Francesco Geminiani (1687-1762): Sonatas para Violoncelo e Baixo Contínuo

Bruno Cocset é daquele gênero de artista que faz não apenas música historicamente informada como é cheio de balanço, malemolência, harmonia, ritmo, eufonia, sonoridade e todos os sinônimos de musicalidade. O som de seu violoncelo é lindo, redondo e confortante. É dele a melhor gravação das Suítes para Violoncelo Solo de Bach, creio. Aqui ele volta a nos dar belíssimas versões para Sonatas de Geminiani em lindo CD da impecável Alpha.

Já Geminiani, italiano de Luca, é um compositor meio obscuro, mas do qual tudo o que ouvi é muito bom. Nosso caríssimo Gemini era um humanista do mais alto calibre. Era um intelectual interessado em todo o gênero de arte. Foi aluno dos grandes Alessandro Scarlatti e Arcangelo Corelli na Itália. A partir de 1711, foi maestro em Nápoles. Em 1714, foi a Londres para dar concertos como violinista e nunca mais voltou. Em 1715, apresentou-se em duo com Händel diante do rei Jorge I. Na Inglaterra, compôs muito e deu muita aula, além de reunir extensa coleção de obras de arte.

Francesco Geminiani (1687-1762): Sonatas para Violoncelo e Baixo Contínuo

Sonate III En Do Majeur
1 Andante 1:53
2 Allegro 4:19
3 Affetuoso 3:01
4 Allegro 2:37
Sonate XI Opus I (1716)
5 Vivace 2:34
6 Affetuoso 2:29
7 Allegro 3:09
Sonate II En Ré Mineur
8 Andante 2:17
9 Presto 2:28
10 Adagio 0:46
11 Allegro 4:14
Sonate I En La Majeur
12 Andante 1:51
13 Allegro 3:11
14 Andante 0:41
15 Allegro 3:14
“Tendrement” Pour Clavecin
16 Tendrement 3:54
Sonate V En Fa Majeur
17 Adagio 0:37
18 Allegro Moderato 1:18
19 Adagio 3:13
20 Allegro 1:44
Sonate IV En Si Bémol Majeur
21 Andante 0:22
22 Allegro Moderato 2:57
23 Grave 0:41
24 Allegro 0:53
“Tendrement” Pour Ténor De Violon, Violoncelle Et Basse
25 Tendrement 3:35
Sonate VI En La Mineur
26 Adagio 0:40
27 Allegro Assai 3:07
28 Grave 0:28
29 Allegro 4:14

Cello – Bruno Cocset
Contrabass – Richard Myron
Ensemble – Les Basses Réunies
Harpsichord – Bertrand Cuiller
Theorbo – Luca Pianca
Violin [Tenor] – Bruno Cocset
Conductor – Bruno Cocset

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Gemini, gemini, geminiano(i) / Este ano vai ser o seu ano / Ou se não, o destino não quis

Gemini, gemini, geminiano(i) / Este ano vai ser o seu ano / Ou se não, o destino não quis

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

22º Festival de Música de Juiz de Fora: Jean-Philippe Rameau (1683-1764) + Francesco Geminiani (1687-1762) + José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (1746-1805): Acervo PQPBach

22%c2%ac%e2%88%ab-festival-internacional-de-mua%cc%83a%cc%8asica-colonial-brasileira-e-mua%cc%83a%cc%8asica-antiga-de-juiz-de-fora22º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora
2011

Com instrumentos de época. On period instruments.

Repostagem com novos e atualizados links.

Referida nos catálogos de composições do mulato mineiro José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (1746?-1805), por Maria da Conceição de Resende Fonseca (n.5) e por Maria Inês Guimarães (n.6), esta obra foi impressa na série Patrimônio Arquivístico – Musical Mineiro (n.3), a partir de sua única fonte conhecida: uma cópia de Hermenegildo José de Sousa Trindade (1806-1887), pertencente à Orquestra Lira Sanjoanense (São João Dei-Rei – MG). Destinada a uma cerimônia religiosa setecentista, seu texto latino invoca a intermediação de Nossa Senhora em nossa conexão com Deus. No Breviário Romano, Beata Mater é a Antífona do Magnificat para as comemorações de Nossa Senhora, mas o compositor utilizou uma versão do texto dividido em duas seções, com o acréscimo da doxologia Gloria Patri, o que lhe confere a incomum estrutura responsorial, talvez indicando algum uso paralitúrgico da obra.

Escrita para quatro vozes, violinos I e II, viola, baixo, trompas I e II, a obra utiliza uma textura homofônica, alternando solos, duos e tutti, como era habitual nos compositores mineiros da segunda metade do século XVIII, porém no Intercede pro nobis ad Dominum, a seção mais longa da peça, o autor emprega um discurso mais desenvolvido, com tendências polifônicas e repetição contínua dessa pequena frase latina. Na doxologia Gloria Patri, que desempenha a função de Verso, o compositor utilizou apenas o duo de soprano e contralto, acompanhado de maneira bastante simples e com o convencional caráter de seção contrastante. Esse Gloria Patri, no entanto, pode ter sido uma inclusão de outro compositor no século XIX, possivelmente o próprio Hermenegildo José de Sousa Trindade, que também acrescentou partes de flauta e clarineta ao conjunto instrumental, partes que não foram utilizadas na edição dessa obra.

Na atualidade, e fora do ambiente litúrgico, obviamente esquecemos a função religiosa que esta composição pode ter desempenhado, ou seja, a função de um elemento que, integrado em um ritual, era capaz de nos religar à vida. Essa religação foi necessária desde que os seres humanos começaram a dividir as tarefas práticas dos seus grupos sociais, há milhares de anos, e a gastar nelas mais tempo e energia do que nos aspectos imateriais da vida, como o pensamento, o sentimento e a vontade. Manifestas em sonhos, medos, tendências psíquicas, angústias e alegrias, por mais que fossem reprimida em nome das tarefas cotidianas, tais particularidades da vida ressurgiam e invadiam o ser humano, além de seu controle. Por isso, foram divinizadas, adoradas como aspectos exteriores ao cotidiano, remetidas para um lugar inacessível acima de nossas cabeças (Céu, Olimpo, Sinai, astros) e denominadas ‘espirituais’ (do latim spiritus, sopro), ou seja, intangíveis, imateriais. Assim, os antigos conceberam o sopro como o portador da vida, capaz, portanto, de expressar-se em som, voz, palavra, nome e música.

Entre os interesses que existem na revitalização da música antiga e na discussão de sua função no presente, estão o contato com um repertório que, séculos atrás, de alguma maneira ajudava o ser humano a se religar aos aspectos imateriais da vida, reprimidos em nome das tarefas cotidianas, além da real possibilidade de que essa música possa nos ajudar a fazer o mesmo na atualidade. Interessante notar que essa função existia não apenas na música feita para os templos, mas também nas sonatas, óperas, concertos e sinfonias, desde que a sociedade leiga assumiu a tarefa de também fazer o que anteriormente apenas as igrejas faziam. Sempre que o ideal de religação foi posto em prática, o belo manifestou-se de alguma maneira e nosso interesse por esse belo pode agora nos proporcionar nova religação. Mas o belo não é produzido pela indústria e nem comprado em lojas, o belo é uma manifestação da vida criadora em nome da própria vida. Apenas consumir esse repertório, em lugar de procurar nele algo realmente belo, é perder a oportunidade de religação e, novamente, separar-se da vida.

Obviamente, uma grande parte da música que precedeu o século XX foi destinada às elites, portanto sem beneficiar a maior parte da população de seu tempo e, conseqüentemente, bela apenas em sua forma e não totalmente em sua função. Mas deixar de usar esse repertório no presente, apenas porque foi vetado à maior parte dos homens do passado é, no mínimo, um desperdício: seria o mesmo que eliminar dos dias atuais a escrita, por ter sido esse o meio de comunicação usado pelas antigas elites para a repressão popular. A vida que necessita cuidado não é mais a do passado, porém a do presente e, para isso, são válidos todos os meios hoje disponíveis, desde que realmente estejam a serviço da vida (de toda a vida) e não mais de sua repressão. Cabe-nos, portanto, recriar o belo, não apenas da forma, mas principalmente de sua função.

Cravista Profa. Beatrice Sterna

Cravista Profa. Beatrice Sterna

A Antífona ou Responsório Beata Mater, de Lobo de Mesquita, pode estar distante de sua função original, mas como toda obra antiga, guarda um resquício de sua beleza, ou de sua capacidade de religação que, por meio da edição contemporânea e de uma interpretação tão sensível e cuidadosa, como a da Orquestra Barroca do XXII Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora, pode ser ao menos parcialmente revitalizada, provocando-nos novamente algum efeito de ‘suspensão da cotidianidade’, como a esse fenômeno se referiu Michel Maffesoli.

Ouvir hoje Lobo de Mesquita é tomar contato com um recurso criado para desempenhar uma importante função de religação com a vida, ainda que a ignorância humana tenha somado a essa tarefa a repressão social, o patrulhamento cultural e a ditadura religiosa. Se realmente tivermos a finalidade de fazer no presente esse tipo de conexão com a vida, qualquer meio será válido. E se colocarmos essa intenção na pequena Beata Mater, ela deixa de ser uma mera sequência de notas, uma velha partitura, um agente de repressão, um novo item de catálogo, um recente trabalho ou mais um produto, para se tornar uma oportunidade de contato com a vida que está acima das tarefas repetitivas do nosso cotidiano. Em outras palavras: a mais pura espiritualidade, comum a qualquer cristão, judeu, muçulmano, budista, ateu, músico ou pessoa comum. Ouvir Lobo de Mesquita para religar-se à nossa vida é conectar-se, por meio de Lobo de Mesquita, à vida que há em cada um de nós.

(Paulo Castagna, extraído do encarte)

Orquestra Barroca
Jean-Philippe Rameau (France, 1683-1764)
01. Suite extraída da ópera “Hypollite et Aricie” 1. Ouverture
02. Suite extraída da ópera “Hypollite et Aricie” 2. Premier air
03. Suite extraída da ópera “Hypollite et Aricie” 3. Deuxième air
04. Suite extraída da ópera “Hypollite et Aricie” 4. Premiere air infernal
05. Suite extraída da ópera “Hypollite et Aricie” 5. Deuxième air de furies
06. Suite extraída da ópera “Hypollite et Aricie” 6. Air des Matelots I et II
07. Suite extraída da ópera “Hypollite et Aricie” 7. Rigaudon I et II
08. Suite extraída da ópera “Hypollite et Aricie” 8. Chaconne
09. Suite extraída do ballet “Pygmalion” 1. Ouverture
10. Suite extraída do ballet “Pygmalion” 2. Air / Gavotte / Chaconne / Loure / Passepied / Rigaudon
11. Suite extraída do ballet “Pygmalion” 3. Sarabande
12. Suite extraída do ballet “Pygmalion” 4. Tambourin
13. Suite extraída do ballet “Pygmalion” 5. Pantomime I et II
Francesco Geminiani (Itália, 1687-Irlanda, 1762)
14. Concerto Grosso em ré menor, nº 3 op. 3 – 1. Adagio e stacatto – allegro
15. Concerto Grosso em ré menor, nº 3 op. 3 – 2. Adagio
16. Concerto Grosso em ré menor, nº 3 op. 3 – 3. Allegro
17. Concerto Grosso em ré menor, nº 4 op. 3 – 1. Largo e stacatto
18. Concerto Grosso em ré menor, nº 4 op. 3 – 2. Allegro – largo – allegro
19. Concerto Grosso em ré menor, nº 4 op. 3 – 3. Vivace
José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (Vila do Príncipe, hoje Serro, MG, 1746- Rio de Janeiro, 1805)
20. “Beata Mater”, antífona do Magnificat

22º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora – 2011
Orquestra Barroca, Maestro Luis Otávio Santos

.
2jcbrlsBAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 354,1 MB |

.
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 155,6 – 59,9 min
powered by iTunes 10.7

 

Um CD do acervo do musicólogo Prof. Paulo Castagna. Não tem preço !!!

Boa audição.

mc598w

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Alessandro Scarlatti / Górecki / C.P.E. Bach / Geminiani / Reich / J.S. Bach: Time Present And Time Past

IM-PER-DÍ-VEL !!!

CD belíssimo, absolutamente notável e anormal — às vezes parece até uma tese — deste brilhante facefriend que sofre de insônia e que, para relaxar, costuma postar gravações suas feitas a partir de seu iPhone, dando belas explicações sobre cada obra que está estudando… É uma insônia muito produtiva! O multipremiado Mahan Esfahani recebeu todos os prêmios de melhor CD de música barroca de 2014 por suas interpretações das Württemberg Sonatas, de C.P.E. Bach e pelo visto vai de novo com este Time Present and Time Past. Um outro amigo resumiu bem no Facebook o que é este CD:

Muito foda. A seleção do repertório é tão brilhante quanto a interpretação. Fazer-nos escutar o concerto de Bach sobre Vivaldi com uma cadenza de Brahms depois de Reich e Górecki foi um achado. Longa vida ao garoto!!!

Sim, o disco alterna obras barrocas e modernas e… a gente acha natural e que têm tudo a ver. Longa vida a Mahan Esfahani e que possamos ver até onde ele vai chegar. É um cara talentosíssimo, comunicativo e que quebra inteiramente a distância entre si e seu público. Acho que está identificado o Gustav Leonhardt de nosso tempo. Abaixo, ele improvisa com extraordinário talento sobre a Fantasia (sem a fuga) Cromática de Bach.

Alessandro Scarlatti / Górecki / C.P.E. Bach / Geminiani / Reich / J.S. Bach:
Time Present And Time Past

Alessandro Scarlatti
01 06:27 VARIATIONS ON “LA FOLLIA”

Henryk Górecki — HARPSICHORD CONCERTO, OP. 40
02 04:25 1. ALLEGRO MOLTO
03 04:07 2. VIVACE

Carl Philipp Emanuel Bach
04 07:14 12 VARIATIONS ON “LA FOLIA D’ESPAGNE” IN D MINOR, WQ. 118, NO. 9 –

Francesco Geminiani
05 11:45 CONCERTO GROSSO IN D MINOR

Steve Reich
06 16:37 PIANO PHASE FOR TWO PIANOS

Johann Sebastian Bach — HARPSICHORD CONCERTO IN D MINOR, BWV 1052
07 07:49 1. ALLEGRO
08 06:38 2. ADAGIO
09 08:25 3. ALLEGRO (CADENZA: JOHANNES BRAHMS)

G. F. Handel
10. 05:15 Handel Chaconne In G Major For Harpsichord. HWV 435

Mahan Esfahani, cravo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Mahan Esfahani após dizer que sua 'big mouth' tinha dito bobagens numa entrevista à BBC

Mahan Esfahani após dizer que sua ‘big mouth’ tinha dito bobagens numa entrevista à BBC.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Guia dos Instrumentos antigos 7/8 – Estilo concertante / Nos tempos de Luís XV

ES-PE-TA-CU-LAR !!!

Livro com oito CDs fenomenalmente cedido pelo internauta Camilo Di Giorgi! Não tem preço!!!

Os arquivos foram todos renomeados e o livro tem o texto reconhecível graças ao trabalho do Igor Freiberger! Mais uma contribuição impagável!

Tem na Amazon: aqui.

Amados, o sono e o adiantado da hora não me permitirão tecer todos os elogios que esse volume merece, então serei breve.

O CD com as música do estilo concertante é de uma elegância ímpar. E desta vez temos como figurões os compositores Händel e Rameau e uma pequena constelação de artistas primorosos, assim como os músicos que executam as peças. Lindo!

O archiluth e a teorba na página 54 do livro.

AGUARDEM! Amanhã, o último Cd e o Livro completo.

Ouça! Leia! Estude! Divulgue e… Deleite-se!

Guide des Instruments Anciens – CD7
Estilo concertante / Nos tempos de Luís XV

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE – PQPShare 182b

Como assim você ainda não viu os outros Cds desse livro? Veja aqui, entre nas páginas e aproveite: CD1CD2, CD3, CD4, CD5 e CD6. Ouça!

Tão bom quando vocês comentam… Pode comentar, pessoal!

– Engraçado que eu só sinto frio na frente, mas só de encostar essa alaúde já esquenta…

Avicenna & Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Vários compositores barrocos: An Excess Of Pleasure / The Winged Lion (com o Palladian Ensemble)

Este é realmente um bom CD duplo. Trata-se da reedição de dois discos do Palladian, de 1993 e 1994. Essas gravações receberam vários prêmios (incluindo dois Diapason d’Or, um para cada CD) e soam hoje tão sensacionais quanto quando de seu lançamento.

É música do século XVII. O primeiro CD recebe o curioso nome de An Excess Of Pleasure e apresenta obras de compositores ingleses e italianos que viveram e trabalharam na Inglaterra ou que venderam obras para ingleses. A música é excelente — alguns dos compositores são muito famosos, como Vivaldi ou Purcell. O segundo é uma coleção veneziana de nome ainda mais estranho — The Winged Lion — ,mas afirmo-lhes que tudo é bom demais.

Vários compositores barrocos: An Excess Of Pleasure / The Winged Lion

An Excess Of Pleasure (CD 1)

Marco Uccellini (1603-1680)
Aria Sopra La Bergamasca
Nicola Matteis (fl. 1670)
Ayres for the Violin: Aria Sagnuola A Due Corde · Diverse Bizzarie Sopra La Vecchia Sarabanda o pur Ciaconna
Matthew Locke (1621/2-1677)
Broken Consort In D: Pavan · Ayre · Galliard · Ayre · Saraband
Christopher Simpson (c.1605-1669)
Divisions Of John Come Kiss Me Now
John Blow (1649-1708)
Sonata In A: Slow · Untitled · Brisk
Biagio Marini (c.1587-1663)
Sonata
Anon (c.1660)
Ciaconna
Franceso Geminiani (1687-1762)
Scots Airs: Auld Bob Morrice · Lady Ann Bothwell’s Lament · Sleepy Body
Nicolas Matteis
Ayres For The Violin: · Andamento Con Divisione · Aria · Grave · Ground In D, La Sol Re Per Fa La Mano
Henry Purcell (1659-1695)
Two In One Upon A Ground
Nicola Matteis
Bizzarie All’imor Scozzeze

The Winged Lion (CD2)

Dario Castello (fl. 1620)
Sonata Duodecima
Giovanni Battista Vitali (1632-1692)
Ciaconnna
Marcelo Uccelini (1603-1680)
Sonata Quarto
Antoni Vivaldi (1676-1741)
Concerto in F major RV 100 · Allegro · Untitled · Allegro
Giovanni Battista Buonamente (d.1642)
Suite (Book III 1626)
Gagliarda Seconda · Corrente terza e quarta · Brando terza · Avanti il Brando · Brando Quarto
Franceso Cavalli (1607-1676)
Canzon
Santiago De Murcia (fl..1700)
El Amor · La Jota
Franceso Turini (1589-1656)
Sonata a tre
Antonio Vivaldi
Concerto in D major RV.84: Untitled · Largo · Allegro
Marco Uccelini
Aria undecima detta ‘Il Caporal Simon’ · Aria decimaquarta ‘la mia pedrina’ · Aira decimaquinta sopra ‘le scatola da gli ogghi’

Palladian Ensemble

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Palladian Ensemble

Palladian Ensemble

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Francesco Geminiani (1687-1762): La Folia, Trio e Concerti Grossi

Eu tenho uma cordial discordância com meu irmão FDP Bach. Julgo Albinoni um compositor de segunda ou terceira linha e estaria disposto a colocar Geminiani no lugar de destaque ocupado pelo Albinoni que desprezo… Não haverá mortes tampouco agressões em nossa discussão, ela será um dia finalizada numa Oktoberfest em Blumenau com os dois bêbados, rindo muito. Pois tais discussões servem apenas como pretexto para encontros. Detalhe: não conheço FDP Bach pessoalmente.

Ah, são dois CDs. Ambos muito bons!

Geminiani: La Folia e Trios

Trio Sonata for violin, violone (or 2 violins) & continuo No. 9 (aka “No. 3”) in F major, Op. 1/9
1 Largo 3:16
2 Andante 2:12
3 Allegro 3:23
4 Concerto Grosso, for 2 violins, strings & continuo No.12 in D minor (“La Follia”; after Corelli Op. 5/12) 10:53

Trio Sonata for violin, violone (or 2 violins) & continuo No. 3 in Eminor, Op. 1/3
5 Adagio – Allegro – Adagio 1:36
6 Tempo giusto – Adagio 1:32
7 Allegro 2:44

Trio Sonata for violin, violone (or 2 violins) & continuo No. 11 (aka “No. 5”) in A minor, Op. 1/11
8 Spiritoso 1:40
9 Andante 2:05
10 Allegro 2:27

Trio Sonata for violin, violone (or 2 violins) & continuo No. 12 (aka “No. 6”) in D minor, Op. 1/12
11 Andante 2:02
12 Allegro 2:09
13 Allegro 2:05

Sonata for violin & continuo No. 12 in A major, Op. 4/12
14 Adagio – Presto 1:53
15 Presto 1:38
16 Presto 1:20

Concerto Grosso, for 2 flutes, bassoon, 2 violins, viola, cello, strings & continuo in D minor, Op. 7/2
17 Grave – Allegro 4:16
18 Andante 1:24
19 Allegro 3:03

The Purcell Quartet
The Purcell Band

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE


Francesco Geminiani (1687-1762) – Concerti Grosso, Op. 2, No.1-6, Op.3, Nos. 1-4

Concerto Grosso in C minor, Op. 2 No. 1
01. Andante
02. Allegro
03. Adagio
04. Allegro

Concerto Grosso in C minor, Op. 2 No. 2
05. Adagio
06. Allegro
07. Adagio
08. Allegro

Concerto Grosso in D minor, Op. 2 No. 3
09. Presto
10. Adagio
11. Allegro

Concerto Grosso in D major, Op. 2 No. 4
12. Andante
13. Allegro
14. Andante
15. Allegro

Concerto Grosso in D minor, Op. 2 No. 5
16. Adagio
17. Allegro
18. Andante
19. Allegro

Concerto Grosso in A major, Op. 2 No. 6
20. Andante
21. Allegro-Grave
22. Allegro

Concerto Grosso in D major, Op. 3 No. 1
23. Adagio
24. Allegro
25. Adagio
26. Allegro

Concerto Grosso in G minor, Op. 3 No. 2
27. Largo e staccato
28. Allegro
29. Adagio
30. Allegro

Concerto Grosso in E minor, Op. 3 No. 3
31. Adagio e staccato
32. Allegro
33. Adagio
34. Allegro

Concerto Grosso in D minor, Op. 3 No. 4
35. Largo e staccato
36. Allegro
37. Largo
38. Vivace

Capella Istropolitana
Jaroslav Krecek

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

“É óbvio que sou muito mais compositor do que este coitado do Albinoni!”.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Francesco Geminiani (1687-1762) – Concerti Grossi

Ninguém mais suportava a ausência de Geminiani neste blog. As pressões eram demasiadas e fui obrigado a me curvar.

Mas, falando sério, gosto muito deste aluno de Corelli, cuja notícia bibliografica coloco abaixo. Sua música é agradável e, desde algumas antigas gravações de Hogwood, passei a admirar Geminiani, principalmente quando interpretado em instrumentos originais e sob uma orquestra com tesão como a Tafelmusik de Jeanne Lamon.

Francesco Geminiani nasceu em Lucca (Itália), em dezembro de 1687. Aluno de Corelli em Roma, foi, ao que parece, um virtuose extraordinário. Mas o seu estilo exuberante poderia parecer excêntrico se tomássemos como referência o nobre classicismo do seu professor. A grande vivacidade de seu temperamento, a falta de compasso, fecharam-lhe as portas da carreira de mestre de capela (perdeu a direção da Ópera de Nápoles, cujos músicos não conseguiam acompanhar a sua batuta fantasista).

Em 1714, fixou-se na Inglaterra, onde se apresentou com grande êxito, acompanhado por Händel. Entre 1733 e 1740 viveu em Dublin, numa casa magnífica anexa a uma sala de concertos. Aí recebia os seus alunos e dava concertos privados. Durante o resto do tempo viveu em Londres até 1749. Instalou-se então, em Paris, onde montou nas Tulherias, uma peça fantástica espetacular, La forêt enchantée (31 de março de 1754). Em 1755, voltou para Londres e Dublin (Irlanda), onde Geminiani morreu 17 de setembro de 1762.

Geminiani aperfeiçoou consideravelmente a técnica do violino. Não só tocava com à-vontade as obras de Corelli que, na época, eram consideradas difíceis, como acumulava ousadias técnicas nas suas próprias obras. Entre as suas obras teóricas encontra-se um tratado de uma importância considerável, uma vez que encontramos nele todos os princípios da técnica moderna do violino, A arte de tocar o violino: esta obra, escrita em inglês, faz dele o mestre da escola britânica de violino.

Todavia, nas suas composições, é muito menos original do que os seus grandes contemporâneos italianos, nomeadamente Vivaldi ou Tartini. Permaneceu fiel à antiga forma da sonata de igreja que Corelli lhe ensinara, mas sem nunca ter atingido a perfeição e o esplendor das obras de seu mestre. Escreveu 42 sonatas para violino, 18 concertos para violino, concertos grossos, trios, peças para cravo (arranjos de concertos) e 7 obras teóricas.

(Retirado daqui.)

P.Q.P. Bach.

1. Concerto Grosso In D Minor, Op. 2, No. 3: I – Presto
2. Concerto Grosso In D Minor, Op. 2, No. 3: II – Adagio
3. Concerto Grosso In D Minor, Op. 2, No. 3: III – Allegro

4. Concerto Grosso In C Minor, Op. 2, No. 1: I – Andante
5. Concerto Grosso In C Minor, Op. 2, No. 1: II – Allegro
6. Concerto Grosso In C Minor, Op. 2, No. 1: III – Adagio
7. Concerto Grosso In C Minor, Op. 2, No. 1: IV – Allegro

8. Concerto Grosso In A Major, Op. 2, No. 6: I – Andante
9. Concerto Grosso In A Major, Op. 2, No. 6: II – Allegro
10. Concerto Grosso In A Major, Op. 2, No. 6: III – Allegro

11. Concerto Grosso In C Minor, Op. 2, No. 2: I – Adagio
12. Concerto Grosso In C Minor, Op. 2, No. 2: II – Allegro
13. Concerto Grosso In C Minor, Op. 2, No. 2: III – Adagio
14. Concerto Grosso In C Minor, Op. 2, No. 2: IV – Allegro

15. Concerto Grosso In D Major, Op. 2, No. 4: I – Andante
16. Concerto Grosso In D Major, Op. 2, No. 4: II – Allegro
17. Concerto Grosso In D Major, Op. 2, No. 4: III – Adagio
18. Concerto Grosso In D Major, Op. 2, No. 4: IV – Allegro

19. Concerto Grosso In D Minor, Op. 2, No. 5: I – Grave
20. Concerto Grosso In D Minor, Op. 2, No. 5: II – Allegro
21. Concerto Grosso In D Minor, Op. 2, No. 5: III – Adagio
22. Concerto Grosso In D Minor, Op. 2, No. 5: IV – Allegro

23. Concerto Grosso In C Major After Corelli, Op. 5, No. 3: I – Adagio
24. Concerto Grosso In C Major After Corelli, Op. 5, No. 3: II – Allegro
25. Concerto Grosso In C Major After Corelli, Op. 5, No. 3: III – Adagio
26. Concerto Grosso In C Major After Corelli, Op. 5, No. 3: IV – Allegro

27. Concerto Grosso In G Minor After Corelli, Op. 5, No. 5: I – Adagio
28. Concerto Grosso In G Minor After Corelli, Op. 5, No. 5: II – Vivace
29. Concerto Grosso In G Minor After Corelli, Op. 5, No. 5: III – Adagio
30. Concerto Grosso In G Minor After Corelli, Op. 5, No. 5: IV – Allegro

Tafelmusik – Jeanne Lamon

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!