Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Violin Concerto, op. 61, Romances, Franz Schubert (1797-1828) – Rondo in A Major for Violin & Orchestra, D. 438

JAMESE~1

Nosso querido mentor, PQPBach, e sua namorada, que é violinista, consideram James Ehnes um dos principais violinistas da atualidade. E não há como negarmos tal afirmativa.  O cara tem um talento incrível, e sempre nos oferece novas possibilidades, mesmo naquelas obras tão conhecidas do repertório, como neste concerto de Beethoven, que creio que todos conhecem de cor e já devem ter ouvido dezenas de vezes com diversos outros intérpretes. Ouçam a cadenza escrita pelo lendário Fritz Kreisler para entenderem do que estou falando.

Além do concerto, também temos aqui os dois Romances, também escritos para Violino e Orquestra, e o belíssimo Rondo in A major, de Schubert.

Para completar o pacote, o regente é o Andrew Manze, que conhecemos bem com um excelente violinista, especializado no repertório barroco. Em outras palavras, os senhores estão em muito boas mãos.

Resumindo, trata-se de um esplêndido CD, seríssimo candidato a lançamento do mês da Revista Gramophone, quiçá, melhor lançamento do ano, da mesma revista.

LUDWIG VAN BEETHOVEN (1770-1827)

VIOLIN CONCERTO in D major op61
1 i Allegro ma non troppo* 23.24
2 ii Larghetto 9.40
3 iii Rondo*: Allegro 9.52

*Cadenzas by Fritz Kreisler

ROMANCE No.1 in G major for violin & orchestra op40 6.40

ROMANCE No.2 in F major for violin & orchestra op50 8.08

FRANZ SCHUBERT (1797-1828)

Rondo in A major for violin & orchestra D438 13.33
Adagio – Allegro giusto

BAIXAR AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Fantasia – Leopold Stokowski and the Philadelphia Orchestra

fantasia-leopold-stokowski-and-the-philadelphia-orchestraFantasia
Walt Disney
Philadelphia Orchestra
Trilha sonora

 

Essa postagem do Marcelo Stravinsky sobre Cartoon Concerto me fez viajar no tempo.

Imediatamente lembrei-me do primeiro desenho animado que assistí no cinema quando era criança: Fantasia, de Walt Disney, produzido em 1940, um marco na história do cinema.

Não me lembro quantas vezes meus pais foram obrigados a me levar ao cinema para assistir Fantasia. Fiquei hipnotizado pelas músicas e deslumbrado em ver na tela e em cores aquilo que eu só conhecia dos gibís.

Stokowski costumava tocar a sua transcrição para a Tocatta & Fugue somente em ensaios da orquestra. Por muitos anos jamais foi tocada em concerto. Quando dispunham de tempo extra no ensaio, dizia para os músicos:” Vocês se incomodam se tocarmos um pouco de Bach?” – e então tocavam a Tocatta & Fugue só para a própria satisfação. Seus amigos da Orquestra de Filadélfia ouviram, gostaram e pela primeira vez ela foi tocada em concerto. O público gostou. Posteriormente foi imortalizada na obra de Walt Disney, Fantasia.

Compartilho com meus amigos esse encantamento musical.

1. Toccata & Fugue In D Minor, BWV 565 – Bach, Johann Sebastian
2. The Nutcracker Suite, Op. 71A;  Dance Of The Sugar Plum Fairy – Tchaikovsky
3. The Nutcracker Suite, Op. 71A;  Chinese Dance – Tchaikovsky
4. The Nutcracker Suite, Op. 71A;  Dance Of The Reed Flutes – Tchaikovsky
5. The Nutcracker Suite, Op. 71A;  Arabian Dance – Tchaikovsky
6. The Nutcracker Suite, Op. 71A;  Russian Dance – Tchaikovsky
7. The Nutcracker Suite, Op. 71A;  Waltz Of The Flowers – Tchaikovsky
8. The Sorcerer’s Apprentice – Dukas, Paul Abraham (1865-1935)
9. The Rite Of Spring – Stravinski
10. Symphony No.6 ‘Pastoral’, Op.68; I.Allegro Ma Non Troppo – Beethoven
11. Symphony No.6 ‘Pastoral’, Op.68; II.Andante Molto Mosso – Beethoven
12. Symphony No.6 ‘Pastoral’, Op.68; III.Allegro- IV.Allegro- V.Allegretto – Beethoven
13. Dance Of The Hours From The Opera ‘la Gioconda’ – Ponchielli, Amilcare (1834-1886)
14. A Night On Bald Mountain – Mussorgsky
15. Ave Maria, Op.52 No.6 – Schubert

Fantasia
Leopold Stokowski and the Philadelphia Orchestra
Remastered Original Soundtrack Edition
1940

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 270,7 MB – 1,7 horas
powered by iTunes 12.5.1

Boa audição!

mulher

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Variations and Bagatelles (com Glenn Gould)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Para quem ouvia música erudita nos anos 80, este é aquele estranho álbum da CBS que trazia dois discos de vinil no mesmo “orifício”, por assim dizer. Isto é, não era um álbum de abrir, era uma capa vagabunda com dois discos dentro. Pura economia da “gravadora pobreza” que só se importava com sua maior estrela, Roberto Carlos. Porém, quem ouviu os discos, sabe o quanto eram bons. Pois esta é a reedição dele em CD. Era uma fase especialmente canora de Glenn Gould. Sua voz pode ser ouvida claramente, principalmente no primeiro CD.

Trata-se de um repertório beethoveniano que não chega a ser habitual, mas que é muito bom.

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Variations and Bagatelles

1. 32 Variations in C minor for Piano on an original theme, WoO 80: Tema. Allegretto; Var. I; Var. II 1:03
2. 32 Variations in C minor for Piano on an original theme, WoO 80: Var. III; Var IV; Var. V 1:04
3. 32 Variations In C Minor For Piano On An Original Theme, Woo 80: Var. VI; Var. VII; Var. VIII 0:42
4. 32 Variations in C minor for Piano on an original theme, WoO 80: Var. IX. Espressivo; Var. X; Var. XI 0:55
5. 32 Variations In C Minor For Piano On An Original Theme, Woo 80: Var. XII. Maggiore; Var. XIII; Var. XIV 1:28
6. 32 Variations in C minor for Piano on an original theme, WoO 80: Var. XV; Var. XVI 0:39
7. 32 Variations In C Minor For Piano On An Original Theme, Woo 80: Var. XVII. Minore; Var. XVIII 0:46
8. 32 Variations in C minor for Piano on an original theme, WoO 80: Var. XIX; Var. XX; Var. XXI 0:41
9. 32 Variations In C Minor For Piano On An Original Theme, Woo 80: Var. Xxii; Var. Xxiii; Var. Xxiv 1:02
10. 32 Variations In C Minor For Piano On An Original Theme, Woo 80: Var. Xxv Leggiermente; Var. Xxvi; Var. Xxvii; Var. Xxviii 1:00
11. 32 Variations In C Minor For Piano On An Original Theme, Woo 80: Var. Xxix; Var. XXX 0:56
12. 32 Variations In C Minor For Piano On An Original Theme, Woo 80: Var. Xxxi; Var. Xxxii 2:57

13. Six Variations in F Major for Piano, Op. 34: Tema. Adagio 1:07
14. Six Variations in F Major for Piano, Op. 34: Var. I 1:36
15. Six Variations in F Major for Piano, Op. 34: Var. II. Allegro, ma non troppo 0:54
16. Six Variations in F Major for Piano, Op. 34: Var. III. Allegretto 1:11
17. Six Variations in F Major for Piano, Op. 34: Var. IV. Tempo di Minuetto 1:11
18. Six Variations in F Major for Piano, Op. 34: Var. V. Marcia. Allegretto 1:51
19. Six Variations in F Major for Piano, Op. 34: Var. VI. Allegretto – Coda – Adagio molto 4:10

20. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Introduzione col Basso del Tema. Allegretto vivace; a due – Poco adagio – Tempo I; a tre. – adagio – Tempo I; a quattro – Tema 4:41
21. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. I 0:38
22. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. II – Presto – Tempo I 0:34
23. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. III 0:38
24. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. IV 0:28
25. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. V 1:03
26. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. VI 0:31
27. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. VII. Canone all’ottava 0:51
28. 15 Variations With Fugue In E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. VIII 1:11
29. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. IX 0:40
30. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. X 0:42
31. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. XI 1:03
32. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. XII 0:45
33. 15 Variations With Fugue In E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. XIII 0:50
34. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. XIV. Minore 2:01
35. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Var. XV. Maggiore. Largo 5:33
36. 15 Variations with Fugue in E-Flat Major Op. 35 “Eroica”: Finale Alla Fuga. Allegro con brio – Adagio – Andante con moto 5:41

1. 7 Bagatelles, Op. 33: No. 1 in E-Flat Major – Andante grazioso, quasi allegretto 3:53
2. 7 Bagatelles, Op. 33: No. 2 in C Major – Scherzo (Allegro) 2:54
3. 7 Bagatelles, Op. 33: No. 3 in F Major – Allegretto 1:26
4. 7 Bagatelles, Op. 33: No. 4 in A Major – Andante 3:20
5. 7 Bagatelles, Op. 33: No. 5 in C Major – Allegro ma non troppo 2:33
6. 7 Bagatelles, Op. 33: No. 6 in D Major – Allegretto, quasi andante (Con una certa espressione parlante) 3:39
7. 7 Bagatelles, Op. 33: No. 7 in A-Flat Major – Presto 1:53

8. Bagatelles, Op. 126: No. 1 in G Major – Andante con moto canatbile e compiacevole 4:00
9. Bagatelles, Op. 126: No. 2 in G minor – Allegro 1:57
10. Bagatelles, Op. 126: No. 3 in E-Flat Major – Andante cantabile e grazioso 3:50
11. Bagatelles, Op. 126: No. 4 in B minor – Presto 5:04
12. Bagatelles, Op. 126: No. 5 in G Major – Quasi allegretto 2:15
13. Bagatelles, Op. 126: No. 6 in E-Flat Major – Presto; Andante amabile e con moto 4:44

Glenn Gould, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Glenn Gould: tocando e cantando, como quase sempre

Glenn Gould: tocando e cantando, como quase sempre

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Missa Solemnis, Op. 123

Pois bem, após várias solicitações, não apenas do Sander, mas de vários outros de nossos leitores / ouvintes, trago para os senhores a Missa Solemnis. Sempre citando Maynard Solomon, temos a seguinte descrição e detalhes da obra:

“Tal como a primeira missa de Beethoven, a Missa Solemnis, op. 123, foi escrita para uma ocasião específica: destinava-se a celebrar a investidura do arquiduque Rudolph (1788-1831) como arcebispo de Olmütz (na Morávia) em 9 de março de 1820. Rudolph, filho do imperador Leopold II e irmão do imperador Franz era o mais importante dos mecenas de Beethoven desde 1809 em diante, e o beneficiário de nada menos que 15 dedicatórias, incluíndo as dos Concertos para Piano nº 4 e 5, o Trio, op 97 (Arquiduque), as Sonatas opp. 106 e 111, e a Grosse Fugue, op. 133.

(…) A Missa tornou-se a paixão absorvente de Beethoven durante quatro anos, substituíndo Fidélio como a grande ‘obra problemática’ de sua carreira; Com efeito, há um sentido em que a Missa Solemnis passou a ser encarada por Beethoven como uma composição talismática, cujo valor para ele era tão grande que – como vimos antes – enveredou por uma série incomum de negociações e manipulações financeiras a respeito de sua publicação, o que lhe custou não poucas amizades e lhe granjeou a desagradável reputação de práticas comerciais desonestas.

(…) Embora possamos estar certos de que Beethoven verteu na Missa Solemnis seus mais profundos sentimentos religiosos, podemos estar certos de que não foi a adesão ao catolicismo que inspirou a obra. Conforme tem sido freqüentemente assinalado, a peça nunca esteve inteiramente à vontade na sala de concerto nem na igreja. Em várias ocasiões, Beethoven sugeriu que ela poderia ser executada como “um grande oratório” (…)

(…) Entretanto, deve-se reconhecer também o papel desempenhado pela imaginação produtiva, e, embora existam muitos ‘caminhos novos para velhas idéias’, na Missa Solemnis, sua importância histórica reside predominantemente no modo como, muito mais do que reproduzidas, nela foram remodeladas as tradições da música litúrgica. Isso foi feito praticamente pelo mesmo método que criou a grande música religiosa dos predecessores de Beethoven, de Dufay a Josquin, a Handel e Bach, ou seja, uma recusa em aceitar as formas e linguagens recebidas como modelos eternos, e uma infusão de elementos seculares derivados de estilos musicais não-litúrgicos que ampliaram as possibilidades expressivas da forma, dando origem a novos significados associacionistas que, por seu turno, se embutiram na matriz da gramática musical mais recente.” (SOLOMON, p. 406-411)

Lendo este texto, não pude deixar de concordar quando ele diz que a Missa Solemnis sente-se pouco a vontade se executada numa igreja. Ou seja, Beethoven criou uma nova música sacra que, embora imbuída de profunda religiosidade, não necessariamente pode ser considerada música sacra, nos moldes a que nos acostumamos ao ouvir dos grandes mestres do gênero, como papai Bach, ou Handel. O próprio Beethoven teria escrito que considerava a música a capella o único estilo eclesiástico verdadeiro, “talvez por não desejar que a obra servisse a sua normal função apaziguadora como uma idealização da perpetuidade e imutabilidade da crença (SOLOMON, p. 409-410).

Curiosamente, enquanto escrevo este texto, ouço uma das melhores versões da 9º sinfonia que já tive a oportunidade de ouvir, uma contribuição da Laís Vogel, que está me ajudando  entender esta análise tão pormenorizada de Solomon. Em outras palavras, antes o homem que a fé. “A religião permanece constante, só O homem é inconstante”, terie escrito Beethoven a um amigo, discutindo sobre a imortalidade.

Para concluir, basta acrescentar que Beethoven considerava essa Missa a maior obra que compusera até então. Gosto muito da conclusão de Solomon em sua análise desta obra:

“(…) E assim, o conflito em curso entre a fé e a dúvida em Beethoven é revelado na Missa Solemnis. Como Riezler sabia, no “Donna nobis pacem”, com seus sons de discórdia e guerra, e seus angustiados clamores de paz, interior e exterior, Beethoven ‘atrevera-se a permitir que a confusão do mundo exterior invadisse o domínio sagrado da música eclesiastica’. Neste sentido, a Missa Solemnis antevê as questões e dúvidas teológicas – a par da guerra travada entre ciência e religião – que dominariam o campo da batalha intelectual do século XIX.”

Ludwig van Beethoven — Missa Solene, Op. 123

1 – Kyrie 11`55
2 – Gloria 16`59
3 – Credo 17`41
4 – Sanctus 5`16
5 – Benedictus 9`22
6 – Agnus Dei 16`09

Rosa Mannion – Soprano
Birgit Remmert – Contralto
James Taylor  – Tenor
Cornelius Hauptmann – baixo
Choir de la Chapelle Royale et du Collegium Vocale
Orchestre des Champs Elysées
Phillipe Herreweghe – Director

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

O regente Herreweghe é ateu confesso, dizem

O regente Herreweghe é ateu confesso, dizem

FDP Bach (revalidado por PQP Bach, que pôs a foto acima)

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Concertos para piano e orquestra Nº 4 e 5 com A. Rubinstein

Mais um arquivo enviado pela amiga Lais Vogel e um trecho do e-mail enviado a mim por Fernando Monteiro:

Sobre o pianista Arthur Rubinstein, acho que você fez um comentário até justo — embora encarando o profissional do piano muito pelo lado técnico, e esquecendo a, digamos, “biografia” atrás daquelas teclas tocadas com uma certa “nonchalance”, sim, mas que trazia, aqui e ali, um lendário sentimento chopiniano — de época — muito interessante e, mesmo, puro. [Coisa que só se aprendia no século XIX; hoje, as jovens sumidades aprendem e “sabem” mais — porém, como as atrizes, não têm um passado, um “daimon”, uma história longa impregnada de acontecimentos da passagem de século, fantástica, que foi a dezenovesca…

Com isso, que eu quero apenas dizer, lembrar, que uma longa vida, a dele, uma vida longamente vivida (?), isto é, quase aventurosa e cheia, plena, suntuosa demais até, para que eu (que nasci só em 1949, quando Rubinstein já era velho) possa pensar, a respeito dele, com algo sequer parecido com o conforto “crítico” com o qual você encara o artista — uma das grandes figuras do século 20 — um tanto *espaçosamente* e, por sua vez, também não isento de certo “descuido” de quem resolve uma sólida lenda em (quanto?)… dois minutos?*

Beethoven – Concertos Nros. 4 e 5

1 Piano Concerto No. 4 in G major, Op. 58- Allegro moderato.mp3
2 Piano Concerto No. 4 in G major, Op. 58- Andante con moto.mp3
3 Piano Concerto No. 4 in G major, Op. 58- Rondo, Vivace.mp3

4 Piano Concerto No. 5 in E flat major (‘Emperor’), Op. 73- Allegro.mp3
5 Piano Concerto No. 5 in E flat major (‘Emperor’), Op. 73- Adagio un poco moto.mp3
6 Piano Concerto No. 5 in E flat major (‘Emperor’), Op. 73- Rondo, Allegro.mp3

Artur Rubinstein, piano
Boston Symphony Orchestra
Erich Leinsdorf

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

O pianista Arthur Rubinstein

O pianista Arthur Rubinstein

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Trios Arquiduque & Ghost

IM-PER-DÍ-VEL!!!

Quem não conhece o Trio Arquiduque?

(Talvez minha sensibilidade sobre este tema seja prejudicada por uma infância vivida com um pai que ouvia de forma tão intensiva os compositores do século XIX que todas as obras do período parecem ter vindo pré-instaladas no meu cérebro. Então, sempre fico pasmo quando conheço alguém que goste de música e que não saiba nota por nota as principais obras de Beethoven, Schubert, Tchai, Schumann, Chopin, Brahms, Dvorak, Berlioz e outros. Desta forma, quando digo que não gosto de Chopin, Dvorak, Berlioz e da maior parte da obra de Schumann, não significa que não as tenha ouvido minuciosamente).

É o Op. 97 e este número não é casual. Localiza-se no limite da grande virada; lembrem-se que a Sonata Nº 28 é o Op. 101 e ali talvez tenha começado a grande revolução. O que quero dizer é que o Arquiduque é o ápice da primeira fase beethoveniana.

(Sim, sei que toda a literatura fala em três fases e as reconheço. Mas acho que a segunda foi consequência natural da primeira, uma mera evolução ditada por Beethoven e por seu contexto histórico. Já a segunda — ou terceira — é a da verdadeira ruptura).

Sereno, tranquilo e fluente, mais parece um Machado de Assis em pleno domínio de sua arte. Uma espécie de Conselheiro Aires da música. A interpretação do trio Immerseel, Beths e Bylsma é das melhores que já ouvi até hoje. Fiquei muito impressionado.

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Trios Arquiduque & Ghost

01. Archduke – 1. Allegro moderato 12:13
02. Archduke – 2. Scherzo: Allegro 06:26
03. Archduke – 3. Andante cantabile 10:58
04. Archduke – 4. Allegro moderato 07:29

05. Ghost – 1. Allegro vivace e con brio 09:55
06. Ghost – 2. Largo assai e espressivo 09:05
07. Ghost – 3. Presto 08:21

Jos van Immerseel – Pianoforte
Vera Beths – Violino
Anner Bylsma – Violoncelo

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Beethoven dando um rolê pensando na tal amada imortal

Beethoven dando um rolê pensando na tal amada imortal

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Martha Argerich & Friends – Live in Lugano 2005

61NqdQyojtL._SY450_Pensaram que eu tinha esquecido desta coleção, né? Pois olha, até esqueci. Mas lembrei depois de algum tempo.
Nossa Divina Martha continua muito bem acompanhada, para variar.

CD 1

01. Mendelssohn – Piano Trio No. 2 in D, Op.66 I. Allegro Energico
02. II. Andante Espressivo
03. III. Scherzo. Molto Allegro, Quasi Presto
04. IV. Finale. Allegro Appassionato

Nicolas Angelich, Renaud Capuçon, Gautier Capuçon

05. Beethoven – 05. Piano Quartet in C, Wo036 No. 3 I. Allegro Vivace
06. II. Adagio Con Espressione
07. III. Finale. Allegro

Martha Argerich, Renaud Capuçon, Lida Chen, Gautier Capuçon

08. Mozart – Piano Sonata No.16 in C, K545 (Arr. Grieg for 2 Pianos) I. Allegro
09. II. Andante
10. III. Rondo. Allegretto

Martha Argerich, Piotr Anderszewski

CD 2

01. Rachmaninov – Cello Sonata in G, Op.19 I. Lento – Allegro Moderato
02. Cello Sonata in G, Op.19 II. Allegro scherzando
03. Cello Sonata in G, Op.19 III. Andante
04. Cello Sonata in G, Op.19 IV. Allegro mosso

Mischa Maisky, Sergio Tiempo

05. Suite No.2 for two pianos op.17 – I. Introduction
06. Suite No.2 for two pianos op.17 – II. Valse
07. Suite No.2 for two pianos op.17 – III. Romance
08. Suite No.2 for two pianos op.17 – IV. Tarantella

Martha Argerich, Gabriela Montero

09. Danzas andaluzas – I. Ritmo
10. Danzas andaluzas – II. Sentimiento
11. Danzas andaluzas – III. Gracia (El vito)

Karin Lechner, Sergio Tiempo

CD 3

1 – 10 – Brahms – 01. Variations on a Theme of Haydn, for 2 pianos in B flat major

Martha Argerich, Polina Leschenko

11. Brahms – Piano Quintet in F minor, Op. 34a I Allegro non troppo
12. Piano Quintet in F minor, Op. 34a II Andante, un poco adagio
13. Piano Quintet in F minor, Op. 34a III Scherzo Allegro
14. Piano Quintet in F minor, Op. 34a IV Finale Poco sostenuto – Allegro non troppo

Lilya Zilberstein, Dora Schwanberg, Lucy Hall, Nora Romanoff-Schwanberf

15. Carlos Guastavino – Romances Argentinos (3) for 2 pianos I Las niñas de Santa Fe
16. Romances Argentinos (3) for 2 pianos II Muchacho Jujeño
17. Romances Argentinos (3) for 2 pianos III Baile en Cuyo

Martha Argerich, Mauricio Valtina

CD 1 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 3 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Beethoven, Liszt, Chopin: Obras para piano e violoncelo ao vivo (Maria João Pires, A. Meneses, P. Gomziakov)

Pires-MenesesAlgumas obras para violoncelo e piano são diálogos contrapontísticos densos, podendo soar alegres e até dançantes nos movimentos mais rápidos, por exemplo as Sonatas de Beethoven e de Brahms para os dois instrumentos ou as Sonatas para Viola da Gamba e Cravo de Bach (tocadas por violoncelo e piano). E há outras obras em que os sons graves do violoncelo são usados para expressar sentimentos de difícil tradução em palavras ou em sons, próximos da melancolia, do ennui francês, do spleen britânico ou das saudades brasileiras. As obras de Liszt e Chopin aqui presentes se enquadram no segundo caso. Ao piano, Maria João Pires, portuguesa conhecida por seu toque delicado e sutil. Seus parceiros no violoncelo são o veterano brasileiro Antonio Meneses e o jovem russo Pavel Gomziakov. As gravações são todas ao vivo.
Maria João ganhou fama internacional ao conquistar o primeiro prêmio do concurso internacional ocorrido em Bruxelas, em 1970, por ocasião do bicentenário do nascimento de Beethoven. Mais recentemente, também foi elogiada e premiada por suas gravações dos concertos de Beethoven. Então é surpreendente que ela nunca tenha gravado oficialmente as sonatas para piano e violoncelo.
Pires/Gomziakov ensaiando em São Paulo

Pires/Gomziakov ensaiando em São Paulo

Em sua Lugubre Gondola o septuagenário Liszt reflete sobre a morte de seu amigo e genro Wagner e sobre a sua própria morte.
A sonata para piano e violoncelo em sol menor foi umas das últimas obras compostas por Chopin e a última publicada durante sua vida. Em uma carta de 1846 ele deixa claro que demorou bastante tempo para finalizá-la: “Quanto à minha sonata com violoncelo, às vezes estou satisfeito, às vezes insatisfeito. Coloco-a em um canto e depois retomo.”
O Chopin de Pires e Gomziakov é introspectivo, com as emoções românticas sempre contidas e sóbrias. Deixo-os com trechos de uma resenha do concerto dos dois, com o mesmo programa, em San Sebastián, Espanha:
Os dedos, o coração, os sentidos: tudo, do detalhe ao conjunto, conquistou o público. Interpretação maravilhosa da portuguesa Maria João Pires, enquanto o jovem russo Gomziakov fez seu instrumento cantar de forma romântica, contida, triste e lírica.
O recital soou como uma homenagem a um amigo morto recentemente, como se Chopin tivesse acabado de desaparecer. Não houve bis, nem aplausos entre a Sonata para Violoncelo e Piano e a última mazurka (op. 68 número 4, a última criação de Chopin), apenas introspecção, lirismo e expressão triste que se tornou alegria diante de uma arte tão bem feita. Meditação final que conduziu ao entusiasmo respeitoso e caloroso do público completamente conquistado pela magia e técnica de dois artistas gigantes.
 
Beethoven: Sonate für Violoncello und Klavier No. 3, Op. 69 (A-Dur)
1. I. Allegro, ma non tanto
2. II. Scherzo: Allegro molto
3. III. Adagio cantabile – Allegro vivace
Maria João Pires, piano
Antonio Meneses, cello
Live: Concertgebouw Amsterdam, Netherlands, 2011-04-10 (radio broadcast)
 
4. Liszt: La Lugubre Gondola for cello & piano, S134
Chopin: Sonate pour Piano et Violoncelle en sol mineur op. 65 
5. I. Allegro moderato
6. II. Scherzo: Allegro con brio
7. III. Largo
8. IV. Finale: allegro
9. Chopin: Mazurka op. 68 No. 4 en fa mineur
Maria João Pires,  piano
Pavel Gomziakov, cello
Live: Schwetzinger Festspiele, Germany 2009-06-12 (radio broadcast)
 

BAIXE AQUI (DOWNLOAD HERE) ou aqui (or here)

Pires
Pleyel

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Piano Trios Op.70 No.2 & Op.97 ‘Archduke’

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Preciso dizer mais?

Top Classical Albums of 2014
These excellent musicians, including the pianist Alexander Melnikov performing on a restored 1828 Graf piano, offer a powerful and insightful interpretation of Beethovens marvelous Archduke Trio.

–The New York Times

Best Classical Recordings of 2014
Exceptional. An A-team ensemble plays period instruments on this alluring disc, making for some ravishing textures.

–ArkivMusic

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Piano Trios Op.70 No.2 & Op.97 ‘Archduke’

Trio for piano, violin and cello No. 6 in E Flat Major, No. 2, Op. 70
1 I. Poco sostenuto – Allegro ma non troppo 10:18
2 II. Allegretto 5:16
3 III. Allegretto ma non troppo 6:32
4 IV. Finale – Allegro 7:57

Trio for piano, violin and cello No. 7 in B Flat Major, Op. 97
5 I. Allegro moderato 12:57
6 II. Scherzo – Allegro 6:16
7 III. Andante cantabile, ma pero con moto 11:18
8 IV. Allegro moderato – Presto 6:55

Alexander Melnikov, piano
Isabelle Faust, violino
Jean-Guihen Queyras, violoncelo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Ouvindo o Arquiduque, Beethoven não parece nada mal-humorado

Ouvindo o Arquiduque, Beethoven não parece nada mal-humorado

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Haydn (1732-1809) e Beethoven (1770-1827): Quartetos de Cordas

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Um disco para sua discoteca básica. Haydn tinha 24 anos quando Mozart nasceu. Foram amigos, chegaram a tocar lado a lado Quintetos do segundo e, bem, Haydn sobreviveu ao amigo. Haydn foi professor de Beethoven. Era uma pessoa super deboas. Achava os dois jovens muito melhores do que ele. Aqui, temos o mestre que consolidou a forma sonata no primeiro movimento, depois um movimento lento, minueto e allegro final. O “Poco adagio” do Quarteto Imperador é apenas o hino da Alemanha. É um tremendo quarteto, grande música. O Sunrise também é belíssimo — melhor minueto ever. E depois temos seu talentoso pupilo no melhor Quarteto dos seis do notável Op. 18. As concepções do Quartetto Italiano (ativos entre 1945 e 1980) envelheceram um bocado, mas, puxa, ainda estão em ótimo estado.

Haydn (1732-1809) e Beethoven (1770-1827): Quartetos de Cordas

Haydn — String Quartet No. 62 in C major (‘Emperor’), Op. 76/3, H. 3/77:
1. Allegro
2. Poco adagio, cantabile
3. Menuetto (Allegro)
4. Finale (Presto)

String Quartet No. 63 in B flat major (‘Sunrise’), Op. 76/4, H. 3/78:
5. Allegro con spirito
6. Adagio
7. Menuetto (Allegro)
8. Finale (Allegro ma non troppo)

Beethoven — String Quartet No. 5 in A major, Op. 18/5:
9. Allegro
10. Menuetto
11. Andante cantabile
12. Allegro

Quartetto Italiano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O Quartetto Italiano

O Quartetto Italiano

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Piano Concerto nº 5, Robert Schumann (1810-1856) – Fantasie in C, op. 17 – Yundi, Berliner Philharmoniker, Daniel Harding

coverComecei ouvindo este cd pelo fim, ou seja, pela Fantasia de Schumann. Creio que todos temos uma versão favorita desta obra prima do romantismo, e Sviatoslav Richter já nos proporcionou uma versão histórica, até hoje não batida, desta obra.
O Concerto Imperador, de Beethoven, então, nem se fala. Dentre as diversas versões que já ouvi, ainda amo a de Rubinstein mais do que todas.
Yundi é um jovem pianista chinês que já tem seu nome consolidado, e cada gravação sua é aguardada com ansiedade. trouxe anteriormente uma belíssima gravação de obras de Chopin, e agora, então trago Beethoven e Schumann. Duas obras que são pilares do que foi produzido no Romantismo, e Yundi nos proporciona uma leitura madura, de alguém que tem muito talento, e que aos poucos vem lapidando este talento, através de uma técnica impecável e sensibilidade aguçada.
Espero que apreciem.

Piano Concerto no. 5 in E flat major op. 73 – ‘Emperor’ – 1. Allegro
Piano Concerto no. 5 in E flat major op. 73 – ‘Emperor’ – 2. Adagio un poco mosso
Piano Concerto no. 5 in E flat major op. 73 – ‘Emperor’ – 3. Rondo (Allegro)
Fantasie in C, op. 17 – 1. Durchaus fantastisch und leidenschaftlich vorzutragen – Im Legendenton – Erstes TempoFantasie in C, op. 17 – 2. Mäßig. Durchaus energisch – Etwas langsamer – Viel bewegter
Fantasie in C, op. 17 – 3. Langsam getragen. Durchweg leise zu halten – Etwas bewegter

Yundi – Piano
Berliner Philarmoniker
Daniel Harding – Conductor

BAIXAR AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827): As Últimas Sonatas (CD 2 de 2)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

O texto abaixo é de Milton Ribeiro.

O romance Doutor Fausto de Thomas Mann, além de ser uma indiscutível obra-prima, possui capítulos que tornaram-se famosos por si só e que são citados separadamente do restante da obra. É célebre o capítulo em que Adrian Leverkühn dialoga com o demônio e também o oitavo, onde o imaginário professor Kretzschmar dá uma extraordinária aula sobre o tema “Por que Ludwig van Beethoven não escreveu o terceiro movimento da Sonata Op. 111?”.

Houve um certo músico de sobrenome Schindler que perguntou a Beethoven sobre razão da inexistência do terceiro movimento. A resposta do compositor foi típica de seu habitual mau humor: ora, não tive tempo de escrever um! Mann explorou a história da inexistência do terceiro movimento ao máximo, e só quem leu o Fausto de Mann sabe do ritmo frenético da aula de Kretzschmar e a profunda impressão causada pelo lição em nós, leitores, e em Adrian Leverkühn, personagem principal do livro.

Pois o incrível é que descobri casualmente que há um esboço de terceiro movimento para esta sonata, mas Beethoven parece tê-lo destruído. Inclusive no manuscrito onde está o primeiro movimento há uma anotação: segundo movimento – Arietta; terceiro movimento – Presto. Não encontrei referências de que a Arietta (segundo movimento) fosse algum tipo de adeus, conforme disse o professor de Thomas Mann. Creio que isto seja apenas uma liberdade poética do ultra-entusiasmado Kretzschmar. Está bem, foi a última sonata para piano de Beethoven, porém ao Op. 111 seguiram-se obras até o Op. 137 e dentre estas há todos os últimos quartetos, a Nona Sinfonia (Op. 125), as Variações Diabelli (Op.120) , as Bagatelas (Op. 126), a Missa Solemnis (Op. 123), etc. Ou seja, quando Beethoven escreveu o Op. 111, era um compositor em plena atividade e com vários projetos diferentes por desenvolver, não obstante a doença.

Acho que o que mais interessa é tentar dizer porque esta obra é tão inquietante, porque ela provoca tanto e a tantas pessoas. Isto é o mais difícil. O fato é que a linguagem inacreditavelmente abstrata que Beethoven alcançou em suas últimas obras nos perturba profundamente, tanto aqui como nos últimos quartetos. A imaginação de quem criou a Arietta é inconcebível. O professor Kretzschmar tem toda a razão ao proclamar que tudo aquilo vem de um simples dim-da-da, ou seja, de três notas que não despertariam a atenção de nenhum artista comum, e é sobre este quase nada que Beethoven cria uma catedral imensa, onde há lugar para a delicadeza, para o religioso, para o sublime e até para a explosão de uma desenfreada dança semelhante ao jazz que os negros inventariam 100 anos depois. Ele sempre foi dado à utilização de temas curtos e afirmativos, mas convenhamos, aquele dim-da-da curtíssimo está mais para um balbucio de criança… Não seria isto o que nos surpreende tanto? A Arietta inicia-se como um balbucio, depois deixa-se crescer quase que por livre associação e retorna lenta e quase silenciosa ao início. Será esta a despedida a que Kretzschmar se refere? Nascimento, vida e morte? Ou, simplesmente, após um movimento lento tão profundo e expressivo, Beethoven concluíra que o mesmo prescindiria de seu contraponto rápido?

Ora, não há verdades absolutas sobre algo tão genial e aberto. Se somarmos a isto o volátil de toda música, que consiste numa série de símbolos que é interpretada por um músico, que a passa para o piano obedecendo a sua habilidade e experiências, e que nos chega através dos ouvidos, onde baterá contra outras experiências e que, de concreto, no caso do segundo movimento do Op. 111, só possui a instrução Arietta: Adagio Molto Semplice e Cantabile…

Se tivesse que classificar o Op. 111, o colocaria entre as músicas que não são somente belas e perfeitas, mas que, além disto, são demonstrativas de grande inteligência e engenhosidade. Outras do mesmo gênero seriam os quartetos de Béla Bártok, alguns dos últimos quartetos de Beethoven (principalmente o Op. 132), as Variações Goldberg, a Oferenda Musical de J.S. Bach e outras raríssimas. Não sei se me faço entender, mas acredito que o espírito mozartiano – que amo tanto – não poderia entrar aqui. São músicas por demais cerebrais. Há uma tremenda e implacável lógica interna nelas, há intenções que parecem escapar a nós, pobres e limitados ouvintes.

O CD duplo de Maurizio Pollini Die Späten Klaviersonaten ou The Late Piano Sonatas é uma das várias formas que a fugidia felicidade pode tomar. Se vocês passarem perto desta caixa de CDs, agarrem-na e não soltem.

Ludwig van Beethoven (1770-1827): As Últimas Sonatas (CD 2 de 2)

Piano Sonata No. 30 in E major, Op. 109
1. Sonate No. 30 E-dur op.109: Vivace, ma non troppo
2. Sonate No. 30 E-dur op.109: Prestíssimo
3. Sonate No. 30 E-dur op.109: Gesangvoll, mit innigster Empfindung (Andante molto cantabile ed espressivo)

Piano Sonata No. 31 in A flat major, Op. 110
4. Sonate No. 31 As-dur op.110: 1. Moderato cantabile molto espressivo
5. Sonate No. 31 As-dur op.110: 2. Allegro molto
6. Sonate No. 31 As-dur op.110: 3. Adagio ma non troppo – fuga, ma non troppo

Piano Sonata No. 32 in C minor, Op. 111
7. Sonate No. 32 c-mol op.111: 1. Maestoso – Allegro con brio ed appassionato
8. Sonate No. 32 c-mol op.111: 2. Arietta. Adagio molto semplice e cantabile

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Maurizio Pollini: o maior dos pianistas do século XX.

Maurizio Pollini: o maior dos pianistas do século XX.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827): As Últimas Sonatas (CD 1 de 2)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Às vezes, há a obra e seu intérprete perfeito. Tudo bem, alguns malucos preferirão Brendel, Arrau, Schnabel, Uchida, Brautigam, Goode ou mesmo Kempff, assim como outros esquecem Ulisses em pleno 16 de junho e declaram que a literatura argentina é inferior à brasileira… Problema deles!

Quando adolescente e jovem, ia todo o sábado pela manhã a uma loja de discos freqüentada por alguns conhecedores de música erudita. Conhecedores mesmo, parece que hoje não se faz mais daquele tipo, perdeu-se a fôrma, sei lá. A figura central era o Dr. Herbert Caro e o assunto principal, sua coluna publicada sempre aos sábados, no Correio do Povo. Então, eu lia a coluna cedinho enquanto tomava café e depois seguia para a loja. Era um ouvinte daquelas discussões, não me metia muito, mas ganhava alguns discos, pois tratavam de me atrair para suas teses… Aprendi muito.

Vi muitas brigas. Brigas em discussões duríssimas que acabavam com sorrisos muitas vezes contrafeitos. Uma delas era o debate sobre o melhor pianista para as Sonatas de Beethoven. Porém, num dia de 1977, apareceu a gravação de Pollini para as cinco últimas. A discussão cessou. Um deles disse que ouvira a gravação imbatível, algo surpreendente por sua qualidade e novidade. Todos nós a ouvimos durante aquela semana. Eu não consegui ultrapassar a Hammerklavier para chegar ao segundo disco, devo ter escutado aquela sonata umas 20 vezes naquele período. Era uma revelação, estava apaixonado. No sábado seguinte, alguém disse que achara bom, muito bom, mas sem emoção. Foi vaiado, quase apanhou dos restantes. Outro falou que havia muitas formas de se alcançar o pico do Everest, mas, antes de ser ridicularizado, completou dizendo que Pollini chegara ao pico real, desconhecido até então. Resultado: Pollini acabara com a discussão sobre sonatas, ao menos a discussão das cinco últimas…

Ainda hoje, 30 anos após conhecer a interpretação de Pollini, fico paralisado pelo último movimento do Op. 111, pela fuga do Op. 110 e pelo estarrecedor Hammerklavier. O que dizer dele? Como ele conseguiu todas aquelas nuances?

São estes dois CDs, no dizer da própria Deutsche Grammophon, que mereceriam o topo da sua coleção “The Originals”. Vou publicá-los aqui, um hoje, outro amanhã.

Mas vamos às sonatas. A certidão de nascimento da última fase de Beethoven foi passado quando da conclusão em 1818, da Sonata Op. 101 e principalmente, da monumental Sonata Op. 106, Hammerklavier, uma sinfonia para piano solo. “Eis uma obra que dará trabalho aos pianistas”, escreveu o mestre. Sua opção estava definida: não criava mais para seus contemporâneos, mas para a humanidade futura. Era incrível a certeza que tinha de sua imortalidade. Estava certo. E recusava a acomodar-se. Durante a última fase, compôs, além dos quartetos de cordas e outras obras como a Nona Sinfonia, as três últimas Sonatas para Piano Op. 109, 110 e 111 (1820-1822), concebidas como uma trilogia autobiográfica, as Variações Diabelli (1823) e a desconhecida obra-prima das seis Bagatellen Op. 126 (1824).

Ludwig van Beethoven (1770-1827): As Últimas Sonatas (CD 1 de 2)

Piano Sonata No. 28 in A major, Op. 101
1. Sonate No. 28 A-dur, op. 101: Etwas lebhaft und mit der innigsten Empfindung. Allegretto, ma non troppo
2. Sonate No. 28 A-dur, op. 101: Lebhaft, marschmässig. Vivace alla Marcia
3. Sonate No. 28 A-dur, op. 101: Langsam und sehnsuchtsvoll. Adagio, ma non troppo, con affetto – attacca
4. Sonate No. 28 A-dur, op. 101: Geschwinde, doch nicht zu sehr und mit Entschlossenheit. Allegro

Piano Sonata No. 29 in B flat major (“Hammerklavier”), Op. 106
5. Sonate No. 29 B-dur, op. 106 – Grosse Sonate Fur Das Hammerklavier: 1. Allegro
6. Sonate No. 29 B-dur, op. 106 – Grosse Sonate Fur Das Hammerklavier: 2. Scherzo. Assai vivace
7. Sonate No. 29 B-dur, op. 106 – Grosse Sonate Fur Das Hammerklavier: 3. Adagio sostenuto. Appassionato e con molto sentimento
8. Sonate No. 29 B-dur, op. 106 – Grosse Sonate Fur Das Hammerklavier: 4. Largo – Allegro risoluto

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O genial e monstruoso pianista Maurizio Pollini

O genial Maurizio Pollini

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Violin Sonatas Nº 3 & 9

Excelente disco! Mutter partiu para interpretações muito livres de Beethoven. Mullova ataca o repertório mais óbvio do gênio de Bonn acompanhada do piano forte. Eu gosto, sabem? Não seria a gravação que levaria para a ilha deserta, talvez levasse a de Mutter, só que é Mullova é aquela menina moscovita — na verdade de Zhukovsky, ali pertinho –, alta, magra  e de sangue quente, que sempre tem algo de diferente (rimou!) a nos dizer. Como diz minha mulher, que é violinista: ela nasceu genial e foi aluna de Leonid Kogan, ou seja, não é alguém comum. Aproveitem, então. Viram ela na cena final de Juventude, de Paolo Sorrentino? Ah, pois é, tô dizendo.

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Violin Sonatas Nº 3 & 9

Violin Sonata no.3 in E flat op.12 No.3
1) I Allegro con spirito [8.20]
2) II Adagio con molt’espressione [5.26]
3) III Rondo: Allegro molto [4.10]

Violin Sonata No.9 in A op.47 “Kreutzer”
4) I Adagio sostenuto – Presto – Adagio [13.44]
5) II Andante con variazioni [14.13]
6) III Presto [8.28]

VIKTORIA MULLOVA violin
KRISTIAN BEZUIDENHOUT fortepiano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Ah, vocês pensaram que viria mais uma foto da Mullova, né?

Ah, vocês pensaram que viria mais uma foto da Mullova, né?

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Bagatelas (completas)


Bagatelas são composições breves. O termo significa o mesmo que em português: coisas sem importância ou coisas descartadas. Só que aqui temos bagatelas de Beethoven e as coisas sem importância ganham outro significado, a de peças não sujeitas a um planos formais estabelecidos. Dentre elas, há a famosa Para Elise (Für Elise), a melodia preferida de 7,865 dentre cada dez caixinhas de música…

O CD é bastante bom e agradável. Pletnev é efetivamente um mestre. Não encontramos a gravação original na Amazon. Porém, o álbum duplo apontado — que contém também as obras de “Variações” de Beethoven — deve ter o mesmo conteúdo em um de seus  discos.

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Bagatelas (completas)

01. Bagatelle Nr.1 in Es-Dur, Op.33 Andante grazioso quasi Allegretto
02. Bagatelle Nr.2 in C-Dur, Op.33 Scherzo. Allegro
03. Bagatelle Nr.3 in F-Dur, Op.33 Allegretto
04. Bagatelle Nr.4 in D-Dur, Op.33 Andante
05. Bagatelle Nr.5 in C-Dur, Op.33 Allegro ma non troppo
06. Bagatelle Nr.6 in -D-Dur, Op.33 Allegrette quasi Andante
07. Bagatelle Nr.7 in As-Dur, Op.33 Presto
08. Bagatelle Nr.01 in B-Dur, Op.119 Allegretto
09. Bagatelle Nr.02 in C-Dur, Op.119 Andante con moto
10. Bagatelle Nr.03 in D-Dur, Op.119 _l’lAllemande
11. Bagatelle Nr.04 in A-Dur, Op.119 Andante cantabile
12. Bagatelle Nr.05 in c-moll, Op.119 Risoluto
13. Bagatelle Nr.06 in G-Dur, Op.119 Andante – Allegretto
14. Bagatelle Nr.07 in C-Dur, Op.119 Allegro ma non troppo
15. Bagatelle Nr.8 in C-Dur, Op.119 Moderato
16. Bagatelle Nr.9 in a-moll, Op.119
17. Bagatelle Nr.10 in A-Dur, Op.119 Allegramente
18. Bagatelle Nr.11 in B-Dur, Op.119 Andante ma non troppo
19. Bagatelle in c-moll, WoO 52 Presto
20. Bagatelle in C-Dur, WoO 56 Allegretto
21. Bagatelle Nr.01 in G-Dur, Op.126 Andante con moto cantabile e compiacevole
22. Bagatelle Nr.02 in g-moll, Op.126 Allegro
23. Bagatelle Nr.03 in Es-Dur, Op.126 Andante cantabile e grazioso
24. Bagatelle Nr.04 in D-Dur, Op.126 Presto
25. Bagatelle Nr.05 in G-Dur, Op.126 Quasi Allegretto
26. Bagatelle Nr.06 in Es-Dur, Op.126 Presto Andante amabile e con moto – Tempo I
27. Bagatelle in a-moll, WoO 59 Poco moto (Für Elise)

Pianistas:
1 a 20. Mikhail Pletnev
21 a 27. Anatol Lugorski

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Mikhail Pletnev à sombra de Diabelli

Mikhail Pletnev à sombra de Diabelli

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Mozart (1756-1791): Concertos para piano nº 9 e 20, Sonatas nº 5, 11, 15 / Beethoven (1770-1827): Concerto nº 5 – The Classical Novaes

Até meados do século XX, Mozart era considerado um compositor ‘ligeiro’. Feliz demais, diziam alguns. Para dar um ar de gravidade e não fazê-lo destoar música séria de Beethoven, muitos maestros e músicos antigos davam uma segurada nos andamentos. Os resultados são os mais diversos e dependem do gosto. Evito o Mozart de Karajan, mas adoro a Flauta Mágica com Klemperer e os concertos para piano com Michelangeli, apesar da lentidão. Nas últimas décadas uma galera mais jovem (hoje já velha…) como Abbado, René Jacobs, Immerseel e Brautigam tem estudado os documentos de época e tocado Mozart bem mais depressa, às vezes até exagerando no sentido oposto.

Estes 2 CDs mostram o Mozart de Guiomar Novaes como bem mais moderno e historicamente correto do que a média da época dela (destaque para o historicamente, pois em arte não deveria haver correto). Seus andantes andam sem parar, seus allegros são pura alegria, de modo que o concerto nº 20 em ré menor, por exemplo, dura quase cinco minutos a menos do que a gravação de Michelangeli. Nunca ouvi o Romanze deste concerto tão bonito e cantabile como o de Guiomar.

Por outro lado, não posso elogiar a orquestra, que soa pesada, antiquada e não tão nítida nessas gravações dos anos 1950. E o Beethoven de Guiomar é inferior ao Mozart. A leveza e o cantabile da pianista combinam mais com o austríaco do que com o concerto Imperador do alemão, embora tudo aqui seja de alto nível.

Como diz uma das resenhas da Amazon: Her Mozart was in a class by itself. Indispensable!

CD 1
Beethoven: Piano Concerto no. 5 Es-Dur Op 75 «Emperor»
1. I. Allegro
2. II. Adagio un poco mosso
3. III. Rondo allegro
Mozart: Piano Sonata no. 5 G-Dur K 283
4. I. Allegro
5. II. Andante
6. III. Presto
Mozart: Piano Sonata no. 11 A-Dur K 331
7. I. Andante grazioso
8. II. Variations
9. III. Minuetto
10. IV. Trio
11. V. Alla turca
12. VI. Allegretto
CD 2
Mozart: Piano Concerto no. 20 d-moll K 466
1. I. Allegro
2. II. Romanze
3. III. Rondo
Mozart: Piano Concerto no. 9 Es-Dur K 271 «Jeunehomme»
4. I. Allegro
5. II. Andantino
6. III. Rondo
Mozart: Piano Sonata no. 15 C-Dur K 545
7. I. Allegro
8. II. Andante
9. III. Rondo: Allegro

Guiomar Novaes – Piano
Bamberg Symphony Orchestra, Jonel Perlea (Concerto de Beethoven)
Vienna Symphony Orchestra, Hans Swarowsky (Concertos de Mozart)

BAIXE AQUI (DOWNLOAD HERE) ou aqui (or here)

bologna_mozart_1777

Mozart aos 21 anos, idade em que compôs o concerto ‘Jeunehomme’

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Piano Sonatas – Vol 9 e 10 de 10 – Vladimir Ashkenazy

41zpyGh-RIL._SS500Vamos então concluir mais uma integral, trazendo só petardos agora. Começa com a ‘Hammerklavier’, e as três últimas obras primas de op. 109, 110 e 111. Só coisa fina.
Vladimir Ashkenazy tem se dedicado mais à regência nos últimos anos e vem realizando ótimas gravações, revelando novos instrumentistas. Algumas destas gravações podem ser encontradas aqui mesmo no PQPBach como o belíssimo CD lançado pelo selo Deutsche Grammophon onde acompanha a violinista Lisa Batiashvilli nos concertos de Tchaikovsky e de Sibelius.
Espero que tenham gostado desta integral.

CD 9
01. Andante favori in F major, WoO 57 (1805)
02. Piano Sonata No.29 in B-flat major, Op.106 ‘Hammerklavier’ (1819) I. Allegro
03. II. Scherzo Assai vivace
04. III. Adagio sostenuto
05. IV. Introduzione Largo – Fuga Allegro risoluto

CD 10

01. Piano Sonata No.30 in E major, Op.109 (1820) I. Vivace, ma non troppo – Adagio espressivo
02. II. Prestissimo
03. III. Andante, molto cantabile ed espressivo
04. Piano Sonata No.31 in A-flat major, Op.110 (1821) I. Moderato cantabile, molto espressivo
05. II. Allegro molto
06. III. Adagio, ma non troppo
07. IV. Fuga Allegro ma non troppo
08. Piano Sonata No.32 in C minor, Op.111 (1822) I. Maestoso – Allegro con brio ed appassionato
09. II. Arietta Adagio molto, semplice e cantabile

Vladimir Ashkenazy – Piano

CD 9 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 10 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Complete Piano Sonatas – CDs 7 e 8 de 8 – Maurizio Pollini

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Pois então chegamos ao final de mais uma série épica, um dos grandes trunfos da gravadora Deutsche Grammophon, com a integral das sonatas para piano de Beethoven, com o italiano Maurizio Pollini.
E nestes dois volumes não tem nada fácil não, só pedreira. Só a versão da “Hammerklavier” já vale a aquisição de toda a caixa. Pollini estava muito inspirado quando sentou na frente do piano para encarar essa obra prima do repertório pianístico. Ouvir estas últimas quatro sonatas é quase uma experiência mística. E o diferencial de outras interpretações igualmente boas é exatamente Pollini. É um músico diferenciado, daqueles que eu facilmente enquadraria na categoria de gênio, como comentei em postagem anterior, ao lado de Rubinstein, Richter, Michelangeli. Se não tivesse gravado outra coisa além destas quatro últimas sonatas já bastaria para enquadrá-lo entre os grandes.

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Complete Piano Sonatas – CDs 7 e 8 de 8 – Maurizio Pollini

CD 1
1 Sonata in E flat major op. 81a – 1. Das Lebewohl (Les Adieux). Adagio – Allegro
2 Sonata in E flat major op. 81a – 2.  Abwesenheit (L’Absence). Andante espressivo
3 Sonata in E flat major op. 81a – 3. Das Wiedersehn (Le Retour). Vivacissimamente
4 Sonata in E minor op. 90 – 1. Mit Lebhaftigkeit und durchaus mit Empfindung und Ausdruck
5 Sonata in E minor op. 90 – 2. Nicht zu geschwind und sehr singbar vorzutragen
6 Sonata in B flat major op. 106, ‘Hammerklavier’ – 1.  Allegro
7 Sonata in B flat major op. 106, ‘Hammerklavier’ – 2. Scherzo. Assai vivace
8 Sonata in B flat major op. 106, ‘Hammerklavier’ – 3. Adagio sostenuto. Appassionato e con molto sentimento
9 Sonata in B flat major op. 106, ‘Hammerklavier’ – 4. Largo – Allegro risoluto

CD 7 BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CD 2
1 Sonata in A major Op.101 – 1. Etwas lebhaft und mit der innigsten Empfindung. Allegretto, ma non troppo
2 Sonata in A major Op.101 – 2. Lebhaft, marschmaessig. Vivace alla Marcia
3 Sonata in A major Op.101 – 3. Langsam und sehnsuchtsvoll. Adagio, ma non troppo, con affetto – attacca
4 Sonata in A major Op.101 – 4. Geschwinde, doch nicht zu sehr und mit Entschlossenheit. Allegro
5 Sonata in E major Op.109 – 1. Vivace, ma non troppo
6 Sonata in E major Op.109 – 2. Prestissimo
7 Sonata in E major Op.109 – 3. Gesangvoll, mit innigster Empfindung. Andante molto cantabile ed espressivo
8 Sonata in A flat major Op. 110 – 1. Moderato cantabile molto espressivo
9 Sonata in A flat major Op. 110 – 2. Allegro molto
10 Sonata in A flat major Op. 110 – 3. Adagio, ma non troppo – Fuga. Allegro, ma non troppo
11 Sonata in C minor Op. 111 – 1. Maestoso – Allegro con brio ed appassionato
12 Sonata in C minor Op. 111 – 2. Arietta. Adagio molto semplice e cantabile

CD 8 BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Maurizio Pollini – Piano

Não sei vocês, mas PQP ama este homem.

Não sei vocês, mas PQP ama este homem.

FDP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Beethoven : Missa Solemnis, op. 123 : tributo ao maestro Roberto Schnorrenberg (2/2)

oglweaMissa Solemnis, op. 123
Coro e Orquestra do 8º Festival Internacional de Música do Paraná

Missa Solemnis! Beethoven! Linda postagem para um domingo de Páscoa, não?

Sim, linda! Só que… não duvido que alguns leitores (felizmente não muitos) sejam capazes de se decepcionar no momento seguinte: “Ah, imagina ouvir Beethoven gravado no Brasil!”

Pois essa é uma das principais intenções desta postagem e da imediatamente anterior (publicada originalmente em janeiro): combater o complexo-de-vira-lata. Pois se trata, sim, de realizações de altíssimo nível – e a carreira de publicações do monge Ranulfus neste blog deve lhes dar uma ideia de que ele não é tão sem base pra avaliar.

Tanto que ele admite, para começar, uma deficiência nesta gravação: a captação do som, que privilegiou demais @s solistas, deixando muito ao fundo o coro, que deveria ser a estrela maior – isso sem desmerecer o trabalho impecável das duas argentinas e dos dois brasileiros nos solos!

Mas a estrela maior de uma obra sinfônica é mesmo o regente. E aí ouso dizer que, entre os brasileiros, antes dos mais recentes como Neschling, Minczuk (que eram alunos neste festival) e Tibiriçá, eu mesmo não ouvi regência sinfônica melhor que a do nosso querido Schnô, como o chamávamos (pois cantei em pelo menos três concertos e quatro obras de fôlego sob regência dele – inclusive nesta). Falam muito de Eleazar de Carvalho mas, sinceramente, o que cheguei a ouvir não chegou a me convencer como o Schnô. Desde que vocês não esperem dele pirotecnias: esperem uma concepção equilibrada, madura, que serve à escrita do compositor e não a quaisquer estrelismos. Acompanhem, por exemplo, o Crucifixus a partir dos 6m33s do Credo (faixa 3), especialmente a textura em pianíssimo a partir de 8m48s: quem ousaria me dizer que isso é uma realização de segunda? E isso com um coral de estudantes preparado em menos de um mês!

Quanto à Missa Solemnis em si: é só pesquisar um pouco e vocês encontraram informação muito mais consistente do que eu poderia fornecer – a começar pela de que foi pensada como peça de concerto, e não para efetivo uso litúrgico – mas alinhavo aqui algumas observações pessoais (e portanto fortemente sujeitas a contestação):

Acreditem, não sou um idólatra de Beethoven. Gosto demais, mas não o vejo como Deus, e também ouso ser crítico. Pra mim foi, p.ex., um alívio saber que ninguém menos que Stravinski também achava a Nona Sinfonia caótica, e não a obra prima que todos acham indispensável repetir que é. Ouso dizer que prefiro muitíssimo a Fantasia Coral, que muitos consideram um mero exercício no caminho da Nona. Já quanto a esta Missa, acho que ela cresce a cada minuto de sua duração. Termina efetivamente sublime. Mas começa fraca (repito: no meu sentir pessoal). O Kyrie/Christe me parece quase composto por obrigação, já que toda missa tem que ter um.

Gloria e Credo são textos longos, que dizem muitas coisas diferentes, e terminam sendo sempre fragmentários quando o compositor busca ser ilustrativo. Para entender as tantas mudanças bruscas, só acompanhando o texto. Desses dois, gosto mais do Credo – talvez até porque tenho sentimentos muito esquisitos frente a qualquer ideia de “glória”.

Mas em seguida vêm o Sanctus/Benedictus e o Agnus Dei (faixas 4 e 5) – e aí eu baixo a crista diante de uns 30 minutos que estão entre o que eu conheço de mais sublime em música. Peguem só a textura criada pelas cordas a partir de 3m30s da faixa 5, e aí acompanhem a entrada do violino aos 5m10s, lá nas alturas como “o que vem em nome do Senhor”, para falar coisas lindas e consoladoras pelos 10 minutos seguintes…

E aí vem o Agnus, que – vocês sabem – se restringe a duas súplicas, a primeira das quais repetida: “Cordeiro de Deus, que carregas os pecados do mundo, tem misericórdia de nós” e “Cordeiro de Deus, que carregas os pecados do mundo, dá-nos PAZ”. Dessas três súplicas que são duas, titio Ludovico gerou 15 de seus mais sublimes minutos. Especialmente digno de nota, para terminar: depois de já ter apresentado o texto todo, aos 8m31s entreouvem-se toques de guerra, e Beethoven – que presenciou toda a devastação da Europa por Napoleão e tantos outros – retoma a súplica por misericórdia quase com desespero -, processo retomado com outras notas aos 11m20.

Mas, aqui entre nós, não consigo deixar de pensar que é um tanto patético pedir a paz a um ser além da humanidade, se quem faz a guerra somos nós mesmos.

Ou… será que somos mesmo nós? Ou será que muitas vezes não nos restou pedir a paz a algum poder de outro mundo, já que a guerra sempre foi imposta pelos que se autoinstituíram como poderosos neste, sem nos deixar escolha?

Taí: quem sabe eu consiga voltar a apreciar as missas como antigamente, se pensar que essa última súplica pode significar: QUE NÓS – GENTE COMUM – TENHAMOS O PODER DE ESCOLHER E FAZER VALER A PAZ.

Boa Páscoa, senhor@s. E agora com vocês, Beethoven. Por Schnorrenberg.

302wf4l

 

 

 

 

 

 

 

Palhinha: ouçam 4. Missa Solemnis, op. 123 – 4: Sanctus, Benedictus

Ludwig van Beethoven (1770-1827)
Missa Solemnis op. 123
1. Missa Solemnis, op. 123 – 1: Kyrie
2. Missa Solemnis, op. 123 – 2: Gloria
3. Missa Solemnis, op. 123 – 3: Credo
4. Missa Solemnis, op. 123 – 4: Sanctus, Benedictus
5. Missa Solemnis, op. 123 – 5: Agnus Dei

8º Festival de Música de Curitiba e 8º Curso Internacional de Música do Paraná – 1975
Vinis 3 e 4 de 4
Coro e Orquestra do 8º Festival Internacional de Música do Paraná.
Maestro Roberto Schnorrenberg
Soprano: Maria Kallay
Contralto: Margarita Zimmermann
Tenor: Aldo Baldin
Baixo: Edilson Costa

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 326,5 MB | HQ Scans 1,3 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 181,6 + 1,3 MB – 1h 15min
powered by iTunes 11.1.3

Boa audição.
macaco pensante

 

 

 

 

 

.

Ranulfus: idealização, texto e integrante do Coral
Avicenna: digitalização do LP e mouse conductor

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Piano Sonatas – Vol 7 e 8 de 10 – Ashkenazy

41zpyGh-RIL._SS500Ainda sem computador em casa, faço estas postagens nos raros momentos de tranquilidade no serviço, e claro, me aproveitando também da rápida velocidade da internet de fibra ótica do local.
Beethoven está em muito boas mãos nestas gravações do pianista Vladimir Ashkenazy  que, apesar de russo, tem cidadania islandesa. Outra hora conto a incrível história de sua vida, digna de ser filmada. E aqui nestes cds que ora vos trago só tem obras primas, como a ‘Waldstein’, ‘Apassionata’ e ‘Les Adieux’.

CD 7

01. Piano Sonata No.21 in C major, Op.53 ‘Waldstein’ (1803) I. Allegro con brio
02. II. Introduzione Molto adagio
03. III. Prestissimo
04. Piano Sonata No.22 in F major, Op.54 (1804) I. In tempo d’un menuetto
05. II. Allegretto
06. Piano Sonata No.23 in F minor, Op.57 ‘Appassionata’ (1805) I. Allegro assai
07. II. Andante con moto
08. III. Allegro ma non troppo – Presto
09. Piano Sonata No.24 in F-sharp major, Op.78 (1809) I. Adagio cantabile – Allegro ma non troppo
10. II. Allegro vivace

CD 8

01. Piano Sonata No.25 in G major, Op.79 (1809) I. Presto alla tedesca
02. II. Andante
03. III. Vivace
04. Piano Sonata No.26 in E-flat major, Op.81a ‘Les Adieux’ (1810) I. Adagio – Allegro
05. II. Andante espressivo
06. III. Vivacissimamente
07. Piano Sonata No.27 in E minor, Op.90 (1814) I. Mit Lebhaftigkeit und durchaus mit Empfindung und Ausdruck
08. II. Nicht zu geschwind und sehr singbar vorgetragen
09. Piano Sonata No.28 in A major, Op.101 (1816) I. Etwas lebhaft, und mit der innigsten Empfindung
10. II. Lebhaft. Marschmabig
11. III. Langsam und sehnsuchtsvoll – Geschwind, doch nicht zu sehr und mit Entschlossenheit

Vladimir Ashkenazy – Piano

CD 7 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 8 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!