J. S. Bach(1685-1750): Trauerode BWV 198 Cantate BWV 78

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Johann Sebastian Bach — 332 anos hoje. Comemore com cerveja.

Este é um CD muito especial, especialíssimo. Trata-se de duas das maiores Cantatas de Bach interpretadas por esse monstro chamado Philippe Herreweghe e La Chapelle Royale. Para ficar melhor ainda, são duas Cantatas pouco divulgadas, pouco gravadas e que apenas pessoas como o Ranulfus (assim como este filho de Bach) reconhecem como obras-primas indiscutíveis. Não preciso consultar bibliografia nenhuma para concluir que, quando compôs a BWV 198, Bach certamente possuía um excelente coral à disposição, pois ele o explora como raramente fez em Cantatas. Um CD verdadeiramente extraordinário, desses de comprar para mostrar.

A Cantata 78 já foi cantada em prosa e verso pelo Ranulfus neste post. E eu digo que ela PERDE para a espetacular 198, mas, como não estamos numa disputa, quem ganha são os melômanos do PQP Bach.

J. S. Bach(1685-1750): Trauerode BWV 198 Cantate BWV 78

1. Trauerode, BWV 198: Coro “Laß, Fürstin, laß noch einen Strahl” 5:58
2. Trauerode, BWV 198: Recitativo (S) “Dein Sachsen” 1:10
3. Trauerode, BWV 198: Aria (S) “Verstummt!” 3:52
4. Trauerode, BWV 198: Recitativo (A) “Der Glocken bebendes Getön” 0:58
5. Trauerode, BWV 198: Aria (A) “Wie starb die Heldin so vergnügt” 7:23
6. Trauerode, BWV 198: Recitativo (T) “Ihr Leben ließ die Kunst zu sterben” 1:08
7. Trauerode, BWV 198: Coro “An dir, du Fürbild großer Frauen” 2:08
8. Trauerode, BWV 198: Pars secunda: Nach gehaltener Trauerrede. Aria (T) “Der Ewigkeit saphirnes Haus” 4:07
9. Trauerode, BWV 198: Pars secunda. Recitativo (B) “Was Wunder ist?” 2:28
10. Trauerode, BWV 198: Pars secunda. Chorus ultimus “Doch, Königin!” 5:09

11. Jesu, der du meine Seele, BWV 78: Coro “Jesu, der du meine Seele” 5:31
12. Jesu, der du meine Seele, BWV 78: Aria, duetto (S, A) “Wir eilen” 5:17
13. Jesu, der du meine Seele, BWV 78: Recitativo (T) “Ach! ich bin ein Kind der Sünden”2:09
14. Jesu, der du meine Seele, BWV 78: Aria (T) “Dein Blut” 3:22
15. Jesu, der du meine Seele, BWV 78: Recitativo (B) “Die Wunden, Nägel, Kron und Grab” 2:36
16. Jesu, der du meine Seele, BWV 78: Aria (B) “Nun du wirst mein Gewissen stillen” 3:09
17. Jesu, der du meine Seele, BWV 78: Choral “Herr, ich glaube” 1:05

Ingrid Schmithüsen
Charles Brett
Howard Crook
Peter Kooy

Collegium Vocale
La Chapelle Royale
Philippe Herreweghe

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Não, Philippe, a Cantata do Café a gente posta outro dia, tá?

Não, Philippe, a Cantata do Café a gente posta outro dia, tá?

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): Suítes para Violoncelo Solo (Cocset, completas)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Johann Sebastian Bach — 332 anos hoje. Comemore com cerveja.

A gravação definitiva, enquanto não chegar outra para ocupar o cargo.

Não vou escrever longamente sobre todos os registros das Suítes que ouvi nos últimos… bem, mais de quarenta anos, certamente. Gostava imensamente de Maurice Gendron e custei muito a passar minha preferência para Janos Starker, com quem fiquei por pouco tempo, logo passando a Anner Bylsma.

As famosíssimas versões de Yo-Yo Ma, Antônio Meneses e Mstislav Rostropovich são muito, mas muito mesmo, insatisfatórias. O trio é merecidamente famoso por trabalhos realizados fora da música barroca. Não é fácil adaptar-se à sonoridade toda própria destas obras. Eu, particularmente, acho muito chata a gravação para cumprir tabela do grande Rostropovich. É apenas correta. Os críticos a detonaram… Mas vende mais do que qualquer outra… Em razão da ignorância dos ouvintes, claro. O próprio Rostropovich, em entrevista à Gramophone na edição em que seu CD sofria críticas bastante severas, sugeriu discretamente que não tinha nada a acrescentar a um repertório que lhe era estranho.

Vamos a Cocset! Bruno Cocset não é apenas um violoncelista especializado no barroco que interpreta as suítes com um senso de estilo claro e definido. Sua gravação, realizada para a maravilhosa Alpha – que lhe fez uma belíssima caixa – tem algumas novidades que julgo muito boas. Não tenho condições de avaliar a utilização da corda mais alta estar afinada para sol em vez de lá na Quinta Suíte, nem da Sexta Suíte possuir uma quinta corda afinada para mi adicionada às quatro cordas habituais do cello (são exigências do compositor que Cocset obedeceu e não creio que outros além de Bylsma o tenham feito). O que me interessa é a tomada do som. Cada suíte foi gravada continuamente, sem interrupções, como num concerto. Cocset pensou que isso daria maior integridade à execução. Funcionou! Não houve correções e nós ouvimos alguns sons de marcenaria que a mim não incomodam nem um pouco. Até pelo contrário, gosto muito e o resultado é um ambiente de concerto que me deixa meio hipnotizado. Bom, opiniões…

O registro foi gravado em outubro de 2001 em Paris, na Chapelle de l`Hôpital Notre-Dame de Bon Secours . E é arrepiante de cabo a rabo.

Suítes para Violoncelo Solo 

CD 1:

1. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Prelude
2. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Allemande
3. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Courante
4. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Sarabande
5. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Menuett
6. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Gigue

7. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Prelude
8. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Allemande
9. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Courante
10. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Sarabande
11. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Menuett
12. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Gigue

13. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Prelude
14. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Allemande
15. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Courante
16. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Sarabande
17. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Bouree
18. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Gigue

CD 2:

1. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Prelude
2. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Allemande
3. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Courante
4. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Sarabande
5. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Bourree
6. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Gigue

7. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Prelude
8. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Allemande
9. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Courante
10. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Sarabande
11. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Gavotte
12. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Gigue

13. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Prelude
14. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Allemande
15. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Courante
16. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Sarabande
17. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Gavotte
18. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Gigue

Bruno Cocset, violoncelo

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Bruno Cocset e um amigo

Bruno Cocset e um amigo

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Trio Sonatas Completas para Órgão Solo BWV 525-530

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Johann Sebastian Bach — 332 anos hoje. Comemore com cerveja.

Certa literatura musical lá dos anos 20, 30 e 40 do século passado chamava essas Trio Sonatas como “a maior obra composta em todos os tempos” ao lado dos Concertos de Brandenburgo. Há pessoas que precisam ver pódios e há muitos anos este posto informal e bobo parece ter sido ocupado pela Missa em Si Menor, também de Bach. Lembro de como, nos anos 70, eu COMI o álbum duplo da Archiv (vinil) em que o organista Helmut Walcha tocava maravilhosamente essas obras. Peguei  emprestado na Biblioteca do Instituto Goethe de Porto Alegre e devolvi quase chorando 15 dias depois, não sem antes gravar tudo em mais de um cassete para garantir. O mundo deu muitas voltas e hoje Bach completa 332 anos de renascimentos diários em nossas mentes, estudos, ensaios, gravações e salas de concerto. Mesmo após tantos anos ouvindo estas obras elas ainda me causam arrepios. Achei linfa a abordagem de Benjamin Alard. Acho que vocês vão gostar também.

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Trio Sonatas Completas para Órgão Solo BWV 525-530

01. Trio Sonata for organ No.1 in E flat major, BWV 525 (BC J1) – I
02. Trio Sonata for organ No.1 in E flat major, BWV 525 (BC J1) – II. Adagio
03. Trio Sonata for organ No.1 in E flat major, BWV 525 (BC J1) – III. Allegro

04. Trio Sonata for organ No.2 in C minor, BWV 526 (BC J2) – I. Vivace
05. Trio Sonata for organ No.2 in C minor, BWV 526 (BC J2) – II. Largo
06. Trio Sonata for organ No.2 in C minor, BWV 526 (BC J2) – III. Allegro

07. Trio Sonata for organ No.3 in D minor, BWV 527 (BC J3) – I. Andante
08. Trio Sonata for organ No.3 in D minor, BWV 527 (BC J3) – II. Adagio e dolce
09. Trio Sonata for organ No.3 in D minor, BWV 527 (BC J3) – III. Vivace

10. Trio Sonata for organ No.4 in E minor, BWV 528 (BC J4) – I. Adagio – Vivace
11. Trio Sonata for organ No.4 in E minor, BWV 528 (BC J4) – II. Andante
12. Trio Sonata for organ No.4 in E minor, BWV 528 (BC J4) – III. Un poco allegro

13. Trio Sonata for organ No.5 in C major, BWV 529 (BC J5) – I. Allegro
14. Trio Sonata for organ No.5 in C major, BWV 529 (BC J5) – II. Largo
15. Trio Sonata for organ No.5 in C major, BWV 529 (BC J5) – III. Allegro

16. Trio Sonata for organ No.6 in G major, BWV 530 (BC J6) – I. Vivace
17. Trio Sonata for organ No.6 in G major, BWV 530 (BC J6) – II. Lento
18. Trio Sonata for organ No.6 in G major, BWV 530 (BC J6) – III. Allegro

Benjamin Alard, órgão

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Vocês podem não acreditar, mas estas são as mãos de Benjamin Alard

Vocês podem não acreditar, mas estas são as mãos de Benjamin Alard

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Toccata & Fuge

R-8201297-1457032379-1579.jpegJohann Sebastian Bach — 332 anos amanhã. Comemore com cerveja. Ele adorava!

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Muitos compositores posteriores a Bach utilizaram-se do quarteto de cordas para seus voos mais experimentais. Nascido antes da invenção de Haydn, Bach dava seus voos mais originais no atualmente fora de moda órgão. Esta é uma gravação lá dos anos 80, com Simon Preston jovem inteiramente à vontade. A maior parte da produção organística de Bach data da primeira parte de sua carreira, quando ocupou vários postos como organista. Depois de 1717 essa função não foi mais exercida oficialmente, ainda que seu interesse pelo instrumento jamais desaparecesse. Boa parte parece ter sido música de ocasião, dada a maneira dispersa que chegou a nós, sem circunstâncias claras, datas exatas ou maiores indicações. Chegaram a nós em cópias de baixa qualidade, para divertimento de estudiosos. Somente no final de sua vida ele se preocupou em revisar, organizar e publicar diversos trabalhos em coleções. Convencionou-se dividir em dois grupos principais essa parte de sua produção: um de peças baseadas em hinos luteranos, e outro de peças de livre inspiração, mas isso não implica a separação entre o seu uso litúrgico e não-litúrgico, havendo sobreposição neste aspecto. As peças de livre inspiração ocupam um lugar importante no conjunto de sua produção, compreendendo os tipos tocata, canzona, passacalha, fantasia, prelúdio e fuga e outros. De modo geral apresentam um estilo rapsódico típico dos mestres alemães da geração anterior a ele. São obras exuberantes e de grande efeito. Confiram!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Toccata & Fuge

Toccata & Fuge D-Moll BWV 565
1 Toccata
2 Fuge

Fantasie & Fuge G-Moll BWV 542
3 Fantasie
4 Fuge

Praeludium & Fuge F-Moll BWV 534
5 Praeludium
6 Fuge

Toccata & Fuge D-Moll BWV 538 “Dorische”
7 Toccata
8 Fuge

Orgelkonzert Nr.2 A-Moll BWV 593 (sobre o Concerto de Vivaldi Op. 3 Nº 8)
9 1. Ohne Tempobezeichnung
10 2. Adagio
11 3. Allegro

Choralvorspiele
12 Wachet Auf, Ruft Uns Die Stimme BWV 645
13 Kommst Du Nun, Jesus, Vom Himmel Herunter BWV 650
14 Schmücke Dich, O Liebe Seele BWV 654
15 Nun Danket Alle Gott BWV 657

Simon Preston, orgão

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Simon Preston feliz.

Simon Preston feliz.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J.S.Bach (1685-1750): Concerto Italiano, Fantasia e Fuga Cromática e Suítes Francesas (completas, de 1 a 6)

Johann Sebastian Bach — 332 anos amanhã. Comemore com cerveja. Ele adorava!

Bem, é o Concerto Italiano, a Fantasia e Fuga Cromática e a integral das Suítes Francesas. É óbvio que você deve ouvir tudo isso e ainda conhecer bem, muito bem. Wolfgang Rübsam é um pianista e organista com mais de 130 registros em CD, incluindo duas integrais da obra para órgão de Bach, a obra completa de Dietrich Buxtehude, Felix Mendelssohn-Bartholdy, César Franck e Louis Vierne para órgão. Como se não bastasse gravou boa parte das obras para cravo de meu pai em pianos modernos da marca Bösendorfer. Estas gravações são decididamente boas. O melhor de tudo são alguns andamentos realmente surpreendentes, que chamam a atenção do ouvinte. Baita CD duplo da Naxos!

J.S.Bach – Italian Concerto, Chromatic Fantasia & Fugue, French Suites Nos. 1 to 6

CD1:
Italian Concerto, BWV 971
– Allegro
– Andante
– (presto)

Chromatic Fantasia and Fugue in D Minos, BWV 903

French Suite No.1 in D Minor, BWV 812
– Allemande
– Courante
– Sarabande
– Menuets I & II
– Gigue

French Suite No.2 in C minor, BWV813
– Allemande
– Courante
– Sarabande
– Air
– Menuets I & II
– Gigue

CD2:
French Suite No.3 in B-minor BWV 814
– Allemande
– Courante
– Sarabande
– Anglaise
– Menuets I & II
– Gigue

French Suite No.4 in E flat-major BWV 815
– Allemande
– Courante
– Sarabande
– Gavotte
– Menuet
– Air
– Gigue

French Suite No.5 in G-major BWV 816
– Allemande
– Courante
– Sarabande
– Gavotte
– Bouree
– Loure
– Gigue

French Suite No.6 in E-major BWV 817
– Allemande
– Courante
– Sarabande
– Gavotte
– Menuet polonais
– Petit Menuet
– Bouree
– Gigue

Wolfgang Rubsam, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Quero ver ele é num teclado de computador, escrevendo uma matéria sobre o Eduardo Cunha

Quero ver ele é num teclado de computador, escrevendo uma matéria sobre o Eduardo Cunha

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): As Suítes Inglesas

Apesar dos longos bigodes que nos fazem pensar em alguém muito expansivo e escandaloso, Wolfgang Rübsam leva as Inglesas dum jeito low profile que me agrada em alguns momentos e me desagrada em outros. Sugiro que os próprios pequepianos façam seus julgamentos. Seria demais pedir que comentem algo após a audição?

J. S. Bach (1685-1750): As Suítes Inglesas


CD1

01. Suite No1 A-Dur BWV806 – 1. Prelude
02. Suite No1 A-Dur BWV806 – 2. Allemande
03. Suite No1 A-Dur BWV806 – 3. Courante I
04. Suite No1 A-Dur BWV806 – 4. Courante II
05. Suite No1 A-Dur BWV806 – 5. Double I
06. Suite No1 A-Dur BWV806 – 6. Double II
07. Suite No1 A-Dur BWV806 – 7. Sarabande
08. Suite No1 A-Dur BWV806 – 8. Bourree I & II
09. Suite No1 A-Dur BWV806 – 9. Gigue

10. Suite No2 A-Dur BWV807 – 1. Prelude
11. Suite No2 A-Dur BWV807 – 2. Allemande
12. Suite No2 A-Dur BWV807 – 3. Courante
13. Suite No2 A-Dur BWV807 – 4. Sarabande
14. Suite No2 A-Dur BWV807 – 5. Bourree I & II
15. Suite No2 A-Dur BWV807 – 6. Gigue

16. Suite No3 G-Moll BWV808 – 1. Prelude
17. Suite No3 G-Moll BWV808 – 2. Allemande
18. Suite No3 G-Moll BWV808 – 3. Courante
19. Suite No3 G-Moll BWV808 – 4. Sarabande
20. Suite No3 G-Moll BWV808 – 5. Gavotte I & II
21. Suite No3 G-Moll BWV808 – 6. Gigue


CD2

01. Suite No4 in F Maj BWV 809 – 1. Prelude
02. Suite No4 in F Maj BWV 809 – 2. Allemande
03. Suite No4 in F Maj BWV 809 – 3. Courante
04. Suite No4 in F Maj BWV 809 – 4. Sarabande
05. Suite No4 in F Maj BWV 809 – 5. Menuet 1 and 2
06. Suite No4 in F Maj BWV 809 – 6. Gigue

07. Suite No5 in E Min BWV 810 – 1. Prelude
08. Suite No5 in E Min BWV 810 – 2. Allemande
09. Suite No5 in E Min BWV 810 – 3. Courante
10. Suite No5 in E Min BWV 810 – 4. Sarabande
11. Suite No5 in E Min BWV 810 – 5. Passepied 1 and 2
12. Suite No5 in E Min BWV 810 – 6. Gigue

13. Suite No6 in D Min BWV 811 – 1. Prelude
14. Suite No6 in D Min BWV 811 – 2. Allemande
15. Suite No6 in D Min BWV 811 – 3. Courante
16. Suite No6 in D Min BWV 811 – 4. Sarabande
17. Suite No6 in D Min BWV 811 – 5. Double
18. Suite No6 in D Min BWV 811 – 6. Gavotte 1 and 2
19. Suite No6 in D Min BWV 811 – 7. Gigue

Wolfgang Rübsam, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Wolfgang Rubsam e seus belos bigodes

Wolfgang Rubsam e seus belos bigodes

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Concerti pour Clavecin – BWV 1044, 1052 e 1054 – Hantaï

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Dizer que Pierre Hantaï é um excepcional músico é chover no molhado. O mano PQP baba com a gravação deste francês para as Variações Goldberg, e não lhe tiro a razão. Mas o que este jovem instrumentista faz aqui neste CD está além de nossa capacidade de compreensão.

Tudo bem, ele foi aluno do mestre Leonhardt, mas ouso dizer que em alguns momentos ele superou o mestre, e a prova maior é com estas gravações dos Concertos para Cravo. Desde os primeiros dedilhados do Concerto BWV 1044 a gente já sente o que pode esperar: puro virtuosismo aliado à uma baita compreensão da obra de Bach, em todas as suas minúcias e detalhes. Usando sem temor o velho clichê, podemos dizer que ele tira leite da pedra, trazendo á tona uma sonoridade que dificilmente encontramos em outras gravações, mesmo as com o seu mestre Leonhardt, além de outras gravações históricas, como as de Karl Richter ou Trevor Pinnock.

O pequeno conjunto que lhe acompanha tem apenas sete músicos, mas vale por uma grande orquestra. Quando contei para o mano PQP o tamanho da “orquestra” ele respondeu: mas pra que mais?

Johann Sebastian Bach (1675-1750) – Concerti pour Clavecin – BWVs 1044, 1052 e 1054

01 – Concerto pour clavecin et cordes en ré majeur, BWV 1054 – I. Allegro
02 – Concerto pour clavecin et cordes en ré majeur, BWV 1054 – II. Adagio
03 – Concerto pour clavecin et cordes en ré majeur, BWV 1054 – III.  Allegro

04 – Prélude et fugue en si majeur, BWV 892 – I. Prélude
05 – Prélude et fugue en si majeur, BWV 892 – II. Fugue

06 – Concerto pour clavecin et cordes en ré mineur, BWV 1052 – I. Allegro
07 – Concerto pour clavecin et cordes en ré mineur, BWV 1052 – II. Adagio
08 – Concerto pour clavecin et cordes en ré mineur, BWV 1052 – III. Allegro

09 – Prélude et fugue en fa majeur, BWV 880 – I. Prélude
10 – Prélude et fugue en fa majeur, BWV 880 – II. Fugue

11 – Triple concerto en la mineur, BWV 1044 – I. Allegro
12 – Triple concerto en la mineur, BWV 1044 – II. Adagio ma non tanto, e dolce
13 – Triple concerto en la mineur, BWV 1044 – III. Alla breve

Pierre Hantaï – Clavecin et Direction
Le Concert Français

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Hantaï durante uma troca de óleo

Hantaï durante uma troca de óleo

FDP Bach (Revalidado por PQP)

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): Concertos de Brandenburgo

Preciso dizer alguma coisa sobre estes extraordinários seis concertos para os mais diversos instrumentos, cada um com sua própria cara, estilo e personalidade, cujas partituras serviram para enrolar carne no dia seguinte à sua primeira execução? Preciso dizer que é uma das maiores obras escritas pelo homem em todos os tempos? Não, né?

A gravação da Orchestra of the Age of Enlightenment não chega ao nível do Collegium Aureum, do Giardino Armonico ou do Café Zimmermann, mas está longe de ser uma mera second choice. É boa pra cacete e apenas perde para os citados.

J. S. Bach: Concertos de Brandenburgo

1. Brandenburg Concerto No. 1 in F BWV1046: I. [Allegro] Catherine MacKintosh/Paul Goodwin/Timothy Brown/Susan Dent/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 4:04
2. Brandenburg Concerto No. 1 in F BWV1046: II. Adagio Catherine MacKintosh/Paul Goodwin/Timothy Brown/Susan Dent/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 3:44
3. Brandenburg Concerto No. 1 in F BWV1046: III. Allegro Catherine MacKintosh/Paul Goodwin/Timothy Brown/Susan Dent/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 4:13
4. Brandenburg Concerto No. 1 in F BWV1046: IV. Menuet – Trio I – Menuet – Polonaise – Menuet – Trio II – Menuet Catherine MacKintosh/Paul Goodwin/Timothy Brown/Susan Dent/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 7:35

5. Brandenburg Concerto No. 2 in F BWV1047: I. [Allegro] Mark Bennett/Rachel Beckett/Paul Goodwin/Monica Huggett/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 5:07
6. Brandenburg Concerto No. 2 in F BWV1047: II. Andante Mark Bennett/Rachel Beckett/Paul Goodwin/Monica Huggett/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 3:44
7. Brandenburg Concerto No. 2 in F BWV1047: III. Allegro assai Mark Bennett/Rachel Beckett/Paul Goodwin/Monica Huggett/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 2:47

8. Brandenburg Concerto No. 3 in G BWV1048: I. [Allegro] Orchestra Of The Age Of Enlightenment/Alison Bury 5:36
9. Brandenburg Concerto No. 3 in G BWV1048: II. Adagio – III. Allegro Orchestra Of The Age Of Enlightenment/Alison Bury 5:00

10. Brandenburg Concerto No. 4 in G BWV1049: I. Allegro Monica Huggett/Rachel Beckett/Marion Scott/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 7:23
11. Brandenburg Concerto No. 4 in G BWV1049: II. Andante Monica Huggett/Rachel Beckett/Marion Scott/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 3:41
12. Brandenburg Concerto No. 4 in G BWV1049: III. Presto Monica Huggett/Rachel Beckett/Marion Scott/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 4:31

13. Brandenburg Concerto No. 5 in D BWV1050: I. Allegro Elizabeth Wallfisch/Lisa Beznosiuk/Malcolm Proud/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 9:22
14. Brandenburg Concerto No. 5 in D BWV1050: II. Affettuoso Elizabeth Wallfisch/Lisa Beznosiuk/Malcolm Proud/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 6:10
15. Brandenburg Concerto No. 5 in D BWV1050: III. Allegro Elizabeth Wallfisch/Lisa Beznosiuk/Malcolm Proud/Orchestra Of The Age Of Enlightenment 5:12

16. Brandenburg Concerto No. 6 in B flat BWV1051: I. [Allegro] Orchestra Of The Age Of Enlightenment/Monica Huggett 5:24
17. Brandenburg Concerto No. 6 in B flat BWV1051: II. Adagio ma non tanto Orchestra Of The Age Of Enlightenment/Monica Huggett 4:30
18. Brandenburg Concerto No. 6 in B flat BWV1051: III. Allegro Orchestra Of The Age Of Enlightenment/Monica Huggett 5:29

Orchestra of the Age of Enlightenment
Paul Goodwin
Catherine Mackintosh
Rachel Beckett
Mark Bennett
Monica Huggett
Alison Bury
Marion Scott
Lisa Beznosiuk
Malcolm Proud
Elizabeth Wallfisch
Pavlo Beznosiuk
Richard Campbell
Sarah Cunningham
William Hunt
John Toll
Richard Tunnicliffe
Timothy Brown
Susan Dent

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Foto: PQP Bach, no Southbank Center

Foto: PQP Bach, no Southbank Center

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

A Família das Cordas: Johann Sebastian Bach (1685-1750) – Suítes para Violoncelo Solo executadas no Violoncello da Spalla – Sigiswald Kuijken

51mZ+2XL1bL._SX425_POSTAGEM ORIGINAL DE PQP BACH. IMAGENS POR VASSILY EM 30/10/2015,

Aproveitando a carona dessa nossa série sobre a Família das Cordas, reabilitamos os links para essa estupenda gravação do belga Sigiswald Kuijken. Sempre houve muita discussão dessas Suítes BWV 1007-1012, pois não há autógrafo do compositor, apenas uma cópia do punho de sua esposa Anna Magdalena, cheia de erros e inconsistências. Além disso, a verdadeira natureza do instrumento para o qual Bach concebeu essas obras também é objeto de polêmica, particularmente por conta da Suíte no. 6, que demanda um instrumento de cinco cordas. Alguns sustentaram que ele seria uma certa viola pomposa inventada pelo compositor, sobre cuja existência nunca houve provas além de anedotas. Outra possibilidade é o violoncello da spalla, cujo maravilhoso timbre, sob as mãos do violinista Kuijken, soa tão convincente que as dúvidas parecem dirimir.

Vassily Genrikhovich

POSTAGEM ORIGINAL DE PQP BACH EM 21/3/2009, EDITADA EM 28/2/2012

Filhos bastardos, eu e FDP não lembramos do 21 de março antes do dia de ontem. Improvisamos uma homenagem meio de qualquer jeito e acho que deu certo. Foram 5 posts com 10 impecáveis CDs.

Finalizamos nossa homenagem aos 324 anos de papai com uma nova versão para as Suítes para Violoncelo, tocadas pelo genial Sigiswald Kuijken num instrumento que hoje não se utiliza mais: o violoncello da spalla.

Ecce homo [Vassily]

Ei-los [Vassily]

Maior ainda que a viola, mas manuseado como se fosse um violino, o “violoncelo de ombro” presta-se a uma belíssima interpretação das suítes. E salve Mestre Kuijken!

IMPERDÍVEL!!!

Bach: Suítes para Violoncelo, BWV 1007-1012

CD 1

Suite N°1 in G major BWV 1007
1. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Prelude
2. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Allemande
3. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Courante
4. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Sarabande
5. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Menuett
6. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Gigue

Suite N°2 in d minor BWV 1008
7. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Prelude
8. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Allemande
9. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Courante
10. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Sarabande
11. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Menuett
12. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Gigue

Suite N°3 in C major BWV 1009
13. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Prelude
14. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Allemande
15. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Courante
16. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Sarabande
17. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Bouree
18. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Gigue

CD 2

Suite N°4 in E flat major BWV 1010
1. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Prelude
2. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Allemande
3. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Courante
4. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Sarabande
5. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Bourree
6. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Gigue

Suite N°5 in c minor BWV 1011
7. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Prelude
8. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Allemande
9. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Courante
10. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Sarabande
11. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Gavotte
12. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Gigue

Suite N°6 in D major BWV 1012
13. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Prelude
14. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Allemande
15. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Courante
16. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Sarabande
17. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Gavotte
18. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Gigue

Sigiswald Kuijken, violoncello da spalla

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Sonatas e Partitas para Violino Solo

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Não sabia muito sobre Christine Busch e achei monumental seu desempenho nestas obras de Bach. Ela as tornou novas e atraentes. Sua técnica é impecável, com frases fluídas e sem esforço, ritmos perfeitamente escolhidos e o um belo som de violino. Tendo trabalhado muitos anos com Nikolaus Harnoncourt e o Vienna Concentus Musicus, bem como com a Orquestra Barroca de Freiburg e a Orquestra de Câmara da Europa, Christine Busch está em casa tanto com violinos barrocos quanto com modernos. Nesta gravação de Sonatas e Partitas para violino solo de Bach, Busch toca um instrumento do século XVIII. O CD é maravilhoso. Ela sustenta um diálogo eloquente e suave — sim, é possível –, com grande charme expressivo. Recomendo fortemente este CD ao lado dos de Amandine Beyer e John Holloway nestas obras.

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Sonatas e Partitas para Violino Solo

01. Sonata No. 1 in G Minor BWV 1001 – I. Adagio
02. Sonata No. 1 in G Minor BWV 1001 – II. Fuga – Allegro
03. Sonata No. 1 in G Minor BWV 1001 – III. Siciliana
04. Sonata No. 1 in G Minor BWV 1001 – IV. Presto

05. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – I. Allemanda
06. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – II. Double
07. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – III. Corrente
08. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – IV. Double – Presto
09. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – V. Sarabande
10. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – VI. Double
11. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – VII. Tempo di Borea
12. Partita No. 1 in B Minor BWV 1002 – VIII. Double

13. Sonata No. 2 in A Minor BWV 1003 – I. Grave
14. Sonata No. 2 in A Minor BWV 1003 – II. Fuga
15. Sonata No. 2 in A Minor BWV 1003 – III. Andante
16. Sonata No. 2 in A Minor BWV 1003 – IV. Allegro

CD 2
01. Partita No. 2 in D Minor BWV 1004 – I. Allemanda
02. Partita No. 2 in D Minor BWV 1004 – II. Corrente
03. Partita No. 2 in D Minor BWV 1004 – III. Sarabanda
04. Partita No. 2 in D Minor BWV 1004 – IV. Giga
05. Partita No. 2 in D Minor BWV 1004 – V. Ciaconna

06. Sonata No. 3 in C Major BWV 1005 – I. Adagio
07. Sonata No. 3 in C Major BWV 1005 – II. Fuga
08. Sonata No. 3 in C Major BWV 1005 – III. Largo
09. Sonata No. 3 in C Major BWV 1005 – IV. Allegro assai

10. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – I. Preludio
11. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – II. Loure
12. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – III. Gavotte En Rondeau
13. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – IV. Menuet I
14. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – V. Menuet II
15. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – VI. Bourrée
16. Partita No. 3 in E Major Bwv 1006 – VII. Gigue

Christine Busch, violino

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Alerta, Busch não nada a ver com a Guerra do Iraque

Alerta, Busch não nada a ver com a Guerra do Iraque

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Brandenburg Concertos – Café Zimmermann

61N6bLDTB9L._SS500Como disse PQPBach dia destes em uma postagem sua, o último que baixar esta gravação é mulher do padre. Sim senhores, finalmente o Café Zimmermann gravou os Concertos de Brandenburgo, e o resultado não podia ser diferente: com certeza ele leva o selo de qualidade de IM-PER-DÍ-VEL !!! do PQPBach.

E aqueles que forem ouvir este CD um aviso: esqueçam seus paradigmas relacionados à interpretação destas obras. Os músicos do Café Zimmermann subvertem alguns tempos, fazem algumas escolhas radicais com relação ao tempo, enfim, uma delícia.

Espero que apreciem. Ouço este CD há alguns dias, sem parar.

CD 1
1 Brandenburg Concerto No. 1 in F Major, BWV 1046: I. –
2 Brandenburg Concerto No. 1 F Major, BWV 1046: II. Adagio
3 Brandenburg Concerto No. 1 F Major, BWV 1046: III. Allegro
4 Brandenburg Concerto No. 1 F Major, BWV 1046: IV. Menuetto – Trio – Menuetto – Polacca – Menuetto- Trio – Menuetto
5 Brandenburg Concerto No. 2 in F Major, BWV 1047: I. [Allegro]
6 Brandenburg Concerto No. 2 in F Major, BWV 1047: II. Andante
7 Brandenburg Concerto No. 2 in F Major, BWV 1047: III. Allegro assai
8 Brandenburg Concerto No. 3 in G Major, BWV 1048: I. Allegro – II. Adagio
9 Brandenburg Concerto No. 3 in G Major, BWV 1048: III. Allegro

Disc 2
1 Brandenburg Concerto No. 4 in G Major, BWV 1049: I. Allegro
2 Brandenburg Concerto No. 4 in G Major, BWV 1049: II. Andante
3 Brandenburg Concerto No. 4 in G Major, BWV 1049: III. Presto
4 Brandenburg Concerto No. 5 in D Major, BWV 1050: I. Allegro
5 Brandenburg Concerto No. 5 in D Major, BWV 1050: II. Affettuoso
6 Brandenburg Concerto No. 5 in D Major, BWV 1050: III. Allegro
7 Brandenburg Concerto No. 6 in B-Flat Major, BWV 1051: I. –
8 Brandenburg Concerto No. 6 in B-Flat Major, BWV 1051: II. Adagio ma non tanto
9 Brandenburg Concerto No. 6 in B-Flat Major, BWV 1051: III. Allegro

Café Zimmermann

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J.S. Bach (1685-1750): Cantata do Café e dos Camponeses

Esplêndido CD com Emma Kirkby — musa ruiva preferencial de FDP Bach — em grande forma. Junto com ela e também na ponta dos cascos, a Academy of Ancient Music sob a direção de Christopher Hogwood. Um disco já antiguinho, mas delicioso com as duas Cantatas profanas mais famosas de nosso pai. Se você ouvir bem, sairá cantarolando as melodias por todo o fim-de-semana. Elas grudam, viu?

Schlendrian é um pai grosseiro e está preocupadíssimo porque sua filha Lieschen entregou-se à nova mania de tomar café. Todas as promessas e ameaças para desviá-la de tão detestável hábito foram infrutíferas até que, para dissuadi-la, ofereceu-lhe um marido. Lieschen aceita a idéia com entusiasmo e o pai parte apressadamente para conseguir-lhe um. Esta é a idéia principal da Cantata do Café, obra cômica de J. S. Bach, uma mini-ópera, que foi apresentada entre 1732 e 1735 na Kaffeehaus de Zimmermann, em Leipzig. A primeira Kaffeehaus da cidade foi aberta em 1694 — o café chegara à Alemanha em 1670 — e em 1735 a burguesia podia escolher entre oito privilegiadas casas.

A Kaffeekantate, BWV 211, foi encomendada a Bach por Zimmermann e é, em parte, uma ode ao produto (sim, puro merchandising) e, de outra parte, uma punhalada no movimento existente na Alemanha para impedir seu consumo pelas mulheres. Acreditava-se que o “negro veneno” pudesse causar descontrole e esterilidade ao sexo frágil, mas Bach, em troca do pagamento de Zimmermann, ignorou estes terríveis perigos. Senão, talvez não musicasse uma ária que diz: “Ah, como é doce o seu sabor. / Delicioso como milhares de beijos, / mais doce que um moscatel. / Eu preciso de café”; e nem nos brindaria com estas delicadezas…: “Paizinho, não sejas tão mau. / Se eu não beber meu café / as minhas curvas vão secar / as minhas pernas vão murchar / ninguém comigo irá casar”.

Bach aprendera muito bem, em sua vida familiar e em seu trabalho como professor, que influenciar os jovens não era assim tão fácil. Portanto, adicionou um recitativo no qual os planos de Lieschen são revelados: o homem que quiser casar com ela terá de consentir numa cláusula: o contrato matrimonial preverá que ela possa tomar café sempre que lhe apetecer.

No final, há um breve coro de três cantores, onde o café e a evolução são admitidos como coisas inevitáveis. Esta Cantata — ao lado de outras poucas obras vocais profanas — é uma evidente exceção na obra de Bach. O compositor, que possui a injusta fama de sério, aceitou o convite de Zimmermann para compor uma propaganda de seu Café e, como quase sempre fazia, produziu uma obra-prima, uma pequena comédia que funciona tanto no palco quanto nas salas de concertos. O efeito da primeira apresentação deve ter sido consideravelmente ampliado pelo fato de que às mulheres não era permitido cantar em cafés (nem em igrejas) e o papel de Lieschen foi, provavelmente, interpretado por um cantor em falsete. Bach, com o auxílio do poeta Picander, construiu dois personagens muito humanos e verossímeis: um pai resmungão e rústico e uma filha obstinada e cheia de caprichos. O compositor parece estar à vontade ao traçar a caricatura do pai com o baixo pesado, os ritmos acentuados e a prescrição con pompa, enquanto os violinos rosnam para indicar seu temperamento irascível.

Quando ele ameaça privar Lieschen de sua saia-balão de última moda, Bach indica seu tremendo diâmetro de forma escandalosa. A ária de Lieschen em louvor ao café é convencional, tão convencional que parece que o compositor quer insinuar que ela futilmente adotara tal hábito apenas para seguir a moda, o que seria um gol contra para Zimmermann. Entretanto, seu entusiasmo por um possível marido não é simulado… A alegria expressa na melodia em ritmo de dança popular é contagiosa. Para os puristas, o divino e sacro Bach chega a ser grosseiro: afinal, quando Lieschen diz que quer um amante fogoso e robusto, os violinos e as violas silenciam, como para deixar bem clara aos ouvintes a afirmativa sem rodeios. O Café Zimmermann deve ter vindo abaixo…

J.S. Bach (1685-1750): Cantata do Café e dos Camponeses

1. “Coffee Cantata” BWV211 – Schweigt stille, plaudert nicht…Hat man nicht mit seinen Kindern 4:10
2. “Coffee Cantata” BWV211 – Ei! wie schmeckt der Coffee susse 5:08
3. “Coffee Cantata” BWV211 – Mädchen, die von harten Sinnen 3:49
4. “Coffee Cantata” BWV211 – Heute noch 7:06 Album Only
5. “Coffee Cantata” BWV211 – Die Katze lässt das Mausen nicht 4:24

6. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 1. Ouverture The Academy of Ancient Music 2:10
7. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 2-3. Mer hahn en neue Oberkeet…Nu, Mieke, gib dein Guschel immer her 1:18
8. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 4-5 Ach es schmeckt doch gar zu gut 1:20
9. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 6-7. Ach, Herr Schösser, geht nicht gar zu schlimm 1:34
10. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 8-9. Unser trefflicher, lieber Kammerherr 2:06
11. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 10-11: Das ist galant, es spricht niemand 1:51
12. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 12-13. Fünfzig Taler bares Geld 1:08
13. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 14-15: Klein-Zsocher müsse so zart und süße 5:51
14. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 16-17: Es nehme zehntausend Dukaten 0:58
15. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 18-19: Gib, Schöne, viel Söhne 0:48
16. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 20-21: Dein Wachstum sei feste 5:57
17. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 22. Arie: Und daß ihr’s alle wißt 1:12
18. Mer hahn en neue Oberkeet Cantata, BWV 212 “Peasant Cantata” – 24. Chor (Duetto): Wir gehn nun, wo der Dudelsack 1:04

Emma Kirkby
David Thomas
Academy of Ancient Music
Christopher Hogwood

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Esses aí não conseguem mais parar de tomar café nem de cantar. Vicia.

Esses aí não conseguem mais parar de tomar café. Nem de cantar. É que vicia.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Alma Latina: De Profundis Ensemble Vocal e Instrumental – Retrospectiva 1987 – 1995

1zee63sDe Profundis Ensemble Vocal e Instrumental
Retrospectiva 1987 – 1995
Música polifónica del período barroco-renacentista

Com instrumentos de época – on period instruments

Repostagem com novos e atualizados links.

El Ensemble Vocal e Instrumental De Profundis se formó el 17 de abril de 1987 a iniciativa de su Directora la Mtra. Cristina García Banegas. La música polifónica del período barroco-renacentista ha sido su repertorio más trabajado, incluyendo grandes obras de Bach, como la Misa en Si menor y la Pasión Según San Mateo. Asimismo interpreta obras de carácter sacro y profano de los siglos XV al XVII de origen europeo y de la América colonial.

Las ejecuciones respetan las versiones originales con el acompañamiento de instrumentos de época, siguiendo las más fieles y actuales concepciones de los investigadores y estudiosos de su repertorio.

La trascendente labor musical realizada desde entonces es un continuo aporte para la cultura de Uruguay y de América Latina.

Este disco es la primera recopilación de la historia fonográfica del Ensemble Vocal e Instrumental «De Profundis». Al editar en CD un material que, por razones estrictamente circunstanciales, fue siempre presentado al público en cassette, se pretende a su vez realzar el significado que cada uno de estos fonogramas tuvo en la historia artística del coro en un soporte más duradero y fiel.

La selección de obras que aqui se presenta ilustra la trayectoria del Ensemble casi desde sus comienzos cuando en 1989 – a tan solo dos años de su fundación y a un año de lo que sería su primera gira internacional – «De Profundis» concreta con IFU (Industrias Fonográficas del Uruguay) la primera grabación digital enteramente realizada en el Uruguay. Se trata de «Autores Españoles del Renacimiento» (junio, 1989), una colección de obras maestras de la polifonía española de Sebastián de Vivanco en primera grabación mundial.

Junto con «Autores Españoles…» en 1989 el Ensemble graba muchas de las obras que figuran en «Autores Latinoamericanos Coloniales» aunque estas tomas jamás fueron editadas. Es en 1991 que Cristina García Banegas siente que el grupo ha madurado interpretativamente estas obras y decide volver a grabarlas así como agregar material nuevo adquirido durante ese lapso. De este modo se conforma finalmente la edición de la colección de villancicos latinoamericanos de los siglos XVI al XVIII que tanto caracteriza al repertorio actual del grupo.

En el mismo período del año 1991 se graba «Homenaje a Juan Gutiérrez de Padilla», un volumen dedicado a la polifonía sacra en la Nueva España a través de este magnífico compositor que fuera Maestro de Capilla en la Catedral de Puebla, México entre 1622 y 1664.

El 26 de julio de 1991 «De Profundis» presenta un concierto en la Catedral Metropolitana dedicado a autores suizos con los auspicios de la Embajada de Suiza en el Uruguay. Adicionalmente, se lleva a cabo el registro del concierto en vivo que luego se editaría bajo el título «700 años de la Confederación Helvética» y que se transformaría a su vez en el testimonio de los actos conmemorativos en nuestro país del VII centenario de la Confederación.

Palhinha: ouça: 20. Magnificat

De Profundis: Retrospectiva 1987 – 1995
Juan de Anchieta (España, 1462-1523)
01. Salve Regina
Tomás Luis de Victoria (Spain, 1548-1611)
02. Duo Seraphim
Sebastián de Vivanco (España, ca.1550-1622)
03. Assumpta Est Maria
04. Canite Tuba In Sion
Tomás Pascual (Guatemala, s.XVII)
05. Oy Es Día De Placer
Hernando Franco (el indio) (México, ca.1599))
06. Sancta Mariae, In Ilhuicac Cihaupilli
Juan Gutiérrez de Padilla (Málaga, Espanha c.1590 – Puebla, México, 1664)
07. Las Estreyas Se Rien
Anónimo (Cuzco, s.XVII)
08. Canzona Para Dos Violas Y Continuo
Fr. Juan Pérez de Bocanegra (Cusco, ca. 1610)
09. Hanacpachap Cussicuinim
Roque Jacinto de Chavarría (Sucre, 1688-1719)
10. Fuera, Fuera, Haganles Lugar
Gaspar Fernandes (Portugal, 1566-México,1629)
11. Tañe Gil Tu Tamborino
12. En Un Portalejo Pobre
13. Dame Albricia Mano Anton
14. Xicochi, Xicochi Conetzintle
15. Tleycantimo Choquiliya
16. Eso Rigor E Repente
Juan Gutiérrez de Padilla (Málaga, Espanha c.1590 – Puebla, México, 1664)
17. Stabat Mater
18. Versa Est In Luctum
19. Deus In Auditorium Meum Intende
Bernard Reichel (Suiza, 1901-1993)
20. Magnificat
Frank Martin (Ginebra, 1890-1974)
21. Missa – Agnus Dei
Johann Sebastian Bach (Austria, 1685-1750)
22. Matthäus-Passion – BWV 244 – NR. 68 Chor

Retrospectiva 1987 – 1995
De Profundis Ensemble Vocal e Instrumental
Dir.: Mtra. Cristina Garcia Banegas – 1995

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 306,0 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 151,3 MB

Powered by iTunes 12.1.2 | 1 h 10 min | Encarte incluido: Español & English

Um CD do acervo do musicólogo Prof. Paulo Castagna. Beleza !!!

Boa audição.

34y9wuf

.
Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J.S. Bach (1685-1750): Cantatas BWV 9, 94 & 187

Este é um CD com belas interpretações de Cantatas menores de J. S. Bach. Kuijken e sua turma — onde está a notável e bela mezzo-soprano Magdalena Kožená — Lady Simon Rattle desde 2008 — saem-se conforme o esperado, mas, pô, podiam ter colocado ao menos uma cantatinha de primeira linha, né? Ao menos esta é a opinião de PQP Bach, a qual vale pouco. Eu baixaria o CD. Sua sonoridade é majestosa e deixa a gente feliz só pelos timbres e competência dos envolvidos. Sigiswald Kuijken é um mestre absoluto.

J.S. Bach (1685-1750): Bach: Cantatas BWV 9, 94 & 187

(1-7) Kantate / Cantata Bwv 9: Es Ist Das Heil Uns Kommen Her
(8-15) Kantate / Cantata Bwv 94: Was Frag Ich Nach Der Welt
(16-22) Kantate / Cantata Bwv 187: Es Wartet Alles Auf Dich

Midori Suzuki (soprano)
Magdalena Kožená (mezzo-soprano)
Knut Schoch (tenor)
Jan Van der Crabben (baritone)
La Petite Bande
Sigiswald Kuijken

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Kozena

Não é só imagem, Magdalena Kožená canta demais

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): Sonatas Completas para Violino e Cravo

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Excelente este registro realizado por dois pioneiros da interpretação de barrocos por instrumentos originais. O som delicado dos instrumentos é bastante amplificado por um engenheiro indignado e sem noção, que desejava ouvir tudo bem alto. Mas não é nada que seja suficiente para destruir a bela concepção destas obras pelos dois monstros Kuijken e Leonhardt. Destaco a Sonata BWV 1016 para que nossos leitores-ouvintes se apaixonem de vez por esta coleção de obras. Uma gravação legendária que vale a pena conhecer.

J. S. Bach (1685-1750): Sonatas Completas para Violino e Cravo

Sonata h-Moll BWV 1014
01. I. Adagio
02. II. Allegro
03. III. Andante
04. IV. Allegro

Sonata E-Dur BWV 1016
05. I. Adagio
06. II. Allegro
07. III. Adagio ma non tanto
08. IV. Allegro

Sonata G-Dur BWV 1019
09. I. Allegro
10. II. Largo
11. III. Allegro
12. IV. Adagio
13. V. Allegro

Sonata f-Moll BWV 1018
01. I. Largo
02. II. Allegro
03. III. Adagio
04. IV. Vivace

Sonata A-Dur BWV 1015
05. I. (Andante)
06. II. Allegro assai
07. III. Andante un poco
08. IV. Presto

Sonata c-Moll BWV 1017
09. I. Siciliano_ Largo
10. II. Allegro
11. III. Adagio 12.
IV. Allegro

Sigiswald Kuijken, violino
Gustav Leonhardt, cravo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O ronco de Kuijken

O ronco de Kuijken

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): Concertos de Brandenburgo

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Antes de qualquer coisa: aqui temos uma gravação de inacreditável qualidade dos Brandenburgo. E aqui, a gravação que eu mais gosto. Aliás, amo também o registro constante no post que você está lendo.

Não há como contestar a notável qualificação técnica do Il Giardino Armonico, mas seus tempi mais rápidos que o habitual e a utilização um pouco arbitrária de dinâmicas (piano, forte, fortissimo, etc.) talvez assuste alguns ouvidos mais cheios de pudores. Não é meu caso. Gosto de surpresas e não tenho uma relação reverente com a música. Não posso ser reverente com algo que me é tão íntimo e me faz tão feliz. Posso admirar minha mulher, mas, digamos, deveria reverenciá-la? Ora, se a arte não puder ser lúdica e alegre, o que pode? É claro que não gostaria de ouvir o Réquiem Alemão em versão heavy metal, mas uma acelerada aqui, uma freada ali, mesmo brusca, qual é o problema? A música é uma coisa viva, não? O mundo não gira apenas pela sensibilidade e senso de estilo, mas também pelo inusitado. Afinal, são os pequenos e suaves abusos que nos fazem felizes…

É uma gravação rápida, às vezes furiosa, e eu duvido que você a rejeite por inteiro, mesmo que seja um futuro ou atual membro da TFP.

As leituras de Giovanni Antonini merecem ser respeitadas e seu Giardino nem se fala. O pessoal que bate papo amigavelmente na capa do CD toca demais. O andamento vivíssimo do terceiro concerto, o destaque dado ao trompete no segundo e às trompas no primeiro, o último movimento do quarto concerto e todo o sexto — com o ingresso de um alaúde no baixo contínuo, o que acentua o timbre grave de um concerto sabidamente sem violinos –, são realizações e serem consideradas..

A gravação do Giardino já foi taxada de sinful, de ser rock n´roll e outros absurdos. Por quê? Os modelos têm de ser fixos, a seriedade absoluta tem de ser nosso algoz até na música? Ora, vá, vá!

Os Seis Concertos de Brandemburgo de Johann Sebastian Bach

Disc: 1

1. Brandenburg Concertos: Concerto No. I In F Major: Allegro
2. Brandenburg Concertos: Concerto No. I In F Major: Adagio
3. Brandenburg Concertos: Concerto No. I In F Major: Allegro
4. Brandenburg Concertos: Concerto No. I In F Major: Menuetto

5. Brandenburg Concertos: Concerto No. II In F Major: Allegro
6. Brandenburg Concertos: Concerto No. II In F Major: Andante
7. Brandenburg Concertos: Concerto No. II In F Major: Allegro Assai

8. Brandenburg Concertos: Concerto No. III In G Major: Allegro
9. Brandenburg Concertos: Concerto No. III In G Major: Adagio
10. Brandenburg Concertos: Concerto No. III In G Major: Allegro

Disc: 2

1. Brandenburg Concertos: Concerto No. IV In G Major: Allegro
2. Brandenburg Concertos: Concerto No. IV In G Major: Adante
3. Brandenburg Concertos: Concerto No. IV In G Major: Presto

4. Brandenburg Concertos: Concerto No. V In D Major: Allegro
5. Brandenburg Concertos: Concerto No. V In D Major: Affettuoso
6. Brandenburg Concertos: Concerto No. V In D Major: Allegro

7. Brandenburg Concertos: Concerto No. VI In B Major: Allegro
8. Brandenburg Concertos: Concerto No. VI In B Major: Adagio ma non tanto
9. Brandenburg Concertos: Concerto No. VI In B Major: Allegro

Il Giardino Armonico
Giovanni Antonini

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Doença: o flautista e regente Antonini em ação

Doença: o flautista e regente Antonini em ação

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas BWV 51, 82a e 199

É mais um disco de cantatas bastante conhecidas de Bach para soprano. Talvez a francesa Dessay seja dramática demais em alguns momentos — ela por vezes canta Bach com um acento tipicamente handeliano –, mas, no geral, sua interpretação é boa. O álbum é dedicado a Martin Luther King. A voz de Dessay brilha especialmente entre os trompetes da Cantata BWV 51, mas pesa demais em Ich habe genug,  recuperando-se notavelmente logo depois na ária Schlummert ein, ihr matten Augen. Sem dúvida, trata-se de um CD desigual, mas que vale a pena conhecer.

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas BWV 51, 82a e 199

Cantata “Jauchzet Gott In Allen Landen” BWV 51
1) I Aria: Jauchzet Gott In Allen Landen
2) II Recitativo: Wir Beten Zu Dem Tempel An
3) III Aria: Höchster, Mache Deine Güte
4) IV Chorale: Sei Lob Und Preis Mit Ehren – V Finale: Alleluja!

Cantata No. 82, ‘Ich Habe Genug’ BWV 82a
5) Aria: Ich Habe Genug
6) Recit: Ich Habe Genug
7) Aria: Schlummert Ein
8. Recit: Mein Gott! Wann Kommt Das Schöne Nun!
9) Aria: Ich Freue Mich Auf Meinen Tod

Cantata “Mein Herze Schwimmt Im Blut” BWV 199
10) I Recitativo: Mein Herze Schwimmt Im Blut
11) II Aria & Recitativo: Stumme Seufzer, Stille Klagen
12) III Recitativo: Doch Gott Muss Mir Genädig Sein
13) IV Aria: Tief Gebückt Und Voller Reue
14) V Recitativo: Auf Diese Schmerzensreu
15) VI Chorale: Ich, Dein Betrübtes Kind
16) VII Recitativo: Ich Lege Mich In Diese Wunden
17) VIII Aria: Wie Freudig Ist Mein Herz

Natalie Dessay, soprano
Le Concert d’Astrée
Emmanuelle Haïm

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Aos 48 anos, Dessay largou a ópera. Hoje, só dá recitais e aulas.

Em 2013, aos 48 anos, Dessay largou a ópera. Hoje, só dá recitais e aulas.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ainda mais Cordas: o Violão (Johann Sebastian Bach (1685-1750)): As Seis Suítes para Violoncelo transcritas para o violão

POSTAGEM ORIGINAL DE FDP BACH, REVALIDADA PELO PQP, ESCAFEDIDA NO COLAPSO DO RAPIDSHARE E REVALIDADA POR VASSILY, PERDIDA NO PQPSHARE E RECUPERADA AGORA POR PQP, DENTRO DA SÉRIE SOBRE AS SUÍTES PARA VIOLONCELO DE J. S. BACH

Muito interessante este CD. O violonista alemão Andreas von Wangenheim é um cabra macho: são dele mesmo as transcrições para violão das Suítes para Violoncelo de papai. E o resultado é muito bom. O editorialista da amazon diz o seguinte: Bach’s famous suites for cello solo from a different perspective: in order to emphasize the polyphonic structure of this marvelous music, Andreas von Wangenheim has transcribed them for guitar. The Six Suites for Violoncello Solo put the instrument through its paces in the same way as the Six Sonatas and Partitas for Violin Solo. A closer look at these works reveals a fascinating element of Bach’s compositional art: the polyphony that is concealed in almost all of his solo lines. Andreas von Wangenheim is considered one of the finest guitarists of the younger generation. He won the 1987 Bach Prize at the International Guitar Competition for Students in Europe.

A comparação com Segovia é inevitável, afinal, o mestre espanhol também transcreveu obras de papai para o violão. Mas Wangenheim é ainda jovem, apesar de já ter uma carreira consolidada como solista e professor.

Sem mais delongas, vamos ao que interessa.

Johann Sebastian Bach – Six Cello Suites (transcribed for Guitar) – Andreas von Wangenheim

Disco 1

1. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Prélude
2. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Allemande
3. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Courante
4. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Sarabande
5. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Bourrée
6. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Gigue

7. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Prélude
8. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Allemande
9. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Courante
10. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Sarabande
11. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Menuet 1 & 2
12. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Gigue

13. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Prélude
14. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Allemande
15. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Courante
16. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Sarabande
17. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Bourrée 1 & 2
18. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Gigue

Disco 2

1. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Prélude
2. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Allemande
3. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Courante
4. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Sarabande
5. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Menuet 1 & 2
6. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Gigue

7. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Prélude
8. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Allemande
9. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Courante
10. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Sarabande
11. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Gavotte 1 & 2
12. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Gigue

13. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Prélude
14. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Allemande
15. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Courante
16. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Sarabande
17. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Gavotte 1 & 2
18. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Gigue

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Andreas von Wangenheim, violão

Belo trabalho, Andreas!

Belo trabalho, Andreas!

FDP Bach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): A Arte da Fuga / Abertura Francesa / Concerto Italiano / Prelúdio, Fuga e Allegro

LEONARDT
IM-PER-DÍ-VEL !!!

Gustav Leonhardt foi um monstro, um gênio e o pequepiano ouvinte-leitor André X. nos enviou este CD duplo para polinizarmos sua arte. Não lembro de Arte da Fuga melhor do que esta. Também penso não existir melhor Prelúdio, Fuga e Allegro, do qual ouvi uma versão atropelada, dia desses em Porto Alegre. Ah, e o CD ainda traz o Concerto Italiano e a Abertura Francesa. Ou seja, só obras-primas, nada além de obras-primas de Bach. Aproveitem porque a qualidade deste trabalho não se encontra rotineiramente por aí.

Die Kunst Der Fuge BWV 1080 / The Art Of The Fugue BWV 1080
1-1 Contrapunctus 1 4:14
1-2 Contrapunctus 4 6:39
1-3 Contrapunctus 2 3:35
1-4 Contrapunctus 3 3:31
1-5 Contrapunctus 5 3:59
1-6 Contrapunctus 6 4:33
1-7 Contrapunctus 7 5:10
1-8 Contrapunctus 8 6:41
1-9 Contrapunctus 9 2:58
1-10 Contrapunctus 10 5:21
1-11 Contrapunctus 11 7:49
1-12 Contrapunctus 12a 2:44
1-13 Contrapunctus 12b 2:54
1-14 Contrapunctus 18a 2:26
1-15 Contrapunctus 18b 2:27
2-1 Canon 14 3:57
2-2 Canon 15 2:42
2-3 Canon 16 5:53
2-4 Canon 17 2:07

Clavierübung II (1735) Partita BWV 831 H-moll/B Minor
(Ouvertüre Nach Französischer Art/Overture In The French Manner)

2-5 Ouvertüre 8:19
2-6 Courante 2:33
2-7 Gavotte I/II 2:40
2-8 Passepied I/II 3:04
2-9 Sarabande 2:39
2-10 Bourrée I/II 2:58
2-11 Gigue 2:03
2-12 Echo 3:16

Italienisches Konzert F-dur BWV 971 / Italian Concerto F Major BWV 971
2-13 Allegro 4:20
2-14 Andante 4:30
2-15 Presto 4:24

Praeludium, Fuge Und Allegro BWV 998 Es-dur/E Flat Major
2-16 Praeludium, Fuge Und Allegro BWV 998 Es-dur/E Flat Major 10:36

Gustav Leonhardt, cravo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Gustav Leonhardt: Retrato do Monstro Quando Velho

Gustav Leonhardt: Retrato do Monstro Quando Velho

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): As Seis Partitas para Cravo (versão de Andras Schiff)

Será que eu definitivamente passei a amar apenas as interpretações originais? Pois ao ouvir a versão de Schiff para as mesmas Partitas de ontem, meu coração não bateu muito mais forte. Falta ritmo, pulso, ousadia e alegria. Martins e Schiff são enormes pianistas, mas não chegaram àquele nível que os fariam first choices. Dentre os pianistas, ainda fico com Tatiana Nikolayeva e Angela Hewitt. Melhor ainda é ouvir Trevor Pinnock ao cravo. A versão presente aqui no PQP Bach e da qual devemos fugir é a de Scott Ross, que é realmente péssima.

Johann Sebastian Bach (1685 – 1750) — As Seis Partitas para Cravo

Partita No.1 in B flat, BWV 825
1 1. Praeludium [2:04]
2 2. Allemande [2:56]
3 3. Corrente [2:53]
4 4. Sarabande [4:35]
5 5. Menuet I [1:20]
6 6. Menuet II [1:25]
7 7. Giga [2:14]

Partita No.2 in C minor, BWV 826
8 1. Sinfonia (Grave adagio – Andante) [4:39]
9 2. Allemande [4:21]
10 3. Courante [2:08]
11 4. Sarabande [3:00]
12 5. Rondeaux [1:41]
13 6. Capriccio [3:25]

Partita No.6 in E minor, BWV 830
14 1. Toccata [7:37]
15 2. Allemande [3:46]
16 Corrente – Air [6:28]
17 5. Sarabande [6:10]
18 6. Tempo di gavotta [2:13]
19 7. Gigue [5:59]

Partita No.3 in A minor, BWV 827
1 1. Fantasia [1:55]
2 2. Allemande [2:56]
3 3. Corrente [2:47]
4 Sarabande – Burlesca [5:27]
5 6. Scherzo [1:02]
6 7. Gigue [3:03]

Partita No.4 in D , BWV 828
7 1. Overture [6:05]
8 2. Allemande [8:03]
9 3. Courante [3:25]
10 4. Aria [2:17]
11 5. Sarabande [5:50]
12 6. Menuet [1:35]
13 7. Gigue [3:42]

Partita No.5 in G, BWV 829
14 1. Praeambulum [2:10]
15 2. Allemande [4:07]
16 3. Corrente [1:31]
17 4. Sarabande [4:04]
18 5. Tempo di minuetto [2:36]
19 6. Passepied [1:42]
20 7. Gigue [3:59]

András Schiff, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Schiff: cara de quem tomou um baile da Angela Hewitt

Schiff: cara de quem tomou um baile da Angela Hewitt

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!