J. S. Bach (1685-1750): 7 Toccatas BWV 910-916

IM-PER-DÍ-VEL !!!! é pouco para esta criação e recreação de Glenn Gould. Talvez seja a mais radical experiência do pianista com seu amado Bach. Aqui, ele usa da mesma ousadia que utilizou com Mozart e Wagner e o resultado é estupendo. Conheci Gould através destas gravações onde ele canta enquanto toca e nas quais as partes lentas se arrastam e as rápidas voam. Glenn Gould obedeceu ao significado do termo “Toccata” de forma exemplar: afinal, a Toccata) é um gênero que enfatiza a destreza do intérprete. São composições para teclado nas quais uma das mãos e depois a outra realizam corridas virtuosísticas e brilhantes passagens em cascata contra uma acompanhamento de acordes na outra mão. A tocata barroca tem mais seções e aumentou de tamanho, intensidade e virtuosidade em relação à versão Renascentista, com frequência possui corridas rápidas e arpejos alternando com acordes ou seções de fuga. Algumas vezes falta a indicação regular de tempo e quase sempre tem um sentido de improvisação. Podem acreditar: Glenn Gould entendeu direitinho o espírito da coisa.

Indico fortemente este CD a todos os pequepianos.

J. S. Bach (1685-1750): 7 Toccate BWV 910-916 (Glenn Gould 1963/79/80)

01.Toccata in re maggiore BWV 912 (14:01)
02.Toccata in fa diesis minore BWV 910 (11;43)
03.Toccata in re minore BWV 913 (17:08)

01.Toccata in do minore BWV 911 (11:13)
02.Toccata in sol minore BWV 915 ((8:44)
03.Toccata in sol maggiore BWV 916) (8:52)
04.Toccata in mi minore BWV 914 (8:39)

Glenn Gould, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gould + Bach: costuma dar certo

Gould + Bach: costuma dar certo

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): As “Missas Brevis” Completas

Nancy Argenta à época desta gravação

Nancy Argenta à época desta gravação

A Missa Brevis é, literalmente, uma missa breve, curta. As quatro de Bach são compostas de seis movimentos — o formato usual é de cinco. Com pequenas variações uma para outra, são eles Kyrie, Gloria, Domine Deus, Qui tollis, Quoniam e Cum sancto Spiritu. O grupo inglês, chefiado pelo The Purcell Quartet, dá um banho de bola neste repertório pouco divulgado. Destaque máximo para Nancy Argenta e Michael Chance.

Lutheran Masses Vol. 1

Tracklist:
01-06. Missa Brevis, BWV235
07-12. Missa Brevis, BWV234

Com:
Susan Gritton, soprano
Robin Blaze, countertenor
Mark Padmore, tenor
Peter Harvey, bass
The Purcell Quartet

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Lutheran Masses Vol.  2

Tracklist:
01-03. Trio Sonata, BWV529
04-09. Missa Brevis, BWV236
10-15. Missa Brevis, BWV233

Com:
Nancy Argenta, soprano
Michael Chance, countertenor
Mark Padmore, tenor
Peter Harvey, bass
The Purcell Quartet

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O Purcell Quartet descansando.

O Purcell Quartet descansando.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): Variações Goldberg transcritas pelo e para o Fretwork (consort of viols)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Altíssima concentração de musicalidade, por assim dizer. O Fretwork é aquele típico consort of viols que toca desde a música veneziana do século XVI e que pode dar uma chegadinha a Bach e, talvez ir adiante. Soube que já tocaram Shostakovich! Sua abordagem às Goldberg é maravilhosa. Além disso, o CD é tem um som exuberante e a interpretação / arranjo para sexteto de violas faz inteira justiça à composição. Encantado, aprovei mais esta versão da obra que, provavelmente, mais postamos no PQP Bach desde a abertura do blog. O arranjo foi escrito por Richard Boothby e quem estiver em Cambridge no próximo dia 26 de maio poderá vê-los na nova versão de quarteto com A Arte da Fuga, de Bach. Favor enviar passagens e ingressos para minha residência.

O nova-iorquino Fretwork

Os ingleses do Fretwork

J. S. Bach: Variações Goldberg transcritas pelo e para o Fretwork (conjunto de violas da gamba)

Disc 1:
1. Goldberg Variations, BWV 988: Aria 4:56
2. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 1. 2:38
3. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 2. 1:31
4. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 3. Canone all’Unisono 2:24
5. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 4. 1:19
6. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 5. 1:55
7. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 6. Canone alla Seconda 1:34
8. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 7. Al tempo di Giga 1:57
9. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 8. 2:00
10. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 9. Canone alla Terza 2:12
11. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 10. Fughetta 1:32
12. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 11. 2:40
13. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 12. Canone alla Quarta 2:52
14. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 13. 6:31
15. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 14. 2:30
16. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 15. Canone alla Quinta: Andante 4:52

Disc 2:
1. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 16. Ouverture 3:01
2. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 17. 2:50
3. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 18. Canone alla Sesta 1:29
4. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 19. 1:06
5. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 20. 2:53
6. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 21. Canone alla Settima 3:39
7. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 22. Alla breve 1:35
8. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 23. 2:14
9. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 24. Canone all’Ottava 2:46
10. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 25. Adagio 7:40
11. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 26. 2:23
12. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 27. Canone alla Nona 2:22
13. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 28. 2:36
14. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 29. 2:41
15. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 30. Quodlibet 1:55
16. Goldberg Variations, BWV 988: Aria 5:22

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Éramos 6, hoje somos 4.

Éramos 6, hoje somos 4.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Violin Concerto No.1 in A minor, BWV 1041 e Violin Concerto No.2 in E, BWV 1042 e Sofia Gubaidulina (1931-) – In tempus praesens – Concerto for violin and orchestra

Um fabuloso CD com a minha musa Anne-Sophie Mutter. É um registro soberbo, magnífico. Talvez a minha admiração por Anne-Sophie Mutter e pela música de Bach exacerbe os conceitos que estou a emitir sobre o post. Acredito que aquele que escute este CD com atenção tem tudo para se impressionar. Surpreendente ainda é a peça de mais de 32 minutos da compositora russa Sofia Gubaidulina. Uma peça que nos transmite uma carga de dramaticidade e angústia notáveis. Arrebata. Entusiasma. Impressiona. Anne-Sophie consegue traduzir com beleza, suavidade, mas com uma tensão comovente as peças desse CD, principalmente a “Em praesens tempus”, de Sofia Gubaidulina. Gubaidulina presenteou a senhora Mutter com a peça. Gergiev conduz a obra à frente da Sinfônica de Londres. Os resenhistas da Amazon foram unânimes em dar 5 estrelas ao CD. Preste a atenção no concerto de Gubaidulina. Boa apreciação incontida!

Johann Sebastian Bach (1685-1750) – Violin Concerto No.1 in A minor, BWV 1041 e Violin Concerto No.2 in E, BWV 1042

Violin Concerto No.1 in A minor, BWV 1041
01. (Allegro Moderato)
02. Andante
03. Allegro assai

Violin Concerto No.2 in E, BWV 1042
04. Allegro
05. Adagio
06. Allegro assai

Trondheim Soloists
Anne-Sophie Mutter, violino e condução

Sofia Gubaidulina (1931-) – In tempus praesens – Concerto for violin and orchestra
07. In tempus praesens – Concerto for violin and orchestra

Anne-Sophie Mutter, violino
London Symphony Orchestra
Valery Gergiev, regente

BAIXAR AQUI — DOWNLOAD HERE

Anne Sophie Mutter chegando lá em casa.

Anne Sophie Mutter chegando lá em casa. (Contribuição de PQP para o post).

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): B-A-C-H: Ich ruf zu Dir (Franz Liszt / Ferruccio Busoni)

Aurelia Shimkus nasceu em Riga, na Letônia, em 1997. É jovem demais e meio mão pesada e sem sutileza para sair interpretando Bach por aí. Tem bom desempenho na porrada lisztiana que abre o CD, mas depois deixa transparecer certas ânsias heavy metal, principalmente, na linda e delicadíssima Ich ruf’ zu dir, Herr Jesu Christ, onde trata de enfiar a mão em momentos em que esta ficaria melhor no bolso.  Também detestei a transcrição de Busoni para a Toccata and Fugue. E não seria natural que a pianista enfrentasse a maior peça de Bach transcrita para o piano por Busoni? Por que ela fugiu disso aqui? Ah, Aurelia…

J. S. Bach (1685-1750): B-A-C-H: Ich ruf zu Dir

1 Fantasia and Fugue on the Theme B-A-C-H, S529/R22 12:43, de Liszt
2 Capriccio sopra la lontananza del fratello dilettissmo in B-Flat Major, BWV 992 10:37
3 10 Chorale Preludes, BV B 27: Ich ruf’ zu dir, Herr Jesu Christ, BWV 639 (arr. F. Busoni for piano) 3:57
4 10 Chorale Preludes, BV B 27: Komm, Gott Schopfer, BWV 667 (arr. F. Busoni for piano) 1:58
5 10 Chorale Preludes, BV B 27: Durch Adams Fall ist ganz verderbt, BWV 705 (arr. F. Busoni for piano) 7:04
6 Toccata and Fugue in D Minor, BWV 565 (arr. F. Busoni for piano) 9:05
7 Die Kunst der Fuge, BWV 1080: Fuga a 3 Soggetti (Contrapunctus XIV) 8:39

Aurelia Shimkus, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Aurelia, em foto Liszt-free

Aurelia, em foto Liszt-free

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J.S.Bach (1685-1750): Sinfonia da Cantata BVW 42, Concerto para 2 violinos, Concerto de Brandenburgo Nº 1 / Felix Mendelssohn (1809-1847): Sinfonia Nº 5 “Reforma”

Koopman exalta os músicos finlandeses. Justo.

Koopman exalta os músicos finlandeses. Justo.

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Certamente, este não é um CD regular, desses que você encontra na loja e compra. É um pirata da mais alta qualidade. É o registro de um concerto ao vivo no qual o grande Ton Koopman rege um repertório extraordinariamente bem bolado. O som — excelente, se considerarmos a situação — deve ter sido capturado através da Rádio Estatal Finlandesa, uma das mais ouvidas por PQP Bach em seu micro. Uma joia. Ao lado de obras de Bach, Koopman programou a Sinfonia Nº 5 de Mendelssohn, composta para as comemorações dos 300 anos da Reforma Protestante (1832).

Assim como Bach fazia em suas Cantatas, a Sinfonia de Mendelssohn está cheia de citações a hinos luteranos. Por exemplo, no primeiro movimento, a introdução lenta e solene, que alterna metais e cordas em pianíssimo, apresenta o Amen de Dresden, tema retirado da liturgia luterana do século XVIII da região da Saxônia. É contrastado por um vigoroso Allegro con fuoco e ao final é reapresentado o Amen de Dresden, que termina em grande agitação com um acorde menor se transformando em maior. E o último movimento é uma fantasia sobre o coral de Lutero Ein’ feste Burg ist unser Gott, o chamado Hino da Reforma, utilizado por Bach em sua maior Cantata, a BWV 80.

Minha opinião diverge cordialmente da de meu colega Carlinus: esta é a maior e mais importante Sinfonia de Mendelssohn e não a preferida dele, a de Nº 4, “Italiana”. Mas não vamos brigar por isso, de modo algum. É questão de gosto. Também não brigaremos sobre a competência de Ton Koopman, notável cravista, organista e regente.

J.S.Bach (1685-1750): Sinfonia da Cantata BVW 42, Concerto para 2 violinos, Concerto de Brandenburgo Nº 1 / Felix Mendelssohn (1809-1847): Sinfonia Nº 5 “Reforma”

Johann Sebastian Bach (1685-1750)
1. Sinfonia from Cantata BWV 42

2. Concerto in D Minor for Two Violins, BWV 1060
Allegro
Adagio
Allegro

3. Brandenburg concerto No. 1 in F major, BWV 1046
(Without tempo indication)
Adagio
Allegro
Menuetto – Trio I – Polacca – Trio II

Felix Mendelssohn Bartholdy (1809-1847)
4. Sinfonia No. 5 em Ré maior, Op. 107 – “Da Reforma”
Andante – Allegro com fuoco
Allegro vivace
Andante
Andante com moto – Allegro vivace – Allegro maestoso

Finnish Radio Symphony Orchestra
Ton Koopman, regente
Taija Kilpiö, violino
Emma Vähälä, violino

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Koopman calando a boca de todos.

Koopman calando a boca de todos.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750) – Complete Partitas – Richard Egarr

FrontEste cd duplo foi recém lançado pela Harmonia Mundi, ainda agora em março. Richard Egarr é um dos principais intérpretes de Bach da atualidade e suas gravações sempre são impecáveis, com um respeito profundo pela obra do genial alemão. Alguns ouvidos mais apurados podem achar que Egarr está um pouco lento demais, mas isso não tira a qualidade da interpretação. Na verdade, creio que faz algum tempo que não trazemos as partitas tocadas no cravo, então, nestes tempos de Angela Hewitt no topo das paradas bachianas com seu piano, nada como retornarmos ao bom e velho instrumento.

01 – Partita No. 1 in B-Flat Major, BWV 825; I. Praeludium
02 – Partita No. 1 in B-Flat Major, BWV 825; II. Allemande
03 – Partita No. 1 in B-Flat Major, BWV 825; III. Corrente
04 – Partita No. 1 in B-Flat Major, BWV 825; IV. Sarabande
05 – Partita No. 1 in B-Flat Major, BWV 825; V. Menuets I & II
06 – Partita No. 1 in B-Flat Major, BWV 825; VI. Gigue
07 – Partita No. 2 in C Minor, BWV 826; I. Sinfonia
08 – Partita No. 2 in C Minor, BWV 826; II. Allemande
09 – Partita No. 2 in C Minor, BWV 826; III. Courante
10 – Partita No. 2 in C Minor, BWV 826; IV. Sarabande
11 – Partita No. 2 in C Minor, BWV 826; V. Rondeaux
12 – Partita No. 2 in C Minor, BWV 826; VI. Capriccio
13 – Partita No. 4 in D Major, BWV 828; I. Ouverture
14 – Partita No. 4 in D Major, BWV 828; II. Allemande
15 – Partita No. 4 in D Major, BWV 828; III. Courante
16 – Partita No. 4 in D Major, BWV 828; IV. Aria
17 – Partita No. 4 in D Major, BWV 828; V. Sarabande
18 – Partita No. 4 in D Major, BWV 828; VI. Menuet
19 – Partita No. 4 in D Major, BWV 828; VII. Gigue

CD 2

01 – Partita No. 3 in A Minor, BWV 827; I. Fantasia
02 – Partita No. 3 in A Minor, BWV 827; II. Allemande
03 – Partita No. 3 in A Minor, BWV 827; III. Corrente
04 – Partita No. 3 in A Minor, BWV 827; IV. Sarabande
05 – Partita No. 3 in A Minor, BWV 827; V. Burlesca
06 – Partita No. 3 in A Minor, BWV 827; VI. Scherzo
07 – Partita No. 3 in A Minor, BWV 827; VII. Gigue
08 – Partita No. 3 in A Minor, BWV 827; VIII. Gigue (alternative version)
09 – Partita No. 5 in G Major, BWV 829; I. Praeambulum
10 – Partita No. 5 in G Major, BWV 829; II. Allemande
11 – Partita No. 5 in G Major, BWV 829; III. Corrente
12 – Partita No. 5 in G Major, BWV 829; IV. Sarabande
13 – Partita No. 5 in G Major, BWV 829; V. Tempo di Minuetta
14 – Partita No. 5 in G Major, BWV 829; VI. Passepied
15 – Partita No. 5 in G Major, BWV 829; VII. Gigue
16 – Partita No. 6 in E Minor, BWV 830 I. Toccata
17 – Partita No. 6 in E Minor, BWV 830; II. Allemande
18 – Partita No. 6 in E Minor, BWV 830; III. Corrente
19 – Partita No. 6 in E Minor, BWV 830; IV. Air
20 – Partita No. 6 in E Minor, BWV 830; V. Sarabande
21 – Partita No. 6 in E Minor, BWV 830; VI. Tempo di Gavotta
22 – Partita No. 6 in E Minor, BWV 830; VII. Gigue

Richard Egarr – Harpsichord

CD 1 – DOWNLOAD HERE
CD 2 – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): Variações Goldberg / Keith Jarrett

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Esta é 13ª gravação das Variações Goldberg que postamos aqui no PQP Bach. E aqui não há nenhuma derrapada (ver post anterior). Temos uma grande Goldberg! O registro de Jarrett pode estar abaixo do Grande Campeão Pierre Hantaï, de Gustav Leonhardt e das célebres gravações de Glenn Gould, mas está à frente de muita gente boa. Alguém com a técnica, a inteligência musical e sensibilidade de Jarrett não decepcionaria numa obra tão fundamental do repertório barroco. Com ornamentações contidas e algumas surpresas que remetem à gravação de Karl Richter, que não tenho em CD, só em vinil, Jarrett enfrenta as Goldberg com grande categoria. E no cravo.

Nosso fiel ouvinte-leitor FM, o número 7, completa:

Tem uma claridade sonora muito interessante, é super-preciso e com uns ornamentos bem colocados. Cadências fortes, bem fluidas, bem marcadas.

Acho que a principal marca que o KJ leva do piano jazz para o Bach é a consistência do andamento.

J. S. Bach (1685-1750): Variações Goldberg

1. Goldberg-Variationen – Aria 2:36
2. Goldberg-Variationen – Variatio 1 a 1 Clav. 1:17
3. Goldberg-Variationen – Variatio 2 a 1 Clav. 2:17
4. Goldberg-Variationen – Variatio 3 Canone all’Unisono. a 1 Clav. 2:43
5. Goldberg-Variationen – Variatio 4 a 1 Clav. 1:19
6. Goldberg-Variationen – Variatio 5 a 1 ovvero 2 Clav. 1:05
7. Goldberg-Variationen – Variatio 6 Canone alla Seconda. a 1 Clav. 1:42
8. Goldberg-Variationen – Variatio 7 a 1 ovvero 2 Clav. Al tempo di Giga 1:11
9. Goldberg-Variationen – Variatio 8 a 2 Clav. 1:12
10. Goldberg-Variationen – Variatio 9 Canone alla Terza. a 1 Clav. 2:23
11. Goldberg-Variationen – Variatio 10 Fughetta. a 1 Clav. 1:05
12. Goldberg-Variationen – Variatio 11 a 2 Clav. 1:24
13. Goldberg-Variationen – Variatio 12 Canone alla Quarta. (a 1 Clav.) 1:47
14. Goldberg-Variationen – Variatio 13 a 2 Clav. 2:57
15. Goldberg-Variationen – Variatio 14 a 2 Clav. 1:19
16. Goldberg-Variationen – Variatio 15 Canone alla Quinta. a 1 Clav. Andante 2:07
17. Goldberg-Variationen – Variatio 16 Ouverture. a 1 Clav. 3:10
18. Goldberg-Variationen – Variatio 17 a 2 Clav. 1:16
19. Goldberg-Variationen – Variatio 18 Canone alla Sesta. a 1 Clav. 0:55
20. Goldberg-Variationen – Variatio 19 a 1 Clav. 0:49
21. Goldberg-Variationen – Variatio 20 a 2 Clav. 1:14
22. Goldberg-Variationen – Variatio 21 Canone alla Settima. (a 1 Clav.) 2:58
23. Goldberg-Variationen – Variatio 22 a 1 Clav. Alla breve 0:53
24. Goldberg-Variationen – Variatio 23 a 2 Clav. 1:15
25. Goldberg-Variationen – Variatio 24 Canone all’Ottava. a 1 Clav. 1:44
26. Goldberg-Variationen – Variatio 25 a 2 Clav. Adagio 7:20
27. Goldberg-Variationen – Variatio 26 a 2 Clav. 1:18
28. Goldberg-Variationen – Variatio 27 Canone alla Nona. a 2 Clav. 1:22
29. Goldberg-Variationen – Variatio 28 a 2 Clav. 1:23
30. Goldberg-Variationen – Variatio 29 a 1 ovvero 2 Clav. 2:35
31. Goldberg-Variationen – Variatio 30 Quodlibet. a 1 Clav. 2:09
32. Goldberg-Variationen – Aria 2:34

Keith Jarrett, cravo

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Keith Jarrett à vontade no cravo

Keith Jarrett à vontade no cravo

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): Variações Goldberg

Já postei mais de dez versões das Goldberg nos últimos anos e não me canso de fazê-lo. Simone Dinnerstein (1972) é uma pianista norte-americana. Ele se tornou célebre, tanto crítica  quanto comercialmente, com esta gravação autofinanciada das Variações Goldberg, de 2007. Esta versão, poética e pessoal demais, talvez não seja a melhor porta de entrada para a obra, mas é um biscoito fino para conhecedores e bom assunto para brigas intermináveis. O grande problema está justamente no coração das Goldberg, a Variação 25, que Dinnerstein transforma numa pavana sem maior significado ou profundidade. É uma redução chocante que tem de ser compensada pela delicadeza do conjunto. Ouçam e julguem!

J. S. Bach (1685-1750): Variações Goldberg

1. Goldberg Variations: Aria – Goldberg Variations: Aria 5:39
2. Goldberg Variations: Variation 1 – Goldberg Variations: Variation 1 1:47
3. Goldberg Variations: Variation 2 – Goldberg Variations: Variation 2 2:35
4. Goldberg Variations: Variation 3 (Canone all’Unisono) – Goldberg Variations: Variation 3 (Canone all’Unisono) 3:24
5. Goldberg Variations: Variation 4 – Goldberg Variations: Variation 4 1:10
6. Goldberg Variations: Variation 5 – Goldberg Variations: Variation 5 1:23
7. Goldberg Variations: Variation 6 (Canone alla Seconda) – Goldberg Variations: Variation 6 (Canone alla Seconda) 1:22
8. Goldberg Variations: Variation 7 – Goldberg Variations: Variation 7 2:32
9. Goldberg Variations: Variation 8 – Goldberg Variations: Variation 8 1:53
10. Goldberg Variations: Variation 9 (Canone alla Terza) – Goldberg Variations: Variation 9 (Canone alla Terza) 1:53
11. Goldberg Variations: Variation 10 (Fughetta) – Goldberg Variations: Variation 10 (Fughetta) 1:31
12. Goldberg Variations: Variation 11 – Goldberg Variations: Variation 11 1:58
13. Goldberg Variations: Variation 12 (Canone alla Quarta) – Goldberg Variations: Variation 12 (Canone alla Quarta) 2:59
14. Goldberg Variations: Variation 13 – Goldberg Variations: Variation 13 5:15
15. Goldberg Variations: Variation 14 – Goldberg Variations: Variation 14 2:02
16. Goldberg Variations: Variation 15 (Canone alla Quinta) – Goldberg Variations: Variation 15 (Canone alla Quinta) 2:54
17. Goldberg Variations: Variation 16 – Goldberg Variations: Variation 16 1:59
18. Goldberg Variations: Variation 17 – Goldberg Variations: Variation 17 1:36
19. Goldberg Variations: Variation 18 (Canone alla Sesta) – Goldberg Variations: Variation 18 (Canone alla Sesta) 1:36
20. Goldberg Variations: Variation 19 – Goldberg Variations: Variation 19 1:49
21. Variation 20 – Goldberg Variations: Variation 20 1:48
22. Goldberg Variations: Variation 21 (Canone alla Settima) – Goldberg Variations: Variation 21 (Canone alla Settima) 4:20
23. Goldberg Variations: Variation 22 – Goldberg Variations: Variation 22 2:26
24. Goldberg Variations: Variation 23 – Goldberg Variations: Variation 23 1:58
25. Goldberg Variations: Variation 24 (Canone all’Ottava) – Goldberg Variations: Variation 24 (Canone all’Ottava) 2:15
26. Goldberg Variations: Variation 25 – Goldberg Variations: Variation 25 4:38
27. Goldberg Variations: Variation 26 – Goldberg Variations: Variation 26 1:44
28. Goldberg Variations: Variation 27 (Canone alla Nona) – Goldberg Variations: Variation 27 (Canone alla Nona) 2:05
29. Goldberg Variations: Variation 28 – Goldberg Variations: Variation 28 1:45
30. Goldberg Variations: Variation 29 – Goldberg Variations: Variation 29 2:17
31. Goldberg Variations: Variation 30 (Quodlibet) – Goldberg Variations: Variation 30 (Quodlibet) 2:00
32. Goldberg Variations: Aria – Goldberg Variations: Aria 3:29

Simone Dinnerstein, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Simone Dinnerstein: grave acidente no Km 25

Simone Dinnerstein: grave acidente no Km 25

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): Variações Goldberg

Dantone-K03[Decca]Esta gravação de Ottavio Dantone — o sujeito da capa ao lado — é excessivamente pessoal, talvez amalucada. Ele improvisa e ornamenta demais, o que poderia ser interessante se as novidades valessem a pena. Nem na repetição da ária de abertura ele deixa de incluir notas. O resultado deixa a desejar, principalmente se compararmos com a versão campeã de Pierre Hantaï, além das de Leonhardt, Gould e Karl Richter, mas, mesmo assim, a obra resiste. Dantone tem uma festejada integral das Sonatas de Domenico Scarlatti e gravou as Sonatas para Violino e Cravo com Viktoria Mullova — um registro também elogiadíssimo –, porém aqui derrapou na curva.

Não encontrei este CD na Amazon.

J. S. Bach – Variações Goldberg

Aria
Variation 1 à 1 clavier
Variation 2 à 1 clavier
Variation 3 Canone all’Unisuono à 1 clavier
Variation 4 à 1 clavier
Variation 5 a 1 ô Vero à 2 claviers
Variation 6 Canone alla Seconda à 1 clavier
Variation 7 à 1 ô vero à 2 claviers Al tempo di Giga
Variation 8 à 2 claviers
Variation 9 Canone alla Terza à 1 clavier
Variation 10 Fughetta à 1 clavier
Variation 11 à 2 claviers
Variation 12 Canone alla Quarta à 1 clavier
Variation 13 à 2 claviers
Variation 14 à 2 claviers
Variation 15 Canone alla Quinta – Antante à 1 claviers
Variation 16 Ouverture à 1 clavier
Variation 17 à 2 claviers
Variation 18 Canone alla Sexta à 1 clavier
Variation 19 à 1 clavier
Variation 20 à 2 claviers
Variation 21 Canone alla Settima à 1 clavier
Variation 22 Alla breve à 1 clavier
Variation 23 à 2 claviers
Variation 24 à 2 claviers
Variation 25 Adagio à 2 claviers
Variation 26 à 2 claviers
Variation 27 Canone alla Noma à 2 claviers
Variation 28 à 2 claviers
Variation 29 à 1 ô vero à 2 claviers
Variation 30 Quolibet à 1 clavier
Aria da Capo e Fine

Ottavio Dantone, cembalo

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

E não adianta me olhar com essa cara!

E não adianta me olhar com essa cara!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach(1685-1750): Trauerode BWV 198 Cantate BWV 78

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Johann Sebastian Bach — 332 anos hoje. Comemore com cerveja.

Este é um CD muito especial, especialíssimo. Trata-se de duas das maiores Cantatas de Bach interpretadas por esse monstro chamado Philippe Herreweghe e La Chapelle Royale. Para ficar melhor ainda, são duas Cantatas pouco divulgadas, pouco gravadas e que apenas pessoas como o Ranulfus (assim como este filho de Bach) reconhecem como obras-primas indiscutíveis. Não preciso consultar bibliografia nenhuma para concluir que, quando compôs a BWV 198, Bach certamente possuía um excelente coral à disposição, pois ele o explora como raramente fez em Cantatas. Um CD verdadeiramente extraordinário, desses de comprar para mostrar.

A Cantata 78 já foi cantada em prosa e verso pelo Ranulfus neste post. E eu digo que ela PERDE para a espetacular 198, mas, como não estamos numa disputa, quem ganha são os melômanos do PQP Bach.

J. S. Bach(1685-1750): Trauerode BWV 198 Cantate BWV 78

1. Trauerode, BWV 198: Coro “Laß, Fürstin, laß noch einen Strahl” 5:58
2. Trauerode, BWV 198: Recitativo (S) “Dein Sachsen” 1:10
3. Trauerode, BWV 198: Aria (S) “Verstummt!” 3:52
4. Trauerode, BWV 198: Recitativo (A) “Der Glocken bebendes Getön” 0:58
5. Trauerode, BWV 198: Aria (A) “Wie starb die Heldin so vergnügt” 7:23
6. Trauerode, BWV 198: Recitativo (T) “Ihr Leben ließ die Kunst zu sterben” 1:08
7. Trauerode, BWV 198: Coro “An dir, du Fürbild großer Frauen” 2:08
8. Trauerode, BWV 198: Pars secunda: Nach gehaltener Trauerrede. Aria (T) “Der Ewigkeit saphirnes Haus” 4:07
9. Trauerode, BWV 198: Pars secunda. Recitativo (B) “Was Wunder ist?” 2:28
10. Trauerode, BWV 198: Pars secunda. Chorus ultimus “Doch, Königin!” 5:09

11. Jesu, der du meine Seele, BWV 78: Coro “Jesu, der du meine Seele” 5:31
12. Jesu, der du meine Seele, BWV 78: Aria, duetto (S, A) “Wir eilen” 5:17
13. Jesu, der du meine Seele, BWV 78: Recitativo (T) “Ach! ich bin ein Kind der Sünden”2:09
14. Jesu, der du meine Seele, BWV 78: Aria (T) “Dein Blut” 3:22
15. Jesu, der du meine Seele, BWV 78: Recitativo (B) “Die Wunden, Nägel, Kron und Grab” 2:36
16. Jesu, der du meine Seele, BWV 78: Aria (B) “Nun du wirst mein Gewissen stillen” 3:09
17. Jesu, der du meine Seele, BWV 78: Choral “Herr, ich glaube” 1:05

Ingrid Schmithüsen
Charles Brett
Howard Crook
Peter Kooy

Collegium Vocale
La Chapelle Royale
Philippe Herreweghe

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Não, Philippe, a Cantata do Café a gente posta outro dia, tá?

Não, Philippe, a Cantata do Café a gente posta outro dia, tá?

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): Suítes para Violoncelo Solo (Cocset, completas)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Johann Sebastian Bach — 332 anos hoje. Comemore com cerveja.

A gravação definitiva, enquanto não chegar outra para ocupar o cargo.

Não vou escrever longamente sobre todos os registros das Suítes que ouvi nos últimos… bem, mais de quarenta anos, certamente. Gostava imensamente de Maurice Gendron e custei muito a passar minha preferência para Janos Starker, com quem fiquei por pouco tempo, logo passando a Anner Bylsma.

As famosíssimas versões de Yo-Yo Ma, Antônio Meneses e Mstislav Rostropovich são muito, mas muito mesmo, insatisfatórias. O trio é merecidamente famoso por trabalhos realizados fora da música barroca. Não é fácil adaptar-se à sonoridade toda própria destas obras. Eu, particularmente, acho muito chata a gravação para cumprir tabela do grande Rostropovich. É apenas correta. Os críticos a detonaram… Mas vende mais do que qualquer outra… Em razão da ignorância dos ouvintes, claro. O próprio Rostropovich, em entrevista à Gramophone na edição em que seu CD sofria críticas bastante severas, sugeriu discretamente que não tinha nada a acrescentar a um repertório que lhe era estranho.

Vamos a Cocset! Bruno Cocset não é apenas um violoncelista especializado no barroco que interpreta as suítes com um senso de estilo claro e definido. Sua gravação, realizada para a maravilhosa Alpha – que lhe fez uma belíssima caixa – tem algumas novidades que julgo muito boas. Não tenho condições de avaliar a utilização da corda mais alta estar afinada para sol em vez de lá na Quinta Suíte, nem da Sexta Suíte possuir uma quinta corda afinada para mi adicionada às quatro cordas habituais do cello (são exigências do compositor que Cocset obedeceu e não creio que outros além de Bylsma o tenham feito). O que me interessa é a tomada do som. Cada suíte foi gravada continuamente, sem interrupções, como num concerto. Cocset pensou que isso daria maior integridade à execução. Funcionou! Não houve correções e nós ouvimos alguns sons de marcenaria que a mim não incomodam nem um pouco. Até pelo contrário, gosto muito e o resultado é um ambiente de concerto que me deixa meio hipnotizado. Bom, opiniões…

O registro foi gravado em outubro de 2001 em Paris, na Chapelle de l`Hôpital Notre-Dame de Bon Secours . E é arrepiante de cabo a rabo.

Suítes para Violoncelo Solo 

CD 1:

1. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Prelude
2. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Allemande
3. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Courante
4. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Sarabande
5. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Menuett
6. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Gigue

7. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Prelude
8. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Allemande
9. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Courante
10. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Sarabande
11. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Menuett
12. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Gigue

13. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Prelude
14. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Allemande
15. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Courante
16. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Sarabande
17. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Bouree
18. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Gigue

CD 2:

1. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Prelude
2. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Allemande
3. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Courante
4. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Sarabande
5. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Bourree
6. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Gigue

7. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Prelude
8. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Allemande
9. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Courante
10. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Sarabande
11. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Gavotte
12. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Gigue

13. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Prelude
14. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Allemande
15. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Courante
16. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Sarabande
17. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Gavotte
18. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Gigue

Bruno Cocset, violoncelo

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Bruno Cocset e um amigo

Bruno Cocset e um amigo

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Trio Sonatas Completas para Órgão Solo BWV 525-530

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Johann Sebastian Bach — 332 anos hoje. Comemore com cerveja.

Certa literatura musical lá dos anos 20, 30 e 40 do século passado chamava essas Trio Sonatas como “a maior obra composta em todos os tempos” ao lado dos Concertos de Brandenburgo. Há pessoas que precisam ver pódios e há muitos anos este posto informal e bobo parece ter sido ocupado pela Missa em Si Menor, também de Bach. Lembro de como, nos anos 70, eu COMI o álbum duplo da Archiv (vinil) em que o organista Helmut Walcha tocava maravilhosamente essas obras. Peguei  emprestado na Biblioteca do Instituto Goethe de Porto Alegre e devolvi quase chorando 15 dias depois, não sem antes gravar tudo em mais de um cassete para garantir. O mundo deu muitas voltas e hoje Bach completa 332 anos de renascimentos diários em nossas mentes, estudos, ensaios, gravações e salas de concerto. Mesmo após tantos anos ouvindo estas obras elas ainda me causam arrepios. Achei linfa a abordagem de Benjamin Alard. Acho que vocês vão gostar também.

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Trio Sonatas Completas para Órgão Solo BWV 525-530

01. Trio Sonata for organ No.1 in E flat major, BWV 525 (BC J1) – I
02. Trio Sonata for organ No.1 in E flat major, BWV 525 (BC J1) – II. Adagio
03. Trio Sonata for organ No.1 in E flat major, BWV 525 (BC J1) – III. Allegro

04. Trio Sonata for organ No.2 in C minor, BWV 526 (BC J2) – I. Vivace
05. Trio Sonata for organ No.2 in C minor, BWV 526 (BC J2) – II. Largo
06. Trio Sonata for organ No.2 in C minor, BWV 526 (BC J2) – III. Allegro

07. Trio Sonata for organ No.3 in D minor, BWV 527 (BC J3) – I. Andante
08. Trio Sonata for organ No.3 in D minor, BWV 527 (BC J3) – II. Adagio e dolce
09. Trio Sonata for organ No.3 in D minor, BWV 527 (BC J3) – III. Vivace

10. Trio Sonata for organ No.4 in E minor, BWV 528 (BC J4) – I. Adagio – Vivace
11. Trio Sonata for organ No.4 in E minor, BWV 528 (BC J4) – II. Andante
12. Trio Sonata for organ No.4 in E minor, BWV 528 (BC J4) – III. Un poco allegro

13. Trio Sonata for organ No.5 in C major, BWV 529 (BC J5) – I. Allegro
14. Trio Sonata for organ No.5 in C major, BWV 529 (BC J5) – II. Largo
15. Trio Sonata for organ No.5 in C major, BWV 529 (BC J5) – III. Allegro

16. Trio Sonata for organ No.6 in G major, BWV 530 (BC J6) – I. Vivace
17. Trio Sonata for organ No.6 in G major, BWV 530 (BC J6) – II. Lento
18. Trio Sonata for organ No.6 in G major, BWV 530 (BC J6) – III. Allegro

Benjamin Alard, órgão

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Vocês podem não acreditar, mas estas são as mãos de Benjamin Alard

Vocês podem não acreditar, mas estas são as mãos de Benjamin Alard

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Toccata & Fuge

R-8201297-1457032379-1579.jpegJohann Sebastian Bach — 332 anos amanhã. Comemore com cerveja. Ele adorava!

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Muitos compositores posteriores a Bach utilizaram-se do quarteto de cordas para seus voos mais experimentais. Nascido antes da invenção de Haydn, Bach dava seus voos mais originais no atualmente fora de moda órgão. Esta é uma gravação lá dos anos 80, com Simon Preston jovem inteiramente à vontade. A maior parte da produção organística de Bach data da primeira parte de sua carreira, quando ocupou vários postos como organista. Depois de 1717 essa função não foi mais exercida oficialmente, ainda que seu interesse pelo instrumento jamais desaparecesse. Boa parte parece ter sido música de ocasião, dada a maneira dispersa que chegou a nós, sem circunstâncias claras, datas exatas ou maiores indicações. Chegaram a nós em cópias de baixa qualidade, para divertimento de estudiosos. Somente no final de sua vida ele se preocupou em revisar, organizar e publicar diversos trabalhos em coleções. Convencionou-se dividir em dois grupos principais essa parte de sua produção: um de peças baseadas em hinos luteranos, e outro de peças de livre inspiração, mas isso não implica a separação entre o seu uso litúrgico e não-litúrgico, havendo sobreposição neste aspecto. As peças de livre inspiração ocupam um lugar importante no conjunto de sua produção, compreendendo os tipos tocata, canzona, passacalha, fantasia, prelúdio e fuga e outros. De modo geral apresentam um estilo rapsódico típico dos mestres alemães da geração anterior a ele. São obras exuberantes e de grande efeito. Confiram!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Toccata & Fuge

Toccata & Fuge D-Moll BWV 565
1 Toccata
2 Fuge

Fantasie & Fuge G-Moll BWV 542
3 Fantasie
4 Fuge

Praeludium & Fuge F-Moll BWV 534
5 Praeludium
6 Fuge

Toccata & Fuge D-Moll BWV 538 “Dorische”
7 Toccata
8 Fuge

Orgelkonzert Nr.2 A-Moll BWV 593 (sobre o Concerto de Vivaldi Op. 3 Nº 8)
9 1. Ohne Tempobezeichnung
10 2. Adagio
11 3. Allegro

Choralvorspiele
12 Wachet Auf, Ruft Uns Die Stimme BWV 645
13 Kommst Du Nun, Jesus, Vom Himmel Herunter BWV 650
14 Schmücke Dich, O Liebe Seele BWV 654
15 Nun Danket Alle Gott BWV 657

Simon Preston, orgão

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Simon Preston feliz.

Simon Preston feliz.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J.S.Bach (1685-1750): Concerto Italiano, Fantasia e Fuga Cromática e Suítes Francesas (completas, de 1 a 6)

Johann Sebastian Bach — 332 anos amanhã. Comemore com cerveja. Ele adorava!

Bem, é o Concerto Italiano, a Fantasia e Fuga Cromática e a integral das Suítes Francesas. É óbvio que você deve ouvir tudo isso e ainda conhecer bem, muito bem. Wolfgang Rübsam é um pianista e organista com mais de 130 registros em CD, incluindo duas integrais da obra para órgão de Bach, a obra completa de Dietrich Buxtehude, Felix Mendelssohn-Bartholdy, César Franck e Louis Vierne para órgão. Como se não bastasse gravou boa parte das obras para cravo de meu pai em pianos modernos da marca Bösendorfer. Estas gravações são decididamente boas. O melhor de tudo são alguns andamentos realmente surpreendentes, que chamam a atenção do ouvinte. Baita CD duplo da Naxos!

J.S.Bach – Italian Concerto, Chromatic Fantasia & Fugue, French Suites Nos. 1 to 6

CD1:
Italian Concerto, BWV 971
– Allegro
– Andante
– (presto)

Chromatic Fantasia and Fugue in D Minos, BWV 903

French Suite No.1 in D Minor, BWV 812
– Allemande
– Courante
– Sarabande
– Menuets I & II
– Gigue

French Suite No.2 in C minor, BWV813
– Allemande
– Courante
– Sarabande
– Air
– Menuets I & II
– Gigue

CD2:
French Suite No.3 in B-minor BWV 814
– Allemande
– Courante
– Sarabande
– Anglaise
– Menuets I & II
– Gigue

French Suite No.4 in E flat-major BWV 815
– Allemande
– Courante
– Sarabande
– Gavotte
– Menuet
– Air
– Gigue

French Suite No.5 in G-major BWV 816
– Allemande
– Courante
– Sarabande
– Gavotte
– Bouree
– Loure
– Gigue

French Suite No.6 in E-major BWV 817
– Allemande
– Courante
– Sarabande
– Gavotte
– Menuet polonais
– Petit Menuet
– Bouree
– Gigue

Wolfgang Rubsam, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Quero ver ele é num teclado de computador, escrevendo uma matéria sobre o Eduardo Cunha

Quero ver ele é num teclado de computador, escrevendo uma matéria sobre o Eduardo Cunha

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): As Suítes Inglesas

Apesar dos longos bigodes que nos fazem pensar em alguém muito expansivo e escandaloso, Wolfgang Rübsam leva as Inglesas dum jeito low profile que me agrada em alguns momentos e me desagrada em outros. Sugiro que os próprios pequepianos façam seus julgamentos. Seria demais pedir que comentem algo após a audição?

J. S. Bach (1685-1750): As Suítes Inglesas


CD1

01. Suite No1 A-Dur BWV806 – 1. Prelude
02. Suite No1 A-Dur BWV806 – 2. Allemande
03. Suite No1 A-Dur BWV806 – 3. Courante I
04. Suite No1 A-Dur BWV806 – 4. Courante II
05. Suite No1 A-Dur BWV806 – 5. Double I
06. Suite No1 A-Dur BWV806 – 6. Double II
07. Suite No1 A-Dur BWV806 – 7. Sarabande
08. Suite No1 A-Dur BWV806 – 8. Bourree I & II
09. Suite No1 A-Dur BWV806 – 9. Gigue

10. Suite No2 A-Dur BWV807 – 1. Prelude
11. Suite No2 A-Dur BWV807 – 2. Allemande
12. Suite No2 A-Dur BWV807 – 3. Courante
13. Suite No2 A-Dur BWV807 – 4. Sarabande
14. Suite No2 A-Dur BWV807 – 5. Bourree I & II
15. Suite No2 A-Dur BWV807 – 6. Gigue

16. Suite No3 G-Moll BWV808 – 1. Prelude
17. Suite No3 G-Moll BWV808 – 2. Allemande
18. Suite No3 G-Moll BWV808 – 3. Courante
19. Suite No3 G-Moll BWV808 – 4. Sarabande
20. Suite No3 G-Moll BWV808 – 5. Gavotte I & II
21. Suite No3 G-Moll BWV808 – 6. Gigue


CD2

01. Suite No4 in F Maj BWV 809 – 1. Prelude
02. Suite No4 in F Maj BWV 809 – 2. Allemande
03. Suite No4 in F Maj BWV 809 – 3. Courante
04. Suite No4 in F Maj BWV 809 – 4. Sarabande
05. Suite No4 in F Maj BWV 809 – 5. Menuet 1 and 2
06. Suite No4 in F Maj BWV 809 – 6. Gigue

07. Suite No5 in E Min BWV 810 – 1. Prelude
08. Suite No5 in E Min BWV 810 – 2. Allemande
09. Suite No5 in E Min BWV 810 – 3. Courante
10. Suite No5 in E Min BWV 810 – 4. Sarabande
11. Suite No5 in E Min BWV 810 – 5. Passepied 1 and 2
12. Suite No5 in E Min BWV 810 – 6. Gigue

13. Suite No6 in D Min BWV 811 – 1. Prelude
14. Suite No6 in D Min BWV 811 – 2. Allemande
15. Suite No6 in D Min BWV 811 – 3. Courante
16. Suite No6 in D Min BWV 811 – 4. Sarabande
17. Suite No6 in D Min BWV 811 – 5. Double
18. Suite No6 in D Min BWV 811 – 6. Gavotte 1 and 2
19. Suite No6 in D Min BWV 811 – 7. Gigue

Wolfgang Rübsam, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Wolfgang Rubsam e seus belos bigodes

Wolfgang Rubsam e seus belos bigodes

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Concerti pour Clavecin – BWV 1044, 1052 e 1054 – Hantaï

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Dizer que Pierre Hantaï é um excepcional músico é chover no molhado. O mano PQP baba com a gravação deste francês para as Variações Goldberg, e não lhe tiro a razão. Mas o que este jovem instrumentista faz aqui neste CD está além de nossa capacidade de compreensão.

Tudo bem, ele foi aluno do mestre Leonhardt, mas ouso dizer que em alguns momentos ele superou o mestre, e a prova maior é com estas gravações dos Concertos para Cravo. Desde os primeiros dedilhados do Concerto BWV 1044 a gente já sente o que pode esperar: puro virtuosismo aliado à uma baita compreensão da obra de Bach, em todas as suas minúcias e detalhes. Usando sem temor o velho clichê, podemos dizer que ele tira leite da pedra, trazendo á tona uma sonoridade que dificilmente encontramos em outras gravações, mesmo as com o seu mestre Leonhardt, além de outras gravações históricas, como as de Karl Richter ou Trevor Pinnock.

O pequeno conjunto que lhe acompanha tem apenas sete músicos, mas vale por uma grande orquestra. Quando contei para o mano PQP o tamanho da “orquestra” ele respondeu: mas pra que mais?

Johann Sebastian Bach (1675-1750) – Concerti pour Clavecin – BWVs 1044, 1052 e 1054

01 – Concerto pour clavecin et cordes en ré majeur, BWV 1054 – I. Allegro
02 – Concerto pour clavecin et cordes en ré majeur, BWV 1054 – II. Adagio
03 – Concerto pour clavecin et cordes en ré majeur, BWV 1054 – III.  Allegro

04 – Prélude et fugue en si majeur, BWV 892 – I. Prélude
05 – Prélude et fugue en si majeur, BWV 892 – II. Fugue

06 – Concerto pour clavecin et cordes en ré mineur, BWV 1052 – I. Allegro
07 – Concerto pour clavecin et cordes en ré mineur, BWV 1052 – II. Adagio
08 – Concerto pour clavecin et cordes en ré mineur, BWV 1052 – III. Allegro

09 – Prélude et fugue en fa majeur, BWV 880 – I. Prélude
10 – Prélude et fugue en fa majeur, BWV 880 – II. Fugue

11 – Triple concerto en la mineur, BWV 1044 – I. Allegro
12 – Triple concerto en la mineur, BWV 1044 – II. Adagio ma non tanto, e dolce
13 – Triple concerto en la mineur, BWV 1044 – III. Alla breve

Pierre Hantaï – Clavecin et Direction
Le Concert Français

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Hantaï durante uma troca de óleo

Hantaï durante uma troca de óleo

FDP Bach (Revalidado por PQP)

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): Concertos de Brandenburgo

Preciso dizer alguma coisa sobre estes extraordinários seis concertos para os mais diversos instrumentos, cada um com sua própria cara, estilo e personalidade, cujas partituras serviram para enrolar carne no dia seguinte à sua primeira execução? Preciso dizer que é uma das maiores obras escritas pelo homem em todos os tempos? Não, né?

A gravação da Orchestra of the Age of Enlightenment não chega ao nível do Collegium Aureum, do Giardino Armonico ou do Café Zimmermann, mas está longe de ser uma mera second choice. É boa pra cacete e apenas perde para os citados.

J. S. Bach: Concertos de Brandenburgo

1. Brandenburg Concerto No. 1 in F BWV1046: I. [Allegro] Catherine MacKintosh/Paul Goodwin/Timothy Brown/Susan Dent/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 4:04
2. Brandenburg Concerto No. 1 in F BWV1046: II. Adagio Catherine MacKintosh/Paul Goodwin/Timothy Brown/Susan Dent/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 3:44
3. Brandenburg Concerto No. 1 in F BWV1046: III. Allegro Catherine MacKintosh/Paul Goodwin/Timothy Brown/Susan Dent/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 4:13
4. Brandenburg Concerto No. 1 in F BWV1046: IV. Menuet – Trio I – Menuet – Polonaise – Menuet – Trio II – Menuet Catherine MacKintosh/Paul Goodwin/Timothy Brown/Susan Dent/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 7:35

5. Brandenburg Concerto No. 2 in F BWV1047: I. [Allegro] Mark Bennett/Rachel Beckett/Paul Goodwin/Monica Huggett/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 5:07
6. Brandenburg Concerto No. 2 in F BWV1047: II. Andante Mark Bennett/Rachel Beckett/Paul Goodwin/Monica Huggett/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 3:44
7. Brandenburg Concerto No. 2 in F BWV1047: III. Allegro assai Mark Bennett/Rachel Beckett/Paul Goodwin/Monica Huggett/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 2:47

8. Brandenburg Concerto No. 3 in G BWV1048: I. [Allegro] Orchestra Of The Age Of Enlightenment/Alison Bury 5:36
9. Brandenburg Concerto No. 3 in G BWV1048: II. Adagio – III. Allegro Orchestra Of The Age Of Enlightenment/Alison Bury 5:00

10. Brandenburg Concerto No. 4 in G BWV1049: I. Allegro Monica Huggett/Rachel Beckett/Marion Scott/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 7:23
11. Brandenburg Concerto No. 4 in G BWV1049: II. Andante Monica Huggett/Rachel Beckett/Marion Scott/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 3:41
12. Brandenburg Concerto No. 4 in G BWV1049: III. Presto Monica Huggett/Rachel Beckett/Marion Scott/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 4:31

13. Brandenburg Concerto No. 5 in D BWV1050: I. Allegro Elizabeth Wallfisch/Lisa Beznosiuk/Malcolm Proud/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 9:22
14. Brandenburg Concerto No. 5 in D BWV1050: II. Affettuoso Elizabeth Wallfisch/Lisa Beznosiuk/Malcolm Proud/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 6:10
15. Brandenburg Concerto No. 5 in D BWV1050: III. Allegro Elizabeth Wallfisch/Lisa Beznosiuk/Malcolm Proud/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 5:12

16. Brandenburg Concerto No. 6 in B flat BWV1051: I. [Allegro] Orchestra Of The Age Of Enlightenment/Monica Huggett 5:24
17. Brandenburg Concerto No. 6 in B flat BWV1051: II. Adagio ma non tanto Orchestra Of The Age Of Enlightenment/Monica Huggett 4:30
18. Brandenburg Concerto No. 6 in B flat BWV1051: III. Allegro Orchestra Of The Age Of Enlightenment/Monica Huggett 5:29

Orchestra of the Age of Enlightenment
Paul Goodwin
Catherine Mackintosh
Rachel Beckett
Mark Bennett
Monica Huggett
Alison Bury
Marion Scott
Lisa Beznosiuk
Malcolm Proud
Elizabeth Wallfisch
Pavlo Beznosiuk
Richard Campbell
Sarah Cunningham
William Hunt
John Toll
Richard Tunnicliffe
Timothy Brown
Susan Dent

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Foto: PQP Bach, no Southbank Center

Foto: PQP Bach, no Southbank Center

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

A Família das Cordas: Johann Sebastian Bach (1685-1750) – Suítes para Violoncelo Solo executadas no Violoncello da Spalla – Sigiswald Kuijken

51mZ+2XL1bL._SX425_POSTAGEM ORIGINAL DE PQP BACH. IMAGENS POR VASSILY EM 30/10/2015,

Aproveitando a carona dessa nossa série sobre a Família das Cordas, reabilitamos os links para essa estupenda gravação do belga Sigiswald Kuijken. Sempre houve muita discussão dessas Suítes BWV 1007-1012, pois não há autógrafo do compositor, apenas uma cópia do punho de sua esposa Anna Magdalena, cheia de erros e inconsistências. Além disso, a verdadeira natureza do instrumento para o qual Bach concebeu essas obras também é objeto de polêmica, particularmente por conta da Suíte no. 6, que demanda um instrumento de cinco cordas. Alguns sustentaram que ele seria uma certa viola pomposa inventada pelo compositor, sobre cuja existência nunca houve provas além de anedotas. Outra possibilidade é o violoncello da spalla, cujo maravilhoso timbre, sob as mãos do violinista Kuijken, soa tão convincente que as dúvidas parecem dirimir.

Vassily Genrikhovich

POSTAGEM ORIGINAL DE PQP BACH EM 21/3/2009, EDITADA EM 28/2/2012

Filhos bastardos, eu e FDP não lembramos do 21 de março antes do dia de ontem. Improvisamos uma homenagem meio de qualquer jeito e acho que deu certo. Foram 5 posts com 10 impecáveis CDs.

Finalizamos nossa homenagem aos 324 anos de papai com uma nova versão para as Suítes para Violoncelo, tocadas pelo genial Sigiswald Kuijken num instrumento que hoje não se utiliza mais: o violoncello da spalla.

Ecce homo [Vassily]

Ei-los [Vassily]

Maior ainda que a viola, mas manuseado como se fosse um violino, o “violoncelo de ombro” presta-se a uma belíssima interpretação das suítes. E salve Mestre Kuijken!

IMPERDÍVEL!!!

Bach: Suítes para Violoncelo, BWV 1007-1012

CD 1

Suite N°1 in G major BWV 1007
1. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Prelude
2. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Allemande
3. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Courante
4. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Sarabande
5. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Menuett
6. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Gigue

Suite N°2 in d minor BWV 1008
7. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Prelude
8. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Allemande
9. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Courante
10. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Sarabande
11. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Menuett
12. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Gigue

Suite N°3 in C major BWV 1009
13. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Prelude
14. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Allemande
15. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Courante
16. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Sarabande
17. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Bouree
18. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Gigue

CD 2

Suite N°4 in E flat major BWV 1010
1. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Prelude
2. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Allemande
3. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Courante
4. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Sarabande
5. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Bourree
6. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Gigue

Suite N°5 in c minor BWV 1011
7. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Prelude
8. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Allemande
9. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Courante
10. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Sarabande
11. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Gavotte
12. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Gigue

Suite N°6 in D major BWV 1012
13. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Prelude
14. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Allemande
15. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Courante
16. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Sarabande
17. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Gavotte
18. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Gigue

Sigiswald Kuijken, violoncello da spalla

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Sonatas e Partitas para Violino Solo

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Não sabia muito sobre Christine Busch e achei monumental seu desempenho nestas obras de Bach. Ela as tornou novas e atraentes. Sua técnica é impecável, com frases fluídas e sem esforço, ritmos perfeitamente escolhidos e o um belo som de violino. Tendo trabalhado muitos anos com Nikolaus Harnoncourt e o Vienna Concentus Musicus, bem como com a Orquestra Barroca de Freiburg e a Orquestra de Câmara da Europa, Christine Busch está em casa tanto com violinos barrocos quanto com modernos. Nesta gravação de Sonatas e Partitas para violino solo de Bach, Busch toca um instrumento do século XVIII. O CD é maravilhoso. Ela sustenta um diálogo eloquente e suave — sim, é possível –, com grande charme expressivo. Recomendo fortemente este CD ao lado dos de Amandine Beyer e John Holloway nestas obras.

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Sonatas e Partitas para Violino Solo

01. Sonata No. 1 in G Minor BWV 1001 – I. Adagio
02. Sonata No. 1 in G Minor BWV 1001 – II. Fuga – Allegro
03. Sonata No. 1 in G Minor BWV 1001 – III. Siciliana
04. Sonata No. 1 in G Minor BWV 1001 – IV. Presto

05. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – I. Allemanda
06. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – II. Double
07. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – III. Corrente
08. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – IV. Double – Presto
09. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – V. Sarabande
10. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – VI. Double
11. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – VII. Tempo di Borea
12. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – VIII. Double

13. Sonata No. 2 in A Minor BWV 1003 – I. Grave
14. Sonata No. 2 in A Minor BWV 1003 – II. Fuga
15. Sonata No. 2 in A Minor BWV 1003 – III. Andante
16. Sonata No. 2 in A Minor BWV 1003 – IV. Allegro

CD 2
01. Partita No. 2 in D Minor BWV 1004 – I. Allemanda
02. Partita No. 2 in D Minor BWV 1004 – II. Corrente
03. Partita No. 2 in D Minor BWV 1004 – III. Sarabanda
04. Partita No. 2 in D Minor BWV 1004 – IV. Giga
05. Partita No. 2 in D Minor BWV 1004 – V. Ciaconna

06. Sonata No. 3 in C Major BWV 1005 – I. Adagio
07. Sonata No. 3 in C Major BWV 1005 – II. Fuga
08. Sonata No. 3 in C Major BWV 1005 – III. Largo
09. Sonata No. 3 in C Major BWV 1005 – IV. Allegro assai

10. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – I. Preludio
11. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – II. Loure
12. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – III. Gavotte En Rondeau
13. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – IV. Menuet I
14. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – V. Menuet II
15. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – VI. Bourrée
16. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – VII. Gigue

Christine Busch, violino

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Alerta, Busch não nada a ver com a Guerra do Iraque

Alerta, Busch não nada a ver com a Guerra do Iraque

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!