J.S. Bach (1685-1750): Sonatas & Partitas para Violino Solo, BWV 1001-1006, arranjadas para Violoncelo

MarkkuMarkku Luolajan-Mikkola é um homem de técnica, sensibilidade e coragem. Simplificou os trechos que eram absolutamente impossíveis para o violoncelo, deixou a coisa mais lenta que o habitual, alterou as tonalidades e foi em frente, gravando as Sonatas e Partitas de Bach, originalmente escritas para o leve violino. É uma gravação estranha e maravilhosa. Os tempos das performances de Luolajan-Mikkola são os mais lentos que eu já ouvi. Mas não pense que tudo é uniformemente lento. A Chacona, por exemplo, dura cerca de 15 minutos, o que é a duração comum em violino. Markku Luolajan-Mikkola é um músico sensível e escrupuloso. Trata-se de um mestre de uma série de instrumentos de cordas. Aqui, ele toca um violoncelo barroco feito por Barak Norman em Londres por volta de 1700. O som é impressionante — rústico e forte, muito ressonante. A ideia maluca de transcrever do violino solo de Bach para o violoncelo não é nova, parece ter nascido com o próprio autor. Existem manuscritos do século 19 com tentativas de transcrições e, de acordo com Johann Friedrich Agricola, o próprio compositor costumava improvisar essas peças ao cravo, violoncelo e órgão. A transcrição de Luolajan-Mikkola é muito fiel ao original. Ele afirmou que os abusos eram absolutamente desnecessários, pois a idiomática para todos os instrumentos de cordas é a mesma…

OK. Divirtam-se com o finlandês. É um país incrível. A Finlândia e a Estônia são para a música clássica assim como a Irlanda está para a literatura. Há uma desproporção notável entre o tamanho da população e a excelência artística.

J.S. Bach (1685-1750): Sonatas & Partitas para Violino, BWV 1001-1006, arranjadas para Violoncelo

Disc 1:
Violin Partita No. 2 in D Minor, BWV 1004 (Arr. in G Minor for Cello):
1 I. Allemanda 4:42
2 II. Corrente 3:09
3 III. Sarabanda 4:16
4 IV. Gigue 4:29
5 V. Ciaccona 15:15

Violin Sonata No. 2 in A Minor, BWV 1003 (Arr. in D Minor for Cello):
6 I. Grave 3:43
7 II. Fugue 10:38
8 III. Andante 5:13
9 IV. Allegro 7:02

Violin Partita No. 3 in E Major, BWV 1006 (Arr. in A Major for Cello):
10 I. Preludio 4:47
11 II. Loure 4:22
12 III. Gavotte en rondeau 3:15
13 IV. Menuets I & II 4:54
14 V. Bourrée 1:40
15 VI. Gigue 2:09

Disc 2
Violin Partita No. 1 in B Minor, BWV 1002 (Arr. in E Minor for Cello):
1 I. Allemanda 5:31
2 II. Double 3:56
3 III. Corrente 4:13
4 IV. Double. Presto 3:53
5 V. Sarabanda 4:59
6 VI. Double 3:22
7 VII. Tempo di bourrée 3:54
8 VIII. Double 4:13

Violin Sonata No. 1 in G Minor, BWV 1001 (Arr. in C Minor for Cello):
9 I. Adagio 4:05
10 II. Fugue. Allegro 6:47
11 III. Siciliana 3:27
12 IV. Presto 4:10

Violin Sonata No. 3 in C Major, BWV 1005 (Arr. in F Major for Cello):
13 I. Adagio 4:28
14 II. Fugue 12:41
15 III. Largo 2:57
16 IV. Allegro assai 5:34

Markku Luolajan-Mikkola, violoncelo barroco

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Markku Luolajan-Mikkola

Markku Luolajan-Mikkola

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Franz Schubert (1797-1828): Sinfonias Nº 8 “Inacabada” e 9 “A Grande”

IM-PER-DÍ-VEL !!!

A Orquestra Filarmônica de Berlim tem uma curiosa história recente. Com Herbert von Karajan tinha glamour, grana e resultados artísticos quase sempre de segunda linha. Melhorou muito com Abbado e Rattle, mas perdeu a grande fama, em boa parte ancorada pelas copiosas gravações de HvK para a DG. Só que, mesmo na época de baixaria artística, quando se apresentava com regentes convidados, destes que chegam para cumprir alguns concertos e vão embora, a orquestra arrasava. Por exemplo, quando pegou um gênio como Günter Wand, rendeu como nunca. Esta é uma gravação ao vivo que comprova o fato.

As duas sinfonias finais de Schubert estão translúcidas, claras e absolutamente cantantes. O velhinho Wand deu um jeito de iluminar as partituras como raramente se vê. Coisa de louco.

Franz Schubert (1797-1828): Sinfonias Nº 8 “Inacabada” e 9 “A Grande”

CD1
1. Sinfonie Nr. 8 h-moll Symphony No.8 B Minor ‘Unvollendete – Unfinished’ D 759: Allegro moderato
2. Sinfonie Nr. 8 h-moll Symphony No.8 B Minor ‘Unvollendete – Unfinished’ D 759: Andante con moto

CD2
3. Symphony No. 9 C Major ‘The Great’ D 944: Andante – Allegro ma non troppo
4. Symphony No. 9 C Major ‘The Great’ D 944: Andante con moto
5. Symphony No. 9 C Major ‘The Great’ D 944: Scherzo: Allegro vivace
6. Symphony No. 9 C Major ‘The Great’ D 944: Finale: Allegro vivace

Berlin Philharmonic Orchestra
Günter Wand

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Wand: um gênio

Wand: um gênio

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johannes Brahms (1833-1897): Complete Piano Sonatas

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Brahms, em sua furiosa autoexigência, não costumava errar. Publicar porcaria não era com ele, isso desde o início de sua carreira. Claro, que em suas Sonatas Completas, todas escritas na juventude, havia uma grandiloquência que ele não manteve, mas, pô, que belos exemplos de pianística romântica temos aqui! Muito influenciadas por Schumann, elas têm a característica de serem longas e muito difíceis, especialmente a terceira, uma das peças da minha mais absoluta preferência. Ela é uma das maiores sonatas pós-Beethoven já compostas. Em tamanho e qualidade. Eu também gosto da #1 e #2. Adoro o movimento final da sonata #1. A #2 é mais fácil que a #3, mas não pense que é muito mais. Digamos que fique no nível das Variações sobre um Tema de Paganini. Ou seja… E o Andante da terceira, que coisa linda! Curiosamente, estas Sonatas são negligenciadas. Talvez por suas enormes proporções. Mas é uma injustiça do cão.

O trabalho de François-Frédéric Guy é estupendo, cheio de técnica, senso de estilo romântico e compreensão.

Johannes Brahms (1833-1897): Complete Piano Sonatas

Disc 1:
1 Piano Sonata No. 2 in F-Sharp Minor, Op. 2: I. Allegro non troppo (Ma energico) 6:06
2 Piano Sonata No. 2 in F-Sharp Minor, Op. 2: II. Andante con espressione 5:24
3 Piano Sonata No. 2 in F-Sharp Minor, Op. 2: III. Scherzo (Allegro) 3:57
4 Piano Sonata No. 2 in F-Sharp Minor, Op. 2: IV. Finale (Sostenuto – Allegro non troppo e rubato) 11:44

5 Piano Sonata No. 1 in C Major, Op. 1: I. Allegro 11:37
6 Piano Sonata No. 1 in C Major, Op. 1: II. Andante 5:47
7 Piano Sonata No. 1 in C Major, Op. 1: III. Scherzo (Allegro molto e con fuoco) 5:58
8 Piano Sonata No. 1 in C Major, Op. 1: IV. Finale (Allegro con fuoco) 7:10

Disc 2
1 Piano Sonata No. 3 in F Minor, Op. 5: I. Allegro maestoso 10:34
2 Piano Sonata No. 3 in F Minor, Op. 5: II. Andante (Andante espressivo) 11:31
3 Piano Sonata No. 3 in F Minor, Op. 5: III. Scherzo (Allegro energico) 4:39
4 Piano Sonata No. 3 in F Minor, Op. 5: IV. Intermezzo (Andante molto) 3:32
5 Piano Sonata No. 3 in F Minor, Op. 5: V. Finale (Allegro moderato ma rubato) 7:40

François-Frédéric Guy, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

François-Frédéric Guy, estou pasmo com altíssima qualidade do que ouvi. De cair o queixo.

François-Frédéric Guy, estou pasmo com altíssima qualidade do que ouvi. De cair o queixo.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Anton Bruckner (1824-1896): Symphony No. 6

IM-PER-DÍ-VEL !!!

A solene, complexa e majestosa música de Anton Bruckner por um de seus maiores especialistas, Bernard Haitink. São 57 impecáveis minutos de um gravação ao vivo. Vamos falar sério: Bernard Haitink é sem dúvida o grande maestro de Bruckner em nosso tempo. Já octogenário, suas leituras da obra bruckneriana tornaram-se ainda mais profundas, poderosas e intelectuais. Esta sexta, recentemente gravada, é um exemplo perfeito: é uma gravação de referência como as de Celibidache, Klemperer e Wand. Esta é a melhor sexta desde a célebre gravação de Wand, também ao vivo, com a orquestra NDR. Uma recomendação absoluta.

Anton Bruckner (1824-1896): Symphony No. 6

1. Symphony No. 6 in A Major, WAB 106 (ed. R. Haas): I. Maestoso 15:57
2. Symphony No. 6 in A Major, WAB 106 (ed. R. Haas): II. Adagio. Sehr feierlich 17:19
3. Symphony No. 6 in A Major, WAB 106 (ed. R. Haas): III. Scherzo – Trio 8:36
4. Symphony No. 6 in A Major, WAB 106 (ed. R. Haas): IV. Finale 15:06

Dresden Staatskapelle
Bernard Haitink

BAIXE AQUI- DOWNLOAD HERE

Dentre os vivos, Haitink é o regente preferido de PQP Bach

Dentre os vivos, Haitink é o regente preferido de PQP Bach

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

François Couperin (1668-1733): Obras para Cravo

AvdWiele Nonesuch H71037 1IM-PER-DÍ-VEL !!!

Que disco foda! É mais um velho vinil garimpado e digitalizado pelo genial blog holandês 33 toeren klassiek, o que me faz amar ainda mais a Holanda. A cravista belga Aimée Van De Wiele (1907-1991) realizou, em 1965, uma leitura muito bonita e moderna da música de Couperin. Suas interpretações do grande francês — que já era um revolucionário por si só — são multifacetadas e cheias de humor. Muitas das obras para teclado de François Couperin têm títulos descritivos e evocativos que expressam diferentes atmosferas, de harmonias ousadas e algumas atonalidades. São como miniaturas de poemas sinfônicos. Este aspecto chamou a atenção de Richard Strauss, que chegou a orquestrar algumas dessas peças. A música para piano de Johannes Brahms foi influenciada pela música para teclado de Couperin. Brahms interpretou-a publicamente e contribuiu, em 1880, para a primeira edição completa das Pièces de clavecin.

François Couperin (1668-1733): Obras para Cravo

1 Prelude (L’Art De Toucher Le Clavecin, #7) 2:45
2 Les Fastes De La Grande Et Ancienne Menestrandise (II / 11) 9:37
3 L’Attendrissante (III / 18) 2:37
4 Le Tic-Toc-Choc, Ou Les Maillotins (III / 18) 2:10
5 La Favorite (I / 3) 6:40
6 Le Carillon De Cythere (III / 14) 2:25
7 Les Barricades Mysterieuses (II / 6) 2:58
8 Les Ombres Errantes (IV / 25) 2:26
9 Les Calotins Et Les Calotines Ou La Piece Á Tretous (III / 19) 3:05
10 Le Rossingnol En Amour (III / 14) 3:57
11 L’Arlequine (IV / 23) 1:51
12 La Garnier (I / 2) 3:54
13 Les Folies Francaises Ou Les Dominos (III / 13) 9:15

Aimée Van De Wiele, cravo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Um dos vídeos mais lindos que conheço:

AvdWiele Nonesuch H71037 txt

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): As 4 Suítes Orquestrais

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Todos os discos, todos os concertos, todos os gemidos e suspiros da Freiburger Barockorchester valem a pena. Ontem, presa de uma grave crise de HIPOBACHEMIA profunda — se me entendem — resolvi atacar novamente com a orquestra da pequena e bela e universitária cidade de Freiburg. Não me arrependi. Aqui está por inteiro o espírito atlético, dançável e saracoteante que deu 20 filhos a Bach em seus dois casamentos com Maria Barbara e Anna Magdalena, fora os que semeou no varejo, como eu.

Baixem logo porque este CD duplo da grande Harmonia Mundi é bom demais!

J. S. Bach (1685-1750): as 4 Suítes Orquestrais

1. Suite No. 4 in D Major, BWV 1069: I. Ouverture 11:26
2. Suite No. 4 in D Major, BWV 1069: II. Bourrées I & II 2:50
3. Suite No. 4 in D Major, BWV 1069: III. Gavotte 1:55
4. Suite No. 4 in D Major, BWV 1069: IV. Menuets I & II alternativement 4:14
5. Suite No. 4 in D Major, BWV 1069: V. Réjouissance 2:34

6. Suite No. 2 in B Minor, BWV 1067: I. Ouverture 10:42
7. Suite No. 2 in B Minor, BWV 1067: II. Rondeau 1:28
8. Suite No. 2 in B Minor, BWV 1067: III. Sarabande 2:36
9. Suite No. 2 in B Minor, BWV 1067: IV. Bourrées I & II alternativement 2:04
10. Suite No. 2 in B Minor, BWV 1067: V. Polonaise & Double 3:17
11. Suite No. 2 in B Minor, BWV 1067: VI. Menuet 1:05
12. Suite No. 2 in B Minor, BWV 1067: VII. Badinerie 1:23

13. Suite No. 1 in C Major, BWV 1066: I. Ouverture 9:17
14. Suite No. 1 in C Major, BWV 1066: II. Courante 2:18
15. Suite No. 1 in C Major, BWV 1066: III. Gavottes I & II alternativement 3:13
16. Suite No. 1 in C Major, BWV 1066: IV. Forlane 1:13
17. Suite No. 1 in C Major, BWV 1066: V. Menuets I & II alternativement 3:15
18. Suite No. 1 in C Major, BWV 1066: VI. Bourrées I & II alternativement 2:42
19. Suite No. 1 in C Major, BWV 1066: VII. Passepieds I & II 3:31

20. Suite No. 3 in D Major, BWV 1068: I. Ouverture 9:49
21. Suite No. 3 in D Major, BWV 1068: II. Air 4:37
22. Suite No. 3 in D Major, BWV 1068: III. Gavottes I & II alternativement 4:00
23. Suite No. 3 in D Major, BWV 1068: IV. Bourrée 1:10
24. Suite No. 3 in D Major, BWV 1068: V. Gigue 2:47

Freiburger Barockorchester

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

COMENTÁRIOS

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Vivaldi (1678-1741): Concerti Con Molti Strumenti (Violinos, Flautas, Oboés, Fagotes)

Clipboard01

Vivaldi era um padre que não rezava missas. Ainda na casa dos vinte anos, já padre, alegara problemas com a asma, que o faria tossir e tossir. Como oficiaria missas? Dizia-se fraco, mas teve grandes amores — um muito rumoroso com uma aluna, o contralto Anna Giró –, além de dar aulas, tocar violino e reger. Irritado, pensando que o Padre Rosso era um fingido, Benedetto Marcello escreveu um panfleto contra ele. Em 1737, Vivaldi respondeu:

Há 25 anos que não dou missas e eu não pretendo fazê-lo novamente, não por causa de alguma  proibição ou qualquer ordenança, mas por minha própria vontade, por causa de uma doença que sofro desde a infância e ainda me assombra.

Depois de ser ordenado sacerdote, disse Missas por um ano, mas depois decidi parar porque em três dias consecutivos tive que deixar o altar antes da celebração final por causa da minha doença.

Por esta razão eu vivo principalmente dentro de casa e nunca saio a não ser de gôndola ou de carro, já que não posso andar sem dor e aperto no peito.

Nenhum cavalheiro convida-me para ir a sua casa, mesmo o nosso príncipe, porque todos sabem de minha fraqueza.

Eu passeio após o jantar, mas nunca vou caminhando. Esta é a causa pela qual nunca rezo missas.

A propósito, excelente CD!

Vivaldi (1678-1741): Concerto Con Molti Strumenti (Violinos, Flautas, Oboés, Fagotes)

1. Con F.XII No.3 (RV 577) ‘Per L’Orch Di Dresda’ in g: Allegro
2. Con F.XII No.3 (RV 577) ‘Per L’Orch Di Dresda’ in g: Adagio
3. Con F.XII No.3 (RV 577) ‘Per L’Orch Di Dresda’ in g: Allegro

4. Con (RV 572) ‘Il Proteo, O Il Mondo Al Rovescio’ in F: Allegro
5. Con (RV 572) ‘Il Proteo, O Il Mondo Al Rovescio’ in F: Adagio
6. Con (RV 572) ‘Il Proteo, O Il Mondo Al Rovescio’ in F: Allegro

7. Con F.XII No.31 (RV 566) in d: Allegro Assai
8. Con F.XII No.31 (RV 566) in d: Largo
9. Con F.XII No.31 (RV 566) in d: Allegro

10. Con F.XII No.48 (RV 585) ‘In Due Cori’ in A: Allegro
11. Con F.XII No.48 (RV 585) ‘In Due Cori’ in A: Adagio
12. Con F.XII No.48 (RV 585) ‘In Due Cori’ in A: Allegro

13. Con F.XII No.14 (RV 556) ‘Per La Solennita Di S. Lorenzo’ in C:Largo-Allegro Molto
14. Con F.XII No.14 (RV 556) ‘Per La Solennita Di S. Lorenzo’ in C: Largo & Cantabile
15. Con F.XII No.14 (RV 556) ‘Per La Solennita Di S. Lorenzo’ in C: Allegro

16. Con F.XII No.17 (RV 557) in C: Allegro Non Molto
17. Con F.XII No.17 (RV 557) in C: Largo
18. Con F.XII No.17 (RV 557) in C: Allegro No Molto

19. Con F.XII No.33 (RV 576) ‘Sua Altezza Reale Di Sassonia’ in g: Allegro
20. Con F.XII No.33 (RV 576) ‘Sua Altezza Reale Di Sassonia’ in g: Larghetto
21. Con F.XII No.33 (RV 576) ‘Sua Altezza Reale Di Sassonia’ in g: Allegro

Matheus Ensemble
Jean-Christophe Spinosi

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Jean-Christophe Spinosi é um homem dividido

Jean-Christophe Spinosi é um homem dividido

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Gustav Mahler (1860-1911): Sinfonia Nº 8

Mahler 8 SvetlanovEu amo Mahler. Suas sinfonias, ciclos de canções, sua esposa. Mas, se eu tivesse que escolher dentre suas obras as que menos gosto, estas seriam a 8ª e a 9ª Sinfonias. Claro, deve ser uma limitação minha. Eu as acho realmente exageradas, grandiosas e menores. Porém, Mahler estava convencido da importância da obra. Aqui, ele renuncia ao pessimismo que marca boa parte da sua música, oferecendo a Oitava como expressão de confiança no espírito humano. Logo após a morte do compositor, as interpretações foram relativamente pouco comuns. No entanto, a partir de meados do século XX, a sinfonia foi incluída com regularidade nos programas das salas de concertos de todo o mundo e foi gravada em muitas ocasiões. Sem deixar de reconhecer a sua grande popularidade, os críticos modernos têm opiniões diversas sobre a obra, alguns opinando que seu otimismo é pouco convincente e considerando a obra como artística e musicalmente inferior a outras de suas sinfonias. É o que penso. A gravação de Svetlanov é, literalmente, boa e russa.

Gustav Mahler (1860-1911): Sinfonia Nº 8

1 Part 1. Hymnus “Veni, creator spiritus”. Allegro impetuoso 24:08
2 Part 2. Scène finale du “Faust II” de Goethe. Poco adagio – Più mosso 59:15

Natalia Gerassimova (Soprano)
Galina Borissova (Mezzo Soprano)
Olga Alexandrova (Mezzo Soprano)
Alexei Martynov (Tenor)
Dimitri Trapeznikov (Bariton)
Anatoly Safiulin (Bass),
Galina Boiko (Soprano)
Ludmila Golub (Organ)
Russian State Symphony Orchestra
Moscow Choral Academy Children’s Choir
Moscow Choral Academy Mixed Choir
Yevgeny Svetlanov

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Mahler e Beyoncé

Mahler e Beyoncé

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750) / Alfred Schnittke (1934-1998): Concertos para Violino e Violinos

71w5aknhufL._SL1000_Um bom disco da dupla de irmãs francesas, as irmãs Nemtanu. Concertos e peças de Bach com um Concerto multi-estilista de Schnittke encravado ali quase no final. Rola fácil o diálogo entre as duas irmãs tanto no Concerto de Bach quanto no comentário pós-moderno do russo. As duas — Deborah e Sarah Nemtanu, ambas com pouco mais de trinta anos — são spallas de orquestras em Paris e cada uma é uma forte a personalidade. Importante observação sobre o estilo: estas gravações combinam a correta quase falta de vibrato barroca com instrumentos modernos.

J. S. Bach / Alfred Schnittke: Concertos

1 Concerto for 2 Violins in D Minor, BWV 1043: Vivace 3:38
2 Concerto for 2 Violins in D Minor, BWV 1043: Largo ma non tanto 6:11
3 Concerto for 2 Violins in D Minor, BWV 1043: Allegro 4:47

4 Violin Concerto in E Major, BWV 1042: Allegro I 7:17 (com Sarah)
5 Violin Concerto in E Major, BWV 1042: Adagio e sempre piano 5:13
6 Violin Concerto in E Major, BWV 1042: Allegro II 2:32

7 Invention in C Major, BWV 772 1:18

8 Violin Concerto in A Minor, BWV 1041: Allegro moderato 3:48 (com Deborah)
9 Violin Concerto in A Minor, BWV 1041: Andante 5:40
10 Violin Concerto in A Minor, BWV 1041: Allegro assai 3:57

11 Concerto Grosso No. 3 for 2 Violins, Harpsichord and Strings: Allegro 2:00
12 Concerto Grosso No. 3 for 2 Violins, Harpsichord and Strings: Risoluto 3:18
13 Concerto Grosso No. 3 for 2 Violins, Harpsichord and Strings: Pesante 6:47
14 Concerto Grosso No. 3 for 2 Violins, Harpsichord and Strings: Adagio 7:03
15 Concerto Grosso No. 3 for 2 Violins, Harpsichord and Strings: Moderato 3:09

16 Invention in F Major, BWV 779 0:59

Sarah Nemtanu & Deborah Nemtanu, violinos
Paris Chamber Orchestra
Sascha Goetzel

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Sarah e Deborah Nemtanu medindo o espeço de cada uma

Sarah e Deborah Nemtanu medindo o espaço de cada uma

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Robert Schumann (1810-1856): Davidsbündlertänze, Humoreske & Blumenstück

Schumann Buratto

IM-PER-DÍVEL !!!

Um excelente disco que traz peças não tão conhecidas de Schumann. Conheci as Davidsbündlertänze apenas esta ano na Berliner Philharmoniker Kammermusiksaal. András Schiff tocou a série de 18 peças, Op. 6. Um completo espanto. O número de opus baixo é enganador: o trabalho foi escrito após o Carnaval, Op. 9, e os Estudos Sinfônicos, Op. 13. O trabalho, apesar de desconhecido do grande público, é considerado pelos especialistas como uma das maiores conquistas de Schumann e como uma das mais importantes obras de piano da era romântica. 

As primeiras obras de piano de Robert Schumann foram substancialmente influenciadas por sua relação com Clara Wieck. Em 5 de setembro de 1839, Schumann escreveu para um ex-professor: “Ela era praticamente minha única motivação para escrever o Davidsbündlertänze, o Concerto, a Sonata e as Novellettes“. Tais peças são uma expressão de seu amor apaixonado, ansiedades, anseios, visões, sonhos e fantasias.

Dá-lhe, Clara!

O tema do Davidsbündlertänze é baseado em uma mazurca de Clara Wieck. É um trabalho pessoalíssimo. Em 1838, Schumann disse a Clara que as Danças continham “muitos pensamentos de casamento” e que “a história é um Polterabend inteiro” (festa alemã de casamento, durante a qual a louça velha é destruída para trazer boa sorte).

Já os 5 Humoreske, Op. 20, são peças escritas um pouquinho antes e dedicadas a Julie von Webenau. Schumann citou o estilo de humor de Jean Paul como fonte de inspiração, embora não existam links programáticos diretos para a obra do autor.

Luca Buratto é um baita pianista. Podem ir fundo no CD.

Robert Schumann (1810-1856): Davidsbündlertänze, Humoreske & Blumenstück

Humoreske in B flat major Op 20[25’39]
1 Einfach – Sehr rasch und leicht – Wie im Anfang[4’58]
2 Hastig – Nach und nach immer lebhafter und stärker – Adagio[4’20]
3 Einfach und zart – Intermezzo[4’30]
4 Innig – Sehr lebhaft – Mit einigem Pomp[5’55]
5 Zum Beschluß[5’56]

6 Blumenstück in D flat major Op 19[6’20]

Davidsbündlertänze Op 6[32’47]
7 Lebhaft[1’25]
8 Innig[1’20]
9 Mit Humor[1’21]
10 Ungeduldig[1’15]
11 Einfach[1’51]
12 Sehr rasch[1’41]
13 Nicht schnell[3’58]
14 Frisch[1’00]
15 Lebhaft[1’32]
16 Balladenmässig: Sehr rasch[1’27]
17 Einfach[1’36]
18 Mit Humor[0’41]
19 Wild und lustig[2’58]
20 Zart und singend[2’12]
21 Frisch[2’05]
22 Mit gutem Humor[1’36]
23 Wie aus der Ferne[3’22]
24 Nicht schnell[1’27]

Luca Buratto, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Luca Buratto: desgrenhada e lindamente romântico

Luca Buratto: desgrenhada e lindamente romântico

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Georg Philipp Telemann (1681-1767): Double & Triple Concertos

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Sem exagero, este é um dos melhores discos de música barroca que conheço. Comprei o vinil em 1984 e jamais me desapaixonei. Eram os primórdios dessa coisa de “música historicamente informada”. As gravações, com raras exceções, eram desinteressantes e matemáticas. Então veio o Collegium Aureum, Leonhardt, Kuijken, Harnoncourt, Hogwood e outros para provar que dava para fazer o barroco com sonoridade, musicalidade e tesão. A escolha do repertório é maravilhosa. Ouçam primeiro o Concerto TWV 52:e1 (completo!) para cair logo de amores e depois todo resto.

Concerto for 3 trumpets, timpani, strings & continuo in D major, TWV 54:D4
1 I. Largo 1:57
2 II. Allegro 2:56
3 III. Adagio 2:06
4 IV. Presto 1:54

Quartet (Concerto) for 2 violins, viola & continuo in B flat major, TWV 43:B2
5 I. Spiritoso 2:45
6 II. Grave 1:51
7 III. Allegro 1:40

Concerto for recorder, flute, strings & continuo in E minor, TWV 52:e1
8 I. Largo 3:53
9 II. Allegro 4:20
10 III. Largo 3:09
11 IV. Presto 2:41

Concerto alla Polonese, for strings & continuo in G major (a.k.a “Concerto Polonois”), TWV 43:G7
12 I. Dolce – Allegro 4:30
13 II. Largo 2:07
14 III. Allegro 1:47

Concerto for flute, oboe d’amore, viola d’amore, strings & continuo in E major, TWV 53:E1
15 I. Andante 3:08
16 II. Allegro 5:26
17 III. Siciliano 3:12
18 IV. Vivace 4:00

Academy of Ancient Music
Christopher Hogwood

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Christopher Hogwood (1941-2014): um enorme, imenso e compreensivo talento

Christopher Hogwood (1941-2014): um enorme, imenso e compreensivo talento

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Constantinopla: Música da Idade Média e do Renascimento

Kiya Tabassian é um músico iraniano que emigrou para Montreal em 1990. Em 1998, ele fundou o Constantinopla (ou Constantinople), um conjunto com base em Montreal, que ganhou reputação internacional por sua justaposição única de fontes musicais antigas e as tradições vivas do Oriente Médio. O grupo gravou 15 CDs até hoje. Eu acho que este é o primeiro CD deles, mas pode ser que não seja. Só sei que é muito bom, de extrema sensibilidade e delicadeza. Eu curti muito. Espero que vocês também gostem. A música antiga tem sido rara por aqui, não?  Aliás, tem sido cada vez mais esquecida pelas gravadoras e, talvez, pelos músicos.

Constantinopla: Música da Idade Média e do Renascimento

1 Branle de la Haye 4:16
2 Branle d’Ecosse 2:54
3 Branle du village 5:56
4 Pazzo e Mezzo 2:04
5 Harbi 2:19
6 Yekchoubeh 1:22
7 Saltarello: Saltarello 2:55
8 Estampie anglaise 4:34
9 Sospitati dedit egros 2:48
10 Mignone allons: Mignonne allons 3:35
11 Saltrello: Saltarello 2:37
12 La tricotea 2:39
13 So ell Enzina 2:49
14 Tres morillas 2:22
15 Danza alta, sobre “la Spagna”: Danza Alta 3:44
16 Un amiga tengo: Un’amiga tengo, hermano 1:31
17 Tir’alla, que non quiero 2:36
18 Callabaza no se 2:39
19 Al alva venid 2:33
20 Rodrigo Martinez 2:04
21 Fata la parte 2:58
22 Pedro, y bien te quiero 1:24
23 Todos los bienes del mundo 5:10

Kiya Tabassian

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Kiya Tabassian, do Constantinople

Kiya Tabassian, do Constantinople

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Joseph Haydn (1832-1809): Os Seis Quartetos, Op. 33 – “Russos”

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Muitas vezes chamado de “Pai do Quarteto de Cordas” (sem mencionar da sinfonia), foi com este conjunto de 6 Quartetos, Op. 33, que Haydn realmente começou a fazer sua marca única e singular no gênero. O conjunto é frequentemente denominado coletivamente como os quartetos “russos”, já que foram dedicados a um nobre russo. Eles também foram os quartetos que inspiraram Mozart a escrever seus chamados “Quartetos Haydn”, o que não é pouca coisa. O conjunto é especialmente ensolarado; Mesmo o primeiro deles — o único em tom menor — está longe de ser tristinho. Haydn era irremediavelmente feliz. O Quarteto Borodin faz um esplêndido trabalho de destacar a natureza jovial dessas seis obras-primas. Embora o violino ocupe um lugar proeminente nas partituras de Haydn, os “borodinos” não produzem um som que favoreça demais o primeiro violino. Em vez disso, as quatro partes são igualmente robustas e vigorosas, caminhando sempre na direção de uma conversa íntima entre iguais. As interpretações são alegres, um tantinho agressivas aqui e ali, nada romantizadas ou apressadas. A energia, a espontaneidade e a alegria da criação de música resultam em um conjunto que é igualmente alegre de ouvir.

Joseph Haydn (1832-1809): Os Seis Quartetos, Op. 33 – “Russos”

DISCO 01
01. String Quartet in B minor, Op. 33 No. 1 – I Allegro moderato
02. String Quartet in B minor, Op. 33 No. 1 – II Scherzo_ Allegro di molto
03. String Quartet in B minor, Op. 33 No. 1 – III Andante
04. String Quartet in B minor, Op. 33 No. 1 – IV Finale_ Presto

05. String Quartet in E flat major, Op. 33 No. 2 ‘The Joke’ – I Allegro moderato
06. String Quartet in E flat major, Op. 33 No. 2 ‘The Joke’ – II Scherzo_ Allegro
07. String Quartet in E flat major, Op. 33 No. 2 ‘The Joke’ – III Largo
08. String Quartet in E flat major, Op. 33 No. 2 ‘The Joke’ – IV Presto

09. String Quartet in C major, Op. 33 No. 3 ‘The Bird’ – I Allegro moderato
10. String Quartet in C major, Op. 33 No. 3 ‘The Bird’ – II Scherzo_ Allegretto
11. String Quartet in C major, Op. 33 No. 3 ‘The Bird’ – III Adagio ma non troppo
12. String Quartet in C major, Op. 33 No. 3 ‘The Bird’ – IV Finale_ Rondo – Presto

DISCO 02
01. String Quartet in B flat major, Op. 33 No. 4 – I Allegro moderato
02. String Quartet in B flat major, Op. 33 No. 4 – II Scherzo_ Allegretto
03. String Quartet in B flat major, Op. 33 No. 4 – III Largo
04. String Quartet in B flat major, Op. 33 No. 4 – IV Finale_ Presto

05. String Quartet in G major, Op. 33 No. 5 ‘How do you do?’ – I Vivace assai
06. String Quartet in G major, Op. 33 No. 5 ‘How do you do?’ – II Largo e cantabile
07. String Quartet in G major, Op. 33 No. 5 ‘How do you do?’ – III Scherzo_ Allegro
08. String Quartet in G major, Op. 33 No. 5 ‘How do you do?’ – IV Finale_ Allegretto

09. String Quartet in D major, Op. 33 No. 6 – I Vivace assai
10. String Quartet in D major, Op. 33 No. 6 – II Andante
11. String Quartet in D major, Op. 33 No. 6 – III Scherzo_ Allegretto
12. String Quartet in D major, Op. 33 No. 6 – IV Finale_ Allegretto

Borodin Quartet

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Felizes como Haydn

Borodinos, felizes como Haydn

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

F. J. Haydn (1732-1809): Sinfonias 100 & 45, ‘Militar’ e ‘Do Adeus’

Hermann Scherchen Westminster PWS744 1

Duas extraordinárias sinfonias de Haydn com o não menos extraordinário maestro Hermann Scherchen. Ainda hoje é raro ouvir a Sinfonia Nº 100 com tanta cara de militar do que a que dá nosso HS. Fiquem tranquilos a militar de Haydn não mata. Sua alcunha se deve ao uso de uma abundante percussão alla turca, sobretudo no segundo movimento, ao estilo das marchas militares executadas em campanhas bélicas. Mas aqui é tudo bonito. A gravação foi roubada novamente do grande blog holandês 33 toeren klassiek, especializado em garimpar joias no vasto mar de gravações do passado.

F. J. Haydn (1732-1809): Sinfonias 100 & 45, ‘Militar’ e ‘Do Adeus’

Sinfonia Nº 100, Militar   22:42
1  adagio – allegro    6:12
2  allegretto    7:28
3  minuetto: moderato    5:08
4  finale: presto    3:54
Sinfonia Nº 45, Do Adeus   21:53
5  allegro assai    4:15
6  adagio    5:38
7  minuetto: allegretto    3:51
8  presto – adagio    8:09

Orquestra da Ópera de Viena
Hermann Scherchen

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O grande Hermann Scherchen

O grande Hermann Scherchen

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bach Reimagines Bach: Música para Alaúde de Johann Sebastian Bach

IM-PER-DÍ-VEL !!!

“Então, aqui estão 3 graus de reimaginação para sua apreciação. Meu próprio esforço minimalista, o remodelamento suave dos BWV 1001 e 1006 de Bach com uma linha de baixo e alguns ornamentos e depois a transmutação do BWV 995. Espero que todos tenham prazer em ouvir!”, escreveu o alaudista William Carter.

Sim, eu tive. As transcrições eram uma prática comum na era barroca e Johann Sebastian Bach frequentemente reciclava sua própria música. Este disco de 2017 oferece performances meticulosas da Sonata Nº 1 BWV 1001 e da Partita Nº 3 BWV 1006, ambas adaptadas das versões originais para violino solo, além da Suite No. 5 em C menor, BWV 1011, para violoncelo não acompanhado.

Bach Reimagines Bach: Música para Alaúde de Johann Sebastian Bach

Sonata in G minor, BWV 1001
1 Adagio 3:43
2 Fuga 5:50
3 Siciliana 3:15
4 Presto 4:58

Suite in E major, BWV 1006a
5 Prélude 5:29
6 Loure 4:00
7 Gavotte en Rondeau 3:46
8 Menuett I & II 4:57
9 Bourrée 2:18
10 Gigue 2:53

Suite in G minor, BWV 995
11 Prélude 6:24
12 Allemande 5:46
13 Courante 2:18
14 Sarabande 2:58
15 Gavotte I & II 4:47
16 Gigue 2:56

William Carter, alaúde

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Karl Hofer -- Menina com Alaúde

Karl Hofer — Menina com Alaúde

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

G.P. Telemann (1681-1767): Trio Sonatas

Uma joia este disco da cpo. O Parnassi musici, sob a direção do fagotista Sergio Azzolini, leva Telemann com perfeição e elegância. Um conjunto impecável, raro. Os músicos estão tão sintonizados uns com os outros que realmente não há necessidade de mencionar um deles — todos merecem elogios. E é Telemann puro. Em qualquer estilo, sua música tem um caráter inconfundível, sendo clara e leve. Telemann foi um precursor do estilo clássico, já estava conectado ao que viria logo após o barroco. Um disco matinal, luminoso, excelente para começar o dia. 

G.P. Telemann (1681-1767): Trio Sonatas

01. Quartett e-moll für zwei Violinen, Fagott und B. c. TWV 43:e3 – 1. Largo 03:45
02. Quartett e-moll für zwei Violinen, Fagott und B. c. TWV 43:e3 – 2. Presto 01:25
03. Quartett e-moll für zwei Violinen, Fagott und B. c. TWV 43:e3 – 3. Cantabile 02:22
04. Quartett e-moll für zwei Violinen, Fagott und B. c. TWV 43:e3 – 4. Allegro 02:04

05. Trio Nr. 1 G-dur TWV 42:G3 – 1. Dolce 02:10
06. Trio Nr. 1 G-dur TWV 42:G3 – 2. Allegro 01:30
07. Trio Nr. 1 G-dur TWV 42:G3 – 3. Affetuoso 01:46
08. Trio Nr. 1 G-dur TWV 42:G3 – 4. Vivace 02:33

09. Trio Nr. 2 c-moll TWV 42:c1 – 1. Largo 01:36
10. Trio Nr. 2 c-moll TWV 42:c1 – 2. Vivace 01:38
11. Trio Nr. 2 c-moll TWV 42:c1 – 3. Grave 01:31
12. Trio Nr. 2 c-moll TWV 42:c1 – 4. Allegro 02:13

13. Trio Nr. 3 A-dur TWV 42:A2 – 1. Cantabile 01:38
14. Trio Nr. 3 A-dur TWV 42:A2 – 2. Alla breve 01:36
15. Trio Nr. 3 A-dur TWV 42:A2 – 3. Lento 02:12
16. Trio Nr. 3 A-dur TWV 42:A2 – 4. Allegro assai 02:14

17. Sonate B-dur für Violine, Fagott und B. c. TWV 42:B5 – 1. Vivace 02:13
18. Sonate B-dur für Violine, Fagott und B. c. TWV 42:B5 – 2. Siciliana 02:22
19. Sonate B-dur für Violine, Fagott und B. c. TWV 42:B5 – 3. Vivace 01:46

20. Trio Nr. 4 d-moll TWV 42:d2 – 1. Vivace 02:01
21. Trio Nr. 4 d-moll TWV 42:d2 – 2. Largo 02:05
22. Trio Nr. 4 d-moll TWV 42:d2 – 3. Presto 02:25

23. Trio Nr. 5 e-moll TWV 42:e1 – 1. Largo 02:05
24. Trio Nr. 5 e-moll TWV 42:e1 – 2. Allegro 01:36
25. Trio Nr. 5 e-moll TWV 42:e1 – 3. Affetuoso 01:44
26. Trio Nr. 5 e-moll TWV 42:e1 – 4. Vivace 02:43

27. Trio Nr. 6 D-dur TWV 42:D4 – 1. Soave 01:49
28. Trio Nr. 6 D-dur TWV 42:D4 – 2. Allegro 01:17
29. Trio Nr. 6 D-dur TWV 42:D4 – 3. Andante 01:48
30. Trio Nr. 6 D-dur TWV 42:D4 – 4. Vivace 03:04

31. Sonate F-dur für Violine, Fagott und B. c. TWV 42:F1 – 1. Allegro 02:33
32. Sonate F-dur für Violine, Fagott und B. c. TWV 42:F1 – 2. Soave 02:48
33. Sonate F-dur für Violine, Fagott und B. c. TWV 42:F1 – 3. Presto 01:48

Parnassi musici
Sergio Azzolini

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Pois é, o líder do grupo,  Sergio Azzolini, é fagotista

Pois é, o líder do grupo, Sergio Azzolini, é fagotista

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

A. Scarlatti (1660-1725) & A. Lotti (1667-1740): Madrigali

Mais um bom disco da Harmonia Mundi. Este traz madrigais de dois compostores do barroco italiano, Alessandro Scarlatti e Antonio Lotti. O disco é de 1986 e o tive em vinil. A música de Alessandro Scarlatti é bem conhecida. Ele foi um grande compositor de óperas e suas cantatas de câmara são notáveis. É surpreendente que o principal compositor dos palcos napolitanos também tenha escrito madrigais, em sua época um gênero já antiquado e em franco declínio. Mas eles certamente merecem uma audição, assim como o companheiro Lotti.

A. Scarlatti (1660-1725) & A. Lotti (1667-1740): Madrigali

Antonio Lotti (c.1666-1740)
1 Moralita d’una perla

Alessandro Scarlatti (1660-1725)
2 Sdegno la fiamma estinse
3 O selce, o tigre, o ninfa
4 Internerite voi, lacrime mie
5 Arsi un tempo

Antonio Lotti
6 Inganni dell’unmanita
7 Lamento di tre amanti

Alessandro Scarlatti
8 O morte
9 Mori, mi dici
10 Cor mio, deh non languire

Antonio Lotti
11 La vita caduca

Consort of Musicke [Emma Kirkby (soprano), Evelyn Tubb (soprano), Tessa Bonner (soprano), Deborah Roberts (soprano), Andrew King (tenor), Rufus Muller (tenor), Alan Ewing (bass), Frances Kelly (harp), Christopher Wilson (Chittarrone), Alan Wilson (harpsichord), Anthony Rooley (lute)]

Anthony Rooley, direção

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

David Teniers, Macacos

David Teniers, Macacos

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Franz Schubert (1797-1828): Quarteto No 14 “A Morte e a Donzela” D 810 , Quinteto D 956

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Clica antes aqui, malandro! Depois clica ali embaixo no melhor disco de 2014 na categoria Chamber da revista Gramophone. Ah, pois é, né?

Bom, isso aqui é discoteca básica, né? Quem não conhece essas obras é mulher do padre. Para melhorar, esta gravação foi uma das vencedoras do Prêmio Gramophone de 2014. O Pavel Haas Quartet trouxe suas habilidades a duas obras-primas da música de câmara. A Morte e a Donzela parte de um lied de Schubert que está no segundo movimento do Quarteto. Se a Morte é uma obra-prima, o que dizer do Quintetão? Ele tem uma formação incomum, com dois violoncelos. Foi escrito dois meses antes da morte do compositor. A instrumentação dá-lhe uma sonoridade quase orquestral. O cello excedente foi confiado ao excepcional violoncelista alemão-japonês Danjulo Ishizaka, cujas qualidades foram descritas por Mstislav Rostropovich: “Um fenômeno de capacidade técnica, perfeito em seu poder criativo musical”.

Franz Schubert (1797-1828): Quarteto No 14 “A Morte e a Donzela” D 810 , Quinteto D 956

1. String Quartet No. 14 in D Minor, D. 810, “Death and the Maiden”: I. Allegro 11:32
2. String Quartet No. 14 in D Minor, D. 810, “Death and the Maiden”: II. Andante con motto 13:34
3. String Quartet No. 14 in D Minor, D. 810, “Death and the Maiden”: III. Scherzo – Allegro molto 3:50
4. String Quartet No. 14 in D Minor, D. 810, “Death and the Maiden”: IV. Presto 8:53

1. String Quintet in C Major, Op. 163, D. 956: I. Allegro, ma non troppo 19:56
2. String Quintet in C Major, Op. 163, D. 956: II. Adagio 14:43
3. String Quintet in C Major, Op. 163, D. 956: III. Scherzo. Presto – Trio. Andante sostenuto 9:39
4. String Quintet in C Major, Op. 163, D. 956: IV. Allegretto 9:31

Danjulo Ishizaka, violoncelo no Quintetão
Pavel Haas Quartet

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Esse pessoal do Pavel Haas é bom pacas.

Esse pessoal do Pavel Haas é bom pacas.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas – Gardiner – Vol. 5 de 27

FDP Bach está tristíssimo. Seu notebook estragou, o desktop também e o computador do trabalho está bloqueado para diversões, mesmo as mais cultas como as nossas. Mas ele via as reclamações sobre a ausência do Vol. 5 do Gardiner e ficava deprimido. Então, me mandou estes links para que eu postasse com urgência. E eu sou louco de não fazê-lo?

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas – Gardiner – Vol. 5 de 27

Disc: 1
1. Cantata No. 178, ‘Wo Gott der Herr nicht bei uns hält,’ BWV 178 (BC A112): No. 6. Aria. Schweig, schweig nur, taumelnde Vernunft!
2. Cantata No. 178, ‘Wo Gott der Herr nicht bei uns hält,’ BWV 178 (BC A112): No. 7. Choral. Die Feind sind all in deiner Hand
3. Cantata No. 136, ‘Erforsche mich, Gott, und erfahre mein Herz,’ BWV 136 (BC A111): No. 1. Coro. Erforsche mich, Gott, und erfahre mei
4. Cantata No. 136, ‘Erforsche mich, Gott, und erfahre mein Herz,’ BWV 136 (BC A111): No. 2. Recitativo. Ach, dass der Fluch, so dort di
5. Cantata No. 136, ‘Erforsche mich, Gott, und erfahre mein Herz,’ BWV 136 (BC A111): No. 4. Recitativo. Die Himmel selber sind nicht re
6. Cantata No. 136, ‘Erforsche mich, Gott, und erfahre mein Herz,’ BWV 136 (BC A111): No. 6. Choral. Dein Blut, der edle Saft
7. Cantata No. 45, ‘Es ist dir gesagt, Mensch, was gut ist,’ BWV 45 (BC A113): Part 1. No. 1. Coro. Es ist dir gesagt, Mensch, was gut i
8. Cantata No. 45, ‘Es ist dir gesagt, Mensch, was gut ist,’ BWV 45 (BC A113): Part 2. No. 4. Arioso. Es werden viele zu mir sagen an je
9. Cantata No. 45, ‘Es ist dir gesagt, Mensch, was gut ist,’ BWV 45 (BC A113): Part 2. No. 5. Aria. Wer Gott bekennt aus wahrem Herzensg
10. Cantata No. 45, ‘Es ist dir gesagt, Mensch, was gut ist,’ BWV 45 (BC A113): Part 2. No. 6. Recitativo. So wird denn Herz und Mund sel
11. Cantata No. 45, ‘Es ist dir gesagt, Mensch, was gut ist,’ BWV 45 (BC A113): Part 2. No. 7. Choral. Gib, dass ich tu mit Fleiß

Disc: 2
1. Cantata No. 46, ‘Schauet doch und sehet,’ BWV 46 (BC A117): No. 1. Coro. Schauet doch und sehet, ob irgendein Schmerz
2. Cantata No. 46, ‘Schauet doch und sehet,’ BWV 46 (BC A117): No. 3. Aria. Dein Wetter zog sich auf von weiten
3. Cantata No. 46, ‘Schauet doch und sehet,’ BWV 46 (BC A117): No. 5. Aria. Doch Jesus will auch bei der Strafe
4. Cantata No. 46, ‘Schauet doch und sehet,’ BWV 46 (BC A117): No. 6. Choral. O großer Gott von Treu
5. Cantata No. 101, ‘Nimm von uns, Herr, du treuer Gott,’ BWV 101 (BC A118): No. 1. Coro. Nimm von uns, Herr, du treuer Gott
6. Cantata No. 101, ‘Nimm von uns, Herr, du treuer Gott,’ BWV 101 (BC A118): No. 2. Aria. Handle nicht nach deinen Rechten
7. Cantata No. 101, ‘Nimm von uns, Herr, du treuer Gott,’ BWV 101 (BC A118): No. 3. Recitativo e Choral. Ach! Herr Gott, durch die Treue
8. Cantata No. 101, ‘Nimm von uns, Herr, du treuer Gott,’ BWV 101 (BC A118): No. 4. Aria. Warum willst du so zornig sein?
9. Cantata No. 101, ‘Nimm von uns, Herr, du treuer Gott,’ BWV 101 (BC A118): No. 6. Aria (Duetto). Gedenk an Jesu bittern Tod!
10. Cantata No. 101, ‘Nimm von uns, Herr, du treuer Gott,’ BWV 101 (BC A118): No. 7. Choral. Leit uns mit deiner rechten Hand
11. Cantata No. 102, ‘Herr, deine Augen sehen nach dem Glauben,’ BWV 102 (BC A119): Part 1. No. 1. Coro. Herr, deine Augen sehen nach dem
12. Cantata No. 102, ‘Herr, deine Augen sehen nach dem Glauben,’ BWV 102 (BC A119): Part 1. No. 2. Recitativo. Wo ist das Ebenbild, das G
13. Cantata No. 102, ‘Herr, deine Augen sehen nach dem Glauben,’ BWV 102 (BC A119): Part 1. No. 3. Aria. Weh der Seele, die den Schaden
14. Cantata No. 102, ‘Herr, deine Augen sehen nach dem Glauben,’ BWV 102 (BC A119): Part 1. No. 4. Arioso. Verachtest du den Reichtum sei
15. Cantata No. 102, ‘Herr, deine Augen sehen nach dem Glauben,’ BWV 102 (BC A119): Part 2. No. 5. Aria. Erschrecke doch, du allzu sichre
16. Cantata No. 102, ‘Herr, deine Augen sehen nach dem Glauben,’ BWV 102 (BC A119): Part 2. No. 6. Recitativo. Beim Warten ist Gefahr
17. Cantata No. 102, ‘Herr, deine Augen sehen nach dem Glauben,’ BWV 102 (BC A119): Part 2. No. 7. Choral. Heut lebst du, heut bekehre di

VOLUME 5 A – BAIXE AQUI – DOWNLOAD VOL 5A HERE
VOLUME 5 B – BAIXE AQUI – DOWNLOAD VOL 5B HERE

Vocês notaram a beleza das capas das Cantatas do Gardiner?

Vocês notaram a beleza das capas das Cantatas do Gardiner?

PQP, with a little help from FDP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): A Oferenda Musical, BWV 1079

Um bom jantar pode ser estragado por um mau café, assim como podemos esquecer um repasto insosso em razão de um bom café colombiano. É no intento de fazer esquecer aquela péssima versão patchy daquela Oferenda Musical tanque-de-guerra, regida por Karl Richter, que coloco este excelente café servido pelos irmãos Kuijken com o importante auxílio de Robert Kohnen. Pois, apesar de Bach não ter estabelecido em que instrumentos a Oferenda deva ser tocada, trata-se indiscutivelmente de música de câmara. Quatro pessoas é o número mínimo e bom para interpretar a sacanagem de Frederico II, muitíssimo bem descrita no delicioso livro Uma Noite no Palácio da Razão, de James R. Gaines (Record, 334 páginas).

Uma Noite conta a vida de Frederico e de Bach antes e depois de seu único encontro de uma noite. Durante a reunião, Bach foi desafiado a improvisar sobre um tema escrito por Frederico — mas que provavelmente era de autoria de um dos muitos compositores da corte. O tema era dificílimo, uma evidente sacanagem, porém Bach improvisou uma fuga a três vozes sobre o mesmo. Diante da admiração incontida dos ouvintes, Frederico, um notório sádico, propôs uma fuga a seis vozes. Agastado, Bach respondeu-lhe que era impossível fazê-lo assim de improviso. Ficou furioso com a derrota, porém, duas semanas depois, enviou a Frederico uma partitura com a fuga a três vozes, outra a seis, acompanhadas de diversos cânones e de uma sonata-trio, totalizando treze movimentos cuja ordem correta, se há, é até hoje um desafio para os musicólogos. Ou seja, enviou-lhe a chamada Oferenda Musical (Das Musikalische Opfer), uma das mais importantes composições de todos os tempos. Frederico não deu a menor importância, o jogo já tinha sido jogado. E não mandou nenhuma nota de agradecimento ao “Velho Bach”.

Gaines poderia ter escrito uma narrativa curta, porém faz um longo, documentado e por vezes cômico relato da vida de seus dois personagens. Recomendo tudo. O livro e esta gravação que ora apresento. É assim que deve ser: música de câmara.

Johann Sebastian Bach (1685-1750): A Oferenda Musical, BWV 1079

01 – Ricercar a 3
02 – Canon perpetuus super Thema Regium
03 – Canones diversi sopra Thema Regium – Canon a 2, cancrizans
04 – Canones diversi sopra Thema Regium – Canon a 2, Violin- in Unisono
05 – Canones diversi sopra Thema Regium – Canon a 2, per Motum contrarium
06 – Canones diversi sopra Thema Regium – Canon a 2, per Augmentationem, contrario Motu
07 – Canones diversi sopra Thema Regium – Canon a 2, per Tonos
08 – Fuga canonica in Epidiapente
09 – Ricercar a 6
10 – Quaerendo invenietis – Canon a 2
11 – Quaerendo invenietis – Canon a 4
12 – Sonata sopr’ il Sogetto Reale a Traversa, Violino e Continuo – I. Largo
13 – Sonata sopr’ il Sogetto Reale a Traversa, Violino e Continuo – II. Allegro
14 – Sonata sopr’ il Sogetto Reale a Traversa, Violino e Continuo – III. Andante
15 – Sonata sopr’ il Sogetto Reale a Traversa, Violino e Continuo – IV. Allegro
16 – Canon perpetuus (a Traversa, Violino e Continuo)

Barthold Kuijken, transverse flute
Sigiswald Kuijken, violin
Wieland Kuijken, viola da gamba
Robert Kohnen, harpsichord

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Sigiswald, Wieland and Barthold Kuijken

Sigiswald, Wieland and Barthold Kuijken há 2000 anos atrás

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!