J. S. Bach (1685-1750): The Gustav Leonhardt Edition (CDs 1, 2 e 3 de 21)


IM-PER-DÍ-VEL !!!

Toda a série aqui, ó.

Comentar alguma coisa? Mas para quê?

J. S. Bach (1685-1750): The Gustav Leonhardt Edition (CDs 1, 2 e 3 de 21)

CD 1: Johann Sebastian Bach

Concerto For Flute, Violin & Harpsichord In A Minor, BWV 1044
01. I Allegro
02. II Adagio Ma Non Tanto E Dolce
03. III Alla Breve

Concerto For Harpsichord In E Major, BWV 1053
04. I [Allegro]
05. II Ciciliano
06. III Allegro

Concerto For Harpsichord In D Major, BWV 1054
07. I [Allegro]
08. II Adagio E Sempre
09. III Allegro

Concerto For Harpsichord In A Major, BWV 1055
10. I Allegro
11. II Larghetto
12. III Allegro Ma Non Tanto

Frans Brueggen, flute – Marie Leonhardt, violin (BWV 1044)
Leonhardt-Consort / Gustav Leonhardt, harpsichord

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

CD 2: Johann Sebastian Bach

Concerto For Harpsichord In F Minor, BWV 1056
01. I [Allegro]
02. II Largo
03. III Presto

Concerto For Harpsichord & Two Recorders In F Major, BWV 1057
04. I [Allegro]
05. II Andante
06. III Allegro Assai

Concerto For Harpsichord In G Minor, BWV 1058
07. I [Allegro]
08. II Andante
09. III Allegro Assai

Concerto For Harpsichord & Oboe In D Minor, BWV 1059
10. I [Allegro]
11. II [Adagio]
12. III [Presto]

Concerto For Two Harpsichords In C Minor, BWV 1060
13. I Allegro
14. II Largo Ovvero Adagio
15. III Allegro

Eduard Mueller, harpsichord (BWV 1060)
Leonhardt-Consort / Gustav Leonhardt, harpsichord

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

CD 3: Johann Sebastian Bach

Concerto For Two Harpsichords In C Major, BWV 1061
01. I [Allegro]
02. II Adagio Ovvero Largo (Quartetto Tacet)
03. III Fuga Vivace

Concerto For Two Harpsichords In C Minor, BWV 1062
04. I [Allegro]
05. II Andante E Piano
06. III Allegro Assai

Concerto For Three Harpsichords In D Minor, BWV 1063
07. I [Allegro]
08. II Alla Siciliana
09. III Allegro

Concerto For Three Harpsichords In C Major, BWV 1064
10. I Allegro
11. II Adagio
12. III Allegro

Concerto For Four Harpsichords In A Minor, BWV 1065
13. I [Allegro]
14. II Largo
15. III Allegro

Eduard Mueller, harpsichord (BWV 1060, 1062, 1065)
Anneke Uittenbosch, harpsichord (BWV 1061, 1063, 1064, 1065)
Alan Curtis, harpsichord (BWV 1063, 1064)
Janny Van Wering, harpsichord (BWV 1065)
Leonhardt-Consort / Gustav Leonhardt, harpsichord

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Esse tocava!

Esse tocava!

Apoie os bons artistas, compre sua música!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J.S. Bach (1685-1750): Tombeau de Sa Majesté la Reine de Pologne — Trauerode BWV 198 / Missa BWV 234

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Fiquei muito entusiasmado com este CD cujo spalla e solista é o extraordinário violinista brasileiro Luís Otávio Santos. Para quem não o conhece — e vocês não estão nesse caso, claro — Santos desenvolve intensa carreira na Europa como líder e solista de notáveis grupos de música antiga, tais como La Petite Bande (Bélgica), Ricercar Consort (Bélgica e grupo deste disco) e Le Concert Français (França).

Aqui, com o Ricercar Consort, como já disse, Santos está na Missa BWV 234, algumas peças para órgão que separam as obras maiores e a fantástica Cantata BWV 198, Trauerode. Ah, a Trauerode (ou Trauer-ode)…  A Trauerode foi uma encomenda privada para marcar a morte de Christine Ebehardine, esposa de Augusto, eleitor da Saxônia e rei da Polônia, em um evento secular em Leipzig, dois meses após sua morte, em 17 de outubro de 1727. É uma tremenda música e a interpretação do Ricercar Consort e agregados é esplêndida!

J.S. Bach (1685-1750): Tombeau de Sa Majesté la Reine de Pologne — Trauerode BWV 198 / Missa BWV 234

Missa à 4 Voci. 2 Travers. 2 Violini, Viola e Cont BWV 234
1 Missa À 4 Voci. 2 Travers. 2 Violini, Viola e Cont, BWV 234: Kyrie 2:43
2 Missa À 4 Voci. 2 Travers. 2 Violini, Viola e Cont, BWV 234: Christe 1:44
3 Missa À 4 Voci. 2 Travers. 2 Violini, Viola e Cont, BWV 234: Kyrie 1:24
4 Missa À 4 Voci. 2 Travers. 2 Violini, Viola e Cont, BWV 234: Gloria 5:28
5 Missa À 4 Voci. 2 Travers. 2 Violini, Viola e Cont, BWV 234: Domine Deus 5:51
6 Missa À 4 Voci. 2 Travers. 2 Violini, Viola e Cont, BWV 234: Qui Tollis 6:15
7 Missa À 4 Voci. 2 Travers. 2 Violini, Viola e Cont, BWV 234: Quoniam 3:41
8 Missa À 4 Voci. 2 Travers. 2 Violini, Viola e Cont, BWV 234: Cum Sancto Spirito 3:06

9 Praeludium In Organo Pleno, Pedal, BWV 544 6:51

Tombeau de S.M. la Reine de Pologne — Trauerode BWV 198 (1st part)
10 Tombeau de Sa Majesté la Reine de Pologne, BWV 198: Chorus : Lass, Fürstin, Lass Noch Einen Strahl 5:28
11 Tombeau de Sa Majesté la Reine de Pologne, BWV 198: Recit : Dein Sachsen, Dein Bestürztes Meissen 1:17
12 Tombeau de Sa Majesté la Reine de Pologne, BWV 198: Aria : Verstummt, Verstummt, Ihr Holden Saiten! 3:19
13 Tombeau de Sa Majesté la Reine de Pologne, BWV 198: Recit : Der Glocken Bebendes Getön 0:58
14 Tombeau de Sa Majesté la Reine de Pologne, BWV 198: Aria : Wie Starb Die Heldin So Vergnügt! 6:56
15 Tombeau de Sa Majesté la Reine de Pologne, BWV 198: Recit : Ihr Leben Liess Die Kunst Zu Sterben 1:01
16 Tombeau de Sa Majesté la Reine de Pologne, BWV 198: Chorus : An Dir, Du Fürbild Grosser Frauen 1:58

17 Herzlich Tut Mich Verlangen À 2 Claviers Et Pédale, BWV 727 2:33

Tombeau de S.M. la Reine de Pologne — Trauerode BWV 198 (2nd part)
18 Tombeau de Sa Majesté la Reine de Pologne, BWV 198: Pars 2da Nach Gehaltener TrauerRede: Aria : Der Ewigkeit Saphirnes Haus 3:56
19 Tombeau de Sa Majesté la Reine de Pologne, BWV 198: Pars 2da Nach Gehaltener TrauerRede: Recit : Was Wunder Ist’s ? Du Bist Es Wert 2:31
20 Tombeau de Sa Majesté la Reine de Pologne, BWV 198: Pars 2da Nach Gehaltener TrauerRede: Chorus Ultimus Post 2am Partem : Doch Köningin Du Stirbest Nicht! 5:01

21 Fuga In Organo Pleno, Pedal, BWV 544 6:05

Katharine Fuge, soprano & Carlos Mena, alto
Jan Kobow, ténor & Stephan McLeod, basse
Francis Jacob, orgue
Ricercar Consort
Philippe Pierlot

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Bach corre para ver um concerto do Ricercar Consort

Bach corre para ver um concerto do Ricercar Consort

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): Grandes Obras para Órgão

IM-PER-DÍ-VEL !!!

A música para órgão é cada vez menos tocada. É óbvio: considerando-se as grandes proporções do instrumento e o fato de poucas salas de concerto ostentarem um desses monstros, tornam-se cada vez mais raros os concertos. Se a coisa vai melhor na Europa, nosso continente vai de mal a pior.

Por outro lado, uma das partes mais importantes do repertório bachiano foi escrita justamente para o órgão. Bach passava boa parte de suas horas noturnas improvisando (e compondo) ao instrumento. A liberdade que ele tinha nesta área pode ser espreitada ouvindo-se a Passacaglia BWV 582 e o Prelúdio e Fuga BWV 552, presentes nesta coletânea, para não falar na Tocata e Fuga em Ré Menor BWV 565. O homem era um maluco ao órgão. Peter Hurford — que gravou toda a obra de Bach para órgão em 17 CDs — faz uma arrebatadora seleção do melhor nestes dois CDs da Decca.

Se fosse você, não daria as costas para a riquíssima música para órgão. De Bach e de outros compositores

Se fosse você, não daria as costas para a riquíssima música para órgão. De Bach e de outros compositores. Já ouviram a música de Messiaen e Franck para o instrumento? Na foto, Peter Hurford em casa.

J. S. Bach (1685-1750): Great Organ Works

CD1:

1. J.S. Bach: Toccata and Fugue in D minor, BWV 565 9:17
2. J.S. Bach: Herzlich tut mich verlangen, BWV 727 2:19
3. J.S. Bach: Wachet auf, ruft uns die Stimme, BWV 645 (‘Sleepers, awake’) 5:11
4. J.S. Bach: Prelude (Fantasy) and Fugue in G minor, BWV 542 – “Great” 12:00
5. J.S. Bach: Liebster Jesu, wir sind hier, BWV 730 1:54
6. J.S. Bach: Passacaglia in C minor, BWV 582 12:53
7. J.S. Bach: Prelude and Fugue in E flat, BWV 552 15:48
8. J.S. Bach: Nun komm, der Heiden Heiland, BWV 659 5:00
9. J.S. Bach: Prelude (Fantasy) and Fugue in C minor, BWV 537 8:24

CD2:
1. J.S. Bach: Toccata, Adagio and Fugue in C, BWV 564 15:45
2. J.S. Bach: “In dulci jubilo”, BWV 729 2:36
3. J.S. Bach: Prelude and Fugue in A minor, BWV 543 10:30
4. J.S. Bach: Fantasia in G, BWV 572 7:50
5. J.S. Bach: Prelude and Fugue in D major, BWV 532 11:30
6. J.S. Bach: Nun freut euch, liebe Christen g’mein, BWV 734 2:00
7. J.S. Bach: Wo soll ich fliehen hin, BWV 694 3:02
8. J.S. Bach: Fantasia in C minor, BWV 562 5:59
9. J.S. Bach: Toccata and Fugue in D minor, BWV 538 “Dorian” 13:49

Peter Hurford, órgão

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

jhjhjh

Peter Hurford num sarauzinho intimista em sua sala

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J.S. Bach (1685-1750): Variações Goldberg (Esfahani)

IM-PER-DÍVEL !!!

Aqui está a aguardadíssima versão das Goldberg pelo jovem e muito talentoso cravista Mahan Esfahani. Ele faz uma assinatura bem estranha na Aria, mas depois nos mostra uma versão espetacular — que poderíamos chamar de vertiginosa sem pensar no lugar-comum — de uma das mais importantes obras de todos os tempos.

Abaixo, um texto de Milton Ribeiro sobre as Goldberg:

Eu nunca tive insônia. Talvez, em razão de alguma dor ou febre, não tenha dormido repousadamente apenas uns dez dias em minha vida. Não é exagero. Quando me deprimo, durmo mais ainda e acordar é ruim, péssimo. O sono é meu refúgio natural. Mas há pessoas que reclamam (muito) da insônia. Saul Bellow escreveu que ela o teria deixado culto, mas que preferiria ser inculto e ter dormido todas as noites — discordo do grande Bellow, acho que ele deveria ter ficado sempre acordado, escrevendo, vivendo e escrevendo para nós. Também poucos viram Marlene Dietrich na posição horizontal, adormecida. Kafka era outro, qualquer barulho impedia seu descanso, devia pensar no pai e passava suas noites acordado, amanhecendo daquele jeito… Groucho Marx, imaginem, era insone, assim como Alexandre Dumas e Mark Twain. Marilyn Monroe sofria muito e Van Gogh acabou daquele jeito não por ser daltônico.

O Conde Keyserling sofria de insônia e desejava tornar suas noites mais agradáveis. Ele encomendou a Bach, Johann Sebastian Bach, algumas peças que o divertissem durante a noite. Como sempre, Bach fez seu melhor. Pensando que o Conde se apaziguaria com uma obra tranquila e de base harmônica invariável, escreveu uma longa peça formada de uma ária inicial, seguida de trinta variações e finalizada pela repetição da ária. Quod erat demonstrandum. A recuperação do Conde foi espantosa, tanto que ele chamava a obra de “minhas variações” e, depois de pagar o combinado a Bach, deu-lhe um presente adicional: um cálice de ouro contendo mais cem luíses, também de ouro. Era algo que só receberia um príncipe candidato à mão de uma filha encalhada.

O Conde tinha a seu serviço um menino de quinze anos chamado Johann Gottlieb Goldberg. Goldberg era o melhor aluno de Bach. Foi descrito como “um rapaz esquisito, melancólico e obstinado” que, ao tocar, “escolhia de propósito as peças mais difíceis”. Perfeito! Goldberg era enorme e suas mãos tinham grande abertura. O menino era uma lenda como intérprete e o esperto Conde logo o contratou para acompanhá-lo não somente em sua residência em Dresden como em suas viagens a São Petersburgo, Varsóvia e Postdam. (Esqueci de dizer que o Conde Keyserling era diplomata). Bach, sabendo o intérprete que teria, não facilitou em nada. As Variações Goldberg, apesar de nada agitadas, são, para gáudio do homenageado, dificílimas. Nelas, as dificuldades técnicas e a erudição estão curiosamente associadas ao lúdico, mas podemos inverter de várias formas a frase. Dará no mesmo.

O nome da obra — Variações Goldberg, BWV 988 — é estranho, pois pela primeira vez o homenageado não é quem encomendou a obra, mas seu primeiro intérprete.

O princípio de quase toda obra de variações consiste em apresentar um tema e variá-lo. (Lembram que Elgar fez uma obra de variações sem apresentar o tema, chamando-a de Variações Enigma?). Assim, o ouvinte tem a impressão de estar ouvindo sempre algo que lhe é familiar e, ao mesmo tempo, novo. A escolha de Bach por esta forma mostrou-se adequada às pretensões do Conde. E a realização não poderia ser melhor, é uma das maiores obras disponibilizadas pela e para a humanidade pelo mais equipado dos seres humanos que habitou este planeta, J. S. Bach. O jogo criado pelo compositor irradia livre imaginação e enorme tranquilidade. A Teoria Geral das Belas-Artes, espécie de Bíblia artística goethiana de 1794, diz o seguinte sobre as Goldberg: “em cada variação, o elemento conhecido está associado, quase sem exceção, a um canto belo e fluido”. E está correto. Só esqueceu de dizer que tudo isso tinha propósito terapêutico.

É muito provável que o enfermo Conde concordasse com a Theorie para descrever seu prazer de ouvir aquela música, mas diria mais. Seus efeitos fizeram que Goldberg a tocasse centenas de vezes para ele. O cálice repleto de ouro significava gratidão pela diversão emocional e intelectual. Dormimos por estarmos calmos e felizes, talvez.

J.S. Bach (1685-1750): Variações Goldberg (Esfahani)

1. Aria
2. Variatio 1 a 1 Clav.
3. Variatio 2 a 1 Clav.
4. Variatio 3 a 1 Clav. Canone All’unisono
5. Variatio 4 a 1 Clav.
6. Variatio 5 a 1 Ovvero 2 Clav.
7. Variatio 6 a 1 Clav. Canone Alla Seconda
8. Variatio 7 a 1 Ovvero 2 Clav. Al Tempo Di Giga
9. Variatio 8 a 2 Clav.
10. Variatio 9 a 1 Clav. Canone Alla Terza
11. Variatio 10 a 1 Clav. Fughetta
12. Variatio 11 a 2 Clav.
13. Variatio 12 a 1 Clav. Canone Alla Quarta
14. Variatio 13 a 2 Clav.
15. Variatio 14 a 2 Clav.
16. Variatio 15 a 1 Clav. Canone Alla Quinta. Andante
17. Variatio 16 a 1 Clav. Ouverture
18. Variatio 17 a 2 Clav.
19. Variatio 18 a 1 Clav. Canone Alla Sesta
20. Variatio 19 a 1 Clav.
21. Variatio 20 a 2 Clav.
22. Variatio 21 a 1 Clav. Canone Alla Settima
23. Variatio 22 a 1 Clav. Alla Breve
24. Variatio 23 a 2 Clav.
25. Variatio 24 a 1 Clav. Canone All’ottava
26. Variatio 25 a 2 Clav. Adagio
27. Variatio 26 a 2 Clav.
28. Variatio 27 a 2 Clav. Canone Alla Nona
29. Variatio 28 a 2 Clav.
30. Variatio 29 a 1 Ovvero 2 Clav.
31. Variatio 30 a 1 Clav. Quodlibet
32. Aria Da Capo

Mahan Esfahani, cravo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Mas não é música para dormir?

Mas não é música para dormir?

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): Concertos para Flauta

Um bom disco. Um daqueles concertos reconstruídos, o quinto de Brandemburgo e a Abertura Nº 2, com sua Badinerie de todos os celulares. O cravista inventa bastante na cadenza do 5º brandenburguês… É um pouco decepcionante para quem ama aquele solo, mas OK, estamos no fim-de-semana, não vamos nos exaltar. É engraçado como ficou bonito e atlético — à exceção de sublime Andante — o concerto reconstruído a partir de três Cantatas. Vale a pena baixar, sim.

J. S. Bach (1685-1750): Concertos para Flauta

1 Flute Concerto in B Minor (reconstructed by F. Zimei): I. [Allegro] (after Non sa che sia dolore, BWV 209: Sinfonia) 5:52
2 Flute Concerto in B Minor (reconstructed by F. Zimei): II. [Andante] (after Durchlauchtster Leopold, BWV 173a: Aria: Guldner Sonnen frohe Stunden) 9:03
3 Flute Concerto in B Minor (reconstructed by F. Zimei): III. [Allegro] (after Vereinigte Zwietracht der wechselnden Saiten, BWV207: Aria: Augustus’ Namenstages Schimmer) 3:34

4 Concerto in D Major, BWV 1050a, “Brandenburg Concerto No. 5, early version”: I. Allegro 7:33
5 Concerto in D Major, BWV 1050a, “Brandenburg Concerto No. 5, early version”: II. Adagio 1:28
6 Concerto in D Major, BWV 1050a, “Brandenburg Concerto No. 5, early version”: III. Allegro 5:07

7 Overture (Suite) No. 2 in B Minor, BWV 1067: I. Ouverture 10:16
8 Overture (Suite) No. 2 in B Minor, BWV 1067: II. Rondeau 1:46
9 Overture (Suite) No. 2 in B Minor, BWV 1067: III. Sarabande 3:00
10 Overture (Suite) No. 2 in B Minor, BWV 1067: IV. Bourree I-II 2:09
11 Overture (Suite) No. 2 in B Minor, BWV 1067: V. Polonaise – Double 3:53
12 Overture (Suite) No. 2 in B Minor, BWV 1067: VI. Menuet 1:18
13 Overture (Suite) No. 2 in B Minor, BWV 1067: VII. Badinerie 1:27

Ensemble Aurora
Enrico Gatti, maestro di concerto

Marcello Gatti, traverso

Enrico Gatti, violin
Rossella Croce, violin
Joanna Huszcza, viola
Judith-Maria Olofsson, cello
Riccardo Coelati, violone
Michele Barchi, harpsichord

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Ô, Marcello, dá uma chamada neste cravista, aê.

Ô, Marcello, dá uma chamada nesse cravista, aê.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Testament: Complete Sonatas and Partitas for Solo Violin – Rachel Barton Pine

coverNestas minhas férias ‘sabáticas’ do PQPBach estou aproveitando para colocar em dia a audição de dezenas de CDs. E um dos que tem me chamado a atenção é este em que a violinista norte americana Rachel Barton Pine encara as Sonatas e Partitas de nosso pai musical, o bom e velho João Sebastião.

Já fazia algum tempo que eu não via tamanha unanimidade entre os clientes da amazon. E creio que por aqui não vai ser diferente. A menina é um assombro, um fenômeno. Encara com tal maturidade estas peças que parece que as toca há décadas.

Quem vai ficar muito feliz com este CD duplo é nosso mentor, PQPBach, fá confesso da moça, inclusive já teve a oportunidade de assistir uma apresentação sua ao vivo.

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Testament: Complete Sonatas and Partitas for Solo Violin

1 Sonata No. 1 in G Minor, BWV 1001: I. Adagio
2 Sonata No. 1 in G Minor, BWV 1001: II. Fuga
3 Sonata No. 1 in G Minor, BWV 1001: III. Siciliana
4 Sonata No. 1 in G Minor, BWV 1001: IV. Presto
5 Partita No. 1 in B Minor, BWV 1002: I. Allemanda
6 Partita No. 1 in B Minor, BWV 1002: II. Corrente
7 Partita No. 1 in B Minor, BWV 1002: III. Sarabande
8 Partita No. 1 in B Minor, BWV 1002: IV. Tempo di Borea
9 Sonata No. 2 in A Minor, BWV 1003: I. Grave
10 Sonata No. 2 in A Minor, BWV 1003: II. Fuga
11 Sonata No. 2 in A Minor, BWV 1003: III. Andante
12 Sonata No. 2 in A Minor, BWV 1003: IV. Allegro
13 Partita No. 2 in D Minor, BWV 1004: I. Allemanda
14 Partita No. 2 in D Minor, BWV 1004: II Corrente
15 Partita No. 2 in D Minor, BWV 1004: III. Sarabanda
16 Partita No. 2 in D Minor, BWV 1004: IV. Giga
17 Partita No. 2 in D Minor, BWV 1004: V. Ciaccona
18 Sonata No. 3 in C Major, BWV 1005: I Adagio
19 Sonata No. 3 in C Major, BWV 1005: II. Fuga
20 Sonata No. 3 in C Major, BWV 1005: III. Largo
21 Sonata No. 3 in C Major, BWV 1005: IV. Allegro assai
22 Partita No. 3 in E Major, BWV 1006: I. Preludio
23 Partita No. 3 in E Major, BWV 1006: II. Loure
24 Partita No. 3 in E Major, BWV 1006: III. Gavotte en rondeau
25 Partita No. 3 in E Major, BWV 1006: IV. Menuet I & II
26 Partita No. 3 in E Major, BWV 1006: V. Boureé
27 Partita No. 3 in E Major, BWV 1006: VI. Gigue

Rachel Barton Pine – Violino

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

1421252261928-cached

Essa menina vai longe !!!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): Toccata BWV 911 / Partita BWV 826 / English Suite No. 2 BWV 807

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Este ex-vinil é um grande sucesso de vendas da DG. É merecido. Ele nos mostra uma curiosa e nunca mais repetida versão de Martha Argerich, a versão bachiana. Seu Bach é sem sentimentalismos e de absoluta clareza e musicalidade. Ignoramos o motivo pelo qual ela nunca mais gravou Bach, o que torna este registro algo realmente precioso. O que ela faz na Bourée da Suíte Inglesa é algo do outro mundo, o mesmo valendo para a Toccata. A esplêndida pianista argentina nos mostra aqui uma voz distinta e irrepreensível. E a gente fica feliz de ouvir.

J. S. Bach (1685-1750): Toccata BWV 911 / Partita BWV 826 / English Suite No. 2 BWV 807

1 Toccata for keyboard in C minor, BWV 911 (BC L142) 11:02

Partita for keyboard No. 2 in C minor, BWV 826 (BC L2)
Allemande 4:15
3 Courante 4:18
4 Sarabande 2:08
5 Air 3:54
6 Menuet 1:17
7 Gigue 3:10

English Suite, for keyboard No. 2 in A minor, BWV 807 (BC L14)
8 Prélude 4:19
9 Allemande 2:56
10 Courante 1:31
11 Sarabande 4:08
12 Bourée 1/2 3:55
13 Gigue 3:19

Martha Argerich, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Retrato de Martita Quando Jovem, na época da gravação deste disco

Retrato de Martita Quando Jovem, época da gravação deste disco

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J.S. Bach (1685-1750): The Toccatas

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Nosso amigo FDP Bach me enviou um belo presente. Um pen drive. Dentro dele, apenas maravilhas. Está é a primeira delas. Nossa!, tenho especialíssima predileção pelas Toccatas de Bach e aqui as temos notavelmente interpretadas por Angela Hewitt, agora não mais em registro pirata mas em gloriosa gravação da Hyperion. Hewitt regravou tudo o que tinha feito de Bach. Antes utilizara um Steinway e agora usa um Fazioli. Muito melhor, segundo ela. Não discutiria depois de ouvir isto.

J.S. Bach (1685-1750): The Toccatas

1. Toccata for keyboard in C minor, BWV 911 (BC L142) (12:12)
2. Toccata for keyboard in G major, BWV 916 (BC L147) (7:27)
3. Toccata for keyboard in F sharp minor, BWV 910 (BC L146) (10:22)
4. Toccata for keyboard in E minor, BWV 914 (BC L145, 163) (6:49)
5. Toccata for keyboard in D minor, BWV 913 (BC L144) (11:41)
6. Toccata for keyboard in G minor, BWV 915 (BC L148) (9:00)
7. Toccata for keyboard in D major, BWV 912 (BC L143) (11:22)

Angela Hewitt, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Daí, ó, eu gravo tudo de novo no piano Fazioli

Daí, ó, eu gravo tudo de novo no piano Fazioli

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): Fantasia in C minor; Two-Part Inventions; Three-Part Inventions; Chromatic Fantasia & Fugue

Pois é, mais um desta série que irá longe. Não sou um apaixonado pelas curtas Invenções em duas e três partes para teclado, mas a Fantasia que abre o CD e a Fantasia e Fuga Cromática que o fecha são absolutamente matadoras, de absurda beleza. Vocês podem pensar que somos doidos varridos, mas eu e minha mulher dançamos a Fantasia BWV 906 aqui na sala de casa. Nada nos impedia e não havia ninguém nos filmando para depois colocar no YouTube… Então, tudo bem! Vocês podem tentar, afinal o domingo é um bom dia para loucuras.

J. S. Bach (1685-1750):
Fantasia in C minor; Two-Part Inventions; Three-Part Inventions;
Chromatic Fantasia & Fugue

1. Fantasia In C Minor, BWV906
2. Fifteen Two-Part Inventions, BWV772-786: Invention 1 In C Major
3. Fifteen Two-Part Inventions, BWV772-786: Invention 2 In C Minor
4. Fifteen Two-Part Inventions, BWV772-786: Invention 3 In D Major
5. Fifteen Two-Part Inventions, BWV772-786: Invention 4 In D Minor
6. Fifteen Two-Part Inventions, BWV772-786: Invention 5 In E Flat Major
7. Fifteen Two-Part Inventions, BWV772-786: Invention 6 In E Major
8. Fifteen Two-Part Inventions, BWV772-786: Invention 7 In E Minor
9. Fifteen Two-Part Inventions, BWV772-786: Invention 8 In F Major
10. Fifteen Two-Part Inventions, BWV772-786: Invention 9 In F Minor
11. Fifteen Two-Part Inventions, BWV772-786: Invention 10 In G Major
12. Fifteen Two-Part Inventions, BWV772-786: Invention 11 In G Minor
13. Fifteen Two-Part Inventions, BWV772-786: Invention 12 In A Major
14. Fifteen Two-Part Inventions, BWV772-786: Invention 13 In A Minor
15. Fifteen Two-Part Inventions, BWV772-786: Invention 14 In B Flat Major
16. Fifteen Two-Part Inventions, BWV772-786: Invention 15 In B Minor
17. Fifteen Three-Part Sinfonias (Inventions), BWV787-801: Sinfonia 1 In C Major
18. Fifteen Three-Part Sinfonias (Inventions), BWV787-801: Sinfonia 2 In C Minor
19. Fifteen Three-Part Sinfonias (Inventions), BWV787-801: Sinfonia 3 In D Major
20. Fifteen Three-Part Sinfonias (Inventions), BWV787-801: Sinfonia 4 In D Minor
21. Fifteen Three-Part Sinfonias (Inventions), BWV787-801: Sinfonia 5 In E Flat Major
22. Fifteen Three-Part Sinfonias (Inventions), BWV787-801: Sinfonia 6 In E Major
23. Fifteen Three-Part Sinfonias (Inventions), BWV787-801: Sinfonia 7 In E Minor
24. Fifteen Three-Part Sinfonias (Inventions), BWV787-801: Sinfonia 8 In F Major
25. Fifteen Three-Part Sinfonias (Inventions), BWV787-801: Sinfonia 9 In F Minor
26. Fifteen Three-Part Sinfonias (Inventions), BWV787-801: Sinfonia 10 In G Major
27. Fifteen Three-Part Sinfonias (Inventions), BWV787-801: Sinfonia 11 In G Minor
28. Fifteen Three-Part Sinfonias (Inventions), BWV787-801: Sinfonia 12 In A Major
29. Fifteen Three-Part Sinfonias (Inventions), BWV787-801: Sinfonia 13 In A Minor
30. Fifteen Three-Part Sinfonias (Inventions), BWV787-801: Sinfonia 14 In B Flat Major
31. Fifteen Three-Part Sinfonias (Inventions), BWV787-801: Sinfonia 15 In B Minor
32. Chromatic Fantasia And Fugue In D Minor, BWV903: Fantasia
33. Chromatic Fantasia And Fugue In D Minor, BWV903: Fugue

Angela Hewitt, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Um super show, Angie.

Um super show, Angie.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Cabezón / Byrd / Tallis / Bull / Sweelinck / Bach / Frescobaldi / Handel: Journey – 200 anos de música para cravo

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Trevor Pinnock tem cada gravação… O Messias dele… O que é aquilo? E as 6 Partitas de Bach? Aqui, ele resolveu fazer um disco-ostentação explorando 200 anos da história do cravo, entre 1550 e 1750, mais ou menos. O resultado é esplêndido de cabo a rabo, dando um pouquinho mais de espaço para meu pai, além de Handel e Scarlatti, o filho. Eu quase não consegui chegar ao Frescobaldi, tão boa achei sua interpretação da Suíte Francesa Nº 6. Longa vida para Pinnock que, de Pinóquio, só tem o narigão!

Cabezón / Byrd / Tallis / Bull / Sweelinck / Bach / Frescobaldi / Handel: Journey – 200 anos de música para cravo

1. Cabezón Diferencias sobre ‘El canto del caballero’

2. Byrd The Carman’s Whistle

3. Tallis O ye tender babes

4. Bull The King’s Hunt

5. Sweelinck Variations on ‘Mein junges Leben hat ein End’, SwWV 324

J.S. Bach French Suite No. 6 in E major, BWV 817
6. Prélude
7. Allemande
8. Courante
9. Sarabande
10. Gavotte
11. Polonaise
12. Bourée
13. Menuet
14. Gigue

15. Frescobaldi Toccata Nona

16. Frescobaldi Balletto primo e secondo

17. Handel Chaconne in G major, HWV 435

Scarlatti Three Sonatas in D major, K. 490-492
18. Sonata, K. 490: Cantabile
19. Sonata, K. 491: Allegro
20. Sonata, K. 492: Presto

Trevor Pinnock, cravo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Eu amo Trevor Pinnock e gostaria de ter um filho com ele.

Eu amo Trevor Pinnock e gostaria de ter um filho com ele.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J.S. Bach (1685-1750): Cantata do Café e dos Camponeses

Esplêndido CD com Emma Kirkby — musa ruiva preferencial de FDP Bach — em grande forma. Junto com ela e também na ponta dos cascos, a Academy of Ancient Music sob a direção de Christopher Hogwood. Um disco já antiguinho, mas delicioso com as duas Cantatas profanas mais famosas de nosso pai. Se você ouvir bem, sairá cantarolando as melodias por todo o fim-de-semana. Elas grudam, viu?

Schlendrian é um pai grosseiro e está preocupadíssimo porque sua filha Lieschen entregou-se à nova mania de tomar café. Todas as promessas e ameaças para desviá-la de tão detestável hábito foram infrutíferas até que, para dissuadi-la, ofereceu-lhe um marido. Lieschen aceita a idéia com entusiasmo e o pai parte apressadamente para conseguir-lhe um. Esta é a idéia principal da Cantata do Café, obra cômica de J. S. Bach, uma mini-ópera, que foi apresentada entre 1732 e 1735 na Kaffeehaus de Zimmermann, em Leipzig. A primeira Kaffeehaus da cidade foi aberta em 1694 — o café chegara à Alemanha em 1670 — e em 1735 a burguesia podia escolher entre oito privilegiadas casas.

A Kaffeekantate, BWV 211, foi encomendada a Bach por Zimmermann e é, em parte, uma ode ao produto (sim, puro merchandising) e, de outra parte, uma punhalada no movimento existente na Alemanha para impedir seu consumo pelas mulheres. Acreditava-se que o “negro veneno” pudesse causar descontrole e esterilidade ao sexo frágil, mas Bach, em troca do pagamento de Zimmermann, ignorou estes terríveis perigos. Senão, talvez não musicasse uma ária que diz: “Ah, como é doce o seu sabor. / Delicioso como milhares de beijos, / mais doce que um moscatel. / Eu preciso de café”; e nem nos brindaria com estas delicadezas…: “Paizinho, não sejas tão mau. / Se eu não beber meu café / as minhas curvas vão secar / as minhas pernas vão murchar / ninguém comigo irá casar”.

Bach aprendera muito bem, em sua vida familiar e em seu trabalho como professor, que influenciar os jovens não era assim tão fácil. Portanto, adicionou um recitativo no qual os planos de Lieschen são revelados: o homem que quiser casar com ela terá de consentir numa cláusula: o contrato matrimonial preverá que ela possa tomar café sempre que lhe apetecer.

No final, há um breve coro de três cantores, onde o café e a evolução são admitidos como coisas inevitáveis. Esta Cantata — ao lado de outras poucas obras vocais profanas — é uma evidente exceção na obra de Bach. O compositor, que possui a injusta fama de sério, aceitou o convite de Zimmermann para compor uma propaganda de seu Café e, como quase sempre fazia, produziu uma obra-prima, uma pequena comédia que funciona tanto no palco quanto nas salas de concertos. O efeito da primeira apresentação deve ter sido consideravelmente ampliado pelo fato de que às mulheres não era permitido cantar em cafés (nem em igrejas) e o papel de Lieschen foi, provavelmente, interpretado por um cantor em falsete. Bach, com o auxílio do poeta Picander, construiu dois personagens muito humanos e verossímeis: um pai resmungão e rústico e uma filha obstinada e cheia de caprichos. O compositor parece estar à vontade ao traçar a caricatura do pai com o baixo pesado, os ritmos acentuados e a prescrição con pompa, enquanto os violinos rosnam para indicar seu temperamento irascível.

Quando ele ameaça privar Lieschen de sua saia-balão de última moda, Bach indica seu tremendo diâmetro de forma escandalosa. A ária de Lieschen em louvor ao café é convencional, tão convencional que parece que o compositor quer insinuar que ela futilmente adotara tal hábito apenas para seguir a moda, o que seria um gol contra para Zimmermann. Entretanto, seu entusiasmo por um possível marido não é simulado… A alegria expressa na melodia em ritmo de dança popular é contagiosa. Para os puristas, o divino e sacro Bach chega a ser grosseiro: afinal, quando Lieschen diz que quer um amante fogoso e robusto, os violinos e as violas silenciam, como para deixar bem clara aos ouvintes a afirmativa sem rodeios. O Café Zimmermann deve ter vindo abaixo…

J.S. Bach (1685-1750): Cantata do Café e dos Camponeses

1. “Coffee Cantata” BWV211 – Schweigt stille, plaudert nicht…Hat man nicht mit seinen Kindern 4:10
2. “Coffee Cantata” BWV211 – Ei! wie schmeckt der Coffee susse 5:08
3. “Coffee Cantata” BWV211 – Mädchen, die von harten Sinnen 3:49
4. “Coffee Cantata” BWV211 – Heute noch 7:06 Album Only
5. “Coffee Cantata” BWV211 – Die Katze lässt das Mausen nicht 4:24

6. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 1. Ouverture The Academy of Ancient Music 2:10
7. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 2-3. Mer hahn en neue Oberkeet…Nu, Mieke, gib dein Guschel immer her 1:18
8. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 4-5 Ach es schmeckt doch gar zu gut 1:20
9. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 6-7. Ach, Herr Schösser, geht nicht gar zu schlimm 1:34
10. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 8-9. Unser trefflicher, lieber Kammerherr 2:06
11. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 10-11: Das ist galant, es spricht niemand 1:51
12. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 12-13. Fünfzig Taler bares Geld 1:08
13. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 14-15: Klein-Zsocher müsse so zart und süße 5:51
14. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 16-17: Es nehme zehntausend Dukaten 0:58
15. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 18-19: Gib, Schöne, viel Söhne 0:48
16. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 20-21: Dein Wachstum sei feste 5:57
17. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 22. Arie: Und daß ihr’s alle wißt 1:12
18. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 24. Chor (Duetto): Wir gehn nun, wo der Dudelsack 1:04

Emma Kirkby
David Thomas
Academy of Ancient Music
Christopher Hogwood

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Esses aí não conseguem mais parar de tomar café nem de cantar. Vicia.

Esses aí não conseguem mais parar de tomar café. Nem de cantar. É que vicia.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): O Cravo Bem Temperado (completo / Angela Hewitt)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Daqui a dias, semanas ou meses, se eu e este blog estivermos vivos, vou recolocar toda a obra para teclado de Bach gravada pela notável pianista canadense Angela Hewiit. Eu peço desculpas aos amantes de Gould, Schiff e de tantos outros que se aventuraram a tocar Bach no piano, mas afirmo que Hewitt lhes é superior. Está claro que, para alcançar as alturas que alcança, ela estudou direitinho e subiu sobre os ombros de gigantes como… o próprio Gould, é óbvio. Seu Cravo Bem Temperado ainda perde para o colorido do de Chorzempa, mas é boníssimo, como vocês poderão ouvir.

J. S. Bach (1685-1750): O Cravo Bem Temperado (completo / Angela Hewitt)

CD 1:
01] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Prelude #1 In C, BWV 846
02] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Fugue #1 In C, BWV 846
03] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Prelude #2 In C Minor, BWV 847
04] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Fugue #2 In C Minor, BWV 847
05] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Prelude #3 In C Sharp, BWV 848
06] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Fugue #3 In C Sharp, BWV 848
07] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Prelude #4 In C Sharp Minor, BWV 849
08] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Fugue #4 In C Sharp Minor, BWV 849
09] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Prelude #5 In D, BWV 850
10] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Fugue #5 In D, BWV 850
11] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Prelude #6 In D Minor, BWV 851
12] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Fugue #6 In D Minor, BWV 851
13] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Prelude #7 In E Flat, BWV 852
14] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Fugue #7 In E Flat, BWV 852
15] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Prelude #8 In E Flat Minor, BWV 853
16] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Fugue #8 In D Sharp Minor, BWV 853
17] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Prelude #9 In E, BWV 854
18] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Fugue #9 In E, BWV 854
19] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Prelude #10 In E Minor, BWV 855
20] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Fugue #10 In E Minor, BWV 855
21] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Prelude #11 In F, BWV 856
22] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Fugue #11 In F, BWV 856
23] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Prelude #12 In F Minor, BWV 857
24] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 1 – Fugue #12 In F Minor, BWV 857

BAIXE AQUI O CD1 — DOWNLOAD CD1 HERE

CD 2:
01] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.13 in F sharp major, BWV858:Prelude
02] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.13 in F sharp major, BWV858:Fugue
03] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.14 in F sharp minor, BWV859:Prelude
04] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.14 in F sharp minor, BWV859:Fugue
05] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.15 in G major, BWV860:Prelude
06] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.15 in G major, BWV860:Fugue
07] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.16 in G minor, BWV861:Prelude
08] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.16 in G minor, BWV861:Fugue
09] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.17 in A flat major, BWV862:Prelude
10] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.17 in A flat major, BWV862:Fugue
11] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.18 in G sharp minor, BWV863:Prelude
12] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.18 in G sharp minor, BWV863:Fugue
13] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.19 in A major, BWV864:Prelude
14] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.19 in A major, BWV864:Fugue
15] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.20 in A minor, BWV865:Prelude
16] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.20 in A minor, BWV865:Fugue
17] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.21 in B flat major, BWV866:Prelude
18] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.21 in B flat major, BWV866:Fugue
19] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.22 in B flat minor, BWV867:Prelude
20] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.22 in B flat minor, BWV867:Fugue
21] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.23 in B major, BWV868:Prelude
22] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.23 in B major, BWV868:Fugue
23] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.24 in B minor, BWV869:Prelude
24] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book I:No.24 in B minor, BWV869:Fugue

BAIXE AQUI O CD2 — DOWNLOAD CD2 HERE

CD 3:
01] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.1 in C major, BWV870:Prelude
02] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.1 in C major, BWV870:Fugue
03] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.2 in C minor, BWV871:Prelude
04] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.2 in C minor, BWV871:Fugue
05] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.3 in C sharp major, BWV872:Prelude
06] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.3 in C sharp major, BWV872:Fugue
07] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.4 in C sharp minor, BWV873:Prelude
08] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.4 in C sharp minor, BWV873:Fugue
09] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.5 in D major, BWV874:Prelude
10] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.5 in D major, BWV874:Fugue
11] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.6 in D minor, BWV875:Prelude
12] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.6 in D minor, BWV875:Fugue
13] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.7 in E flat major, BWV876:Prelude
14] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.7 in E flat major, BWV876:Fugue
15] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.8 in D sharp minor, BWV877:Prelude
16] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.8 in D sharp minor, BWV877:Fugue
17] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.9 in E major, BWV878:Prelude
18] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.9 in E major, BWV878:Fugue
19] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.10 in E minor, BWV879:Prelude
20] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.10 in E minor, BWV879:Fugue
21] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.11 in F major, BWV880:Prelude
22] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.11 in F major, BWV880:Fugue
23] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.12 in F minor, BWV881:Prelude
24] Bach: The Well-Tempered Clavier: Book II:No.12 in F minor, BWV881:Fugue

BAIXE AQUI O CD3 — DOWNLOAD CD3 HERE

CD 4:
01] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Prelude #13 In F Sharp, BWV 882
02] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Fugue #13 In F Sharp, BWV 882
03] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Prelude #14 In F Sharp Minor, BWV 883
04] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Fugue #14 In F Sharp Minor, BWV 883
05] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Prelude #15 In G, BWV 884
06] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Fugue #15 In G, BWV 884
07] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Prelude #16 In G Minor, BWV 885
08] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Fugue #16 In G Minor, BWV 885
09] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Prelude #17 In A Flat, BWV 886
10] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Fugue #17 In A Flat, BWV 886
11] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Prelude #18 In G Sharp Minor, BWV 887
12] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Fugue #18 In G Sharp Minor, BWV 887
13] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Prelude #19 In A, BWV 888
14] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Fugue #19 In A, BWV 888
15] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Prelude #20 In A Minor, BWV 889
16] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Fugue #20 In A Minor, BWV 889
17] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Prelude #21 In B Flat, BWV 890
18] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Fugue #21 In B Flat, BWV 890
19] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Prelude #22 In B Flat Minor, BWV 891
20] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Fugue #22 In B Flat Minor, BWV 891
21] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Prelude #23 In B, BWV 892
22] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Fugue #23 In B, BWV 892
23] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Prelude #24 In B Minor, BWV 893
24] Bach: The Well-Tempered Clavier, Book 2 – Fugue #24 In B Minor, BWV 893

BAIXE AQUI O CD4 — DOWNLOAD CD4 HERE

Angela Hewitt, piano

Angela Hewitt preparando-se para um momento de levitação

Angela Hewitt preparando-se para um momento de levitação

PQP

 

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J.S. Bach (1685-1750): Cantatas Seculares BWV 210 e 204

Mais um bom CD de Cantatas de Bach. Grande trabalho do soprano Dorothea Röschmann, do excelente Les Violons Du Roy e de Bernard Labadie. A BWV 210 é imensa, dura mais de 30 minutos e a 204 não lhe fica muito atrás em dimensões e qualidade. A Cantata é o gênero mais importante de música de câmara vocal do período barroco, o principal elemento musical do culto luterano. Desde o final do século XVIII, o termo foi aplicado a uma ampla variedade de obras, sacras e seculares, na maioria para coro e orquestra, desde as cantatas de Beethoven por ocasião da morte e sucessão de imperadores, até as cantatas soviéticas patrióticas de Shostakovich.

J.S. Bach (1685-1750): Cantatas Seculares BWV 210 e 204

1 O holder Tag, erwunschte Zeit, BWV 210: Recitative: O holder Tag, erwunschte Zeit 1:02
2 O holder Tag, erwunschte Zeit, BWV 210: Aria: Spielet, ihr beseelten Lieder 7:00
3 O holder Tag, erwunschte Zeit, BWV 210: Recitative: Doch, haltet ein, ihr munter Saiten 1:11
4 O holder Tag, erwunschte Zeit, BWV 210: Aria: Ruhet hie, matte Tone 6:24
5 O holder Tag, erwunschte Zeit, BWV 210: Recitative: So glaubt man denn, dass die Musik verfuhre 2:09
6 O holder Tag, erwunschte Zeit, BWV 210: Aria: Schweigt, ihr Floten, schweigt, ihr Tone 4:11
7 O holder Tag, erwunschte Zeit, BWV 210: Recitative: Was Luft? was Grab? 1:46
8 O holder Tag, erwunschte Zeit, BWV 210: Aria: Grosser Gonner, dein Vergnugen 3:09
9 O holder Tag, erwunschte Zeit, BWV 210: Recitative: Hochteurer Mann, so fahre ferner fort 1:22
10 O holder Tag, erwunschte Zeit, BWV 210: Aria: Seid begluckt, edle beide 5:33

11 Ich bin in mir vergnugt, BWV 204: Recitative: Ich bin in mir vergnugt 1:47
12 Ich bin in mir vergnugt, BWV 204: Aria: Ruhig und in sich zufrieden 7:13
13 Ich bin in mir vergnugt, BWV 204: Recitative: Ihr Seelen, die ihr ausser euch 2:03
14 Ich bin in mir vergnugt, BWV 204: Aria: Die Schatzbarkeit der weiten Erden 4:15
15 Ich bin in mir vergnugt, BWV 204: Recitative: Schwer ist es zwar, viel Eitles zu besitzen 2:22
16 Ich bin in mir vergnugt, BWV 204: Aria: Meine Seele sei vergnugt 6:27
17 Ich bin in mir vergnugt, BWV 204: Recitative – Arioso: Ein edler Mensch ist Perlenmuscheln gleich 2:35
18 Ich bin in mir vergnugt, BWV 204: Aria: Himmlische Vergnugsamkeit 4:16

Dorothea Röschmann, soprano
Les Violons Du Roy
Bernard Labadie

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Felizes e de boas: Le Violons du Roy

Felizes e de boas: Le Violons du Roy

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): Sonatas and Partitas for Solo Violin, BWV 1001-1006

Nos últimos dias, publicamos duas versões destas mesmas obras: a primeira por Holloway e a segunda uma estranha transposição para o violoncelo feita por Luolajan-Mikkola. Há dois anos atrás publicamos a melhor gravação que conheço, a de Beyer. Faz parte do jogo da música erudita ouvir várias versões. É um longo diálogo que visa abordar cada vez melhor cada obra. Os nomes citados acima são gente de primeira linha, ninguém é perna de pau, longe disso. Beyer dá, na minha opinião, a versão mais convincente, redonda e firme. Também chega com uma sonoridade linda, assim como Holloway. Tetzlaff é meio mão pesada, mas tem qualidades extraordinárias. Sua Chacona é espetacular.

Numa noite fria do século XVIII, Bach escrevia a Chacona da Partita Nº 2 para violino solo. A música partia de sua imaginação (1) para o violino (2), no qual era testada, e daí para o papel (3). Anos depois, foi copiada (4) e publicada (5). Hoje, o violinista lê a Chacona (6) e, de seus olhos, passa o que está escrito ao violino (9) utilizando para isso seu controverso cérebro (7) e sua instável, ou não, técnica (8). Do violino, a música passa a um engenheiro de som (10) que a grava em um equipamento (11), para só então chegar ao ouvinte (12), que se desmilingui àquilo.

Na variação entre todas essas passagens e comunicações, está a infindável diversidade das interpretações. Mas ainda faltam elos, como a qualidade do violino – e se seu som for divino ou de lata, e se ele for um instrumento original ou moderno? E o calibre do violinista? E seu senso de estilo e cultura? E o ouvinte? E… as verdadeiras intenções de Bach? Desejava ele que o pequeno violino tomasse as proporções gigantescas e polifônicas do órgão? Mesmo?

E depois tem gente que acha chata a música erudita…

J. S. Bach (1685-1750): Sonatas and Partitas for Solo Violin, BWV 1001 – 1006

Sonata I G-Moll / In G Minor, BWV 1001 (15:35)
1-1 Adagio 3:51
1-2 Fuga. Allegro 5:11
1-3 Sicilana 3:16
1-4 Presto 3:17
Partita I H-Moll / B Minor, BWV 1002 (25:59)
1-5 Allemanda 4:29
1-6 Double 2:21
1-7 Corrente 2:46
1-8 Double. Presto 3:02
1-9 Sarabanda 4:05
1-10 Double 3:09
1-11 Tempo Di Bourrée 3:11
1-12 Double 2:56
Sonata II A-Moll / A Minor, BWV 1003 (21:13)
1-13 Grave 3:52
1-14 Fuga 7:24
1-15 Andante 5:01
1-16 Allegro 4:56
Partita II D-Moll / D Minor, BWV 1004 (27:43)
2-1 Allemanda 4:15
2-2 Corrente 2:15
2-3 Sarabanda 4:03
2-4 Giga 3:43
2-5 Ciaccona 13:27
Sonata III C-Dur / C Major, BWV 1005 (21:17)
2-6 Adagio 3:48
2-7 Corrente 9:18
2-8 Largo 3:36
2-9 Allegro Assai 4:35
Partita III E-Dur / E Major, BWV 1006 (17:54)
2-10 Preludio 3:18
2-11 Loure 4:40
2-12 Gavotte En Rondeau 2:55
2-13 Menuet I 1:39
2-14 Menuet II 2:26
2-15 Bourrée 1:14
2-16 Giga 1:42

Christian Tetzlaff, violin

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Tetzlaff dando uma aulinha

Tetzlaff dando uma aulinha

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J.S. Bach (1685-1750): Cantatas Seculares (Cantata do Café, dos Camponeses e Para Leopoldo)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Excelente versão de três Cantatas Seculares de Bach, as famosas “do Café”, “dos Camponeses” e aquela composta para Leopoldo. A versão de Bernard Labadie e seus Les Violons Du Roy valorizam sobremaneira a música e o estilo destas Cantatas não religiosas. A Cantata do Café tem uma curiosa história:

Schlendrian é um pai grosseiro e está preocupadíssimo porque sua filha Lieschen entregou-se à nova mania de tomar café. Todas as promessas e ameaças para desviá-la de tão detestável hábito foram infrutíferas até que, para dissuadi-la, ofereceu-lhe um marido. Lieschen aceita a idéia com entusiasmo e o pai parte apressadamente para conseguir-lhe um. Esta é a idéia principal da Cantata do Café, obra cômica de J. S. Bach, uma mini-ópera, que foi apresentada entre 1732 e 1735 na Kaffeehaus de Zimmermann, em Leipzig. A primeira Kaffeehaus da cidade foi aberta em 1694 — o café chegara à Alemanha em 1670 — e em 1735 a burguesia podia escolher entre oito privilegiadas casas.

A Kaffeekantate, BWV 211, foi encomendada a Bach por Zimmermann e é, em parte, uma ode ao produto (sim, puro merchandising) e, de outra parte, uma punhalada no movimento existente na Alemanha para impedir seu consumo pelas mulheres. Acreditava-se que o “negro veneno” pudesse causar descontrole e esterilidade ao sexo frágil, mas Bach, em troca do pagamento de Zimmermann, ignorou estes terríveis perigos. Senão, talvez não musicasse uma ária que diz: “Ah, como é doce o seu sabor. / Delicioso como milhares de beijos, / mais doce que um moscatel. / Eu preciso de café”; e nem nos brindaria com estas delicadezas…: “Paizinho, não sejas tão mau. / Se eu não beber meu café / as minhas curvas vão secar / as minhas pernas vão murchar / ninguém comigo irá casar”.

Bach aprendera muito bem, em sua vida familiar e em seu trabalho como professor, que influenciar os jovens não era assim tão fácil. Portanto, adicionou um recitativo no qual os planos de Lieschen são revelados: o homem que quiser casar com ela terá de consentir numa cláusula: o contrato matrimonial preverá que ela possa tomar café sempre que lhe apetecer.

No final, há um breve coro de três cantores, onde o café e a evolução são admitidos como coisas inevitáveis. Esta Cantata — ao lado de outras poucas obras vocais profanas — é uma evidente exceção na obra de Bach. O compositor, que possui a injusta fama de sério, aceitou o convite de Zimmermann para compor uma propaganda de seu Café e, como quase sempre fazia, produziu uma obra-prima, uma pequena comédia que funciona tanto no palco quanto nas salas de concertos. O efeito da primeira apresentação deve ter sido consideravelmente ampliado pelo fato de que às mulheres não era permitido cantar em cafés (nem em igrejas) e o papel de Lieschen foi, provavelmente, interpretado por um cantor em falsete. Bach, com o auxílio do poeta Picander, construiu dois personagens muito humanos e verossímeis: um pai resmungão e rústico e uma filha obstinada e cheia de caprichos. O compositor parece estar à vontade ao traçar a caricatura do pai com o baixo pesado, os ritmos acentuados e a prescrição con pompa, enquanto os violinos rosnam para indicar seu temperamento irascível.

Quando ele ameaça privar Lieschen de sua saia-balão de última moda, Bach indica seu tremendo diâmetro de forma escandalosa. A ária de Lieschen em louvor ao café é convencional, tão convencional que parece que o compositor quer insinuar que ela futilmente adotara tal hábito apenas para seguir a moda, o que seria um gol contra para Zimmermann. Entretanto, seu entusiasmo por um possível marido não é simulado… A alegria expressa na melodia em ritmo de dança popular é contagiosa. Para os puristas, o divino e sacro Bach chega a ser grosseiro: afinal, quando Lieschen diz que quer um amante fogoso e robusto, os violinos e as violas silenciam, como para deixar bem clara aos ouvintes a afirmativa sem rodeios. O Café Zimmermann deve ter vindo abaixo…

J.S. Bach (1685-1750): Cantatas Seculares (Cantata do Café, dos Camponeses e Para Leopoldo)

1. Serenata: Durchlauchtster Leopold, BWV 173a: Recit: Durchlauchster Leopold
2. Serenata: Durchlauchtster Leopold, BWV 173a: Aria: Guldner Sonnen frohe Stunden
3. Serenata: Durchlauchtster Leopold, BWV 173a: Aria: Leopolds Vortrefflichkeiten
4. Serenata: Durchlauchtster Leopold, BWV 173a: Aria: Unter seinem Purpursaum
5. Serenata: Durchlauchtster Leopold, BWV 173a: Recit: Durchlauchtigster, den Anhalt Vater nennt
6. Serenata: Durchlauchtster Leopold, BWV 173a: Aria: So schau dies holden Tages Licht
7. Serenata: Durchlauchtster Leopold, BWV 173a: Aria: Dein Name gleich der Sonnen geh
8. Serenata: Durchlauchtster Leopold, BWV 173a: Chorus: Nimm auch, grosser Furst, uns auf

9. Schweigt stille, plaudert nicht, BWV 211 (Coffee Cantata): Recit: Schweigt stille, plaudert nicht
10. Schweigt stille, plaudert nicht, BWV 211 (Coffee Cantata): Aria: Hat man nicht mit seinen Kindern
11. Schweigt stille, plaudert nicht, BWV 211 (Coffee Cantata): Recit: Du boses Kind, du loses Madchen
12. Schweigt stille, plaudert nicht, BWV 211 (Coffee Cantata): Aria: Ei! wie schmeckt der Coffee susse
13. Schweigt stille, plaudert nicht, BWV 211 (Coffee Cantata): Recit: Wenn du mir nicht den Coffee lasst
14. Schweigt stille, plaudert nicht, BWV 211 (Coffee Cantata): Aria: Madchen, die von harten Sinnen
15. Schweigt stille, plaudert nicht, BWV 211 (Coffee Cantata): Recit: Nun folge, was dein Vater spricht!
16. Schweigt stille, plaudert nicht, BWV 211 (Coffee Cantata): Aria: Heute noch, lieber Vater, tut es doch
17. Schweigt stille, plaudert nicht, BWV 211 (Coffee Cantata): Recit: Nun geht und sucht der alte Schlendrian
18. Schweigt stille, plaudert nicht, BWV 211 (Coffee Cantata): Chorus: Die Katze lasst das Mausen nicht

19. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Sinfonia
20. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Aria (duetto): Mer hahn en neue Oberkeet
21. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Recit: Nu, Mieke, gib dein Guschel immer her!
22. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Aria: Ach, es schmeckt doch gar zu gut
23. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Recit: Der Herr ist gut
24. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Aria: Ach, Herr Schosser, geht nicht gar zu schlimm
25. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Recit: Es bleibt dabei
26. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Aria: Unser trefflicher lieber Kammerherr
27. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Recit: Er hilft uns allen, alt und jung
28. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Aria: Das ist galant
29. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Recit: Und unsre gnadge Frau
30. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Aria: Funfzig Taler bares Geld
31. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Recit: Im Ernst ein Wort!
32. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Aria: Klein-Zschocher musse
33. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Recit: Das ist zu klug fur dich
34. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Aria col Corne de Chasse: Es nehme zehntausend Dukaten
35. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Recit: Das klingt zu liederlich
36. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Aria: Gib, Schone
37. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Recit: Du hast wohl recht
38. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Aria: Dein Wachstum sei feste
39. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Recit: Und damit sei es auch genung
40. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Aria: Und dass ihrs alle wisst
41. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Recit: Mein Schatz! erraten!
42. Cantate burlesque: Mer hahn en neue Oberkeet, BWV 212: Chor: Wir gehn nun, wo der Tudelsack

Les Violons Du Roy
Bernard Labadie

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Cantata do Café

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): Missa em Si Menor, BWV 232

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Céus, que coisa linda este registro da Missa em Si Menor! A maior obra já escrita por um ser humano ganha aqui uma versão arrasadora de cabo a rabo, de cima a baixo. Nesta gravação destacada pela Gramophone inglesa, o que me deixou abobado foi a profunda compreensão da utilização dos corais. Nunca tinha-os ouvido tão claros. A Missa é uma obra para solistas e coral das mais espetaculares e o desempenho do Dunedin Consort permite um nível de clareza e de expressão que não são normais. Os cinco solistas, os sopranos Susan Hamilton e Cecilia Osmond, o contralto Margot Oitzinger, o tenor Thomas Hobbs e o baixo Matthew Brook, respondem com performances prenhes de musicalidade. Também as texturas orquestrais são perfeitas, transparentes. Uma coisa de louco. É CD para se ouvir muito e demais.

J. S. Bach (1685-1750): Missa em Si Menor, BWV 232

Disc 1
1 Kyrie eleison (Chorus) 9:39
2 Christe eleison (Soprano 1 and 2) 4:33
3 Kyrie eleison (Chorus) 2:45
4 Gloria in excelsis Deo (Chorus) 1:42
5 Et in terra pax (Chorus) 4:23
6 Laudamus te (Soprano 2) 4:08
7 Gratias agimus tibi (Chorus) 3:04
8 Domine Deus (Soprano 1, Tenor) 5:10
9 Qui tollis peccata mundi (Chorus) 2:45
10 Qui sedes ad dextram Patris (Alto) 3:57
11 Quoniam tu solus Sanctus (Bass) 4:09
12 Cum Sancto Spiritu (Chorus) 3:47

Disc 2
1 Credo in unum Deum (Chorus) 1:46
2 Patrem omnipotentem (Chorus) 1:54
3 Et in unum Dominum (Soprano 1, Alto) 4:11
4 Et incarnatus est (Chorus) 2:55
5 Crucifixus (Chorus) 3:02
6 Et resurrexit (Chorus) 4:02
7 Et in Spiritum Sanctum Dominum (Bass) 5:27
8 Confiteor unum baptisma (Chorus) 3:40
9 Et expecto resurrectionem mortuorum (Chorus) 2:07
10 Sanctus (Chorus) 4:58
11 Osanna (Double Chorus) 2:38
12 Benedictus (Tenor) 4:55
13 Osanna – Da capo (Double Chorus) 2:39
14 Agnus Dei (Alto) 4:26
15 Dona nobis pacem (Double Chorus) 3:15

Matthew Brook
Susan Hamilton
Thomas Hobbs
Cecilia Osmond
Margot Oitzinger
Dunedin Consort
Dunedin Players
John Butt

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Como conseguiste isso, Butt?

Como conseguiste isso, Butt?

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J.S. Bach (1685-1750): 6 Sonatas para Violino e Piano BWV 1014-19

Um excelente álbum duplo. Surpreende um pouco a opção de Jarrett pelo piano já que ele fez diversas gravações de Bach ao cravo. Mas ficou bonito. Michelle Makarki é uma excelente violinista, profunda conhecedora de Bach e o senso rítmico das Sonatas é mantido com brilhantismo. Penso que o conjunto esteja um degrau abaixo do registro da dupla inglesa Rachel Podger e Trevor Pinnock e do pessoal do Musica Antiqua Köln. Talvez minha escolha seja ditada por minha absoluta preferência pelo cravo nestas peças, mas talvez haja mais coisas. Ouvi apenas uma vez os CDs. Então, achei uma gravação digna, mas não uma first choice.

J.S. Bach (1685-1750): 6 Sonatas para Violino e Piano

Sonata No. 1 In b Minor BWV 1014
1-1 I Adagio 4:11
1-2 Il Allegro 2:57
1-3 Ill Andante 3:08
1-4 IV Allegro 3:18

Sonata No. 2 In A Major BWV 1015
1-5 I Dolce 3:01
1-6 Il Allegro 3:05
1-7 Ill Andante Un Poco 2:54
1-8 IV Presto 4:21

Sonata No. 3 In E Major BWV 1016
1-9 I Adagio 4:36
1-10 Il Allegro 2:53
1-11 Ill Adagio Ma Non Troppo 4:56
1-12 IV Allegro 3:40

Sonata No. 4 In c Minor BWV 1017
2-1 I Largo 4:42
2-2 Il Allegro 4:19
2-3 Ill Adagio 3:06
2-4 IV Allegro 4:41

Sonata No. 5 in f Minor BWV 1018
2-5 I (Largo) 8:06
2-6 Il Allegro 4:17
2-7 Ill Adagio 3:14
2-8 IV Vivace 2:40

Sonata No. 6 In G Major BWV 1019
2-9 I Allegro 3:32
2-10 Il Largo 1:45
2-11 Ill Allegro (Cembalo Solo) 4:43
2-12 IV Adagio 3:17
2-13 V Allegro 3:10

Violin – Michelle Makarski
Piano – Keith Jarrett

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Makarski parece meio apavorada com o que faz Jarrett, não?

Makarski parece meio apavorada com a calma de Jarrett, não?

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Brahms, Bach, Ravel, Chausson, Waxman: Música para violino e piano

Este disco é bom demais, mas tem limitações, sabem? O Brahms é MESMO NOTÁVEL, o Bach é LINDO DE MORRER, o Ravel é EXTRAORDINÁRIO, mas depois o pequepiano de verdade deverá desligar o computador ou o CD Player porque a coisa fica suspeita. Após uma transição meio estranha a cargo de Chausson — um francês que achei mela-cueca — , o tal Waxman faz um medley de Carmen que é das piores coisas que ouvi ultimamente. OK, o CD tem cara de recital. Daquele gênero de recital que começa com o filé e termina com aquela concessão ao gosto do público mais vulgar. É um estilo do qual não gosto. Mas, como diz Milton Ribeiro, futebol é bola na rede e o resto é secundário. Então ouçam o que e como quiserem. Mas de uma coisa tenham certeza, esses armênios aê são bons pra caralho.

Brahms, Bach, Ravel, Chausson, Waxman: Música para violino e piano

Brahms:
1. Violin Sonata No. 3 in D minor Op. 108: I. Allegro
2. Violin Sonata No. 3 in D minor Op. 108: II. Adagio
3. Violin Sonata No. 3 in D minor Op. 108: III. Un poco presto e con sentimento
4. Violin Sonata No. 3 in D minor Op. 108: IV. Presto agitato
Bach:
5. Ciaccona from Partita No.2 in D minor, BWV 1004 for violin solo
Ravel:
6. Tzigane, Rhapsodie de Concert
Chausson:
7. Poème Op. 25
Waxman:
8. Carmen Fantasie for Violin and Piano base on Themes from the Opera of Georges Bizet

Sergey Khachatryan, Violino
Lusine Khachatryan, Piano
Vladimir Khachatryan, Piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Sergey e Lusine Khachatryan, não encontramos Vladímir

Sergey e Lusine Khachatryan, não encontramos Vladímir

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750) – Violin Concertos – Jeanne Lemon, Tafelmusik Baroque Orquestra

frontEis mais um registro excelente do Tafelmusik, sob a direção competente da Jeanne Lemon, que para completar, ainda é uma baita violinista. Adoro estes concertos, sei lá quantas versões já ouvi, ou quantas tenho, só sei que adoro estes concertos.
Um CD ideal para ouvir em uma tarde chuvosa de um final de semana chuvoso. Música ideal para reflexão, para se pensar na vida. Espero que apreciem.

01. Concerto for Violin, Strings & b.c. in A minor, BWV 1041 I. (-)
02. II. Andante
03. III. Allegro assai
04. Concerto for 2 Violins, Strings & b.c. in D minor, BWV 1043 I. Vivace
05. II. Largo ma non tanto
06. III. Allegroo
07. Concerto for Violin, Strings & b.c. in E major, BWV 1042 I. Allegro
08. II. Adagio
09. III. Allegro assai
10. Concerto for 3 Violins, Strings & b.c. in D major, BWV 1064r I. Allegro
11. II. Adagio
12. III. Allegro

Jeanne Lemon – Violin & Music Director
Linda Melsted – solo violin -(4-6, 10-12)
David Greenberg solo violin (10-12)
Tafelmusik Baroque Orchestra

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750) – Sonatas para Flauta, BWV 1020, 1030-1032, Partita para Flauta Solo, BWV 1013

51oRRwQd5MLLink Revalidado a pedido do Charlles Campos. Esta postagem foi feita lá nos primórdios do blog, em 2007, há quase dez anos. O tempo passa, o tempo voa. Mas a qualidade desta gravação continua a mesma.

A PEDIDOS REUPEI O MEU CD QUE TEM 16 FAIXAS, COM A PARTITA PARA FLAUTA SOLO. QUEM QUISER, PODE BAIXAR NOVAMENTE ….

Como o final de semana está chegando, FDP Bach resolveu fazer três postagens peso-pesado para seus leitores/ouvintes, que apenas aos sábados e domingos tem tempo disponível para baixar e ouvir com mais atenção a estas pérolas…
Começarei com uma gravação antológica, e aproveitando também para fazer uma contraposição à última postagem do nosso colega Blue Dog: Algumas das mesmas sonatas para flauta de Bach postadas na versão de Jarrett/Petri nas mãos mágicas de Aurelè Nicolet e Karl Richter, dois dos maiores intérpretes do século XX da obra de nosso pai. Já a tive em vinil, aliás ainda a tenho, e quando a encontrei em cd nacional (????) quase tive um infarto de tão emocionado que fiquei..

P.S. Segundo comentário de cliente da amazon esta gravação não é apenas a melhor gravação já realizada destas obras mas a melhor gravação já realizada na história da indústria fonográfica.

Bem, vamos ao que interessa…

Johann Sebastian Bach – Sonaten für Flöte und obligates Cembalo BWV 1020, 1030-1032 e Partita a-mol für flöte solo BWV 1015

1 – Sonata in B minor BWV 1030 – Andante
2 – Sonata in B minor BWV 1030 – Largo e dolce
3 – Sonata in B minor BWV 1030 – Allegro

4 – Sonata in E flat major BWV 1031 – Allegro moderato
5 – Sonata in E flat major BWV 1031 – Siciliano
6 – Sonata in E flat major BWV 1031 – Allegro

7 – Sonata in A Major BWV 1032 – Vivace
8 – Sonata in A Major BWV 1032 – Largo e dolce
9 – Sonata in A Major BWV 1032 – Allegro

10 – Sonata in G minor BWV 1020 – Allegro
11 – Sonata in G minor BWV 1020 – Adagio
12 – Sonata in G minor BWV 1020 – Allegro

13 – Partita in A minor for flute solo, BWV 1013 – Allemande
14 – Partita in A minor for flute solo, BWV 1013 – Corrente
15 – Partita in A minor for flute solo, BWV 1013 – Sarabande
16 – Partita in A minor for flute solo, BWV 1013 – Bouree anglaise

Karl Richter – cravo
Aurelè Nicolet – Flauta

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

topelement

Aurèle Nicolet (1926-2016) – Uma singela homenagem a um dos maiores flautistas do Século XX, que faleceu no mês de Janeiro.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!