J.S.Bach: a São Mateus por Karl Richter (1958) – Passio Secundum Matthæum

S.Mateus, Richter, 1958

Postado originalmente em 12.09.2010, com o título J.S.Bach: a São Mateus por Karl Richter e com Fischer-Dieskau: uma Paixão das antigas (mais devocional que romântica). Republicado como parte da homenagem iniciada ontem pelo PQP e Gilberto Agostinho, com a postagem da Winterreise de Schubert, e republicado mais uma vez agora devido à excelência do texto e da obra.

. . . . . . . . . .
Já faz várias semanas que o Avicenna preparou cuidadosamente os arquivos para esta postagem, convidando-me honrosamente a mais uma parceria no texto… e eu venho vergonhosamente adiando mais do que seria aceitável!

A razão é que tanto eu quanto o Avicenna não acharíamos graça em fazer esta postagem em particular sem um texto consideravelmente substancioso acompanhando-a – e já contei pra vocês que a saúde vem me impedindo de me jogar muito a fundo em atividades de tecelagem verbal.

Mas a vontade também é forte, e aí decidi que não deixaria a coisa passar deste penúltimo domingo de inverno. Aí vai, então: não é pra ser um tratado, mas também não deixará de tocar em duas ou três áreas que nos instigam em especial.

A ABORDAGEM DE KARL RICHTER (1926-1981) A J.S.BACH (1685-1750): É lugar-comum dizer que Richter foi um dos últimos a empregar uma abordagem “romântica” em Bach, numa época em Harnoncourt e tantos outros já haviam partido para a abordagem “histórica”, que se caracteriza basicamente por: (a) uso de instrumentos construídos na época, ou construídos hoje segundo modelos da época; (b) sobretudo nas obras sacras, emprego das vozes de contratenores homens no lugar da de contraltos mulheres, e de meninos antes da mudança de voz no lugar de sopranos mulheres; (c) tamanho menor dos grupos instrumentais e corais; (d) tempos mais acelerados (i.é, velocidade), articulação e agógica mais dinâmicas (jogo de ligado x destacado, fraseado, irregularidades expressivas no tempo etc).

Richter de fato não usou nada disso: usou instrumentos modernos, mulheres solistas, grupos consideravelmente volumosos… porém seus tempos não são só lentos: são sobretudo rigorosamente regulares - como de metrônomo ou relógio do princípio ao fim de cada trecho.

Isso me faz perguntar sobre a adequação de chamar “romântica” a sua abordagem… se o que talvez mais caracterize o romantismo seja o rubato, ou seja: um determinado tipo de irregularização expressiva do tempo. Em Richter inexistem tanto a “inegalité” e a agógica barrocas quanto o rubato, e nesse sentido eu chamaria sua abordagem de “classicista”, não de romântica.

Mas além disso Richter era filho de pastor luterano, e sua formação se deu fundamentalmente no espaço eclesiástico – diferente de regentes como um Klemperer, de quem também se diz ter abordado a São Mateus “romanticamente”. Minha impressão é que Richter foi mostrar no teatro o que se fazia nas igrejas… e isso embasaria o clima litúrgico e devocional que parecemos encontrar aqui, em contraste com abordagens mais teatrais, operísticas e/ou “de concerto”.

ALGUNS DESTAQUES DA REALIZAÇÃO E DA OBRA: Antes de mais nada, o coro – ou melhor: os coros (a obra inteira é composta para 2 coros a quatro vozes, 2 orquestras e 2 conjuntos de solistas, que se respondiam da frente e dos fundos da igreja, e ainda uma nona voz coral: um grupo de meninos em uníssono, que intervém somente nas faixas 1 e 35). Impressionam nesta realização a textura veludosa, a precisão e a qualidade expressiva das massas corais, quer nos COROS (peças livres) quer nos CORAIS (nome para “hinos” na tradição luterana).

Segundo, a participação do que foi talvez o melhor barítono do século 20: Dietrich Fischer-Dieskau (28.05.1925-18.05.2012). Destaque para os dois pares recitativo-e-ária que são as faixas 65-66 e 74-75. Para mim só essas quatro faixas já justificariam a preservação desta gravação e nossa atenção a ela!

Falar das diferentes árias maravilhosas da São Mateus é um assunto infinito em que não quero entrar – mas por afinidades pessoais não quero deixar de chamar atenção para o dueto soprano-alto com coro quase no final da primeira parte (faixa 33), e para a ária Aus Liebe (‘É por amor…’ – faixa 58) – esta especificamente porque para mim é um inegável CHORO – quero dizer no sentido musical brasileiro da palavra - com os volteios sentimentais da flauta apoiados (?) em acordes flutuantes de 2 oboés e um corne inglês mais ou menos na mesma tessitura de um cavaquinho, sem baixo nenhum. Como diria o filho do véio: IM-PER-DÍ-VEL!

SOBRE A RELAÇÃO COM O TEXTO: Hoje o interesse pela música de Bach é mais freqüente entre pessoas intelectualizadas… e justo entre essas não é freqüente conseguirem levar a sério o enredo e os sentidos teológicos que essa música se propõe a ilustrar. Surge daí com freqüência uma proposta de audição assim: “a composição musical é maravilhosa, mas os textos são uma baboseira superada que é melhor a gente nem ficar sabendo”.

Por um lado considero perfeitamente válido que para apreciar esta música ninguém precise acreditar que estaria condenado a assar no inferno pela eternidade caso Jesus não tivesse se disposto a sofrer para apaziguar um Deus-Pai capaz de determinar isso… Mas por outro lado acho que há uma inegável perda de experiência estética quando não nos dispomos a experimentar como é sentir isso - no mínimo do mesmo modo como nos dispomos a sentir os terrores e esperanças dos gregos ou dos indianos diante dos seus deuses e heróis, quando vamos conhecer a Ilíada ou o Mahabhárata.

Para mim o bonito dos tempos pós-modernos é justamente isso: o convívio entre múltiplas formas diferentes de experimentar a mesma coisa, formas muitas vezes incompatíves mas que nem por isso precisam incorrer na infantilidade de lutar para suprimir umas às outras. No caso: há gente que irá ouvir só pela música; alguns pela música e pelo mito entendido como fantasia; outros pelo mito entendido como verdade sagrada; outros ainda por nostalgia em relação aos seus queridos passados que cultivavam essa forma de religiosidade – etc. etc. etc.

Minha forma pessoal, se alguém se interessar em saber, eu classificaria como um tanto antropológica: entendo como essência do mythos cristão a admissão, por parte do ser humano, de um descompasso ou insuficiência de sua parte frente a uma ordem maior – e quem diz que isso se refere a um velho barbudo que diz que você não pode pensar no que tem por baixo da saia ou calça da/do coleguinha da escola, ou duvidar de que a mãe de Jesus era virgem ou coisas assim? A realidade da destruição ambiental do planeta, ou das crianças lançadas à fome por conta de disputas de poder-pelo-poder, não são amostras de que o ser humano realmente pisa na bola frente àquilo que ele mesmo é capaz de conceber como o bom e o desejável? E será assim tão ridículo dispor-se a deixar ressoar em cada um de nós o que é o sofrimento de um outro que tem raiz em atos nossos? E ainda: aspirar por que essa compreensão respeitosa do sofrimento do outro, e admissão de culpa, gere um desejo de superação das nossas insuficiências em questão – um desejo tal que se torne força capacitadora de uma tal superação?…

Essa é, no humilde ver de Ranulfus, uma tradução antropológica do mythos cristão – e não tenho dúvidas de que era com esse magma de emoções que Bach trabalhava, independente de se com pura intuição ou com maior ou menor dose de consciência. E quem se dispõe a empreender uma viagem através de imagens simbólicas desse drama fundamental da admissão de culpa e aspiração por redenção, com certeza irá extrair de Bach uma experiência estética ainda muito mais profunda que aquele que diz “a música é divina, os textos são pura baboseira”.

Foi assim que eu entendi o impulso que o colega Avicenna teve de não postar esta obra sem colocar à disposição o texto com tradução em português (mesmo se não há nenhuma poeticamente satisfatória!), bem como os títulos das faixas em português: contribuições para uma experiência mais integral desses “Autos de Mysterio” que são as Paixões de Bach -

… experiência para quê a atitude menos teatral e mais litúrgico-devocional adotada por Karl Richter talvez possa ser uma contribuição, apesar de todas as suas infidelidades musicológicas.

J.S. Bach: PASSIO SECUNDUM MATTHÆUM, BWV 244
1.ª das gravações dirigidas por Karl Richter: 1958, Herkules-Saal, München
Münchener Bach-Chor & Münchener Chorknaben (diretor do coro: Fritz Rothschuh)
Münchener Bach-Orchester

Tenor [Evangelista, árias]: Ernst Haefliger
Baixo [Jesus]: Kieth Engen
Soprano [árias]: Irmgard Seefried
Soprano [1.ª criada; esposa de Pilatos]: Antonia Fahberg
Contralto [árias, 2.ª criada]: Hertha Töpper
Baixo [árias]: Dietrich Fischer-Dieskau
Baixo [Judas, Pedro, Pilatos, Sumo Sacerdote]: Max Proebstl

LISTA DAS FAIXAS

Jesus ungido em Betânia (São Mateus 26: 1-13)
01 Vinde, filhas, auxilia-me no pranto (Kommt, ihr Töchter)
02 Quando Jesus terminou estas palavras (Da Jesus diese Rede vollendet hatte)
03 Amado Jesus (Herzliebster Jesu)
04 Então se reuniram em conselho (Da versammleten sich die Hohenpriester)
05 Que não seja em dia de festa (Ja nicht auf das Fest)
06 Estando Jesus em Betânia (Da nun Jesus war zu Bethanien)
07 Para que este desperdício (Wozu dienet dieser Unrat)
08 Os advertindo, Jesus os falou assim: (Da das Jesus merkete, sprach er zu ihnen)
09 Tu! Salvador bem amado! (Du lieber Heiland du)
10 Contrição e arrependimento (Buss’ und Reu’)

Última Ceia (São Mateus 26: 14-35):
11 Então um dos doze (Da ging hin der Zwölfen einer)
12 Sangra, querido coração! (Blute nur, du liebes Herz)
13 Então no dia dos primeiros ázimos (Aber am ersten Tage der süssen Brot)
14 Onde quer que façamos (Wo willst du, dass wir dir bereiten)
15 Ele os disse ide a cidade (Er sprach-Gehet hin & Rez (Ev)-Und sie wurden)
16 Sou eu. Deveria expiá-lo (Ich bin’s, ich sollte büssen)
17 Ele os respondeu (Er antwortete und sprach)
18 Apesar de que meu coração (Wiewohl mein Herz in Tränen schwimmt)
19 Quero entregar-te meu coração (Ich will dir mein Herze schenken)
20 E tendo proclamado o hino de ação de graças (Und da sie den Lobgesang gesprochen hatten)
21 Reconhece-me, meu Guardião (Erkenne mich, mein Hüter)
22 Porém Pedro, respondendo, lhe disse (Petrus aber antwortete)
23 Quero permanecer aqui junto de Ti (Ich will hier bei dir stehen)

No monte das Oliveiras (São Mateus 26: 36-56):
24 Então marchou Jesus com eles (Da kam Jesus mit ihnen zu einem Hofe)
25 Oh, dor! Como treme seu coração angustiado (O Schmerz & Chor-Was ist die Ursach’)
26 Quero velar ao lado do meu Jesus (Ich will bei meinem Jesu wachen & Chor-So schlafen unsre)
27 Avançou alguns passos (Und ging hin ein wenig)
28 O salvador cai de joelhos (Der Heiland fällt vor seinem Vater nieder)
29 Com prazer queria eu levar sua cruz (Gerne will ich mich bequemen)
30 E ao retornar até onde estavam seus (Und er kam zu seinen Jüngern)
31 Que se cumpra sempre a vontade de meu Senhor (Was mein Gott will, das g’scheh allzeit)
32 E retornando, os encontrou novamente (Und er kam und fand sie aber schlafend)
33 Assim meu Jesus é preso (So ist mein Jesus nun gefangen)
34 E eis que um dos que estavam com Jesus (Und siehe, einer aus denen)
35 Oh homem! Chora teu grande pecado (O Mensch, bewein dein Sünde gross)

Falso Testemunho (São Mateus 26: 57-63):
36 Ah! Meu bom Jesus já não está aqui! (Ach, nun ist mein Jesus hin!)
37 Os que prenderam a Jesus o conduziram (Die aber Jesum gegriffen hatten)
38 O mundo me julgou cruelmente (Mir hat die Welt trüglich gericht’t)
39 Apesar de tê-lo tentado com numerosos testemunhos falsos (Und wiewohl viel falsche Zeugen)
40 Meu Jesus guarda silêncio ante as calúnias (Mein Jesus schweigt zu falschen Lügen stille)
41 Paciência! Se línguas mentirosas me ofenderem (Geduld! Wenn mich falsche Zungen Stechen)

Jesus ante Caifás e Pilatos (São Mateus 26: 63-75; 27: 1-14):
42 O Sumo Pontífice o respondeu dizendo (Und der Hohepriester antwortete)
43 Então começaram a cuspir-lhe no rosto (Da speieten sie aus)
44 Quem te golpeia assim (Wer hat dich so geschlagen)
45 Pedro estava sentado fora (Petrus aber saß draussen)
46 Então se pôs a maldizer e a jurar (Da hub er an, sich zu verfluchen)
47 Tem piedade de mim, Meu Deus (Erbarme dich, mein Gott)
48 Ainda que me separe de Ti (Bin ich gleich von dir gewichen)
49 Pela manhã, todos os príncipes (Des Morgens abre)
50 Então ele lançou as moedas de prata no templo (Und er warf die Silberlinge)
51 Devolva-me o Meu Jesus! (Gebt mir meinen Jesum wieder!)
52 E depois de terem discutido (Sie hielten aber einen Rat)
53 Dirige teu caminho (Befiehl du deine Wege)

Entrega e Flagelação (São Mateus 27: 15-30):
54 Durante a festa era costume que o governador (Auf das Fest aber hatte der Landpfleger Gewohnheit)
55 Que incompreensível é este castigo! (Wie wunderbarlich ist doch diese Strafe!)
56 O governador replicou (Der Landpfleger sagte)
57 Ele fez o bem a todos (Er hat uns allen wohlgetan)
58 Por amor quer morrer meu Salvador (Aus Liebe will mein Heiland)
59 Porém eles, elevando a voz, gritavam (Sie schrieen aber noch mehr)
60 Piedade. Senhor! (Erbarm’ es Gott!)
61 Se as lágrimas do meu rosto (Können Tränen meiner Wangen)
62 Então os soldados do governador tomaram a Jesus (Da nahmen die Kriegsknechte)
63 Oh, cabeça lacerada e ferida (O Haupt voll Blut und Wunden)

A Crucificação (São Mateus 27: 31-54):
64 E depois de tê-lo humilhado (Und da sie ihn verspottet hatten)
65 Sim, ditosa a hora em que a carne e o sangue humanos (Ja! freilich will in uns das Fleisch und Blut)
66 Vem, doce cruz (Komm, süsses Kreuz)
67 E então chegaram ao lugar chamado Gólgota (Und da sie an die Stätte kamen)
68 Até os mesmos bandidos que haviam sido crucificados (Desgleichen schmäheten ihn auch die Mörder)
69 Ah, Gólgota (Ach, Golgatha)
70 Veja, Jesus estende sua mão (Sehet, Jesus hat die Hand)
71 E desde a hora sexta até a hora nona (Und von der sechsten Stunde)
72 Quando eu tiver que partir (Wenn ich einmal soll scheiden)
73 E eis que o véu do templo (Und siehe da)

O enterro (São Mateus 27: 55-66):
73b Estavam também ali, um pouco afastadas (Und es waren viel Weiber da)
74 Ao entardecer, quando refrescou (Am Abend, da es kühle war)
75 Purifica-te, Meu coração (Mache dich, mein Herze, rein)
76 José tomou o corpo e o envolveu em um lençol (Und Joseph nahm den Leib)
77 Agora o Senhor descansa (Nun ist der Herr zur Ruh gebracht)
78 Chorando nos prostramos ante teu sepulcro (Wir setzen uns mit Tränen nieder)

OPÇÕES DE DOWLOAD:

NOVO LINK: arquivo único 503 MB
. . . . . . . Baixe aqui – download here

POSTAGEM ORIGINAL: 5 arquivos (100+100+100+100+28):
Parte 1Parte 2Parte 3Parte 4Parte 5
É NECESSÁRIO BAIXAR TODOS PARA DESCOMPACTAR

TEXTO (original alemão + português)
Encarte/booklet da edição em vinil: incluído em PDF no download
Tradução um pouco menos ruim que a do encarte:
http://www.bach-cantatas.com/Texts/BWV244-Por2.htm

Monge Ranulfus: texto & inspiração
Avicenna: digitalização, layout & mouse conductor

J. S. Bach (1685-1750): Concertos para Flauta

Um bom disco. Um daqueles concertos reconstruídos, o quinto de Brandemburgo e a Abertura Nº 2, com sua Badinerie de todos os celulares. O cravista inventa bastante na cadenza do 5º brandemburguês… É um pouco decepcionante para quem ama aquele solo, mas OK, é domingo, não vamos nos exaltar. É engraçado como ficou bonito e atlético — à exceção de sublime Andante — o concerto reconstruído a partir de três Cantatas. Vale a pena baixar, sim.

J. S. Bach (1685-1750): Concertos para Flauta

1 Flute Concerto in B Minor (reconstructed by F. Zimei): I. [Allegro] (after Non sa che sia dolore, BWV 209: Sinfonia) 5:52
2 Flute Concerto in B Minor (reconstructed by F. Zimei): II. [Andante] (after Durchlauchtster Leopold, BWV 173a: Aria: Guldner Sonnen frohe Stunden) 9:03
3 Flute Concerto in B Minor (reconstructed by F. Zimei): III. [Allegro] (after Vereinigte Zwietracht der wechselnden Saiten, BWV207: Aria: Augustus’ Namenstages Schimmer) 3:34

4 Concerto in D Major, BWV 1050a, “Brandenburg Concerto No. 5, early version”: I. Allegro 7:33
5 Concerto in D Major, BWV 1050a, “Brandenburg Concerto No. 5, early version”: II. Adagio 1:28
6 Concerto in D Major, BWV 1050a, “Brandenburg Concerto No. 5, early version”: III. Allegro 5:07

7 Overture (Suite) No. 2 in B Minor, BWV 1067: I. Ouverture 10:16
8 Overture (Suite) No. 2 in B Minor, BWV 1067: II. Rondeau 1:46
9 Overture (Suite) No. 2 in B Minor, BWV 1067: III. Sarabande 3:00
10 Overture (Suite) No. 2 in B Minor, BWV 1067: IV. Bourree I-II 2:09
11 Overture (Suite) No. 2 in B Minor, BWV 1067: V. Polonaise – Double 3:53
12 Overture (Suite) No. 2 in B Minor, BWV 1067: VI. Menuet 1:18
13 Overture (Suite) No. 2 in B Minor, BWV 1067: VII. Badinerie 1:27

Ensemble Aurora
Enrico Gatti, maestro di concerto

Marcello Gatti, traverso

Enrico Gatti, violin
Rossella Croce, violin
Joanna Huszcza, viola
Judith-Maria Olofsson, cello
Riccardo Coelati, violone
Michele Barchi, harpsichord

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Ô, Marcello, dá uma chamada neste cravista, aê.

Ô, Marcello, dá uma chamada nesse cravista, aê.

PQP

J. S. Bach (1685-1750): A Oferenda Musical, BWV 1079

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Hoje parece ser um dia de obras-primas no PQP Bach (ver postagem abaixo). E, se alguém perguntar ao PQP quais são as dez obras musicais que ele mais ama, ele apontará vários autores, mas dentre as escolhas estarão certamente duas obras: A Oferenda Musical e as Variações Goldberg. São composições  de estrutura semelhante que para mim são muito caras e consoladoras. Jordi Savall tem sempre algo de bom a acrescentar e ele novamente faz isso nesta gravação impecável e mais à flor da pele que a maioria. Eu, se fosse você, prestaria muita atenção à Oferenda; talvez até me fizesse acompanhar de um bom vinho. Vale a pena, ô se vale.

J. S. Bach (1685-1750): A Oferenda Musical, BWV 1079

1. Thema Regium – Traverso Solo (Bach) 0:30
2. Ricercar A 3 – Clavecin (Bach) 6:25
3. Canon Perpetuus Super Thema Regium (7) (Bach) 2:28
4. Canon 1 A 2 (Cancrizans) – Clavecin (Bach) 1:55
5. Canon 2 A 2 Violini In Unisono (Bach) 1:34
6. Canon 3 A 2 Per Motum Contrarium (Bach) 2:06
7. Canon 4 (A) Per Augmentationem, Contrario Motu (Bach) 2:36
8. Ricercar A 6 – Clavecin (Bach) 8:48
9. Sonata Sopr’ll Soggetto Reale: Largo (Bach) 6:30
10. Sonata Sopr’ll Soggetto Reale: Allegro (Bach) 5:30
11. Sonata Sopr’ll Soggetto Reale: Andante (Bach) 3:21
12. Sonata Sopr’ll Soggetto Reale: Allegro (Bach) 2:53
13. Canon A 2 Quarendo Invenietis (9A) – Clavecin (Bach) 1:41
14. Canon A 2 Quarendo Invenietis (9B) – Clavecin (Bach) 1:08
15. Canon 5 A 2 Per Tonos “Ascendenteque Modulatione Ascendat Gloria Regis” (Bach) 3:30
16. Fuga Canonica In Epidiapente (6) (Bach) 2:20
17. Canon4 (B) Per Augmentationem, Contrario Motu (Bach) 3:07
18. Canon Perpetuus (Per Justi Intervali) (8) (Bach) 3:28
19. Canon A 4 (10) (Bach) 4:41
20. Ricercar A 6 – Ensemble (Bach) 7:15

Le Concert Des Nations
Jordi Savall

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Saval e seu Le Concert de Nations: talento assombroso

Savall e seu Le Concert de Nations: talento assombroso

PQP

Johann Sebastian Bach (1685-1750): A Paixão Segundo São João – Gardiner

Esta postagem foi uma solicitação de um bom amigo do blog, Gilberto Agostinho, que nos acompanha praticamente desde o começo. Ele comentou com o próprio PQP que tinha ouvido a abertura desta obra nesta versão do Gardiner e ficou embasbacado e impressionado. E realmente é uma das melhores que já ouvi.

Como sou fã do Gardiner e de seu English Baroque Soloists e do espetacular Monteverdi Choir sempre estou atrás das gravações deles. Já tenho esse St John´s Passion há algum tempo, e ontem, por acaso, arrumando alguns cds, ele me passou pelas mãos. No dia seguinte, o PQP pergunta se alguém tinha. Coincidência ou destino?

Bem, Gilberto, ai tens a Paixão Segundo João do Gardiner, para poderes curtir no final de semana. Não sei onde moras, mas aqui no sul o tempo virou novamente e há previsão de neve no interior do meu estado. Um vento muito forte está batendo, em alguns locais está até sendo classificado como tempestade tropical devido a violência, próximo dos 150 km/h. Coisa de louco. Ou seja, no meu caso, nada como ficar em casa, embaixo das cobertas, com um bom livro, um bom vinho, e claro, Bach para esquentar.

PQPBach viajou, está em São Paulo, onde a estas horas deve estar trocando idéias com os colegas Ranulfus e Avicenna e discutindo o destino do blog.

Johann Sebastian Bach (1685-1750) – St John Passion – Gardiner

1. No.1 Chorus: “Herr, unser Herrscher”
2. No. 2 Evangelista, Jesus, Chorus: “Jesus ging mit seinen Juengern ..” – “Jesum von Nazareth” – “Jesus spricht zu ihnen” – “Jesum von Nazareth” – “Jesus antwortete”
3. No.3 Choral: “O große Lieb, o Lieb ohn’ alle Maße”
4. No.4 Evangelist, Jesus: “Auf daß das Wort erfüllet würde”
5. No.5 Choral: “Dein Will gescheh, Herr Gott zugleich”
6. No. 6 Evangelist:” Die Schar aber”
7. No.7 Aria (Alt): “Von den Stricken meiner Sünden”
8. No.8 Evangelist: “Simon Petrus aber folgete Jesu nach”
9. No.9 Aria(Sopran): Ich folge dir gleichfalls”
10.No.10 Evangelist, Ancilla, Petrus, Jesus, Servus: “Derselbige Jünger war dem Hohenpriester bekannt”
11.No.11 Choral: “Wer hat dich so geschlagen”
12.No.12 Evangelist, Chorus, Evangelist, Petrus, Servus: ” Und Hannas sandte ihn gebunden ”
13.No.13 Aria (Tenor): “Ach mein Sinn”
14.No.14 Choral: “Petrus, der nicht denkt zurück”

Part Two

15.No.15 Choral: “Christus, der uns selig macht”
16.No.16 Evangelist, Pilatus, Chorus: ” Da führeten sie Jesum ”
17.No.17 Choral: “Ach großer König, groß zu allen Zeiten”
18.No.18 Evangelist, Pilatus, Jesus, Chorus, Evangelist: “Da sprach Pilatus zu ihnen”
19.No.19 Arioso (Baß): “Betrachte, meine Seele”
20.No.20 Aria (Tenor): ” Erwäge, wie sein blutgefärbter Rücken”

CD 2

1.No.21 Evangelist, Pilatus, Jesus, Chorus: ” Und die Kriegsknechte flochten ”
2.No.22 Choral: “Durch dein Gefängnis, Gottes Sohn”
3.No.23 Evangelist, Pilatus, Chorus: ” Die Juden aber schrieen und sprachen ”
4.No.24 Aria (Baß) – Chor: “Eilt ihr angefochtnen Seelen”
5.No.25 Evangelist, Chorus, Pilatus: ” Allda kreuzigten sie ihn ”
6.No.26 Choral: “In meines Herzens Grunde”
7.No.27 Evangelist, Chorus, Evangelist: ” Die Kriegsknechte aber ”
8.No.28 Choral: ” Er nahm alles wohl in acht”
9.No.29 Evangelist, Jesus: ” Und von Stund an ”
10.No.30 Aria (Alt): ” Es ist vollbracht ”
11.No.31 Evangelist: ” Und neigte das Haupt und verschied ”
12.No.32 Aria (baß) – Chorus: ” Mein teurer Heiland ”
13.No.33 Evangelist: ” Und siehe da ”
14.No.34 Arioso (Tenor): ” Mein Herz, indem die ganze Welt ”
15.No.35 Aria (soprano): ” Zerfließe, mein Herz ”
16.No.36 Evangelist: “Die Juden aber”
17.No.37 Choral:” O hilf, Christe, Gottes Sohn”
18.No.38 Evangelist: “Darnach bat Pilatum”
19.No.39 Chorus: “Ruht wohl, ihr heiligen Gebeine”
20.No.40 Choral: “Ach Herr, laß dein lieb Engelein”

Antony Rolfe Johnson – Evangelist – Tenor
Stephen Varcoe – Jesus – Bass
Cornelius Hauptman – Pilates and bass arias
Monteverdi Choir
The English Baroque Soloists
John Elliot Gardiner – Director

CD 1 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gardiner: Enormes registros e grandes doses de compreensão de Bach

Gardiner: enormes registros e grandes doses de compreensão de Bach

FDPBach

Johann Sebastian Bach (1685-1750) – The Works for the Lute – Lutz Kirchhoff

Front (1)

Estou envolvido com questões pessoais, além de estar me preparando para mais um concurso público, por mais umas três semanas, por este motivo vou continuar um tanto quanto afastado do PQPBach. Vou agendar o maior número possível de postagens, mas é pouco provável que responda a questionamentos ou solicitações que venham a ser feitos neste meio tempo.
Dois cds absolutamente perfeitos é o que vos trago nesta postagem. A interpretação do alaúdista Lutz Kirchhoff beira a perfeição, e creio que seja a versão a ser batida ou igualada para este repertório, caso existisse uma competição. A coleção VIVARTE do selo Sony prima pela qualidade de suas gravações e seus intérpretes são renomados dentro do universo da música barroca e do período clássico, com ênfase nas interpretações com instrumentos de época.

Então, sem mais delongas, vamos ao que interessa: a obra de Bach interpretada por um mestre do alaúde.

CD1
01 – Suite in G minor BWV 995 – 1. Prelude
02 – Suite in G minor BWV 995 – 2. Allemande
03 – Suite in G minor BWV 995 – 3. Courante
04 – Suite in G minor BWV 995 – 4. Sarabande
05 – Suite in G minor BWV 995 – 5. Gavotte I
06 – Suite in G minor BWV 995 – 7. Gigue
07 – Fuge in G minor BWV 1000
08 – Suite in E minor BWV 996 – 1. Praeludio – Passaggio – Presto
09 – Suite in E minor BWV 996 – 2. Allemande
10 – Suite in E minor BWV 996 – 3. Courante
11 – Suite in E minor BWV 996 – 4. Sarabande
12 – Suite in E minor BWV 996 – 5. Bourrée
13 – Suite in E minor BWV 996 – 6. Gigue
14 – Preludium, Fuge and Allegro BWV 998 – 1. Prelude
15 – Preludium, Fuge and Allegro BWV 998 – 2. Fuga

CD 1 - BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CD 2

01 – Partita for Lute in C minor BWV.997 – 1. Prelude
02 – Partita for Lute in C minor BWV.997 – 2. Fuga
03 – Partita for Lute in C minor BWV.997 – 3. Sarabande
04 – Partita for Lute in C minor BWV.997 – 4. Gigue
05 – Partita for Lute in C minor BWV.997 – 5. Double
06 – Prelude for Lute in C minor BWV.999
07 – Suite for Lute in E major BWV.1006 – 1. Prelude
08 – Suite for Lute in E major BWV.1006 – 2. Loure
09 – Suite for Lute in E major BWV.1006 – 3. Gavotte en Rondeau
10 – Suite for Lute in E major BWV.1006 – 4. Menuet I
11 – Suite for Lute in E major BWV.1006 – 5. Menuet II
12 – Suite for Lute in E major BWV.1006 – 6. Bourrée
13 – Suite for Lute in E major BWV.1006 – 7. Gigue

 CD 2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Lutz Kirchhof – Theorbo & Baroque Lute

2011-02-06_Lutz Kirchhof

Lutz Kirchhof toca muito esse antepassado do nosso violão.

IM.0627_zp

Esse é o tal do theorbo lute. Ainda mais esquisito, não acham?

 

 

J. S. Bach / C. P. E. Bach / François Couperin: Caderno de Notas de Anna Magdalena Bach

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Anna Magdalena Bach (née Wilcken) foi a segunda esposa de meu pai, Johann Sebastian. Ela era excelente cantora e boa cravista. Quando do casamento, a família deu-lhe de presente um enorme caderno de notas para que ela praticasse sua arte em casa. Ah, nada como o amor dos primeiros anos! O caderno era realmente imenso e há diversas coletâneas gravadas com repertórios bastante diferentes. A sedução destes CDs é sua diversidade e alta qualidade. Neste aqui, McGegan e grupo fizeram uma bela escolha e a interpretam de forma entusiasmante. O disco é nada menos do que sensacional, trazendo para nós um pouco do som e da cerveja da casa de meu pai. Nós éramos mais ou menos pobres, mas assevero-vos, só materialmente.

J. S. Bach / C. P. E. Bach / François Couperin:
Caderno de Notas de Anna Magdalena Bach

1. French Ste No.1 in d BWV 812: Allemande
2. French Ste No.1 in d BWV 812: Courante
3. French Ste No.1 in d BWV 812: Sarabande
4. French Ste No.1 in d BWV 812: Minuet I & II
5. French Ste No.1 in d BWV 812: Gigue
6. Aria,’Bist Du Bei Mir’ BWV 508
7. Aria,’Willst Du Mein Herz Mir Schenken’ BWV 518
8. C.P.E.Bach: Solo
9. C.P.E.Bach: Polonaise in g
10. C.P.E.Bach: March in D
11. March in E flat
12. F. Couperin: Rondeau in b flat
13. Chorale, ‘Wer Nur Den Liebe Gott Lasst Walten’ BWV 691
14. ‘Goldberg’ Vars: Aria BWV 998,1
15. BWV 82: (Recitative, ‘Ich Habe Genug’
16. BWV 82: Aria, ‘Schlummert Ein’
17. Aria ‘Gedenke Doch, Mein Geist’ BWV 509
18. French Ste No.2 in c BWV 813,1-3 : Allemande
19. French Ste No.2 in c BWV 813,1-3 : Courante
20. French Ste No.2 in c BWV 813,1-3 : Sarabande
21. Prld No. 1 in C BWV 846,1 (From The Well-Tempered Clavier, Book 1)
22. Hasse: Polonaise in G
23. Polonaise in d
24. Polonaise in g
25. Polonaise in F
26. Petzold: Minuets (Da Capo))
27. Musette in A, BWV Anh.126
28. Bohm: ‘Menuet Fait Par M. Bohm’
29. Minuet in G, BWV Anh.116

Lorraine Hunt-Lieberson, mezzo-soprano
David Bowles, cello
Nicholas McGegan, harpsichord & clavichord

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Dizem que esta foi Anna Magdalena Bach

Dizem que esta foi Anna Magdalena Bach

PQP

Franz Liszt (1811-1886) / Felix Mendelssohn (1809-1847) / Johann Sebastian Bach (1685-1750): Organ Works

Quando vi anunciado este CD, torci o nariz porque ele era dominado por Liszt, autor que não me agrada muito. Mas a gravadora Alpha raramente faz alguma sacanagem com o amante da música. Fui ouvir e a coisa é mesmo boa. Se as obras de Liszt que abrem e fecham o CD são poderosas, a beleza é deixada a cargo de quem entende disso: Mendelssohn e Bach. É indiscutível o bom gosto e a sensibilidade presentes no repertório escolhido pelo excelente organista Rechsteiner, assim como a luminosidade que Amandine Beyer extrai de seu violino. Grande disco!

Franz Liszt (1811-1886): Organ Works

1. Liszt: Präludium und Fuge über das Motiv B.A.C.H. (I), for organ, S. 260i (LW E3/1)
2. Mendelssohn: Paulus (Saint Paul), oratorio, Op. 36: Jerusalem, die du tötest den Propheten
3. Mendelssohn: Song Without Words for piano No. 7 in E flat major, Op. 30/1
4. Liszt: Variationen über das Motiv von Bach: Weinen, Klagen, for organ, S. 673 (LW E17)
5. Bach: St. Matthew Passion (Matthäuspassion), for soloists, double chorus & double orchestra, BWV 244 (BC D3b): Erbarme dich
6. Liszt: Fantasie & Fuge über den Choral ‘Ad nos, ad salutarem undam’, for organ, S. 259 (LW E1)

Yves Rechsteiner, órgão
Amandine Beyer, violino
Monique Simon, mezzo-soprano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Que show, Rechsteiner!

Que show, Rechsteiner!

PQP

J. S. Bach (1685-1750): A Paixão Segundo São Mateus, BWV 244

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Esqueça o comércio, mande às favas os parentes e os presentes. Muito melhor do que sair fazendo compras neste dia 23 é ouvir esta estupenda versão da Paixão Segundo São Mateus a cargo de um supertime: René Jacobs mais a Akademie für Alte Musik Berlin e solistas. Algumas opções tomadas são questionáveis. O engenheiro de som deixou algumas vozes mais afastadas do que as outras, certamente na tentativa de dar um caráter operístico à obra-prima de Bach. Ah, a Paixão não é uma ópera? Na minha opinião, é. Para quem conhece a história bíblica, o jogo de vozes fica interessante, mas, para quem vem apenas à catedral da música, talvez fique um pouco esquisito. De resto, que versão! Acho que ainda levaria para a ilha deserta o registro de Gardiner, mas confesso que ficaria em dúvida na hora de arrumar a pequena mala.

A gravação é novíssima, de agosto e setembro de 2012.

J. S. Bach (1685-1750): A Paixão Segundo São Mateus, BWV 244

Disk: 1
1. Chor: Kommt, Ihr Töchter, Helft Mir Klagen (1. Teil)
2. Rezitativ: Da Jesus Diese Rede Vollendet Hatte
3. Choral: Herzliebster Jesu, Was Hast Du Verbrochen
4. Rezitativ: Da Versammelten Sich Die Hohepriester – Chor: Ja Nicht Auf Das Fest – Rezitativ: Da Nun Jesus
5. Rezitativ: Du Lieber Heiland Du
6. Arie: Buß’ Und Reu’
7. Rezitativ: Da Ging Hin Der Zwölfen Einer
8. Arie: Blute Nur, Du Liebes Herz
9. Rezitativ: Aber Am Ersten Tage Der Süßen Brot – Chor: Wo Willst Du, Daß Wir Dir Bereiten Das Osterlamm Zu Essen?
10. Choral: Ich Bins, Ich Sollte Büßen
11. Rezitativ: Er Antwortete Und Sprach
12. Rezitativ: Wiewohl Mein Herz In Tränen Schwimmt
13. Arie: Ich Will Dir Mein Herze Schenken
14. Rezitativ: Und Da Sie Den Lobgesang Gesprochen Hatten
15. Choral: Erkenne Mich, Mein Hüter
16. Rezitativ: Petrus Aber Antwortete Und Sprach Zu Ihm
17. Choral: Ich Will Hier Bei Dir Stehen
18. Rezitativ: Da Kam Jesus Mit Ihnen Zu Einem Hofe
19. Rezitativ: O Schmerz! Hier Zittert Das Gequälte Herz
20. Arie: Ich Will Bei Meinem Jesu Wachen
21. Rezitativ: Und Ging Hin Ein Wenig
22. Rezitativ: Der Heiland Fällt Vor Seinem Vater Nieder
23. Arie: Gerne Will Ich Mich Bequemen
24. Rezitativ: Und Er Kam Zu Seinen Jüngern
25. Choral: Was Mein Gott Will, Das G’scheh’ Allzeit
26. Rezitativ: Und Er Kam Und Fand Sie Aber Schlafend
27. Arie: So Ist Mein Jesus Nun Gefangen – Chor: Sind Blitze Und Donner In Wolken Verschwunden
28. Rezitativ: Und Siehe, Einer Aus Denen
29. Choral: O Mensch, Bewein’ Dein’ Sünde Groß
30. Arie: Ach, Nun Ist Mein Jesus Hin! (2. Teil)
31. Rezitativ: Die Aber Jesum Gegriffen Hatten
32. Choral: Mit Hat Die Welt Trüglich Gericht’t
33. Rezitativ: Und Wiewohl Viel Falsche Zeugen Herzutraten
34. Rezitativ: Mein Jesus Schweigt Zu Falschen Lügen Stille
35. Arie: Geduld! Wenn Mich Falsche Zungen Stechen
36. Rezitativ: Und Der Hohepriester Antwortete – Chor: Er Ist Des Todes Schuldig
37. Choral: Wer Hat Dich So Geschlagen

Disk: 2
1. Rezitativ: Petrus Aber Saß Draußen Im Palast
2. Chor: Wahrlich, Du Bist Auch Einer Von Denen
3. Arie: Erbarme Dich, Mein Gott
4. Choral: Bin Ich Gleich Von Dir Gewichen
5. Rezitativ: Des Morgens Aber Hielten Alle Hohepriester – Chor: Was Gehet Uns Das An
6. Rezitativ: Sie Hielten Aber Einen Rat
7. Choral: Befiehl Du Deine Wege
8. Auf Das Fest Aber Hatte Der Landpfleger Gewohnheit – Chor: Laß Ihn Kreuzigen
9. Choral: Wie Wunderbarlich Ist Doch Diese Strafe!
10. Rezitativ: Der Landpfleger Sagte
11. Rezitativ: Er Hat Uns Allen Wohlgetan
12. Arie: Aus Liebe Will Mein Heiland Sterben!
13. Rezitativ: Sie Schrieen Aber Noch Mehr – Chor: Laß Ihn Kreuzigen – Rezitativ: Da Aber Pilatus Sahe
14. Rezitativ: Erbarm’ Es Gott!
15. Arie: Können Tränen Meiner Wangen
16. Rezitativ: Da Nahmen Die Kriegsknechte – Chor: Gegrüßet Seist Du, Judenkönig – Rezitativ: Und Speieten Ihn An
17. Choral: O Haupt Voll Blut Und Wunden
18. Rezitativ: Und Da Sie Ihn Verspottet Hatten
19. Rezitativ: Ja! Freilich Will In Uns Das Fleisch Und Blut
20. Arie: Komm, Süßes Kreuz, So Will Ich Sagen
21. Rezitativ: Und Da Sie An Die Stätte Kamen – Chor: Der Du Den Tempel Gottes Zerbrichst – Rezitativ: Desgleichen Auch Die
22. Rezitativ: Ach Golgatha
23. Arie: Sehet, Jesus Hat Die Hand
24. Und Von Der Sechsten Stunde An – Chor: Der Rufet Den Elias – Und Bald Lief Einer Unter Ihnen – Chor: Halt! Laß Sehen
25. Choral: Wenn Ich Einmal Soll Scheiden
26. Rezitativ: Und Siehe Da, Der Vorhang Im Tempel Zerriß
27. Rezitativ: Am Abend, Da Es Kühle War
28. Arie: Mache Dich, Mein Herze, Rein
29. Rezitativ: Und Joseph Nahm Den Leib – Chor: Herr, Wir Haben Gedacht – Rezitativ: Pilatus Sprach Zu Ihnen
30. Rezitativ: Nun Ist Der Herr Zur Ruh’ Gebracht
31. Chor 1 Und 2: Wir Setzen Uns Mit Tränen Nieder
32. Rezitativ: Ja! Freilich Will In Uns
33. Arie: Komm, Süßes Kreuz

Sunhae Im
Bernarda Fink
Werner Güra
Topi Lehtipuu
Johannes Weisser
Konstantin Wolff

RIAS Kammerchor
Akademie für Alte Musik Berlin
René Jacobs

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O belga René Jacobs: sai de baixo!

O belga René Jacobs: sai de baixo!

PQP

Johann Sebastian Bach (1685-1750) – O Holder Tag, Erwunschte Zeit (Hochzeitskantate), BWV 210, Schweigt stille, plaudert nicht (Kaffeekantate), BWV 211 – Suzuki, Sampson, Sakurada, Schrekenberger, BCJ

01Massaki Suzuki é um maestro japonês e uma das maiores autoridades na obra de Johann Sebastian da atualidade. Gravou até agora cinquenta e cinco cds com Cantatas de papai, com tremenda competência, um dos quais trago aqui, para mostrar aos senhores como a música é universal: maestro, orquestra e solistas japoneses gravam por um selo ueco (BIS) a obra de um compositor alemão que viveu entre os séculos XVII e XVIII.
As cantatas que ora vos trago são chamadas de Seculares, ou seja, não são sacras, ou seja, não tinham cunho litúrgico, e não possuem textos religiosos. A mais famosa delas, e que consta neste CD, é a de , BWV 211 Schweigt stille, plaudert nicht (Kaffeekantate).
Maiores informações sobre as obras, com direito a libreto e suas respectivas partituras, os senhores encontram no arquivo anexo. Ou então, podem ler aqui , um divertido artigo que nosso amigo Milton Ribeiro escreveu recentemente.

01 – O Holder Tag, Erwunschte Zeit (Hochzeitskantate), BWV 210 I. Recitativo (Soprano)
02 – 2.Aria (Soprano)- Spielet, ihr beseelten Lieder
03 – 3.Recitative (Soprano)- Doch haltet ein, ihr muntern Saiten
04 – 4.Aria (Soprano)- Ruhet hie, matte Tone
05 – 5.Recitative (Soprano)- So glaubt man denn, dass die Musik
06 – 6.Aria (Soprano)- Schweigt, ihr Floten, schweigt, ihr Tone
07 – 7.Recitative (Soprano)- Was Luft- was Grab- Soll die Musik verderben
08 – 8.Aria (Soprano)- Grosser Gronner, dein Vergnugen muss auch unsern klang beseigen
09 – 9.Recitative (Soprano)- Hochteurer Mann, so fahre fenen fort
10 – 10.Aria (Soprano)- Seid begluckt, edle Beide
11 – Schweigt stille, plaudert nicht (Kaffeekantate), BWV 211 – 1. Recitative (Tenor)
12 – 2.Aria (Bass)- Hat man nicht mit seinen Kindern
13 – 3.Recitative (Soprano, Bass)- Du böses Kind, du loses Mädchen
14 – 4.Aria (Soprano)- Ei, wie schmeckt der Coffee süsse
15 – 5.Recitative (Soprano, Bass)- Wenn du mich nicht den Coffee lässt
16 – 6.Aria (Bass)- Mädchen, die von harten Sinnen
17 – 7.Recitative (Soprano, Bass)- Nun, folge, was dein Vater spricht
18 – 8.Aria (Soprano)- Heute noch, lieber Vater, thut es doch
19 – 9.Recitative (Tenor)- Nun geht und sucht den alten Schlendrian
20 – 10.Chorale- Die Katze läßt das Mausen nicht

Carolyn Sampson – Soprano
Makoto Sakurada – Tenor
Stephan Schreckenberger – Bass
Bach Collegium Japan
Massaki Suzuki – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Diretamente do outro lado do globo, eis um grande especialista em Bach

Diretamente do outro lado do globo, eis um grande especialista em Bach

Cantata BWV 4 & Cantata BWV 80 – J. S. Bach – Gesualdo Consort

(novos links abaixo para áudios mais fidedígnos)

Cantata BWV 4 para o 1º dia da Festa de Páscoa
Cantata BWV 80 para a festa da Reforma (31 de outubro)
Johann Sebastian Bach (1685-1750)

Dia desses eu, monge Ranulfus, quis mostrar a um amigo um “aleluia” que considero muito mais exuberante que o famosíssimo do “Messias” de Handel: o do final da 1ª estrofe da Cantata 4 de Bach. Saí a procurar no YouTube uma versão com algum coral volumoso, pois me parecia mais apropriado, quando topei com esta onde o quarteto de solistas faz ele mesmo as partes corais. Resolvi dar uma espiada bastante desconfiada e aí… pimba: fui fisgado!

Isso mesmo, senhores: viciei desavergonhadamente. Passei a OUVER várias vezes por dia; parar no meio do serviço para uma dose; faz quase uma semana, acordo no meio da noite com os clamores do tenor ou do baixo que proclamam a derrota vergonhosa da morte… e o surto não cede. Ainda bem que o amigo Avicenna, apesar ser um cientista muçulmano, como todos sabem, veio em socorro do monge, tomando providências no sentido de espalhar o surto numa população maior, para ver se arrefece um pouco nesta pobre e deliciada vítima. Funcionará? Ou terminará todo mundo igualmente doido?

Enfim: temos aqui dois fantásticos exemplos das chamadas “Choralkantaten” do pai do PQP – com o que não se quer dizer que sejam cantadas por um coral no sentido de conjunto de vozes, e sim que sejam inteiramente baseadas em um coral no sentido de hino luterano – e aqui em sentido duplamente literal: tanto a letra quanto a melodia dos hinos-base das duas cantatas estão entre as dezenas de autoria do próprio Lutero, sendo sem dúvida o mais conhecido o da Cantata 80, “Ein feste Burg ist unser Gott” (usualmente traduzido em português como “Castelo forte é nosso Deus”), que no século 19 o poeta Heinrich Heine chamou de “A Marselhesa da Reforma”. Reforma que, a propósito, completou seus 496 anos neste 31 de outubro (ontem), o que seria um bom pretexto para esta postagem – caso ela precisasse de algum!

Não bastasse, são exemplos de dois tipos diferentes de Choralkantaten: a de nº 80 traz material temático complementar, inventado pelo próprio Bach – e por belíssima que seja (gosto especialmente do solo de soprano, 4º movimento), não a comentarei mais. Quem quiser o texto original e uma boa tradução ao inglês acha aqui.

Confesso que a Cantata 4 me fascina mais: não existe nela uma única frase melódica que não seja derivada da melodia do hino, o que resulta numa combinação da textura contrapontística bachiana com uma atmosfera muito mais antiga – talvez possamos dizer “gótica”, com todas as ressonâncias que essa palavra ganhou desde a época do Romantismo – para o que colabora decisivamente o tema: a Morte, representada mais ou menos como um tirano, e sua derrota por uma espécie de herói de cavalaria chamado Cristo. Cada uma das 7 estrofes repete um trajeto da escuridão e opressão para a luz e a vitória, culminando em seu próprio “aleluia”. (Texto e versão inglesa aqui).

E aqui sugiro que vocês não deixem de apreciar o vídeo desta realização do Gesualdo Consort de Amsterdã. Uma, pela própria beleza dos instrumentos, como o “violone” que nós chamaríamos de contrabaixo, e os 3 trombones e o corneto que reforçam as vozes nas partes corais – este último um fantástico instrumento de madeira preta, com buracos como a flauta doce, tubo cônico como um sax soprano, bocal como um trompete, e o som mais doce que já conheci na Terra – de uma doçura dourada como mel.

Mas, além disso, pelo reforço que a imagem da atuação física dos cantores traz aos sons, que por sua vez são como gestos muitas vezes dramáticos no mundo do Imaginário – como nos versos 4-7 do solo do tenor, que dizem que Cristo “tomou da morte sua jurisdição e prepotência, não deixou NADA (NICHTS – pausa dramática) senão uma aparência de morte: seu ferrão, ela o perdeu”. Ou no verso 7 do solo do baixo: “der Wüüüüür…ger [o carrasco] pode nos não!… não!… não!… não mais fazer mal”. Sem falar do tocante dueto logo após o coro inicial – onde a barba do contralto-contratenor traz um contraponto hoje em dia inusitado às alturas por onde passeia sua voz.

Apesar de concebida para a Páscoa, a Cantata 4 me parece extraordinariamente adequada para amanhã, Dia de Finados – e assim esta nossa postagem conjunta se equilibra aqui, entre Finados e Reforma… junto com Todos os Santos.

Palhinha: veja a integral, com 6 minutos de preleção em holandês e uma peça em órgão de  4 minutos (Koraalbewerking ‘Ein Feste Burg ist Under Gott’ BWV 720 (orgel solo), não presentes nos links abaixo para download.

(1 a 8) Cantata BWV 4 para o 1º dia da Festa de Páscoa:
I. Sinfonia
II. Chor Versus I – Christ lag in Todesbanden
III. Duett (Sopran, Contralt) Versus II – Den Tod niemand zwingen kunnt
IV. Arie (Tenor) Versus III – Jesus Christus, Gottes Sohn
V. Chor Versus IV – Es war ein wunderlicher Krieg
VI. Arie (Bass) Versus V – Hier ist das rechte Osterlamm
VII. Duett (Sopran, Tenor) Versus VI – So feiern wir das hohe Fest
VIII. Choral Versus VII – Wir essen und leben wohl

(9 a 16) Cantata BWV 80 para a festa da Reforma (31 de outubro):
I. Chor – Ein feste Burg ist unser Gott
II. Duett (Sopran, Bass)
III. Rezitativ (Bass) – Erwäge doch, Kind Gottes, die so grosse Liebe
IV. Arie (Sopran) – Komm in mein Herzenshaus
V. Choral – Und wenn die Welt voll Teufel wär
VI. Rezitativ (Tenor) – So stehe
VII. Duett (Contralt Tenor) – Wie selig
VIII. Choral – Das Wort, sie sollen lassen stahn

Gesualdo Consort – 2012

Dorothee Mields, soprano
Terry Wey, alto (contratenor)
Charles Daniels, tenor
Harry van der Kamp, baixo
Pieter-Jan Belder, direção geral e cravo
Leo van Doeselaar, órgão
Gesualdo Consort Amsterdam o.l.v. Harry van der Kamp
Musica Amphion o.l.v. Pieter-Jan Belder e Rémy Baudet

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 Kbps – 101,6 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
FLAC – 201,6 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
AIFF – 266,4 MB
44,0 min
powered by iTunes 11.1.2

Boa audição.

Texto – Monge Ranulfus
Lay-out & Mouse Conductor – Avicenna

J. S. Bach (1685-1750): 6 Partitas, BWV 825-830

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Eu sei que Trevor Pinnock tem grandes trabalhos como regente — seu Messiah é difícil de bater — , mas foi aqui, com as Partitas para teclado de Bach, que ele foi imbatível. A música é extraordinária, da lavra do melhor e mais inspirado Bach, e a resposta de Pinnock foi na mesma altura. E não ignoro que há adversários imensos como Leonhardt e Gould. Este é um CD que todos deveriam ter. Ah, o álbum duplo original tem as Partitas em outra ordem. Aqui, eu as coloquei na ordem de 1 a 6. Fica melhor, né?

Ninguém vai se arrepender de ouvir.

J. S. Bach (1685-1750): 6 Partitas, BWV 825-830

1. Partita No. 1 in B flat major, BWV 825 : I. Prelude 2:08
2. Partita No. 1 in B flat major, BWV 825 : II. Allemande 4:06
3. Partita No. 1 in B flat major, BWV 825 : III. Corrente 2:59
4. Partita No. 1 in B flat major, BWV 825 : IV. Sarabande 5:28
5. Partita No. 1 in B flat major, BWV 825 : V. Menuet 1 and 2 2:40
6. Partita No. 1 in B flat major, BWV 825 : VI. Gigue 2:26

7. Partita No. 2 in C minor, BWV 826 : I. Sinfonia 4:49
8. Partita No. 2 in C minor, BWV 826 : II. Allemande 5:06
9. Partita No. 2 in C minor, BWV 826 : III. Courante 2:09
10. Partita No. 2 in C minor, BWV 826 : IV. Sarabande 3:37
11. Partita No. 2 in C minor, BWV 826 : V. Rondo 1:32
12. Partita No. 2 in C minor, BWV 826 : VI. Capriccio 3:48

1. Partita No. 3 in A minor, BWV 827 : I. Fantasia 2:14
2. Partita No. 3 in A minor, BWV 827 : II. Allemande 3:24
3. Partita No. 3 in A minor, BWV 827 : III. Corrente 2:53
4. Partita No. 3 in A minor, BWV 827 : IV. Sarabande 4:28
5. Partita No. 3 in A minor, BWV 827 : V. Burlesca 2:05
6. Partita No. 3 in A minor, BWV 827 : VI. Scherzo 1:15
7. Partita No. 3 in A minor, BWV 827 : VII. Gigue 3:43

8. Partita No. 4 in D major, BWV 828 : I. Overture 6:36
9. Partita No. 4 in D major, BWV 828 : II. Allemande 10:14
10. Partita No. 4 in D major, BWV 828 : III. Courante 3:28
11. Partita No. 4 in D major, BWV 828 : IV. Aria 2:18
12. Partita No. 4 in D major, BWV 828 : V. Sarabande 5:57
13. Partita No. 4 in D major, BWV 828 : VI. Menuet 1:25
14. Partita No. 4 in D major, BWV 828 : VII. Gigue 4:05

15. Partita No. 5 in G major, BWV 829 : I. Prelude 2:50
16. Partita No. 5 in G major, BWV 829 : II. Allemande 5:26
17. Partita No. 5 in G major, BWV 829 : III. Corrente 1:57
18. Partita No. 5 in G major, BWV 829 : IV. Sarabande 5:24
19. Partita No. 5 in G major, BWV 829 : V. Tempo di Minuetta 1:51
20. Partita No. 5 in G major, BWV 829 : VI. Passepied 1:34
21. Partita No. 5 in G major, BWV 829 : VII. Gigue 4:13

13. Partita No. 6 in E minor, BWV 830 : I. Toccata 7:20
14. Partita No. 6 in E minor, BWV 830 : II. Allemande 3:44
15. Partita No. 6 in E minor, BWV 830 : III. Corrente 4:28
16. Partita No. 6 in E minor, BWV 830 : IV. Air 1:40
17. Partita No. 6 in E minor, BWV 830 : V. Sarabande 5:48
18. Partita No. 6 in E minor, BWV 830 : VI. Tempo di Gavotta 2:08
19. Partita No. 6 in E minor, BWV 830 : VII. Gigue 6:23

Trevor Pinnock, cravo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Trevor Pinnock: o maior trabalho de sua vida

Trevor Pinnock: o maior trabalho de sua vida

PQP

The Wigmore Hall Recital – Meneses & Pires

frontUm presentinho para os senhores, um CD recém saído do forno, e absolutamente maravilhoso, para ser ouvido sem se cansar diversas vezes seguidas, principalmente pela “Arpegione”, e claro, pela sonata de Brahms, um das mais belas páginas da história da música. Um brasileiro e uma portuguesa, grandes nomes em seus respectivos instrumentos, dão um verdadeiro show…
Lembro do Menezes novinho, junto com a Anne-Sophie Mutter, tocando o Concerto Duplo de Brahms, sob a supervisão de Herr Karajan, e ali já senti que a coisa era séria, que ele seria um músico completo, e não me enganei. Karajan não era bobo, e logo identificou o talento do nosso pernambucano. O tempo pode ter levado seus cabelos, mas trouxe um intérprete maduro, completo, eu diria.

01. Schubert – Arpeggione Sonata – I. Allegro moderato
02. Schubert – Arpeggione Sonata – II. Adagio – attacca
03. Schubert – Arpeggione Sonata – III. Allegretto
04. Brahms – 3 Intermezzi – No.1 Andante moderato
05. Brahms – 3 Intermezzi – No.2 Andante non troppo e con molto espressione
06. Brahms – 3 Intermezzi – No.3 Andante con moto
07. Mendelssohn – Song without Words, Op.109
08. Brahms – Cello Sonata No.1 – I. Allegro non troppo
09. Brahms – Cello Sonata No.1 – II. Allegretto quasi Menuetto – Trio
10. Brahms – Cello Sonata No.1 – III. Allegro – Piu Presto
11. Bach – Pastorale BWV 590 (arr. Roemaet-Rosanoff)

Antonio Menezes – Cello
Maria João Pires – Piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Pires y Meneses

Que dupla…. !!!

“Carlinus Files” – Johann Sebastian Bach (1685-1750): Keyboards Concertos – Alexandre Tharaud – Les Violons Du Roy – Labadie

FrontNeste final de semana tive a grata satisfação de receber a visita do colega Carlinus aqui em minha cidade. Claro que em um encontro destes seria quase impossível não ocorrer uma espécie de “intercâmbio cultural”, portanto tivemos a oportunidade de trocarmos material, ele teve a gentileza de trazer um HD externo com uma parte do seu acervo, que comentou ser três vezes maior do que o que continha aquele HD. Como não tínhamos muito tempo, escolhi apenas alguns cds (apenas uns “60 Gb” de material) mais específicos, que postarei no devido tempo. Hoje de manhã, escolhi aleatoriamente esta beleza de gravação do Alexander Tharaud. Já conhecia o pianista e o admirava há bastante tempo, quando me caiu em mãos um cd em que toca os Concertos Italianos do mesmo Bach, e fiquei muito admirado com sua personalidade e maturidade musical.

Este cd que ora vos trago, é um primor, e mostra todo o amadurecimento de Tharaud enquanto músico. Muito preciso, encara sem medo as armadilhas que estes concertos trazem, e nos momentos mais líricos se destaca exatamente pelo lirismo, pela capacidade de transformar a mítica música de Bach em momentos únicos. Reparem, por exemplo, no Andante do BWV 1058. É pura emoção.

Como diria o mesmo Carlinus, lhes desejo uma boa apreciação.

01 – Concerto in D minor, BWV 1052 I. Allegro
02 – Concerto in D minor, BWV 1052 II. Adagio
03 – Concerto in D minor, BWV 1052 III. Allegro
04 – Concerto in D major, BWV 1054 I. Allegro
05 – Concerto in D major, BWV 1054 II. Adagio e sempre piano
06 – Concerto in D major, BWV 1054 III. Allegro
07 – Concerto in D minor, BWV 974 II Adagio
08 – Concerto in F minor, BWV 1056 I. Allegro
09 – Concerto in F minor, BWV 1056 II. Largo
10 – Concerto in F minor, BWV 1056 III. Presto
11 – Concerto in G minor, BWV 1058 I Allegro
12 – Concerto in G minor, BWV 1058 II Andante
13 – Concerto in G minor, BWV 1058 III Allegro assai
14 – Concerto in A minor, BWV 1065 I. Allegro
15 – Concerto in A minor, BWV 1065 II. Largo
16 – Concerto in A minor, BWV 1065 III. Allegro

Alexandre Tharaud – Piano
Les Violons du Roy
Bernard Labadie – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

download

Alexandre Tharaud em ação: um gigante dos teclados.

Johann Sebastian Bach (1685-1770) – Bach Sonatas for Solo Violin – Timmo Korhonen

Korhonen_Bach_cover.indd As sonatas para violino de Bach transcritas para violão são algo absolutamente IM-PER-DÌ-VEL !!! E esse Timo Korhonen é um gigante do violão, porque convenhamos, transcrever Bach para o Violão exige um pleno conhecimento do instrumento e é claro, da própria obra de Bach. E o resultado é nada menos que brilhante, incrível. Existem diversos violinistas que encaram a obra de Bach, e só tenho a agradecer a eles por mostrarem as possibilidades deste instrumento que me acompanhava para todo o lado na minha adolescência e que depois deixei de lado.

Mas vamos ao que viemos. Tenho certeza que os senhores irão adorar.

01. Sonata No.1 in G minor, BWV1001 – I. Adagio
02. Sonata No.1 in G minor, BWV1001 – II. Fuga
03. Sonata No.1 in G minor, BWV1001 – III. Siciliana
04. SonataNo.1 in G minor, BWV1001 – IV. Presto
05. Sonata No.2 in A minor, BWV1003 – I. Grave
06. Sonata No.2 in A minor, BWV1003 – II. Fuga
07. Sonata No.2 in A minor, BWV1003 – III. Andante
08. Sonata No.2 in A minor, BWV1003 – IV. Allegro
09. Sonata No.3 in C major, BWV1005 – I. Adagio
10. Sonata No.3 in C major, BWV1005 – II. Fuga
11. Sonata No.3 in C major, BWV1005 – III. Largo
12. Sonata No.3 in C major, BWV1005 – IV. Allegro assai

 

Timmo Korhonen – Violão

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

016_Timo Korhonen

Timmo Korhonen e seu violão Weissgerber fabricado em 1928

J. S. Bach (1685-1750): A Arte da Fuga / Abertura Francesa / Concerto Italiano / Prelúdio, Fuga e Allegro

LEONARDT
J. S. Bach: The Art of the Fugue

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Gustav Leonhardt foi um monstro, um gênio e o pequepiano ouvinte-leitor André X. nos enviou este CD duplo para polinizarmos sua arte. Não lembro de Arte da Fuga melhor do que esta. Também penso não existir melhor Prelúdio, Fuga e Allegro, do qual ouvi uma versão atropelada, dia desses em Porto Alegre. Ah, e o CD ainda traz o Concerto Italiano e a Abertura Francesa. Ou seja, só obras-primas, nada além de obras-primas de Bach. Aproveitem porque a qualidade deste trabalho não se encontra rotineiramente por aí.

Die Kunst Der Fuge BWV 1080 / The Art Of The Fugue BWV 1080
1-1 Contrapunctus 1 4:14
1-2 Contrapunctus 4 6:39
1-3 Contrapunctus 2 3:35
1-4 Contrapunctus 3 3:31
1-5 Contrapunctus 5 3:59
1-6 Contrapunctus 6 4:33
1-7 Contrapunctus 7 5:10
1-8 Contrapunctus 8 6:41
1-9 Contrapunctus 9 2:58
1-10 Contrapunctus 10 5:21
1-11 Contrapunctus 11 7:49
1-12 Contrapunctus 12a 2:44
1-13 Contrapunctus 12b 2:54
1-14 Contrapunctus 18a 2:26
1-15 Contrapunctus 18b 2:27
2-1 Canon 14 3:57
2-2 Canon 15 2:42
2-3 Canon 16 5:53
2-4 Canon 17 2:07

Clavierübung II (1735) Partita BWV 831 H-moll/B Minor
(Ouvertüre Nach Französischer Art/Overture In The French Manner)

2-5 Ouvertüre 8:19
2-6 Courante 2:33
2-7 Gavotte I/II 2:40
2-8 Passepied I/II 3:04
2-9 Sarabande 2:39
2-10 Bourrée I/II 2:58
2-11 Gigue 2:03
2-12 Echo 3:16

Italienisches Konzert F-dur BWV 971 / Italian Concerto F Major BWV 971
2-13 Allegro 4:20
2-14 Andante 4:30
2-15 Presto 4:24

Praeludium, Fuge Und Allegro BWV 998 Es-dur/E Flat Major
2-16 Praeludium, Fuge Und Allegro BWV 998 Es-dur/E Flat Major 10:36

Gustav Leonhardt, cravo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Gustav Leonhardt: Retrato do Monstro Quando Velho

Gustav Leonhardt: Retrato do Monstro Quando Velho

PQP

Hamburger Ebb’ und Fluth (Telemann) + Concerto para violino BWV 1041 (J. S. Bach) + Suite em lá menor (Graun) + Tercio (Lobo de Mesquita) Acervo PQPBach

Hamburger Ebb’ und Fluth
Telemann

Concerto para violino BWV 1041
J. S. Bach

Suite em lá menor
Johann Gottlieb Graun

Tercio
J. J. Emerico Lobo de Mesquita

Com instrumentos de época. On period instruments.

Para este CD, a Orquestra Barroca preparou um programa com obras alemãs do início do século XVIII. Três personalidades : Telemann, Bach e Graun. Todos mostram essa característica marcante da música barroca alemã: a fusão dos estilos italiano e francês – tão díspares quanto mutuamente influentes – expressos através de uma profunda erudição e esmero artesanal.


A Suite “Hamburger Ebb und Fluth” de G. P. Telemann é comumente chamada de “Música Aquática” por analogia à famosa suíte de Haendel, porém não foi assim batizada pelo seu autor. Ao contrário de Haendel, que compôs uma obra orquestral na qual a única ligação com a água foi a função de sua performance (executada num barco em Londres), a música de Telemann faz analogia à água através de suas ideias musicais. Desde a ouverture, o movimento das águas é sentido nos motivos temáticos da fuga central e da especial combinação de notas longas dos sopros e ritmos acelerados das cordas. As danças que compõem a suíte têm nomes próprios, com figuras da mitologia grega ligadas a água: Tétis, Netuno, Tritão, Éolo e Zéfiro. As alusões são de caráter retórico, e dão uma atmosfera diferente a cada dança, com ideias musicais nada convencionais – como o caso da giga que simula o sobe e desce das marés.

O concerto para violino em lá menor BWV 1041 de J. S. Bach é uma conhecida peça do repertório; é compreensível quando verificamos que esta foi uma das poucas obras do período barroco imortalizadas no cânone violinístico do período romântico, a partir da fundação do Conservatório de Paris, no início do século XIX. Desde então, uma tradição “romantizada” de interpretação desta obra de Bach se instalou de maneira profunda na pedagogia do violino, o que contribuiu para uma considerável distorção de sua visão interpretativa. Aqui, Bach faz uma perfeita imitação da música de A. Vivaldi (que só veio a ser redescoberto no início do século XX): o diálogo entre o violino solista e a orquestra, a técnica de composição do ritornello, os motivos musicais clichês do estilo italiano ostinatto e o cantabile, e a linguagem idiomática do violino, magnificamente mostrado no último movimento.

Por outro lado, Johann Gottlieb Graun é pouco conhecido do grande público, e sua obra menos ainda. Este excelente compositor fez parte de uma geração de artistas que gravitaram em torno de Frederico II, rei da Prússia. Frederico, o Grande, como ficou conhecido, tinha grande apreço pela música – ele próprio era flautista e tinha como tutor musical Quantz e C.P.E. Bach entre seus empregados. Neste seleto ambiente artístico produziu-se música de altíssimo nível e num estilo único, que viria a ser conhecido como escola de Berlim – associada ao gênero galante, ao estilo “sentimental” e ao movimento literário “sturm und drang”. A suite em lá menor para orquestra mostra bem a característica da escola de Berlim, com mudanças bruscas de affetto, passagens concertantes virtuosísticas para os sopros e uma decadente visão das danças em estilo francês.

Para terminar o CD, a obra Tercio de J. J. Emerico Lobo de Mesquita, que possui uma grande importância para o repertório colonial, pelo fato de ser, além de autografada e datada, preservada num manuscrito da partitura geral – ao contrário de tantas outras peças que nos chegaram somente através de partes separadas. A singeleza de Tercio é também emblemática: ela representa bem a produção musical brasileira dessa época, ao mesmo tempo funcional e talentosa, pois soube superar a precariedade evidente do ambiente colonial com uma tocante economia de recursos musicais, sem comprometer a criatividade e a beleza musical.

(http://www.promusica.org.br/index.php?meio=cds/cd23)

Georg Philipp Telemann (Alemanha, 1681-1767)
01. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 1. Ouverture Grave
02. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 2. Saraband. Die schlaffende Thetis
03. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 3. Bourée. Die erwachende Thetis
04. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 4. Loure. Der verliebte Neptune
05. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 5. Gavotte. Spielende Najaden
06. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 6. Harlequinade. Der Schertzende Tritonus
07. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 7. Der stürmende Aeolus
08. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 8. Menuet. Der angenehme Zephir
09. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 9. Gigue. Ebbe und Fluth
10. Suite Wassermusik “Hamburger Ebb’ & Fluth” em dó maior 10. Canarie. Die lustigen Bots Leute
Johann Sebastian Bach (Alemanha 1685-1750)
11. Concerto para violino e orquestra em lá menor, BWV 1041 – 1. Allegro
12. Concerto para violino e orquestra em lá menor, BWV 1041 – 2. Andante
13. Concerto para violino e orquestra em lá menor, BWV 1041 – 3. Allegro assai
Johann Gottlieb Graun (Alemanha, 1702-1771)
14. Suite em lá menor para orquestra 1. Ouverture
15. Suite em lá menor para orquestra 2. Menuet – trio
16. Suite em lá menor para orquestra 3. Duetto
17. Suite em lá menor para orquestra 4. Menuet
18. Suite em lá menor para orquestra 5. Sarabande
19. Suite em lá menor para orquestra 6. Aria I
20. Suite em lá menor para orquestra 7. Aria II
21. Suite em lá menor para orquestra 8. Bourrée
22. Suite em lá menor para orquestra 9. Loure
23. Suite em lá menor para orquestra 10. Chaconne
José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (Vila do Príncipe, hoje Serro, MG, 1746- Rio de Janeiro, 1805)
24. Tercio – 1. Difusa est Gratia – Andante Lento
25. Tercio – 2. Padre Nosso
26. Tercio – 3. Ave Maria
27. Tercio – 4. Gloria

23º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juíz de Fora – 2012
Orquestra Barroca
Maestro Luís Otávio Santos


BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 419,5 MB | HQ Scans 8,7 MB |

BAIXE AQUÍ – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 177,5 + 8,7 MB – 1,2 h
powered by iTunes 11.0.3

.

CD do acervo do musicólogo Prof. Paulo Castagna. Não tem preço !!!

Boa audição.

Avicenna

J. S. Bach (1685-1750): O Cravo Bem Temperado (completo)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Alguém reclamou com razão. Fazia tempo que não postávamos um Cravo Bem Temperado tocado por um cravista. Então, trago este bom e consistente registro que Davitt Moroney gravou para a Harmonia Mundi lá em 1996. São dois downloads e quatro CDs para você se divertir no fim-de-semana. E… Bem, ouvi-lo é realmente mais embasbacante do que ouvir as gravações ao piano que grassam por aí. Não adianta, o instrumento original sempre traz suas vantagens.

J. S. Bach (1685-1750): O Cravo Bem Temperado (completo)

Livro 1

1. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: BWV 846 (1.1) Praeludium I (1.2) Fuga I – C Major
2. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: BWV 847 (2.1) Praeludium II (2.2) Fuga II – C Minor
3. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: BWV 848 (3.1) Praeludium III (3.2) Fuga III – C Sharp Major
4. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: BWV 849 (4.1) Praeludium IV (4.2) Fuga IV – C Sharp Minor
5. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: BWV 850 (5.1) Praeludium V (5.2) Fuga V – D Major
6. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: BWV 851 (6.1) Praeludium VI (6.2) Fuga VI – D Minor
7. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: BWV 852 (7.1) Praeludium VII (7.2) Fuga VII – E Flat Major
8. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: BWV 853 (8.1) Praeludium VIII (8.2) Fuga VIII – E Flat Minor
9. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: BWV 854 (9.1) Praeludium IX (9.2) Fuga IX – E Major
10. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: BWV 855 (10.1) Praeludium X (10.2) Fuga X – E Minor
11. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: BWV 856 (11.1) Praeludium XI (11.2) Fuga XI – F Major
12. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: BWV 857 (12.1) Praeludium XII (12.2) Fuga XII – F Minor

1. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XIII BWV 858 F Sharp Major
2. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XIV BWV 859 F Sharp Minor
3. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XV BWV 860 G Major
4. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XVI BWV 861 G Minor
5. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XVII BWV 862 A Flat Major
6. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XVIII BWV 863 G Sharp Minor
7. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XIX BWV 864 A Major
8. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XX BWV 865 A Minor
9. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XXI BWV 866 B Flat Major
10. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XXII BWV 867 B Flat Minor
11. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XXIII BWV 868 B Major
12. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XXIV BWV 869 B Minor

Livro 2

1. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: Davitt Moroney – I BWV 870 C Major
2. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: Davitt Moroney – II BWV 871 C Minor
3. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: Davitt Moroney – III BWV 872 C Sharp Major
4. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: Davitt Moroney – IV BWV 873 C Sharp Minor
5. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: Davitt Moroney – V BWV 874 D Major
6. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: Davitt Moroney – VI BWV 875 D Minor
7. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: Davitt Moroney – VII BWV 876 E Flat Major
8. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: Davitt Moroney – VIII BWV 877 D Sharp Minor
9. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: Davitt Moroney – IX BWV 878 E Major
10. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: Davitt Moroney – X BWV 879 E Minor
11. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: Davitt Moroney – XI BWV 880 F Major
12. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: Davitt Moroney – XII BWV 881 F Minor

1. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XIII BWV 882 F Sharp Major
2. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XIV BWV 883 F Sharp Minor
3. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XV BWV 884 G Major
4. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XVI BWV 885 G Minor
5. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XVII BWV 886 A Flat Major
6. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XVIII BWV 887 G Sharp Minor
7. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XIX BWV 888 A Major
8. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XX BWV 889 A Minor
9. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XXI BWV 890 B Flat Major
10. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XXII BWV 891 B Flat Minor
11. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XXIII BWV 892 B Major
12. Das Wohltemperierte Clavier – BWV 846-893: XXIV BWV 893 B Minor

Davitt Moroney, cravo

BAIXE AQUI O LIVRO 1 — DOWNLOAD BOOK 1 HERE

BAIXE AQUI O LIVRO 2 — DOWNLOAD BOOK 2 HERE

Muito bom este Moroney que toca cravo e rege

Muito bom este Moroney. Desconheço outras gravações do gajo.

PQP

J.S. Bach (1685-1750): Cantata do Café e dos Camponeses

Esplêndido CD com Emma Kirkby — musa ruiva preferencial de FDP Bach — em grande forma. Junto com ela e também na ponta dos cascos, a Academy of Ancient Music sob a direção de Christopher Hogwood. Um disco já antiguinho, mas delicioso com as duas Cantatas profanas mais famosas de nosso pai. Se você ouvir bem, sairá cantarolando as melodias por todo o fim-de-semana. Elas grudam, viu?

J.S. Bach (1685-1750): Cantata do Café e dos Camponeses

1. “Coffee Cantata” BWV211 – Schweigt stille, plaudert nicht…Hat man nicht mit seinen Kindern 4:10
2. “Coffee Cantata” BWV211 – Ei! wie schmeckt der Coffee susse 5:08
3. “Coffee Cantata” BWV211 – Mädchen, die von harten Sinnen 3:49
4. “Coffee Cantata” BWV211 – Heute noch 7:06 Album Only
5. “Coffee Cantata” BWV211 – Die Katze lässt das Mausen nicht 4:24

6. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 1. Ouverture The Academy of Ancient Music 2:10
7. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 2-3. Mer hahn en neue Oberkeet…Nu, Mieke, gib dein Guschel immer her 1:18
8. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 4-5 Ach es schmeckt doch gar zu gut 1:20
9. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 6-7. Ach, Herr Schösser, geht nicht gar zu schlimm 1:34
10. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 8-9. Unser trefflicher, lieber Kammerherr 2:06
11. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 10-11: Das ist galant, es spricht niemand 1:51
12. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 12-13. Fünfzig Taler bares Geld 1:08
13. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 14-15: Klein-Zsocher müsse so zart und süße 5:51
14. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 16-17: Es nehme zehntausend Dukaten 0:58
15. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 18-19: Gib, Schöne, viel Söhne 0:48
16. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 20-21: Dein Wachstum sei feste 5:57
17. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 22. Arie: Und daß ihr’s alle wißt 1:12
18. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 24. Chor (Duetto): Wir gehn nun, wo der Dudelsack 1:04

Emma Kirkby
David Thomas
Academy of Ancient Music
Christopher Hogwood

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Esses aí não conseguem mais parar de tomar café nem de cantar. Vicia.

Esses aí não conseguem mais parar de tomar café. Nem de cantar. É que vicia.

PQP

Johann Sebastian Bach (1685-1750): As Seis Suítes para Violoncelo (transcritas para o violão)

CD postado por FDP que vale a revalidação do link. E como!
PQP.

Muito interessante este CD. O violonista alemão Andreas von Wangenheim é um cabra macho: são dele mesmo as transcrições para violão das Suítes para Violoncelo de papai. E o resultado é muito bom. O editorialista da amazon diz o seguinte: Bach’s famous suites for cello solo from a different perspective: in order to emphasize the polyphonic structure of this marvelous music, Andreas von Wangenheim has transcribed them for guitar. The Six Suites for Violoncello Solo put the instrument through its paces in the same way as the Six Sonatas and Partitas for Violin Solo. A closer look at these works reveals a fascinating element of Bach’s compositional art: the polyphony that is concealed in almost all of his solo lines. Andreas von Wangenheim is considered one of the finest guitarists of the younger generation. He won the 1987 Bach Prize at the International Guitar Competition for Students in Europe.

A comparação com Segovia é inevitável, afinal, o mestre espanhol também transcreveu obras de papai para o violão. Mas Wangenheim é ainda jovem, apesar de já ter uma carreira consolidada como solista e professor.

Sem mais delongas, vamos ao que interessa.

Johann Sebastian Bach – Six Cello Suites (transcribed for Guitar) – Andreas von Wangenheim

Disc: 1
1. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Prélude
2. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Allemande
3. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Courante
4. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Sarabande
5. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Bourrée
6. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Gigue

7. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Prélude
8. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Allemande
9. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Courante
10. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Sarabande
11. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Menuet 1 & 2
12. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Gigue

13. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Prélude
14. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Allemande
15. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Courante
16. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Sarabande
17. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Bourrée 1 & 2
18. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Gigue

CD 2
1. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Prélude
2. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Allemande
3. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Courante
4. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Sarabande
5. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Menuet 1 & 2
6. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Gigue

7. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Prélude
8. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Allemande
9. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Courante
10. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Sarabande
11. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Gavotte 1 & 2
12. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Gigue

13. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Prélude
14. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Allemande
15. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Courante
16. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Sarabande
17. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Gavotte 1 & 2
18. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Gigue

Andreas von Wangenheim – Guitar

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Belo trabalho, Andreas!

Belo trabalho, Andreas!

FDP Bach

J.S. Bach: Overture BWV 1068 + Magnificat BWV 243 + André da Silva Gomes (1752-1844): Missa Concertada para a Noite de Natal (Acervo PQP Bach)

Originalmente postado (parcialmente) em dezembro de 2011.

Com instrumentos de época. On period instruments.

Johann Sebastian Bach (1685-1750)
01. Ouverture BWV 1068 em Ré Maior para Orquestra – 1. Ouverture
02. Ouverture BWV 1068 em Ré Maior para Orquestra 2. Air
03. Ouverture BWV 1068 em Ré Maior para Orquestra 3. Gavotte I e II
04. Ouverture BWV 1068 em Ré Maior para Orquestra 4. Buorrée
05. Ouverture BWV 1068 em Ré Maior para Orquestra 5. Gigue
06. Magnificat BWV 243 para Vozes e Orquestra – 1. Magnificat
07. Magnificat BWV 243 para Vozes e Orquestra – 2. Et exsultavit
08. Magnificat BWV 243 para Vozes e Orquestra – 3. Quia respexit
09. Magnificat BWV 243 para Vozes e Orquestra – 4. Omnes
10. Magnificat BWV 243 para Vozes e Orquestra – 5. Quia fecit
11. Magnificat BWV 243 para Vozes e Orquestra – 6. Et misericordia
12. Magnificat BWV 243 para Vozes e Orquestra – 7. Fecit potentiam
13. Magnificat BWV 243 para Vozes e Orquestra – 8. Deposuit
14. Magnificat BWV 243 para Vozes e Orquestra – 9. Esurientes
15. Magnificat BWV 243 para Vozes e Orquestra – 10. Suscepit Israel
16. Magnificat BWV 243 para Vozes e Orquestra – 11. Sicut Locutus est
17. Magnificat BWV 243 para Vozes e Orquestra – 12. Gloria Patri

André da Silva Gomes (Lisboa, 1752 – São Paulo, SP, 1844)
18. Missa Concertada para a Noite de Natal – 1. Kyrie Christe – Kyrie
19. Missa Concertada para a Noite de Natal – 2. Gloria
20. Missa Concertada para a Noite de Natal – 3. Laudamus
21. Missa Concertada para a Noite de Natal – 4. Qui tollis
22. Missa Concertada para a Noite de Natal – 5. Quoniam
23. Missa Concertada para a Noite de Natal – 6. Cum Sancto Spiritu

13º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora – 2002
Orquestra Barroca
Maestro Luis Otávio Santos


.
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 394,2 MB | HQ Scans 10,9 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
mp3 320 kbps – 154,5 + 10,9 MB – 1,0 h
powered by iTunes 11.0.2

.

Boa audição.

Avicenna