Maria, com Cecilia Bartoli

Maria, com Cecilia Bartoli

Com menos de vinte anos, a romana Cecilia Bartoli já era uma celebridade — ela disse que nasceu cacarejando… Hoje, aos 53 anos, ela segue como uma das principais cantoras líricas em atividade e nos prova que uma cantora pode ao mesmo tempo cantar bem , ser inteligente, ter auto-ironia e agir sem grandes poses. Sua praia é principalmente as óperas de Mozart e Rossini, mas ela explora outros repertórios em seus discos individuais.

Mais ou menos a cada dois anos, Cecilia Bartoli lança um álbum solo onde canta árias escolhidas. O primeiro que conheci, o espetacular The Vivaldi Album (1999), era belíssimo. Depois ouvi o também excelente Opera Proibita (2005), inteiramente dedicado a Handel, Scarlatti e Caldara. Ela é um sucesso de público e estes trabalhos receberam Grammys e o o escambal. Gosto muito dela e, por isso, atirei-me de cabeça neste recém lançado Maria.

Aqui, novamente — como faz em todos os seus álbuns — ela apresenta nada menos do que oito árias nunca antes gravadas, incluindo uma bonita Se un mio desir…Cedi al duol da ópera Irene, cuja partitura completa não chegou a nossos dias. Esta mistura de pesquisa e highlights como Casta Diva tornam interessantes os álbuns desta cantora que só cria álbuns de primeira linha, como The Gluck Album e The Salieri Album.

Na minha opinião, as melhores faixas são as que tem música de Bellini. Ontem, ao ouvir o CD, fui conferir por três vezes a faixa que estava tocando e sempre era uma de Bellini. Não é o melhor de seus discos. Há umas coisas tirolesas um pouco enervantes, mas uma cantora como Bartoli sempre vale a pena ouvir.

Cecilia Bartoli — Maria

1. Irene: Se un mio desir…Cedi al duol (3:45)
Composer Giovanni Pacini (1796 – 1867)

2. Irene: Ira del ciel (2:25)
Composer Giovanni Pacini (1796 – 1867)

3. Ines de Castro: Cari giorni (4:09)
Composer Giuseppe Persiani (1799-1869)

4. Infelice, Op. 94 (12:19)
Composer Felix Mendelssohn (1809 – 1847)
Maxim Vengerov (Violin) <—– ATENÇÃO, FDP!

5. El poeta calculista: Yo que soy contrabandista (2:28)
Composer Manuel García (1775 – 1832)

6. La sonnambula: Ah, non credea mirarti.
Composer Vincenzo Bellini (1801 – 1835)

7. La sonnambula: Ah, non giunge
Composer Vincenzo Bellini (1801 – 1835)

8. Air à la tirolienne avec variations, Op. 118 (7:27)
Composer Johann Nepomuk Hummel (1778 – 1837)

9 La figlia dell’aria: E non lo vedo…Son regina (7:05)
Composer Manuel García (1775 – 1832)

10 La fille du régiment: Rataplan (2:28)
Composer Gaetano Donizetti (1797 – 1848)

11. Tancredi: Di tanti palpiti (3:20)
Composer Gioachino Rossini (1792 – 1868)

12. I puritani: Qui la voce sua soave…
Composer Vincenzo Bellini (1801 – 1835)

13. I puritani: Vien, diletto
Composer Vincenzo Bellini (1801 – 1835)

14. Clari: Come dolce a me favelli (4:38)
Composer Jacques Halévy (1799 – 1862)

15. Amelia, ovvero Otto anni di costanza: Scorrete, o lagrime (2:34)
Composer Lauro Rossi (1810 – 1885)

16. L’Elisir d’Amore: Prendi, per me sei libero (4:18)
Composer Gaetano Donizetti (1797 – 1848)

17. Norma: Casta diva (6:47)
Composer Vincenzo Bellini (1801 – 1835)

Mezzo-soprano Vocals – Cecilia Bartoli
Leader [Orchestra La Scintilla] – Ada Pesch
Conductor – Adam Fischer

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Essa canta pra cacete!

PQP

Hummel / Haydn / Torelli / Neruda: Concertos para Trompete

Hummel / Haydn / Torelli / Neruda: Concertos para Trompete

A inglesa Alison Balsom é um show. E este CD é uma preciosidade, pois, desde a célebre gravação de Wynthon Marsalis, não tínhamos um registro tão bom dos concertos para trompete de Hummel e Haydn, talvez os melhores do gênero. A orquestra também é ótima. Die Deutsche Kammerphilharmonie Bremen acompanha Balsom com muito mais que dignidade. A habilidade fantástica de Balsom cria belos fraseados com timbres e articulações coerentes com o repertório.

Para velhinhos como eu, reouvir estes concertos é um renovado deleite, mas, sei lá, talvez os jovens pequepianos ainda os desconheçam. Bem, são muito bons, viram?

Hummel / Haydn / Torelli / Neruda: Concertos para Trompete

Trumpet Concerto In E Flat
Composed By – Johann Nepomuk Hummel
1 Ⅰ. Allegro Con Spirito 9:25
2 Ⅱ. Andante 4:45
3 Ⅲ. Rondo 3:40

Trumpet Concerto In E Flat Hob.Ⅶ E:Ⅰ
Composed By – Joseph Haydn
4 Ⅰ. Allegro 6:37
5 Ⅱ. Andante 3:31
6 Ⅲ. Finale: Allegro 4:35

Trumpet Concerto In D
Composed By – Giuseppe Torelli
7 Ⅰ. Allegro 2:00
8 Ⅱ. Adagio – Presto – Adagio 2:18
9 Ⅲ. Allegro 1:33

Trumpet Concerto In E Flat
Composed By – Jan Křtitel Jiří Neruda*
10 Ⅰ. Allegro 5:13
11 Ⅱ. Largo 4:34
12 Ⅲ. Vivace 4:35

Trumpet – Alison Balsom
Orchestra – Die Deutsche Kammerphilharmonie Bremen

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Alison Balsom, uma virtuose em instrumento -- hahahaha -- "masculino"
Alison Balsom, uma virtuose em instrumento — hahahaha — “masculino”

PQP

Franz Schubert (1797-1828) Piano Quintet in A major ‘Trout’ & Johann Nepomuk Hummel (1778-1837) Piano Quintet in E flat major

Franz Schubert (1797-1828) Piano Quintet in A major ‘Trout’ & Johann Nepomuk Hummel (1778-1837)  Piano Quintet in E flat major

PQP Bach
12 anos de Prazer


Franz Schubert
Piano Quintet in A major ‘Trout’

Johann Nepomuk Hummel
Piano Quintet in E flat major

The Schubert Ensemble of London

 

Era o ano de 2008. Àquela altura, não havia nem Facebook nem Whatsapp como os conhecemos hoje. O Orkut mandava no pedaço. O Youtube começava o seu domínio na área dos vídeos. Sabia-se que havia um potencial na rede mundial de computadores. E naquele momento projetava-se uma dependência com a informatização da vida. Foi o início do compartilhamento massivo de informações. Músicas e imagens passaram a ser consumidas por tudo mundo que tivesse uma boa banda larga.

Foi em um contexto como esse que eu encontrei o PQPBach. Certo dia, eu estava “garimpando” preciosidades, entre elas a Sinfonia No. 11, de Shostakovich, “O ano de 1905”, um dos trabalhos de que mais gosto. Ao digitar as informações no Google, fui remetido para a página do PQPBach – e quão grande foi a minha surpresa. Eu havia, simplesmente, achado um rio caudaloso de possibilidades. Estavam ali as gravações que eu desejava.

À época, se não me falha a memória, o PQP Bach era tripulado pelo PQP, FDP, CDF, CVL, Clara Schumann, Avicenna, Marcelo Stravinsky e Bluedog. Mais tarde, outros nomes foram agregados. Baixei tudo o que eu encontrei por lá. E o mais interessante eram os comentários, as famosas apresentações – ora sérias ora descontraídas – uma das marcas do blog. Há um nível de respeito que admiro bastante entre os integrantes do blog. Penso que seja isso importante para a manutenção da página. Encontrei-me com alguns deles. Aprendi bastante com as conversas. Os caras que compõem o PQPBach são sujeitos bastante cultos. Sabem o que estão falando. Amam a música! E não existe outra razão para manter o espaço por doze anos. Longa vida ao PQP Bach!

Fui convidado para fazer uma postagem em homenagem ao aniversário do espaço. Fiquei bastante lisonjeado! Fiz contribuições módicas e humildes entre 2009 e 2010. Pensei na postagem que realizaria. Veio-me a ideia de postar Shostakovich para combinar com o primeiro encontro que tive no espaço. Bruckner também chegou a ser considerado. Finalmente, decidi-me por Schubert e Hummel – principalmente por causa do primeiro. Vamos de A Truta, uma das obras de câmara mais bonitas e inquietantes – pelo nível de alegria – da história. A obra foi escrita em 1819, quando Schubert gozava juvenis 22 anos. É evidente a atmosfera festiva e positiva da obra. A melodia envolvente de “A Truta” foi extraída de uma das suas 600 canções. A obra atesta a criatividade e a genialidade de Schubert, um dos compositores mais extraordinários da história. Não deixe de ouvir. Uma boa apreciação!

Franz Schubert (1797-1828)
Piano Quintet in A major ‘Trout’, D667
01. Allegro vivace
02. Andante
03. Scherzo: Presto
04. Thema: Andantino – Variations 1
05. Finale: Allegro giusto

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837)
Piano Quintet in E flat major, Op.87
06. Allegro e risoluto assai
07. Minuet and Trio: Allegro con fuoco
08. Largo
09. Finale: Allegro agitato

The Schubert Ensemble of London
Jacqueline Shave violin
Roger Tapping viola
Jane Salmon cello
Peter Buckoke double bass
William Howard piano

BAIXAR AQUI – DOWNLOAD HERE

Os óculos são fundo de garrafa, mas ele enxergava muito.

Boa audição!

Carlinus

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837): Concertino Op. 73, Concerto para Piano Op. 113, Rondó Op. 117

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837): Concertino Op. 73, Concerto para Piano Op. 113, Rondó Op. 117

CH9558Hummel é um caso curioso na história da música. Bom compositor, foi contemporâneo dos gênios Haydn, Mozart e Beethoven, sendo bem inferior a este trio de ouro. O resultado é que pouca gente ouve ao “Mozart sem magia” representado por Hummel. Sua música é competente e agradável, sem transcendência, mas sem merecer o limbo. O pianista e maestro Howard Shelley é uma espécie de mensageiro de Hummel, tanto que gravou uma série de CDs com a obra do compositor. Com o selo de alta qualidade da Chandos, a série é um primor, mas, sabem?, é Hummel.

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837): Concertino Op. 73, Concerto para Piano Op. 113, Rondó Op. 117

Concertino in G major Op. 73 16:25
1.I Allegro moderato 8:13
2.II Andante grazioso 3:56
3.III Rondo 4:12

Piano Concerto in A flat major Op. 113 29:44
4.I Allegro moderato 15:42
5.II Romanze: Larghetto con moto 4:47
6.III Rondo alla Spagniola: Allegro moderato 9:13

7. Gesellschafts-Rondo in D major Op. 117 12:47

London Mozart Players
Howard Shelley piano / director

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Howard Shelley: o mensageiro de Hummel
Howard Shelley: o mensageiro de Hummel

PQP

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837): Concerto para Piano Nº 4, Op. 110 / Concerto Duplo para Violino e Piano, Op. 17

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837): Concerto para Piano Nº 4, Op. 110 / Concerto Duplo para Violino e Piano, Op. 17

Neste outro belo CD de Howard Shelley interpretando os Concertos para Piano de Hummel temos o de Nº 4, e o Concerto para Violino e Piano Op. 17. É interessante para podermos identificar o desenvolvimento do autor enquanto compositor, principalmente naquele momento de transição do classicismo para o romantismo. Shelley explora muito bem essa transição, nos mostrando um compositor que conhece muito bem os recursos e possibilidades do instrumento.

O Concerto para Violino e Piano é no mínimo curioso e mostra a versatilidade de Hummel ao trabalhar com dois instrumentos solistas bem diferentes. Os diálogos pedem uma certa cumplicidade entre os músicos pois a interação é necessária para o desenvolvimento da obra. Só penso que para um compositor que viveu na mesma época em que os gigantes dominavam a Terra, como Mozart, Beethoven e Haydn, a orquestração é um tanto quanto ingênua. Talvez seja esse o principal problema. Hummel era um pianista-compositor, e não um compositor-pianista, se é que me faço entender. É o mesmo problema que se identifica em Paganini, por exemplo.

Mas enfim, trata-se de mais um CD de excelente qualidade de gravação e interpretação do selo Chandos, Mais uma vez tiro o chapéu para a iniciativa de Howard Shelley em nos mostrar que haviam sim ótimos compositores além dos citados acima entre o final do século XVIII e início do século XIX.

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837): Concerto para Piano Nº 4, Op. 110 / Concerto Duplo para Violino e Piano, Op. 17

01 – Piano Concerto No. 4_ I. Allegro Pomposo E Spiritoso
02 – Piano Concerto No. 4_ II. Andante Con Moto
03 – Piano Concerto No. 4_ III. Rondo_ Allegro Moderato Ma Con Brio

04 – Concerto for Piano & Violin_ I. Allegro Con Brio
05 – Concerto for Piano & Violin_ II. Theme & Variations_ Andante Con Moto
06 – Concerto for Piano & Violin_ III. Rondo

Hagai Shaham – Violin
London Mozart Players
Howard Shelley – Piano & Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Hey, my name is Nepomuk, Johann Nepomuk Hummel
Hey, my name is Nepomuk, Johann Nepomuk Hummel

FDPBach

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837): Piano Concertos / Theme and Variations

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837): Piano Concertos / Theme and Variations

Hummel não foi genial. Foi um bom compositor que seria mais famoso se não tivesse nascido na época de Haydn, Mozart, Beethoven e outros. Escreveu um belo Concerto para Trompete e Orquestra que está consolidado no repertório de nossa época. Este disco mostra com boa dose de exatidão quem ele foi: um brilhante concertista. Tem que ser bom pianista para interpretar estes concertos que, no entanto, carecem de transcendência. Amigo de Beethoven e aluno de Mozart, Hummel merece ser conhecido, mas não creio que será alvo de grandes paixões.

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837): Piano Concertos / Theme and Variations

1 Piano Concerto in F Major, Op. posth. 1: I. Allegro moderato 13:46
2 Piano Concerto in F Major, Op. posth. 1: II. Larghetto 6:31
3 Piano Concerto in F Major, Op. posth. 1: III. Finale: Allegro con brio 8:05

4 Theme and Variations in F Major, Op. 97: Theme 1:10
5 Theme and Variations in F Major, Op. 97: Variation 1 1:09
6 Theme and Variations in F Major, Op. 97: Variation 2 1:09
7 Theme and Variations in F Major, Op. 97: Variation 3: Sostenuto ed espressivo 2:31
8 Theme and Variations in F Major, Op. 97: Variation 4 1:03
9 Theme and Variations in F Major, Op. 97: Variation 5 1:04
10 Theme and Variations in F Major, Op. 97: Variation 6: Poco larghetto con espressione 3:47
11 Theme and Variations in F Major, Op. 97: Variation 7: Allegretto – Cadenza – Tempo I 4:09

12 Piano Concerto in A Major, WoO 24, S4: I. Allegro 9:43
13 Piano Concerto in A Major, WoO 24, S4: II. Romanze: Adagio 6:34
14 Piano Concerto in A Major, WoO 24, S4: III. Rondo 6:58

London Mozart Players
Howard Shelley, piano e regência

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Howard Shelley: dupla jornada merece salário dobrado. Eu acho.
Howard Shelley: dupla jornada merece salário dobrado. Eu acho.

PQP

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837) : Piano Concerto Op. 89 & Piano Concerto Op. 85

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837) : Piano Concerto Op. 89 & Piano Concerto Op. 85

R-4903213-1378966513-5730.jpegHummel não tem a qualidade de Mozart ou Beethoven, mas seu estilo é uma mistura dos três. É um bom compositor austríaco de origem eslovaca que aqui recebe tratamento luxuoso da parte de Stephen Hough e Bryden Thomson. Seu Concerto Op. 85 é indiscutivelmente bom. Hummel foi discípulo de Wolfgang Amadeus Mozart e amigo de Beethoven. Trabalhou como mestre de capela em Weimar a partir de 1819. Brilhante concertista, contribuiu para o desenvolvimento da técnica pianística. Compôs obras para piano, óperas, bailados, peças orquestrais etc. Sua principal obra é um belíssimo Concerto para Trompete e Orquestra que fez enorme furor nas mãos — e nos lábios — de Wynton Marsalis.

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837) : Piano Concerto Op. 89 & Piano Concerto Op. 85

Piano Concerto In A-Minor Op. 85 (30:19)
1 I – Allegro Moderato 15:28
2 II – Larghetto 4:24
3 III – Rondo: Allegro Moderato 10:24

Piano ConcertoIn B-Minor Op. 89 (35:59)
4 I – Allegro Moderato 16:49
5 II – Larghetto 7:53
6 III – Finale: Vivace 10:51

Stephen Hough, piano
English Chamber Orchestra
Bryden Thomson

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Hummel, Johann Nepomuk Hummel
Hummel, Johann Nepomuk Hummel

PQP

Ignaz Moscheles (1794-1870) e Johann Nepomuk Hummel (1778-1837): Sonatas para Violoncelo e Piano

Ignaz Moscheles (1794-1870) e Johann Nepomuk Hummel (1778-1837): Sonatas para Violoncelo e Piano

A Sonata de Moscheles é muito boa, mas a verdadeira surpresa deste CD são os Estudos Melódicos e Contrapontísticos do mesmo Moscheles sobre Prelúdios de Bach nas faixas 5, 6 e 7. Já a Sonata de Hummel é rotineira, ainda mais se considerarmos sua luminosa obra, especialmente as Sonatas de nosso próximo e excelente post (PQP o postará na terça pela manhã). Para variar, a Hyperion nos brinda com um disco com repertório raro e que vale a pena conhecer. Serve bem a uma tarde preguiçosa de domingo.

Moscheles (1794-1870) e Hummel (1778-1837): Sonatas para Violoncelo

Cello Sonata in E major, Op 121 [Moscheles]
1. Movement 1: Allegro espressivo e appassionato
2. Movement 2: Scherzo ‘ballabile’. Allegretto quasi allegro
3. Movement 3: Ballade ‘in böhmische Weise’. Andantino
4. Movement 4: Allegro vivace, ma non troppo

Melodisch-contrapunktische Studien, Op 137 [Bach & Moscheles]
5. No 4: Andante con moto espressivo ‘Well-tempered Klavier II Prelude No 7 in E flat major’
6. No 8: Allegro maestoso ‘Well-tempered Klavier II Prelude No 6 in D minor’
7. No 9: Andante espressivo ‘Well-tempered Klavier I Prelude No 4 in C sharp minor’

Cello Sonata in A major, Op 104 [Hummel]
8. Movement 1: Allegro amabile e grazioso
9. Movement 2: Romanze. Un poco adagio e con espressione
10. Movement 3: Rondo. Allegro vivace un poco

Jiří Bárta, violoncelo
Hamish Milne, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Bartá
Jiří Bárta: esse sujeito dá um banho neste CD

PQP

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837) – Concertino for piano & small orchestra in G major, Piano Concerto in A flat major, Op. 113, Gesellschafts Rondo for piano & orchestra in D major, Op. 117 – Shelley, London Mozart Players

frontExistem alguns compositores no classicismo que ficaram meio que no esquecimento simplesmente por terem sido contemporâneos de gênios como Mozart, Beethoven e Haydn. Hummel com certeza foi um deles. Felizmente, o pianista Howard Shelley retirou do limbo os concertos para piano que este excelente compositor escreveu. E o rapaz tinha um círculo de amigos privilegiado, incluíndo aí o próprio Beethoven, Haydn, Schubert e o grande poeta alemão, Goethe, entre outros.
Estes concertos para piano que vou trazer nas próximas postagens seguem a estrutura dos concertos do classicismo. São de difícil execução, e de rara beleza. Ecos de Mozart e do próprio Beethoven podem ser ouvidos, sem dúvida alguma, mas pode-se identificar uma linguagem própria. Hummel foi um pianista virtuose em sua época, e acompanhou a própria evolução do instrumento e obviamente, da escrita pianística. Pouco antes de morrer, escreveu um Manual sobre execução em pianoforte que lhe rendeu um boa fonte de renda no final de sua vida.
Howard Shelley é o grande nome do piano nas terras da rainha nas últimas décadas. Esse seu trabalho de recuperação das obras de Hummel é admirável e deve ser apreciado devidamente. Além de ser o solista, também dirige o excelente London Mozart Players. Mais uma admirável gravação do ótimo selo inglês Chandos.

01 – Concertino for piano & small orchestra in G major 1 – Allegro moderato
02 – Concertino for piano & small orchestra in G major 2 – Andante grazioso
03 – Concertino for piano & small orchestra in G major 3 – Rondo
04 – Piano Concerto in A flat major, Op. 113- No. 1, Allegro moderato
05 – Piano Concerto in A flat major, Op. 113- No. 2. Romanze: Larghetto con moto
06 – Piano Concerto in A flat major, Op. 113- No. 3. Rondo alla Spagniola – Allegro moderato
07 – Gesellschafts Rondo for piano & orchestra in D major, Op. 117

London Mozart Players
Howard Shelley – Piano & Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837): Sonatas para Piano

Imaginem um mundo ainda pior do que o nosso, um mundo onde Haydn (1732), Mozart (1756) e Beethoven (1770) tivessem sucumbido à alta mortalidade infantil de suas épocas. Bem, neste caso, Hummel seria muito famoso. OK, você, que é inteligente, dirá que se o trio fundamental acima não tivesse produzido nada, o Hummel que ouvimos seria outro, pois ele foi formado por Haydn e Mozart e foi contemporâneo de Beethoven. Concordo e peço que não levem tão a sério minha ficção. O que desejo dizer é que Hummel é um sub-Beethoven que não merece o pouco caso que nossa época dá a ele. Tudo porque ele é MUITO BOM.

Estas sonatas para piano gravadas por Stephen Hough para a sensacional Hyperion deveriam fazer parte do repertório usual de pianistas que tocam obras do período clássico. Peço a vocês que confiram. Se as sonatas de Hummel não superam as de Mozart e Beethoven, deixam longe as de Haydn e as de quase todos os compositores do período.

Ah, não acreditam? Então ouçam. BAITA CD.

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837): Sonatas para Piano

Piano Sonata in F sharp minor, Op 81
1. Allegro
2. Largo Con Molt’espressione
3. Vivace

Piano Sonata in D major, Op 106
4. Allegro Moderato, Ma Risoluto
5. Un Scherzo All’antico: Allegro, Ma Non Troppo
6. Larghetto A Capriccio
7. Allegro Vivace

Piano Sonata in F minor, Op 20
8. Allegro Moderato
9. Adagio Maestoso
10. Presto

Stephen Hough, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (RapidShare)

PQP

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837) – Quintet opus 74 in D minor e George Onslow (1784-1853) -Quintet opus 70 in B minor

Nepomuk Hummel foi um ilustre músico e pianista no final do século XVIII e início do século XIX. Austríaco de nascimento, Hummel teve o privilégio de ser discípulo de Mozart e amigo de Beethoven. Ele foi um importante e imponente concertista e contribuiu fundamentealmente para o desenvolvimento da técnica pianística. Outro compositor que aparece nesse post é o compositor francês George Onslow. Ainda não o conhecia. O ponto importante a favor de Onslow é que Beethoven e Schubert admiravam a obra do compositor. Com sinceridade, eu achei a estética deste post diversa daquela a que estou acostumado. Talvez, eu ainda precise ouvir mais uma vez para admití-la. Uma boa audição!

Johann Nepomuk Hummel (1778-1837) – Quintet opus 74 in D minor

01. I. Allegro con spirito
02. II. Menuetto o scherzo (allegro)
03. III. Andante con variaizoni
04. IV. Finale (vivace)

George Onslow (1784-1853) -Quintet opus 70 in B minor

05. I. Allegro grandioso e non troppo presto
06. II. Andantino cantabile e semplice
07. III. Allegretto molto mdoerato

Nepomuk Fortepiano Quintet
Riko Fukuda, fortepiano
Franc Polman, violino
Elisabeth Smalt, viola
Jan Insinger, violoncello
Pieter Smithuijsen, double bass

BAIXAR AQUI

Carlinus

Alison Balson – Trumpet Concertos

É, estou tentado voltar a vida do blog. Fiquei um tempo afastado pois meus estudos consomem cada vez mais meu tempo. A postagem de hoje nos revela uma belíssima mulher.. quero dizer Trompetista. O Concerto para Trompete de Haydn deu-se pela invenção do trompete de chaves que tem a capacidade de executar toda a gama de notas, oitavas e seus respectivos harmônicos. Possiu maior extensão que a Corneta. Tal mudançãs possibilitou uma abertura a composição para esse instrumento, já que só era usado para dar cornetadas para exército e para fazer fanfarras. Adota a forma Allegro ( sonata ), Andante ( sonata ) e Finalle Allegro. Um típico concerto modelo Haydniano. Por mais que eu toque Clarineta, não deixo de admirar outros concerto também, acho que o esse concerto uma das melhores composições do período clássico para instrumento solo. Não consigo perceber pelo som, se o trompete é o que se usa hoje em dia em conjuntos musicais ou se é usado instrumento de época. O importante é que o concerto é bonito pra caramba, e mulher também.
Enfim, boa audição.

Johann Nepomuk Hummel ( 1778 – 1837 )
Trumpet Concerto in E flat
1. I. Allegro con spirito:- Concerto in E flat major for Trumpet and Orchestra (1806)
2. II. Andante:- Concerto in E flat major for Trumpet and Orchestra (1806)
3. III. Rondo:- Concerto in E flat major for Trumpet and Orchestra (1806)

Joseph Haydn ( 1732 – 1809 )
Trumpet Concerto in E flat
4. Allegro:- Concerto in E flat for Trumpet & Orchestra Hob. VII e:I
5. Andante:- Concerto in E flat for Trumpet & Orchestra Hob. VII e:I
6. Finale. Allegro:- Concerto in E flat for Trumpet & Orchestra Hob. VII e:I

Giuseppe Torelli ( 1658 – 1709 )
Trumpet Concerto in D
7. I. Allegro:- Concerto for Trumpet & Orchestra in D major “Estienne Roger”
8. II. Adagio – Presto – Allegro:- Concerto for Trumpet & Orchestra in D major “Estienne Roger”
9. III. Allegro:- Concerto for Trumpet & Orchestra in D major “Estienne Roger”

Krtitel Jiri Neruda ( 1711 – 1776 )
Trumpet Concerto in E flat
10. I. Allegro:- Concerto for Trumpet and Strings in E flat major
11. II. Largo:- Concerto for Trumpet and Strings in E flat major
12. III. Vivace:- Concerto for Trumpet and Strings in E flat major

Alison Balson – Trumpet
Bremen German Chamber Philharmonic

Clique aqui para fazer o download – Megaupload

Gabriel della Clarinet