J. S. Bach (1685-1750): Cantatas BWV 140 & BWV 147

J. S. Bach (1685-1750): Cantatas BWV 140 & BWV 147

Duas Cantatas de Bach. Ambas bem famosas. A BWV 140 por ser muito bonita e a 147 em razão do Coral “Jesus, Alegria dos Homens”. A competência de Gardiner e sua turma é notável.

Uma de minhas Cantatas preferidas, Wachet auf, ruft uns die Stimme, BWV 140, foi estreada em 25 de novembro de 1731 na Thomaskirche em Leipzig. Escrita para trompa, 2 oboés, taille (um instrumento semelhante ao oboé da caccia, hoje muitas vezes substituído por um corne inglês), violino piccolo, violino, viola, baixo contínuo, e coro com soprano, tenor e baixo solistas. Esta cantata é baseada no coral do mesmo nome de Philipp Nicolai. Este hino luterano continua popular hoje, tanto em seu original alemão como em uma variedade de traduções. O texto se baseia na parábola das dez virgens (Mateus 25:1-13), é uma leitura programada no hinário luterano para o 27º domingo após a Trindade, como este domingo ocorre somente no ano da igreja, quando a Páscoa é muito cedo, a cantata é executada raramente. A raridade da ocasião para a qual foi composta faz dela uma das poucas cantatas cuja data de composição e primeira execução é conhecida.

Herz und Mund und Tat und Leben, em alemão), BWV 147, foi composta por ocasião da festa da Visitação da Virgem Maria em Leipzig, em 2 de julho de 1723, embora já existisse numa versão anterior, ligeiramente diferente, de 1716. Apesar de ter a numeração BWV 147 no catálogo completo de suas obras, foi, na verdade, a 32ª cantata composta por Bach — entre as que sobreviveram. Bach escreveu um total de 200 cantatas durante sua estada em Leipzig, principalmente para atender à demanda das igrejas locais, que era de quase 60 cantatas diferentes por ano. Esta cantata é uma das mais célebres de Bach, em especial, o décimo movimento (repetição do sexto, com outro texto), conhecido como Jesus bleibet meine Freude (“Jesus, alegria dos homens”).

J. S. Bach (1685-1750): Cantatas BWV 140 & BWV 147

Wachet Auf, Ruft Uns Die Stimme (Cantata For The 27th Sunday After Trinity), BWV 140
1 Chorale: Wachet Auf, Ruft Uns Die Stimme 6:17
2 Recitative: Er Kommt, Er Kommt, Der Bräut’gam Kommt! 0:52
3 Aria Duet: Wann Kommst Du, Mein Heil? (Adagio) 5:32
4 Chorale: Zion Hört Die Wächter Singen 3:49
5 Recitative: So Geh Herein Zu Mir 1:27
6 Aria Duet: Mein Freund Ist Mein 5:03
7 Chorale: Gloria Sei Dir Gesungen 1:35

Herz Und Mund Und Tat Und Leben (For The Feast Of The Visitation Of The Virgin Part One), BWV 147
8 Chorus: Herz Und Mund Und Tat Und Leben 4:00
9 Recitative: Gebenedeiter Mund! 1:45
10 Aria: Schäme Dich, O Seele, Nicht 3:14
11 Recitative: Verstockung Kann Gewaltige Verblenden 1:35
12 Aria: Bereite Dir, Jesu, Noch Itzo Die Bahn 4:30
13 Chorale: Wohl Mir, Dass Ich Jesum Habe 2:28

Herz Und Mund Und Tat Und Leben (For The Feast Of The Visitation Of The Virgin Part Two), BWV 147
14 Aria: Hilf, Jesu, Hilf, Dass Ich Auch Dich Bekenne 3:18
15 Recitative: Der Höchsten Allmacht Wunderhand 2:15
16 Aria: Ich Will Von Jesu Wunder Singen 2:33
17 Chorale: Jesus Bleibet Meine Freude 2:27

Soprano: Ruth Holton
Counter-tenor: Michael Chance
Tenor: Anthony Rolfe-Johnson
Bass: Stephen Varcoe
Monteverdi Choir
English Baroque Soloists
John Eliot Gardiner

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Gardiner: um dos maiores mensageiros de Bach em nosso mundo

PQP

.: interlúdio :. Charlie Mingus: Mingus Ah Um

.: interlúdio :. Charlie Mingus: Mingus Ah Um

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Este CD é um clássico que completa 60 anos em maio deste ano. Houve edição especial e shows da Mingus Big Band e outros. Charlie Mingus (1922-1979) pode ser definido como um compositor erudito que gosta de jazz. Por incrível que pareça, li esta definição numa dessas comunidades de jazz do Orkut. Ela é exata. Este CD abre com a pauleira de Better Git It In Your Soul e a calma Goodbye Pork Pie Hat (homenagem a Lester Young) e depois temos a ironia de Fables of Faubus — dedicada ao governador racista do Arkansas –, Open Letter To Duke, mais uma das dezenas de homenagens que Mingus fez a Duke Ellington, Bird Calls (para Charlie Parker), etc., mas o que interessa é a qualidade de todas as composições e a incrível forma da banda de Mingus. Este é, certamente, um dos dez discos mais importantes da história do jazz. E tenho dito!

Charlie Mingus – Mingus Ah Um – 320 kbps

1. Better Git It In Your Soul 7:20
2. Goodbye Pork Pie Hat 5:42
3. Boogie Stop Shuffle 4:59
4. Self-Portrait In Three Colors 3:07
5. Open Letter To Duke 5:49
6. Bird Calls 6:17
7. Fables Of Faubus 8:12
8. Pussy Cat Dues 9:12
9. Jelly Roll 6:15
10. Pedal Point Blues 6:28
11. GG Train 4:37
12. Girl Of My Dreams 4:07

Charles Mingus — bass, piano (with Parlan on 10)
John Handy — alto sax (1, 6–7, 9–12), clarinet (8), tenor sax (2)
Booker Ervin — tenor sax
Shafi Hadi — tenor sax (1–4, 7–8, 10), alto sax (5–6, 9, 12)
Willie Dennis — trombone (3–5, 12)
Jimmy Knepper — trombone (1, 7–10)
Horace Parlan — piano
Dannie Richmond — drums

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Clássico
Clássico

PQP

Francis Poulenc / Darius Milhaud / Robert Casadesus: Concertos para 2 Pianos e Orquestra

Francis Poulenc / Darius Milhaud / Robert Casadesus: Concertos para 2 Pianos e Orquestra

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Um belo disco de concertos alegres tocados pelos 20 dedos do Duo Genova e Dimitrov. Os compositores deste disco, cheios de um espírito audaciosamente inventivo em suas peças, fazem-nas transbordar de melodias cativantes e vividamente orquestradas. As obras são veículos notáveis ​​que todo duo de virtuoses de piano deveria explorar e Aglika Genova e Liuben Dimitrov fazem-no com todo o brilhantismo. O Concerto de Poulenc para dois pianos e orquestra é o mais conhecido dos três, um tour de force neoclássico que brilha com humor parisiense, mas evoca Mozart em muitas passagens, mais abertamente no Larghetto. O Concerto de Milhaud para dois pianos e orquestra é mais esquisito, com numerosas referências aos salões parisienses e às procissões de rua. Suas abundantes dissonâncias fazem dele a peça mais picante do disco. O Concerto para dois pianos e orquestra de Robert Casadesus é, sem surpresa, profundamente influenciado por Ravel em sua orquestração efervescente, mas a parte de piano solo tem algumas das mesmas inflexões populares encontradas em Milhaud. O SWR Rundfunkorchester Kaiserslautern, dirigido por Alun Francis, oferece um acompanhamento esplêndido. Genova e Dimitrov são excepcionalmente coordenados e expressivos. A CPO, como sempre, oferece excelente qualidade sonora.

Francis Poulenc / Darius Milhaud / Robert Casadesus: Concertos para 2 Pianos e Orquestra

Concerto For Two Pianos & Orchestra In D Minor
Composed By – Francis Poulenc
(17:14)
1 Allegro Ma Non Troppo 7:03
2 Larghetto 5:07
3 Finale 5:17

Concerto For Two Pianos & Orchestra
Composed By – Darius Milhaud
(17:03)
4 Animé 5:04
5 Funèbre 7:45
6 Vif Et Précis 4:25

Concerto For Two Pianos & Orchestra Op. 17
Composed By – Robert Casadesus
(19:25)
7 Allegro Giocoso 8:06
8 Allegretto – Intermezzo 4:59
9 Vivo Non Troppo 6:24

Piano Duo Genova & Dimitrov
SWR-Rundfunk-Orchester Kaiserslautern
Alun Francis

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O alegre duo Genova & Dimitrov.

PQP

Walton / Bloch / Ligeti / Britten: Peças para Violoncelo e Orq. de Câmara e Violoncelo Solo

Walton / Bloch / Ligeti / Britten: Peças para Violoncelo e Orq. de Câmara e Violoncelo Solo

O concerto de Walton foi encomendado pelo violoncelista russo Gregor Piatigorsky, cuja reputação como intérprete foi tal que a ele foram dedicadas obras de ninguém menos do que Stravinsky, Prokofiev e Hindemith. Embora o concerto não tenha sido muito bem recebido pelos críticos após a sua primeira apresentação, é o resultado da singular sensibilidade estética de Walton — um romantismo antiquado no período do pós-guerra. O desempenho de Wispelwey desloca-se sem esforço através das fortes passagens rítmicas e dos momentos de serenidade exigidos pela composição. O CD também inclui três composições para violoncelo solo: a Suíte Nº 1 de Bloch, a Sonata de Ligeti para violoncelo solo e a Passacaglia de Walton. A função se encerra com a Ciaccona de Britten, que deixa claro porque Wispelwey é considerado um dos principais intérpretes de Britten.

Walton / Bloch / Ligeti / Britten: Works for Cello

WALTON Cello Concerto
1 I Moderato 8.59
2 II Allegro appassionato 6.38
3 III Tema ed improvvisazioni 15.29

Sydney Symphony
Jeffrey Tate
Pieter Wispelwey toca um cello de 1760 de Giovanni Battista Guadagnini

BLOCH Suite no.1 for solo cello
4 Prelude 3.31
5 Allegro 2.27
6 Canzona 3.43
7 Allegro 2.21

LIGETI Sonata for solo cello
8 I Dialogo. Adagio, rubato, cantabile 4.30
9 II Capriccio. Presto con slancio 3.47

10 WALTON 10 Passacaglia for solo cello 6.59

11 BRITTEN Ciaconna from Cello Suite no.2 7.02
Cello 1698 Antonio Stradivarius ‘Magg’

Pieter Wispelwey, violoncelo

Total timing: 66.22

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Wispelwey ficou assustado ao ver o tamanho do acervo do PQP Bach

PQP

.: interlúdio :. Horace Silver: Song For My Father

.: interlúdio :. Horace Silver: Song For My Father

Song for My Father é um álbum de 1965 do Horace Silver Quintet, lançado no selo Blue Note no mesmo ano. O álbum foi inspirado em uma viagem que Silver fez ao Brasil. A arte da capa apresenta uma fotografia do pai de Silver, John Tavares Silver, a quem a música-título foi dedicada. “Minha mãe era descendente de irlandeses e negros, meu pai de origem portuguesa”, recorda Silver, em suas notas: “Nasceu na ilha do Maio, uma das ilhas de Cabo Verde”. A composição Song for My Father é provavelmente a mais conhecida de Horace Silver (1928-2014). Como descrito nas notas, este álbum apresenta o quinteto em transição, uma vez que apresenta uma mistura de faixas com seu antigo grupo e sua nova formação após a saída de Blue Mitchell. Song for My Father é o auge de uma discografia já repleta de clássicos.

Horace Silver: Song For My Father

1 Song For My Father 7:14
2 The Natives Are Restless Tonight 6:07
3 Calcutta Cutie 8:26
4 Que Pasa? 7:44
5 The Kicker 5:23
Composed By – Joe Henderson
6 Lonely Woman 7:00
7 Sanctimonious Sam 3:51
Composed By – Musa Kaleem
8 Que Pasa? (Trio Version) 5:34
9 Sighin’ And Cryin’ 5:22
10 Silver Treads Among My Soul 3:51

Bass – Gene Taylor, Teddy Smith
Drums – Roger Humphries, Roy Brooks
Piano – Horace Silver
Tenor Saxophone – Joe Henderson, Junior Cook
Trumpet – Blue Mitchell (tracks: 3, 6 to 10), Carmell Jones

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Silver em 1977.

PQP

Jan Dismas Zelenka (1679-1745) / Johann Georg Pisendel (1687-1755): Concertos

Jan Dismas Zelenka (1679-1745) / Johann Georg Pisendel (1687-1755): Concertos

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Os conhecedores de música barroca são, normalmente, apaixonados por Zelenka. Sua obra concertística, assim como a sacra, são de primeira linha. Aqui, neste esplêndido CD da Deutsche Harmonia Mundi, ele vem acompanhado de Pisendel, um ótimo escudeiro. Aliás, todas as gravações da Orquestra Barroca de Freiburg devem ser adquiridas, nem que fosse para exclusiva fruição timbrística. Os caras têm um som inigualável. Confira!

Jan Dismas Zelenka (Louňovice pod Blaníkem, atual República Checa, 16 de outubro de 1679 – Dresda, 22 de dezembro de 1745) foi um compositor barroco boêmio. Ainda não se conhece muito a respeito de sua infância e juventude. Provavelmente foi seu pai, professor e organista desta cidade, quem o introduziu no mundo da música. Pensa-se que pode ter recebido uma educação musical em um colégio jesuíta de Praga, o famoso chamado Clementinum. Em 1709 foi contrabaixista da capela do Conde J. L. von Hartig em Praga em em 1710 da Capela Real Saxônica de Dresden. De 1715 a 1719 estudou com Johann Joseph Fux em Viena e com Antonio Lotti e Alessandro Scarlatti na Itália. Em 1719 fixou residência definitiva em Dresden, onde foi nomeado em 1721 vice-mestre de capela na corte de Augusto II da Polônia, convertendo-se em auxiliar do compositor Johann David Heinichen. Em 1729 recebe o cargo de diretor de música da igreja. Permaneceu nesta cidade até sua morte, em 1745. Jamais casou-se e nem teve filhos.

Johann Georg Pisendel (5 de janeiro de 1688 – 25 de novembro de 1755) foi um músico, violinista e compositor barroco alemão que, por muitos anos, liderou a Orquestra da Corte em Dresden, então o melhor conjunto instrumental da Europa. Pisendel nasceu em Cadolzburg, uma pequena cidade perto de Nuremberg, onde seu pai Simon Pisendel era o cantor e organista. Aos nove anos, tornou-se menino de coro na capela da corte de Ansbach. O diretor musical foi o virtuoso cantor Francesco Antonio Pistocchi e o mestre de concertos foi o célebre violinista e compositor Giuseppe Torelli. Pensa-se que Pisendel estudou o violino com Torelli. Depois que sua voz mudou, Pisendel passou a tocar violino na Orquestra da Corte, mas, em 1709, deixou Dresden para Leipzig para continuar seus estudos musicais.

Desta forma, o que os liga é Dresden.

Jan Dismas Zelenka (1679-1745) e Johann Georg Pisendel (1687-1755): Concertos

1. Zelenka: Hipocondrie A 7 Concertanti/A Major, Zwv 187 – Allegro

2. Pisendel: Concerto In D Major – Vivace
3. Pisendel: Concerto In D Major – Andante
4. Pisendel: Concerto In D Major – Allegro

5. Zelenka: Concerto For Oboe And Strings In G Major Zwv 186 – Allegro
6. Zelenka: Concerto For Oboe And Strings In G Major, Zwv 186 – Allegro
7. Zelenka: Concerto For Oboe And Strings In G Major – Allegro

8. Pisendel: Sonata For Oboe And Strings In C Minor – Largo
9. Pisendel: Sonata For Oboe And Strings In C Minor – Allegro

10. Zelenka: Concerto For Oboe, Basson & Strings, Zwv 189 – Movement 1
11. Zelenka: Concerto For Oboe, Basson & Strins Zwv 189 – Andante
12. Zelenka: Concerto For Oboe, Basson & Strins Zwv 189 – Capriccio
13. Zelenka: Concerto For Oboe, Basson & Strins Zwv 189 – Aria De Capriccio
14. Zelenka: Concerto For Oboe, Basson & Strins Zwv 189 – Minuet I & Ii

Freiburger Barockorchester
dir. Gottfried von der Goltz

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Freiburger Barockorchester com Gottfried von der Goltz: sabem quem é ele?

PQP

Dmitri Shostakovich (1906-1975): Sinfonias 5, 8 & 9 e Suíte de Hamlet, Op.32a

Dmitri Shostakovich (1906-1975): Sinfonias 5, 8 & 9 e Suíte de Hamlet, Op.32a

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Um discaço que abrange um período fundamental do sinfonismo de Shostakovich. Quando a oitava foi estreada, Stálin afirmou que era mais uma imensa realização soviética e que a nona seria de uma grandiosidade tamanha que rivalizaria com as outras Nonas, principalmente a de Beethoven. Porém Shostakovich foi arisco e escreveu a mais despreocupada e jocosa das sinfonias. Tirou um sarro de Stálin, o que lhe causou enormes problemas. Já a 5ª é a clássica sinfonia escrita durante um período de lua de mel com o regime.

Sinfonia Nº 5, Op. 47 (1937)

Esta é a obra mais popular de Dmitri Shostakovich. Recebeu incontáveis gravações e não é para menos. O público costuma torcer o nariz para obras mais modernas e aqui o compositor retorna no tempo para compor uma grande sinfonia ao estilo do século XIX. Sim, é em ré menor e possui quatro movimentos, tendo bem no meio, um scherzo composto por um Haydn mais parrudo. Mesmo para os aficionados, é uma obra apetitosa, por transformar a linguagem do compositor em algo mais sonhador do que o habitual. Foi a primeira sinfonia de Shostakovich que ouvi. Meu pai, um romântico, apresentou-me a sinfonia dizendo que muito melhor que as de Prokofiev, exceção feita à Nº 1, Clássica, que ele amava. Alguns consideram esta obra uma grande paródia; eu a vejo como uma homenagem ao glorioso passado sinfônico do século anterior. A abertura e a coda do último movimento (Allegro non troppo) costuma aparecer, com boa frequência, em programas de rádio que se querem sérios e influentes… Apesar de não ser típica, é absoluta e totalmente a sintaxe, o discurso e o sotaque do compositor. É a música ideal para o primeiro contato com Shostakovich.

Sinfonia Nº 8, Op. 65 (1943)

Muito admirada, ultra dramática e belíssima, perderá em beleza e importância artística para a décima, escrita em estilo quase análogo. Gosto muito da beleza austera do quarto movimento em 12 variações – uma passacaglia — e também dos dois primeiros, o primeiro uma canção da morte e o segundo com destaque para o divertido diálogo entre o piccolo, o clarinete e o fagote. O terceiro movimento é sensacional e heroico.  E o que dizer do finale inesperado, triste e vivo ao mesmo tempo? Grande música!

Sinfonia Nº 9, Op. 70 (1945)

Desde Schubert, com sua Sinfonia Nº 9 “A Grande”, passando pela Nona de Beethoven e pelas nonas de Bruckner e Mahler, que espera-se muito das sinfonias Nº 9. Há até uma maldição que fala que o compositor morre após a nona, o que, casualmente ou não, ocorreu com todos os citados menos Shostakovitch. Esta sinfonia — por ser a “Nona” — foi muito aguardada e, bem, digamos que não seria Shostakovitch se ele não tivesse feito algo inesperado. Stálin ficou muito decepcionado com ela.

Leonard Bernstein lia esta partitura dando gargalhadas desta piada musical, cujas muitas citações formam um todo no mínimo sarcástico. O compositor declarou que faria uma música que expressaria “a luta contra a barbárie e grandeza dos combatentes soviéticos”, mas os severos críticos soviéticos, adeptos do realismo socialista, foram mais exatos e apontaram que a obra seria debochada, irônica e de influência stravinskiana. Bingo! Na verdade é uma das composições mais agradáveis que conheço. O material temático pode ser bizarro e bem humorado (primeiro e terceiro movimentos), mas é também terno e melancólico (segundo e largo introdutório do quarto), terminando por explodir numa engraçadíssima coda.

Apesar dos cinco movimentos, é uma sinfonia curta, muito parecida em espírito com a primeira sinfonia “Clássica” de Prokofiev e com a Sinfonia “Renana” de Schumann, também em cinco movimentos.

Deixando de lado a geopolítica soviética e detendo-se na obra, podemos dizer que esta Nona é uma consciente destilação de experiências e, talvez uma reação, muito cuidadosamente considerada, contra as enormidades musicais oriundas da guerra das duas sinfonias anteriores e das que vieram depois, não todas.

Dmitri Shostakovich (1906-1975): Sinfonias 5, 8 & 9 e Suíte de Hamlet, Op.32a

CD 1
Symphony No.9 In E Flat, Op.70
01. 1. Allegro
02. 2. Moderato
03. 3. Presto
04. 4. Largo
05. 5. Allegretto

Symphony No.5 In D Minor, Op.47
06. 1. Moderato
07. 2. Allegretto
08. 3. Largo
09. 4. Allegro non troppo

CD 2
Suite From Hamlet, Op.32a
01. 1. Introduction And Night Patrol
02. 2. Funeral March
03. 3. Flourish And Dance Music
04. 4. The Hunt
05. 5. Ophelia’s Song
06. 6. Cradle Song 07.
07. 7. 11. Requiem

Symphony No.8 In C Minor, Op.65
08. 1. Adagio
09. 2. Allegretto
10. 3. Allegro non troppo
11. 4. Largo
12. 5. Allegretto

Boston Symphony Orchestra
Andris Nelsons, regente

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Shostakovich jogando cartas com seus filhos

PQP

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas BWV 18 – 23 – 1

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas BWV 18 – 23 – 1

Aqui, boa parte desta coleção.

Este é o sexto CD desta série. Um trabalho maravilhoso. Como já escrevi, Sigiswald Kuijken não quis gravar cada Cantata sacra de J.S. Bach. Esse projeto teria consumido anos de sua vida — e na melhor das hipóteses apenas igualaria as conquistas de outros Amundsen anteriores. Ao escolher gravar apenas Cantatas suficientes para abranger um único ano litúrgico de domingos mais os dias santos principais. Kuijken restringiu o número de discos a 20, reduziu o número de artistas e acentuou exponencialmente a intensidade musical. Este volume 6 traz as Cantatas BWV 18, 23 e 1. O Bach de Kuijken é muito livre e mínimo. E é excelente. Fuja dele se você é desatualizado e está acostumado a grandes coros e conjuntos. Aqui, o efeito é íntimo e envolvente. La Petite Bande é sensacional. O estilo de cantar é ainda um pouco operístico para o meu gosto, mas não exagerado. O que realmente diferencia esta gravação para mim é a qualidade de som que é melhor do que qualquer outra gravação de Cantatas que já ouvi antes. O som é muito quente, analógico e transparente com uma sensação espacial agradável. Confira!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas BWV 18 – 23 – 1

Sexagesima
„Gleichwie Der Regen Und Schnee Vom Himmel Fällt” BWV 18
1 Sinfonia
2 Recitative: „Gleichwie Der Regen …”
3 Recitative: „Mein Gott, Hier Wird Mein Herze Sein”
4 Aria: „Mein Seelenschatz Ist Gottes Wort”
5 Choral: „Ich Bitt, O Herr, Aus Herzensgrund”

Estomihi
„Du Wahrer Gott Und Davids Sohn BWV 23”
6 Aria: „Du Wahrer Gott …”
7 Recitative: „Ach! Gehe Nicht Vorüber”
8 Chorus: „Aller Augen Warten, Herr”
9 Choral, Adagio – Andante: „Christe, Du Lamm …”

Annuntiato
„Wie Schön Leuchtet Der Morgenstern” BWV 1
10 Chorus: „Wie Schön Leuchtet Der Morgenstern”
11 Recitative: „Du Wahrer Gottes…”
12 Aria: „Erfüllet, Ihr Himmlischen…”
13 Recitative: „Ein Irdscher Glanz, Ein …”
14 Aria: „Unser Mund Und Ton Der Saiten”
15 Choral: „Wie Bin Ich Doch So Herzlich Froh”

Alto Vocals – Petra Noskaiová
Bass Vocals – Jan van der Crabben
Directed By – Sigiswald Kuijken
Ensemble – La Petite Bande
Soprano Vocals – Siri Thornhill*
Tenor Vocals – Marcus Ullmann

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Sigiswald faz uma pose especial em visita à sede gaúcha do PQP Bach

PQP

Franz Joseph Haydn (1732-1809): Quartetos de Cordas Op. 64 (Completos)

Franz Joseph Haydn (1732-1809): Quartetos de Cordas Op. 64 (Completos)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Isto é o resultado da mais pura fineza, bom humor, inteligência e sensibilidade. Ouvi duas vezes esse CD duplo e o resultado é o mais absoluto encantamento. O Doric é sensacional, o quarteto compreende Haydn de verdade. Os quartetos de cordas de Haydn, Op. 64, é um conjunto de seis quartetos de cordas compostos em 1790. Juntamente com os Op. 54  e 55, eles são conhecidos como quartetos Tost, pois foi o violinista húngaro e depois comerciante Johann Tost quem ajudou Haydn a encontrar um editor para os trabalhos. Ao contrário dos quartetos anteriores, Haydn realmente dedicou o Op. 64 pronto para Tost em gratidão por seus esforços. Não há desculpa para não conhecer este Opus 64, escrito num momento decisivo da vida de Haydn, quando sua servidão estava chegando ao fim e a metrópole o chamava. É tudo lindo!

Franz Joseph Haydn (1732-1809): Quartetos de Cordas Op. 64 (Completos)

Quartet, Op. 64 No. 1 (Hob. III: 65) (25:52)
1-1 Allegro Moderato 10:20
1-2 Menuett. Allegretto Ma Non Troppo – Trio – Menuet Da Capo 4:29
1-3 Allegretto Scherzando 6:13
1-4 Finale. Presto 4:50

Quartet, Op. 64 No. 2 (Hob. III: 68) (21:07)
1-5 Allegro Spiritoso 8:17
1-6 Adagio Ma Non Troppo 5:40
1-7 Menuet. Allegretto – Trio – Menuet Da Capo 3:00
1-8 Finale. Presto 4:09

Quartet, Op. 64 No. 3 (Hob. III: 67) (27:35)
1-9 Vivace Assai 8:55
1-10 Adagio 6:02
1-11 Menuet. Allegretto – Trio – Menuet Da Capo 4:34
1-12 Finale. Allegro Con Spirito

Quartet, Op. 64 No. 4 (Hob. III: 66) (23:52)
2-1 Allegro Con Brio 8:06
2-2 Menuet. Allegretto – Trio – Menuet Da Capo 3:37
2-3 Adagio. Cantabile E Sostenuto 6:13
2-4 Finale. Presto 5:55

Quartet, Op. 64 No. 5 ‘Die Lerche’ (Hob. III: 63) (21:28)
2-5 Allegro Moderato 9:17
2-6 Adagio Cantabile 6:32
2-7 Menuet. Allegretto – Trio – Menuet Da Capo 3:21
2-8 Finale. Vivace 2:18

Quartet, Op. 64 No. 6 (Hob. III: 64) (21:12)
2-9 Allegro 8:26
2-10 Andante 4:32
2-11 Menuet. Allegretto – Trio – Menuet Da Capo – Trio, Per La Seconda Volta, Caso Mai Se Piacesse Replicarlo – Menuet Da Capo 4:48
2-12 Finale. Presto 3:23

Cello [Doric String Quartet] – John Myerscough
Viola [Doric String Quartet] – Hélène Clément
Violin [Doric String Quartet] – Alex Redington, Jonathan Stone

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Todo mundo ouvindo o primeiro violinista

PQP

Hector Berlioz (1803-1869): Les Nuits d’été, La mort de Cléopatre

Hector Berlioz (1803-1869): Les Nuits d’été, La mort de Cléopatre

A gente começa a ouvir este CD e toma um susto. A qualidade da voz — linda, linda — e a musicalidade, ou seja, a perfeição de Véronique Gens é de surpreender mesmo. Les nuits d’été, de Berlioz, recebeu algumas gravações de destaque ao longo dos anos, dentre as quais se sobressai a de Victoria de los Angeles. Véronique Gens não fica abaixo e isso não é uma surpresa para os admiradores de seus ótimos discos dedicados a Handel e à música francesa. Ela é leve e expressiva, dando sempre a resposta emocional exigida pela música. O apoio orquestral é de primeira linha. A longa cena dramática, La mort de Cléopatre, é incrivelmente bem cantada e tocada, mas o restante é igualmente muito bom. Enfim, um Berlioz que presta!

Hector Berlioz (1803-1869) :Les Nuits d’été, La mort de Cléopatre

1. Les Nuits d’été Op. 7: Villanelle 2:07
2. Les Nuits d’été Op. 7: Le spectre de la rose 5:46
3. Les Nuits d’été Op. 7: Sur les lagunes 5:20
4. Les Nuits d’été Op. 7: Absence 4:10
5. Les Nuits d’été Op. 7: Au cimetière 4:53
6. Les Nuits d’été Op. 7: L’île inconnue 3:37
7. La mort de Cléopâtre 19:49
8. La captive Op. 12 7:40
9. 9 Mélodies, ‘Irlande’ Op. 2: V. La belle voyageuse 4:24
10. Zaïde Op. 19 No. 1 3:25

Les Nuits d’été, song cycle for voice & piano (or orchestra), H. 81 (Op. 7)
Performed by Lyon National Opera Orchestra
with Veronique Gens
Conducted by Louis Langree

La Mort de Cléopâtre, for soprano & orchestra, H.36
Performed by Lyon National Opera Orchestra
with Veronique Gens
Conducted by Louis Langree

La Captive for voice & piano (or orchestra), H. 60 (Op. 12)
Performed by Lyon National Opera Orchestra
with Veronique Gens
Conducted by Louis Langree

La Belle voyageuse (“Elle s’en va”), song for voice & piano (Neuf Mélodies irlandaises), H. 42a, Op. 2/4
Performed by Lyon National Opera Orchestra
with Veronique Gens
Conducted by Louis Langree

Zaïde, boléro for voice, castsnets & piano or orchestra (Feuillets d’album), H. 107 (Op. 19/1)
Performed by Lyon National Opera Orchestra
with Veronique Gens
Conducted by Louis Langree

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

E ainda tem uma voz maravilhosa e canta!

PQP

Weber, Schumann, Hindemith, Schnittke: Obras para Violino e Piano & Violino e Orquestra

Weber, Schumann, Hindemith, Schnittke: Obras para Violino e Piano & Violino e Orquestra

A capa é medonha, mas a música que sai do CD é bem boa. Inicia com um Weber. Música ligeira, como se dizia antigamente. Coisa leve, bonitinha e esquecível. O Concerto para Violino de Schumann é daquelas obras que os comentaristas chamam de “negligenciadas”. Melhor se fosse esquecida. É totalmente anti-violinístico — alguns acham que é inspirado, outros que é pirado. Saiu de uma mente já doente, foi escrito quando o compositor já estava no internato de Endenich, talvez seja algo único na história da música. A tragédia do concerto de violino de Schumann é a fatal comparação com os de Brahms e Tchaikovsky, dois matadores absolutos. A coisa fica sensacional quando entram em ação Hindemith e Schnittke, principalmente o último. Quasi una Sonata (ou Sonata Nº 2), de 1968, é um de meus trabalhos favoritos de Schinittke. É violenta e lembra muitas vezes o Concerto para violino de Berg. É uma obra importante, continua sendo uma das peças seminais do compositor em qualquer de suas versões, marcando a estréia de seu célebre “poliestilismo” e seu afastamento da vanguarda.

Weber, Schumann, Hindemith, Schnittke: Obras para Violino e Piano & Violino e Orquestra

WEBER, Carl Maria von (1786-1826)
Grand Maria Von Weber, Op.48
1. I.Allegro con fuoco 7:22
2. II.Andante con moto 4:59
3. III.Rondo (Allegro) 5:13

SCHUMANN, Robert (1810-1856)
Violin Concerto in D minor, Op.posth
4. I.In kraftigem, nicht zu schnellem, Tempo 15:07
5. II.Langsam-III. Lebhaft, doch nicht schnell 14:20

HINDEMITH, Paul (1895-1963)
Violin Sonata in E flat, Op.11
6. I.Frisch 4:40
7. II.Im Zeitmass eines langsamen, feierlichen Tanzes 5:39

SCHNITTKE, Alfred (1934-1998)
Violin Sonata No.2
8. I.Quasi una sonata 20:11

GAVRILOV, Andrei (piano)
KREMER, Gidon (violin)
Philharmonia Orchestra
MUTI, Riccardo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Kremer e Gavrilov à época desta gravação.

PQP

Nicolas Vallet (ca.1583-ca.1642): Le Secret des Muses

Nicolas Vallet (ca.1583-ca.1642): Le Secret des Muses

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Nicolas Vallet foi um alaudista e compositor holandês nascido na França. Vallet, um huguenote, nasceu em Corbeny, mas fugiu da França para a Holanda por motivos religiosos. Em Amsterdam, ele trabalhou como músico autônomo, professor de alaúde e dono de uma escola de dança. Seu trabalho principal, este Le Secret des Muses, contém composições e instruções para o alaúde renascentista de 10 cordas. Apareceu, em duas partes, em 1615 e 1616. Foi uma das últimas composições a aparecer para este instrumento, antes de ser suplantado pelo alaúde barroco.

O disco é uma joia da melhor lavra da grande Harmonia Mundi. Paul O’Dette é um genial alaudista e dá enorme vida às composições de Vallet.

Paul O’Dette é um dos maiores alaudistas da atualidade e este disco está bem acima do padrão habitual da música antiga. A técnica de O`Dette é soberba, permitindo-lhe a liberdade de fazer essa música realmente brilhar. Também tem profunda compreensão e conhecimento da música do período. Seu alaúde soa esplendidamente e foi lindamente gravado pela Harmonia Mundi.

Nicolas Vallet (ca.1583-ca.1642): Le Secret des Muses

Secretum musarum, lutebook
1 Prelude
2 Passemmeze En B Mol
3 Bouree D’Avignon
4 Courante
5 Gaillarde De Comte Essex
6 Boerinneken
7 Les Pantalons
Work(s)
8 Praeludium
9 Allemande Fortune Helas Pourquoy
10 Fantasie La Mendiante
11 Soet Robbert
Secretum musarum, lutebook
12 Gaillarde
13 Fantasie
14 Pavanne En Forme De Complainte
15 Carillon De Village
16 Onse Vader In Hemelryck
Work(s)
17 Praeludium
Secretum musarum, lutebook
18 Courante
19 La Sarabande Espagnolle
20 Guillemette
21 Courante La Vallette
22 Courante De Mars
23 La Chacona
24 Une Jeune Fillette
25 Onder De Lindegröne
26 La Princesse
27 L’avignonne
28 Slaep Soete Slaep

Alaúde: Paul O’Dette

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Paul O’Dette parece ter nascido há 450 anos atrás.

PQP

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas, BWV 179, 35, 164 & 17

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas, BWV 179, 35, 164 & 17

IM-PER-DÍ-VEL !!!
Aqui, boa parte desta coleção.

Agora sim! No quinto CD desta série, Kuijken e sua turma repetem a competência interpretativa, mas com um repertório de primeira linha. Um trabalho realmente maravilhoso. É curioso esse Sigiswald Kuijken. Ele não sentiu desejo de gravar cada cantata sacra existente de J.S. Bach. Esse projeto teria consumido anos de sua vida — e na melhor das hipóteses apenas igualaria as conquistas de outros Amundsen anteriores. Ao escolher gravar apenas cantatas suficientes para abranger um único ano litúrgico de domingos mais os dias santos principais, Kuijken restringiu o número de discos a 20, reduziu o número de artistas e acentuou exponencialmente a intensidade musical. O volume cinco, este volume, inclui as quatro cantatas do 11º ao 14º domingo depois da Trindade.

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas, BWV 179, 35, 164 & 17

1. Cantata No. 179, ‘Siehe zu, dass deine Gottesfurcht,’ BWV 179 (BC A121): Chorus. Siehe zu, dass deine Gottesfurcht…
2. Cantata No. 179, ‘Siehe zu, dass deine Gottesfurcht,’ BWV 179 (BC A121): Recitative. Das heut’ge Christentum
3. Cantata No. 179, ‘Siehe zu, dass deine Gottesfurcht,’ BWV 179 (BC A121): Aria. Falscher Heuchler Ebenbild
4. Cantata No. 179, ‘Siehe zu, dass deine Gottesfurcht,’ BWV 179 (BC A121): Recitative. Wer so von innen wie von außen…
5. Cantata No. 179, ‘Siehe zu, dass deine Gottesfurcht,’ BWV 179 (BC A121): Aria. Liebster Gott, erbarme dich
6. Cantata No. 179, ‘Siehe zu, dass deine Gottesfurcht,’ BWV 179 (BC A121): Chorale. Ich armer Mensch, ich armer Sünder

7. Cantata No. 35, ‘Geist und Seele wird verwirret,’ BWV 35 (BC A125): Prima parte. Sinfonia
8. Cantata No. 35, ‘Geist und Seele wird verwirret,’ BWV 35 (BC A125): Prima parte. Aria. Geist und seele wird verwirret
9. Cantata No. 35, ‘Geist und Seele wird verwirret,’ BWV 35 (BC A125): Prima parte. Recitative. Ich wundre mich
10. Cantata No. 35, ‘Geist und Seele wird verwirret,’ BWV 35 (BC A125): Prima parte. Gott hat alles wohlgemacht
11. Cantata No. 35, ‘Geist und Seele wird verwirret,’ BWV 35 (BC A125): Second parte. Sinfonia
12. Cantata No. 35, ‘Geist und Seele wird verwirret,’ BWV 35 (BC A125): Second parte. Recitative. Ach starker Gott, lass mich doch…
13. Cantata No. 35, ‘Geist und Seele wird verwirret,’ BWV 35 (BC A125): Second parte. Aria. Ich wünsche nur bei Gott zu leben

14. Cantata No. 164, ‘Ihr, die ihr euch von Christo nennet,’ BWV 164 (BC A128): Aria. Ihr, die ihr euch von Christo nennet
15. Cantata No. 164, ‘Ihr, die ihr euch von Christo nennet,’ BWV 164 (BC A128): Recitative. Wir hören zwar, was selbst…
16. Cantata No. 164, ‘Ihr, die ihr euch von Christo nennet,’ BWV 164 (BC A128): Aria. Nur durch Lieb und durch Erbarmen
17. Cantata No. 164, ‘Ihr, die ihr euch von Christo nennet,’ BWV 164 (BC A128): Recitative. Ach schmelze doch durch…
18. Cantata No. 164, ‘Ihr, die ihr euch von Christo nennet,’ BWV 164 (BC A128): Aria. Händen, die sich nicht…
19. Cantata No. 164, ‘Ihr, die ihr euch von Christo nennet,’ BWV 164 (BC A128): Chorale. Ertöt uns durch dein Güte

20. Cantata No. 17, ‘Wer Dank opfert, der preiset mich,’ BWV 17 (BC A131): Chorus. Wer Dank opfert, der preiset mich
21. Cantata No. 17, ‘Wer Dank opfert, der preiset mich,’ BWV 17 (BC A131): Recitative. Es muss die ganze Welt…
22. Cantata No. 17, ‘Wer Dank opfert, der preiset mich,’ BWV 17 (BC A131): Aria. Herr, deine Güte reicht soweit…
23. Cantata No. 17, ‘Wer Dank opfert, der preiset mich,’ BWV 17 (BC A131): Recitative. Einer aber unter ihnen…
24. Cantata No. 17, ‘Wer Dank opfert, der preiset mich,’ BWV 17 (BC A131): Aria. Welch, Übermaß der Güte
25. Cantata No. 17, ‘Wer Dank opfert, der preiset mich,’ BWV 17 (BC A131): Recitative. Sieh meinen Willen an…
26. Cantata No. 17, ‘Wer Dank opfert, der preiset mich,’ BWV 17 (BC A131): Chorale. Wie sich ein Vat’r erbarmet

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

PQP

.: interlúdio :. Carla Bley Big Band Goes to Church

.: interlúdio :. Carla Bley Big Band Goes to Church

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Este é o sensacional registro da participação de Carla Bley no Umbria Jazz Festival de 1996. Levei alguns dias para conseguir chegar à faixa 2 do CD tal é o entusiasmo que me causa a aula de arranjo que Carla nos demonstra nos 24 minutos do esplêndido blues de abertura: Setting Calvin’s Waltz. O título do CD é uma piada. Sabendo que sua apresentação seria na Igreja de San Francesco Al Prato em Perugia, Bley usou e abusou de sonoridades e timbres pouco usuais que soaram espetacularmente. Também pegou emprestado os gospels Exaltation / Religious Experience / Major de Carl Ruggles. O restante são composições — incluindo Setting Calvin’s Waltz — de Bley. Goes to Church está longe de ser um álbum religioso, é apenas um álbum que se utiliza da especial sonoridade de uma igreja, algo que talvez só pudesse ser fruído adequadamente em Perugia, entre os dias 19 e 21 de julho de 1996.

Carla Bley Big Band Goes to Church

1. Setting Calvin’s Waltz 23:52
2. Exaltation / Religious Experience / Major 9:33
3. One Way 8:29
4. Beads 8:27
5. Permanent Wave 10:07
6. Who Will Rescue You? 7:52

Carla Bley Big Band (17 músicos):
Lew Soloff (trumpet); Guy Barker (trumpet); Claude Deppa (trumpet); Steve Waterman (trumpet); Gary Valente (trombone); Pete Beachill (trombone); Chris Dean (trombone); Richard Henry (bass trombone); Roger Jannotta (soprano and alto saxophones, flute); Wolfgang Puschnig (alto saxophone); Andy Sheppard (tenor saxophone); Jerry Underwood (tenor saxophone); Julian Argüelles (baritone saxophone); Karen Mantler (organ, harmonica); Carla Bley (piano); Steve Swallow (bass); Dennis Mackrel (drums)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

80 anos! Eu te acho linda, Carla
80 anos! Ainda trabalhando muito e com enorme criatividade.

PQP

Franz Joseph Haydn (1732-1809): Quartetos de Cordas Op. 20 (Completos)

Franz Joseph Haydn (1732-1809): Quartetos de Cordas Op. 20 (Completos)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Peço desculpas pela intromissão da política, mas é que nos estranhos dias de hoje, com um presidente tolo e seus ministros amalucados, ouvir o tranquilidade, o bom humor, a alegria, a beleza e a inteligência de Haydn parece realmente um privilégio. Saímos de uma atmosfera carregada de más notícias e péssimos presságios para um oásis. De um ambiente onde reina a burrice para outro onde há equilíbrio e paz. E muita classe. E, sabem?, o cara é tão perfeito que a gente sai da audição ainda mais indignado com o mundo.

Não vivendo mais na doce ilusão de uma sociedade sem classes, concordei em viver numa sociedade sem classe. Aqui, ó!

O Op. 20 de Haydn tem lindíssimos momentos. A estrutura é mesma das sinfonias. Inicia com um Grave-Allegro, depois vem um Minueto ou um Adágio — eles podem se alternar ma segunda e terceira posições — e um Presto final. E temos cada adágio… Bem, o Doric é um grupo maravilhoso, não nos decepcionando nunca. Acho que este CD é de audição obrigatória.

Franz Joseph Haydn (1732-1809): Quartetos de Cordas Op. 20 (Completos)
[original dedication to Prince Nikolaus Zmeskall von Domanowetz]

String Quartet, Op. 20 No. 1 (Hob. III: 31) 25:19
in E flat major – in Es-Dur – en mi bémol majeur
1.Allegro moderato 9:19
2.Menuet. Un poco allegretto – Trio – Menuet da Capo 3:44
3.Affettuoso e sostenuto 8:33
4.Finale. Presto 3:35

String Quartet, Op. 20 No. 2 (Hob. III: 32) 23:06
in C major – in C-Dur – en ut majeur
5.Moderato 9:34
6.Capriccio. Adagio – Segue subito il Menuet 6:45
7.Menuet. Allegretto – Trio – Menuet da Capo 3:31
8.Fuga a quattro soggetti. Allegro 3:10

String Quartet, Op. 20 No. 3 (Hob. III: 33) 25:49
in G minor – in g-Moll – en sol mineur
9.Allegro con spirito 7:56
10.Menuet. Allegretto – Trio – Menuet da Capo 4:17
11.Poco adagio 9:43
12.Finale. Allegro di molto 3:45

String Quartet, Op. 20 No. 4 (Hob. III: 34) 29:21
in D major – in D-Dur – en ré majeur
13.Allegro di molto 10:57
14.Un poco adagio e affettuoso 9:44
Variazione I –
Variazione II –
Variazione III – [ ]
15.Menuet all Zingarese. Allegretto – Trio – Menuet da Capo 1:40
16.Presto e scherzando 6:53

String Quartet, Op. 20 No. 5 (Hob. III: 35) 25:29
in F minor – in f-Moll – en fa mineur
17.Moderato 11:14
18.Menuet. [ ] – Trio – Menuet da Capo fin al Segno 5:02
19.Adagio – Segue Fuga 6:30
20.Finale. Fuga a due soggetti 8:39

String Quartet, Op. 20 No. 6 (Hob. III: 36) 20:24
in A major – in A-Dur – en la majeur
21.Allegro di molto e scherzando 8:38
22.Adagio 6:04
23.Menuet. [ ] – Trio – Menuet da Capo 2:34
24.Fuga con tre soggetti. Allegro 2:55

Doric String Quartet
Alex Redington, violin
Jonathan Stone, violin
Hélène Clément, viola
John Myerscough, cello

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

PQP

Cage, Cowell, Lundquist & Taïra: Música para Percussão

Cage, Cowell, Lundquist & Taïra: Música para Percussão

IM-PER-DÍ-VEL !!! Mas só para quem, como eu, curte os modernos.

Um belo ex-LP de música para percussão com os suecos do Kroumata, grupo fundado em 1978 e ainda ativo, com mais de 20 álbuns gravados. É claro que John Cage (1912-1992) domina o repertório com sua obra de quase sete minutos, mas a peça de Taïra (1937-2005) também é muito intrigante ao acoplar gritos dos instrumentistas, que parecem estar praticando artes marciais. Eu gostei demais de ouvir o Kroumata. Porém, se você é conservador em música, fuja deste post agora. Correndo!

Cage, Cowell, Lundquist & Taïra: Música para Percussão

John Cage (1912 – 1992)
1) Second Construction (1940) for four players [6:44]
Henry Cowell (1897 – 1965)
2) Pulse (1939) for five players [3:53]
Torbjörn Iwan Lundquist (1920 – 2000)
3) Sisu (1976) for six percussions [9:20]
Yoshihisa Taïra (1938 – 2005)
4) Hierophonie V pour six percussionnistes [19:32]

Kroumata Percussion Ensemble

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O grupo sueco manda ver.

PQP

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas BWV 2, 20 & 176

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas BWV 2, 20 & 176

Grande Mestre Herreweghe! Mais uma gravação impecável do belga! Este disco é marcado para mim pelos três corais impressionantes, cada um muito diferente do outro, que abrem as cantatas. A maior e mais ambiciosa composição aqui é a Cantata “O Ewigkeit” (# 20, 1724). O coral homônimo com o qual ela começa mostra todo o domínio contrapontístico de meu pai. Bach escreve uma abertura francesa completa francesa para orquestra, com as seções lentas distinguidas por ritmos pontilhados abrindo e concluindo o coral, e seção de fuga mais rápida. A ideia remonta às formas medievais usando o cantus firmus, mas, em sua encarnação barroca, é uma criação imponente e majestosa. Os corais de abertura de Cantatas 2 e 176 são mais curtos e menos ambiciosos — mas também são muito bonitos. A Cantata 176 é apresentada por um coral muito dramático que me lembra certas partes dos Concertos de Brandenburgo. O coral da Cantata 2 é melancólico e emotivo.

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas BWV 2, 20 & 176

“Ach Gott, Vom Himmel Sieh Darein” BWV 2
1 Choral: Ach Gott Vom Himmel Sieh Darein 4:05
2 Recitativo: Sie Lehren Eintel Falsche List 1:11
3 Aria: Tilg, O Gott, Die Lehren 3:30
4 Recitativo: Die Armen Sind Verstört 1:35
5 Aria: Durchs Feuer Wird Das Silber Rein 5:08
6 Choral: Das Wollst Du, Gott Bewahren Rein 0:56

“O Ewigkeit, Du Donnerwort” BWV 20
7 [Choral] O Ewigkeit, Du Donnerwort 4:45
8 Recitativo: Kein Unglück Ist In Aller Welt Zu Finden 0:48
9 Aria: Ewigkeit, Du Machst Mir Bange 3:13
10 Recitativo: Gesetzt Es Dau’rte Der Verdammten Qual 1:18
11 Aria: Gott Ist Gerecht In Seinen Werken 4:24
12 Aria: O Mensch, Errette Deine Seele 2:02
13 Choral: Solang Ein Gott Im Himmel Lebt 1:03
14 Aria: Wacht Auf, Wacht Auf, Verlornen Schafe 2:28
15 Recitativo: Verlass, O Mensch, Die Wollust Dieser Welt 1:17
16 Duetto. Aria: O Menschenkind 3:09
17 Choral: O Ewigkeit, Du Donnerwort 1:03

“Es ist Ein Trotzig Und Verzagt Ding” BWV 176
18 [Chor] Es Ist Ein Trotzig Und Verzagt Ding 2:03
19 Recitativo: Ich Meine, Recht Verzagt 0:44
20 Aria: Dein Sonst Hell Beliebter Schein 2:51
21 Recitativo: So Wundere Dich, O Meister Nicht 1:43
22 Aria: Ermuntert Euch 2:14
23 Choral: Auf Dass Wir Also Allzugleich 1:17

Alto Vocals [Choir] – Alex Potter, Cécile Pilorger, Ivonne Fuchs, Mieke Wouters
Alto Vocals [Soloist] – Ingeborg Danz
Bass Vocals [Choir] – Bart Vandewege, Frits Vanhulle, Pieter Coene, Robert Van Der Vinne
Bass Vocals [Soloist] – Peter Kooy*
Bassoon – Philippe Miqueu
Cello – Claire Giardelli, Harm-Jan Schwitters
Choir – Collegium Vocale
Cornett – Bruce Dickey (tracks: 1 to 6)
Directed By – Philippe Herreweghe
Double Bass – Miriam Shalinsky
Flute – Patrick Beuckels (tracks: 1 to 6)
Oboe – Marcel Ponseele, Rafael Palacios, Taka Kitazato
Orchestra – Collegium Vocale
Organ – Herman Stinders
Soprano Vocals [Choir] – Cécile Kempenaers, Dominique Verkinderen, Edwige Cardoen, Lut Van De Velde
Soprano Vocals [Soloist] – Johannette Zomer
Tenor Vocals [Choir] – Friedemann Büttner, Gerhard Hölzle, Malcolm Bennett (2), Markus Schuck
Tenor Vocals [Soloist] – Jan Kobow
Timbales – Peppie Wiersma
Trombone – Charles Toet (tracks: 1 to 6), Harry Ries (tracks: 1 to 6), Simen van Mechelen (tracks: 1 to 6)
Trumpet – Guy Ferber, Pascal Geay, René Maze
Viola – Brigitte Clément, Hiltrud Hampe, Peter Van Boxelaere
Violin [1] – Andreas Preuss, Kathrin Tröger, Michiyo Kondo
Violin [2] – Adrian Chamorro, Corrado Masoni, Sebastiaan Van Vucht
Violin, Concertmistress – Mira Glodeanu

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Philippe Herreweghe: mestre bachiano absoluto

PQP

Antonio Vivaldi (1678-1741): Gloria / Alessandro Scarlatti (1660-1725): Dixit Dominus

Antonio Vivaldi (1678-1741): Gloria /  Alessandro Scarlatti (1660-1725): Dixit Dominus

Um belo disco de música sacra italiana com obras de Vivaldi e Alessandro Scarlatti. Quase todos nós já ouvimos o Gloria de Vivaldi muitas vezes e, embora seja muito boa música, a pessoa tende a se cansar depois de um tempo. A versão de Pinnock é excelente. Meu interesse real sobre este disco é o Dixit Dominus de Scarlatti. Nós ouvimos muito pouco da música sacra de Alessandro, que é de alta qualidade. Embora ele não seja tão ousado ou enérgico como Handel, tem muitas ideias originais e belas melodias. Todos os movimentos são atraentes. Pinnock e turma estão excelentes como sempre. Embora desconhecido, este Dixit é definitivamente o destaque deste disco para mim.

Antonio Vivaldi (1678-1741): Gloria / Alessandro Scarlatti (1660-1725): Dixit Dominus

Gloria, In D Major For Soloists, Chorus And Orchestra, RV 589
Composed By – Antonio Vivaldi

1 Gloria In Excelsis Deo (Allegro)
Oboe – David Reichenberg
Trumpet – Crispian Steele-Perkins
2:24
2 Et In Terra Pax Hominibus (Andante) 4:52
3 Laudamus Te (Allegro)
Soprano Vocals – Ingrid Attrot, Nancy Argenta
2:14
4 Gratias Agimus Tibi (Adagio) 0:28
5 Propter Magnam Gloriam Tuam (Allegro) 0:50
6 Domine Deus, Rex Caelistis (Largo)
Oboe – David Reichenberg
Soprano Vocals – Nancy Argenta
3:43
7 Domine Fili Unigeniti (Allegro) 2:18
8 Domine Deus, Agnus Dei (Adagio)
Alto Vocals – Catherine Denley
5:01
9 Qui Tollis Peccata Mundi (Adagio) 1:45
10 Qui Sedes Ad Dexteram Patris (Allegro)
Alto Vocals – Catherine Denley
2:45
11 Quoniam Tu Solus Sanctus (Allegro)
Oboe – David Reichenberg
Trumpet – Crispian Steele-Perkins
0:47
12 Cum Sancto Spirito (Allegro)
Oboe – David Reichenberg
Trumpet – Crispian Steele-Perkins
2:48

Dixit Dominus, For Soloists, Strings And Continuo (Musica Sacra MS 710)
Composed By – Alessandro Scarlatti

13 Dixit Dominus (Spiritoso) 2:35
14 Virgam Virtutis (Allegro)
Soprano Vocals – Nancy Argenta
2:34
15 Tecum Principium
Alto Vocals – Ashley Stafford
2:53
16 Juravit Dominus 3:14
17 Dominus A Dextris Tuis
Bass Vocals – Stephen Varcoe
2:13
18 Judicabit In Nationibus (Andante – Allegro – Allegro) 1:57
19 De Torrente In Via Bibet (Andante)
Alto Vocals – Ashley Stafford
Soprano Vocals – Nancy Argenta
2:50
20 Gloria Patri (Allegro) 3:58

Alto Vocals – Ashley Stafford
Alto Vocals [Choir] – Ashley Stafford, Caroline Trevor, Graeme Curry, Mary Nichols
Bass Vocals – Stephen Varcoe
Bass Vocals [Choir] – Donald Greig, Richard Savage, Richard Wistreich, Stephen Charlesworth (2)
Cello – Jaap ter Linden, Richard Webb
Concertmaster – Simon Standage
Contralto Vocals – Catherine Denley
Double Bass – Amanda MacNamara*
Oboe [Solo] – David Reichenberg
Organ – Ivor Bolton
Soprano Vocals – Ingrid Attrot, Nancy Argenta
Soprano Vocals [Choir] – Evelyn Tubb, Nicola Jenkin, Sally Dunkley, Tessa Bonner
Tenor Vocals [Choir] – Angus Smith, John Dudley, Neil Lunt, Nicolas Robertson
Theorbo – Nigel North
Trumpet [Solo] – Crispian Steele-Perkins
Viola – Katharine Hart* (tracks: 1 to 12), Trevor Jones (4) (tracks: 1 to 12)
Violin [1st] – Graham Cracknell, Miles Golding, Pauline Nobes (tracks: 1 to 12), Simon Standage
Violin [2nd] – Elizabeth Wilcock (tracks: 1 to 12), Frances Turner (tracks: 13 to 20), Maurice Whitaker (tracks: 1 to 12), Micaela Comberti, Pauline Nobes (tracks: 13 to 20), Susan Carpenter-Jacobs* (tracks: 1 to 12)
Violin [3rd] – Elizabeth Wilcock (tracks: 13 to 20), Maurice Whitaker (tracks: 13 to 20), Susan Carpenter-Jacobs* (tracks: 13 to 20)
Vocals [Solo Quartet] – Ashley Stafford (tracks: 13 to 20), Nicolas Robertson (tracks: 13 to 20), Richard Wistreich (tracks: 13 to 20), Tessa Bonner (tracks: 13 to 20)
Choir – The English Concert Choir
Orchestra – The English Concert
Conductor, Harpsichord – Trevor Pinnock

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Cerimônia religiosa na igreja de San Lorenzo, em Veneza, em quadro pintado em 1789 por Gabriele Bella. Pelo menos dois concertos de Vivaldi, o RV 286 e o RV 562, foram encomendados a Vivaldi com a intenção de abrilhantar cerimônias em San Lorenzo

PQP

Georg Philipp Telemann (1681-1767): Pimpinone

Georg Philipp Telemann (1681-1767): Pimpinone

Eu curti. Pimpinone é uma ópera cômica em 3 partes e 11 cenas, com música de Georg Philipp Telemann e libreto em alemão de Johann Philipp Praetorius, sobre texto precedente de Pietro Pariati. A sua estreia foi feita no Theater am Gänsemarkt de Hamburgo, em 27 de setembro de 1725. O seu título completo é Die Ungleiche Heirat zwischen Vespetta und Pimpinone oder Das herrsch-süchtige Camer Mägden (O casamento desigual entre Vespetta e Pimpinone ou A dominante camareira). A obra está descrita como um Lustiges Zwischenspiel (Intermezzo cômico) em três partes. Telemann retoma o libreto que musicou Tommaso Albinoni quase vinte anos antes, através de uma versão em alemão para os recitativos, conservando para as árias o texto em italiano. Pimpinone teve muito êxito e marcou o caminho que seguiriam os intermezzi posteriores, em particular La serva padrona de Giovanni Battista Pergolesi. Esta ópera raras vezes se representa na atualidade; nas estatísticas do site Operabase aparece com somente 6 representações no período 2005-2010.

Mas ela é ótima e belamente interpretada neste CD. O que Reiner Süß faz na faixa 17 não é normal. A trama é simples: Vespetta, a empregada, ganha a confiança do seu chefe, o velho Pimpinone, para que se case com ela. Uma vez casados, a natureza mordaz dela (o nome Vespetta significa “pequena vespa”) domina completamente o marido. Só há dois personagens nesta mini-ópera.

Georg Philipp Telemann (1681-1767): Pimpinone

1 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel I 3:43
2 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel II 1:53
3 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel III 3:55
4 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel IV 2:39
5 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel V 3:18
6 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel VI 1:42
7 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel VII 2:47
8 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel VIII 0:31
9 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel IX 1:24
10 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel X 1:53
11 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel XI 2:18
12 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel XII 1:43
13 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel XIII 2:29
14 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel XIV 1:22
15 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel XV 5:19
16 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel XVI 2:01
17 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel XVII 3:04
18 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel XVIII 1:50
19 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel XIX 1:29
20 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel XX 0:52
21 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel XXI 4:12
22 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel XXII 1:20
23 Pimpinone, oder Die ungleiche Heirat, oder Die herrschsüchtige Cammer-Mädgen deel XXIII 4:06

Erna Roscher
Reiner Süß
Staatskapelle Berlin
Helmut Koch

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Normal

PQP

Franz Schubert (1797-1828): Piano Trios Nos. 1 & 2 / Arpeggione Sonata / Nocturne for Piano Trio

Franz Schubert (1797-1828): Piano Trios Nos. 1 & 2 / Arpeggione Sonata / Nocturne for Piano Trio

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Que repertório! Que repertório! Que repertório! Este CD duplo oferece quatro obras-primas da Schubert em notáveis performances. Nos trios, a liderança musical vem do piano, mas isso não é um problema quando o pianista é um schubertiano tão experiente quanto Schiff e os outros dois músicos têm tanta personalidade e empatia. Eles decididamente formam um conjunto. Embora haja outras excelentes gravações, esta é especial. O som é muito realista e equilibrado e os intérpretes têm coisas a nos dizer a respeito de Franz. Eles sabem o que Franz fez no verão passado. Ou há muitos verões. Tudo é bom aqui, mas o destaque fica para as melhores obras — os dois Trios. O Trio Nº 2 é tocado com seu final completo recentemente restaurado, uma vantagem.

Franz Schubert (1797-1828): Piano Trios Nos. 1 & 2 / Arpeggione Sonata / Nocturne for Piano Trio

Disc: 1
1. Sonata In A Minor D 821 ‘Arpeggione’: Allegro Moderato
2. Sonata In A Minor D 821 ‘Arpeggione’: Adagio
3. Sonata In A Minor D 821 ‘Arpeggione’: Allegretto
4. Piano Trio In B Flat Major D 898 Op. 99: Allegro Moderato
5. Piano Trio In B Flat Major D 898 Op. 99: Andante Un Poco Mosso
6. Piano Trio In B Flat Major D 898 Op. 99: Scherzo: Allegro – Trio
7. Piano Trio In B Flat Major D 898 Op. 99: Rondo: Allegro Vivace

Disc: 2
1. Piano Trio Movement In E Flat Major D 897 Op. 148 ‘Notturno’: Adagio
2. Piano Trio In E Flat Major D 929 Op. 100: Allegro
3. Piano Trio In E Flat Major D 929 Op. 100: Andante Con Moto
4. Piano Trio In E Flat Major D 929 Op. 100: Scherznado : Allegro Moderato
5. Piano Trio In E Flat Major D 929 Op. 100: Allegro Moderato

Cello – Miklós Perényi
Piano – András Schiff
Violin – Yuuko Shiokawa

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

PQP

.:interlúdio:. Tom Jobim: Matita Perê

.:interlúdio:. Tom Jobim: Matita Perê

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Tom inventou Matita Perê e começou a gravá-lo no Rio. Não estava gostando do resultado. Achou que precisava de melhores músicos e maior qualidade de gravação.

(Ouvindo o disco, você logo entende que a exigência era enorme. O álbum alterna canções com música instrumental, indo com naturalidade do popular ao erudito).

Foi para Nova Iorque com os poucos brasucas que se salvaram da experiência carioca, bancou tudo do próprio bolso e fez um dos melhores álbuns de música brasileira de todos os tempos. Estava com 46 anos e tinha todo o prestígio e consideração do mundo.

Os temas escolhidos por Jobim para Matita Perê passam da leveza e doçura, das praias, barquinhos e garotas, para a natureza e lendas do um Brasil profundo, sertanejo. Ele compõe a partir de suas observações e da leitura de autores como Guimarães Rosa e dos poetas Carlos Drummond de Andrade e Mário Palmério.

Para o crítico musical Zuza Homem de Mello, “Matita Perê é um disco que pouco a pouco foi sendo compreendido, entendido e principalmente admirado. É um marco na carreira de Tom Jobim”.

A faixa de abertura traz aquele que se tornaria um dos maiores clássicos do compositor, Águas de março, cujo título foi retirado de poema de Olavo Bilac.

Já a faixa-título, uma suíte, cita o folclore e nasce de suas leituras, em especial do conto Duelo de Guimarães Rosa, que contou com a colaboração de Paulo César Pinheiro na letra.

Paulo César Pinheiro falou sobre a parceria: “O Tom me procurou, porque eu tinha uma música no Festival da Canção chamada Sagarana, parceria com o João de Aquino. Tom ouviu, ficou impressionado e me ligou dizendo que tinha ideias semelhantes àquelas”.

(Quando vocês se depararem com a próxima lista de Melhores Canções Brasileiras de Todos os Tempos, procurem por uma chamada Matita Perê. Se ela não estiver presente, abandonem a lista e falem mal do criador dela).

Matita Perê marca o início da temática ecológica na obra de Tom Jobim, que seguiria com força em discos como Urubu (1975), Terra Brasilis (1980) e Passarim (1987).

Ao mesmo tempo, evidencia-se o Jobim sinfônico, claramente influenciado por Villa Lobos, em faixas como Crônica da casa assassinada, baseada no romance de Lúcio Cardoso, outra suíte com quase 10 minutos de duração, feita para a trilha do filme de Paulo César Sarraceni.

Não deixe de ouvir. É falha grave desconhecer este disco.

Tom Jobim: Matita Perê

1 Águas de Março (Antônio Carlos Jobim) — 3:56
2 Ana Luiza (Antônio Carlos Jobim) — 5:26
3 Matita Perê (Antônio Carlos Jobim, letra de Paulo César Pinheiro) — 7:11
4 Tempo do Mar (Antônio Carlos Jobim) — 5:09
5 The Mantiqueira Range (Paulo Jobim) — 3:31
6 Crônica da Casa Assassinada (Antônio Carlos Jobim) — 9:58
a. “Trem Para Cordisburgo”
b. “Chora Coração” (letra de Vinícius de Moraes)
c. “Jardim Abandonado”
d. “Milagre e Palhaços”
7 Rancho nas Nuvens (Antônio Carlos Jobim) — 4:04
8 Nuvens Douradas (Antônio Carlos Jobim) — 3:16

Antônio Carlos Jobim – piano, violão e vocal
Claus Ogerman – arranjos (exceto faixa 3) e regência
Dori Caymmi – arranjo da faixa 3
João Palma – bateria e percussão
Airto Moreira – bateria e percussão
George Devens – percussão
Harry Lookousky – spalla
Frank Laico – engenharia de áudio
Ray Beckenstein – flautas e madeiras
Phil Bodner – flautas e madeiras
Jerry Dodgion – flautas e madeiras
Don Hammond – flautas e madeiras
Romeo Penque – flautas e madeiras
Urbie Green – trombone
Ron Carter – baixo
Richard Davis – baixo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O maestro soberano Tom Jobim ao lado de seu herói literário, no lançamento do disco Matita Perê, em 1973

PQP (com Teca Lima)

Zóltan Kodály (1882-1967): Sonata, Op. 8 for solo cello / Sonatina / 9 Epigrams

Zóltan Kodály (1882-1967): Sonata, Op. 8 for solo cello / Sonatina / 9 Epigrams

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Kodály fundou, juntamente com seu amigo ainda mais talentoso Béla Bartók, a etnomusicologia. Grande pesquisador, enorme compositor, parece ter sido melhor ainda como professor, tendo inventado o Método Kodály de ensino de música. Assim como Bartók, Kodály foi um intelectual que sabia aplicar sua cultura. E isto pode ser ouvido neste excelente CD. Todos os trabalhos apresentados são de grande originalidade de forma e conteúdo, verdadeiros resumos da tradição da composição clássica, romântica, impressionista e modernista do início do século XX, com profundo respeito pelas tradições folclóricas húngaras, eslovacas, búlgaras, albanesas e de outros países do leste europeu. A Sonata Op. 8 para Violoncelo Solo é maravilhosa. Curiosamente, em seu terceiro movimento, tem momentos que parecem música nordestina. Há vários bordões que lembram repentes. O Adágio que fecha o CD é outra pérola na interpretação de Natalie Clein, a qual é um capítulo à parte. A inglesa Clein (1977) não é apenas linda, é uma virtuose de som consistente, cheio, insinuante e, até diria, invasivo. É um prazer caminhar na rua com ela nos ouvidos. A gente esquece da política brasileira. Um belo CD da Hyperion!

Clein, Natalie Clein, com C.
Clein, Natalie Clein, com C.

Zóltan Kodály (1882-1967): Sonata, Op. 8 for solo cello / Sonatina / 9 Epigrams

01. Sonata, Op. 8 for solo cello – I. Allegro maestoso ma appassionato
02. Sonata, Op. 8 for solo cello – II. Adagio
03. Sonata, Op. 8 for solo cello – III. Allegro molto vivace

04. Sonatina

05. 9 Epigrams – No 1 Lento
06. 9 Epigrams – No 2
07. 9 Epigrams – No 3
08. 9 Epigrams – No 4 Moderato
09. 9 Epigrams – No 5 Allegretto
10. 9 Epigrams – No 6 Andantino
11. 9 Epigrams – No 7 Con Moto
12. 9 Epigrams – No 8
13. 9 Epigrams – No 9

14. Romance Lyrique

15. Adagio

Natalie Clein, cello
Julius Drake, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Sentado à esquerda, Bartók. De barba, com prováveis partituras na mão, Kodály.
Sentado à esquerda, Bartók. De barba, com prováveis partituras na mão, Kodály.

PQP

Girolamo Frescobaldi (1583-1643): Arie e Canzone

Girolamo Frescobaldi (1583-1643): Arie e Canzone

Um disco apenas bom, apesar das presenças de um extraordinário elenco: Savall, Figueras, Koopman, Coin…

Frescobaldi foi cantor e virtuoso de diversos instrumentos, entre os quais o órgão. São famosos os seus livros de tocatas publicados entre 1615 e 1627, em cujo prefácio antecipa a maneira de tocar com efeitos cantáveis que será, depois, típica do gênero.

Tendo-se transferido a Roma durante a juventude, frequentou a Accademia Nazionale di Santa Cecilia e foi organista na igreja de Santa Maria em Trastevere. Durante vinte anos foi organista em São Pedro. Teve cinco filhos de Orsola del Pino, com quem se casou em 1613.

Depois de um desanimador e breve período junto do duque de Mântua, transferiu-se em 1628 com a família para Florença. Aí publicou (1630) duas seleções de árias: o e o 2° Livros de  árias musicais para serem cantadas no Gravecembalo e Tiorba em uma, duas ou três vozes.

O seu Primeiro livro dos madrigais a cinco vozes tinha sido publicado em Antuérpia em 1608; Frescobaldi havia seguido, em Bruxelas (na época, um importante centro de estudo de cravo), o núncio pontifício em Flandres, Guido Bentivoglio.

Tendo voltado a Roma em 1634, retomou o seu lugar em São Pedro. No ano seguinte publicou em Veneza, Fiori musicali, Kyrie, Canzoni, Capricci e Ricercari in partitura a quattro.

Entre as suas obras vocais é digno de nota o seu Livro segundo de diversas modulações a uma, duas, três e quatro vozes.

Girolamo Frescobaldi (1583-1643): Arie e Canzone

A
1 Canzona detta la Nicolina
2 Canzona detta la Todeschina
3 Toccata
4 La mia pallida faccia (aria a voce sola)
5 Maddalena alla Croce (sonetto spirituale)
6 Così mi disprezzate? (aria di passacaglia)
7 Canzona detta la Diodat
8 Canzona detta la Sardin

B
1 Canzona detta la Bernardina
2 Canzona detta la Moricona
3 Ohimè, che fur, che sono (sonetto spirituale in stile recitativo)
4 Se l’aura spira tutta vezzosa (aria)
5 Dunque dovrò del puro servir mio (aria di romanesca)
6 Canzona detta la Bianchina
7 Canzona detta la Arnolfinia

Monserrat Figueras, soprano
Ton Koopman, organ and harpsichord
Jordi Savall, viols
Bruce Dickey, Jean-Pierre Canihac, cornetts
Christophe Coin, bass violin

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Frescobaldi: meio lombrosiano, né? Não sei se eu emprestaria meu cachorro para ele passear.

PQP

Hummel / Haydn / Torelli / Neruda: Concertos para Trompete

Hummel / Haydn / Torelli / Neruda: Concertos para Trompete

A inglesa Alison Balsom é um show. E este CD é uma preciosidade, pois, desde a célebre gravação de Wynthon Marsalis, não tínhamos um registro tão bom dos concertos para trompete de Hummel e Haydn, talvez os melhores do gênero. A orquestra também é ótima. Die Deutsche Kammerphilharmonie Bremen acompanha Balsom com muito mais que dignidade. A habilidade fantástica de Balsom cria belos fraseados com timbres e articulações coerentes com o repertório.

Para velhinhos como eu, reouvir estes concertos é um renovado deleite, mas, sei lá, talvez os jovens pequepianos ainda os desconheçam. Bem, são muito bons, viram?

Hummel / Haydn / Torelli / Neruda: Concertos para Trompete

Trumpet Concerto In E Flat
Composed By – Johann Nepomuk Hummel
1 Ⅰ. Allegro Con Spirito 9:25
2 Ⅱ. Andante 4:45
3 Ⅲ. Rondo 3:40

Trumpet Concerto In E Flat Hob.Ⅶ E:Ⅰ
Composed By – Joseph Haydn
4 Ⅰ. Allegro 6:37
5 Ⅱ. Andante 3:31
6 Ⅲ. Finale: Allegro 4:35

Trumpet Concerto In D
Composed By – Giuseppe Torelli
7 Ⅰ. Allegro 2:00
8 Ⅱ. Adagio – Presto – Adagio 2:18
9 Ⅲ. Allegro 1:33

Trumpet Concerto In E Flat
Composed By – Jan Křtitel Jiří Neruda*
10 Ⅰ. Allegro 5:13
11 Ⅱ. Largo 4:34
12 Ⅲ. Vivace 4:35

Trumpet – Alison Balsom
Orchestra – Die Deutsche Kammerphilharmonie Bremen

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Alison Balsom, uma virtuose em instrumento -- hahahaha -- "masculino"
Alison Balsom, uma virtuose em instrumento — hahahaha — “masculino”

PQP

Franz Schubert (1797-1828): Quinteto “A Truta” / Clara Schumann (1819-1896): Trio Op. 17

Franz Schubert (1797-1828): Quinteto “A Truta” / Clara Schumann (1819-1896): Trio Op. 17

IM-PER-DÍ-VEL !!!

O Quinteto “A Truta”, de Schubert dispensa apresentações. É lindo! O Beaux Arts idem. Por isso, demos mais espaço a uma rápida biografia de Clara Schumann, uma talentosa compositora e pianista, muito mais fora do repertório habitual. Ela foi importante não apenas por si mesma como por suas relações com Robert Schumann, Brahms, Chopin e pelas célebres inimizades. Seu Trio também é muito bom.

Clara Schumann, nascida Clara Josephine Wieck foi uma pianista e compositora alemã. Foi casada com o também compositor Robert Schumann.

Desde muito jovem, aprendeu a técnica do piano com seu pai, Friedrich Wieck. A mãe, Marianne, era uma excelente musicista e dava concertos. Quando Clara tinha 4 anos, os pais se divorciaram, com Friedrich ganhando a custódia da menina. Aos 5, Clara começou a ter lições de piano mediante a disciplina rígida do pai.

A partir dos 13 anos desenvolveu uma brilhante carreira pianística, apresentando-se em vários palcos pela Europa. Destacou-se não só por isso, mas também pela performance de compositores românticos da época, como Chopin e Carl Maria Von Weber.

Na adolescência iniciou um romance com Robert Schumann que na época era aluno de seu pai. Ao tomar conhecimento da ligação de Robert e Clara, Wieck ficou furioso, pois Robert tinha problemas com a bebida, o fumo e crises depressivas. Preocupado com o futuro da filha, proibiu a relação. A consequência foi uma longa batalha judicial, em que, após um ano de litígio, Schumann conseguiu a permissão para desposar Clara, após ela completar 21 anos.

Depois do casamento, Clara e Robert começaram uma longa colaboração, ele compondo e ela interpretando e divulgando suas composições. Clara continuou a compor, mas a vida em comum era complicada, pois ela foi forçada a parar a carreira por diversos períodos, devido às 8 gestações e, apesar de Schumann aparentemente encorajar sua criação musical, ela abdicou muitas vezes de sua carreira como compositora para promover a do marido.

A situação era agravada por várias diferenças entre o casal: Clara adorava turnês, Robert as odiava; ele precisava de silêncio e tranquilidade para praticar, o que significa que Clara ficava em segundo plano, pois somente após o estudos do marido ela poderia ter suas horas de estudo.

Outro problema eram as constantes crises nervosas do marido, que fizeram Clara assumir as responsabilidades familiares sozinha. A pior crise de sua vida aconteceu quando Schumann entrou em depressão crônica, o que obrigou a família a interná-lo num manicômio, onde ficou por dois anos, até a morte. Após 14 anos de casamento, Clara ficou sozinha com os filhos, tendo que dar aulas e apresentações para sustentar a família.

A partir daí, ela ficou livre para compor e dar concertos, e sua carreira finalmente se desenvolveu. A amizade com Johannes Brahms foi o principal sustentáculo nesse período, o que deu margem a fofocas de que os dois teriam um romance. Foram anos de colaboração mútua, já que os dois artistas eram defensores ferrenhos da estética romântica ligada a um padrão mais formal, e opositores de Wagner e Liszt. A amizade durou até o final da vida de Clara.

Ao mesmo tempo, Clara trabalhou intensamente na divulgação da obra do ex-marido e, toda vez que se apresentava, fazia-o vestida de preto, por ser viúva.

Durante certo período, Clara sofreu de uma síndrome de dor crônica, atribuída aos excessos de treinos na tentativa de executar as obras orquestrais de Brahms. O tratamento realizado à época foi bem sucedido e Clara pode continuar sua carreira. Os últimos anos da compositora foram marcados por uma brilhante carreira como professora e o reconhecimento como concertista.

Franz Schubert (1797-1828): Quinteto “A Truta” / Clara Schumann (1819-1896): Trio Op. 17

Schubert
Piano Quintet In A, Op. 114 D.667 “The Trout”
1 Allegro Vivace
2 Andante
3 Scherzo (Presto)
4 Andantino (Tema Con Variazioni)
5 Finale (Allegro Giusto)
Beaux Arts Trio
Samuel Rhodes
Georg Hörtnagel

Clara Schumann
Klaviertrio G-moll, Op. 17
6 Allegro Moderato
7 Scherzo (Tempo Di Menuetto)
8 Andante
9 Allegretto
Beaux Arts Trio

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

A raridade aqui é Clara Schumann, né?

PQP