903 e Bruckner teria a dedicado a seu amado deus, mas tal fato não é comprovado por nenhum documento. O terceiro movimento ficou pronto em 1894, um Adagio esplêndido. O compositor viveu mais dois anos, mas sua saúde já não permitia o empenho necessário e morreu sem que o quarto e último movimento estivesse concluído. O que já havia escrito não era nada mais do que um esboço. Diante disso, ele recomendou que se tocasse como finale o seu “Te Deum”, obra coral religiosa que conferiria à sua Nona um formato semelhante ao da Nona de Beethoven. Mas o que todo regente faz hoje é apresentar a obra tal como ela ficou, inacabada.

Anton Bruckner (1824-1896): Sinfonia No. 9 em Ré Menor

01. Applause
02. I. Feierlich, Misterioso
03. II. Scherzo. Bewegt, lebhalt – Trio. Schnell
04. III. Adagio. Langsam, feierlich
05. IV. Applause
06. Excerpts from the rehearsals
07. Excerpts from the rehearsals
08. Excerpts from the rehearsals
09. Excerpts from the rehearsals
10. Excerpts from the rehearsals
11. Excerpts from the rehearsals
12. Excerpts from the rehearsals
13. Excerpts from the rehearsals
14. Excerpts from the rehearsals

Edition: Leopold Nowak
Münchner Philharmoniker
Sergiu Celibidache, regente

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Celibidache tomando um café com o pessoal do PQP lá pelos anos 40 ou 50. Era um dia quente.

PQP

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Todos os Concertos para Teclado

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Todos os Concertos para Teclado

Uma orquestra diminuta, como deve ser. Um crav… Ops, um piano? Pois é. Mas tem cravo? Sim, tem. Onde? Fazendo o baixo contínuo, ora bolas. Sim, a esquisitice deste disco, mesmo com a maestria de Angela Hewitt, custou a se acomodar em meu combalido cérebro. Aqui nós temos todos os sete Concertos para Cravo, mais o Concerto de Brandemburgo Nº 5 e o Triplo. Ouvi tudo duas vezes até gostar moderadamente. Mas não se compara com outros registros historicamente informados. Confesso que achei que estivesse presa de alucinações auditivas quando ouvi um cravo tagarelando atrás do piano na gravação do quinto Concerto de Brandemburgo de Bach… Comecei a pensar em qual seria o motivo (ou a tese) para usar como solista um piano de cauda de concerto em vez de um cravo de dois teclados, mas mesmo assim chamar o auxílio do velho instrumento? Apesar do oximoro musical de ter os dois instrumentos na mesma peça ao mesmo tempo, a versão de Hewitt e da Orquestra de Câmara Australiana funciona.

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Todos os Concertos para Teclado

CD1:
Keyboard Concerto No 1 In D Minor BWV1052 (22:46)
Allegro 7:37
Adagio 7:17
Allegro 7:50

Keyboard Concerto No 7 In G Minor BWV1058 (14:04)
[First Movement] 3:41
Andante 6:34
Allegro Assai 3:50

Brandenburg Concerto No 5 In D Major BWV1050 (19:59)
Allegro 9:41
Affettuoso 5:02
Allegro 5:14

Triple Concerto In A Minor BWV1044 (20:07)
Allegro 8:35
Adagio Ma Non Tanto E Dolce 4:36
Tempo Di Alla Breve 6:56

CD2:
Keyboard Concerto No 4 In A Major BWV1055 13:41
Allegro 4:06
Larghetto 4:55
Allegro Ma Non Tanto 4:39

Keyboard Concerto No 3 In D Major BWV1054 16:13
[First Movement] 7:29
Adagio E Piano Sempre 6:05
Allegro 2:37

Keyboard Concerto No 2 In E Major BWV1053 19:15
[First Movement] 8:02
Siciliano 4:43
Allegro 6:28

Keyboard Concerto No 5 In F Minor BWV1056 9:47
Allegro 3:28
Adagio 2:57
Presto 3:19

Keyboard Concerto No 6 In F Major BWV1057 16:33
[First Movement] 7:21
Andante 4:09
Allegro Assai 5:02

Angela Hewitt, piano
Australian Chamber Orchestra
Richard Tognetti

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Angela dando um rolê na sede campestre do PQP Bach.

PQP

Felix Mendelssohn (1809-1847): Concertos para Piano Nº 1 e 2 / Capricho Brilhante / Serenata / Rondó Brilhante

Felix Mendelssohn (1809-1847): Concertos para Piano Nº 1 e 2 / Capricho Brilhante / Serenata / Rondó Brilhante

Este CD também poderia ser chamado de Obras Completas para Piano e Orquestra de Mendelssohn.

Bem, nos últimos anos, Ragna Schirmer ascendeu ao posto de uma das melhores pianistas da Alemanha. Desta vez, ela se volta para Felix Mendelssohn, cujas obras completas para piano e orquestra ela apresenta junto com a Orquestra Sinfônica de Rádio Saarbrücken, conduzida por Günther Herbig. Esta gravação é mais uma vez resultado de muito estudo por parte de Ragna. E o Mendelssohn dela é bem animado. A pianista se delicia no ato de fazer música. A pianista encontrou em Günter Herbig um parceiro experiente e com o claro sentimento da leveza dessa música. Uma gravação muito boa, calorosamente romântica.

Felix Mendelssohn (1809-1847): Concertos para Piano Nº 1 e 2 / Capricho Brilhante / Serenata / Rondó Brilhante

Piano Concerto No. 1 in G minor, Op. 25
1)I. Molto allegro con fuoco
2) II. Andante
3) III. Presto

4) Capriccio brillant in B minor, Op. 22

Piano Concerto No. 2 in D minor, Op. 40
5) I. Allegro appassionato
6) II. Adagio – Molto sostenuto
7) III. Finale: Presto scherzando

8) Serenade and Allegro giocoso, Op. 43

9) Rondo brillant in E flat major, Op. 29

Ragna Schirmer, piano
Radio Symphony Orchestra Saarbrücken
Günther Herbig

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

A tranquilidade de quem tinha um pai banqueiro.

PQP

Claudio Monteverdi (1567-1643): The Mirror Of Claudio Monteverdi

Claudio Monteverdi (1567-1643): The Mirror Of Claudio Monteverdi

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Este é mais um arquivo que nos foi repassado pelo querido amigo pequepiano WMR.

Um lindo e prazeroso CD com obras de Monteverdi magnificamente tocadas pelos especialistas belgas do Huelgas Ensemble. Monteverdi é considerado o último grande madrigalista, certamente o maior compositor italiano de sua geração, um dos grandes operistas de todos os tempos e uma das personalidades mais influentes de toda a história da música do ocidente. Não inventou nada novo, mas sua elevada estatura musical deriva de ter empregado recursos existentes com uma força e eficiência sem paralelos em sua geração, e integrado diferentes práticas e estilos em uma obra pessoal rica, variada e muito expressiva, que continua a ter um apelo direto para o mundo contemporâneo ainda que ele não seja exatamente um compositor popular nos dias de hoje.

Claudio Monteverdi (1567-1643): The Mirror Of Claudio Monteverdi

1 I. Kyrie
Composed By – Claudio Monteverdi
4:10
2 Laura Che’l Verde Lauro
Composed By – Nicola Vicentino
Lyrics By [Canzoniere, CCXLVI] – Francesco Petrarca
5:25
3 II. Gloria
Composed By – Claudio Monteverdi
5:57
4 Amor, I’ho Molti E Molt’anni Pianto
Composed By – Cesare Tudino
4:53
5 III. Credo
Composed By – Claudio Monteverdi
11:31
6 Mia Benigna Fortuna
Composed By – Giaches De Wert
6:02
7 IV. Sanctus
Composed By – Claudio Monteverdi
4:24
8 Solo E Pensoso
Composed By – Luca Marenzio
6:21
9 V. Agnus Dei
Composed By – Claudio Monteverdi
10:24

Choir – Huelgas Ensemble*
Chorus Master, Liner Notes – Paul Van Nevel

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Gente, o Huelgas Ensemble costuma…
…se apresentar assim, formando um círculo.

PQP

Claude Debussy (1862-1918): Poèmes

Claude Debussy (1862-1918): Poèmes

Este é mais um arquivo que nos foi repassado pelo querido amigo pequepiano WMR.

Um surpreendente e bonito disco de obras pouco visitadas de Debussy. São canções muito bonitas, a quintessência da melodia francesa e também da arte do compositor. A cantora greco-alemã Stella Doufexis é sensível à música da língua francesa e tem pronúncia melhor que a maioria dos cantores franceses. Falo sério. Muitas vezes o disco torna-se mágico, recriando a atmosfera simbolista da virada do XIX para o XX. Estão aqui reunidos ciclos de poemas de autores esquecidos ou famosos (Mallarmé e Verlaine) onde a escrita refinada e tipicamente francesa de Debussy se expressa em total liberdade. Com seu tom caloroso, Stella Doufexies é a intérprete ideal destes poemas com humores às vezes escuros, às vezes felizes ou nostálgicos. Sua capacidade de trazer os textos para a vida é simplesmente fascinante. O acompanhamento preciso e em perfeita harmonia do especialista no gênero Daniel Heide, também é digno de nota.

Claude Debussy (1862-1918): Poèmes

1 Nuit D’étoiles 3:17
2 Fleur Des Blés 2:02
Deux Romances (04:18)
3 1. Romance 2:06
4 2. Les Cloches 2:12
Fêtes Galantes (07:30)
5 1. En Sourdine 3:05
6 2. Fantoches 1:14
7 3. Clair De Lune 3:11
Le Promenoir Des Deux Amants (06:22)
8 1. La Grotte 2:16
9 2. Crois Mon Conseil, Chère Climène 1:46
10 3. Je Tremble En Voyant Ton Visage 2:20
Trois Poèmes De Stéphane Mallarmé (08:33)
11 1. Soupir 3:14
12 2. Placet Futile 2:30
13 3. Éventail 2:49
Cinq Poèmes De Charles Baudelaire (28:00)
14 1. Le Balcon 8:22
15 2. Harmonie Du Soir 4:33
16 3. Le Jet D’eau 5:50
17 4. Recueillement 5:50
18 5. La Mort Des Amants 3:25

Mezzo-soprano Vocals – Stella Doufexis
Piano – Daniel Heide

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Imaginem o fiasco se Debby conhecesse o calor de Porto Alegre…

PQP

Maddalena Laura Lombardini Sirmen (1745-1818): Seis Concertos para Violino Op. 3

Maddalena Laura Lombardini Sirmen (1745-1818): Seis Concertos para Violino Op. 3

No dia de hoje, só poderíamos postar uma compositora erudita. Uma mulher compositora nascida em 1745 foi, antes de tudo, uma heroína.  A elas mal era dada uma educação e, quando eram talentosas, vinha um marido, um pai ou toda a família para recolocá-la à sombra. Não se sabe quem foram os pais de Maddalena Lombardini Sirmen. Ela foi admitida num orfanato, o Ospedale dei Mendicanti em Veneza em 1753, lá tornando-se violinista. Em 1760 ela foi convidada para estudar com Tartini em Milão, mas problemas na viagem impediram o encontro. No entanto, Tartini descreveu seu método para Lombardini por meio de carta. Esta carta se transformou em um influente tratado de violino, que foi reproduzido em toda a Europa em 1770. Em 1766 ela se casou com o violinista Lodovico Sirmen e o casal começou uma turnê de concertos pela Europa. Em 1771, Lodovico se estabeleceu na Itália com sua filha, enquanto Maddalena permanecia em Londres para um período de duas temporadas como violinista de concerto. Sua música para cordas (principalmente quartetos e peças para violino solo, assim como alguns concertos) era bem conhecida durante sua vida e até foi publicada.

A gravação que ora apresentamos é a primeira deste repertório e, olha, vale a pena ouvir. Lombardini Sirmen está situada no período do início do classicismo e foi boa compositora.

Maddalena Laura Lombardini Sirmen (1745-1818): Seis Concertos para Violino Op. 3

1. CD 43’10”

Concerto No. 1 in B flat major 13’44”
I. Allegro 5’39”
II. Andante 3’41”
III. Rondo. Allegretto 4’24”

Concerto No. 2 in E major 15’10”
I. Allegro 6’04”
II. Andante 4’10”
III. Rondo. Allegro non tanto 4’57”

Concerto No. 3 in A major 14’02”
I. Allegro 6’00”
II. Adagio 3’56”
III. Rondo. Allegretto 4’06”

2. CD 44’23”
Concerto No. 4 in C major 14’08”
I. Allegro 6’09”
II. Largo 3’18”
III. Rondo. Allegretto 4’40”

Concerto No. 5 in B flat major 15’28”
I. Maestoso 6’39”
II. Andante 3’57”
III. Rondo 4’52”

Concerto No. 6 in C major 14’34”
I. Allegro 6’13”
II. Andante 3’20”
III. Rondo 5’01”

Cadenzas por Levente Gyöngyösi e Piroska Vitárius, violino

Piroska Vitárius, violin
Savaria Baroque Orchestra
Pál Németh

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Maddalena Laura Lombardini Sirmen

PQP

Joan Cabanilles (1644-1712): Batalles, Tientos & Passacalles

Joan Cabanilles (1644-1712): Batalles, Tientos & Passacalles

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Juan Bautista José Cabanilles (1644-1712) foi compositor e organista principal (a partir de 1666) da Catedral de Valência, na Espanha. Em 1668, ele foi ordenado padre, mas manteve sua posição como organista principal na catedral por mais de 40 anos. Mas esse CD não é de órgão. Este é um extraordinário e muito criativo registro da obra orquestral de Cabanilles. Olha, é de cair o queixo. Mais um tesouro desencavado pelo catalão Savall.

Joan Cabanilles (1644-1712): Batalles, Tientos & Passacalles

1. Batalla Imperial (J.C. Kerll) (Cabanilles) 5:21
2. Tiento De Falsas II (Cabanilles) 3:36
3. Passacalles I (Cabanilles) 2:36
4. Tiento Lleno 2o Tono (Cabanilles) 4:53
5. Corrente Italiana (Obertura) (Cabanilles) 4:12
6. Tiento De Falsas 8 Punt Alt (Cabanilles) 5:29
7. Passacalles IV (Cabanilles 2:00
8. Tiento XVIII Por A La Mi Re (Cabanilles) 7:28
9. Tiento I Ple (Cabanilles) 6:53
10. Tiento XVII De “Pange Lingua” Punt Alt (Cabanilles) 4:00
11. Tiento IX De Contres (Cabanilles) 15:08

Hespèrion XX
Jordi Savall

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O incansável Savall: desenterrando obra-primas atrás de obras-primas.
O incansável Savall: desenterrando obra-primas atrás de obras-primas.

PQP

Béla Bartók (1881-1945): Concerto para orquestra; Música para cordas percussão e celesta; Esboços húngaros

Béla Bartók (1881-1945): Concerto para orquestra; Música para cordas percussão e celesta; Esboços húngaros

ABSOLUTAMENTE IMPERDÍVEL !!!

Eu sempre uso este bordão: Meus três compositores prediletos são Bach, Beethoven, Bartók e Brahms. E são mesmo! Bem, este CD recebeu vinte e cinco notas 5 (a máxima) na Amazon, três notas 4 e uma nota 1, dada por um louco, certamente. A gravação de Fritz Reiner é de se ouvir de joelhos, é a própria perfeição. É miraculosa a forma como ele e a Sinfônica de Chicago interpretam o Concerto para Orquestra e a grande Música para Cordas, Percussão e Celesta. Na História da Música Ocidental, Michèle Reverdy escreve:

Cada um dos quatro movimentos da Música é uma obra-prima: o primeiro é uma das mais belas fugas da história da música; o segundo, de grande dinamismo, joga com a heterofonia dos diferentes grupos orquestrais; no terceiro movimento, Bartók encontra as sonoridades mais desorientadoras: é aí que explora ao máximo os recursos das cordas, combinando-as de maneira inusitada com os timbres percussivos; o caráter de festa do final afirma-se na melodia principal em modo antigo — modo de fá — ritmado à búlgara.

O Concerto para Orquestra, mais tradicional, foi escrito no seu exílio em Nova Iorque, quando Bartók já sofria da leucemia que o matou. O nome se justifica pela alternância dos instrumentos como solistas.

Além de grande compositor, Bartók foi um ser humano da melhor qualidade. Sempre posicionou-se e prejudicou-se por sempre ter externado suas posições anti-nazistas. Mas falta-me tempo para escrever mais.

ABSOLUTAMENTE IMPERDÍVEL !!!

Bartók: Concerto for Orchestra; Music for Strings, Percussion and Celesta; Hungarian Sketches

1. Concerto for Orchestra, Sz.116/Introduzione: Andante non troppo; Allegro vivace 9:55
2. Concerto for Orchestra, Sz.116/Giuoco delle coppie: Allegretto scherzando 6:02
3. Concerto for Orchestra, Sz.116/Elegia: Andante non troppo 7:59
4. Concerto for Orchestra, Sz.116/Intermezzo interroto: Allegretto 4:17
5. Concerto for Orchestra, Sz.116/Finale: Pesante; Presto 9:00

6. Music for Strings, Percussion and Celesta, Sz.106/Andante tranquillo 7:12
7. Music for Strings, Percussion and Celesta, Sz.106/Allegro 7:02
8. Music for Strings, Percussion and Celesta, Sz.106/Adagio 7:04
9. Music for Strings, Percussion and Celesta, Sz.106/Allegro molto 6:46

10. Hungarian Sketches/An Evening in the Village 2:51
11. Hungarian Sketches/Bear Dance 1:42
12. Hungarian Sketches/Melody 2:05
13. Hungarian Sketches/Slighty Tipsy 2:19
14. Hungarian Sketches/Swineherd’s Dance 2:02

Chicago Symphony Orchestra
Fritz Reiner

BAIXE AQUI -DOWNLOAD HERE

Bartók intrigado com o tuíte de Bolsonaro sobre o golden shower

PQP

Anton Bruckner (1824-1896): Sinfonia Nº 7 (em transcrição para órgão)

Anton Bruckner (1824-1896): Sinfonia Nº 7 (em transcrição para órgão)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Eu sei que Bruckner foi um grande organista e não deveria surpreender que suas sinfonias se adaptassem ao instrumento, mesmo assim tomei um susto ao ver minha amada sétima transcrita. Pois gostei. Achei que Stender saiu-se muito bem, apesar da estranheza com alguma falta de ênfase em momentos que os regentes atuais estão em paroxismo balançando os braços e a cabeça como os bonecos de ar dos postos de gasolina. Como sou um autêntico extra-terrestre, a 7ª é minha sinfonia preferida de Bruckner ao lado da 5ª (assim como minha sinfonia preferida de Mahler é a enorme 3ª…). É claro que Stender não chega nem próximo da impressão causada por uma gravação como a de Haitink, mas sua versão é quase tese. Será que Bruckner compunha pensando no órgão? Refiro-me, claro, ao órgão instrumento, não ao outro órgão, centro e razão de nossas vidas, até a de Bruckner, embora ele não soubesse. Não resisto a qualificar este humilde registro de uma obscura gravadora como IM-PER-DÍ-VEL !!!, mas apenas para quem gosta do estranho Anton Bruckner.

Bruckner: Sinfonia Nº 7 (em transcrição para órgão)

1. Allegro moderato 17:53
2. Adagio (Sehr feierlich und sehr langsam) 15:15
3. Scherzo (Sehr schnell) 9:38
4. Finale (Bewegt, doch nicht zu schnell) 13:05

Ernst-Erich Stender, transcrição e órgão

Ernst-Erich Stender an der Großen Orgel der St. Marienkirche zu Lübeck

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Mexendo no órgão de Bruckner

PQP

Johannes Brahms (1833-1897): Concerto para Piano Nº 2, Op. 83

Johannes Brahms (1833-1897): Concerto para Piano Nº 2, Op. 83

O Concerto para Piano e Orquestra Nº 2 de Brahms é separado por 22 anos do primeiro. É excelente, mas não tanto quando este. Brahms começou a trabalhar na peça em 1878 e a concluiu em 1881. A estréia do concerto foi em Budapeste, em 9 de novembro de 1881, com o próprio Brahms como solista. Foi um sucesso imediato e ela passou a excursionar com seu belo concerto por toda a Europa. Afinal, a grana rules.

Johannes Brahms (1833-1897): Concerto para Piano Nº 2, Op. 83

1. Piano Concerto No.2 In B Flat, Op.83 – 1. Allegro Non Troppo  19:17
2. Piano Concerto No.2 In B Flat, Op.83 – 2. Allegro Appassionato  9:21
3. Piano Concerto No.2 In B Flat, Op.83 – 3. Andante – Più Adagio 12:08
4. Piano Concerto No.2 In B Flat, Op.83 – 4. Allegretto Grazioso – Un Poco Più Presto 10:00

Claudio Arrau
Concertgebouw Orchestra
Bernard Haitink

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Paciência: Haitink é muito maior que o Arrau

PQP

Ernest Bloch (1880-1956): Quintetos para Piano

Ernest Bloch (1880-1956): Quintetos para Piano

Bom disco de um compositor meio esquecido. As obras deste CD são bastante desiguais, talvez resultado do fato de serem de diversas fases da longa carreira deste compositor suíço naturalizado estadunidense. Há coisas de entusiasmar e outras nem tanto. O que é sempre impecável é a atuação do grupo de instrumentistas. Os CDs da Hyperion, como sabemos, costumam  trazer boas interpretações vindas de gente nem sempre conhecida. É o caso, mais uma vez.

Ernest Bloch (1880-1956): Quintetos para Piano

1. Piano Quintet No.1 – I. Agitato
2. Piano Quintet No.1 – II. Andante mistico
3. Piano Quintet No.1 – III. Allegro energico

4. Night (for string quartet)

5. Paysages – 1. North: Molto moderato
6. Paysages – 2. Alpestre: Allegretto
7. Paysages – 3. Tongataboo: Allegro

8. Two Pieces for String Quartet – 1. Andante moderato
9. Two Pieces for String Quartet – 2. Allegro molto

10. Piano Quintet No.2 – I. Animato
11. Piano Quintet No.2 – II. Andante
12. Piano Quintet No.2 – III. Allegro

Piers Lane: piano
Goldner String Quartet

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Ernest Bloch:
Ernest Bloch:

PQP

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Os Concertos para Piano (completo)

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Os Concertos para Piano (completo)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Apenas pelo fato de serem os cinco concertos para piano de Beethoven já seria imperdível. Só que devemos somar a isso o fato de estarmos frente uma gravação que é um belo petardo desferido pela Deutsche Grammophon em 2007 e que agora chega aos privilegiados ouvidos pequepianos. Pletnev, Gansch e a Orquestra Nacional russa realizam um prodígio que você deve ouvir.

Os discos saíram assim: o primeiro com os concertos 1 e 3, o segundo com os 2 e 4 e o terceiro com o quinto. PQP pôs na ordem para vocês. Os três últimos são registros de gravações ao vivo em que havia — sim, sei, lugar-comum — eletricidade no ar.

Ludwig van Beethoven (1770 – 1827):
Os Concertos para Piano (completo)

Piano Concerto No.1 in C major, Op.15
1) 1. Allegro con brio [13:37]
2) 2. Largo [10:19]
3) 3. Rondo (Allegro scherzando) [8:49]

Piano Concerto No.2 in B flat major, Op.19
1) 1. Cadenza: Ludwig van Beethoven [13:45]
2) 2. Adagio [8:28]
3) 3. Rondo (Molto allegro) [6:11]

Piano Concerto No.3 in C minor, Op.37
4) 1. Allegro con brio [15:55]
5) 2. Largo [8:58]
6) 3. Rondo (Allegro) [9:58]

Piano Concerto No.4 in G, Op.58
4) 1. Allegro moderato [19:29]
5) 2. Andante con moto [5:02]
6) 3. Rondo (Vivace) [10:31]

Piano Concerto No.5 in E flat major Op.73 -“Emperor”
1) 1. Allegro [20:03]
2) 2. Adagio un poco mosso [7:17]
3) 3. Rondo (Allegro) [10:26]

Mikhail Pletnev
Russian National Orchestra
Christian Gansch

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Mikhail Pletnev dando uma canja no Concertgebouw de Amsterdam

PQP

Orlando Gibbons (1583-1625): Cries and Fancies

Orlando Gibbons (1583-1625): Cries and Fancies

Este é mais um arquivo que nos foi repassado pelo querido amigo pequepiano WMR.

Não curto muito nem Gibbons nem Dowland, mas vou postar pro 6 tudo mesmo assim. A mim, as obras parecem muito semelhantes entre si. Desculpem minha grosseria auditiva. Só a partir da faixa 17 a coisa começa a ficar legal. Muito tarde.

Orlando Gibbons foi um compositor britânico. Nascido em Oxford e educado em Cambridge, onde cantou com o coro do King’s College, Gibbons trabalhou para a Chapel Royal desde 1603 até a sua morte. Foi reconhecido como um dos melhores organistas de sua geração; como compositor, dominava todas as formas e estilos da época, incluindo música para grupos de instrumentistas e para teclado.

Orlando Gibbons (1583-1625): Cries and Fancies

1 Fantasia In 6 Parts [VdGS No.3] 3:34
2 Fantasia In 3 Parts [VdGS No.3] 2:26
3 Fantasia In 3 Parts [VdGS No.2] 2:44
4 Fantasia In 6 Parts [VdGS No.1] 3:50
5 Go From My Window In 6 Parts 4:57
Prelude And Ground For Organ (3:18)
6a Prelude [MB No.3]
6b Ground [MB No.26]
7 Galliard In 3 Parts 1:09
8 Fantasia In 3 Parts For The ‘Great Dooble Base’ [VdGS No.1] 4:26
9 Fantasia In 4 Parts For The ‘Great Dooble Base’ [VdGS No.1] 4:59
10 Fantasia In 2 Parts [VdGS No.5] 3:13
11 Fantasia In 3 Parts [VdGS No.8] 2:42
12 Fantasia In 3 Parts [VdGS No.9] 2:28
13 Fantasia In 6 Parts [VdGS No.2] 3:36
14 Fantasia In 3 Parts For The ‘Great Dooble Base’ [VdGS No.4] 4:39
15 Fantasia For Organ [MB No.8] 4:09
16 In Nomine In 5 Parts [VdGS No.2] 4:54
17 The Cry Of London (Part I) 4:22
18 The Cry Of London (Part II) 2:43
19 In Nomine In 4 Parts 3:28

Ensemble [Instrumental] – Fretwork
Ensemble [Vocal] – Red Byrd (tracks: 17, 18)
Organ – Paul Nicholson (tracks: 6, 15)
Viol – Elizabeth Liddle (tracks: 1 to 5, 7 to 14, 16 to 19), Julia Hodgson (tracks: 1 to 5, 7 to 14, 16 to 19), Richard Boothby (tracks: 1 to 5, 7 to 14, 16 to 19), Richard Campbell (tracks: 1 to 5, 7 to 14, 16 to 19), William Hunt (tracks: 1 to 5, 7 to 14, 16 to 19)
Vocals – Harvey Brough (tracks: 17, 18), John Potter (2) (tracks: 17, 18), Linda Hirst (tracks: 17, 18), Richard Wistreich (tracks: 17, 18), Sue Bickley* (tracks: 17, 18)

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Orlando Gibbons

PQP

.: interlúdio :. Stan Getz: Big Band Bossa Nova

.: interlúdio :. Stan Getz: Big Band Bossa Nova

Big Band Bossa Nova é um disco de jazz e bossa nova lançado em 1962 pelo saxofonista Stan Getz e a orquestra de Gary McFarland. É o segundo disco de bossa nova lançado pelo saxofonista para a Verve, sendo o primeiro Jazz Samba (1962), com o guitarrista Charlie Byrd.

É disco de gringo cintura dura. Totalmente desajeitado e sem graça pra nós, brasileiros. Mas eu ouvi a merda inteira e tudo o que eu ouço de cabo a rabo posto aqui. A música tem quatro temas de compositores brasileiros e composições originais de McFarland. Os temas de McFarland são tão parecidos com a Bossa Nova quanto a ponte do Guaíba é igual ao Canal do Panamá. A instrumentação escolhida por McFarland evita o tradicional formato de big band de oito metais e cinco saxofones para um conjunto menor, com quatro instrumentos de sopro e trompa, além de três trompetes e dois trombones. Mas ele reforçou o time de percussionistas, claro.

Stan Getz: Big Band Bossa Nova

1 Manha de Carnaval (Morning of the Carnival) (Luiz Bonfá) – 5:48
2 Balanço no Samba (Street Dance) (Gary McFarland) – 2:59
3 Melancólico (Melancholy) (Gary McFarland) – 4:42
4 Entre Amigos (Sympathy Between Friends) (Gary McFarland) – 2:58
5 Chega de Saudade (No More Blues) (Antônio Carlos Jobim, Vinícius de Moraes) – 4:10
6 Noite Triste (Night Sadness) (Gary McFarland) – 4:56
7 Samba de Uma Nota Só (One Note Samba) (Antônio Carlos Jobim, Newton Mendonça) – 3:25
8 Bim Bom (João Gilberto) – 4:31

Stan Getz – tenor saxophone
Doc Severinsen, Bernie Glow or Joe Ferrante and Clark Terry or Nick Travis – trumpet
Ray Alonge – French horn
Bob Brookmeyer or Willie Dennis – trombone
Tony Studd – bass trombone
Gerald Sanfino or Ray Beckenstein – flute
Ed Caine – alto flute
Ray Beckenstein and/or Babe Clark and/or Walt Levinsky – clarinet
Romeo Penque – bass clarinet
Jim Hall – unamplified guitar
Hank Jones – piano
Tommy Williams – bass
Johnny Rae – drums
José Paulo – tambourine
Carmen Costa – cabasa
Gary McFarland – arranger, conductor

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Stan Getz sonhando em acertar o ritmo

PQP

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Obras completas para Violoncelo e Piano

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Obras completas para Violoncelo e Piano

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Gostei demais destes dois belos CDs dedicados à obra de Beethoven para violoncelo e piano à cargo de Daniel Müller-Schott e Angela Hewitt. A dupla entendeu-se maravilhosamente tocando tanto as obras mais conhecidas do mestre para ambos os instrumentos, mas atacando também territórios bastante perigosos… Explico: as Sonatas são verdadeiras joias do repertório clássico, mas as obras de Variações que estão aí são de matar, mesmo que sejam sobre temas de Mozart, Haydn, etc. Bem, nada grave, pois as Sonatas são muito maiores e marcantes. O CD é da Hyperion, o que já diz muito de sua qualidade, a qual é superior ao registro de Yo Yo Ma + Emanuel Ax e deve empatar com o de Rostropovich + Richter, apesar do sotaque russo da dupla de carecas.

Beethoven: Works for Cello and Piano, vol. 1

Cello Sonata in F major Op 5 No 1
1) Adagio sostenuto [2:59]
2) Allegro [14:24]
3) Allegro vivace [6:58]

Cello Sonata in G minor Op 5 No 2
4) Adagio sostenuto ed espressivo [6:26]
5) Allegro molto più tosto presto [10:29]
6) Rondo: Alllegro [9:02]

Cello Sonata in A major Op 69
7) Allegro, ma non tanto [12:55]
8. Scherzo: Allegro molto [5:07]
9) Adagio cantabile [2:01]
10) Allegro vivace [6:55]

Beethoven: Works for Cello and Piano, vol. 2

1) Variations in G major on “See the conqu’ring hero comes” from Handel’s Judas Maccabaeus WoO45 [12:54]

Cello Sonata in G major Op 102 No 1
2) Andante [2:46]
3) Allegro vivace [5:14]
4) Adagio – Tempo d’andante [3:15]
5) Allegro vivace [4:30]

6) Variations in F major on “Ein Mädchen oder Weibchen” from Mozart’s Die Zauberflöte Op 66 [10:18]

7) Variations in E flat major on “Bei Männern, welche Liebe fühlen, from Mozart’s Die Zauberflöte WoO46 [10:00]

Cello Sonata in D major Op 102 No 2
8. Allegro con brio [6:53]
9) Adagio con molto sentimento d’affetto [10:48]
10) Allegro – Allegro fugato [4:21]

Daniel Müller-Schott, cello
Angela Hewitt, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Beethoven e uma aluna (Roger Payne)

PQP

Béla Bartók (1881-1945): Concerto para Orquestra

Béla Bartók (1881-1945): Concerto para Orquestra

IM-PER-DÍ-VEL !!!

No início de 1943, enquanto estava ministrando uma série de palestras sobre música folclórica na Universidade de Harvard, Béla Bartók, já com a saúde frágil, piorou subitamente, necessitando de uma bateria de exames médicos urgentes. Quando estes se revelaram inconclusivos, “o pessoal de Harvard me convenceu a fazer novo exame, liderado por um médico muito apreciado por eles e à suas custas”. O exame revelou alguns problemas nos pulmões, que eles acreditavam ser tuberculose. A notícia foi recebida com grande alegria: “Finalmente temos a causa real!”. Quando o compositor retornou a sua casa em Nova York, a ASCAP (Sociedade Americana de Compositores, Autores e Editores), “de alguma forma se interessou no meu caso e decidiu curar-me às suas custas. Mandaram-me para os seus médicos, que mais uma vez me levou para um hospital. Os novos exames mostraram um grau menor de problemas pulmonares. Talvez não fosse tuberculose. E assim, voltei a não saber a causa de minha doença”.

Enquanto estava no hospital de Nova York, Bartók foi visitado por Serge Koussevitzky, maestro da Orquestra Sinfónica de Boston. Ele, por sugentão de dois outros exilados húngaros amigos de Bartók q que sabiam de suas dificuldades — o violinista Joseph Szigeti e regente Fritz Reiner — fez-lhe uma encomenda: um trabalho em memória de sua esposa, recentemente falecida, Natalie Koussevitzky. Bartók aceitou e produziu o Concerto para Orquestra, seu último trabalho completo.

Foi logo após a reunião com Koussevitzky que a fatal leucemia acabou diagnosticada. O compositor não foi comunicado, o que talvez tenha sido uma decisão correta, pois ele, durante o mês subseqüente, ele recuperou a força, a alegria e, obviamente, a criatividade. A partitura foi escrita em apenas dois meses no balneário de Saranac Lake em Nova York. A nota final foi escrita em 8 de outubro de 1943.

Enorme sucesso de público e os crítica, a estreia foi realizada em concerto da Boston Symphony Orchestra, sob a direção de Koussevitzky, em 1 de dezembro de 1944. O compositor assistiu à estreia com sua esposa, Ditta Pásztory. “Fomos lá para os ensaios e apresentações, meu médico deu a permissão a contragosto. Foi uma excelente estreia”. Koussevitzky disse que era “a melhor composição dos últimos, incluindo as obras de meu ídolo Shostakovich!”.

Bartók escreveu a seguinte nota breve para a ocasião:

O título deste trabalho explica-se pelo fato de os instrumentos de uma única orquestra serem tratados de forma solista ou concertante. O tratamento “virtuoso” aparece, por exemplo, nas seções fugato do desenvolvimento do primeiro movimento (instrumentos de sopro), ou no Perpetuum Mobile, como a passagem do tema principal no último movimento (cordas), e especialmente no segundo movimento, no qual pares de instrumentos consecutivamente aparecem com passagens brilhantes. O humor geral do trabalho representa, para além do jocoso segundo movimento, da transição gradual da dureza do primeiro movimento e da canção da morte do terceiro, uma afirmação da vida e do passado.

Uma tremenda gravação de Gustavo Dudamel com a Los Angeles Philharmonic Orchestra !!!. Olha, acho que foi retirada de um DVD… Ouçam como a orquestra ri no quarto movimento.

Béla Bartók (1881-1945): Concerto para Orquestra

1) Introduction: Allegro non troppo
2) Giuoco delle coppie: Allegretto scherzando
3) Elegia: Andante non troppo
4) Intermezzo interrotto: Allegretto
5) Finale: Presto

L.A. Philharmonic Orchestra
Gustavo Dudamel

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE


PQP

Heinrich Ignaz Franz Biber (1644-1704): Unam Ceylum (Sonatas para Violino)

Heinrich Ignaz Franz Biber (1644-1704): Unam Ceylum (Sonatas para Violino)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Mais um CD de Biber. Mais uma surpresa deste grande e quase desconhecido compositor. Biber era um virtuose do violino e Kapellmeister. Seu grupo de “Sonatas Bíblicas” já fazem parte do repertório dos violinistas barrocos e, aqui, John Holloway resgata mais sonatas de Biber da imerecida obscuridade. O disco inclui duas sonatas inéditas e quatro da coleção Biber de 1681, a qual consolidou sua posição entre os seus contemporâneos, mas ainda não entre nós. Todas as obras estão cheias de deslumbrantes efeitos técnicos e reviravoltas inesperadas. A Sonata em Fá Maior (Nº 3), por exemplo, equilibra belas melodias com um monte de surpresas, tanto musicais quanto técnicas, concluindo com uma grande chaconne. Holloway está à altura das demandas que Biber impõe. Ele está acompanhado de cravo e órgão. Dá para dizer tranquilamente que este disco é uma escandalosa incursão na extravagância barroca. Biber voltou para restabelecer seu nome entre os maiores barrocos. Uma descoberta. Mais grande música aqui.

Biber — Unam Ceylum (Sonatas para Violino)

1. Sonata III F major from Sonatae Violino solo 1681
2. Sonata IV D major from Sonatae Violino solo 1681
3. Sonata No. 81 A major – unpublished
4. Sonata VI C minor from Sonatae Violino solo 1681
5. Sonata VII G major from Sonatae Violino solo 1681
6. Sonata No. 84 E major: Adagio – unpublished

John Holloway: violin
Aloysia Assenbaum: organ
Lars Ulrik Mortensen: harpsichord

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Biber, BAITA compositor

PQP