Leos Janácek (1854-1928): String Quartet Nº 2 ‘Intimate Letters’ / Pavel Haas (1899-1944): String Quartet Nº 2 ‘From The Monkey Mountain’

O Quarteto Pavel Haas é realmente notável. Grande entendimento, excelentes gravações e uma escolha de repertório de irretocável bom gosto. Mas sei alguma coisa sobre as relações  de poder dentro de um quarteto e sempre dou risadas ao ver, pelas fotos, que há sempre mudanças no segundo violino. A loira Veronika Jarůšková é o primeiro violino e chefona desde sempre. O primeiro violoncelista do conjunto saiu por incompatibilidade de gênios (sei) e o maridão Peter Jarůšek assumiu o lugar dele. A história do segundo violino é complicada, eles já estão no quarto nome, um homem chamado Marek Zwiebel. Já o violista é estável… Como este é o primeiro disco do Haas (2006), a moça da foto acima é Kateřina Gemrotová, a primeira segunda-violinista. Bem, este é um baita CD, viram? As “Cartas Íntimas” de Janácek é uma preferência absoluta desde que vos escreve. O Quarteto de Haas é fantástico — o cara justifica a homenagem de dar nome a este grande quarteto de cordas brigão.

Leos Janácek (1854-1928) – String Quartet No.2 ‘Intimate Letters’
01. I. Andante
02. II. Adagio
03. III. Moderato
04. IV. Allegro

Pavel Haas (1899-1944) – String Quartet No.2 ‘From The Monkey Mountain’
05. I. Landscape (Andante)
06. II. Coach, Coachman And Horse (Andante)
07. III. The Moon And I… (Largo E Misterioso)
08. IV. Wild Night (Vivace E Con Fuoco)

Pavel Haas Quartet

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Pavel Haas Quartet em 2016 -- sempre um(a) novo(a) segundo violino... | Photo: Marco Borggreve

Pavel Haas Quartet em 2016 — sempre um(a) novo(a) segundo violino… | Photo: Marco Borggreve

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Terezín – Theresienstadt – Anne Sofie von Otter – Bengt Forsberg – Christian Gerhaher – Daniel Hope

Terezín_-_Theresienstadt_(Anne_Sofie_von_Otter_album)Este magnífico álbum seria tocante mesmo sem as circunstâncias que, a seguir, passo a lhes descrever – e se o leitor-ouvinte é daqueles que prefere apreciar apenas o que escuta, sem se abalar com circunstâncias extramusicais, sugiro que passe direto ao download.

A fortaleza austro-húngara de Theresienstadt (em tcheco, Terezín), foi criada no século XVIII nas proximidades de Ústí nad Labem, ao norte de Praga. Afora sua função defensiva, também serviu como centro de detenção para prisioneiros políticos, mas foi durante o sombrio período da ocupação alemã da Boêmia (1939-1945) que o nome de Terezín foi definitivamente escrito na História da Infâmia.

"Todos tinham fome" - Liana Frankl, 9 anos

“Todos tinham fome” – Liana Frankl, 9 anos

Depois da anexação do território tcheco dos Sudetos (1938) e de garantir a influência sobre o estado-fantoche da Eslováquia (1939), o Reich transformou o restante do território da então Tchecoslováquia no Protetorado da Boêmia e Morávia, nominalmente autônomo e governado por tchecos colaboracionistas. Na prática, quem mandava no Protetorado era um Reichsprotektor, cargo que coube, entre outros, a dois dos mais truculentos membros dos quadros do Partido Nazista: Richard Heydrich (assassinado em 1943) e Wilhelm Frick (executado em Nürnberg em 1945).

Josef Novak, 7 anos

Josef Novak, 7 anos

Tão logo tomaram as rédeas do poder, os nazistas começaram a esmagar os movimentos de resistência e expulsar os então mais de cem mil judeus tchecos de suas residências. A maior parte deles foi parar na cidadela de Terezín, que rapidamente viu sua população inflar para quase sessenta mil pessoas, amontoadas em condições degradantes e num espaço preparado para receber menos de sete mil. Além dos judeus da Boêmia, Morávia e Eslováquia, Terezín também recebeu deportados da Alemanha, Áustria, Países Baixos e Dinamarca, bem como prisioneiros de outros países.

Helga Weiss, 13 anos

Helga Weiss, 13 anos

Enquanto a fome, o frio e as epidemias ceifavam vidas entre os prisioneiros, o eficiente aparato de propaganda nazista vendia a imagem de Terezín como uma cidade-modelo, em que os judeus viviam em liberdade e celebravam sua cultura dentro do Reich: o emblema de um tratamento humano e respeitoso que era o antônimo exato do que recebiam. Numa ocasião especialmente infame, os nazistas “embelezaram” Terezín para uma inspeção da Cruz Vermelha e para um filme de propaganda, amontoando os prisioneiros famélicos e doentes em galpões para deixar à vista tão só os pouquíssimos internos em estado razoável de saúde. O resultado da medida, no auge de uma epidemia de tifo, foi mortífero.

"Não no gueto" - Dorita Weiser, 9 anos

“Não no gueto” – Dorita Weiser, 9 anos

Com o advento da “Solução Final”, os guetos foram evacuados, e seus moradores, transportados para campos de extermínio. Além das 33.000 mortes devidas às péssimas condições de vida em Terezín, outras 88.000 pessoas que por lá passaram foram levadas para Auschwitz-Birkenau, Treblinka e Sobibor, ao encontro da morte. No total, das mais de 150.000 vítimas do fascismo que viveram em Terezín, menos de 18.000 sobreviveram – entre os quais apenas 240 das 15.000 crianças.

Ella Liebermann, 16 anos

Ella Liebermann, 16 anos

Apesar da extrema dureza da vida no gueto, e dos abusos e censura rigorosa dos nazistas, a vida e a Arte floresceram em Terezín tanto quanto puderam. Artistas deportados continuaram a escrever, compor, pintar e esculpir suas obras. A pintora Friedl Dicker-Brandeis, notavelmente, deu aulas de Pintura e Desenho para muitas crianças, com o intuito de aliviar-lhes a opressão em que viviam. Estes jovens artistas, que em sua maioria encontraram a morte nos anos subsequentes, deixaram para a posteridade um pungente legado que não só descreve melhor do que quaisquer palavras os horrores que presenciaram, mas que também preservou seus nomes para a posteridade. Alguns destes preciosos desenhos, a um só tempo tocantes e perturbadores, ilustram esta postagem.

Ella Liebermann, 16 anos

Ella Liebermann, 16 anos

Sensibilizada com a história de Terezín, a diva sueca Anne Sofie von Otter rodeou-se de colaboradores para produzir este disco, inteiramente devotado a obras compostas por prisioneiros do gueto. Se algumas delas transpiram alegria, serenidade e escracho, é difícil nossas faringes não se apertarem ante a constatação de que a maior parte de seus compositores faleceu em 1944 – o ano da liquidação de Terezín. O que à primeira vista parece uma colagem com os gêneros mais diversos – de canções de cabaré a Lieder em tcheco e em iídiche, e até uma sonata para violino solo – ganha uma coesão admirável graças às interpretações muito sensíveis e reverentes.

No fim, ao extinguir-se a última nota do violino, o silêncio cala fundo, e é como se uma voz nos sussurrasse:

– Esquecer… é repetir.

NUNCA, pois, esqueçamos Terezín.

"A chega do trem com deportados" - Edita Pollak, 9 anos

“A chegada do trem com deportados” – Edita Pollak, 9 anos

TEREZÍN/THERESIENSTADT

Anne Sofie von Otter, mezzo-soprano
Christian Gerhaher,
barítono
Daniel Hope,
violino
Bengt Forsberg e Gerold Huber,
piano
Ib Hausmann,
clarinete
Philip Dukes,
viola
Josephine Knight,
violoncelo
Bebe Risenfors,
violão e acordeão

Ilse WEBER (1903-1944)

01 – Ich wandre durch Theresienstadt
Anne-Sophie von Otter, Bengt Forsberg, Bebe Risenfors

Karel ŠVENK (1917-1945)
arranjo de Moshe Zorman

02 – Pod destnikem
03 – Vsecho jde!
Anne Sofie von Otter, Bengt Forsberg, Bebe Risenfors

Ilse WEBER

04 – Ade, Kamerad!
Christian Gerhaher, Gerold Huber

05 – Und die Regen rinnt
Anne Sofie von Otter, Bengt Forsberg

Adolf STRAUSS (1902-1944)
arranjo de Moshe Zorman

06 –  Ich weiß bestimmt, ich werd Dich
Anne Sofie von Otter, Bengt Forsberg

Emmerich KÁLMÁN (1882-1953)

07 – Gräfin Mariza – Opereta em três atos: Terezín-Lied
Christian Gerhaher, Gerold Huber

Martin ROMAN (1910-1996)

08 – Karrussell
Anne Sofie von Otter, Bengt Forsberg

Ilse WEBER

09 – Wiegala
Anne Sofie von Otter, Bebe Risenfors

Hans KRÁSA (1899-1944)

Três Canções sobre poemas de Arthur Rimbaud, traduzidas por Vítězslav Nezval:

10 – Čtyřverší
11 – Vzrušení
12 – Přátelé
Christian Gerhaher, Ib Hausmann, Philip Dukes, Josephine Knight

Carlo Sigmund TAUBE (1897-1944)

13 – Ein jüdisches Kind
Anne Sofie von Otter, Bengt Forsberg, Ib Hausmann

Viktor Ullman (1898-1944)

14 – Drei jiddische Lieder (Brezulinka), Op.53 – no. 1: Berjoskele
Anne Sofie von Otter, Bengt Forsberg

Seis Sonetos de Louize Labané, Op.34

15 – No. 1: “Claire Vénus”
16 – No. 2: “On voit mourir”
17 – No. 3: “Je vis, je meurs…”
Anne Sofie von Otter, Bengt Forsberg

Pavel HAAS (1899-1944)

Quatro Canções sobre Poemas Chineses

18 –  Zaslechl jsem divoké husy
19 – V bambusovém háji
20 – Daleko měsíc je domova
21 – Probděná noc
Christian Gerhaher, Gerold Huber

Erwin Schulhoff [Ervín ŠULHOV] (1894-1942)

Sonata para violino solo (1927)

22 – Allegro con fuoco
23 – Andante cantabile
24 – Scherzo
25 – Finale
Daniel Hope

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

4807_fireflies_courtesyf

Vassily Genrikhovich

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Janacek (1854-1928), Haas (1899-1944), Szymanowski (1882-1937): Quartetos de Cordas arranjados para Orquestra de Câmara

O que liga Tolstói, Beethoven, um violinista virtuoso e uma mulher checa jovem, linda e casada? Ora, a inspiração para os quartetos de cordas do idoso Janacek. Este é um bonito disco do pessoal da Australian Chamber Orchestra. Tenho especialíssima predileção pelo Quarteto Nº 1 de Janacek e o arranjo para orquestra de câmara me satisfaz inteiramente. Menos conhecido, o Sr. Pavel Haas apresenta excelente e nada tímida música. Haas foi assassinado durante o Holocausto judeu da Segunda Guerra. E daí chega Szymanowski com, na minha humilde opinião, a peça mais fraca do disco. Ou será que a expressividade extrema de Janacek e Haas não teriam me preparado para a classe de mestre Szy, a qual normalmente aprecio? Fica a pergunta.

String Quartets arranged for String Orchestra

Leos Janacek (1854-1928)
String Quartet No. 1 ‘Kreutzer Sonata’ 19:19
1 I Adagio 4:07
2 II Con moto 4:36
3 III Con moto 4:34
4 IV Adagio con moto 5:49

Pavel Haas (1899-1944)
String Quartet No. 2, Op. 7 ‘From the Monkey Mountains’ 32:48
5 I Landscape 10:19
6 II Cart, Driver and Horse 4:53
7 III The Moon and I 8:50
8 IV A Wild Night 8:29

Karol Maciej Szymanowski (1882-1937)
String Quartet No. 2, Op. 56 19:17
9 I Moderato, dolce e tranquillo 8:27
10 II Vivace, scherzando 4:54
11 III Lento 5:48

Australian Chamber Orchestra
Richard Tognetti

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Olha aí o pessoal da Australian Chamber Orchestra

Olha aí o pessoal da Australian Chamber Orchestra

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!