Hartmut Rohde, Viola Concertos – Henri Casadesus (1879-1945)/ Johann Christian Bach (1735-1782), Franz Anton Hoffmeister (1754-1812), Georg Philipp Telemann (1681-1767) e Paul Hindemith (1895-1963) [link atualizado 2017]

UM BAITA CD !!

(postado originalmente em 14 de agosto de 2012)

Quando comecei a organizar as obras para viola que possuo, passei, da mesma forma, a vasculhar o imenso acervo postado aqui no P.Q.P.Bach para ver o que encontrava, para complementar minha coleção, e também o que não encontrava, as lacunas do acervo. Quando percebi que aqui não tinha o Concerto para Viola do Telemann, o mais conhecido pelos estudantes do instrumento, fiquei perplexo: “Como assim, não tem? Justo essa obra fantástica?!”. Resolvi então fazer justiça com minhas próprias mãos

Alcei de dentro do meu baú das preciosidades (como se fosse algo muito antigo…) o CD Viola Concertos, que tem as peças executadas com belíssimos solos de Hartmut Rohde, este rapaz com cara de louco aí ao lado. Aliás, gosto muito de loucos, me identifico com eles. O jeito de doidão de Rohde de cara provocou a minha empatia: sai-se daquele padrão de músicos arrumadinhos, engomadinhos e sérios e nos mostra uma forma de ver a música (e até mesmo a vida) como uma coisa menos sisuda, mais divertida, mais cativante, por fim, mais leve.

.
.

E sim, se você anda acompanhando as postagens de viola, realmente já possui metade deste álbum, dois dos quatro concertos, mas não pense que já viu tudo! Hartmut Rohde executa o Concerto de Casadesus/J.C.Bach de forma muito mais marcada e mais pesada, mais próximo do  barroco que a interpretação romântica (ainda que belíssima) de Peter Hatch (aqui). Da mesma forma, Rohde extrai de sua viola um som mais ágil e mais vibrante que o elegante e suave Nils Mönkemeyer no belo concerto de Hoffmeister (que aqui está em andamento mais rápido hoje que a versão da semana passada, aqui). Vale muito mesmo conferir.

Ainda, de lambuja, depois desses dois concertos dignos de louvação, nos é dada a dádiva de ouvir o não à toa famoso concerto para viola de Tellemann (maravilhoso), executado na mãos de tantos violistas, mas muito bem tratado por Rohde, que termina nos presenteando com a melancólica e  belíssima Trauermusik (música fúnebre) de Paul Hindemith. O Cd é, no geral, uma bela seleção de músicas que abarca desde o barroco até o século XX.

Mais um álbum que afirmo de peito estufado que é show de bola! O cara é muito bom! Ouça sem moderação!

Hartmut Rohde
Viola Concertos

Henri Casadesus (1879-1945)
01. Concerto para viola e Orquestra em Dó Menor no Estilo de J. C. Bach – I. Allegro
02. Concerto para viola e Orquestra em Dó Menor no Estilo de J. C. Bach – II. Andante
03. Concerto para viola e Orquestra em Dó Menor no Estilo de J. C. Bach – III. Allegro Vivace

Franz Anton Hoffmeister (1754-1812)
04. Concerto em Ré para Viola e Orquestra – I. Allegro
05. Concerto em Ré para Viola e Orquestra – II. Adagio
06. Concerto em Ré para Viola e Orquestra – III. Rondo

Georg Philipp Telemann (1681-1767)
07. Concerto para viola e Orquestra em Sol Maior – I. Largo
08. Concerto para viola e Orquestra em Sol Maior – II. Allegro
09. Concerto para viola e Orquestra em Sol Maior – III. Andante
10. Concerto para viola e Orquestra em Sol Maior – IV. Presto

Paul Hindemith (1895-1963)
11. Trauermusik – I. Langsam
12. Trauermusik – II. Ruhig Bewegt
13. Trauermusik – III. Lebhaft
14. Trauermusik – IV. Choral, sehr langsam

Hartmut Rohde, viola
Lithuanian Chamber Orchestra Vilnius
Georg Mais, regente
Vilna, Lituânia, 1996

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (125Mb)

Partituras e outros que tais? Clique aqui

Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Henri Casadesus (1879-1947) / Johann Christian Bach (1735-1782) – Concerto para Viola e Orquestra em Dó Menor [link atualizado 2017]


Aos poucos os nossos ouvintes internautas vão descobrindo um pouco mais sobre nós, da equipe do P.Q.P.Bach. Essa será minha primeira postagem de uma obra dedicada a um instrumento de cordas, a viola, e isso tem sua explicação: ao lado das peças para canto e coro, as escritas para cordas dividem um espaço igual em meu coração (e é aí que vem um dado sobre mim): sou violista de meia-pataca (pronto, já estou me preparando para as piadinhas…), fiz três anos de aulas do instrumento e ainda toco mal… Assim, junto aos sublimes  instrumentos que são as vozes humanas, outros tão belos quanto também dividem minha atenção: os da família do violino. Aliás, não sei porque chamam de “família do violino” se a viola é o instrumento mais antigo da prole e violino não quer dizer nada mais que “violinha” em italiano. Mas deixemos as brigas de família de lado e tratemos logo da obra escolhida para esta ensolarada e fria quinta-feira.

Para os violistas, o Concerto para Viola em Dó Menor de Johann Christian Bach é considerado um dos mais belos já escritos, mas ainda poucos sabem que ele é na verdade um grande (e belíssimo) engodo de Henri Casadesus, este respeitável senhor na imagem ao lado.
Casadesus era um exímio violista e aficionado em música antiga. Tornou-se importante intérprete de compositores barrocos e classicistas e pesquisador da música e dos instrumentos dos séculos XVII e XVIII. formou, com seu irmão, cunhada, esposa e um amigo a Societè des Instruments Anciens (1901-1939), que se dedicou por quase quarenta anos a divulgar a música antiga e a executá-la com instrumentos de época: viola d’amore (Henri Casadesus), quinton (Marius Casadesus), viola da gamba (Lucette Casadesus), baixo de viola (M. Devilliers) e cravo (Regine Palamí-Casadesus).

Ocorreu então que os membros da Societè, Henri e Marius, se enveredaram pela composição e, não se sabe se tímidos por não acharem suas obras muito boas, ou  querendo prestar homenagens a outros compositores ou simplesmente por acharem que composições suas não trariam repercussão, colocaram os nomes de outros autores já consagrados em suas obras, inventando histórias de que teriam descoberto peças inéditas dos mesmos. Com grande conhecimento das características compositivas dos que interpretavam, surgiram então obras com autorias forjadas, como a Suíte para Quarteto de Cordas e o Concerto em Ré para Pequena Orquestra, de C.P.E.Bach e os Concertos para Viola e Orquestra em Si Menor de Händel e em Dó Menor de J.C.Bach. Todas foram compostas, na verdade, por Henri Casadesus, que as publicava como sendo apenas seu editor.
No intuito de homenagear seus autores prediletos, Casadesus não percebia que sua obra era de grande qualidade e que merecia levar o nome verdadeiro do autor.
Essas peças foram executadas por anos a fio com as autorias forjadas que o musicista francês lhes deu. Mais recentemente optou-se por colocar a autoria de Henri Casadesus e acrescentar ao título da música que se trata de obra “no estilo” do autor que aparecia na edição original. Ainda assim, é muito comum até os dias atuais que se veja essas obras sendo executadas sob as autorias que lhes foram atribuídas por ele, é só fazer uma busca no youtube para ver.
Dificílimo de ser encontrado gravado, disponibilizo este concerto na versão de Peter Hatch, violista americano muito correto na sua execução, de interpretação muito limpa e clara (embora não utilize uma viola d’amore, como ocorria na formação original, da Societè de Instruments Anciens).
Lembro que isto não é um CD e nem me perguntem onde encontrei, se faz parte de algum outro álbum, porque eu não sei mesmo! É dessas coisas que encontramos sem querer pela internet, nem damos importância e, quando vamos ouvir, ficamos embasbacados.
Fique, então, com o belíssimo Concerto para Viola e Orquestra em Dó Menor, de Henri Casadesus, falsamente atribuído a Johann Christian Bach (semana que vem teremos o concerto que Henri atribuiu a Händel)
É maravilhoso. É IM-PER-DÍ-VEL!!!

Henri Casadesus (1879-1947)
Concerto para Viola em Dó Menor, no estilo de Johann Christian Bach

I. Allegro molto
I. Allegro molto espressivo
I. Allegro molto energico

Peter Hatch, viola

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (14Mb)

Partituras e outros que tais? Clique aqui
Ouça! Deleite-se! … Mas antes, deixe um comentário.

Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

William Primrose – obras para Viola de Henri Casadesus (1879–1947), William Walton (1902–1983), Hector Berlioz (1803–1869) e Niccolò Paganini (1782-1840) [link atualizado 2017]

UM BAITA VIOLISTA !!!

Postado originalmente em 10 de março de 2012.

Damos prosseguimento à nossa sequência de peças para viola, este instrumento tão belo e injustiçado (agora falou alto o meu lado amargo de violista com remorso) e finalmente pousam aqui no P.Q.P.Bach algumas das exímias execuções de William Primrose (1904-1982). O escocês foi um dos maiores violistas que se tem registro, dono de técnica e precisão que deixariam qualquer dos melhores violinistas que já passaram por aí com, no mínimo, uma pontinha de inveja. Seu virtuosismo o levou a ser protagonista de uma quantidade bastante expressiva de gravações, num período em que ainda só existiam os LPs.

Neste LP transformado em CD o violista mostra sua versatilidade em três peças dedicadas ao instrumento.

pseudo-barroco Concerto par Viola que Henri Casadesus compôs e atribuiu a Händel (hoje editado com o nome de “no estilo de Händel) está com o andamento coisa de uns 40% mais rápido que o original, o que faz com que se exacerbe o virtuosismo de Primrose, mas que dificulta a percepção da linha melódica de extrema beleza da música de Casadesus (futuramente encontrarei um CD no qual esse concerto esteja em seu andamento original, mais lento, e o postarei aqui). São escolhas: o virtuosismo em detrimento da melodia… Ainda assim, a peça é extremamente bela, no mesmo nível do Concerto que Casadesus atribuiu a J.C.Bach, não menos apaixonante, que postamos anteriormente aqui. Em seguida nos é apresentado o belo, melodioso e delicado Concerto para Viola de William Walton, com todas as características das composições do século XX (e que você pode comparar com a versão gravada pelo poderoso violista Lawrence Power aqui). Nesta versão, a de Primrose, a regência está sob a batuta de nada menos que o próprio Walton, seu contemporâneo, e talvez por isso esteja mais próxima da concepção de seu autor. Não menos interessante é a terceira peça, do período romântico: a vibrante Haroldo na Itália, do francês Hector Berlioz. É a mais animada para fechar o CD, embora o papel do solo da viola seja o menos destacado das peças do álbum, ainda que os solos sejam muito bonitos. Há ainda uma quarta peça, o assustadoramente eloquente Capricho nº 5 de Niccolò Paganini, em transcrição feita para viola, que coloquei pra vocês como uma faixa-bônus, brindado-os com uma saideira do virtuosismo de William Primrose.

Ouça-o: tudo o que você achava sobre os violistas pode mudar depois desse álbum. Não perca!

Palhinha 1: Primrose executando o Capricho nº5 de Paganini

Palhinha 2: Primrose executando o Capricho nº24 de Paganini

Henri Casadesus (1879–1947)
Concerto para Viola em Si Menor no Estilo de Händel (A)
01. I. Allegro moderato
02. II. Andante ma non troppo
03. III. Allegro molto energico

William Walton (1902–1983)
Concerto para Viola (B)
04. I. Andante comodo
05. II. Vivo, con molto preciso
06. III. Allegro moderato

Hector Berlioz (1803–1869)
Harold in Italy (C)
07. I. Harold nas montanhas
08. II. Marcha dos peregrinos
09. III. Serenata
10. IV. Festa dos bandidos

Niccolò Paganini (1782-1840)
11. (faixa-bônus) Capricho nº 5

William Primrose, viola
A. RCA Victor Orchestra
Frieder Weissmann, regente
B. Philharmonia Orchestra
William Walton, regente
C. Boston Symphony Orchestra
Serge Koussevitsky, regente

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (112Mb)
Ouça! Deleite-se! … 

Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!