Johann Sebastian Bach (1685-1750) – Les Quatre Ouvertures – Suites pour orchestre – Les Concert des Nations – Jordi Savall

frontJ. S. Bach
Suites pour orchestre, BWV 1066, 1067, 1068, 1069

Les Concert des Nations
Jordi Savall

Com instrumentos de época. On period instruments.

Nosso amigo David, da Catalunha, (Gràcies, amic!) nos enviou mais uma obra prima de Jordi Savall, gravada em 1990 e aclamada pela crítica mundial.

Um leitor da Amazon escreveu: Eu tenho várias gravações dessas obras mas essa gravação é definitivamente a minha favorita. Savall apresenta estes trabalhos com grande solenidade e grande majestade.

A sua interpretação da famosa Ouverture (suite) III en Ré majeur, BWV 1068: 2. Air é a mais bonita que eu já ouvi. Mesmo Karajan (no DG), com todas as suas forças românticas não pode competir com Savall neste movimento.

A orquestra toca instrumentos de época e os membros da orquestra incluem artistas famosos como o fabuloso violinista Fabio Biondi. Gravado em 1990. Som ótimo.

Eu ainda admiro a antiga gravação de Karl Richter com a Münchener Bach-Orchester (no DG / Archiv), mas se devesse recomendar apenas uma, a de Savall seria a minha escolha.(tradução livre do Avicenna)

Vamos a ela, sem mais delongas!

Disco 1
01. Ouverture (suite) III en Ré majeur, BWV 1068: 1. (Ouverture)
02. Ouverture (suite) III en Ré majeur, BWV 1068: 2. Air
03. Ouverture (suite) III en Ré majeur, BWV 1068: 3. Gavotte I – Gavotte II
04. Ouverture (suite) III en Ré majeur, BWV 1068: 4. Bourrée
05. Ouverture (suite) III en Ré majeur, BWV 1068: 5. Gigue
06. Ouverture (suite) I en Ut majeur, BWV 1066: 1. (Ouverture)
07. Ouverture (suite) I en Ut majeur, BWV 1066: 2. Courante
08. Ouverture (suite) I en Ut majeur, BWV 1066: 3. Gavotte I alternativement – Gavotte II
09. Ouverture (suite) I en Ut majeur, BWV 1066: 4. Forlane
10. Ouverture (suite) I en Ut majeur, BWV 1066: 5. Menuett I alternativement – Menuett II
11. Ouverture (suite) I en Ut majeur, BWV 1066: 6. Bourrée I alternativement – Bourrée II
12. Ouverture (suite) I en Ut majeur, BWV 1066: 7. Passepied I – Passepied II

Disco 2
01. Ouverture (suite) II en Si mineur, BWV 1067: 1. (Ouverture)
02. Ouverture (suite) II en Si mineur, BWV 1067: 2. Rondeau
03. Ouverture (suite) II en Si mineur, BWV 1067: 3. Sarabande
04. Ouverture (suite) II en Si mineur, BWV 1067: 4. Bourrée l alternativement – Bourrée ll
05. Ouverture (suite) II en Si mineur, BWV 1067: 5. Polonaise; Double
06. Ouverture (suite) II en Si mineur, BWV 1067: 6. Menuett
07. Ouverture (suite) II en Si mineur, BWV 1067: 7. Badinerie
08. Ouverture (suite) IV en Ré majeur, BWV 1069: 1. Overture
09. Ouverture (suite) IV en Ré majeur, BWV 1069: 2. Bourrée I – Bourrée II
10. Ouverture (suite) IV en Ré majeur, BWV 1069: 3. Gavotte
11. Ouverture (suite) IV en Ré majeur, BWV 1069: 4. Menuett I alternativement – Menuett II
12. Ouverture (suite) IV en Ré majeur, BWV 1069: 5. Réjouissance

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 | 320 kbps | 234,9 MB |

powered by iTunes 12.5.4 | 1 h 46 min

Boa audição !

330e0eu

 

 

 

.

 

.

Avicenna

 

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

23º Festival de Música de Juiz de Fora: Georg Philipp Telemann (1681-1767) + J. S. Bach (1685-1750) + Johann Gottlieb Graun (1702-1771) + José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (1746-1805) Acervo PQPBach

2zrgu3t23º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora
2012

Com instrumentos de época. On period instruments.

 

Para este CD, a Orquestra Barroca preparou um programa com obras alemãs do início do século XVIII. Três personalidades : Telemann, Bach e Graun. Todos mostram essa característica marcante da música barroca alemã: a fusão dos estilos italiano e francês – tão díspares quanto mutuamente influentes – expressos através de uma profunda erudição e esmero artesanal.

avzx0
A Suite “Hamburger Ebb und Fluth” de G. P. Telemann é comumente chamada de “Música Aquática” por analogia à famosa suíte de Haendel, porém não foi assim batizada pelo seu autor. Ao contrário de Haendel, que compôs uma obra orquestral na qual a única ligação com a água foi a função de sua performance (executada num barco em Londres), a música de Telemann faz analogia à água através de suas ideias musicais. Desde a ouverture, o movimento das águas é sentido nos motivos temáticos da fuga central e da especial combinação de notas longas dos sopros e ritmos acelerados das cordas. As danças que compõem a suíte têm nomes próprios, com figuras da mitologia grega ligadas a água: Tétis, Netuno, Tritão, Éolo e Zéfiro. As alusões são de caráter retórico, e dão uma atmosfera diferente a cada dança, com ideias musicais nada convencionais – como o caso da giga que simula o sobe e desce das marés.

O concerto para violino em lá menor BWV 1041 de J. S. Bach é uma conhecida peça do repertório; é compreensível quando verificamos que esta foi uma das poucas obras do período barroco imortalizadas no cânone violinístico do período romântico, a partir da fundação do Conservatório de Paris, no início do século XIX. Desde então, uma tradição “romantizada” de interpretação desta obra de Bach se instalou de maneira profunda na pedagogia do violino, o que contribuiu para uma considerável distorção de sua visão interpretativa. Aqui, Bach faz uma perfeita imitação da música de A. Vivaldi (que só veio a ser redescoberto no início do século XX): o diálogo entre o violino solista e a orquestra, a técnica de composição do ritornello, os motivos musicais clichês do estilo italiano ostinatto e o cantabile, e a linguagem idiomática do violino, magnificamente mostrado no último movimento.

Por outro lado, Johann Gottlieb Graun é pouco conhecido do grande público, e sua obra menos ainda. Este excelente compositor fez parte de uma geração de artistas que gravitaram em torno de Frederico II, rei da Prússia. Frederico, o Grande, como ficou conhecido, tinha grande apreço pela música – ele próprio era flautista e tinha como tutor musical Quantz e C.P.E. Bach entre seus empregados. Neste seleto ambiente artístico produziu-se música de altíssimo nível e num estilo único, que viria a ser conhecido como escola de Berlim – associada ao gênero galante, ao estilo “sentimental” e ao movimento literário “sturm und drang”. A suite em lá menor para orquestra mostra bem a característica da escola de Berlim, com mudanças bruscas de affetto, passagens concertantes virtuosísticas para os sopros e uma decadente visão das danças em estilo francês.

Para terminar o CD, a obra Tercio de J. J. Emerico Lobo de Mesquita, que possui uma grande importância para o repertório colonial, pelo fato de ser, além de autografada e datada, preservada num manuscrito da partitura geral – ao contrário de tantas outras peças que nos chegaram somente através de partes separadas. A singeleza de Tercio é também emblemática: ela representa bem a produção musical brasileira dessa época, ao mesmo tempo funcional e talentosa, pois soube superar a precariedade evidente do ambiente colonial com uma tocante economia de recursos musicais, sem comprometer a criatividade e a beleza musical.

2zgw3kx

 

Georg Philipp Telemann (Alemanha, 1681-1767)
01. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 1. Ouverture Grave
02. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 2. Saraband. Die schlaffende Thetis
03. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 3. Bourée. Die erwachende Thetis
04. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 4. Loure. Der verliebte Neptune
05. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 5. Gavotte. Spielende Najaden
06. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 6. Harlequinade. Der Schertzende Tritonus
07. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 7. Der stürmende Aeolus
08. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 8. Menuet. Der angenehme Zephir
09. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 9. Gigue. Ebbe und Fluth
10. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 10. Canarie. Die lustigen Bots Leute
Johann Sebastian Bach (Alemanha 1685-1750)
11. Concerto para violino e orquestra em lá menor, BWV 1041 – 1. Allegro
12. Concerto para violino e orquestra em lá menor, BWV 1041 – 2. Andante
13. Concerto para violino e orquestra em lá menor, BWV 1041 – 3. Allegro assai
Johann Gottlieb Graun (Alemanha, 1702-1771)
14. Suite em lá menor para orquestra 1. Ouverture
15. Suite em lá menor para orquestra 2. Menuet – trio
16. Suite em lá menor para orquestra 3. Duetto
17. Suite em lá menor para orquestra 4. Menuet
18. Suite em lá menor para orquestra 5. Sarabande
19. Suite em lá menor para orquestra 6. Aria I
20. Suite em lá menor para orquestra 7. Aria II
21. Suite em lá menor para orquestra 8. Bourrée
22. Suite em lá menor para orquestra 9. Loure
23. Suite em lá menor para orquestra 10. Chaconne
José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (Vila do Príncipe, hoje Serro, MG, 1746- Rio de Janeiro, 1805)
24. Tercio – 1. Difusa est Gratia – Andante Lento
25. Tercio – 2. Padre Nosso
26. Tercio – 3. Ave Maria
27. Tercio – 4. Gloria

23º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juíz de Fora – 2012
Orquestra Barroca
Maestro Luis Otávio Santos
memoriaBAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 419,5 MB | HQ Scans 8,7 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 177,5 + 8,7 MB – 1,2 h
powered by iTunes 11.0.3

.

 

 

CD do acervo do musicólogo Prof. Paulo Castagna. Não tem preço !!!

Boa audição.

ww-sergio-aragones-wonder-woman-001

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

21º Festival de Música de Juiz de Fora: Georg Muffat (1653-1704) & J S Bach (1685-1750) & Lobo de Mesquita (1746- 1805): Acervo PQPBach

2805d0621º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora
2010

Com instrumentos de época. On period instruments.

 

José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita nasceu na Vila do Príncipe do Serro do Frio ( atual Serro – MC) por volta de 1746, provavelmente filho de um português e de uma escrava africana. Viveu, estudou e compôs várias músicas nessa Vila até 1783, quando se transferiu para o Arraial do Tejuco (atual Diamantina, MG), onde atuou intensamente como professor, organista e compositor. Os últimos anos de sua vida foram menos dedicados à composição e mais à procura de oportunidades profissionais em centros de maior atividade musical: em 1798 mudou-se para Vila Rica (atual Ouro Preto, MG) e, pouco tempo depois, para o Rio de Janeiro, a capital da colônia, onde morreu em 1805, depois de trabalhar por quatro anos como organista na Ordem Terceira do Carmo.

As duas pequenas e preciosas composições de Lobo de Mesquita, selecionadas dentre as mais de cinquenta hoje conhecidas desse autor, são ricamente interpretadas neste CD pela Orquestra Barroca do XXI Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga, liderada pelo talentoso e internacionalmente reconhecido Luís Otávio Santos.

Congratulamini mihi, a primeira de suas composições aqui gravadas, é aparentemente um Responsório destinado ao louvor a Nossa Senhora do Carmo, apesar de diferenças estruturais com o Responsório que normalmente integrava suas Matinas. Publiquei esta peça no v.1 da série Patrimônio Arquivístico – Musical Mineiro (PAMM 02), impresso pela Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais em 2008. A edição, que incluiu a reconstituição das partes de trompas, foi feita a partir do único manuscrito até agora conhecido dessa música (arquivado na Casa de Cultura de Santa Luzia, MG), copiado na primeira metade do século XIX e nunca antes referido nos catálogos de obras de Lobo de Mesquita. É interessante destacar também que esta é a primeira gravação do Congratulamini mihi de Lobo de Mesquita, o que somente reforça a importância desta iniciativa do Centro Cultural Pró- Música e, em particular, de seu diretor artístico Luís Otávio Santos.

Salve Regina é uma Antífona de Nossa Senhora, destinada a várias funções litúrgicas e paralitúrgicas, entre elas as Vésperas e as Missas dominicais. A única edição até agora existente dessa obra foi publicada por Francisco Curt Lange em Mendoza (Argentina) no ano de 1951, a partir do também único manuscrito conhecido (hoje arquivado no Museu da Inconfidência ), copiado em 1787 no Arraial do Tejuco, provavelmente pelo próprio compositor.

Como é freqüente nas composições de Lobo de Mesquita e de seus contemporâneos mineiros, suas obras participaram do estilo europeu do período, apesar da notória simplicidade, de uma certa defasagem cronológica e do “sotaque’ local. Percebemos que sua sonoridade herdou o comedimento da música sacra européia, mas também a dramaticidade da ópera setecentista, nessa época ainda mais preocupada com a beleza musical do que com a sua expressividade ou sentimentalidade, que seriam mais importantes apenas no século XIX. A maestria de Lobo de Mesquita, contudo, fez com que suas obras fossem mais numerosamente preservadas do que as de qualquer outro compositor mineiro do século XVIII.

Para além dos necessários aspectos técnico-musicológicos, no entanto, é sempre interessante perguntar por que damos ou deveríamos dar atenção às obras desse ou de outros compositores que participaram da formação do que é hoje o Brasil, quando o repertório internacional já conta com obras tão exuberantes e tão numerosas de Vivaldi, Bach, Mozart, Haydn e vários outros, para citar apenas autores do século XVIII? É certo que interesses religiosos, nacionalistas, regionalistas e institucionais, embora hoje irrelevantes ou pouco significativos em termos humanos, motivaram várias iniciativas musicais no decorrer do século XX, mas adotar exclusivamente tais motivações, em meio aos desafios bem mais profundos e complexos da atualidade, parece-me enorme falta de criatividade e desinteresse pela vida.

Sabemos que Vivaldi, Bach, Mozart e Haydn produziram muitas obras hoje internacionalmente idolatradas por sua beleza e genialidade, em grau incomparavelmente superior ao de toda a música de seus contemporâneos no Brasil e em todo o continente americano do período. Mesmo reconhecendo sua real e imensa contribuição cultural, é preciso considerar que os citados compositores não foram filhos de escravos africanos, nem mestiços nascidos em uma colônia européia na América, mais destinada à extração e envio de riquezas para a Europa do que à formação de uma sociedade melhor; não foram tratados com devastador preconceito pela sociedade branca da época, que neles viam quase somente seus servidores e não pessoas com necessidades físicas, sociais e espirituais; não tiveram que aprender música europeia fora da Europa e em condições precárias, a partir de pouquíssimos modelos e com os escassos e talvez despreparados mestres, que corajosamente se aventuraram por vilas recém-fundadas, dezenas de milhares de quilômetros distantes dos centros de emanação da cultura branca do período; não enfrentaram a forte competição profissional e a luta pela sobrevivência em meio a condições de vida bem mais desfavoráveis que as do Velho Mundo: nem tiveram a maior parte de suas composições perdidas ou mutiladas e nem impressas dois séculos após sua morte, por musicólogos que enfrentaram a inexistência ou incipiência do ensino musicologico em seus países, que driblaram o pouco interesse do público e da mídia para fazer circular esse tipo de repertório e que obtiveram, com muita dificuldade, os recursos para tal. Se Vivaldi, Bach, Mozart e Haydn tivessem nascido e vivido em Minas Gerais no século XVIII, provavelmente não teriam feito mais do que lá fez Lobo de Mesquita. E suas composições estariam começando a ser divulgadas apenas nas últimas décadas do século XX…

Mais do que compositor de uma religião, de uma instituição, de um país ou de uma de cidade, Lobo de Mesquita é um exemplo humano de criatividade, de adaptação a uma cultura imposta e de superação de condições de vida e de trabalho bastante desfavoráveis. É possível que, além de se perguntar o que ele deveria ser em sua sociedade, o compositor mulato tenha se perguntado o que ele poderia ser apesar dela? Se, para alguns, é o meio que produz o homem, é preciso admitir, diante de casos como este, que muitas vezes o homem supera as limitações impostas pelo meio e atinge resultados imprevistos e surpreendentes. Lobo de Mesquita fez, há duzentos anos, o que poucos de nós conseguiríamos fazer hoje em dia. Por que então, em lugar de diminuir o seu significado ou de julgá-lo a partir da cultura europeia, não poderíamos aprender com ele a superar nossos próprios limites e nossas condições de vida? Não temos garantias de que as religiões, as instituições, os países ou as cidades farão isso por nós.

(Paulo Castagna, extraído do encarte)

Orquestra Barroca
Georg Muffat (Savoy, France, 1653-1704)
01. Suite “Gratitudo” em ré menor, extraída de “Florilegium Primum” 1. Ouverture
02. Suite “Gratitudo” em ré menor, extraída de “Florilegium Primum” 2. Balet
03. Suite “Gratitudo” em ré menor, extraída de “Florilegium Primum” 3. Air
04. Suite “Gratitudo” em ré menor, extraída de “Florilegium Primum” 4. Bourrée
05. Suite “Gratitudo” em ré menor, extraída de “Florilegium Primum” 5. Gigue
06. Suite “Gratitudo” em ré menor, extraída de “Florilegium Primum” 6. Gavotte
07. Suite “Gratitudo” em ré menor, extraída de “Florilegium Primum” 7. Menuet
08. Sonata 2 em sol menor, extraída de “Armonico Tributo” 1. Grave
09. Sonata 2 em sol menor, extraída de “Armonico Tributo” 2. Allegro
10. Sonata 2 em sol menor, extraída de “Armonico Tributo” 3. Grave
11. Sonata 2 em sol menor, extraída de “Armonico Tributo” 4. Aria
12. Sonata 2 em sol menor, extraída de “Armonico Tributo” 5. Grave
13. Sonata 2 em sol menor, extraída de “Armonico Tributo” 6. Borea
14. Suite “Sperantis Gaudia” em sol menor, extraída de “Florilegium Primum” 1. Ouverture
15. Suite “Sperantis Gaudia” em sol menor, extraída de “Florilegium Primum” 2. Balet
16. Suite “Sperantis Gaudia” em sol menor, extraída de “Florilegium Primum” 3. Bourrée
17. Suite “Sperantis Gaudia” em sol menor, extraída de “Florilegium Primum” 4. Rondeau
18. Suite “Sperantis Gaudia” em sol menor, extraída de “Florilegium Primum” 5. Gavotte
19. Suite “Sperantis Gaudia” em sol menor, extraída de “Florilegium Primum” 6. Menuet I et II
20. Sonata 5 em sol Maior, extraída de “Armonico Tributo” 1. Allemanda
21. Sonata 5 em sol Maior, extraída de “Armonico Tributo” 2. Adagio
22. Sonata 5 em sol Maior, extraída de “Armonico Tributo” 3. Fuga
23. Sonata 5 em sol Maior, extraída de “Armonico Tributo” 4. Adagio
24. Sonata 5 em sol Maior, extraída de “Armonico Tributo” 5. Passagaglia Grave
Johann Sebastian Bach (1685-1750)
25. Ouverture (suite) n. 4 em ré Maior, BWV 1069 1. Ouverture
26. Ouverture (suite) n. 4 em ré Maior, BWV 1069 2. Bourrée I et II
27. Ouverture (suite) n. 4 em ré Maior, BWV 1069 3. Gavotte
28. Ouverture (suite) n. 4 em ré Maior, BWV 1069 4. Menuet I et II
29. Ouverture (suite) n. 4 em ré Maior, BWV 1069 5. Réjouissance
José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (Vila do Príncipe, hoje Serro, MG, 1746- Rio de Janeiro, 1805)
30. Salve Regina
31. Congratulamini mihi

21º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora – 2010
Orquestra Barroca, Maestro Luis Otávio Santos

acervo-1BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 933,9 MB | HQ Scans 33,1 MB |

.
BAIXE AQUI– DOWNLOAD HERE
mp3 320 kbps – 313,8 + 33,1 MB – 1,4 h
powered by iTunes 10.7

.

.

Outro CD do acervo do musicólogo Prof. Paulo Castagna. Não tem preço !!!

Boa audição.

comic-shadow-aragones-faithless

 

 

 

 

 

 

.

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

16º Festival de Música de Juiz de Fora: Jean-Féry Rebel (1666-1747) + J. S. Bach (1685-1750) + José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (1746-1805) + Francesco Durante (1684-1755) + Pedro Antonio Avondano (1714-1782) + Florêncio José Ferreira Coutinho (1750-1819) (Acervo PQP)

16%c2%ac%e2%88%9e-festival-internacional-de-mua%cc%83a%cc%8asica-colonial-brasileira-e-mua%cc%83a%cc%8asica-antiga-de-juiz-de-fora16º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora
2005

Com instrumentos de época. On period instruments.

 

A Criação do Universo. Do Big-Bang ao rouxinol. Única e extravagante. Imperdível!!!

 

O CD1 contém a Cantata BWV 66 “Erfrent euch, ihs Herzen”, mais uma pérola de beleza e perfeição de Bach.

Entretanto, é a obra do seu obscuro vizinho francês que demanda maiores informações neste texto. Jean-Féry Rebel foi discípulo de Jean-Baptiste Lully, figura máxima da música nos tempos de Luís XIV. Dele, Rebel herdou a influência predominante que a música de dança teve na corte francesa e grande parte da obra de Rebel são peças coreográficas independentes, um detalhe incomum para a época, onde o ballet era um dos indivisíveis componentes da ópera francesa. Sua última obra, contudo, é a mais chocante. “Les Élémens” (1737) é uma obra única e extravagante, onde o compositor retrata a criação do universo. Sua invenção é futurista não somente no aspecto musical (uso abusivo de dissonância e desordem na construção da abertura, intitulada “o caos”), mas também na sua cosmogonia: depois do “big-bang” inicial, os quatro elementos Terra (longas e repetidas notas dos baixos), Fogo (rapidíssimas figurações dos violinos), Água (linhas fluidas e desconectadas das flautas) e Ar (agudíssimos trinados dos pícolos) buscam a ordem entre sí, que só será encontrada no fim da peça, seguida de uma tradicional suite de danças em estilo francês.

Palhinha: ouça 01. Les Élémens, ballet – 1. Le Cahos

.

O CD2 é dedicado ao maior expoente da escola colonial mineira, J. J. Emerico Lobo de Mesquita, com uma de suas mais aclamadas obras: a Missa em Fá Maior. Esta gravação, a primeira a ser realizada sob o ponto de vista histórico, com instrumentos da época, temperamento desigual e forças instrumentais e vocais adequadas ao seu próprio contexto musical, celebra o bicentenário do compositor, morto em 1805. Completando o CD, um tríptico de obras napolitano-luso-brasileira demonstrando os pontos comuns dos universos estéticos de Francesco Durante, Pedro Antonio Avondano e Florêncio Coutinho.
(extraído do encarte)

CD1
Jean-Féry Rebel (1666-1747)
01. Les Élémens, ballet – 1. Le Cahos
02. Les Élémens, ballet – 2. Loure I
03. Les Élémens, ballet – 3. Chaconne
04. Les Élémens, ballet – 4. Ramage/Rossignols
05. Les Élémens, ballet – 5. Loure II
06. Les Élémens, ballet – 6. Tambourin I et II
07. Les Élémens, ballet – 7. Sicillienne
08. Les Élémens, ballet – 8. Caprice

Johann Sebastian Bach (1685-1750)
09. Cantata BWV 66 – Erfreut Euch, Ihr Herzen – 1. Coro
10. Cantata BWV 66 – Erfreut Euch, Ihr Herzen – 2. Recitativo (Basso)
11. Cantata BWV 66 – Erfreut Euch, Ihr Herzen – 3. Aria (Basso)
12. Cantata BWV 66 – Erfreut Euch, Ihr Herzen – 4. Dialogus (Alto, Tenore)
13. Cantata BWV 66 – Erfreut Euch, Ihr Herzen – 5. Aria (Alto, Tenore)
14. Cantata BWV 66 – Erfreut Euch, Ihr Herzen – 6. Choral

CD2
José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (1746-1805)
01. Missa em Fá Maior – 1. Kyrie
02. Missa em Fá Maior – 2. Gloria
03. Missa em Fá Maior – 3. Cum Sancto Spiritu
04. Missa em Fá Maior – 4. Credo
05. Missa em Fá Maior – 5. Et Incarnatus
06. Missa em Fá Maior – 6. Et Resurrexit
07. Missa em Fá Maior – 7. Sanctus
08. Missa em Fá Maior – 8. Sanctus
09. Missa em Fá Maior – 9. Benedictus
10. Missa em Fá Maior – 10. Agnus Dei

Francesco Durante (Itália, 1684-1755)
11. Litania A Quatro voci
Pedro Antonio Avondano (Lisboa, 1714-1782)
12. Ladainha A Quatro
Florêncio José Ferreira Coutinho (Vila Rica, 1750-1819)
13. Laudate Pueri Dominum

Orquestra Barroca do 16º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora, MG – julho de 2005 – com instrumentos de época
Regente: Luís Otávio Santos
.
memoria

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE CD1 + CD2
XLD RIP | FLAC 682,8 MB | HQ Scans

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE CD1 + CD2
MP3 320 kbps | 237,5 MB

powered by iTunes 11.0.2 | 1 h 50 min
.
.

 

Boa audição.

oferecendo alternativas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

15º Festival de Música de Juiz de Fora: Jean-Marie Leclair (1697-1764) + J. S. Bach (1685-1750) + Antonio Lucio Vivaldi (1678-1741)

foto15º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora
2004

Com instrumentos de época. On period instruments.


O Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora celebra seus 15 anos com esta edição comemorativa e especial: a produção em DVD de um concerto a Orquestra Barroca do Festival, dirigida por Luis Otávio Santos.

.

Jean-Marie Leclair (França, 1697 – 1764)
01. Scylla Et Glaucus: Ouverture
02. Scylla Et Glaucus: Sarabande
03. Scylla Et Glaucus: Symphonie Pour La Descente De Venus
04. Scylla Et Glaucus: Passepied
05. Scylla Et Glaucus: Air De Silvains
06. Scylla Et Glaucus: Air En Roundeau
07. Scylla Et Glaucus: Air De Demons
08. Scylla Et Glaucus: Tamburin
Johann Sebastian Bach (Alemanha, 1685-1750)
09. Tönet, ihr Pauken! BWV 214: Coro
10. Tönet, ihr Pauken! BWV 214: Recitativo
11. Tönet, ihr Pauken! BWV 214: Aria
12. Tönet, ihr Pauken! BWV 214: Recitativo
13. Tönet, ihr Pauken! BWV 214: Aria
14. Tönet, ihr Pauken! BWV 214: Recitativo
15. Tönet, ihr Pauken! BWV 214: Aria
16. Tönet, ihr Pauken! BWV 214: Recitativo
17. Tönet, ihr Pauken! BWV 214: Coro
Antonio Lucio Vivaldi (Itália, 1678-1741)
18. Concerto Violino Op.4 N.4 La Stravaganza: Allegro
19. Concerto Violino Op.4 N.4 La Stravaganza: Largo
20. Concerto Violino Op.4 N.4 La Stravaganza: Allegro

15º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora
2004
Orquestra Barroca
Regente: Luis Otávio Santos

.
memoria

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 325,2 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps  |115,0 MB
.

 

 

powered by iTunes 12.5.3

Partituras e outros que tais? Clique aqui

Boa audição.

the flight

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

14º Festival de Música de Juiz de Fora: André da Silva Gomes (1752-1844): Missa a 8 Vozes e Instrumentos + J. S Bach: Cantata BWV 97 + Handel: Concerto Grosso Op.3 N.4 (Acervo PQPBach)

2rz3yvd14º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora
2003

Com instrumentos de época. On period instruments.

 

A instauração de bispado em São Paulo e a fundação e construção da Sé no lugar da antiga matriz impulsionaram a atividade musical, com Alvará do Rei, de 6 de maio de 1746, criando ali os cargos de mestre-de-capela, organista e moços do coro. André da Silva Gomes, quarto mestre-de-capela da Sé de São Paulo, nasceu em Lisboa no mes de dezembro de 1752, como consta do assento de seu batismo realizado na freguesia de Santa Engrácia, daquela cidade, sendo filho legítimo de Francisco da Silva Gomes e Inácia Rosa. A documentação portuguesa não nos ofereceu nenhuma trilha para estabelecermos o local ou instituição em que Silva Gomes pudesse ter desenvolvido seus estudos musicais, já que seu nome não consta da documentação que restou do Seminário Patriarcal de Lisboa, onde lecionou o compositor José Joaquim dos Santos com quem Silva Gomes afirma, em seu Tratado da Arte Explicada de Contraponto, ter estudado.

André da Silva Gomes veio para Sao Paulo, em março de 1774, com o terceiro bispo da cidade, Dom Manuel da Ressurreição, que o trouxe como mestre-de-capela em sua comitiva. Teve como antecessores no cargo, Matias Álvares Torres, Antonio de Oliveira e Antonio Manso da Mota e, como eles, sua função era compor, ensaiar e executar a sua música nos ofícios da Sé e ensinar a juventude. De fato, Silva Gomes aplica-se ao ensino mantendo agregados que inicia na arte musical, sendo por eles assessorado, secundado e depois sucedido. Sua vida e trabalho em São Paulo prolongam-se de 1774 a 1823, sendo dessa última data sua composição mais recente, por nós reconhecida, a Missa de Natal, em sol maior, para ser executada na igreja da Freguesia de Cotia, constante do acervo de obras da antiga Sé, e por nos editada e executada inúmeras vezes a partir de 1978.

O período áureo da produção musical em São Paulo colonial coincide com as atividades de André da Silva Gomes na Sé. Seu brilhantismo e nível artístico absorvem, sem concorrência o que apresenta um quadro sui-generis os serviços musicais mais importantes da capital, como as da Sé, as festas oficiais da Câmara, e as das irmandade do Santíssimo Sacramento, de São Francisco e do Carmo. A “Missa a 8 vozes e instrumentos“, em Mi-bemol, integra, sob o nº 031, o Catálogo de obras de André da Silva Gomes, de aproximadamente 1785, e é composta de Kyrie e Gloria. É um manuscrito original autógrafo, com os frontispícios assinados pelo autor, e do qual não encontramos nem uma cópia, nem no todo nem nas partes, contemporânea ou posterior. O documento integra o arquivo da Cúria Metropolitana de Sao Paulo e suas partes solistas, desgastadas, parecem ter sido executadas, na época, com mais frequência do que o restante da obra.

Restauramos e editamos essa Missa em 1966, pela Universidade de Brasília e foi gravada e executada pela primeira vez no selo Festa, em 1970, produzido por Irineu Garcia. Composta de Kyrie e Gloria, com duração aproximada de 45 minutos e requerendo a participação de cantores solistas, essa Missa é solidamente estruturada, com escritura clara e economia de meios, riqueza de vocabulário e resultados sonoros incisivos. Nos seus 12 segmentos o autor explora uma fórmula cadencial de nove tonalidades e cultiva o estilo contrapontístico (Kyrie II: fuga a 8; Cum Sancto Spiritu: fugado), a escritura alternada de dois coros e o tratamento instrumental não concebido como mero reforço tímbrico das partes vocais; a riqueza harmônica que lhe é peculiar atinge no Et in terra, complexa elaboração nas notas de passagem, antecipações e retardos, e no cruzamento das vogais fechadas e abertas entre os dois coros, com resultados tímbricos fortemente expressivos.

O contínuo caminha de forma barroca, com cifrado abundante, ainda que não ausente da peça, o baixo de Alberti nos momentos em que o cantabile requer uma escritura mais ligeira. A presença dos trompetes confere à peça um barroco brilhantismo, especialmente no Gloria. A versatilidade melódica é até exuberante (Laudamus, Qui tollis e Quoniam) e, a par da contrapontística empresta à obra grande variedade, secundada pela diversificação tonal das unidades que a compõem. A alternância e contraste de caráter (Christe entre os dois Kyrie; Gratias, largo, seguido pelo Domine Deus, caminhante, vivo, triunfante, seguido pelo lânguido e “troppo afectuozo” Qui tollis), integra-se também na exploração tímbrica das vozes onde os baixos têm destacado temperamento. Aquela alternância está presente da mesma forma em certas seções em que dinâmica e articulação são manuseadas com imaginação, criatividade e efeito. Esta missa, de feitura irreprochável, é, seguramente, uma das obras mais monumentais escritas no período colonial brasileiro.

(Régis Duprat, julho de 2003 – extraído do encarte)

Johann Sebastian Bach (1685-1750)
Cantata BWV-97 – In Allen Meinen Taten (Em Todas As Minhas Ações) 1. Coro
Cantata BWV-97 – In Allen Meinen Taten (Em Todas As Minhas Ações) 2. Aria
Cantata BWV-97 – In Allen Meinen Taten (Em Todas As Minhas Ações) 3. Recitativo
Cantata BWV-97 – In Allen Meinen Taten (Em Todas As Minhas Ações) 4. Aria
Cantata BWV-97 – In Allen Meinen Taten (Em Todas As Minhas Ações) 5. Recitativo
Cantata BWV-97 – In Allen Meinen Taten (Em Todas As Minhas Ações) 6. Aria
Cantata BWV-97 – In Allen Meinen Taten (Em Todas As Minhas Ações) 7. Duetto
Cantata BWV-97 – In Allen Meinen Taten (Em Todas As Minhas Ações) 8. Aria
Cantata BWV-97 – In Allen Meinen Taten (Em Todas As Minhas Ações) 9. Choral
Georg Freidrich Händel (1685 – 1759)
Concerto Grosso Op.3 N.4 – 1. Ouverture
Concerto Grosso Op.3 N.4 – 2. Andante
Concerto Grosso Op.3 N.4 – 3. Allegro
Concerto Grosso Op.3 N.4 – 4. Allegro
André da Silva Gomes (Lisboa, 1752 – São Paulo, SP, 1844)
Missa a 8 Vozes e Intrumentos – 1.Kyrie
Missa a 8 Vozes e Intrumentos – 2. Christie
Missa a 8 Vozes e Intrumentos – 3. Kyrie
Missa a 8 Vozes e Intrumentos – 4. Gloria
Missa a 8 Vozes e Intrumentos – 5. Et In Terra
Missa a 8 Vozes e Intrumentos – 6. Gloria
Missa a 8 Vozes e Intrumentos – 7. Laudamus
Missa a 8 Vozes e Intrumentos – 8. Gratias
Missa a 8 Vozes e Intrumentos – 9. Domine Deus
Missa a 8 Vozes e Intrumentos – 10. Qui Tollis
Missa a 8 Vozes e Intrumentos – 11. Quoniam
Missa a 8 Vozes e Intrumentos – 12. Cum Sanctu Spiritu

14º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora – 2003
Orquestra Barroca
Regente: Luis Otávio Santos

.
memoriaBAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 466,1 MB | HQ Scans 19,7 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 182,4 + 19,7 MB – 1,2 h
powered by iTunes 11.0.2

 

 

Partituras e outros que tais? Clique aqui

.Boa audição.

La-invencion-de-la-rueda

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

13º Festival de Música de Juiz de Fora: J.S. Bach: Overture BWV 1068 + Magnificat BWV 243 + André da Silva Gomes (1752-1844): Missa Concertada para a Noite de Natal (Acervo PQP Bach)

34dh89g13º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora
2002

Com instrumentos de época. On period instruments.

 

 

 

103txl0

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2z73mhl

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

.

13º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora – 2002
Orquestra Barroca
Maestro Luis Otávio Santos
.
memoriaBAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 394,2 MB | HQ Scans 10,9 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
mp3 320 kbps – 154,5 + 10,9 MB – 1,0 h
powered by iTunes 11.0.2

.

 

Boa audição.

_ by Sergey Ivchenko

_ by Sergey Ivchenko

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

11º Festival de Música de Juiz de Fora: Lobo de Mesquita (1746-1805) – Matinas Para Quinta-Feira Santa + J. S. Bach – Suite nº 1 em Dó Maior (Acervo PQPBach)

20axpb811° Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora
2000

Com instrumentos de época. On period instruments.

Uma palavra sobre o instrumentarium. O conjunto de partes cavadas que serviu de fonte para esta reconstituição está depositado no Museu da Música da Curia Metropolitana de Mariana. É composto de oito cadernos de partes, cada qual atado com costuras em “X” e assim denominados: suprano a 4, alto a 4, tenor a 4, baxa a 4, violino primo, violino segundo, (violeta), baxo, trompa I e trompa II.

Trata-se de material copiado com bastante esmero, provindo da pena de um único copista (talvez o próprio compositor – ainda não podemos afirmar com precisão), a exceção da parte destinada à viola (violeta) que, embora goze de similar apuro na caligrafia, é uma cópia bem posterior, certamente da primeira metade do século XIX. Tal fato nos faz pensar na verdadeira intenção do compositor quanto à presença ou não deste instrumento. Se recorrermos à analogia, considerando outras obras de Emerico, assim como também um outro conjunto de partes existente no arquivo da lira São Joanense, poderíamos chegar à conclusao de que estas violas não foram, em realidade, projetadas pelo autor. Ademais, é preciso atentar para o fato de que esta parte em pouco contribui para o enriquecimento quer harmônico, quer contrapontístico da obra, salvo alguns trechos excepcionais. Em geral este instrumento dobra, à oitava superior, o baixo, por vezes criando curiosos cruzamentos com o contraponto destinado a parte de segundo violino. Porém, mesmo com a presença destes “rápidos incidentes”, julgamos oportuna a inclusão desta parte, já que, (além da prática moderna, que remonta ao último quartel do século XVIII, quando a viola passa a frequentar mais amiúde os conjuntos mineiros) além de muito bem posta, contribui, ainda que discretamente, para o equilíbrio harmônico do naipe das cordas. Acrescente-se ainda um pequeno órgão que, além de obrigatório à época, é comprovado através das pouquíssimas cifras existentes sobre a parte do baixo instrumental.

José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita nasceu na Vila do Príncipe do Serro Frio (atual Serro), em 1746, e faleceu no Rio de Janeiro, em 1805, atuando como organista na Ordem Terceira de N.S.do Carmo. (Sérgio Dias, extraído do encarte)

Johann Sebastian Bach (1685-1750)
01. Suite N.1 em Dó Maior BMV 1066 – 1. Overture
02. Suite N.1 em Dó Maior BMV 1066 – 2. Courante
03. Suite N.1 em Dó Maior BMV 1066 – 3. Gavotte I e Gavotte II
04. Suite N.1 em Dó Maior BMV 1066 – 4. Forlane
05. Suite N.1 em Dó Maior BMV 1066 – 5. Menuet I e Menuet II
06. Suite N.1 em Dó Maior BMV 1066 – 6. Bourree I e Bourree II
07. Suite N.1 em Dó Maior BMV 1066 – 7. Passepied I e Passepied II

Matinas Para Quinta-Feira Santa
José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (Vila do Príncipe, 1746- Rio de Janeiro, 1805)
08. Primeiro Noturno – 1. Antífona : Primeira Leitura
09. Primeiro Noturno – 2. Primeiro Responsório
10. Primeiro Noturno – 3. Segundo Responsório
11. Primeiro Noturno – 4. Terceiro Responsório
12. Segundo Noturno – 1. Leitura
13. Segundo Noturno – 2. Primeiro Responsório
14. Segundo Noturno – 3. Segundo Responsório
15. Segundo Noturno – 4. Terceiro Responsório
16. Terceiro Noturno – 1. Leitura
17. Terceiro Noturno – 2. Primeiro Responsório
18. Terceiro Noturno – 3. Segundo Responsório
19. Terceiro Noturno – 4. Terceiro Responsório

11° Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora – 2000
Orquestra Barroca do 11° Festival
Regente: Luis Otávio Santos
memoriaBAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 364,2 MB | HQ Scans 30,0 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (com encarte)
MP3 320 kbps -99,1 MB – 1 h 3 min
powered by iTunes 10.3.1

 

 

Boa audição.

pizzicato

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Suíte Inglesa No.2 BWV 807, Toccata BWV 912, Abertura Francesa BWV 831

IM-PER-DÍ-VEL !!!

A moscovita Yulianna Avdeeva (1985) ganhou fama internacional ao vencer em 2010 o primeiro prêmio da 16ª edição do Concurso Chopin em Varsóvia. Quem já ganhou este prêmio? Ora, Maurizio Pollini, Martha Argerich, Bella Davidovich, Krystian Zimerman… Curiosamente, às vezes o juri desta competição pensa que ninguém merece o primeiro prêmio e dá os prêmios apenas a partir do segundo lugar. Tudo para que o Concurso Chopin tenha seu prestígio preservado. Ela estudou com Konstantin Scherbakov, mas isto não interessa agora. Interessa é dizer que ela faz seu piano cantar como poucas vezes ouvi. Este disco é excelente. Sua versão da Suíte Inglesa #2 demonstra que Avdeeva tem voz própria e grande personalidade. Ela faz tudo com originalidade. Já a Toccata e a Abertura em Estilo Francês nos chegam como verdadeiras pérolas.

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Suíte Inglesa No.2 BWV 807, Toccata BWV 912, Abertura Francesa BWV 831

1 English Suite No. 2 in A Minor, BWV 807: I. Prélude 5:00
2 English Suite No. 2 in A Minor, BWV 807: II. Allemande 3:37
3 English Suite No. 2 in A Minor, BWV 807: III. Courante 1:38
4 English Suite No. 2 in A Minor, BWV 807: IV. Sarabande 3:30
5 English Suite No. 2 in A Minor, BWV 807: V. Bourrée I/II 4:15
6 English Suite No. 2 in A Minor, BWV 807: VI. Gigue 3:33

7 Toccata in D Major, BWV 912 10:30

8 Overture in the French Style in B Minor, BWV 831: I. Ouverture 12:35
9 Overture in the French Style in B Minor, BWV 831: II. Courante 2:14
10 Overture in the French Style in B Minor, BWV 831: III. Gavotte I/II 3:22
11 Overture in the French Style in B Minor, BWV 831: IV. Passepied I/II 2:27
12 Overture in the French Style in B Minor, BWV 831: VI. Sarabande 3:35
13 Overture in the French Style in B Minor, BWV 831: VI. Bourrée I/II 2:29
14 Overture in the French Style in B Minor, BWV 831: VII. Gigue 2:28
15 Overture In The French Style In B Minor, Bwv 831: VIII. Echo 3:01

Yulianna Avdeeva, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Yulianna Avdeeva, um espanto só

Yulianna Avdeeva, um espanto só

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750) – The Sonatas and Partitas for Violin Solo – BWV 1001-1006

Vamos a uma gravação de peso de Johann Sebastian Bach. As peças de numeração BWV 1001-1006 são de uma beleza que aturde. Acredito em minha simplicidade que se Bach tivesse composto somente essas peças em toda a sua vida, já mereceria um prêmio como um dos maiores compositores de todos os tempos. Quem sou para tecer qualquer comentário sobre os atributos das composições de Johann Sebastian Bach? Por mais que o fizesse, apenas patinaria. Diria o que já foi dito. Desvelaria o que já foi desvelado. Resta-me somente o tartamudeamento. A contemplação que impele ao aprendizado. A música de Bach é uma grande catedral. Entramos nela e nos perdemos pela sua imensidão. Ela possui todos aqueles aspectos enlevantes e arrebatadores das coisas ditas divinas. Ela nos espirala às regiões seráficas. Como na Divina Comédia de Dante, somos elevados ao Paraíso e nos é mostrado o inefável. A música constitui-se, assim, na “beatriz” que nos abre os olhos para as coisas superiores. Ouçamos, pois do muito ouvir emana a virtude, falando em sentido socrático. Voemos nessa galáxia luminosa, que é a música de Bach. Kremer está muito bem na interpretação das obras aqui postadas. Estas exigem respeito e virtude. Kremer consegue ser exato em tudo isso. Resultado: um ótimo CD. Boa apreciação!

Johann Sebastian Bach (1685-1750) – The Sonatas and Partitas for Violin Solo

Disco 1

Sonata for Violin Solo No.1 in G minor, BWV 1001
01. Adagio
02. Fuga (Allegro)
03. Siciliana
04. Presto

Partita for Violin Solo No.1 in B minor, BWV 1002
05. 1a. Allemanda
06. 1b. Double
07. 2a. Corrente
08. 2b. Double
09. 3a. Sarabande
10. 3b. Double
11. 4a. Tempo di Borea
12. 4b. Double

Sonata for Violin Solo No.2 in A minor, BWV 1003
13. Grave
14. Fuga
15. Andante
16. Allegro

Disco 2

Partita for Violin Solo No.2 in D minor, BWV 1004
01. Allemande
02. Corrente
03. Sarabande
04. Giga
05. Ciaccona

Sonata for Violin Solo No.3 in C, BWV 1005
06. Adagio
07. Fuga
08. Largo
09. Allegro assai

Partita for Violin Solo No.3 in E, BWV 1006
10. Preludio
11. Loure
12. Gavotte en Rondeau
13. 4a. Minuet I
14. 4b. Minuet II
15. Bourrée
16. Gigue

Gidon Kremer, violino

BAIXAR AQUI — DOWNLOAD HERE

Do https://palabok.wordpress.com/2006/08/09/the-ponju-comics-anthology-project/

Do https://palabok.wordpress.com/2006/08/09/the-ponju-comics-anthology-project/

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

The Swingle Singers : Bach Hits Back – A new a cappella tribute (21 de março / 328 anos do nascimento do pai do PQPBach e do FDPBach)

bach-hits-back-a-new-a-cappella-tributeThe Swingle Singers
Bach Hits Back – A new a cappella tribute

 

Experience pleasant and enjoyable a capella realizations of Bach preludes, fugues, chorale and instrumental numbers. The Swingle Singers render some as vocal transcriptions of Bach’s original, instrumental music, and others as jazz arrangements. Their hymn-like rendition of Ein Feiste Burg (A Mighty Fortress) bounces into a light and jazzy scatting of “Organ Fugue from Fantasia and Fugue.” They perform 21 excerpts from Bach, none of which are too obtrusive for background music, yet all are excellent enough to listen to while doing nothing but enjoying the music.
Bach was a technical genius, and the Swingle Singers have the talent and creativity to bring his music alive, translating it into new idioms successfully. Worth every chord of five stars. (extraído da internet)

Compensa publicar o comentário do Monge Ranulfus:

“Me faz relembrar o quanto os anos 60 foram criativos – pois esse CD pode ser dos anos 90, mas o conceito dos Swingle Singers surgiu nos 60.

A propósito, é a primeira vez que eu os ouço cantando com palavras – e ainda combinando o uso instrumental e o “tradicional” da voz. E é incrível que no tradicional eles soam muito mais perfeitos que muitos corais que não têm nenhuma proposta de inovar ou coisa parecida.”

Johann Sebastian Bach (1685-1750)
01. Chorale: Ein’ feste Burg ist unser Gott (Cantata BWV 80)
02. Organ Fugue from Fantasia and Fugue in G minor (‘Great’ BWV 542)
03. Prelude XVIII from The Well-Tempered Clavier (BWV 863)
04. Chorale prelude from Cantata BWV 140 ‘Wachet auf, ruft uns die Stimme’
05. Chorale from Wachet auf (Cantata BWV 140)
06. Liebster Jesu, wir sind hier (BWV 373)
07. In dulci jubilo – Chorale prelude (BWV 729)
08. In dulci jubilo – Chorale (BWV 608)
09. Andante from Sonata No. 2 for unaccompanied violin
10. First movement from Brandenburg Concerto No. 3 (BWV 1048)
11. Aria: Schafe konnen sicher weiden from Cantata BWV 208
12. Badinerie from Suite No. 2 (BWV 1067)
13. Fugue VIII from The Well-Tempered Clavier (BWV 852)
14. Three-part invention (BWV 797)
15. Et resurrexit from Mass in B minor (BWV 232)
16. Bist du bei mir (BWV 508)
17. Blute nur from Matthauspassion, (BWV 244)
18. Organ Fugue: Alla Gigue (BWV 577)
19. Air from Suite No. 3 (BWV 1068)
20. Little Organ Fugue (BWV 578)
21. Choral: Es ist genung (Cantata BWV 60)

Bach Hits Back – A new a cappella tribute – 1994
The Swingle Singers

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 140,0 MB – 53,0 min
powered by iTunes 12.5.1

Boa audição.


.
.
.
.
.
.
.
.Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Schübler Chorales, Prelúdios e Fugas BWV 548 e 566, Passacaglia em dó menor

Grandes órgãos holandeses – parte 4 de 4
Wim van Beek e o órgão de Groningen
frontFechamos essa série com Bach. E poderia ser diferente?

Os “seis corais de diferentes tipos” para órgão (BWV 645-650) foram publicados em 1748 pelo editor J.G. Schübler. As obras que Bach publicou em vida podem ser contadas nos dedos das mãos, o que indica que esses corais eram tidos em alta estima. Pelo menos cinco deles são transcrições de movimentos de cantatas compostas por Bach décadas antes.

A Passacaglia BWV 582 provavelmente foi composta na década de 1700 ou 1710, quando Bach ainda era fortemente influenciado pelas obras para órgão de Buxtehude. A passacaglia de Buxtehude (BuxWV 161), aliás, tem grandes similaridades com a de Bach. Ou seja, temos aqui obras de várias fases da vida de Bach. Em comum, o uso dos diferentes registros do órgão para criar uma polifonia fácil de se acompanhar.

O órgão deste CD foi construído no século 15 e hoje ainda funcionam alguns tubos de 1482, o que atesta a excepcional qualidade dos materiais utilizados. Houve alterações e adições em 1542, 1627-8, 1685-90, 1691-2 (por Arp Schnitger), 1728-30  e 1740 (por seu filho Frans Caspar Schnitger e A.A. Hinsz). O resultado foi um grande órgão barroco com três manuais e pedaleira, unindo algumas características do “estilo burguês” com outras dos órgãos de som mais doce e bucólico típico dos séculos XV a XVII. Grandes músicos gravaram nele, incluindo Marie-Claire Alain e Ton Koopman, mas provavelmente ninguém o conhecia tão bem quanto Wim van Beek (1930-2017), que foi organista titular dessa igreja de 1956 até 2013.

Abaixo, texto de Cor H. Edskes:

O maior organista de seu tempo teve um emprego oficial como organista por apenas 14 anos. Em 1703, aos 18 anos, foi nomeado titular do novo órgão da Neue Kirche em Arnstadt. O instrumento tinha 23 registros divididos em dois manuais e pedaleira. Foi neste órgão que Bach se tornou um grande virtuoso e compositor para o instrumento. Em outubro de 1705 ele foi a pé até Lübeck (norte da Alemanha) para ouvir Buxtehude.
Em 1707 Bach se mudou para Mühlhausen e, em 1708, para Weimar, onde serviu como músico de câmara e organista da corte. Em Weimar, Bach escreveu uma parte substancial de sua obra para órgão. O órgão da capela da corte sem dúvida foi uma importante fonte de inspiração.
Muitos comentários negativos foram feitos sobre os órgãos da Turíngia e da Saxônia (regiões onde Bach viveu e trabalhou), especialmente em comparação com os imensos instrumentos das cidades do norte da Alemanha. No Nekrolog [obituário] de Bach foi dito que ele nunca teve acesso regular a um órgão grande [no sentido de tamanho mesmo] e de belo som. A justaposição de “grande” e “belo” é questionável: essa combinação talvez não fosse possível na mente de Bach. Embora ele tenha conhecido vários grandes órgãos, ele só falou bem de um: o da St. Katharinekirche em Hamburgo. De acordo com seu pupilo J.F. Agricola, ele considerava esse um “excelente trabalho em todas as partes”, que a pedaleira do órgão alcançava graves excelentes e em suma era “o único deste tamanho e qualidade que ele tinha ouvido”. Ele não menciona os órgãos ainda maiores que havia em Hamburgo nas igrejas de St. Nikolaï e Jacobikirche. O órgão que Bach elogia tinha 58 registros divididos em quatro manuais e pedaleira. Ele desviava em vários detalhes dos instrumentos de Arp Schnitger, que tinha desenvolvido um imponente tipo de órgão que agradava mais a cultura burguesa das cidades-estado do norte alemão e da Holanda, sem perder os tons bucólicos.
O órgão da capela de Weimar tinha 30 registros com dois manuais e pedaleira, e certamente foi uma fonte de inspiração para Bach. Sua música não requer instrumentos grandes e barulhentos com 3 ou 4 manuais. Como o instrumento foi destruído, não é possível imaginar como ele soava. Por estar inserido em uma cultura musical aristocrática (ao contrário de Lübeck e Hamburgo, grandes centros comerciais burgueses), provavelmente não soava muito extravagante, tendo uma estrutura tonal mais orientada para o século 17.
Após deixar Weimar, Bach nunca mais teve o emprego de organista. Em Cöthen ele foi Kapellmeister, em Leipzig foi Cantor e Director musices. Importantes obras para órgão surgiram nesses anos mas não em grandes números como em Weimar. Bach tocava órgão com frequência, contudo, e julgou alguns instrumentos novos ou reformados, normalmente se restringindo a apontar se o construtor cumpriu ou não suas obrigações. Em relação à qualidade dos órgãos, Bach era bastante reservado, o que faz suas observações sobre o órgão de Hamburgo ainda mais importantes.

Johann Sebastian Bach
01. Wachet auf, ruft uns die Stimme (Schübler Choral) BWV 645
02. Wo soll ich fliehen hin (Schübler Choral) BWV 646
03. Wer nur den lieben Gott lässt walten (Schübler Choral) BWV 647
04. Meine Seele erhebt den Herren (Schübler Choral) BWV 648
05. Ach bleib bei uns, Herr Jesu Christ (Schübler Choral) BWV 649
06. Kommst du nun, Jesu vom Himmel herunter (Schübler Choral) BWV 650
07. Praeludium et Fuga in C major BWV 566 – I. Praeludium
08. Praeludium et Fuga in C major BWV 566 – II. Fuga No 1
09. Praeludium et Fuga in C major BWV 566 – III. Fuga No 2
10. Schmücke dich, o liebe Seele BWV 654
11. Praeludium et Fuga in e minor BWV 548 – Praeludium
12. Praeludium et Fuga in e minor BWV 548 – Fuga
13. O mensch, bewein dein’ Sünde gross BWV 622
14. Passacaglia in c minor BWV 582 – Passacaglia
15. Passacaglia in c minor BWV 582 – Thema fugatum

Wim van Beek – organista
Schnitger-Hinsz organ, 1691/1730, Martinikerk, Groningen, Netherlands
Gravado em 1999

 BAIXE AQUI (DOWNLOAD HERE) – flac

 BAIXE AQUI (DOWNLOAD HERE) – mp3

Groningen: um órgão vintage e uma tv velha

Groningen: um órgão antigo e uma tv velha

Pleyel

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Trio Sonatas

As Trio Sonatas foram escritas para órgão, mas já receberam dezenas de transcrições; umas muito boas, outras nem tanto. Sinceramente prefiro ouvi-las ao órgão, mas esta transposição — realizada pelo gambista do Purcell Quartet Richard Boothby — é indiscutivelmente das muito boas. O que garante isso? Ora, o fato de que sentimos vivamente a presença de Bach. É uma combinação perfeita. Contribui para a qualidade do todo a notável interação entre os muito experientes músicos do Purcell Quartet. Recomendo a imediata atenção e audição por parte do povo pequepiano.

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Trio Sonatas

Trio Sonata, BWV 525 in E flat (Transposed to F)
– I. Allegro
– II. Adagio
– III. Allegro
Trio Sonata, BWV 526 in C
– I. Vivace
– II. Largo
– III. Allegro
Trio Sonata, BWV 527 in d
– I. Andante
– II. Adagio e dolce
– III. Vivace
Trio Sonata, BWV 528 in e
– I. Adagio-Vivace
– II. Andante
– III. Un poc’ allegro
Trio Sonata, BWV 529 in C (Transposed to D)
– I. Allegro
– II. Largo
– III. Allegro
Trio Sonata, BWV 530 in G
– I. Vivace
– II. Lente
– III. Allegro

Performer: The Purcell Quartet:
Catherine Mcintosh (Violin);
Catherine Weiss (Violin);
Richard Botthby (Viola da gamba);
Robert Woolley (Harpsichord)
Recorded at Orford Church, Suffolk, England.

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Não se deve brincar com Bach

Não se deve brincar com Bach

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Les Swingle Singers – Jazz Sébastian Bach (vol 1)

jazz-sebastian-bach-vol-1
Jazz Sébastien Bach vol 1
Les Swingle Singers
LP de 1963

 

Se é para soltar a franga, Avicenna ataca de Swingle Singers, grupo francês que se notabilizou nos anos 60 quando lançou o seu primeiro LP: Jazz Sébastian Bach. Sucesso mundial!

Grupo vocal de jazz, interpretam Bach com humor, alegria, ternura e respeito, sem modificar nada do original: nem uma nota acrescentada ou omitida.

Interpretam no gogó, no blá-blá-blá, obras de Bach originalmente compostas para harpsicórdio ou órgão, acompanhados somente de um contra-baixo e uma bateria. Oooh, yeah!!

1. Fugue in D Minor from ‘The Art of the Fugue’, BWV 1080
2. Choral No.1- ‘Wake, Arise, The Voices Call Us’, BWV 645
3. Air for G String (Suite No.3 in D Major BWV 1068)
4. Prelude No.11 from The Well-Tempered Clavier, in F Major, Book 2, BWV 880
5. Boureè from English Suite No.2 in A Minor, BWV 807
6. Fugue No.2 in C Minor from The Well-Tempered Clavier, Book 2, BWV 871
7. Fugue No.5 in D Major from The Well-Tempered Clavier, Book 1, BWV 850
8. Prelude No.9 from The Well-Tempered Clavier, Book 2, BWV 878
9. Sinfonia from Partita No.2 in C Minor, BWV 826
10. Prelude No.1 from The Well-Tempered Clavier, in C Major, Book 2, BWV 870
11. Canon
12. Two-Part Invention No.1 in C Major- BWV 772
13. Fugue No.5 in D Major from The Well-Tempered Clavier, Book 2, BWV 874

Como bônus, uma obra-prima do jazz, Les Swingle Singers & The Modern Jazz Quartet, briga de cachorro grande, gravado em 1967:
14. Air for G String (Suite No.3 in D Major BWV 1068)

Jazz Sébastian Bach – 1963
Les Swingle Singers

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320kbps – 79,9 MB – 37,6 min
powered by iTunes 12.5.1

Boa audição!

selfie Davi

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Les Swingle Singers – Jazz Sébastian Bach – vol. 2

jazz-sebastian-bach-vol-2
Jazz Sébastien Bach vol 2
Les Swingle Singers
1968

 Avicenna ataca de novo de Swingle Singers, aquele grupo francês de jazz que interpreta Bach com humor, alegria, ternura e respeito, no go-gó, no blá-blá-blá, acompanhados somente de um contra-baixo e uma bateria.
Em 1968 gravaram o 2º volume do Jazz Sébastien Bach. Novo sucesso mundial!

Mais informações sobre Les Swingle Singers e as cantatas de Bach podem ser encontradas aquí em Bach-Cantatas

1. Vivace from Concerto for Two Violins in D Minor, BWV 1043
2. Prelude and Fugue No.10 in E Minor from The Well-Tempered Clavier, Book 1, BWV 855
3. Cantata, Choral ‘Jesus Shall Remain My Gladness’, BWV 147
4. Gavotte from Partita No.3 for Solo Violin in E Major, BWV 1006
5. Prelude and Fugue No.1 in C Major from The Well-Tempered Clavier, Book 1, BWV 846
6. Fugue in G Major from Prelude and Fugue, BWV 541
7. Adagio from Sonata No.3 for Violin and Harpsichord in E Major, BWV 1016
8. Prelude and Fugue No.3 in C-sharp Major from The Well-Tempered Clavier, Book 1, BWV 848
9. Choral ‘Now Come, The Gentile’s Savior’ from Leipzig Chorales, BWV 859
10. Fugue No.21 in B Flat Major from The Well-Tempered Clavier, Book 1, BWV 866

Jazz Sébastian Bach – vol. 2 – 1968
Le Swingle Singers

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 66,3 MB – 31 min
powered by iTunes 12.5.1

Oooh, yeah!!

a-criação-da-internet

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Buxtehude, Bach, Reger, Kodaly e o órgão de Culemborg

Grandes órgãos holandeses – parte 3 de 4
Bert Lassing e o órgão de Culemborg
cover

Meu pai trabalhava numa fábrica e me ensinou desde pequeno que, na produção em escala industrial, tão importante quanto a qualidade é a padronização dos produtos. O gosto e a aparência de um refrigerante feito no Oiapoque no ano passado e de outro da mesma marca engarrafado ontem no Chuí devem ser idênticos. Vinhos, por outro lado, não são assim: é natural que um vinho de Santa Catarina seja diferente de um produzido no vale do São Francisco e de um terceiro da Serra Gaúcha, sem falar em safras diferentes, etc.

E o que isso tem a ver com o órgão? É que esse instrumento de tradição milenar, assim como os vinhos, vem resistindo às tentativas de padronização. Hoje muita gente reclama que as orquestras estão soando mais parecidas, os pianistas ao redor do mundo estão seguindo a mesma cartilha (será?), mas em relação aos órgãos, como podemos ouvir nessa série de órgãos holandeses, mesmo dentro de um país e do chamado “período barroco”, cada um é diferente. Assim como vinhos, há órgãos mais de acordo com o padrão, mais certinhos, e há outros com personalidade forte, inconfundíveis. Este órgão de Culemborg, na Holanda, me parece o mais peculiar dos quatro. São especialmente belos os registros que imitam instrumentos de sopro: flautas, oboés, trompetes… A fuga de Buxtehude, a Pastorella e o adagio de Bach, os corais de Reger usam muito esses sons de sopros. As obras de Bach também podem ser chamadas de únicas: Ele escreveu dezenas de Prelúdios e Fugas, seis Triosonatas, mas só uma Pastorella, peça bucólica que provavelmente era tocada na época do Natal, com inspirações galantes italianas, e apenas uma obra para órgão com a forma da BWV 564, com um sublime movimento lento (adagio) no meio de dois rápidos (tocata e fuga), que lembra até os concertos à maneira de Vivaldi.

Dietrich Buxtehude (1673-1707):
01. Praeludium in D major, BuxWV 139
02. Ich ruf zu dir, Herr Jesu Christ, BuxWV 196
03. Fuga in C major, BuxWV 174
J.S. Bach (1685-1750):
04. Pastorella in F major, BWV 590 – Part 1
05. Pastorella in F major, BWV 590 – Part 2
06. Pastorella in F major, BWV 590 – Part 3
07. Pastorella in F major, BWV 590 – Part 4
08. Toccata, Adagio und Fuge in C major, BWV 564
Max Reger (1873-1916):
09. Jesus, meine Zuversicht, Opus 67 No. 20
10. Jesus meine Freude, Opus 67 No. 21
11. Introduktion und Passacaglia in d minor
Zoltan Kodaly (1882-1967):
12. Praeludium
Piet Kee (1927-):
13. Erschienen ist der herrlich Tag

Bert Lassing – organista
Verhofstad Organ, 1711, Barbarakerk, Culemborg, Netherlands
Gravado em 1991

 BAIXE AQUI (DOWNLOAD HERE) – flac

 BAIXE AQUI (DOWNLOAD HERE) – mp3

Bert Lassing com as mãos ocupadas

Bert Lassing com as mãos ocupadas

Pleyel

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Fantasia – Leopold Stokowski and the Philadelphia Orchestra

fantasia-leopold-stokowski-and-the-philadelphia-orchestraFantasia
Walt Disney
Philadelphia Orchestra
Trilha sonora

 

Essa postagem do Marcelo Stravinsky sobre Cartoon Concerto me fez viajar no tempo.

Imediatamente lembrei-me do primeiro desenho animado que assistí no cinema quando era criança: Fantasia, de Walt Disney, produzido em 1940, um marco na história do cinema.

Não me lembro quantas vezes meus pais foram obrigados a me levar ao cinema para assistir Fantasia. Fiquei hipnotizado pelas músicas e deslumbrado em ver na tela e em cores aquilo que eu só conhecia dos gibís.

Stokowski costumava tocar a sua transcrição para a Tocatta & Fugue somente em ensaios da orquestra. Por muitos anos jamais foi tocada em concerto. Quando dispunham de tempo extra no ensaio, dizia para os músicos:” Vocês se incomodam se tocarmos um pouco de Bach?” – e então tocavam a Tocatta & Fugue só para a própria satisfação. Seus amigos da Orquestra de Filadélfia ouviram, gostaram e pela primeira vez ela foi tocada em concerto. O público gostou. Posteriormente foi imortalizada na obra de Walt Disney, Fantasia.

Compartilho com meus amigos esse encantamento musical.

1. Toccata & Fugue In D Minor, BWV 565 – Bach, Johann Sebastian
2. The Nutcracker Suite, Op. 71A;  Dance Of The Sugar Plum Fairy – Tchaikovsky
3. The Nutcracker Suite, Op. 71A;  Chinese Dance – Tchaikovsky
4. The Nutcracker Suite, Op. 71A;  Dance Of The Reed Flutes – Tchaikovsky
5. The Nutcracker Suite, Op. 71A;  Arabian Dance – Tchaikovsky
6. The Nutcracker Suite, Op. 71A;  Russian Dance – Tchaikovsky
7. The Nutcracker Suite, Op. 71A;  Waltz Of The Flowers – Tchaikovsky
8. The Sorcerer’s Apprentice – Dukas, Paul Abraham (1865-1935)
9. The Rite Of Spring – Stravinski
10. Symphony No.6 ‘Pastoral’, Op.68; I.Allegro Ma Non Troppo – Beethoven
11. Symphony No.6 ‘Pastoral’, Op.68; II.Andante Molto Mosso – Beethoven
12. Symphony No.6 ‘Pastoral’, Op.68; III.Allegro- IV.Allegro- V.Allegretto – Beethoven
13. Dance Of The Hours From The Opera ‘la Gioconda’ – Ponchielli, Amilcare (1834-1886)
14. A Night On Bald Mountain – Mussorgsky
15. Ave Maria, Op.52 No.6 – Schubert

Fantasia
Leopold Stokowski and the Philadelphia Orchestra
Remastered Original Soundtrack Edition
1940

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 270,7 MB – 1,7 horas
powered by iTunes 12.5.1

Boa audição!

mulher

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750) – Missa em Si Menor, BWV 232 – Gardiner, EBS, Monteverdi Choir

Box FrontVamos encerrar então mais uma coleção, impecável, por sinal. Como não poderia deixar de ser, a monumental Missa em Si Menor do nosso bom e velho Johann Sebastian está em ótimas mãos com Sir John Eliot Gardiner e sua trupe …
Então, senhores, deleitem-se.

P.S1. Entrei com um pedido de Férias Sabáticas junto ao Conselho Superior do PQPBach. Estou com algumas questões pessoais para serem resolvidas, e por este motivo vou me ausentar por um tempo de minhas funções aqui no Blog. Vou tentar voltar antes do final do ano.

P.S.2 Segue em arquivo PDF o booklet da coleção. Bem informativo, detalhado …

CD 1

01. Kyrie Kyrie Eleison (Chorus)
02. Christe Eleison (Duet)
03. Kyrie Eleison (Chorus)
04. Gloria in Excelsis (Chorus)
05. Et in Terra Pax (Chorus)
06. Laudamus Te (Aria)
07. Gratia Agimus Tibi (Chorus)
08. Dominus Deus (Duet)
09. Qui Tollis Peccata Mundi (Chorus)
10. Qui Sedes ad Dextram Patris (Aria)
11. Quoniam Tu Solus Sanctus (Aria)
12. Cum Sancto Spiritu (Chorus)

CD2

01. Credo Chorus, In Unum Deum
02. Chorus, In Unum Deum, Patrem Omnipotentem
03. Duet, Et In Unum Dominum
04. Chorus, Et Incarnatus Est
05. Chorus, Crucifixus
06. Chorus, Et Resurrexit
07. Aria, Et In Spiritum Sanctum
08. Chorus, Confiteor
09. Chorus, Et Exspecto Resurrectionem
10. Sanctus Chorus, Sanctus
11. Chorus 12, Osanna In Excelsis
12. Aria, Benedictus, Qui Venit
13. Chorus 12, Osanna (Da Capo)
14. Aria, Agnus Dei
15. Chorus, Donna Nobis Pacem

Monteverdi Choir
English Baroque Soloists
John Eliot Gardiner – Conductor

CD 1 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

BOOKLET DA COLEÇÃO

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750) – Paixão Segundo João – Gardiner, EBS, Monteverdi Choir

Box FrontConheci a Paixão Segundo João em uma antiga propaganda de chocolate. Creio que era exatamente o Coro inicial. Um vizinho contou mais tarde que ligou para a fábrica e perguntou qual era a música de sua propaganda. Na época comprávamos nas bancas uma coleção de cds de música sacra, e por coincidência logo em seguida à campanha publicitária foram lançados os cds desta Paixão Segundo João. Não lembro quem eram os intérpretes.
Mas aqui sabemos muito bem quem são os intérpretes: John Eliot Gardiner e sua trupe. Esta paixão não tem as mesmas proporções se comparada com a de Matheus e tem “apenas” três solistas, e o magnífico Monteverdi Choir. Mas mesmo assim, é papa finíssima.

CD 1
01. Betrayal and Arrest – Herr, unser Herrscher
02. Jesus ging mit seinen Jüngern
03. O große Lieb, o Lieb ohn’ alle Maße
04. Auf daß das Wort erfüllet würde
05. Dein Will gescheh, Herr Gott, zugleich
06. Die Schar aber und der Oberhauptmann
07. Von den Stricken meiner Sünden
08. Denial – Simon Petrus aber folgete Jesu nach
09. Ich folge dir gleichfalls mit freudigen
10. Derselbige Jünger war dem Hohenpriester
11. Wer hat dich so geschlagen
12. Und Hannas sandte ihn gebunden zu dem Ho
13. Ach, mein Sinn, wo willt du endlich hin
14. Petrus, der nicht denkt zurück
15. Interrogation and Scourging – Christus, der uns selig macht
16. Da führeten sie Jesum von Kaiphas
17. Ach großer König, groß zu allen Zeiten
18. Dar sprach Pilatus zu ihm
19. Betrachte, mein Seel
20. Erwäge, wie sein blutgefåarbter Rücken

CD 2

01. Condemnation and Crucifixion – Und die Kriegsknechte flochten eine Kron
02. Durch dein Gefängnis, Gottes Sohn
03. Die Jüden aber schrieen und sprachen – L
04. Eilt ihr angefochtnen Seelen – Wohin
05. Allda kreuzigten sie ihn – Schreibe nich
06. In meines Herzens Grunde
07. The Death of Jesus – Die Kriegsknechte aber – Lasset uns den
08. Er nahm alles wohl in acht
09. Und von Stund an nahm sie der Jünger zu
10. Es ist vollbracht!
11. Und neiget das Haupt und verschied
12. Mein teurer Heiland, laß dich fragen – J
13. Burial – Und siehe da, der Vorhang im Tempel zerr
14. Mein Herz, indem die ganze Welt
15. Zerfließe, mein Herze
16. Die Jüden aber, dieweil es der Rüsttag w
17. O hilf, Christe, Gottes Sohn
18. Darnach bat Pilatum Joseph von Arimathia
19. Ruht wohl, ihr heiligen Gebeine
20. Ach Herr, laß dein lieb Engelein

Anthony Rolfe Johnson – Tenor
Stephen Varcoe – Bass
Cornelius Hauptmann – Bass

CD 1 BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 2 BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

gardiner

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750) – Paixão Segundo Mateus – Rolfe Johnson, Shmidt, Booney, von Otter, et. al. -English Baroque Soloists, Monteverdi Choir

Box FrontUm monumento da música universal, a Paixão Segundo Mateus para muitos, inclusive para este que vos escreve, é considerada a maior de todas as obras musicais já compostas, ao lado de obras primas da cultura ocidental, como as obras de Shakespeare, Dante, Michalengelo, Goethe, Dostoievsky …
Gardiner recém regravou esta obra, mas infelizmente ainda não tive acesso a ela. Comentaristas da amazon disseram que trata-se de uma leitura mais intimista, por este motivo estou muito curioso em conhecê-la.
O timaço de solistas continua a dar um show de competência técnica e virtuosismo.

CD 1

01. PART I Chorus – Kommt, Ihr Töchter, Helft Mir Klagen
02. Anointing in Bethany – Da Jesus Diese Rede Vollendet Hatte
03 Herzliebster Jesu, Was Hast Du Verbro
04. Da Versammleten Sich Die Hohenprieste
05. Du Lieber Heiland
06. Buss Und Reu
07. Judas’s Betrayal – Da Ging Hin Der Zwölfen Einer
08. Blute Nur, Du Liebes Herz
09. The Last Supper – Aber Am Ersten Tag Der Süssen Brot
10. Ich Bin’s, Ich Sollte Büssen
11. Er Antwortete Und Sprach
12. Wiewohl Mein Herz In Tränen Schwimmt
13. Ich Will Dir Mein Herze Schenken
14. Jesus’ Despair on the Mount of Olives – Und Da Sie Den Lobgesang Gesprochen H
15. Erkenne Mich, Mein Hüter
16. Petrus Aber Antwortete Und Sprach Zu
17. Ich Will Hier Bei Dir Stehen
18. Da Kam Jesus Mit Ihnen Zu Einem Hofe
19. O Schmerz! Hier Zittert Das Gequälte
20. Ich Will Hier Bei Meinem Jesu Wachen
21. Prayer on the Mount of Olives – Und Ging Hin Ein Wenig
22. Der Heiland Fällt Vor Seinem Vater Ni
23. Gerne Will Ich Mich Bequemen
24. Und Er Kam Zu Seinen Jüngern
25. Was Mein Gott Will, Das G’scheh’ Allz
26. Und Er Kam Und Fand Sie Aber Schlafen
27. Arrest of Jesus – So Ist Mein Jesus Nun Gefangen
28. Und Siehe, Einer Aus Denen
29. O Mensch, Bewein’ Dein Sünde Gross

CD 2

01. Aria – Ach! Nun Ist Mein Jesus Hin
02. Jesus’s Interrogation – Die Aber Jesum Gegriffen Hatten
03. Mir Hat Die Welt Trüglich Gericht’
04. Und Wiewohl Viel Falsche Zeugen Herzutraten
05. Mein Jesus Schweigt Zu Falschen Lügen Stille
06. Geduld! Wenn Mich Falsche Zungen Stechen!
07. Peter’s Denial – Und Der Hohepriester Antwortete
08. Wer Hat Dich So Geschlagen
09. Petrus Aber Sass Draussen Im Palast
10. Erbarme Dich, Mein Gott
11. Bin Ich Gleich Von Dir Gewichen
12. Judas in the Temple – Des Morgens Aber Hielten Alle Hohepriester
13. Gebt Mir Meinen Jesum Wieder
14. Jesus before Pilate – Sie Hielten Aber Einen Rat
15. Befiehl Du Deine Wege
16. Auf Das Fest Aber Hatte Der Landpfleger Gewohn
17. Wie Wunderbarlich Ist Doch Diese Strafe!
18. Der Landpfleger Sagte
19. Er Hat Uns Allen Wohlgetan
20. Aus Liebe Will Mein Heiland Sterben
21. Sie Schrieen Aber Noch Mehr
22. Scourging of Jesus – Erbarm Es Gott!23. Können Tränen Meiner Wangen

CD 3

01. Scourging of Jesus – Da nahmen die Kriegsknechte
02. O Haupt voll Blut und Wunden
03. Simon of Cyrene – Und da sie ihn verspottet hatten
04. Ja freilich will in uns das Fleisch und Blut
05. Komm, süsses Kreuz, so will ich sagen
06. Crucifixion – Und da sie an die Stätte kamen
07. Ach Golgatha
08. Sehet, Jesus hat die Hand
09. Und von der sechsten Stunde an
10. Wenn ich einmal soll scheiden
11. Und siehe da, der Vorhang im Tempel zerriss
12. Descent from the Cross – Am Abend, da es kühle war
13. Mache dich, mein Herze, rein
14. Burial – Und Joseph nahm den Leib
15. Nun is der Herr zur Ruh gebracht
16. Wir setzen uns mit Tränen nieder

Anthony Rolfe Johnson – Andreas Schmidt – Barbara Booney – Ann Monoyos – Anne Sophie von Otter – Michael Chance – Howard Crook – Olaf Bär – Cornelius Hauptman
Monteverdi Choir
English Baroque Soloists
John Eliot Gardiner

CD 1 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 3 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

'Erbame Dich, mein Gott' é uma das mais belas árias já compostas.

‘Erbame Dich, mein Gott’ é uma das mais belas árias já compostas.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!