Os 140 anos do homem que desprezava o Bolero de Ravel (com vídeos das principais obras)

Os 140 anos do homem que desprezava o Bolero de Ravel (com vídeos das principais obras)

O compositor Maurice Ravel (1875-1937), cujo nascimento completa 140 anos neste sábado (7), foi um sujeito fino e bem-humorado. Depois da estreia de sua obra mais conhecida, o Bolero, uma pessoa da plateia afirmou que o compositor só poderia ser louco, ao que Ravel respondeu sorridente: “Ela compreendeu perfeitamente”. O compositor efetivamente desprezava sua peça mais famosa, achando-a trivial. Ele escreveu um texto nada entusiasmado para a estreia da obra:

Leia mais.

ravel

Estamos trabalhando para recolocar o PQPShare no ar

Sim, deu um problema, nossa Base de Dados foi pelos ares e estamos trabalhando para remontá-la. Dá trabalho ter seu próprio servidor de arquivos. Hoje ainda, amanhã, depois ou em qualquer dia, voltaremos a nossa programação normal.

Enquanto isso, seguimos acreditando na necessidade da arte, como mostra este belo filme russo — só de imagens e música. Aliás, a música é de Alfred Schnittke. Vejam o filme enquanto aguardam. Vocês jamais o esquecerão.

http://youtu.be/WRJ5Mqzxcqo

Afinal, a gente quer seguir recebendo comentários assim:

Passo aqui só para deixar meu depoimento espiritual para a possível conversão dos amargurados: graças ao PQP Bach_ mais uma vez_ tive intensos momentos de recolhimento artístico esta semana. Estando só em casa, segunda e terça, me dei ao luxo de não fazer nada, suspender meus projetos e trabalhos, para ouvir o Kronos Quartet. Vi esse quarteto no PQPBach, e logo fui atrás do restante da obra do grupo. Que deslumbre colocar os cds da caixa de comemoração de seus 25 anos, regalado no sofá, à meia luz aprazível e confortável, ao mesmo tempo que lia os dois primeiros capítulos da autobiografia do Nabokov, “Fala, memória”. Foram duas tardes de terapia que me desintoxicaram e me prepararam de peito aberto para mais uma boa dose de futuro.

Palavras da salvação.

PQP

Órgão de Tubos do Século XVIII

O fim de semana traz concertos especiais em São João del-Rei, Tiradentes e Mariana, com a participação da organista portuguesa Edite Rocha e do organista mineiro Marco Brescia. Confira:

04/09 – quinta-feira
18h30 – Edite Rocha – participação de Elisa Freixo
Museu Regional de São João del-Rei
Entrada franca (capacidade de público: 60 pessoas sentadas)

05/09 – sexta-feira
11h30 – Marco Brescia
Catedral da Sé de Mariana
Ingressos a partir de R$28

20h – Edite Rocha
Igreja Matriz de Santo Antônio – Tiradentes
Ingressos a R$30 (para idosos e estudantes, a R$ 20)

07/09 – domingo
12h15 – Marco Brescia
Catedral da Sé de Mariana
Ingressos a partir de R$ 28

Não percam!

Anne Civa

Mediação digital e pedagógica do Museu da Música de Mariana

Mediação digital e pedagógica do Museu da Música de Mariana

(email que recebemos do musicólogo Prof. Paulo Castagna)

O Museu da Música de Mariana é uma entidade cultural de interesse público e sem fins lucrativos, fundada em 1973 e mantida pela Arquidiocese de Mariana.

Desde a Páscoa de 2014, o Museu da Música iniciou um serviço de Mediação Digital e Pedagógica (MDP) para os usuários do Facebook, na forma de postagens diárias (sete dias por semana!) de notícias, informações, imagens, filmes e música, com a função de tornar o patrimônio histórico-musical brasileiro e o próprio conhecimento musicológico interessantes, contemporâneos e atrativos para o público em geral, além dos especialistas e do meio acadêmico.

Utilizando o Facebook como Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), estamos divulgando diariamente, em nossa página (https://www.facebook.com/MuseuDaMusicaDeMariana/), aspectos interessantes do passado musical brasileiro, da atividade musical nas cidades históricas brasileiras, da relação entre a música, a sociedade, os costumes, as festas e a religião, além de aspectos marcantes da história, do acervo e dos projetos do Museu da Música. Esta ação visa promover o desenvolvimento de uma função social mais ampla do conhecimento histórico-musicológico e das instituições semelhantes ao Museu da Música, estimulando a multiplicação desse tipo de mediação no meio acadêmico-musical.

O serviço de MDP não deixa em segundo plano a pesquisa e nem a publicação acadêmica, que são preocupações do Museu da Música desde 1984, quando realizou (portanto há exatos 30 anos) o I Encontro Nacional de Pesquisa em Música e deu início aos encontros periódicos brasileiros na sub-área de musicologia histórica. A iniciativa visa apenas criar interesse pelos assuntos musicológicos no público em geral, bem como ampliar esse conhecimento e sua função no ambiente externo aos meios técnico e acadêmico, com o objetivo de aumentar as interrelações entre a instituição, o campo específico de conhecimento e a sociedade por eles beneficiada.

De um modo geral, as abordagens acadêmicas na área de música utilizam conceitos e terminologia muito específicas deste campo de estudo, sendo difícil sua compreensão por grande parte do público interessado pelas práticas musicais do presente ou do passado, caso não sejam profissionais da área de música.

Ao propor a mediação do seu conhecimento musicológico, o Museu da Música assume o desafio de estabelecer essa ponte, no espaço virtual ou presencial. Constatamos que a grande maioria dos visitantes do Museu da Música são portadores de gadgets (celulares, smartphones, leitores de MP3, etc.), geralmente percorrendo todo o trajeto do módulo expositivo, mesmo durante a visita guiada, com seus aparelhos em mãos, atitude que demonstra uma certa necessidade, por parte dos mesmos, de buscar maior interação entre sua familiaridade com o meio virtual e o conteúdo apresentado no Museu.

Para Maurice Halbwachs (A memória coletiva; trad. Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2006), a memória coletiva se refere a uma identidade propriamente coletiva, que explica uma experiência e um passado vividos por participantes de um mesmo grupo, o que envolve as memórias individuais, mas não se confunde com elas. Ao adequar à linguagem da web o conteúdo musicológico, fruto do cotidiano da pesquisa e da gestão do acervo, o Museu da Música veicula tais conteúdos de maneira a se tornarem subjetivamente reconhecíveis pelos usuários da web, o que possibilita sua ressignificação por parte dos nossos consulentes, sejam eles virtuais ou presenciais.

A proposta está fundamentada no conceito pedagógico de “mediação” e suas múltiplas vertentes e possibilidades, tais como apresentadas, entre outros, por Ana Mae Barbosa e Rejane Galvão Coutinho no livro Arte educação como mediação cultural e social (São Paulo: UNESP, 2008), por Carlos Alberto Sobrinho no artigo “Mediação digital e pedagógica” (Teias, Rio de Janeiro, ano 4, n.7-8, p.1-13, jan/dez 2003) e por Solimar Patriota Silva na comunicação “O facebook na formação continuada de mediadores de leitura” (Anais do 18º Congresso Internacional de Educação à Distância, São Luís, 23-26 set. 2012). Nossa ação está em consonância com a “Lei de Acesso à Informação” (Lei Federal nº 12.527, de 18/11/2011) e com os “Princípios de Acesso aos Arquivos”, adotados pela Assembléia Geral do Conselho Internacional de Arquivos (Brisbane, 2012), cujo terceiro item possui esta recomendação: “Os arquivistas têm a responsabilidade profissional de promover o acesso aos arquivos. Eles divulgam informação sobre os arquivos utilizando vários meios, como a internet e publicações na web, documentos impressos, programas públicos, meios comerciais e outras atividades de alcance. Eles devem estar continuamente atentos a mudanças nas tecnologias de comunicação e usam aquelas que são disponíveis e práticas para promover a divulgação dos arquivos.” Finalmente, como apoio a este tipo de ação, vale a pena transcrever a epígrafe utilizada no artigo de Carlos Alberto Sobrinho: “Não foram os educadores que criaram as novas tecnologias do final do século XX, nem são eles que as controlam, mas têm agora a oportunidade e a responsabilidade de as usar criativamente e de um modo eficiente, no sentido de fortalecer e enriquecer a educação de todos.” Malcolm Skilbeck (Educador e ex-Diretor da OCDE).

.

“Curtindo” a página https://www.facebook.com/MuseuDaMusicaDeMariana/, as postagens diárias do Museu da Música aparecerão em seu feed de notícias, juntamente com as postagens de seus(suas) amigos(as) e das demais páginas que você já curtiu. Gostando da página e das postagens, sugerimos clicar em “convide seus amigos para curtirem esta página” e agradecemos indicá-la aos seus(suas) amigos(as) e familiares, pois assim este trabalho chegará a um número cada vez maior de pessoas e cumprirá com maior eficiência sua missão de difusão e desenvolvimento da função social do conhecimento musicológico e dos projetos científicos, pedagógicos e sociais do Museu da Música de Mariana. E estando na região, venha visitar gratuitamente nossa exposição permanente ou pesquisar em nosso acervo, de terça-feira a domingo, nos horários indicados em nossa página.

Obrigado, colega!

A Equipe do Museu da Música de Mariana

Pe. Enzo dos Santos
José Eduardo Liboreiro
Vítor Sérgio Gomes
Sidiône Eduardo Viana
Gislaine Padula de Morais
Paulo Castagna

Museu da Música de Mariana
Rua Cônego Amando, 161
Bairro Chácara
CEP 35420-000 – Mariana – MG
Telefone: (31) 3557-2778
Website: http://mmmariana.com.br
E-mail: mmmariana2009@gmail.com

-oOo-

O Museu da Música de Mariana já produziu 9 CDs que apresentam músicas inéditas. Foram produzidos e distribuidos somente 1.000 exemplares de cada. Hoje é considerada uma coleção rara e está esgotada!. Os 9 CDs já foram postados pelo PQPBach, em arquivos FLAC e MP3 320 kbps, exclusividade essa que somente os ouvintes do PQPBach desfrutam !!!

Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 1/9 – Pentecostes (Acervo PQPBach)
Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 2/9 – Missa (Acervo PQPBach)
Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 3/9 – Sábado Santo (Acervo PQPBach)
Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 4/9 – Conceição e Assunção de Nossa Senhora (Acervo PQPBach)
Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 5/9 – Natal (Acervo PQPBach)
Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 6/9 – Quinta-Feira Santa (Acervo PQPBach)
Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 7/9 – Devocionário Popular aos Santos (Acervo PQPBach)
Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 8/9 – Ladainha de Nossa Senhora (Acervo PQPBach)
Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 9/9 – Música Fúnebre (Acervo PQPBach)
.
As partituras e o aparato crítico das obras acima estão disponíveis aqui, em arquivos Adobe Acrobat (.pdf). As partituras estão divididas em partes para facilitar sua transferência pela internet.

Conheça a história dos 40 anos (e vários séculos) do Museu da Música de Mariana, aqui.

Aproveitem todos estes tesouros !!

Avicenna

Museu da Música de Mariana no Facebook

Mensagem do Prof. Paulo Castagna:

O Museu da Música de Mariana inaugurou, na última Páscoa, um serviço informativo diário em sua página do Facebook: veja aqui.

Nesse serviço apresentaremos áudios, vídeos, imagens e informações musicológicas interessantes relacionadas ao acervo e à história do Museu da Música. Para visualizar os posts diários basta entrar na página e curtir.

Com esse serviço pretendemos estimular o interesse pela musicologia histórica e pelo Museu da Música. Seria possível dar uma nota a respeito no PQP? Quanto mais curtidas maior o número de pessoas que será alcançada pelos posts. Pretendemos chegar à marca de 10 mil curtidas até julho.

Abraço!

Paulo Castagna
brsp@uol.com.br
http://paulocastagna.com/

Avicenna

Para conhecer e gostar da música clássica brasileira

Nosso ouvinte Gabriel Cezar perguntou ao Bisnaga quais as principais obras ele deve ouvir para conhecer e gostar da música clássica brasileira.

A resposta foi tão boa que a compartilho aqui:

Eu, particularmente, de uns anos pra cá, tenho me viciado cada vez mais em música erudita brasileira: consigo ver movimentos e expressões de nosso país, nossas sonoridades e me sinto representado nelas.

Mas há que se começar e, pra isso, vou pensado aqui pra você em obras belas, melodiosas e que são fáceis, que agradarão na primeira audição.

– Se você gosta de música instrumental, sem vozes, indico o Episódio Sinfônico (Francisco Braga), a Sinfonia em Sol (Alberto Nepomuceno), as aberturas de Maria Tudor e Odaléa (Carlos Gomes), o Noturno de Odaléa (Carlos Gomes), as aberturas Zemira e Abertura em Ré (Padre José Maurício Nunes Garcia), o Despertar da Montanha (Eduardo Moura), a Alvorada da ópera Lo Schiavo (Carlos Gomes) e o maravilhoso, estupendo Concerto para Piano e Orquestra em Formas Brasileiras (Hekel Tavares).

– Ainda somente instrumental, mas de formação menor, para orquestras de câmara: a genial Sonata em Ré (Carlos Gomes), o Concerto para Harpa (Radamés Gnatali).

– Se você gosta de música do século XX, precisa conhecer Villa-Lobos, um dos grandes compositores do mundo nesse século. Recomendo dele: A Floresta do Amazonas (inteira), Choros nº10, Bachianas Brasileiras, especialmente as de nº 4, 5, 7 e 8, o Canto do Cisne Negro, o Concerto para Harmônica (gaita) e Orquestra e as Sinfonias 10 e 11, além dos 5 concertos para piano e Orquestra. Nossa, não poderia me esquecer do Estudo nº1 para Violão dele, é o toque do meu celular…Tem outras obras de compositores do século XX (ou da virada do XIX pro XX) que misturaram ritmos e sonoridades populares aos cânones clássicos, e saiu muita coisa boa como Mourão (César Guerra-Peixe), Maracatu do Chico Rei (Francisco Mignone), Congada (idem), Batuque (Alberto Nepomuceno), Batuque (Lorenzo Fernandez), Kyrie da Missa Armorial (Cussy de Almeida), o Capricho Medonho (Marcílio Onofre), a Missa de Alcaçuz (Danilo Guanais) e a sublime Ave Maria de Jorge Armando.

– Se gosta de solos vocais e ópera, comece com Il Guarany, Lo Schiavo e Maria Tudor, todas de Carlos Gomes. Veja primeiro os solos de soprano de Gomes, que são, a meu ver, os mais bonitos.

– Se, por fim, a sua praia for música com coral/sacra, ouça As Costureiras (Villa-Lobos), o Invitatório das Matinas de Natal (Pe. João de Deus de Castro Lobo – de arrepiar até os cabelos da nuca), o Credo (Inácio Parreira Neves), o Gloria da Missa a 5 Vozes (André da Silva Gomes), o estupendo Salmo 150 (Ernani Aguiar), o Requiem e a Missa de Santa Cecília (Padre Maurício Nunes Garcia), o Magnificat (Manoel Dias de Oliveira) e a portentosa Missa em Aclamação a Dom João VI (Neukomm).

Ainda pulei vários compositores bons, como Lobo de Mesquita, Camargo Guarnieri, Cláudio Santoro e muitos, mas muitos outros!

Dê uma olhada em parte disso. Você vai mudar de ideia. Se não quiser sair baixando tudo, veja no youtube: tem boa parte. Querendo baixar, tudo isso tem aqui no P.Q.P.Bach ou no Música Brasileira de Concerto.

Espero ter te ajudado a desvendar esse universo imenso e maravilhoso da música brasileira. Ainda tem muita coisa pra gente tomar conhecimento…

Abraço e boa sorte,

Bisnaga

Simpósio “Guerra-Peixe: 100 anos”, na UFMG.

Este ano, César Guerra-Peixe (1914-1993) completaria seu centenário. Um dos eventos que marcarão esta data é o Simpósio Guerra-Peixe: 100 anos, que ocorrerá na Escola de Música da UFMG, em Belo Horizonte.
Se estiver por esses dias na bela capital mineira, aproveite e participe!
Ah, tem concurso de composição!

Guerra-Peixe: 100 anos
Escola de Música da UFMG
09 a 11 de abril de 2014

Cronograma Geral do Evento

Dia 09 de abril

09:00: Abertura. Presença da Pró-Reitora de Extensão e de Dirigentes da
Escola de Música da UFMG. Número musical: Sonata (Guerra-Peixe),
violonista Flávio Barbeitas (UFMG).
10:00 – 17:00: Colóquio da Pós-Graduação: Música Brasileira em Contexto.
17:40: Palestra na Série Viva Música: Guerra-Peixe e a Música Brasileira.
Ana Cláudia Assis (UFMG) e Cecília Nazaré (UFMG).
18:30: Concerto com obras de Guerra-Peixe.

Dia 10 de abril

10:00: Mesa Redonda: Guerra-Peixe e o ensino de composição. Antônio
Guerreiro (UNIRIO), Guilherme Bauer (ABM), Nelson Salomé (UEMG), Sérgio
Freire (UFMG) e Gilberto Carvalho (UFMG).
14:00: Apresentação, do filme Terra é sempre terra (1951), produzido por
Alberto Cavalcanti, com trilha musical de Guerra-Peixe. Comentários de
Cecília Nazaré (UFMG).
18:00: Concerto com obras de ex-alunos de Guerra-Peixe.

Dia 11 de abril

09:00: Reunião da Banca Examinadora do Concurso Nacional de
Composição.
10:00: Mesa Redonda Guerra-Peixe e a Musicologia Brasileira. Paulo de
Tarso (USP), Frederico Barros (USP), Ana Cláudia Assis (UFMG), Cecília
Nazaré (UFMG) e Flávio Barbeitas (UFMG).
14:00: Apresentação do filme Canto do Mar (1953), produzido e dirigido por
Alberto Cavalcanti, com trilha musical de Guerra-Peixe. Comentários de
Cecília Nazaré (UFMG).
18:00: Concerto de encerramento com as obras finalistas do Concurso
Nacional de Composição Guerra-Peixe: 100 anos. Banca do concurso: Ernani
Aguiar (UFRJ), Rodrigo Cicchelli (UFRJ), João Pedro Oliveira (UFMG), Oiliam
Lanna (UFMG) e Lincoln Andrade (UFMG).
19:00: Deliberações da Banca Examinadora e apresentação dos resultados.
20:00: Encerramento do Seminário Guerra-Peixe: 100 anos.

VEJA MAIS SOBRE O EVENTO AQUI

Bisnaga

Manuscritos de Ernesto Nazareth (1863-1934) são reconhecidos como Patrimônio da Humanidade pela Unesco

GÊNIO!

Vai com alguns dias de atraso, mas essa notícia não poderia deixar de ser estampada aqui no PQPBach!

Ernesto Nazareth foi, para além de exímio pianista, um compositor responsável por peças que desafiam os amantes do piano pelo mundo afora. Sua dificuldade não está na velocidade, nas mãos cruzadas, etc. Ela está nos ritmos todos quebrados, entrecortados, influência clara da música de raiz africana disseminada, sincretizada e amalgamada no modo musical brasileiro, que Nazareth lia como poucos. Não à toa, suas obras são objeto de estudo para pianistas do mundo todo. Agora seus manuscritos, estudados e preservados por Luiz Antonio de Almeida – e digitalizados todos pelo Instituto Moreira Sales, disponíveis para consulta e download (cujo link disponibilizamos aqui) – são reconhecidos como Patrimônio da Humanidade!
Dá-lhe Ernesto Nazareth!!
Os manuscritos de Ernesto Nazareth agora são patrimônio cultural da humanidade, integrando a categoria Memória do Mundo, da Unesco, à qual pertencem documentos raros e de grande importância, como a Bíblia de Gutenberg, a Nona Sinfonia de Beethoven, as partituras de Brahms e os textos filosóficos de Rousseau, além de outros manuscritos, negativos de filmes e registros discográficos históricos, totalizando 300 itens essenciais da produção cultural do mundo.

Os manuscritos já estão disponíveis em alta resolução no site da Biblioteca Nacional Digital. Além deles, o site Nazareth 150 anos, desenvolvido pelo Instituto Moreira Salles (IMS), traz a esperada pesquisa biográfica desenvolvida pelo especialista Luiz Antonio de Almeida, que passou 38 anos estudando a vida de Nazareth. Nos anos 1980, ele se aproximou de dois parentes do músico, tornando-se herdeiro do seu acervo, aos cuidados do IMS desde 2005.
O instituto promoveu uma ampla programação no ano passado para comemorar os 150 anos de nascimento de Ernesto Nazareth e realiza, na quinta-feira, no Rio, o evento Ernesto Nazareth 150+ 1, que inclui uma roda de choro nos jardins do IMS. O encontro musical faz uso de peças do repertório das 120 primeiras composições já catalogadas em seu site e disponíveis em dois volumes para download (o compositor deixou mais de 200 músicas).
Outra novidade disponível a partir de quinta, no site do IMS, é a hemeroteca com 100 recortes de textos jornalísticos publicados até 1943, que inclui material da coleção particular do compositor, mantida pelo instituto, e a hemeroteca digital da Biblioteca Nacional. Entre os textos raros está uma reportagem sobre sua passagem pelo Teatro Municipal de São Paulo, em 1926, apresentado pelo escritor e também músico Mario de Andrade, um dos idealizadores da Semana de Arte Moderna. O site do IMs também publica agora o segundo volume das adaptações em formato de melodia e cifra de mais de 60 peças musicais de Nazareth.
Ernesto Nazareth foi um dos mais originais compositores brasileiros, nascido em 1863, no Rio. Filho de um despachante aduaneiro e de uma pianista amadora, começou a aprender música com a mãe, aos três anos. Após sua morte, o pai o proibiu de tocar, mas, escondido dele, continuou seus estudos e compôs sua primeira música aos 14 anos, a polca-lundu Você Bem Sabe. Foi em 1909 que Nazareth compôs seu maior sucesso, Odeon, cujo título faz referência ao cinema no qual Nazareth ganhava a vida acompanhando os filmes mudos lá exibidos. Ele morreu em 1934, afogado na represa próxima à Colônia Juliano Moreira, para tratamento de doentes mentais. (reportagem d’O Estado de São Paulo).

Ah, quer ver as partituras dele e de outros brasileiros? Clique aqui

Bisnaga

Ninguém merece mais

Ninguém merece mais

Steve Reich recebeu na Espanha o prêmio da Fundação BBVA Fronteiras do Conhecimento por seus esforços em construir pontes entre culturas e por “tratar de questões atuais, desde o conflito palestino-israelense e o 11 de setembro e até a relação entre religião, arte e ciência”.

O prêmio é de 40 mil euros e um bom jantar comemorativo. Na boa, ninguém merece mais do que ele.

É difícil encontrar uma foto de Reich sem boné.
É difícil encontrar uma foto de Reich sem boné.

PQP

Selo Digital Osesp

Música de primeiríssima qualidade, brasileira, executada e gravada por uma das melhores orquestras do munto.
E DE GRAÇA!

 

 

 

A notícia é muito boa e eu, meio apressado, copiei descaradamente o texto do faceboook da Osesp:

A Fundação Osesp lançou no ano passado mais um projeto que leva música clássica de maneira gratuita a um público cada vez maior. O Selo Digital disponibiliza gratuitamente, para ouvir ou baixar, um catálogo com gravações de obras do acervo da Fundação.

As gravações dos compositores contemporâneos Gilberto Mendes e Aylton Escobar inauguraram o Selo. “Alegres Trópicos” de Gilberto trouxe a já clássica “Beba Coca-Cola”, e “Obras Para Coro” de Aylton Escobar inclui uma encomenda da Osesp para o compositor, a obra “Tombeau”.
O Selo Digital lançou ainda “Melhores Momentos” com Gilberto Siqueira em comemoração aos 40 anos como primeiro trompete da Osesp, que inclui obras de Guarnieri, Villa-Lobos e Tchaikovsky; “Concertino Para Oboé e Cordas” de Brenno Blauth, que integrou o CD comemorativo dos 30 anos de Osesp do oboísta Arcádio Minczuk; e também “Sinfonia dos Orixás e Outras Obras Sinfônicas” de Almeida Prado, sob a batuta do regente associado Celso Antunes e com participação do violinista Cláudio Cruz.

Em 2014 o Selo prevê lançamentos com obras de Henrique Oswald, Armando Albuquerque, Ronaldo Miranda, Sérgio Assad, Celso Loureiro Chaves e Alexandre Lunsqui.

Acompanhe os lançamentos pela página da Discografia no site da Osesp!

Quer ver? Estão aqui: VEJA AQUI – SEE HERE

Bisnaga

PQPBach, 7 anos!

Eita!

Esse 2013 foi bastante atribulado para a equipe pequepiana e uma data muito especial passou batida: o dia 15 de Novembro. Para além de ser o dia da Proclamação da República (1889), é o dia do nascimento deste sítio (2006), data em que o chefão-sumo-sacerdote postou o Quinteto para Piano, Flauta, Clarinete, Trompa e Fagote de Rimsky-Korsakov, inaugurando uma sequência crescente de postagens que até a véspera desta aqui somavam 3.438! Os compositores avançaram para muito além do papai Johann Sebastian Bach (este blog que o homenageia nem começou com obra dele…) e as categorias que os marcam são hoje nada menos 1.233!

E durante essa viagem de 7 anos o PQPBach foi cooptando seguidores tais como FDP, CDF, CVL, Bluedog, Strava, Ranulfus, Carlinus, Avicenna, Gabrieldelaclarinet, Itadakimasu, Bisnaga e, este ano, o caçulinha: Das Chucruten. E o mais interessante disso tudo é que, apesar de nossa atividade ser de polinizar beleza pela blogosfera e suas margens, quem mais se diverte somos nós (vocês não fazem ideia do que é o nosso grupo interno de e-mails)! Cada comentário gera uma euforia! Abrimos nossas caudas de pavão a cada elogio! E quando o número de downloads é expressivo, passamos a mostrar o feito aos outros colegas.

Infelizmente não podemos nos dedicar ao blog tanto quanto gostaríamos, fazendo duas ou três postagens por dia, como alguns outros Blogs fazem. Temos nossas vidas, famílias, compromissos, trabalho. Nos dedicamos ao PQPBach de corpo e alma, mas dentro das nossas condições e possibilidades. Não estamos ganhando nada por isso, é o nosso hobby. Enquanto alguns jogam tênis ou praticam algum outro esporte nós do PQPBach passamos a maior parte de nosso tempo escolhendo cds para passar para vocês, lhes dando a oportunidade de ter acesso a este imenso e inesgotável mundo da boa música. É essa nossa paixão pela música nos impulsiona, que nos dá a força necessária para seguirmos em frente, apesar dos problemas de ordem técnica que por vezes enfrentamos, das broncas que temos de dar em alguns comentaristas devido a comentários por vezes impertinentes e até mesmo insultantes. Mas também entendemos que a grande maioria silenciosa, aquela que dificilmente se manifesta, às vezes por timidez, às vezes por não saber como nos apoiar, continua e continuará nos dando o alento necessário para continuarmos nessa nossa missão.

Claro, além disso tivemos ao longo desse tempo várias dores de cabeça com os provedores e HDs virtuais onde hospedamos os arquivos. Muita coisa aqui postada foi apagada, colegas perderam contas inteiras (e muito tempo de dedicação). Mas, se a gente esmorece um pouco com esses incidentes, em pouco tempo nos reorganizamos e tocamos em frente! Muitos blogs conhecidos, amigos e preciosíssimos fecharam, para nossa tristeza. Mas nós teimamos e continuamos, apesar de todos os tropeços, pois compartilhar boa música nos dá um prazer inominável. Talvez por esse motivo o PQPBach continue prezando por fazer suas postagens descontraidamente, com uma dose de humor, tirando um sarro da cara de louco do intérprete, da gostosura da musicista ou da feiúra do autor. Essa irreverência se tornou uma característica e um diferencial do site: não tem porque ser sisudo e chato pra falar de música clássica, uma coisa tão legal!

Com o tempo, com o aumento da quantidade e da variedade das peças e compositores aqui disponibilizados, o blog cresceu de forma tal que provavelmente o pai da criança, Peter Qualvoll Publizieren Bach, não imaginaria: o total de acessos está chegando aos 4,0 milhões e 30% deles é feito por usuários de outros países, que devem penar para entender o idioma português (língua lindíssima, mas difíííícil…). O PQPBach já foi citado em sites, revistas e jornais de vários países, e vira-e-mexe encontramos o blog sendo recomendado em cursos de música, graças ao repertório aqui depositado. Dá gosto!

Dessa forma, então, nós, da equipe do PQPBach ainda ativa, e claro, os que por aqui passaram (e que desejamos que voltem), desejamos a todos os nossos leitores um Feliz 2014 regado a muita música boa.

Um brinde! Que venham mais anos, mais músicas e mais descobertas! PQPBach: SETE Anos !!!

Bisnaga, Avicenna, PQPBach e FDPBach.

Desabafo

Curioso como são algumas pessoas que frequentam esse blog. São incapazes de escrever uma linha sequer para agradecer o trabalho que temos para subir os CDs, mas se não conseguem baixar um arquivo, já chegam chutando o pau da barraca. Eles tem acesso de graça a um material que de outra forma não conseguiriam, e ainda reclamam. Com raras exceções, os únicos comentários que recebemos é “rapidshare é uma merda, bitshare é uma bosta, mega é uma bosta…”, nunca estão satisfeitos. E nem oferecem opções ou sugestões.

Vou ser sincero com vocês: quem está de saco cheio sou eu. São sete anos de PQPBach, e não entendi ainda porque perco tempo com isso. E perdi completamente o tesão que tinha de postar. Já fico com medo das pedradas que receberei.

Vou lhes dar uma sugestão para os seus problemas com estes servidores acabarem: comprem uma conta Premium… exemplo: no site www.hipercontas.com.br os senhores poderão assinar três servidores por meros R$18,00, e não precisam ter cartão de crédito internacional. Tenho assinatura do uploaded, do bitshare e do filefactory e estou entupindo meus hds baixando em média 5 gb de música por dia, além de filmes, concertos e shows, sem maiores problemas. O rapidshare é mais caro, creio que custe uns R$23,00 por mês.

A equipe do PQPBach atualmente se restringe à mim, FDPBach,ao PQPBach, que anda assoberbado de serviço, inclusive falei com ele rapidamente indagorinha e ele confessou que estava trabalhando, ao Avicenna, que por problemas de saúde está afastado, e ao Bisnaga, que também está com a corda no pescoço para entregar sua Tese de Doutoramento no prazo, por isso suas postagens reduziram tanto. O Monge Ranulfus também tem seus problemas pessoais e de trabalho. Ou seja, todos temos nossos compromissos profissionais, nossas famílias… fazemos o que fazemos porque amamos a música, e queremos que vocês compartilhem esse gosto conosco. Não ganhamos nada com isso.

Eventos comemorativos dos 40 anos (e vários séculos) do Museu da Música de Mariana, MG

Convido-os para os eventos comemorativos dos 40 anos do Museu da Música de Mariana (MG), que serão realizados nessa cidade nos dias 6 e 7 de julho próximos, em alusão à fundação oficial do Museu da Música no dia 7 de julho de 1973. A seguir, o folder dos eventos e, abaixo, o link para baixar o texto publicado na revista portuguesa de música Glosas, sobre a história e as atividades atuais do Museu da Música (3 Mb):

http://rapidshare.com/files/2883510424/2013-MuseuDaMsica.pdf

Divulguem à vontade!

Abraço,

Paulo Castagna
brsp@uol.com.br
http://paulocastagna.com/





.
.Museu da Música de Mariana
Projeto Acervo da Música Brasileira – Restauração e Difusão de Partituras

O Projeto Acervo da Música Brasileira – Restauração e Difusão de Partituras é uma das mais completas e arrojadas iniciativas de recuperação, preservação e divulgação do patrimônio musical do país, idealizado pela Fundação Cultural e Educacional da Arquidiocese de Mariana e patrocinado pela Petrobras, sob a coordenação do Santa Rosa Bureau Cultural.

Obras preciosas da música religiosa brasileira dos séculos XVII a XX, antes restritas ao espaço do Museu da Música de Mariana (MG), são reorganizadas, catalogadas, editadas e oferecidas ao grande público na forma de concertos, CDs e livros de partituras, também acessíveis pela Internet.

Pela profundidade, abrangência, volume de ações e recursos envolvidos, o projeto alcança proporções inéditas no país. O Museu de Mariana é um dos mais importantes acervos latino-americanos de música religiosa manuscrita, com mais de 2 mil partituras. Muitas delas foram salvas pelo trabalho de restauração, já que estavam em estado precário de preservação. Foi recuperada a estrutura original das partituras tal como concebidas por seus autores.

Compositores respeitados como Emerico Lobo de Mesquita, José Maurício Nunes da Silva e João de Deus de Castro Lobo têm novas peças reveladas. Outros, como Miguel Teodoro Ferreira, Frutuoso de Matos Couto e Manuel Dias de Oliveira começam a ter sua memória resgatada, com a identificação de criações importantes, anteriormente desconhecidas. O trabalho inclui também várias peças de autoria desconhecida.

Iniciado em janeiro de 2001 e com término previsto para 2003, o projeto envolve 150 profissionais, com destaque para a equipe de musicologia, coordenada pelo professor e pesquisador Paulo Castagna, da Unesp, e constituída por Aluízio José Viegas (São João del Rei), André Guerra Cotta (Belo Horizonte), Carlos Alberto Figueiredo (Rio de Janeiro), Clóvis de André (São Paulo), Francisco de Assis Gonzaga da Silva (Ouro Preto), Marcelo Campos Hazan (Rio de Janeiro), Maria José Ferro de Sousa (Ouro Preto), Maria Teresa Gonçalves Pereira (Mariana), Vitor Gabriel de Araújo (São Paulo) e Vladmir Agostini Cerqueira (Belo Horizonte).

A reorganização e catalogação está sendo realizada com uma metodologia desenvolvida no final da década de 90 e pela primeira vez aplicada, em sua total potencialidade, em um acervo brasileiro do gênero. O modelo de inventário adotado já se qualifica como referência latino-americana na área de acervos de manuscritos musicais.

(texto extraído de: http://www.mmmariana.com.br/)

Todos os 9 CDs apresentam músicas inéditas. Foram produzidos e distribuidos somente 1.000 exemplares de cada. Hoje é considerada uma coleção rara e está esgotada!. Os 9 CDs já foram postados pelo PQPBach, em arquivos FLAC e MP3 320 kbps, exclusividade essa que somente os ouvintes do PQPBach desfrutam !!!

Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 1/9 – Pentecostes (Acervo PQPBach)
Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 2/9 – Missa (Acervo PQPBach)
Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 3/9 – Sábado Santo (Acervo PQPBach)
Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 4/9 – Conceição e Assunção de Nossa Senhora (Acervo PQPBach)
Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 5/9 – Natal (Acervo PQPBach)
Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 6/9 – Quinta-Feira Santa (Acervo PQPBach)
Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 7/9 – Devocionário Popular aos Santos (Acervo PQPBach)
Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 8/9 – Ladainha de Nossa Senhora (Acervo PQPBach)
Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 9/9 – Música Fúnebre (Acervo PQPBach)
.

As partituras e o aparato crítico das obras acima estão disponíveis aqui, em arquivos Adobe Acrobat (.pdf). As partituras estão divididas em partes para facilitar sua transferência pela internet.

Aproveitem este tesouro!!


.

 

 
.
.
Avicenna

Coral Cidade dos Profetas no Teatro Bradesco (BH) em 31/05/13 – Única apresentação!

O Coral Cidade dos Profetas, atendendo a pedidos, está de volta. Fará uma apresentação especial, dia 31/05, às 20h, no Teatro Bradesco. Trata-se de um dos mais modernos teatros do Brasil, que acaba de ser inaugurado em Belo Horizonte, na sede do Minas Tênis Clube. O Coral foi convidado a se apresentar no local devido ao grande sucesso dos recitais de lançamento do CD em homenagem a Lobo de Mesquita. O repertório será executado novamente pelo coro, além de solistas e orquestra. A oportunidade é única de conferir este belo e elogiado trabalho. Atenção: os ingressos estão sendo vendidos a preços populares no local e as vagas são limitadas.

Contamos com a colaboração de todos na divulgação.

O Teatro Bradesco fica na Rua da Bahia, 2.244, Lourdes, Belo Horizonte.

Horário: às 20h.
Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia-entrada).
Duração: 60 minutos.
Classificação: livre.
Informações: (31) 3516-1027 e 3516-1360

Avicenna recebeu ontem o email acima!

PQP apoia esta vaquinha para o Gabriel Polycarpo

Gabriel Polycarpo
Gabriel Polycarpo

Gabriel Polycarpo é um jovem violista de Porto Alegre. Apesar de idade, já é spalla das violas da Orquestra de Câmara do Theatro São Pedro. Vi o Gabriel atuar como um dos vencedores do Concurso Jovens Solistas da Ospa. O rapaz é extremamente talentoso. Precisa somar R$ 50 mil a fim de fazer o Mestrado para o qual foi ouvido e aprovado com distinção. A Indiana University Jacobs School of Music deu-lhe duas premiações, a de ‘Artistic Excellence Award’ e de ‘Barbara and David Jacobs Fellowship Award’. Isto é raro na instituição.

Conto com quem se interessar para disseminar e colaborar com o crowdfunding (ou vaquinha virtual).

Pode puxar o Cartão de Crédito tranquilo. O guri vale o investimento.

http://www.vakinha.com.br/VaquinhaP.aspx?e=196565

PQP

Oficinas de Música e Movimento

.
Neste ciclo de Oficinas de Música e Movimento, as pessoas terão a oportunidade de se expressar através da linguagem musical, sonora e corporal. A partir de aquecimentos corporais e vocais, jogos musicais e teatrais e outras dinâmicas de grupo, criaremos com nossos sons e movimentos. A ideia é que esse seja um espaço de criação e expressão artística de um grupo formado por pessoas diferentes, ou seja, não há pré-requisito nenhum para a inscrição! Todos e todas podem se inscrever! Para isso, é só enviar um e-mail com nome e idade para ce.ceciliafb@gmail.com até o dia 10 de abril. Este ciclo de oficinas faz parte da pesquisa de Iniciação Científica de Cecilia Bortoli, no Instituto de Artes da Unesp e no NOMADH – Núcleo de Musicologia e Desenvolvimento Humano, orientada por Paulo Castagna, com bolsa da Reitoria da UNESP.

Não percam!!!

Avicenna

Curso de iniciação à música clássica retorna às atividades em Recife, após quatro anos

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Na intimidade do PQP, às vezes conjeturamos a respeito de coisas como discoteca básica, obras imprescindíveis, vivência como ouvinte, escolha de gêneros e caminhos, formação de gosto musical, etc. Sim, de vez em quando até conseguimos ser sérios.

Pois acreditamos que a música erudita não seja algo impenetrável, que ela seja como o vinho: quanto mais se conhece, mais se aprecia. E o ouvinte não precisa mergulhar necessariamente em partituras, nem no estudo do contraponto bachiano ou do serialismo. Tudo pode ser — e é — muito simples e prazeroso.

As peças do vasto quebra-cabeça estão aqui no PQP. Agora imagine que uma mão amiga poderá levá-lo a reconhecer gêneros, evolução e formas, indicando as próximas peças que foram colocadas no mosaico da música. A partir deste conhecimento, você poderá identificar do que gosta e ter vida autônoma no universo musical. Então, se você quer se iniciar ou se aprofundar neste universo, indicamos o Curso de Iniciação à Música Clássica, ministrado por Carlos Eduardo Amaral, crítico musical, jornalista e mestre em Comunicação pela UFPE.

Após um intervalo de quatro anos, o curso volta às atividades no começo de abril. De acordo com o release, “é dirigido tanto a apreciadores leigos quanto a estudantes de música iniciantes ou estudantes e profissionais de comunicação, artes e crítica cultural que desejam ter um melhor conhecimento desse universo artístico.”

O curso ensina, por exemplo, o que é uma sinfonia, um concerto, uma missa, ópera etc. Em duas aulas de duas horas cada, Carlos Eduardo Amaral fala sobre os instrumentos que compõem uma orquestra sinfônica, as vozes líricas, os principais gêneros de composição e a linha evolutiva da história da música, da Idade Média à música de vanguarda, citando obras e compositores indispensáveis. Pelo que eu li do programa, acho que vale muito a pena.

Deste modo, você saberá o que ouvir, o que evitar de acordo com seu gosto e poderá responder a perguntas como…

—  Qual o nome daquele instrumento dourado redondo todo enrolado?
— Por que chamamos aquilo de fuga se todos estão parados?
— Mulher também pode ser tenor?
— As missas são regidas por padres?
— Por que metade da orquestra saiu?
— Que ritual besta é esse? Por que não é pra aplaudir agora? Não acabou a música?
— Brahms gostava de cerveja?
— Beethoven morreu faz uns 600 anos?
— Onde nasceu Wagner? E Wagner Love?
— O maestro sabe tocar alguma coisa ou só mexe os braços?

Que boa ideia, né? Pois é, agora é só você ter a sorte de morar nas imediações de Recife e fazer o curso.

O que: Curso de Iniciação à Música Clássica
Onde: Curso Probus Lumen. R. Amaro Bezerra, 445, Derby (em frente à Aliança Francesa), Recife
Duração: dois encontros de duas horas cada
Horário: sextas, 05 e 12 de abril, das 19 às 21h
Turma: 20 alunos (poderão ser abertas novas turmas em outras datas conforme a demanda)
Valor: R$ 75 (setenta e cinco reais), que inclui apostila, DVD com material didático e eventuais brindes.
Inscrições: audicoes@gmail.com

Mais informações no site: http://musicaclassica2013.wordpress.com/

 

 

 

 

 

PQP & Avicenna

Alguém sugere alguma alternativa ao Rapidshare ou ficamos sem os arquivos?

Por favor, sem “viajadas”, OK? Falemos sobre coisas possíveis e consistentes. Odeio revalidar links. O caso é que o Rapidshare estabeleceu uma cota diária de tráfego que meus arquivos completam em poucos minutos a cada virada de dia. Para onde ir? Passo-lhes a palavra. Abaixo, a página do FAQ do Rapidshare que descreve a nova política.