W. A. Mozart (1756-1791): Sinfonia Concertante para Violino e Viola, Concerto Nº 2 para Violino, Rondo K. 373 e Adágio K. 261

Uma Sinfonia Concertante apenas aceitável, que fica longe de ser uma first choice como esta aqui. Augustin Dumay, de tão boas gravações com Maria João Pires, faz um registro com fraseados que decididamente não me agradam. Dá a impressão de querer ser diferente. Já de cara a orquestra faz uma introdução pra lá de estranha. Ele também deixa de lado parte do espírito concertístico do Allegro Maestoso e do Presto. A mesma observação vale para o restante do CD. Mas… É tudo opinião minha. A maioria gosta. Vai ver estou errado.

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) – 

Sinfonia Concertante in E flat major, K. 364 (320d)
01. 1. Allegro maestoso
02. 2. Andante
03. 3. Presto

Rondo in C major, K 373
04. Allegretto grazioso

Adagio in E major, K. 261
05. Adagio in E major, K. 261

Concerto for Violin and Orchestra no. 2 in D major, K. 211
06. 1. Allegretto mode
07. 2. Andante
08. 3. Rondeau. Allegro

Camerata Academica Salzburg
Augustin Dumay, regência e violino
Veronika Hagen, viola

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

mozart dancing cartoon_0

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Leos Janácek (1854-1928): String Quartet Nº 2 ‘Intimate Letters’ / Pavel Haas (1899-1944): String Quartet Nº 2 ‘From The Monkey Mountain’

O Quarteto Pavel Haas é realmente notável. Grande entendimento, excelentes gravações e uma escolha de repertório de irretocável bom gosto. Mas sei alguma coisa sobre as relações  de poder dentro de um quarteto e sempre dou risadas ao ver, pelas fotos, que há sempre mudanças no segundo violino. A loira Veronika Jarůšková é o primeiro violino e chefona desde sempre. O primeiro violoncelista do conjunto saiu por incompatibilidade de gênios (sei) e o maridão Peter Jarůšek assumiu o lugar dele. A história do segundo violino é complicada, eles já estão no quarto nome, um homem chamado Marek Zwiebel. Já o violista é estável… Como este é o primeiro disco do Haas (2006), a moça da foto acima é Kateřina Gemrotová, a primeira segunda-violinista. Bem, este é um baita CD, viram? As “Cartas Íntimas” de Janácek é uma preferência absoluta desde que vos escreve. O Quarteto de Haas é fantástico — o cara justifica a homenagem de dar nome a este grande quarteto de cordas brigão.

Leos Janácek (1854-1928) – String Quartet No.2 ‘Intimate Letters’
01. I. Andante
02. II. Adagio
03. III. Moderato
04. IV. Allegro

Pavel Haas (1899-1944) – String Quartet No.2 ‘From The Monkey Mountain’
05. I. Landscape (Andante)
06. II. Coach, Coachman And Horse (Andante)
07. III. The Moon And I… (Largo E Misterioso)
08. IV. Wild Night (Vivace E Con Fuoco)

Pavel Haas Quartet

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Pavel Haas Quartet em 2016 -- sempre um(a) novo(a) segundo violino... | Photo: Marco Borggreve

Pavel Haas Quartet em 2016 — sempre um(a) novo(a) segundo violino… | Photo: Marco Borggreve

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Telemann (1681-1767) / Graupner (1683-1760) / Schultze (ca.1733-1813): Concertos para Flauta

Um CD que vale mais pelos intérpretes do que pelo repertório. A alemã Dorothee Oberlinger é um fenômeno do instrumento e até estas obras menores brilham sob seus sopros e dedos. Para completar o timaço, temos Reinhard Goebel comandando o Ensemble 1700. Os barrocos tinham disso: produziam demais e têm obras-primas demais, mas nem sempre os cantinhos de repertório guardam tesouros. Mesmo assim, é um CD muito agradável de se colocar nos ouvidos e deixar rolar. Talvez seja importante saber que este CD recebeu 4 e 5 estrelas em quase todas as publicações que consultei. Isto significa que posso estar muito errado em meu pouco entusiasmo.

Telemann (1681-1767) / Graupner (1683-1760) / Schultze (ca.1733-1813): Concertos para Flauta

Georg Philipp Telemann – Concerto In G Minor For Alto Recorder, Strings & Continuo
1 Allegro 4:43
2 Adagio 2:10
3 Allegro 4:18

Georg Philipp Telemann – Concerto In C Major (TWV 51:C) For Alto Recorder, Strings & Continuo
4 Allegretto 2:59
5 Allegro 3:34
6 Andante 2:57
7 Tempo Di Menuet 5:29

Christoph Graupner – Suite (Ouverture) In F Major For Alto Recorder, Strings & Continuo
8 Ouverture 8:05
9 Le Speranza (Tempo Gusto) 2:10
10 Air En Gavotte 5:47
11 Menuet 2:55
12 Air 7:03
13 Plaisanterie 4:10

Johann Christoph Schultze – Concerto In G Major For Alto Recorder, Strings & Continuo
14 Allegro 4:18
15 Adagio 2:34
16 Vivace 3:11

Alto Recorder – Dorothee Oberlinger

Bassoon – Lorenzo Alpert
Cello – Anita Jehli
Harpsichord – Alexander Puliaev
Viola – Florian Deuter
Violin – Adrian Bleyer, Evan Few, Johannes Pramsoler, Joseph Tan, Katja Grüttner, Mónica Waisman
Violone – Jörg Meder
(Ensemble 1700)

Conductor, violin – Reinhard Goebel

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Dorothee Oberlinger, uma virtuose da flauta

Dorothee Oberlinger, uma virtuose da flauta

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Azio Corghi (1937): Divara — Wasser und Blut

Como gosto de Saramago e havia lido a peça In nomine Dei, que relata um conhecido episódio de massacre de anabatistas após um conflito com católicos em Münster (Alemanha) há mais de quatro séculos, comprei este álbum duplo assim que o vi na prateleira. Divara (1993) é a segunda ópera do vanguardista italiano Azio Corghi sobre uma obra do escritor português, a primeira foi Blimunda (1989), baseada no romance Memorial do Convento. A princípio, não senti nenhuma novidade na linguagem de Corghi, tanto que disse pra mim mesmo “Das ist Scheiße” (inspirado pelo idioma em que a ópera é cantada). Já recentemente, despertado pelo filme Chico Xavier, dei-me conta que estava diante de uma reencarnação de Schoenberg e pude livrar-me de todos os preconceitos anteriores. Boa audição. Wasser und Blut é Água e Sangue.

***

Azio Corghi (1937): Divara — Wasser und Blut

Disc 1
1. Divara – Wasser und Blut (Divara – Water and Blood): Act I: Vorspiel (Prelude)
2. Divara – Wasser und Blut (Divara – Water and Blood): Act I Scene 1
3. Divara – Wasser und Blut (Divara – Water and Blood): Act I Scene 2
4. Divara – Wasser und Blut (Divara – Water and Blood): Act I Scene 3
5. Divara – Wasser und Blut (Divara – Water and Blood): Act II Scene 4
6. Divara – Wasser und Blut (Divara – Water and Blood): Act II Scene 5
7. Divara – Wasser und Blut (Divara – Water and Blood): Act II Scene 6
8. Divara – Wasser und Blut (Divara – Water and Blood): Act III Scene 7
9. Divara – Wasser und Blut (Divara – Water and Blood): Act III: Nachspiel (Postlude)
10. Divara – Wasser und Blut (Divara – Water and Blood): Act III Scene 8
11. Divara – Wasser und Blut (Divara – Water and Blood): Act III Scene 9

# Performer: Barbara Trottmann, Christopher Krieg, David Midboe, Eva Lillian Thingboe, Gabriele Wunderer, et al.
# Orchestra: Münchner Philharmoniker Orchester und Chor
# Conductor: Will Humburg

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Azio Corghi: obra baseada em Saramago

Azio Corghi: obra baseada em Saramago

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Georg Friedrich Handel (1685 – 1759) – Complete Violin Sonatas

NOVO LINK !!! Este baita CD foi postado originalmente em 2008… !!! E está fora do ar há uns seis ou sete anos… muito tempo para uma jóia destas estar indisponível !!!

Excelente disco de uma das mais fulgurantes novas estrelas da música antiga, o violinista Andrew Manze. Se Handel não tinha essa disposição toda para a música de câmara, sabemos que ele era um discípulo de seu contemporâneo Lavoisier, nascido sete anos antes. Georg aprendeu como poucos que “Nada se cria, tudo se transforma”. Então, tomamos alguns sustos: “Mas isto não é uma ária de ópera?”, “Ué, já ouvi esse tema num Concerto Grosso postado pelo FDP…”. É sempre assim: Lavoisier e Lavoisier! Mas é música excelente, valorizada pela arrasadora dupla de ataque Manze e Egarr. Uma coisa que sempre me causou medo intenso, pânico mesmo, é fato do pai de Handel ter sido barbeiro e cirurgião. Será que isso explica alguma coisa? Por favor, não sonhem nem façam xixi na cama.

George Friedrich Handel: Complete Violin Sonatas

Violin Sonata In D Major, Op.1 No.13 HWV 371
1. Sonata In D Major, Op.1 No.13 (HWV 371): I. Affettuoso 3:29
2. Sonata In D Major, Op.1 No.13 (HWV 371): II. Allegro 2:45
3. Sonata In D Major, Op.1 No.13 (HWV 371): III. Larghetto 2:16
4. Sonata In D Major, Op.1 No.13 (HWV 371): IV. Allegro 3:40

Violin Sonata In F Major, Op.1 No.12 “Walsh”
5. Sonata In F Major, Walsh Op.1 No.12: I. Adagio 3:47
6. Sonata In F Major, Walsh Op.1 No.12: II. Allegro 3:20
7. Sonata In F Major, Walsh Op.1 No.12: III. Largo 3:06
8. Sonata In F Major, Walsh Op.1 No.12: IV. Allegro 3:35

Violin Sonata In D Minor, HWV 359a
9. Sonata In D Minor (HWV 359a): I. Grave 2:11
10. Sonata In D Minor (HWV 359a): II. Allegro 1:53
11. Sonata In D Minor (HWV 359a): III. Adagio 1:02
12. Sonata In D Minor (HWV 359a): IV. Allegro 2:31

Violin Sonata In A Major, Op.1 No.3 HWV 361
13. Sonata In A Major, Op.1 No.3 (HWV 361): I. Andante 2:38
14. Sonata In A Major, Op.1 No.3 (HWV 361): II. Allegro 1:53
15. Sonata In A Major, Op.1 No.3 (HWV 361): III. Adagio 0:46
16. Sonata In A Major, Op.1 No.3 (HWV 361): IV. Allegro 2:39

Violin Sonata In G Minor, Op.1 No.6 HWV 364
17. Sonata In G Minor, Op.1 No.6 (HWV 364): I. Larghetto 2:07
18. Sonata In G Minor, Op.1 No.6 (HWV 364): II. Allegro 1:54
19. Sonata In G Minor, Op.1 No.6 (HWV 364): III. Adagio 0:49
20. Sonata In G Minor, Op.1 No.6 (HWV 364): IV. Allegro 2:26

Violin Sonata In A Major, Op.1 No.10 “Roger”
21. Sonata In A Major, “Roger” Op.1 No.10: I. Adagio 1:34
22. Sonata In A Major, “Roger” Op.1 No.10: II. Allegro 2:40
23. Sonata In A Major, “Roger” Op.1 No.10: III. Largo 1:10
24. Sonata In A Major, “Roger” Op.1 No.10: IV. Allegro 2:38

Violin Sonata In E Major, Op.1 No.12 “Roger”
25. Sonata In E Major, “Roger” Op.1 No.12: I. Adagio 2:12
26. Sonata In E Major, “Roger” Op.1 No.12: II. Allegro 2:56
27. Sonata In E Major, “Roger” Op.1 No.12: III. Largo 1:16
28. Sonata In E Major, “Roger” Op.1 No.12: IV. Allegro 2:43

Violin Sonata In G Major, HWV 358
29. Sonata In G Major (HWV 358): I. [Allegro] 1:44
30. Sonata In G Major (HWV 358): II. [Adagio] 0:43
31. Sonata In G Major (HWV 358): III. [Allegro] 2:22

32. Andante In A Minor (HWV 412) 2:12

33. Allegro In C Minor (HWV 408) 3:30

Andrew Manze – Violin
Richard Egarr – Harpsichord

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Handel pensando no que foram as eliminatórias para a Copa de 2018

Handel pensando no que foram as eliminatórias para a Copa de 2018

PQP + FDP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

W. A. Mozart (1756-1791): Piano Concerto No. 21 / Sinfonia Concertante

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Sim, há Don Giovanni, A Flauta Mágica, os Concertos para Piano de números mais altos, a Júpiter, a 40, a Haffner, a Praga, o Concerto para Clarinete, o Divertimento K. 287, etc., porém, dentre os sei lá quantos CDs de Mozart de minha discoteca, escolho esta despretensiosa gravação da Bis sueca. É o que mais gosto, é endorfina pura, me deixa feliz. E nem é pelo extraordinário Concerto para Piano, é muito antes pela interpretação da Sinfonia Concertante para Violino e Viola K. 364. Para meu gosto torto, é meu melhor CD do mestre de Salzburgo.

Em comum, estas duas obras têm a curiosidade de terem protagonizado filmes como quase-personagens. O concerto ficou conhecido como Elvira Madigan pela utilização de seu Andante no filme homônimo de Bo Widerberg (1967). Incrivelmente, o Concerto Nº 21 ficou conhecido como “Tema de Elvira Madigan”. E, em 1988, Peter Greenaway realizou sua obra-prima Afogando em Números utilizando o Andante da Sinfonia Concertante, o qual é executado longamente durante as muitas cenas de assassinatos de maridos pelas Cissies do filme. Certamente, Mozart nunca imaginaria tal utilização, mas ficou lindo, perfeito, dentro de um filme virtuosístico tanto pela atuação dos atores como por sua beleza plástica.

Mas nosso assunto é Mozart. Prestem atenção no primeiro movimento da Sinfonia Concertante, atentem ao momento em que violino e viola entram para fazer seu primeiro solo. Se você não sentir arrepios, tente novamente; se sentir, é normal. Dificilmente haverá coisa mais bela.

W. A. Mozart (1756-1791): Piano Concerto No. 21 / Sinfonia Concertante

Piano Concerto No. 21 in C Major, K. 467 “Elvira Madigan”
1. Allegro maestoso 14:58
2. Andante 06:54
3. Allegro vivace assai 06:21

Staffan Scheja, piano
Conducted by:Jan-Olav Wedin
Performed by:Stockholm Sinfonietta

Sinfonia Concertante in E flat major, K. 364
4. Allegro maestoso 13:42
5. Andante 12:21
6. Presto 06:54

Bernt Lysell, violin
Nils-Erik Sparf, viola
Conducted by:Jan-Olav Wedin
Performed by:Stockholm Sinfonietta

Total Playing Time: 01:01:10

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Stockholm Sinfonietta

Stockholm Sinfonietta

Bernt Lysell durante uma gravação, comparando um Stradivarius com um violino moderno. O Stradi é o que está na sua mão esquerda.

Bernt Lysell durante uma gravação, comparando um Stradivarius com um violino moderno. O Stradi é o que está na sua mão esquerda.

Nils-Erik Sparf fazendo cara de quem toca muito.

Como todo violista, Nils-Erik Sparf faz cara de quem toca muito. Mas todos sabem a verdade.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

F. J. Haydn (1732-1809): Sinfonias Nº 44, 28 e 49

A partir do som mais ou menos, podemos quase garantir que se tratam de velhas gravações da Melodiya, o que não significa que sejam ruins. A interpretação é boa e elegante, com aquele entusiasmo contido e a alegria que convêm à Haydn. Claro que as sinfonias mostram mais uma vez o modelo clássico formatado pela Escola de Mannheim e consolidado por Haydn, sempre dividido em 4 partes. O primeiro movimento pode ser uma música de caráter ligeiro, um allegro por exemplo. Alguns primeiros movimentos possuem uma curta introdução de caráter mais grave. O segundo movimento é a parte lenta e reflexiva da obra. O terceiro movimento é conhecido como minueto. É a música mais dançável da obra. Estes dois últimos movimentos podem ter invertidas suas ordens. O quarto e último movimento (finale) tem características semelhantes à do primeiro movimento, mas aqui o caráter é habitualmente triunfante, daquele tipo que busca o aplauso. Sim, há que considerar o ambiente dos concertos. As sinfonias? Sim, são ótimas!

F. J. Haydn (1732-1809): Sinfonias Nº 44, 28 e 49

01. Symphony No.44_ I. Allegro con brio
02. II. Menuetto. Allegretto. Canone in diapason
03. III. Adagio
04. IV. Finale. Presto

05. Symphony No.28_ I. Allegro di molto
06. II. Poco Adagio
07. III. Menuet. Allegro molto
08. IV. Presto assai

09. Symphony No.49_ I. Adagio
10. II. Allefro di molto
11. III. Menuetto
12. IV. Finale. Presto

The Moscow Chamber Orchestra

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Bach, Beethoven, Mozart e Haydn na cerveja

Bach, Beethoven, Mozart e Haydn na cerveja

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :. I Am Three — Mingus Big Band, Mingus Orchestra & Mingus Dynasty

Logo após a morte do grande Charlie Mingus, foi fundada a Mingus Dynasty com a finalidade de seguir tocando as obras-primas do compositor erudito que mais gostava de jazz… Depois veio a Mingus Big Band e mais recentemente a Orchestra Dynasty. O som dos caras — de todos eles — permanece exuberante e a obra do autor é tão vasta que, mesmo após de quase 20 CDs dos grupos, nem parece ter sido devidamente examinada. I am three refere-se ao primeiro parágrafo da autobiografia de Mingus Beneath the Underdog e também à junção de todo mundo. Desta vez, o grupo de 14 músicos da Mingus Big Band se junta a mais 10 da Mingus Orchestra e a todo o septeto da Mingus Dynasty. O resultado é ótimo. Destaque para Song with Orange.

Mingus Big Band –  I Am Three

01 Song with Orange
02 MDM
03 Chill of Death
04 Paris in Blue
05 Tensions
06 Orange Is the Color of Her Dress
07 Cell Block F ‘Tis Nazi USA
08 Todo Modo
09 Wednesday Night Prayer Meeting
10 Pedal Point Blues

Mingus Big Band
Mingus Orchestra
Mingus Dynasty

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Mingis Big Band

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Trio Sonatas

As Trio Sonatas foram escritas para órgão, mas já receberam dezenas de transcrições; umas muito boas, outras nem tanto. Sinceramente prefiro ouvi-las ao órgão, mas esta transposição — realizada pelo gambista do Purcell Quartet Richard Boothby — é indiscutivelmente das muito boas. O que garante isso? Ora, o fato de que sentimos vivamente a presença de Bach. É uma combinação perfeita. Contribui para a qualidade do todo a notável interação entre os muito experientes músicos do Purcell Quartet. Recomendo a imediata atenção e audição por parte do povo pequepiano.

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Trio Sonatas

Trio Sonata, BWV 525 in E flat (Transposed to F)
– I. Allegro
– II. Adagio
– III. Allegro
Trio Sonata, BWV 526 in C
– I. Vivace
– II. Largo
– III. Allegro
Trio Sonata, BWV 527 in d
– I. Andante
– II. Adagio e dolce
– III. Vivace
Trio Sonata, BWV 528 in e
– I. Adagio-Vivace
– II. Andante
– III. Un poc’ allegro
Trio Sonata, BWV 529 in C (Transposed to D)
– I. Allegro
– II. Largo
– III. Allegro
Trio Sonata, BWV 530 in G
– I. Vivace
– II. Lente
– III. Allegro

Performer: The Purcell Quartet:
Catherine Mcintosh (Violin);
Catherine Weiss (Violin);
Richard Botthby (Viola da gamba);
Robert Woolley (Harpsichord)
Recorded at Orford Church, Suffolk, England.

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Não se deve brincar com Bach

Não se deve brincar com Bach

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Nicolò Paganini (1782–1840): 24 Caprichos, Op.1

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Há alguns dias, postei outra versão dos 24 Caprichos de Paganini. Era com Julia Fischer. Olha, esta e aquela são tão boas que não sei qual escolher. Talvez Ehnes seja um pouco mais ousado nos andamentos, mas nada que desmereça Fischer. Minha mulher é violinista profissional e pediu que eu tocasse duas vezes esta versão de Ehnes, perfeitíssima em sua avaliação. Ela me disse que gostaria de compartilhá-la entre seus amigos. Escreveu no Face dizendo estar em êxtase com a consistência musical e intelectual de Ehnes, que não procura meros efeitos dentro das arcadas originais de Nicolò.. Só que ela não ouviu Julia Fischer. Olha aqui, ó, fiquem com as duas versões e não me encham o saco!

NICOLÒ PAGANINI (1782–1840) 24 Caprices op.1

1) Caprice No.1 in E: Andante [1.46]
2) Caprice No.2 in B minor: Moderato [2.41]
3) Caprice No.3 in E minor: Sostenuto – Presto [2.48]
4) Caprice No.4 in C minor: Maestoso [6.46]
5) Caprice No.5 in A minor: Agitato [2.37]
6) Caprice No.6 in G minor: Lento [5.41]
7) Caprice No.7 in A minor: Posato [3.53]
8) Caprice No.8 in E flat: Maestoso [2.46]
9) Caprice No.9 in E: Allegretto [2.53]
10) Caprice No.10 in G minor: Vivace [2.08]
11) Caprice No.11 in C: Andante – Presto [4.05]
12) Caprice No.12 in A flat: Allegro [2.31]
13) Caprice No.13 in B flat: Allegro [2.30]
14) Caprice No.14 in E flat: Moderato [1.51]
15) Caprice No.15 in E minor: Posato [2.37]
16) Caprice No.16 in G minor: Presto [1.30]
17) Caprice No.17 in E flat: Sostenuto – Andante [3.40]
18) Caprice No.18 in C: Corrente – Allegro [2.28]
19) Caprice No.19 in E flat: Lento – Allegro assai [3.00]
20) Caprice No.20 in D: Allegretto [4.17]
21) Caprice No.21 in A: Amoroso – Presto [3.11]
22) Caprice No.22 in F: Marcato [3.02]
23) Caprice No.23 in E flat: Posato [3.31]
24) Caprice No.24 in A minor: Tema con variazioni. Quasi presto [4.22]

James Ehnes, violin

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Ehnes manda um beijo pra todo o povo pequepiano.

Ehnes manda um beijo pra todo o povo pequepiano.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :. Antiphone Blues

IM-PERDÍ-VEL !!!

Mais um disco de gatinhos, mas estes aqui vêm embalados em tanta elegância timbrística e com uma qualidade sonora tão estupefaciente que é bom respeitar. O saxofonista sueco Arne Domnérus (1924-2008) e o organista também sueco Gustaf Sjökvist (1943-2015) gravaram Antiphone Blues em 1974 na Spånga Church, de Estocolmo. A fórmula já era praticada desde o barroco — você deve ouvir o que os italianos escreveram para trompete e órgão, é do caraglio –, mas, é claro, o sax não existia durante o barroco, só as igrejas. Após Antiphone, John Surman levou seu sax para várias igrejas — ficou lindo — e The Carla Bley Big Band Goes to Church, só que acho que nada se compara à elegância cool de Domnérus e Sjökvist. Vale a pena deitar no chão e ouvir bem alto, sentindo vibração por vibração. É do caraglio.

Dentro da Spånga Church, Stockholm, Sweden.

Dentro da Spånga Church, Stockholm, Sweden.

Antiphone Blues

A1 Almighty God — Written-By – Duke Ellington 3:10
A2 Nobody Knows The Trouble I’ve Seen 3:05
A3 Sometimes I Feel Like A Motherless Child 2:20
A4 Antiphone Blues 3:15
A5 Jag Vet En Dejlig Rosa 2:40
A6 Träumerei – Arranged By – Bengt Hallberg — Written-By – Robert Schumann 4:30
B1 Come Sunday Arranged By – Bengt Hallberg — Written-By – Duke Ellington 4:35
B2 Heaven — Written-By – Duke Ellington 3:09
B3 Entonigt Klingar Den Lilla Klockan 3:35
B4 Den Signade Dag 3:45
B5 Largo Written-By – Antonio Vivaldi 3:05

Saxophone – Arne Domnérus
Organ – Gustaf Sjökvist

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Spånga Church, Stockholm, Sweden, agora por fora

Spånga Church, Stockholm, Sweden, agora por fora

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Prokofiev (1891-1953): The Buffoon Suite / Waltz Suite / The Love for Three Oranges Suite

Estas são suítes retiradas de óperas de Prokofiev. Tipo melhores lances. mas óperas são óperas e mesmo Prokofiev parece ter escolhido aquilo que de pior tinha em suas gavetas para colocar nelas. Claro que, apesar de tudo, a coisa é interessante, é legal conhecer os filhos doentes de um grande compositor, mas a humanidade não perdoa e quer as pessoas ativas, produtivas e a pleno. “O Amor de Três Laranjas” tem lampejos, mas quem está acostumado às Sinfonias, Concertos e Sonatas de Prokofiev não aceita refugos e imitações que soltam as tiras. Preferimos as Havaianas originais. Sempre.

Prokofiev (1891-1953): The Buffoon Suite / Waltz Suite / The Love for Three Oranges Suite

Chout (The Tale of the Buffoon), suite from the ballet for orchestra, Op. 21 bis
1 1. The Buffoon and His Wife 3:34
2 2. Dance of the Wives 3:19
3 3. Fugue. The Buffoons Kill Their Wives 3:03
4 4. The Buffoon as a Young Woman 3:48
5 5. Third Entr’acte 1:52
6 6. Dance of the Buffoons’ Daughters 2:30
7 7. Entry of the Merchant and His Welcome 4:09
8 8. In the Merchant’s Bedroom 2:10
9 9. The Young Woman Becomes a Goat 2:22
10 10. Fifth Entr’acte and the Goat’s Burial 3:13
11 11. The Buffoon and the Merchant Quarrel 1:37
12 12. Final Dance 3:49

The Love for Three Oranges, suite for orchestra, Op. 33 bis
13 1. The Clowns 2:55
14 2. The Magician and the Witch Play Cards 3:44
15 3. March 1:36
16 4. Scherzo 1:23
17 5. The Prince and Princess 3:29
18 6. The Flight 2:18

Waltz Suite, for orchestra, Op. 110
19 1. Since We Met, from War and Peace 6:01
20 2. In the Palace, from Cinderella 5:31
21 3. Mephisto Waltz, from Lermontov 3:40
22 4. End of the Fairy Tale, from Cinderella 4:34
23 5. New Year’s Eve Ball, from War and Peace 5:52
24 6. Happiness, from Cinderella 3:19

Scottish National Orchestra
Neeme Järvi

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Montagem francesa da ópera de Prokofiev "O Amor de Três Laranjas"

Montagem francesa da ópera de Prokofiev “O Amor de Três Laranjas”

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

G. F. Händel (1685-1759) / G. P. Telemann (1681-1767): Water Music (Música Aquática)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Discaço da Hyperion. Robert King e seu King`s Consort estão perfeitamente à vontade com neste repertório bem inglês. Ouvir apenas esta versão do Minueto da Suite No.3 da Música Aquática de Händel, já equivale a várias sessões de análise.

A Música Aquática (Water Music) é uma coleção de movimentos orquestrais, frequentemente divididos em três suítes, compostas por George Frideric Händel. Sua estreia se deu em 17 de julho de 1717, após o rei Jorge I encomendar um concerto para ser execudado sobre o rio Tâmisa. O concerto foi executado originalmente por cerca de 50 músicos, situados sobre uma barca nas proximidades da barca real, a partir da qual o monarca escutava a peça com seus amigos mais próximos. As barcas se dirigiam a Chelsea ou Lambeth. O rei Jorge gostou tanto da música que pediu a seus músicos, já esgotados, que tocassem-na por três vezes durante o tempo do percurso.

Ao contrário de suítes de Handel, a obra de Telemann é um exemplo claro de música de programa no qual o autor tenta descrever a água através de cenas e personagens mitológicos associados a esse elemento.

G. F. Händel (1685-1759) / G. P. Telemann (1681-1767): Water Music

Händel
Water Music Suite No.1 for orchestra in F major, HWV 348
1 – Ouverture (Largo – Allegro) 3:18
2 – Adagio E Staccato 2:06
3 – (Allegro) – Andante – (Allegro) 7:20
4 – (Menuet) 2:55
5 – Air 2:31
6 – Menuet 2:30
7 – Bourrée 1:02
8 – Hornpipe 1:17
9 – Andante 4:19

Water Music Suite No.2 for orchestra in D major, HWV 349
10 – (Ouverture) 2:00
11 – Alla Hornpipe 2:58

Water Music Suite No.3 for orchestra in G major, HWV 350
12 – (Menuet) 3:03
13 – Rigaudon 2:42

Water Music Suite No.2 for orchestra in D major, HWV 349
14 – Lentement 2:03
15 – Bourrée 0:51

Water Music Suite No.3 for orchestra in G major, HWV 350
16 – Menuet (I) 1:00
17 – Menuet (II) 2:10
18 – (Country Dance I & II) 1:29

Water Music Suite No.2 for orchestra in D major, HWV 349
19 – (Trumpet Menuet) 1:22

Telemann
Wasser Overture, for 2 recorders, flute, 2 oboes, bassoon, strings & continuo in C major (“Hamburger Ebb und Fluth”), TWV 55:C3
20 – Ouverture 7:27
21 – Sarabande: Die Schlafende Thetis 2:08
22 – Bourrée: Die Erwachende Thetis 1:51
23 – Loure: Der Verliebte Neptunus 1:44
24 – Gavotte: Spielende Najaden 0:41
25 – Harlequinade: Der Schertzende Tritonus 1:05
26 – Der Stürmende Aeolus 2:09
27 – Menuet: Der Angenehme Zephir 2:45
28 – Gigue: Ebb’ Und Fluth 1:08
29 – Canarie: Die Lustigen Bots Leute 1:33

The King’s Consort
Robert King

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Música aquática

Música aquática

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837) : Piano Concerto Op. 89 & Piano Concerto Op. 85

R-4903213-1378966513-5730.jpegHummel não tem a qualidade de Mozart ou Beethoven, mas seu estilo é uma mistura dos três. É um bom compositor austríaco de origem eslovaca que aqui recebe tratamento luxuoso da parte de Stephen Hough e Bryden Thomson. Seu Concerto Op. 85 é indiscutivelmente bom. Hummel foi discípulo de Wolfgang Amadeus Mozart e amigo de Beethoven. Trabalhou como mestre de capela em Weimar a partir de 1819. Brilhante concertista, contribuiu para o desenvolvimento da técnica pianística. Compôs obras para piano, óperas, bailados, peças orquestrais etc. Sua principal obra é um belíssimo Concerto para Trompete e Orquestra que fez enorme furor nas mãos — e nos lábios — de Wynton Marsalis.

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837) : Piano Concerto Op. 89 & Piano Concerto Op. 85

Piano Concerto In A-Minor Op. 85 (30:19)
1 I – Allegro Moderato 15:28
2 II – Larghetto 4:24
3 III – Rondo: Allegro Moderato 10:24

Piano ConcertoIn B-Minor Op. 89 (35:59)
4 I – Allegro Moderato 16:49
5 II – Larghetto 7:53
6 III – Finale: Vivace 10:51

Stephen Hough, piano
English Chamber Orchestra
Bryden Thomson

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Hummel, Johann Nepomuk Hummel

Hummel, Johann Nepomuk Hummel

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Variations and Bagatelles (com Glenn Gould)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Para quem ouvia música erudita nos anos 80, este é aquele estranho álbum da CBS que trazia dois discos de vinil no mesmo “orifício”, por assim dizer. Isto é, não era um álbum de abrir, era uma capa vagabunda com dois discos dentro. Pura economia da “gravadora pobreza” que só se importava com sua maior estrela, Roberto Carlos. Porém, quem ouviu os discos, sabe o quanto eram bons. Pois esta é a reedição dele em CD. Era uma fase especialmente canora de Glenn Gould. Sua voz pode ser ouvida claramente, principalmente no primeiro CD.

Trata-se de um repertório beethoveniano que não chega a ser habitual, mas que é muito bom.

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Variations and Bagatelles

1. 32 Variations in C minor for Piano on an original theme, WoO 80: Tema. Allegretto; Var. I; Var. II 1:03
2. 32 Variations in C minor for Piano on an original theme, WoO 80: Var. III; Var IV; Var. V 1:04
3. 32 Variations In C Minor For Piano On An Original Theme, Woo 80: Var. VI; Var. VII; Var. VIII 0:42
4. 32 Variations in C minor for Piano on an original theme, WoO 80: Var. IX. Espressivo; Var. X; Var. XI 0:55
5. 32 Variations In C Minor For Piano On An Original Theme, Woo 80: Var. XII. Maggiore; Var. XIII; Var. XIV 1:28
6. 32 Variations in C minor for Piano on an original theme, WoO 80: Var. XV; Var. XVI 0:39
7. 32 Variations In C Minor For Piano On An Original Theme, Woo 80: Var. XVII. Minore; Var. XVIII 0:46
8. 32 Variations in C minor for Piano on an original theme, WoO 80: Var. XIX; Var. XX; Var. XXI 0:41
9. 32 Variations In C Minor For Piano On An Original Theme, Woo 80: Var. Xxii; Var. Xxiii; Var. Xxiv 1:02
10. 32 Variations In C Minor For Piano On An Original Theme, Woo 80: Var. Xxv Leggiermente; Var. Xxvi; Var. Xxvii; Var. Xxviii 1:00
11. 32 Variations In C Minor For Piano On An Original Theme, Woo 80: Var. Xxix; Var. XXX 0:56
12. 32 Variations In C Minor For Piano On An Original Theme, Woo 80: Var. Xxxi; Var. Xxxii 2:57

13. Six Variations in F Major for Piano, Op. 34: Tema. Adagio 1:07
14. Six Variations in F Major for Piano, Op. 34: Var. I 1:36
15. Six Variations in F Major for Piano, Op. 34: Var. II. Allegro, ma non troppo 0:54
16. Six Variations in F Major for Piano, Op. 34: Var. III. Allegretto 1:11
17. Six Variations in F Major for Piano, Op. 34: Var. IV. Tempo di Minuetto 1:11
18. Six Variations in F Major for Piano, Op. 34: Var. V. Marcia. Allegretto 1:51
19. Six Variations in F Major for Piano, Op. 34: Var. VI. Allegretto – Coda – Adagio molto 4:10

20. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Introduzione col Basso del Tema. Allegretto vivace; a due – Poco adagio – Tempo I; a tre. – adagio – Tempo I; a quattro – Tema 4:41
21. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. I 0:38
22. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. II – Presto – Tempo I 0:34
23. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. III 0:38
24. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. IV 0:28
25. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. V 1:03
26. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. VI 0:31
27. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. VII. Canone all’ottava 0:51
28. 15 Variations With Fugue In E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. VIII 1:11
29. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. IX 0:40
30. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. X 0:42
31. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. XI 1:03
32. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. XII 0:45
33. 15 Variations With Fugue In E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. XIII 0:50
34. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. XIV. Minore 2:01
35. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. XV. Maggiore. Largo 5:33
36. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Finale Alla Fuga. Allegro con brio – Adagio – Andante con moto 5:41

1. 7 Bagatelles, Op. 33: No. 1 in E-Flat Major – Andante grazioso, quasi allegretto 3:53
2. 7 Bagatelles, Op. 33: No. 2 in C Major – Scherzo (Allegro) 2:54
3. 7 Bagatelles, Op. 33: No. 3 in F Major – Allegretto 1:26
4. 7 Bagatelles, Op. 33: No. 4 in A Major – Andante 3:20
5. 7 Bagatelles, Op. 33: No. 5 in C Major – Allegro ma non troppo 2:33
6. 7 Bagatelles, Op. 33: No. 6 in D Major – Allegretto, quasi andante (Con una certa espressione parlante) 3:39
7. 7 Bagatelles, Op. 33: No. 7 in A-Flat Major – Presto 1:53

8. Bagatelles, Op. 126: No. 1 in G Major – Andante con moto canatbile e compiacevole 4:00
9. Bagatelles, Op. 126: No. 2 in G minor – Allegro 1:57
10. Bagatelles, Op. 126: No. 3 in E-Flat Major – Andante cantabile e grazioso 3:50
11. Bagatelles, Op. 126: No. 4 in B minor – Presto 5:04
12. Bagatelles, Op. 126: No. 5 in G Major – Quasi allegretto 2:15
13. Bagatelles, Op. 126: No. 6 in E-Flat Major – Presto; Andante amabile e con moto 4:44

Glenn Gould, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Glenn Gould: tocando e cantando, como quase sempre

Glenn Gould: tocando e cantando, como quase sempre

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Giovanni Battista Pergolesi (1710-1736): o Stabat Mater e os Salve Regina

O mundo está lotado de gravações do belo Stabat Mater de Pergolesi e há também grande abundância de versões dos dois Salve Regina. Pergô, que morreu aos 26 anos, tinha um talento especial para o teatro e seu Stabat Mater foi muitas vezes acusado de ser muito operístico. Fabio Biondi apresenta todas essas obras sem muito sentimentalismo (aleluia!) e usando uma orquestra bastante reduzida — apenas três violinos, viola, violoncelo, contrabaixo, tiorba e órgão. Apesar da óbvia religiosidade, essas peças tendem, curiosamente, à sensualidade. A voz quente do soprano Dorothea Röschmann e o impecável contratenor David Daniel dão o clima hipnotizante e dúbio. Biondi escolhe tempi bastante rápidos. Os dois “Salve Regina” são marcados por uma voz cada um dos solistas. Vale a pena ouvir.

Pergolesi foi chamado de “Mozart italiano”, exagero que já não prevalece nos dias de hoje. Em vida, o compositor alcançou raros sucessos e nunca foi reconhecido como grande mestre. Após sua morte, contudo, cresceu uma lenda romântica em torno dele, com várias fantasias hoje desmentidas. Isso se deve ao fato de ter morrido muito jovem. Também se mistificou muito sobre sua obra, criando-se dois partidos: o de um entusiasmo extravagante que levou àquela comparação com Mozart, e o de uma depreciação injusta, que considerou sua obra uma confusão absurda de vários estilos. No século XX Pergolesi foi julgado com mais exatidão, ocupando o seu lugar de precursor do Classicismo vienense. A música de Pergolesi recebeu uma curiosa homenagem no século XX através de paródias de sua obra no balé Pulcinella, de Stravinsky.

Giovanni Battista Draghi, de alcunha Pergolesi (1710-1736):
Stabat Mater e Salve Regina

1 Stabat Mater: I: Stabat Mater dolorosa environ 3:56
2 Stabat Mater: II: Cujus animam gementem 2:02
3 Stabat Mater: III: O quam tristis et afflicta 1:53
4 Stabat Mater: IV: Quae moerabat et dolebat 1:56
5 Stabat Mater: V: Quis est homo, qui non fleret 2:19
6 Stabat Mater: VI: Vidit suum dulcem Natum 3:20
7 Stabat Mater: VII: Eja Mater, fons amoris 2:02
8 Stabat Mater: VIII: Fac Et Ardeat Cor Meum 1:55
9 Stabat Mater: IX: Sancta Mater istud agas 4:23
10 Stabat Mater: X: Fac ut portem Christi mortem 3:28
11 Stabat Mater: XI: Inflammatus et accensus 1:44
12 Stabat Mater: XII: Quando corpus morietur 4:18

13 Salve Regina in F minor: I. Salve Regina 3:35
14 Salve Regina in F minor: II. Ad te clamamus 4:03
15 Salve Regina in F minor: III. Eia ergo, advocata nostra 1:17
16 Salve Regina in F minor: IV. Et Jesum 1:57
17 Salve Regina in F minor: V. O clemens 2:11

18 Salve Regina in A minor: I. Salve Regina 3:22
19 Salve Regina in A minor: II. Ad te clamamus 2:03
20 Salve Regina in A minor: III. Eia ergo, advocata nostra 2:00
21 Salve Regina in A minor: IV. O clemens 2:57

Dorothea Röschmann
David Daniels
Europa Galante
Fabio Biondi

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Fabio Biondi: sensualizando em tempos rápidos

Fabio Biondi: sensualizando em tempos rápidos

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :. Eberhard Weber – The Colours of Chloë

Talvez o principal segredo de Manfred Eicher tenha sido o de viabilizar gravações àquele pessoal talentoso que fica atrás no palco. Eberhard Weber é um exemplo disso. Nascido em 1940, Weber fez seu disco de estréia em 1974, com este bom The Colours of Chloë. Músico de jazz e erudito, Weber era músico de apoio de Joe Pass, Stephane Grappelli, Baden Powell e outros quando fez sua proposta a Eicher. Sua vida mudou e ele pode até montar um grupo próprio de jazz, além de ter se tornado um contumaz baixista de outras grandes estrelas da gravadora como Pat Metheny, Gary Burton, Jan Garbarek e Ralph Towner, representantes mais importantes do som ECM.

The Colours of Chloë não é nenhuma maravilha, mas acho curiosa e agradável de ouvir a tentativa de Weber de fazer um som jazzístico próximo àquele que faziam alguns grupos de rock em 1974, como Yes, Pink Floyd, Gentle Giant, etc. É estranho, mas, por alguma razão, é um CD irresistível para quem completou 17 anos no distante 1974.

É uma música feita de climas e ostinatos, é também melancólica e muito mais organizada do que o bom jazz deve ser. Parece de vanguarda, mas é aquela coisa que, apesar de bonita, não possui rumo e pula de estilo em estilo. Bom, aí está.

Eberhard Weber – The Colours of Chloë

1. More Colours 6:41
2. The Colours Of Chloë 7:51
3. An Evening With Vincent Van Ritz 5:50
4. No Motion Picture 19:37

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Para mim, Weber sempre será nome de restaurante em praia gaúcha (Tramandaí feelings)

Para mim, Weber sempre será nome de restaurante em praia gaúcha (Tramandaí anos 60 feelings)

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Luciano Berio (1925-2003) / Alban Berg (1885-1935) / George Gershwin (1898-1937): Crazy Girl Crazy

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Barbara Hannigan (1971) é uma soprano e maestrina canadense, talvez a maior artista viva da ópera contemporânea. Tem tudo: linda voz, técnica arrebatadora, distintas inteligência e cultura musicais e é bonita pra caralho. Há alguns anos, tornou-se também regente, e das boas. Claro que, cantando Ligeti e Berio, trata-se de uma pessoa franca e de extremo bom humor e graça. Acharia bagaceiro chamá-la de diva, até porque ela não tem nada de divindade, é bem concreta, digamos… Musa lhe caberia melhor, até porque as musas inspiram a criação artística e muitas peças foram escritas especialmente para a voz de Barbara. Bem, este CD é uma joia produzida por ela. Aqui, ela canta e rege a extraordinária Ludwig Orchestra em obras de Berio — Sequenza III para soprano solo –, Berg — a Suíte Lulu, onde Hannigan mais rege do que canta — e Gershwin — onde demonstra enorme senso de estilo. Imaginam como canta um coral regido por Hannigan? Pois isso há no Gershwin. Para mim, a melhor peça do disco é a de Berg, mas isso é quase inevitável. O cara era mesmo o maior talento musical da Segunda Escola de Viena. Mas as outras não ficam muito abaixo não. Vamos sair um pouco de nosso museu musical?

Luciano Berio (1925-2003) / Alban Berg (1885-1935) / George Gershwin (1898-1937): Crazy Girl Crazy

1 Sequenza III 9:00

2 Lulu Suite: I. Rondo 14:24
3 Lulu Suite: II. Ostinato 3:53
4 Lulu Suite: III. Lied der Lulu 2:45
5 Lulu Suite: IV. Variationen 3:45
6 Lulu Suite: V. Adagio 10:25

7 Girl Crazy Suite (After G. Gershwin) 13:10

Barbara Hannigan
Ludwig Orchestra

BAIXE AQUI –DOWNLOAD HERE

Barbara Hannigan e Simon Rattle

Barbara Hannigan e Simon Rattle

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Serguei Prokofiev (1891-1953): Piano Concertos Nos. 1, 3 & 4

Os Concertos Nº 3 e Nº 1 de Prokofiev parecem ser de propriedade de Martha Argerich — que os elevou ao mais alto nível artístico –, mas outros tentam. Ambos são mesmo sensacionais e aqui recebem muito bom tratamento dos Srs. Mustonen e Lintu, além, é claro, da Orquestra Sinfônica da Rádio da Finlândia. Mas a gente está acostumado a ficar nervoso com toda a tensão que Argerich coloca neles e a dupla ao lado parece mais desmobilizada em relação às gravações que se tornaram referência mundial para este repertório. Não pensem que o disco é ruim, é que há comparações inevitáveis com verdadeiro(a)s deuse(a)se e aqui eles perdem.

Serguei Prokofiev (1891-1953): Piano Concertos Nos. 1, 3 & 4

Piano Concerto No. 3 in C Major, Op. 26
1 I. Andante – Allegro 9:50
2 II. Theme and Variations. Andantino 8:59
3 III. Allegro, ma non troppo 10:05

Piano Concerto No. 1 in D-Flat Major, Op. 10
4 I. Allegro brioso 7:39
5 II. Andante assai 4:13
6 III. Allegro scherzando 4:40

Piano Concerto No. 4 in B-Flat Major, Op. 53
7 I. Vivace 4:55
8 II. Andante 8:53
9 III. Moderato 8:10
10 IV. Vivace 1:47

Olli Mustonen, piano
Orquestra Sinfônica da Rádio da Finlândia
Hannu Lintu, regente

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

ProkovievsSviatoslav1924Blog

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Bach Trios, com Yo-Yo Ma, Chris Thile e Edgar Meyer

Um disco de gatinhos, mas de alto nível. O álbum tem transcrições de Bach para um trio formado por Yo-Yo Ma, Chris Thile e Edgar Meyer — violoncelo, bandolim e baixo. As obras originais foram escritas por Bach para órgão, cravo, além de uma Sonata para Viola da Gamba. Tudo é muito bem tocado, o trio soa maravilhosamente, mas o sopão de movimentos avulsos não me chegaram a me agradar. As únicas obras tocadas por completo são as que abrem a fecham o CD, além de um Preludio e Fuga do Cravo Bem Temperado. Digo pra vocês que a alternância de obras nada a ver umas com as outras me deixaram meio irritado. Mas gente muito boa gosta!

Bach Trios, com Yo-Yo Ma, Chris Thile e Edgar Meyer

1 Trio Sonata No. 6 in G Major, BWV 530: I. Vivace 3:12
2 Trio Sonata No. 6 in G Major, BWV 530: II. Lento 6:08
3 Trio Sonata No. 6 in G Major, BWV 530: III. Allegro 2:58

4 The Well-Tempered Clavier, Book I: Prelude No. 19 in A Major, BWV 864 1:36

5 Wachet auf, ruft uns die Stimme, BWV 645 4:42

6 The Well-Tempered Clavier, Book II: Fugue No. 20 in A Minor, BWV 889 1:33

7 Ich ruf zu dir, Herr Jesu Christ, BWV 639 2:28

8 Prelude No. 18 in E Minor, BWV 548 5:41
9 Fugue No. 18 in E Minor, BWV 548 6:11

10 Keyboard Partita No. 5 in G Major, BWV 829: VI. Passepied 2:04

11 Kommst du nun, Jesu, vom Himmel herunter, BWV 650 2:54

12 Art Of The Fugue, Bwv 1080: Contrapunctus XIII A 3, “Rectus” 2:19

13 Art Of The Fugue, Bwv 1080: Contrapunctus XIII A 3, “Inversus” 2:21

14 Erbarm dich mein, O Herre Gott, BWV 721 4:10

15 Sonata for Viola da Gamba No. 3 in G Minor, BWV 1029: I. Vivace 4:54
16 Sonata for Viola da Gamba No. 3 in G Minor, BWV 1029: II. Adagio 4:18
17 Sonata for Viola da Gamba No. 3 in G Minor, BWV 1029: III. Allegro 3:15

Yo-Yo Ma, violoncelo
Chris Thile, bandolim
Edgar Meyer, baixo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Bach

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!