Vésperas à Virgem Maria na China [link atualizado 2017]

ES-PE-TA-CU-LAR !!!
(Mesmo! Não tô brincando!)

Tem na Amazon: aqui.

Álbum apresentado a este postulante que vos fala pelo fino gosto de Camilo Di Giorgi, inspirado pelos ventos do oriente (como diria o Avicenna): 前夕把中國人,管!
.

Feliz Páscoa!

Minha mãe sempre me disse: “oriente-se, rapaz!“. Bom, ela não pode reclamar, pois essa semana estou indo cada vez mais fundo no Oriente (o termo orientar remonta, dizem, à época das cruzadas, quando os olhos da Europa se voltavam novamente para Jerusalém. Orientar-se era voltar-se para a Terra Santa, para Cristo, e dar um sentido à sua vida). Assim, depois de passar pela Rússia, agora cheguei à China!

A história do catolicismo na China é bastante longa: já havia missionários católicos naquele imenso país no século XIII. Expulsos no início da dinastia Ming (1368-1644), eles retornaram nos fins do século XVI.Se estabeleceram em Macau, foram avançando no território e em poucos anos chegaram a Pequim. Ali tiveram como líder o jesuíta Matteo Ricci, que construiu a primeira capela naquela cidade no ano de 1605. Essa capela foi reconstruída e ampliada várias vezes e foi o embrião da atual Catedral Metropolitana de Pequim, a Igreja da Imaculada Conceição. Assim, os católicos têm uma presença ininterrupta de mais de 400 anos na capital do país mais populoso do mundo. Hoje, os eles são 15 milhões na China, ou seja, 1,15% da população do país.

<– Matteo Ricci (esq.) e Xu Guangqi (direita)

O que é mais interessante é que os missionários que se estabeleceram na China não encontraram uma cultura tecnologicamente menos desenvolvida, ou sociedades tribais, como aqui nas Américas ou na África: eles chegaram a um país muito bem estabelecido, com sistemas de governo e uma sociedade de tradições milenares, e com algumas técnicas e soluções mais arrojadas que o ocidente. A postura ante os chineses não poderia ser a de impor a cultura europeia, como foi feito aqui no Brasil, mas sim a de aceitar a complexa (e fantástica) cultura chinesa e adaptar-se a ela. Reparem que as imagens dos jesuítas chineses (como a de Matteo Ricci, acima) os apresentam com vestimentas orientais, aculturados. Além de tudo, os católicos que foram à China também encontraram uma gama imensa de instrumentos diferentes que a população tocava, além de um sistema musical próprio, estabelecido há milênios, diferente do que conheciam. Desse mesmo modo, a música sacra composta em terras orientais escaparia um tanto dos padrões europeus e acabaria se mesclando mais às formas chinesas.

É o que veremos nessas Véspera à Virgem Maria na China. Em alguns momentos soarão apenas os instrumentos de lá, com muitos pratos e pesada percussão, com aquele som estrondoso que parece mesmo a Ópera de Pequim (que deixa o pessoal da primeira fila meio surdo). Em outros, a música parecerá a nós, ocidentais, muito mais familiar, com um cadências muito mais italianizadas.

É bom que vocês percebam que essas Vésperas não são uma obra fechada, de um mesmo autor, mas uma compilação de obras de vários autores e de épocas diferentes, uma reunião de obras dentro de uma formação litúrgica para formar um todo coerente, montado a partir de vários fragmentos musicais e informações dispersas sobre a música católica chinesa.

Estes elementos díspares tornam possível para nós, se estamos preparados para nos aventurarmos em algumas hipóteses, reconstruir um serviço de Vésperas Marianas, ou para ser mais exato o “Pequeno Ofício da Santíssima Virgem” – Shengmu xiao rike em chinês – como descrito pelo Padre Buglio em 1676: uma quantidade considerável de música mariana em italiano e chinês, música de vésperas que não possuem o texto estritamente litúrgico, e alguns fragmentos da própria liturgia. Esta liturgia pode não ter sido destinada a toda a comunidade dos neófitos, para certos mistérios do Cristianismo (como a Imaculada Conceição e a Santíssima Trindade) foram muito suspeito aos olhos das autoridades chinesas a serem revelados a todos. A restauração “paralitúrgica” para os espectadores foi provavelmente dispensada fora da igreja.
A organização dos componentes musicais disponíveis tem seu lado arbitrário, mas é a única forma plausível para apresentar essas curiosidades da história da música: o Magnificat ou um madrigal de Francesco Anerio com um texto em chinês, a música original chinês composta pelo convertido Wu Yushan, conhecido como Wu Li, ou das “oito canções com acompanhamento de instrumentos ocidentais” escritas por Matteo Ricci, conhecido por ter sido o primeiro jesuíta a chegar na China (extraído e traduzido do encarte).

E ora, se as primeiras vésperas conhecidas, as de Monteverdi (aqui), foram uma compilação de peças compostas anteriormente por ele, porque a turma do XVIII-21 Musique des Lumières não poderia fazer o mesmo? Ainda, esse pessoal, comandado pelo Jean-Christophe Frisch, tem um toque de Midas: eles fazem uma leitura muito cuidadosa das obras que se propõem a executar (basta ver o esplendoroso Negro Spirituals au Brésil Baroque, já postado pelo Avicenna aqui) e tudo que fazem é muito bom! Só ouvindo pra entender.

Bom, em suma: é de cair o queixo! Ouça! Ouça! Deleite-se!

Palhinha: Ouça a última faixa, o fantástico Magnificat:

Vêpres à La Vierge en Chine
Véspera à Virgem Maria na China

Anônimo
01. La feuille de Saule
Joseph Marie Amiot (1719-1793)
02. Shengmu jing (Ave Maria)
Giovanni Francesco Anerio (1567-1630)
03. Alla Miracolosa Madonna
Matteo Ricci (1552-1610), Francesco Martini Fiamengo (1560c-1626c)
04. Le berger sur la colline
Francesco Martini Fiamengo (1560c-1626c)
05. Ardente desiderio di morir
06. Qual Ape al favo
Wu Li (1632-1718)
07. Louanges a la Sainte Mère
Francesco Martini Fiamengo (1560c-1626c)
08. Mentre piü coce
Wu Li (1632-1718)
09. Le demon de l’orgueil
Anônimo
10. La feuille de Saule
Matteo Ricci (1552-1610), Francesco Martini Fiamengo (1560c-1626c)
11. Equilibre interieur
Joseph Marie Amiot (1719-1793)
13. Sandixima (Priere à la Vierge)
Athanasius Kircher (1601c-1680), Lodovico Buglio (1606–1682)
14. Ave maris stella
Joseph Marie Amiot (1719-1793) / tradicional
15. L’aloes et le santal brülent / Salve Regina
Giovanni Francesco Anerio (1567-1630), Lodovico Buglio (1606–1682)
16. Magnificat

Shi Kelong, canto, declamação
Christophe Laporte, contralto, gongo daluo
Benoît Porcherot, tenor
Howard Shelton, tenor
Ronan Nedelec, barítono, címbalo xiaocha
Cyrille Gerstenhaber, soprano
Choeur du Beitang (Pequim)
XVIII-21 Musique des Lumières
Jean-Christophe Frisch, regente

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE 113Mb

EU POSTO UMA PÉROLA DESSAS E VOCÊ NÃO VAI NEM DAR UMA PALAVRINHA? COMENTA, VAI…

Coisa fofa Nossa Senhora e o Jesuzinho chineses!

Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!