History of the Sacred Music – Music for the Reformed Church: vols. 17/18/19

History of the Sacred Music vol. 19_ Musiques de la ReÃÅforme (3)História da Música Sacra
Música para a Igreja Reformada
vol. 17/18/19

Não há dúvidas de que um dos maiores aportes de Lutero foi o seu entendimento de que a música da Reforma deveria falar sobre o Evangelho diretamente para as pessoas. Ele estava convicto de que o tipo de hino que uma congregação canta determina o tipo de Teologia/espiritualidade destas pessoas.

Caso se queira que esta Teologia/espiritualidade reflita o Evangelho, então, há que se ter em alta consideração e se cuidar muito bem daquilo que está sendo cantado pelas pessoas. Lutero pôs as mãos à obra, cercando-se da ajuda e do conhecimento dos melhores Poetas e Músicos da época, que ele fez questão de escolher a dedo. Lutero e os seus colaboradores não rejeitaram as tradições musicais da sua época. Pelo contrário, de forma genuína e genial, usaram e incorporaram à música das Igrejas da Reforma as práxis musicais existentes! Atentemos para algumas dessas principais práxis.

A música da Reforma Luterana herdou a grande tradição musical da Idade Média e da Renascença, que consistia basicamente da música polifônica e do canto gregoriano. Nestas ricas tradições, praticamente não havia espaço para o canto congregacional de cunho popular. Diferentemente, outra grande tradição musical da época da Reforma, a versão metrificada dos Salmos cantada em uníssono e a cappella (sem acompanhamento), abria vastas possibilidades para o canto congregacional. Nesta tradição, não havia espaço para uma arte musical mais elaborada. Lutero e as gerações de Músicos luteranos que o seguiram nos séculos posteriores fizeram uso de ambas as correntes, combinando a tradição musical mais artística e elaborada com o canto congregacional de cunho popular.

O resultado musical desta combinação foi o Coral Luterano, com os seus textos poéticos centrados no Evangelho e escritos no vernáculo (na língua local) e não mais em Latim, com melodias vigorosas e com saltos e extensões de voz pensadas para o canto grupal, com cadências (pontos de repouso) ao final das diversas frases, com estruturas rítmicas fortes e baseadas em padrões de ritmo recorrentes. No seu conjunto, estas características resultaram em composições musicais em que texto e melodia formam uma totalidade, permitiram que o Coral Luterano fosse percebido como algo familiar e possibilitaram que comunidade, Coros e Instrumentistas se sentissem confortáveis, ´em casa´, enquanto cantavam e tocavam. (http://www.luteranos.com.br/conteudo/reforma-e-musica)

History of the Sacred Music vol. 17_ Musiques de la ReÃÅforme (1)Harmonia Mundi: História da Música Sacra
Music for the Reformed Church
• vol. 17: Songs and Psalms of Reform + J. S. Bach, Missa brevis in F-dur

• vol. 18 + vol. 19
Christmas Oratorio BWV 248
Johann Sebastian Bach (Germany, 1685-1750)
RIAS Kammerchor, Akademie für Musik Berlin
Maestro René Jacobs

 

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE – vol.17
XLD RIP | FLAC | 460,3 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE – vol.18 + 19
XLD RIP | FLAC | 687,6 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE – vol. 17+18+19 (link único para os 3 volumes!)
MP3 | 320 kbps | 511,1 MB

vol 30: Encarte e letras dos 29 CDs – 4,6 MB – AQUI – HERE

powered by iTunes 12.2.3

Boa audição.

History of the Sacred Music vol. 18_ Musiques de la ReÃÅforme (2)

 

 

 

 

 

.

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

History of the Sacred Musica – Great Oratorios: vol. 11/12: Palestrina, Cain overo Il primo omicidio + vol. 13/14: Handel, Messiah + vol. 15/16: Mendelssohn, Paulus

ahjagfhaHistória da Música Sacra
Grandes oratorios
vol. 11/12: Palestrina, Cain overo Il primo omicidio
vol. 13/14: Handel, Messiah
vol. 15/16: Mendelssohn, Paulus

O oratório ou oratória é uma espécie de obra musical não somente instrumental, mas fundamentalmente cantada. Seu teor é essencialmente narrativo. Nesta composição interagem cantores que executam solos vocais, vozes em coro e uma orquestra. Este gênero é similar à ópera, tanto no que tange às categorias que dele participam, quanto na utilização de árias e recitais, mas enquanto as criações operísticas são apresentadas principalmente através do viés interpretativo, esta modalidade não exige encenações dramáticas.

Este gênero pode ter como tema a esfera espiritual ou questões mundanas; normalmente, porém, as questões enfocadas no oratório são extraídas das Escrituras Sagradas. Esta expressão provém da Congregação do Oratório, atualmente conhecida como Confederação do Oratório, uma comunidade de apóstolos criada em 1565, na cidade de Roma, por São Filipe Néri. Aí eram produzidos espetáculos de música sacra, no período que transcorreu de 1571 a 1594.

A musicalidade exercitada nesta sociedade deu impulso ao nascimento dos oratórios na forma como são produzidos nos dias atuais. A primeira temática abordada por eles foi a Paixão de Cristo, que ainda hoje é o tema dileto de seus criadores. A obra clássica neste gênero é, sem dúvida, a Paixão segundo São Mateus, de Johann Sebastian Bach.

Em meados do século XVII os oratórios de temática religiosa passaram por um processo de secularização. Prova desta inclinação contextual são as constantes execuções em recintos laicos, mais particularmente nos espaços cortesãos e em teatros públicos. Eles eram elaborados em torno de questões como a Criação, a trajetória de Jesus, a jornada de um herói clássico ou profetas da Bíblia.

A maior parte dos produtores de oratórios eram igualmente famosos por suas criações operísticas. Adotando o hábito desenvolvido na elaboração das óperas, eles passaram a editar libretos também para este gênero musical. Assim que os coros foram reduzidos, eles começaram a investir nas árias e também nas cantoras, que passam a desempenhar o papel masculino nos recitais. Monteverdi é o responsável pelo primeiro oratório de natureza profana, Il Combattimento di Tancredi e Clorinda.

O oratório foi cultivado com maior ênfase na era Barroca; neste período os autores mais célebres são Georg Friedrich Handel, que compôs O Messias e Judas Maccabeus, além de obras seculares; Johann Sebastian Bach, autor das paixões; e Vivaldi, que se consagrou com Juditha Triumphans. Na fase clássica destacou-se Franz Joseph Haydn, com As Estações. No Romantismo esta modalidade teve um papel secundário, mesmo assim não se pode esquecer de A Infância de Cristo, de Hector Berlioz.

Este gênero nasceu na Itália, de diálogos sagrados, que nada mais eram que conformações de passagens bíblicas transcritas para o latim. Eles eram tecidos por meio de uma narração intensa, perpassada por uma carga dramática e pelos poucos diálogos entre os personagens dos temas abordados pelos autores. (http://www.infoescola.com/musica/oratorio/)

Harmonia Mundi: História da Música Sacra
Great Oratorios

History of the Sacred Music vol. 11_ Great Oratorios (1)Cain overo Il primo omicidio, oratorio a 6 voci, 1707
History of the Sacred Music vol 11 + vol 12
Alessandro Scarlatti (Italy, 1660 – 1725)
Akademie für Alte Musik Berlin
Maestro René Jacobs, 1997

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE – vols. 11 + 12
XLD RIP | FLAC | 725,7 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE – vols. 11 + 12
MP3 | 320 kbps | 314,4 MB

 

History of the Sacred Music vol. 13_ Great Oratorios (3)Messiah, 1741
History of the Sacred Music vol. 13+ vol. 14
Georg F. Händel (Germany/England, 1685 – 1759)
Les Arts Florissants
Maestro William Christie , 1993

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 584,6 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 | 320 kbps | 311,4 MB

 

History of the Sacred Music vol. 15_ Great Oratorios (5)Paulus, oratorio op. 36, 1836
History of the Sacred Music vol. 15/30 + vol. 16/30
Felix Mendelssohn-Bartholdy (Germany, 1809-1847)
La Chapelle Royale & Collegium Vocale
Orchestre de Champs-Élisées
Maestro Philippe Herreweghe, 1995

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 603,6 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
…………………………………………………MP3 | 320 kbps | 285,2 MB

powered by iTunes 12.2.3

………………………………..vol 30: Encarte e letras dos 29 CDs – 4,6 MB – AQUI – HERE

Boa audição.

ahjagfha

 

 

 

 

 

.

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

History of the Sacred Music vol 09/10: Baroque Vespers

Harmonia Mundi: História da Música Sacra vol 09/10: Baroque Vespers

CD09_FRONTVésperas de Monteverdi é uma obra icônica. Para o compositor, que a publicou há 400 anos, em 1610, foi um somatório calculado de sua habilidade como um escritor da música sacra num momento em que ele mais precisava para anunciá-lo. Aos 43 anos, e em grande parte conhecido como um madrigalist, ele queria fugir das frustrações de trabalhar na corte do Duque Gonzaga, em Mantua e encontrar um novo emprego, de preferência na capela papal. No evento, a publicação quase certamente ajudou a ganhar uma alternativa de prestígio, o cargo de maestro di cappella em São Marcos, em Veneza, que ele iria manter até a sua morte em 1643.

History of the Sacred Music vol. 09: Baroque Vespers (1)
Monteverdi, Claudio Giovanni Antonio (Cremona, 1567- Veneza, 1643)
Vespro della Beata Vergine da concerto, composto sopra canti fermi, 1610
01. Deus in adjutorium
02. Antiphona – Dixit Dominus (Psalmus 109)
03. Nigra sum (Concerto)
04. Laudate pueri (Psalmus 112)
05. Pulchra es (Concerto)
06. Antiphona – Laetatus sum (Psalmus 126)
07. Duo Seraphim (Concerto)
08. Antiphona – Nisi Dominus (Psalmus 126)
09. Audi coelum (Concerto)
10. Antiphona – Lauda, Jerusalem, Dominum (Psalmus 147)
11. Sonata sopra ‘Sancta Maria, ora pro nobis’
12. Ave maris stella (hymnus, anon. xiᵉ siècle)

History of the Sacred Music vol. 09: Baroque Vespers (1)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 308,3 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 153,4 MB

powered by iTunes 12.2.3 | 1 h 11 min

CD10_FRONTEm comemoração do nascimento de Louis XIV, em 1638, o embaixador francês em Veneza encomendou “a música mais solene e refinada que se possa imaginar” para celebrar com pompa e circunstância o nascimento de um herdeiro ao trono da França, que não era outro senão o futuro Rei Sol. De todos os músicos de Veneza, é Giovanni Rovetta quem foi o escolhido. Como compositor e maestro di cappella, ele foi expressamente instruído a unir todos os cantores e instrumentistas da cidade a fim de cumprir esse grandioso esquema. Foi assim que o braço direito do maestro Monteverdi (logo para ser seu sucessor) se esforçou para implantar este concerto barroco para iluminar a igreja de San Giorgio e o palácio do embaixador com uma música deslumbrante. Um festival suntuoso!

History of the Sacred Music vol.10: Baroque Vespers (2)
Monteverdi, Claudio Giovanni Antonio (Cremona, 1567- Veneza, 1643)
La Chapelle Royale & Les Sacqueboutiers de Toulouse. Maestro Philippe Herreweghe
01. Vespro della Beata Vergine da concerto, composto sopra canti fermi, 1610 – 13. Antiphona – Magnificat

Giovanni Rovetta (1596-1668)
Cantus Kölln. Maestro Konrad Junghänel
02. Vespro Solenne da concerto, composto sopra canti fermi, 1610 – 1. Dixit secondo a 7 e due violini (1639)
03. Vespro Solenne da concerto, composto sopra canti fermi, 1610 – 2. Confitebor tibi Domine a 7 e due violini (1639)
04. Vespro Solenne da concerto, composto sopra canti fermi, 1610 – 3. Beatus vir a 8 (1939)
05. Vespro Solenne da concerto, composto sopra canti fermi, 1610 – 4. Laudate pueri a 6 et due violini (1939)
06. Vespro Solenne da concerto, composto sopra canti fermi, 1610 – 5. Lauda Jerusalema 6 et due violini (1639)
07. Vespro Solenne da concerto, composto sopra canti fermi, 1610 – 6. Magnificat a 8 et due violini (1639)

History of the Sacred Music vol. 10: Baroque Vespers (2)
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 335,4 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 157,8 MB

powered by iTunes 12.2.3 | 1 h 14 min

vol 30: Encarte e letras dos 29 CDs – 4,6 MB – AQUI – HERE

Boa audição.

 Desenho do Arq. Prof. Dr. Mateus Rosada, de quem eu tenho a honra de ser amigo e profundo admirador. Sua recente e brilhante defesa de tese de Doutorado entrará para a História!

Tiradentes, MG, Brasil. Desenho do Arq. Prof. Dr. Mateus Rosada, de quem eu tenho a honra de ser amigo e admirador. Sua recente e brilhante defesa de tese de Doutorado entrará para a História!. Baita orgulho!!!

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

History of the Sacred Music vol 08: Lamentations & Tenebrae

CD08_FRONTHarmonia Mundi: História da Música Sacra vol 08: Lamentações & Tenebrae

Tenebrae (“trevas”em latim) é uma celebração cristã que ocorre nos últimos três dias da Semana Santa: quinta, sexta e sábado de Aleluia. A cerimônia distingue-se pelo candelabro de 15 velas, que são apagadas progressivamente ao final de cada salmo. No rito católico, proclama-se os 3 salmos do ofício das leituras, os 3 salmos das laudes e o Benedictus (7a. vela). A vela mais alta é extinta ao final da celebração. Também proclama-se as leituras do ofício do dia. Entre o terceiro e quarto salmos, é lido (ou cantado) um trecho do Livro das Lamentações.

Huelgas-Ensemble. Maestro Paul Van Nevel
Tiburtio Massaino (Italy, b.1550-a.1608)
01. Musica super Threnos Ieremiae prophete, in maiori hebdomada dacantadas à 5. Feria V. In coena Domini 1. Lectio Prima
02. Musica super Threnos Ieremiae prophete, in maiori hebdomada dacantadas à 5. Feria V. In coena Domini 2. Lectio Secunda
03. Musica super Threnos Ieremiae prophete, in maiori hebdomada dacantadas à 5. Feria V. In coena Domini 3. Lectio Tertia
Orlande de Lassus (also Orlandus Lassus, Orlando di Lasso, Roland de Lassus, or Roland Delattre) (Franco-Flemish, 1532/1530-1594)
04. Lamentationes Hieremiae. Feria sexta in Parasceve à 5 – 1. Lamentatio Prima
05. Lamentationes Hieremiae. Feria sexta in Parasceve à 5 – 2. Lamentatio Secunda
06. Lamentationes Hieremiae. Feria sexta in Parasceve à 5 – 3. Lamentatio Tertia

Concerto Vocale. Maestro René Jacobs
Marc-Antonie Charpentier (France, 1643-1704)
07. Leçons de Ténèbres du Mercredy Sainct – Seconde Leçon: VAU – Et egressus est a filia Sion
François Couperin (France, 1668 -1733)
08. Leçons de Ténèbres – Troisième Leçon

RIAS Kammerchor. Maestro Marcus Creed
Ernst Krenek (Austria, 1900 – Estados Unidos, 1991)
09. Hieremie prophetae Lamentationes – Lectio secunda

History of the Sacred Music vol. 08: Lamentations & Tenebrae

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 325,0 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 165,8 MB

powered by iTunes 12.2.3 | 1 h 17 min

Encarte e letras dos 30 CDs – AQUI – HERE

Boa audição.

6e4502c1e7b70c55c523ff941d060d54

– Ouro Preto, MG, Brasil

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

.

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

History of the Sacred Music vol 07: The French’s ‘Petit Motet’ and ‘Grand Motet’

History-of-the-Sacred-Music-vol.-07_-The-French's-'Petit-Motet'-and-'Grand-Motet'Harmonia Mundi: História da Música Sacra vol 07: Os pequenos e os grandes motetos franceses

Durante o reinado de Louis XIV (1638-1715) a música sacra se apresentou de três formas essenciais: o Grand Motet (específico para a corte francesa), o Petit Motet em escala menor, e peças para órgão alternandas com cantochão.

Todas as três formas foram reunidas em Versalhes na celebração diária da missa do rei. Elas também foram os componentes das cerimônias religiosas importantes realizadas nas principais igrejas de Paris, como a Notre Dame e a Sainte-Chapelle, a qual manteve um corpo de músicos de primeira linha. A música sacra em Versalhes fazia parte do ofício diário comum, assim como também era apresentada em ocasiões especiais, como o Te Deum.

A famosa “pompa” de Versalhes, como ilustrada pela configuração gloriosa do Te Deum de Marc-Antoine Charpentier, ouvido nesta gravação, envolvendo solistas, um grande coro e uma orquestra com trompetes e tímpanos, co-existia com obras excepcionalmente íntimas, tais como o Miserere de Lalande ou os petit motets compostos por Dumont, que ilustram o aspecto mais pessoal da música sacra francesa da época barroca.

Finalmente, a música de órgão desempenhou um papel importante em cerimônias religiosas por todo o reino, nas catedrais das províncias e na Capela Real. Em Versalhes quatro organistas partilhavam a tarefa de tocar o instrumento encomendado por Luís XIV, com cada um tendo um quarto do ano. François Couperin e Louis Marchand estavam entre os mais famosos dos organistas reais.

History of the Sacred Music vol. 07: The French’s ‘Petit Motet’ and ‘Grand Motet’
– Faixa 01 e 02 – Solistes, Choeur et Orchestre de la Chapelle Royale. Maestro Philippe Herreweghe
– Faixa 03 a 23 – Les Arts Florissants. Maestro William Christie
Henri Dumont (also Henry Du Mont, originally Henry de Thier) (Franco-Belgian, 1610-1684)
01. Grand Motet: Memorare
Jean-Baptiste Lully (Italy, 1632-France, 1687)
02. Grand Motet: Dies irae
Michel Richard de Lalande (France, 1657-1726)
03. Grand Motet: Super flumina Babilonis – 1. Simphonie. Super flumina
04. Grand Motet: Super flumina Babilonis – 2. In salicibus
05. Grand Motet: Super flumina Babilonis – 3. Quia illic interrogaverunt nos
06. Grand Motet: Super flumina Babilonis – 4. Hymnum cantate nobis
07. Grand Motet: Super flumina Babilonis – 5. Si oblitus fuero tui
08. Grand Motet: Super flumina Babilonis – 6. Adhaereat lingua mea
09. Grand Motet: Super flumina Babilonis – 7. Memore esto, Domine
10. Grand Motet: Super flumina Babilonis – 8. Filia Babilonis misera (solis)
11. Grand Motet: Super flumina Babilonis – 9. Filia Babilonis misera (choeur)
Marc-Antonie Charpentier (France, 1643-1704)
12. Grand Motet: Te Deum – 1. Prélude
13. Grand Motet: Te Deum – 2. Te Deus laudamus (basse, 2 violons, basse continue)
14. Grand Motet: Te Deum – 3. Te aeternum Patrem (soli, choeur et orchestre)
15. Grand Motet: Te Deum – 4. Per te orbem terrarum (contre-ténor, ténor, basse, basse continue)
16. Grand Motet: Te Deum – 5. Tu devicto mortis aculeo (soli, choeur et orchestre)
17. Grand Motet: Te Deum – 6. Te ergo quaesumus (soprano, 2 flûtes, basse continue)
18. Grand Motet: Te Deum – 7. Aeterna fac cum sanctis tuis (soli, choeur et orchestre)
19. Grand Motet: Te Deum – 8. Dignare Domine (soprano, basse, 2 violons, basse continue)
20. Grand Motet: Te Deum – 9. Fiat misericordia tua Domine (2 sopranos, basse, 2 flûtes, basse continue)
21. Grand Motet: Te Deum – 10. In te Domine speravi (soli, choeur et orchestre)
Jean-Baptiste Lully (Italy, 1632-France, 1687)
22. Petit Motet: Ave coeli (haute-contre, ténor, bassel)
Michel Richard de Lalande (France, 1657-1726)
23. Petit Motet: Miserator et misericors

History of the Sacred Music vol. 07: The French’s ‘Petit Motet’ and ‘Grand Motet’

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 354,7 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 244,2 MB

powered by iTunes 12.2.3 | 1 h 19 min

Encarte e letras dos 30 CDs – AQUI – HERE

Boa audição.

Memorial Ucraniano - Curitiba, Paraná, Brasil

Memorial Ucraniano – Curitiba, Paraná, Brasil

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna, com um empurrão do FDP!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

History of the Sacred Music vol 05/06: The Polyphonic Mass from the Middle Ages to the Renaissance- (c.1300-c.1600)

cd5Harmonia Mundi: História da Música Sacra
vol 05/06: A missa polifônica, da Idade Média à Renascença (c.1300-c.1600)

A Missa era a forma musical mais importante para os compositores da Ars Nova e Renascença.

Durante a Idade Média, a música tinha evoluído da monodia gregoriana para a polifonia vocal e instrumental. Em termos modernos, diríamos que a missa era o contexto onde os compositores aplicavam mais significativamente os seus esforços criativos. Algumas missas caracterizavam-se por usarem um tema base – o cantus firmus – geralmente tomado de empréstimo, e que funcionava como uma espécie de viga melódica sobre a qual se construía o edifício polifônico.

A fonte podia ser sagrada ou profana; depois era isorritmicamente tornada irreconhecível e colocada, com o texto litúrgico, nas vozes interiores (tenor e alto) ao longo da missa, unificando assim as várias partes: Kyrie, Gloria, Credo, Sanctus & Agnus Dei.

Guillaume Dufay, um dos primeiros grandes mestres franco-flamengos, foi pioneiro no uso decanções populares em missas de cantus firmus, como a missa L’Homme Armé, obra que sobreviveu através de livros iluminados. Mas cinqüenta anos de pois, já na era da música impressa, Josquin Desprez – “o príncipe dos compositores” – inovou a tradição, alargando o cantus firmus às outras vozes, em missas como L’Homme Armé, publicada em 1502 pelo editor Petrucci de Veneza.

O Renascimento trouxe uma expressiva evolução tanto para a música sacra quanto para a secular. Na música sacra os compositores concentravam seus esforços em missas e motetos. As melodias do Canto Gregoriano tinham-se constituído no material básico das primeiras composições polifônicas das missas, porém Guillaume Dufay (c. 1400-1474) e outros usaram canções seculares com a mesma finalidade.

Músicos dos Países Baixos dominaram o cenário musical europeu durante a segunda metade do séc. XV. O estilo polifônico estabelecido por Johannes Ockeghem (1425-1495) e Josquin des Près (1440-1521) ampliou a dimensão sonora e persistiu até o início do séc. XVI; gradualmente, porém, diversos estilos e formas nacionais começaram a surgir. Na Alemanha, o coral luterano estabeleceu suas raízes, enquanto na Inglaterra o hino (o equivalente protestante do moteto latino) assumiu seu lugar na liturgia da Igreja Anglicana.

CD06_FRONTA missa polifônica alcançou seu apogeu através da obra de três grandes compositores: o italiano Giovanni Palestrina (1525-1584), o espanhol Luis de Victoria (1548-1611) e o flamengo Orlando de Lassus (1532-1594). Em Veneza, um estilo multicoral mais rebuscado foi desenvolvido por Andrea Gabrieli (1510-1586) e seu sobrinho e aluno Giovanni Gabrieli (1557-1612).

Giovani Pierluigi da Palestrinha indica os rumos da música na Igreja Católica, organizando e simplificando o contraponto. No ambiente da Contra Reforma, Palestrina foi incumbido de escrever uma música que buscasse uma maior compreensão do texto litúrgico
(http://www.dellisola.com.br/musica/MISSA.pdf)

Palhinha: ouça a integral de Messe “La Bataille”

History of the Sacred Music vol. 05: The Polyphonic Mass from the Middle Ages to the Renaissance (c.1300-c.1600)-1
Guillaume de Machaut (sometimes spelled Machault) (France, c.1300-April 1377)
Estonian Philharmonic Chamber Choir, Maestro Paul Hillier
01. Messe de Notre Dame – 1. Kyrie
02. Messe de Notre Dame – 2. Gloria
03. Messe de Notre Dame – 3. Credo
04. Messe de Notre Dame – 4. Sanctus
05. Messe de Notre Dame – 5. Agnus Dei
06. Messe de Notre Dame – 6. Ite, missa est
Josquin Desprez (Franco-Flemish, c.1450 to 1455 – 1521)
Ensemble Clément Janequin & Dominique Visse (countertenor)
07. Missa Pange lingua – 1. Kyrie
08. Missa Pange lingua – 2. Gloria
09. Missa Pange lingua – 3. Credo
10. Missa Pange lingua – 4. O Salutaris
11. Missa Pange lingua – 5. Agnus
Clément Janequin (France, c.1485 – 1558)
Ensemble Clément Janequin & Dominique Visse (countertenor)
12. Messe “La Bataille” – 1. Kyrie
13. Messe “La Bataille” – 2. Gloria
14. Messe “La Bataille” – 3. Credo
15. Messe “La Bataille” – 4. Sanctus
16. Messe “La Bataille” – 5. Agnus Dei

History of the Sacred Music vol. 05: The Polyphonic Mass from the Middle Ages to the Renaissance-1 – 2009

XLD RIP | FLAC | Indisponível. Quem tiver, gentileza enviar para avicenna@uol.com.br. Só falta esse na coleção!

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 155,4 MB

powered by iTunes 12.2.3 | 1 h 09 min

History of the Sacred Music vol. 06: The Polyphonic Mass from the Middle Ages to the Renaissance (c.1300-c.1600) – 2
Orlande de Lassus (also Orlandus Lassus, Orlando di Lasso, Roland de Lassus, or Roland Delattre) (Franco-Flemish, 1532/1530-1594)
Huelgas-Ensemble. Maestro Paul Van Nevel
01. Missa ‘Tous les regretz’ – 1. Kyrie
02. Missa ‘Tous les regretz’ – 2. Gloria
03. Missa ‘Tous les regretz’ – 3. Credo
04. Missa ‘Tous les regretz’ – 4. Sanctus
Giovanni Pierluigi da Palestrina (Italy,1525-1594)
La Chapelle Royale & Ensemble Organum. Maestro Philippe Herreweghe
06. Missa ‘Viri Galilaei’ – 1. Kyrie
07. Missa ‘Viri Galilaei’ – 2. Gloria
08. Missa ‘Viri Galilaei’ – 3. Credo
09. Missa ‘Viri Galilaei’ – 4. Sanctus
10. Missa ‘Viri Galilaei’ – 5. Benedictus
11. Missa ‘Viri Galilaei’ – 6. Agnus Dei – I
12. Missa ‘Viri Galilaei’ – 7. Agnus Dei – II
William Byrd (England, 1540 – 1623)
Pro Arte Singers. Maestro Paul Hillier
13. Mass for 4 Voices – 1. Kyrie
14. Mass for 4 Voices – 2. Gloria
15. Mass for 4 Voices – 3. Credo
16. Mass for 4 Voices – 4. Sanctus
17. Mass for 4 Voices – 5. Benedictus
18. Mass for 4 Voices – 6. Agnus Dei

History of the Sacred Music vol. 06: The Polyphonic Mass from the Middle Ages to the Renaissance (c.1300-c.1600) – 2

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 289,5 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 151,5 MB

powered by iTunes 12.2.3 | 1 h 10 min

Encarte e letras dos 30 CDs – AQUI – HERE

Boa audição.

 

e8mr6q

 

 

 

.

Avicenna, com um empurrão do FDP!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

History of the Sacred Music vol. 04: The Polyphonic Motet from Ars Antiqua to the Renaissance

110ks9jHarmonia Mundi: História da Música Sacra
vol 04: O moteto polifônico, da Ars Antiqua à Renascença

A partir do sec. XIII, a crescente reorganização social em plena Idade Média,  acabaria lentamente por desembocar no Renascimento, período não só de esplendor artístico e cultural, mas de ressurgimento e poder das cidades, que entrariam para a história com uma fama até então desconhecida. É neste contexto de transição, que na música os compositores vão se exercitar numa técnica, que viria a ser, talvez, a mais genial contribuição da música ocidental: a polifonia.

Pretender esgotar este tema em poucas palavras seria o mesmo que explorar os meandros da história desde a Idade Média até o séc.XX numa conversa rápida. Podemos dizer que após um período de quase mil anos de hegemonia monofônica  do canto gregoriano, apresentou-se para os compositores da Ars Antiqua o problema de como estruturar suas obras vocais com objetivo de alçar vôo a formas de composições mais complexas, que garantissem meios de expressão musical, uma nova estética, onde unidade e contraste se opusessem de maneira harmônica.

O Moteto, assim, é este verdadeiro laboratório, que oriundo do cerimonial sacro, de funcionalidade ritual e mística, vai dar vazão  à presença simultânea do elemento profano, como meio de excitar a arte da criação.  Assim não será de se estranhar a presença nos motetos medievais e renascentistas de duas línguas como o latim e o francês, cantadas simultaneamente, por vozes diferentes. Aliás, é importante lembrar que uma das funções do moteto é justamente explorar a possibilidade musical da palavra. Notar a etmologia de moteto, que vem de mot (palavra), francês. 

Outra característica importante seria a crescente independência das vozes, pois enquanto o cantus firmus, que trazia uma melodia gregoriana conhecida, se mantinha estável, outra voz ornamentava esta melodia, à maneira de um melisma, ou seja um tipo de vocalise. Posteriormente as melodias sacras foram substituídas por temas profanos, aonde se adaptavam os textos sacros. A isorritimia foi  o início de um processo de composição que abriu as fronteiras para as complexas técnicas de composição que haveriam de se seguir, criando na música mistérios ocultos, revelados pelos apaixonados e estudiosos. Arte è cosa mentale (Leonardo da Vinci).

O período de ouro do moteto realmente é grande, desde a Ars Antiqua, com os mestres Léonin e Pérotin da École de Nôtre Dame, tendo a seguir na Ars Nova o brilho de Philippe de Vitry, Guillaume de Machaut e Guillaume Dufay. O ciclo continua  com a Escola Flamenga, onde o contaponto é exercitado de maneira quase matemática, trazendo ao moteto todas as possibilidades de cânon. É claro, que já no séc. XVI, no auge da polifonia, com Palestrina, o moteto não encerra sua trajetória na arte da composição. Muitos séculos ainda testemunhariam as possibilidades inesgotáveis desta arte de explorar da palavra os seus recursos musicais, e colocar a música ao serviço do ritmo da palavra. Ainda teremos, Bach, Mozart, Brahms, Bruckner…para citar apenas alguns.

Palhinha: ouça 12. Renaissence: 3. Cantiones sacrae: Peccantem me quotidie

History of the Sacred Music vol. 04: The Polyphonic Motet from Ars Antiqua to the Renaissance

Anonymous
Theatre of Voices – Director: Paulo Hillier
01. Ars Antiqua – École de Notre Dame 1. Virgo flagellatur

Pérotin (France, fl. c. 1200), also called Pérotin the Great
Theatre of Voices – Director: Paulo Hillier
02. Ars Antiqua – École de Notre Dame 2. Mors

Anonymous
The Hilliard Ensemble – Director: Paulo Hillier
03. 14th-Century England 1. Campanis cum cymbalis. Honorem Dominan
04. 14th-Century England 2. Worldes blisse have good day (Benedicamus Domino)
05. 14th-Century England 3. Valde mane diluculo
06. 14th-Century England 4. Ovet mundus letabundus

Guillaume Dufay (Du Fay, Du Fayt) (Franco-Flemish, 1397? – 1474)
The Orlando Consort
07. Ars Nova & Pre-renaissance: 1. Ave Regina coelorum

John Dunstaple (or Dunstable) (England, c.1390 – 1453)
The Orlando Consort
08. Ars Nova & Pre-renaissance: 2. Salve scema sanctitatis/Salve salus servulorum/ Cantant celi agmina

John Plummer (also Plomer, Plourmel, Plumere, Polmier, Polumier (c.1410 – c.1483)
The Hilliard Ensemble – Director: Paulo Hillier
09. Ars Nova & Pre-renaissance: 3. Anna Mater Matris Christi

Josquin Desprez (Franco-Flemish, c.1450 to 1455 – 1521)
La Chapelle Royale – Director: Philippe Herreweghe
10. Renaissance: 1. Salve Regina

Clément Janequin (France, c.1485 – 1558)
Ensemble Clément Janequin – Director: Dominique Visse
11. Renaissence: 2 .Congregati sunt

William Byrd (England, 1540 or late 1539 – 1623)
Ensemble Vocal Européen – Director: Philippe Herreweghe
12. Renaissence: 3. Cantiones sacrae: Peccantem me quotidie

Carlo Gesualdo, aka Gesualdo da Venosa (Italy, 1566 – 1613)
Ensemble Vocal Européen – Director: Philippe Herreweghe
13. Renaissence: 4. Tribulationem et dolorem
14. Renaissence: 5. Ecce quomodo moritur justus (Sabbato Sancto)

Hans Leo Hassler (Germany, 1564 – 1612)
Ensemble Vocal Européen – Director: Philippe Herreweghe
15. Renaissence: 6. Ad Dominum

History of the Sacred Music vol. 04: The Polyphonic Motet from Ars Antiqua to the Renaissance – 2009
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 287,3 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 189,6 MB

Encarte e letras dos 30 CDs – AQUI – HERE

powered by iTunes 12.2.3 | 1,0 h

Boa audição.

 

macaco-pensante

 

 

 

 

.

texto: gabrieldelaclarinet & Prof. Paulo Peloso – Departamento de Composição/Escola de Música – UFRJ
lay-out & mouse operator: Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

History of the Sacred Music vol. 03: The Birth of Polyphony (1100-1300)

2q0j7fbHarmonia Mundi: História da Música Sacra
vol 03: O nascimento da Polifonia (1100-1300)


Muitos sons. Esse é o significado da palavra Polifonia, que vem do grego. Em essência, a interpretação ao pé da letra, nos diz tudo…


Polifonia, é uma técnica de composição em que duas ou mais ”melodias” se desenvolvem preservando o contexto na qual estão contidas. Para entendermos melhor essa tal de polifonia, vamos pensar na 9ª sinfonia de Beethoven, 1° movimento. É tão bonito ver as vozes se entrelaçando, meandrando a melodia principal, fazendo contrapontos, esquemas de ”perguntas e respostas”. No caso, isso é polifonia.

A polifonia no seu inicio, era improvisada. Não há registros, apenas teorias que derivam de tratados sobre música e liturgia (sim meu caro, liturgia. Esqueceu que a música era para acompanhar os ritos próprios da Igreja Católica ?). Como sabemos, a polifonia teve inicio junto com a melodia do canto gregoriano (lembra-se? Harmonia Mundi 2 ? ) era dobrada em 8ªs, 5ªs e 4ªs. (O interessante é que tudo isso surgiu espontaneamente. Os cantores não tinham a intenção de cantar diferente do uníssino.) Logo depois, começou-se a usar a 3ª e a 6ª. Hoje em dia, não há limites para a polifonia. Ela está em tudo em que escutamos. Desde buzinas aleatórias até John Cage. É claro que a polifonia está intimamente ligada a vários sons. Portanto o ”Poema sinfonico para 100 metrônomos” de Ligeti não é uma obra polifônica, apenas uma poliritmia.

Retomando à trajetória do desenvolvimento da música polifônica, poucas são as alterações sofridas no canto gregoriano, introduzindo-se apenas diálogos entre as melodias, as vozes ainda caminham no modelo vertical. Todas falam a mesma coisa e/ou trocam de nota no mesmo instante. No século seguinte percebe-se que a melodia se tornará muito mais interessante e apreciável se uma segunda voz caminhasse separada da voz* principal, fazendo algo diferente mas dentro do mesmo contexto. Depois, no século XII, o canto gregoriano é dilatado, ou seja, coloca-se entre uma nota e outra uma melodia mais dinâmica e de ritmo mais ágil, além de se introduzir uma diferenciação de andamento entre as várias vozes. Mas que para isso pudesse ocorrer de forma correta e precisa, o sistema musical teria que mudar. Pois até então, era utilizado o sistema neumático (solesmes) em que o ritmo, vinha de acordo com a acentuação da palavras. O sistema de neumas foi sendo melhorado de modo que havia uma precisão ritmica e melódica entre as vozes*.

Com isso, houve o aparecimento do Organum, que essencialmente é a melodia sendo cantada em diferentes alturas, mantendo-se o contexto na qual foi prorposta. Mais tarde, Paris tornou-se um importantíssimo centro musical, desde que, em 1163, teve inicio a construção da catedral de Notre-Dame. Aí as partituras de organum, com um grupo de compositores pertencentes à ”Escola de Notre-Dame”, alcançaram um admirável estágio de elaboração. No entanto, apenas o nome de dois desses compositores chegou até nós: Leonín, que foi o primeiro mestre de coro de catedral, e o de seu sucessor, Pérotin.

Com toda certeza, o auge do desenvolvimento da polifonia foi o Moteto, que basicamente foi quando usaram-se textos distintos para cada voz.* O moteto tornou-se uma das grandes formas da música polifônica, pois sua complexidade excedia os recursos disponíveis na época, o que fez com que junto com o seu desenvolvimento trouxesse melhorias e um aprimoramento do sistema rítmico e também da notação, sendo o apogeu de seu uso o contraponto modal do século XVI, apesar de sua importância para a música barroca e da recorrência a ele até por compositores românticos. Além dos benefícios que este estilo trouxe para sua época, deixou recursos que foram usados durante séculos posteriores e que ainda hoje, refletem na nossa música.

Assim sendo, podemos sintetizar essa evolução da seguinte forma:

Século IX – primeiras formas polifônicas em que se tem o registro (organum).
Século XII – auge da composição de organum.
Século XIV – formas polifônicas da Ars Nova.
Séculos XV e XVI – contraponto renascentista.
Século XVII – contraponto barroco.
Século XIX – contraponto no estilo de Albrechtsberger (harmonia movimentada).
Século XX – contraponto dodecafônico de Schoenberg.

* quando digo ”vozes” não me refiro apenas à voz humana. Não nos esqueçamos que a música vocal foi a primeira a surgir. Qualquer coisa cantada paralelamente é chamada de “voz”. Esse termo permenece até hoje para toda linha melódica desenvolvida ou por um instrumentista ou por um cantor.

Palhinha: ouça 03. 12th-Century Polyphony in Aquitaine à Saint-Martial de Limoges: 3. Resonemus hoc natali

History of the Sacred Music vol. 03: The Birth of Polyphony (1100-1300)
Anonymous
Ensemble Organum. Director: Marcel Pérès
01. 12th-Century Polyphony in Aquitaine à Saint-Martial de Limoges: 1. Domine labia mea aperies/Deus in adjutorium meum (Choer)
02. 12th-Century Polyphony in Aquitaine à Saint-Martial de Limoges: 2. Versus: O primus homo coruit (à 2 voix)

Theatre of Voices. Director: Paul Hillier
03. 12th-Century Polyphony in Aquitaine à Saint-Martial de Limoges: 3. Resonemus hoc natali

Ensemble Organum. Director: Marcel Pérès
04. The Notre-Dame School (12th century): Mass for Christmas Day: 1. Introït trepé: Puer natus est
05. The Notre-Dame School (12th century): Mass for Christmas Day: 2. Kyrie

Léonin, or Leoninus (Paris, c. 1135 – 1201)
Theatre of Voices. Director: Paul Hillier
06. The Notre-Dame School (12th century): Propter veritatem

Pérotin (France, fl. c. 1200), also called Pérotin the Great
Theatre of Voices. Director: Paul Hillier
07. The Notre-Dame School (12th century): Graduel: Viderunt omnes/Notum fecit Dominus

Anonymous
Theatre of Voices. Director: Paul Hillier
08. Hockets from the Bamberg Manuscript (13th century): 1. In seculum Longum
09. Hockets from the Bamberg Manuscript (13th century): 2. In seculum Viellatoris
10. Hockets from the Bamberg Manuscript (13th century): 3. In seculum Breve
11. Hockets from the Bamberg Manuscript (13th century): 4. In seculum D’Amiens longum

Anonymous
Anonymous
12. 13th-Century Marian Songs: 1. Ave maria gracia plena
13. 13th-Century Marian Songs: 2. Pia mater gratie
14. 13th-Century Marian Songs: 3. Ave nobilis venerabilis

Ensemble Organum. Director: Marcel Pérès
15. The gradual of Eleanor of Brittany (13th & 14th centuries): Kyrie: Orbis factor

Anonymous
16. An English Ladymass at Salisbury Cathedral (13th & 14th centurie): 1. Kyrie: Kyria christifera
17. An English Ladymass at Salisbury Cathedral (13th & 14th centurie): 2. Gloria
18. An English Ladymass at Salisbury Cathedral (13th & 14th centurie): 3. Sanctus – Benedictus
19. An English Ladymass at Salisbury Cathedral (13th & 14th centurie): 4. Agnus Dei: Virtute numinis

History of the Sacred Music vol. 03: The Birth of Polyphony (1100-1300) – 2003
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | 291,9 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 160,5 MB

Encarte e letras dos 30 CDs – AQUI – HERE

powered by iTunes 12.2.3 | 1,1 h

Boa audição.

 

xc436f

 

 

 

 

.

.

 

gabrieldelaclarinet: texto
Avicenna: lay-out & mouse operator

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

History of the Sacred Music vol. 02: A Millennium of Gregorian Chant

2wnwgzsHarmonia Mundi: História da Música Sacra
vol 02: Um milênio de canto gregoriano

O canto gregoriano, é um cantochão que fez parte da liturgia da Igreja Católica por cerca de 1000 anos, até hoje é usado, mas em pequena escala. O canto gregoriano foi uma das primeiras espécies de música a ter seu registro escrito. É um gênero de música vocal monofônica, monódica (apenas a melodia), não acompanhada, ou acompanhada apenas pela repetição da voz principal com o organum (Paralelo, Melismático, Livre), com o ritmo livre e não medido, utilizada pelo ritual da liturgia católica romana.

A intenção é romper com a música grega, fazer algo diferene, com caráter meditativo, já que o canto gregoriano foi desenvolvido para ser executado nas celebrações da Igreja Católica até aproximadamente 1400, onde já é feita música polifônica dentro das igrejas. Normalmente, o canto gregoriano, é utilizado para colocar melodia em orações do rito cristão.

O rito mais importante é a Missa, que na maioria dos casos é organizada em: Kyrie Eleison, Gloria, Credo, Agnus Dei. O Kyrie Eleison é feito com Canto Gregoriano, melismático e com o texto curto. O Gloria é realizado na parte de júbilo, não entoado em missas de requiem, onde é envolvido o tema morte.  O Credo (Profissão/Confissão de Fé) é o momento mais educativo e de mensagem clara da liturgia. Nessa parte da missa também se usa os modos eclesiásticos autênticos e plagais. No Agnus Dei, o canto gregoriano tem tipos de textos diferentes diante de duas perspectivas, prosa e verso. Pode haver mais movimentos, mas sempre seguindo esse padrão.

A notação, originalmente é a neumática. É uma notação anterior a essa que usamos atualmente, com códigos próprios mas que ao ser analisada cuidadosamente, assemelha-se com a nossa.

As formas de execução do Canto Gregoriano se dividem em Responsorial, o qual é a alternância entre o solista (celebrante) e o coro, Anticoral, que é a alternância entre os coros ou meio-coros e Direto, onde não ocorre nenhuma alternância.

As horas canônicas, segundo a regra de S. Bento, ordem monástica sem trabalho pastoral, são organizadas em Matinas (amanhecer), Primeiras (6h), Terceiras (9h), Sextas (12h), Nonas (12h), Vésperas (pôr-do-sol), Completas (após o pôr-do-sol).

Palhinha: ouça 19. Cistercian Chant (12th century): Répons de matines pour la fête de Saint Bernard: 1. In timore Dei

History of the Sacred Music vol. 02: A Millennium of Gregorian Chant
Anonymous
Dominique Vellard, tenor
01. The vast corpus of Gregorian chant: Universi qui te expectant
Anonymous
Deller Consort – Director: Alfred Deller
02. The vast corpus of Gregorian chant: Messe de Requiem grégorienne: 1. Introït: Requiem aeternam
03. The vast corpus of Gregorian chant: Messe de Requiem grégorienne: 2. Kyrie eleison
04. The vast corpus of Gregorian chant: Messe de Requiem grégorienne: 3. Graduel: Requiem aeternam
05. The vast corpus of Gregorian chant: Messe de Requiem grégorienne: 4. Trait: Absolve, Domine
06. The vast corpus of Gregorian chant: Messe de Requiem grégorienne: 5. Séquence: Dies irae
07. The vast corpus of Gregorian chant: Messe de Requiem grégorienne: 6. Offertoire: Domine Jesu Christe
08. The vast corpus of Gregorian chant: Messe de Requiem grégorienne: 7. Sanctus
09. The vast corpus of Gregorian chant: Messe de Requiem grégorienne: 8. Agnus Dei
10. The vast corpus of Gregorian chant: Messe de Requiem grégorienne: 9. Communion: Lux aeterna
11. The vast corpus of Gregorian chant: Messe de Requiem grégorienne: 10. Répons: Libera me
12. The vast corpus of Gregorian chant: Messe de Requiem grégorienne: 11. Antienne: In paradisum
Anonymous
Ensemble Organum – Director: Marcel Prérès
13. Mass from the year 1000 (excerpts): 1. Agnus Dei: Omnipotens eterne
14. Mass from the year 1000 (excerpts): 2. Communion tropée: Corpus quod nunc/Psallite domino
15. Mass from the year 1000 (excerpts): 3. Hymne: Cives celestis patrie
16. Codex Calixtinus (c.1150): Plainchant for Santiago de Compostela: 1. Invitatoire: Regem regum dominum
17. Codex Calixtinus (c.1150): Plainchant for Santiago de Compostela: 2. Répons: Iacobe servorum
18. Codex Calixtinus (c.1150): Plainchant for Santiago de Compostela: 3. Offertoire: Ascendens Ihesus in montem
19. Cistercian Chant (12th century): Répons de matines pour la fête de Saint Bernard: 1. In timore Dei
20. Cistercian Chant (12th century): Répons de matines pour la fête de Saint Bernard: 2. Testamentum eternum
21. Cistercian Chant (12th century): Répons de matines pour la fête de Saint Bernard: 3. Dedit Dominus confessionem sancto suo
Anonymous
Theatre of Voices – Director: Paulo Hillier
22. Magnus Liber Organi (12th century): 1. Anonyme: Natus est rex
Adam de St. Victor (died 1146)
Theatre of Voices – Director: Paulo Hillier
23. Magnus Liber Organi (12th century): 2. Adam de St. Victor: In natale

History of the Sacred Music vol. 02: A Millennium of Gregorian Chant – 2009
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 335,5 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 | 134,1 MB | 320 kbps

Encarte e letras dos 30 CDs – AQUI – HERE

Powered by iTunes 12.2.3 | 1 h 16 min

. Boa audição.

gregoriano

gabrieldelaclarinet: texto
Avicenna: lay-out & mouse operator

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

History of the Sacred Music vol. 01: Chant of the Early Christians

HMundiCD01Harmonia Mundi: História da Música Sacra
vol 01: O canto dos primeiros cristãos

Certa vez eu ouvi de um amigo meu ” Não há nada mais sacro que o Canto Gregoriano e provavelmente quem já ouviu Canto Ambrosiano, vai classificá-lo como canto Gregoriano” Achei meio impossível isso acontecer, mas…. ” Cada um com seu ouvido, já dizia um professor meu.

O P.Q.P. Bach, anuncia com grande alegria, que repostaremos TODA a série ” Harmonia Mundi – Sacred Music ”. Essa epifania surgiu depois que um professor da UFRJ da matéria de Harmonia, recomendou aos seus alunos que procurassem a série aqui no blog. Como toda a série foi perdida com a queda do Megaupload, então o Gabriel della Clarinet e o Ranulfus em parceria com Avicenna Bonitão, vamos fazer esse pequeno favor de contribuir para a formação não só de alunos mas também de todos os visitantes do blog.

Surgido nos núcleos da Igreja em Constantinopla, Roma, Antioquia e Jerusalém, o cantochão diversifica-se em diversos ritos como o Ambrosiano, o Gregoriano, o Galicano, o Romano Antigo e o Rito-Moçárabe. Apesar de se creditar a unificação dos Ritos a São Gregório Magno, só na época carolíngia esta aconteceu, com o canto romano utilizado no império carolíngio suplantando algumas outras formas e denominado então de Canto Gregoriano.

—>O canto Ambrosiano teve sua origem em Milão com Santo Ambrósio (340 – 397 d.C). É um cantochão próprio cristão, especificamente do rito bizantino, e trata-se do repertório mais antigo do ocidente ainda em uso. Usava-se as ”neumas” para a escrita. Como qualquer cantochão, o canto Ambrosiano é monofônico e a cappella. De acordo com a tradição, é próprio para a voz masculina, de tal modo que vários têm o cantor especificado, por exemplo com a frase cum Pueris (por um coro de meninos) ou a Subdiaconis (pelo subdiácono).

—>Canto Benevento (Beneventan Chant – não sei se a tradução é essa, perdoem-me) é um cantochão litúrgico que foi um dos muitos utilizados nas tradições de canto da igreja primitiva ocidental. Ele foi usado principalmente na região sul da Itália, em torno dos centros eclesiásticos de Benevento e Montecassino. Relacionado ao canto ambrosiano, ele foi oficialmente substituído pelo canto gregoriano no século XI. Canto Benevento e a liturgia floresceram a partir de meados do século 7, quando os lombardos arianos tornaram-se católicos, ao final do século 8, quando as formas iniciais de canto gregoriano foram introduzidos em Benevento. Não há nenhum traço do sistema modal mais tarde desenvolvido pelos francos após modelos bizantinos. Muito parecido com Canto Ambrosiano, as melodias são melismáticas e ornamentadas. O uso freqüente e repetido de vários curtos motivos melódicos diferencia o ”Beneventan Chant” dos outros.

—>Canto Mozárabe: Origem no reino dos Visigodos (766-711 d.C), depois dessa época na península ibérica (Espanha e Portugal) surgem cristãos arabizados, proveniente da invasão árabe na península ibérica. A notação é neumática visigótica, com traços ondulados e com caligrafia bem elaborada. Toledo (Espanha) tornou-se o centro do Canto Mozárabe, e este último, sofre influência direta do Oriente Médio e do Norte da África.

History of the Sacred Music vol. 01: Chant of the Early Christians
Ambrosian Chant (repertory of Milan, early 5th. century)
01. Lucernarium: Paravi lucernam Christo meo
02. Ingressa: Lux fulgebit hodie super nos
03. Psalmellus: Tecum principium in die virtutis tue
Old Roman Chant (Byzantine period, 7th and 8th centuries)
04. Introit: Resurrexi
05. Offertoire: Terra tremuit: V. Notus in ludea – V. Et factus est in pace – V. Ibi confregit
06. Alleluia V. Epi si Kyrie
Beneventan Chant (7th-9th centuries) Mass for Easter Day
07. Introit: Maria vidit angelum (tutti)
Mazarabic Chant (7th-11th centuries)
08. Office des lectures: 1. Invocation sacerdotale d’introduction: Per gloriam nominis tui (MM)
09. Office des lectures: 2. Gloria in excelsis Deo (Tol. B fº 115)
10. Prière eucharistique: 1. Ad confractionem panis: Qui venit ad me non esuriet (Tol. B fº 116)
11. Prière eucharistique: 2. Prête: humiliate vos ad benedictionem! (MM)
12. Prière eucharistique: 3. Ad accedentes: Gustate et videte (Tol. B fº 9v)
Old Roman Chant (6th-13th centuries)
13. Ad processionem Kyrie
14. Alleluia – Versus: O kyrios evasileosen Versus: Ke gar estereosen

History of the Sacred Music vol. 01: Chant of the Early Christians – 2009
Ensemble Organum
Director: Marcel Prérès

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 307,7 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 197,9 MB

Encarte e letras dos 30 CDs – AQUI – HERE

powered by iTunes 12.3.2 | 1,1 h

Boa audição.

 

2rrw7rk

 

 

 

.

Gabriel della Clarinet: texto
Avicenna: lay-out

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Harmonia Mundi – Sacred Music – CD 29 de 30

Com este post, encerro o box de música sacra da Harmonia Mundi – agradeço bastante pela audiência. Em breve, postarei os CDs dos Cadernos de Música Contemporânea Brasileira e a integral das sinfonias de Rautavaara, e então me juntarei ao FDP na colônia de férias do blog, nas Ilhas Seychelles.

Lembro que o CD 30 foi postado primeiro que os demais e nele encontram-se os textos litúrgicos e libretos de todos os discos, além de – no mesmo post – haver um link para o extenso encarte do box, onde todas as obras estão devidamente esmiuçadas.

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Harmonia Mundi – Sacred Music – CD 28 de 30

Wladimir Peter Köppen (1846 – 1940)

Climatologista e meteorologista russo nascido em São Petersburgo e naturalizado alemão, considerado precursor da ciência meteorológica moderna, e cujas descobertas influenciaram profundamente os rumos das ciências da atmosfera. Neto de um dos médicos alemães levados à Rússia pela imperatriz Catarina a Grande, com a finalidade de melhorar as condições sanitárias da nação, seu pai, Peter von Köppen, viveu na corte de Alexandre II e obteve os mais importantes títulos científicos da Rússia.

***

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Harmonia Mundi – Sacred Music – CD 27 de 30

Caboclinhos é uma dança folclórica executada durante o Carnaval, no Nordeste do Brasil, por grupos fantasiados de índios que, com vistosos cocares, adornos de pena na cinta e nos tornozelos, colares, representam cenas de caça e combate.

Os instrumentos musicais são a gaita (flauta de apito ou pífano), duas maracas de zinco ou flandre e um surdo (bombo)de zinco coberto com couro de bode em ambos os lados.

As preacas são instrumentos de marcação em forma de arco e flecha, produzindo um som seco, em harmonia com o surdo; também o apito para os caboclos de frente, que puxam o cordão, tanto dos homens como das mulheres.

Os ritmos são o perré (ou toré), guerra e baião, sendo o primeiro mais lento.

***

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Harmonia Mundi – Sacred Music – CD 26 de 30

Nós de gravata

* O nó simples
* O nó duplo
* O nó Windsor
* O meio Windsor
* O nó pequeno
* A nó borboleta
* O nó humor

Saiba de tudo aqui.

***

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Harmonia Mundi – Sacred Music – CD 25 de 30

Turismo musical: um guia de onde comprar discos em Londres

Londres é a capital pop do planeta. Isso é facilmente comprovado ao dar uma voltinha a pé pela cidade, que oferece a todo o momento, uma rua com nome de uma música ou um pub que foi capa de um disco, isso sem falar no senso pop dos londrinos, que fica nítido ao observar rapidamente os tipos que circulam por esta metrópole, que está cada vez mais diversificada em termos étnicos.

Leia mais aqui.

***

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Harmonia Mundi – Sacred Music – CD 24 de 30

Pierre–Joseph Proudhon (1809-1865)

Considerado por Bakunin “o mestre de todos os anarquistas”, nasceu na França em 1809, no seio de uma família modesta.

Trabalhou como operário e tipógrafo. Como autodidata, desenvolveu suas próprias teorias sobre organização social, baseada na cooperação e no mutualismo. Em 1840 publicou o livro O Que é a Propriedade?, sob os auspícios da Academia de Besançon, onde se declara pela primeira vez anarquista. O livro foi elogiado por Marx, que o tentaria atrair mais tarde (1846) para um grupo de pensadores socialistas. No entanto, Proudhon na resposta a Marx questiona a criação de novos dogmas, o que levaria à ruptura com o socialista alemão.

***

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Harmonia Mundi – Sacred Music – CD 23 de 30

Salsa

A música hoje chamada salsa é uma mescla de ritmos afro-caribenhos, tais como o son montuno, o mambo e a rumba cubanos, com a bomba e a plena porto-riquenhas. A salsa nasceu em Cuba, por volta dos anos 60, e é uma espécie de adaptação do mambo da década de 1950. Recebeu ainda influências do merengue (da República Dominicana), do calipso de Trinidad e Tobago, da cumbia colombiana, do rock norte-americano e do reggae jamaicano. Hoje, é uma mistura de sons e absorve influências de ritmos mais modernos como rap ou techno. A dança é caracterizada pelo compasso ternário.

***

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Harmonia Mundi – Sacred Music – CD 22 de 30

Já que eu estou me abstendo de comentar sobre este box de música sacra e preenchendo o espaço com todo tipo de informação, útil e inútil, alheia ao mérito musical, aqui vai uma bem oportuna: em Alagoas e Pernambuco, as chuvas das últimas duas semanas deixaram várias cidades ilhadas e, consequentemente, milhares de desabrigados. Assim, quem quiser/puder fazer doações, procure a Polícia Militar de ambos os estados para saber como proceder. Confira os telefones aqui e aqui.

***

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Harmonia Mundi – Sacred Music – CD 21 de 30

Index Librorum Prohibitorum

O objetivo do Index Librorum Prohibitorum inicialmente era reagir às coisas contra o avanço do protestantismo, sendo criado em 1559 no Concílio de Trento (1545-1563), e ficando sob a administração da Inquisição ou Santo Ofício. Esta lista continha os livros ou de obras que se opusessem a doutrina da Igreja Católica e deste modo tinha o objetivo de prevenir a corrupção dos fiéis.

O índice foi atualizado regularmente até a trigésima-segunda edição, em 1948, tendo os livros sido escolhidos pelo Santo Ofício ou pelo Papa. A lista não era simplesmente reativa, os autores eram encorajados a defender os seus trabalhos. Em certos casos eles podiam re-publicar com omissões se pretendessem evitar a interdição. A censura prévia era encorajada.

Saiba mais

***

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Harmonia Mundi – Sacred Music – CD 20 de 30

O Trentino-Alto Ádige (em italiano Trentino-Alto Adige, em alemão Trentino-Südtirol, em ladino-dolomita Trentin-Südtirol) é uma região situada no nordeste da Itália, com 900 mil habitantes e 13.619 km2, cuja capital é Trento. Tem limites ao norte com a Áustria (Tirol e Salzburg), ao sul e leste com o Vêneto, a sul e oeste com a Lombardia, a oeste com a Suíça (Cantão Grisões).

Por efeito do estatuto especial de 1972, o nome oficial da região é Trentino-Alto Adige/Südtirol. Depois da lei de modificação constitucional número 3, de 18 de outubro de 2001, a denominação ítalo-alemã está tambem consagrada no artigo 116 da Constituição da República Italiana. Antes de 1972, a região teve o duplo nome de Trentino-Alto Adige/Tiroler Etschland.

Na região de Trentino-Alto Ádige estão presentes três grupos lingüísticos:

* Italiano: 60% da população;
* Alemão: 35 % de população;
* Ladino-dolomita: 5% da população.

Leia mais

***

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!