Giovanni Picchi e la Scuola Veneziana

As obras deste CD não são nenhuma maravilha, apesar do esforço de Fabio Bonizzoni para dar-lhes sobrevida. Muitas vezes a gente confunde o barroco inicial com a explosão de compositores e criatividade do barroco final. Aqui, o destaque é Giovanni Picchi, um compositor, organista, lutenista e cravista. Ele era um seguidor tardio da Escola veneziana, e influenciou o desenvolvimento e a diferenciação de formas instrumentais que apenas começavam a aparecer, como a sonata. Além disso, ele era o único veneziano de seu tempo para escrever música de dança para cravo. OK, era um pioneiro, mas não tinha muita magia, por assim dizer. Indicado apenas para tarados por barroco.

GIOVANNI PICCHI (1571-1643)

1 Passo e Mezo
2 Saltarello del detto
3 Toccata
4 Passo e Mezo

SPERINDIO BERTOLDO (c.1530-1570)
5 Toccata

GIOVANNI PICCHI (Intavolatura di Balli d’Arpicordo, 1621)

6 Pass’e mezzo
7 Saltarello del Pass’e mezzo
8 Ballo ditto il Pichi
9 Ballo ditto il Stefanin
10 Ballo alla Polacha
11 Ballo Ongaro
12 Todescha
13 Padoana ditta la Ongara

GIOSEFFO GUAMI (1540-1611)
14 Toccata (Il Transilvano, 1593)

GIOVANNI GABRIELI (c.1555-1612)
15 Canzon La Spiritata (Il Transilvano, 1593)

CLAUDIO MERULO (1533-1604)
16 Toccata VII (Toccate d’intavolatura… Libro primo, 1598)

ANNIBALE PADOVANO (1527-1575)
17 Ricercar del 61/4 tono alla terza (Toccate et Ricercari, 1604)
18 Toccata 61/4 tono (Toccate et Ricercari, 1604)

VINCENZO BELL’HAVER (d. 1587)
19 Toccata (Il Transilvano, 1593)

MARTINO PESENTI (c.1600-c.1648)
20 Suite di danze (Il primo libro delli correnti alla francese, 1635)

Fabio Bonizzoni, cravo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Bonizzoni argumentando com seu cravo

Bonizzoni argumentando com seu cravo

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Vários compositores: Venezia Stravagantissima – Dances, Canzonas, and Madrigals, 1550-1630

Um bom disco de música antiga, trecho da história da música ao qual o blog não tem se dedicado com muita frequência. É uma bela reunião de compositores da cidade em obras compostas entre 1550 e 1630, quando PQP Bach não tinha ainda nascido. É um belo retrato do que faziam os contemporâneos de Monteverdi. Recomendo o CD sem nenhuma hesitação. O grupo de Sempe é uma perfeição só, mas mesmo assim dá saudades de David Munrow!

Vários compositores: Venezia Stravagantissima – Dances, Canzonas, and Madrigals, 1550-1630

Incerto, Antonio
1 The Funerals- 00:04:29
2 Il primo libro de balli: Pass’e mezzo Moderno- 00:04:18

Guami, Gioseffo
3 Canzon No. 24 a 8- 00:02:50

Vecchi, Orazio
4 Mostrav’ in ciel- 00:01:57

Mainerio, Giorgio — Il primo libro de balli (excerpts)- 00:09:09
5 Tedesca e Saltarello 00:02:43
6 Pass’e mezzo Antico 00:04:09
7 Pass’e mezzo della Paganina e Saltarello 00:02:17

Picchi, Giovanni
8 Intavolatura di balli: Ballo alla Polacha- 00:01:50

Canale, Floriano
9 Canzoni da sonare, Book I: Canzona, “La Balzana a 8”- 00:03:20

Vecchi, Orazio
10 Gioite tutti in suoni- 00:02:48

Mainerio, Giorgio
11 Il primo libro de balli: Ballo Anglese e Saltarello- 00:03:21

Lappi, Pietro
12 Canzona, “La Negrona”- 00:02:53

Zanetti, Gasparo
13 Intrada del Marchese di Caravazzo- 00:02:00

Gabrieli, Giovanni
14 Canzon II- 00:02:35

Picchi, Giovanni
15 Intavolatura di balli: Ballo Ongaro- 00:02:04

Vecchi, Orazio
16 So ben mi ch’ha bon tempo- 00:09:52

Guillemette Laurens
Capriccio Stravagante
Skip Sempe

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Veneza em 1500, pintura de Gentile Bellini

Veneza em 1500, pintura de Gentile Bellini

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Utopia Triumphans: The Great Polyphony of the Renaissance – Paul van Nevel, Huelgas Ensemble SONY 1995

O bom filho à casa torna. Para comemorar o Retorno do Chucruten, um CD primoroso que exalta a complexidade da harmonia e do contraponto na idade de ouro da polifonia, a Renascença.

Não é exagero dizer que, uma vez que a música se libertou dos grilhões monofônicos do cantochão, literalmente se esbaldou de sobrepor vozes. Nunca haviam comido mel, então, claro, se lambuzaram todos. E o resultado é, além de curioso, também incrivelmente convincente: motetos de 13, 16, 24 e até 40 vozes, cada uma com linhas melódicas distintas, criam um cluster harmônico que causam a impressão singular de estar diante de uma música ao mesmo tempo imemorial e moderna, extremamente antiga e nova: sensação de eternidade.

O moteto Qui Habitat de Josquin desPrez é uma das pérolas deste disco, 24 vozes que se sobrepõe, uma a uma, causando um curioso padrão de interferência sonoro de resultantes harmônicas e rítmicas. E, o carro-chefe do disco, o Spem in Allium de Thomas Tallis: 40 vozes. Um professor de música colega meu, que não conhecia a obra, ouviu-a numa instalação artística em Inhotim-MG, e achou ser uma peça contemporânea!

Utopia Triumphans

Thomas Tallis: Spem in alium
Constanzo Porta: Sanctus – Agnus Dei
Josquin Desprez: Qui habitat
Jean de Ockeghem: Deo gratias
Pierre de Manchicourt: Laudate Dominum
Giovanni Gabrieli: Exaudi me Domine
Alessandro Striggio: Ecce beatam lucem

Huelgas Ensemble – Paul van Nevel

BAIXAR AQUI
Arquivo FLAC, 230Mb

CHUCRUTEN

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Giovanni Gabrieli (1557-1612) – The Canzonas and Sonatas from Sacrae Symphoniae (1597)

Vamos à Renascença! Caminhemos pela Itália. Como estou com preguiça para escrever, peguei o texto da wikipédia:

Giovanni Gabrieli foi um músico veneziano que viveu entre 1557 e 1612. Em sua juventude permaneceu por quatro anos na corte de Munique, em contato com Orlando di Lasso, mas em 1585, quando seu tio Andrea Gabrieli foi indicado organista da Basílica de São Marcos, em Veneza, Giovanni foi escolhido como seu auxiliar no segundo órgão, e permaneceu neste cargo até a morte do tio, quando assumiu o posto de organista principal, conservando-o por toda a vida. Em 1593, em colaboração com seu tio, publicou algumas Intonazione d’Organo, compreendendo pequenos prelúdios de caráter semi-improvisado, para serem usados em várias partes do serviço religioso. Mas foi com o aparecimento de 14 Canzone, duas Sonate e das Sacrae Symphoniae, em 1597, que ele deixou um marco na história da música italiana. Além de sua qualidade intrínseca estas obras trazem inovações no método de impressão de música, com indicações precisas de dinâmica e de instrumentação [grifo meu]. Outra coleção de Canzone e Sonate veio a público em 1615. Sua música pertence ao período de transição entre o renascimento e o barroco. Mostra ainda alguns traços do período anterior, valendo-se do estilo de escrita para vários coros simultâneos, que já era uma tradição na Basílica, mas com inédita riqueza de timbres e cores sonoras e efeitos antifonais estereofônicos, e que constituiu o ápice do gênero em Veneza. Também foi um dos primeiros venezianos a utilizar o recurso do baixo contínuo, que daria uma feição característica a todo o barroco posterior. Em termos de inovações formais, tomou o antigo modelo da chanson polifônica francesa mas o organizou em torno de um motivo recorrente que, à maneira de refrão, é intercalado entre passagens variadas. Com ele a versão italiana da chanson tornou-se uma forma plenamente autônoma e impregnada de um espírito renovado. Boa apreciação!

Giovanni Gabrieli (1557-1612) – The Canzonas and Sonatas from Sacrae Symphoniae (1597)
1. Canzon duodecimi toni a 10
2. Canzon primi toni a 8
3. Canzon primi toni a 10
4. Toccata quinti toni
5. Canzon duodecimi toni a 10
6. Canzon quarti toni a 15
7. Canzon duodecimi toni a 10
8. Toccata
9. Sonata pian’ e forte a 8, alla bassa
10. Canzon septimi toni a 8
11. Toccata
12. Canzon septimi toni a 8
13. Canzon in echo duodecimi toni a 10
14. Canzon duodecimi toni a 8
15. Canzon in echo duodecimi toni a 10
16. Canzon septimi et octavi toni a 12
17. Sonata octavi toni a 12
18. Canzon in echo duodecimi toni a 10, per concertar con l’organo
19. Intonazione noni toni
20. Canzon noni toni a 8
21. Canzon noni toni a 12

His Majestys Sagbutts and Cornetts
Timothy Roberts

BAIXAR AQUI

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Quel lascivissimo cornetto – Virtuoso solo music for cornetto

Um excelente CD da Access com a rara música para cornetto. O cornetto é um instrumento a respeito do qual podemos dizer que fica entre o trompete e a flauta… Coloco uma foto aí embaixo para que vocês possam conhecê-lo ou reconhecê-lo. Olha, o Sr. Dickey aí do disco é um grande virtuose e faz um trabalho espetacular sobre a música da Renascença e o cornetto. Um show de bola e um grande disco. Muitas das obras apresentadas são transcrições. Tenho esta gravação em vinil e o estranho é que o conjunto que acompanha o “cornetista” atendia antes pelo nome de Tragicomedia.

Acho sempre estranhos estes grandes virtuoses de instrumentos quase mortos, mas eles existem e Bruce Dickey é um deles. Lembro de uma parábola de Kafka em que um faquir bate todos os recordes de fome mas não tem forças para dizer a ninguém que conseguiu…

Quel lascivissimo cornetto – Virtuoso solo music for cornetto

Ph Cornetto1. Tarquinio Merula: Sonata prima per violino ò cornetto e basso
2. Cipriano da Rore: Angelus ad pastores, motetto passeggiato da Giovanni Battista Bovicelli
3. Andrea Gabrieli: Caro dolce ben mio, madrigale passeggiato da Giovanni Bassano
4. Girolamo Frescobaldi: Canzona seconda detta la Bernadinia per canto solo
5. Frescobaldi: Canzona quintadecima detta la Lievoratta per due bassi
6. Frescobaldi: Canzona decimanona detta la Capriola per canto e basso
7. Giovanni Palestrina: Io son ferito ahi lasso, madrigale passeggiato da Bovicelli
8. Thomas Crecquillon: Onques amour, chanson à 5
9. Crecquillon: Onques amour, chanson passeggiato da Bassano
10. Giovanni Battista Fontana: Sonata seconda
11. Palestrina: Pulchra es amica mea, motetto passeggiato da Francesco Rognoni Taeggio
12. Crecquillon: Petite fleur, chanson à 5
13. Crecquillon: Petite fleur, chanson passeggiato da Girolamo Dalla Casa
14. Nicolaus à Kempis: Sonata per violino solo

Bruce Dickey (cornetto)
Stephen Stubbs (chitarrone, viheula)
Erin Headley (viola da gamba)
Andrew Lawrence-King (double harp, renaissance harp, organ)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!