Schubert / Janáček / Stravinsky / Kreisler: Spectrum

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Este Spectrum é uma paleta de cores violinísticas que cobrem um período de 150 anos. Do Grand Duo melódico-clássico-romântico de Schubert, passando pela belíssima Sonata romântico-tardia de Janáček e pela fantasia rapsódica vienense de Kreisler, para chegar ao beijo de fada neoclássico de Stravinsky. Ouvi o CD como quem ouve um recital e me apaixonei pela coisa. Um disco de extremo bom gosto de um excelente violinista que sabe escolher seu repertório de forma a privilegiar a música. O surpreendente Benjamin Beilman é um estadunidense de Washington nascido em 1989. Bom menino.

Schubert / Janáček / Stravinsky / Kreisler: Spectrum

01 – Schubert – Sonata in A, D574 ‘Grand Duo’ – I. Allegro moderato
02 – Schubert – Sonata in A, D574 ‘Grand Duo’ – II. Scherzo. Presto
03 – Schubert – Sonata in A, D574 ‘Grand Duo’ – III. Andantino
04 – Schubert – Sonata in A, D574 ‘Grand Duo’ – IV. Allegro vivace

05 – Janáček – Sonata, JW VII-7 for violin and piano – I. Con moto
06 – Janáček – Sonata, JW VII-7 for violin and piano – II. Ballada
07 – Janáček – Sonata, JW VII-7 for violin and piano – III. Allegretto
08 – Janáček – Sonata, JW VII-7 for violin and piano – IV. Adagio

09 – Stravinsky – Divertimento (from Le Baiser de la fee) – I. Sinfonia
10 – Stravinsky – Divertimento (from Le Baiser de la fee) – II. Dances suisses
11 – Stravinsky – Divertimento (from Le Baiser de la fee) – III. Scherzo (Au Moulin)
12 – Stravinsky – Divertimento (from Le Baiser de la fee) – IV. Pas de deux – a. Adagio
13 – Stravinsky – Divertimento (from Le Baiser de la fee) – IV. Pas de deux – b. Variation
14 – Stravinsky – Divertimento (from Le Baiser de la fee) – IV. Pas de deux – c. Coda

15 – Kreisler – Viennese Rhapsodic Fantasietta

Benjamin Beilman, violino
Yekwon Sunwoo, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Benjamin Beilman: Dá-lhe!

Benjamin Beilman: Dá-lhe!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Leos Janácek (1854-1928): String Quartet Nº 2 ‘Intimate Letters’ / Pavel Haas (1899-1944): String Quartet Nº 2 ‘From The Monkey Mountain’

O Quarteto Pavel Haas é realmente notável. Grande entendimento, excelentes gravações e uma escolha de repertório de irretocável bom gosto. Mas sei alguma coisa sobre as relações  de poder dentro de um quarteto e sempre dou risadas ao ver, pelas fotos, que há sempre mudanças no segundo violino. A loira Veronika Jarůšková é o primeiro violino e chefona desde sempre. O primeiro violoncelista do conjunto saiu por incompatibilidade de gênios (sei) e o maridão Peter Jarůšek assumiu o lugar dele. A história do segundo violino é complicada, eles já estão no quarto nome, um homem chamado Marek Zwiebel. Já o violista é estável… Como este é o primeiro disco do Haas (2006), a moça da foto acima é Kateřina Gemrotová, a primeira segunda-violinista. Bem, este é um baita CD, viram? As “Cartas Íntimas” de Janácek é uma preferência absoluta desde que vos escreve. O Quarteto de Haas é fantástico — o cara justifica a homenagem de dar nome a este grande quarteto de cordas brigão.

Leos Janácek (1854-1928) – String Quartet No.2 ‘Intimate Letters’
01. I. Andante
02. II. Adagio
03. III. Moderato
04. IV. Allegro

Pavel Haas (1899-1944) – String Quartet No.2 ‘From The Monkey Mountain’
05. I. Landscape (Andante)
06. II. Coach, Coachman And Horse (Andante)
07. III. The Moon And I… (Largo E Misterioso)
08. IV. Wild Night (Vivace E Con Fuoco)

Pavel Haas Quartet

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Pavel Haas Quartet em 2016 -- sempre um(a) novo(a) segundo violino... | Photo: Marco Borggreve

Pavel Haas Quartet em 2016 — sempre um(a) novo(a) segundo violino… | Photo: Marco Borggreve

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Béla Bartók (1881-1945): O Mandarim Miraculoso e Dois Retratos / Leoš Janáček (1854-1928): Sinfonietta


IM-PER-DÍ-VEL !!!

Seguindo nesta minha fase compulsiva, vamos a mais um Bartók. O húngaro não é para diletantes, então observem ao lado o nome do regente. Abbado interpreta maravilhosamente tanto o Mandarim quanto a Sinfonietta de Janáček, que tantos admiradores possui aqui no blog. Esta versão do Mandarim é a melhor que já ouvi até hoje. A história é a seguinte:

O ballet-pantomima O Mandarim Miraculoso narra uma curiosa história. Sons precipitados e tumultuados de rua apresentam três vagabundos que coagindo uma jovem mulher a fazer o papel de prostituta a fim de atrair homens a seu quarto para que eles pudessem roubá-los. (O chamado sedutor é soado três vezes pelo clarinete.) Primeiro, a jovem atrai a atenção de um senhor de idade. Mas seu interesse por ela é subitamente interrompido quando os três cúmplices o escorraçam porque ele não tem dinheiro. O chamado sedutor soa de novo, desta vez alcançando um jovem tímido. A jovem se sente atraída por ele e os dois dançam. Mas quando descobrem que ele também tem pouco dinheiro, é igualmente posto para fora.

O terceiro chamado traz à cena o macabro Mandarim. Os olhos traem-lhe os desejos. A jovem começa a dançar para ele- uma valsa que lentamente começa a se delinear – excitando-o ainda mais. No clímax da dança ela se lança a seus joelhos. Apaixonadamente, ele a abraça. A jovem, aterrorizada, foge dele quando um forte toque de trombone anuncia frenética perseguição em ostinado. O Mandarim a persegue e, quando alcança a mulher, os três delinqüentes saltam de seu esconderijo e tentam asfixiá-lo sob uma pilha de almofadas. Mas o mandarim consegue se reerguer e com os olhos fixos ainda mais apaixonadamente sobre a jovem. Os homens o atravessam com uma espada enferrujada, mas o Mandarim não sangra. Enforcam-no num candelabro mas ele não morre. Finalmente, sua cabeça é decepada e a jovem, chorando toma-o nos braços. Só então começam a ferir as feridas do Mandarim e ele consegue morrer.

Béla Bartók (1881-1945): O Mandarim Miraculoso e Dois Retratos /
Leoš Janáček (1854-1928): Sinfonietta

1. The Miraculous Mandarin op.19: Beginning
2. The Miraculous Mandarin op.19: The curtain rises
3. The Miraculous Mandarin op.19: First seduction game: the shabby old rake
4. The Miraculous Mandarin op.19: Second seduction game
5. The Miraculous Mandarin op.19: The shy youth appears at the door
6. The Miraculous Mandarin op.19: Third seduction game
7. The Miraculous Mandarin op.19: The Mandarin enters-Encounter with the girl
8. The Miraculous Mandarin op.19: The girl’s dance
9. The Miraculous Mandarin op.19: She flees from him; he chases her wildly
10. The Miraculous Mandarin op.19: The Mandarin stumbles, but catches the girl; they fight. The…
11. The Miraculous Mandarin op.19: Suddenly the Mandarin’s head Appears. The Tramps drag him out,…
12. The Miraculous Mandarin op.19: They drag the Mandarin to the centre of the room and hang him on a…
13. The Miraculous Mandarin op.19: The tramps take him down. He falls to the floor and at once leaps…
14. The Miraculous Mandarin op.19: His longing stilled, the Manadrin’s wounds begin to bleed; he…

London Symphony Orchestra
Ambrosian Singers
Claudio Abbado

15. Two Portraits op.5: 1. One Ideal: Andante – Shlomo Mintz/LSO/Abbado
16. Two Portraits op.5: 2. One Grotesque: Presto – Shlomo Mintz/LSO/Abbado

London Symphony Orchestra
Shlomo Mintz
Claudio Abbado

17. Sinfonietta: 1. Allegretto-Allegro-Maestoso – Berlin PO/Abbado
18. Sinfonietta: 2. Andante-Allegretto – Berlin PO/Abbado
19. Sinfonietta: 3. Moderato – Berlin PO/Abbado
20. Sinfonietta: 4. Allegretto – Berlin PO/Abbado
21. Sinfonietta: 5. Andante con moto – Berlin PO/Abbado

Berlin Philharmonic Orchestra
Claudio Abbado

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Quem desenhou esta ilustração presente em programas do Mandarim?

Quem desenhou esta ilustração presente em programas do Mandarim?

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Leoš Janáček (1854-1928): Sinfonietta for Orchestra e Preludes to Operas

Nestes dias em que as comportas da música erudita foram abertas e jorra música por todos os lados é preciso se disciplinar. Tenho música para ouvir pelos próximos 20 anos. E acredito que esta não seja apenas a minha condição. Há outros com este mesmo “problema”. Geralmente posto aquilo que ouço. Isso me disciplina a ouvir aquilo que está em minhas mãos. Se assim não proceder, o prejuízo torna-se imenso. Foi assim que eu procedi para postar este CD com o compositor tcheco Leoš Janáček, patrício de Dvorak. A música de Janáček está repleta de um forte tom folclórico. Janáček pertence a uma geração de compositores que procuraram um maior realismo e uma maior conexão com a vida cotidiana, combinada com uma utilização mais abrangente de recursos musicais. Neste magnífico CD temos a Sinfonieta para Orquestra e Prelúdios de suas principais óperas. A Sinfonieta em particular foi feita em homenagem às Forças Armadas da Checoslováquia. Após ouvir uma banda de metais, Janáček encontrou uma tema motivador para compor a peça. Segundo Janáček, a obra enfatizava “o homem livre contemporâneo, a beleza, alegria, determinação e força para lutar pela vitória”. Uma boa apreciação desse importante material!

Leoš Janáček (1854-1928) – Sinfonietta for Orchestra e Preludes to Operas

Sinfonietta for Orchestra
01. I. Allegretto-Allegro-Maestoso
02. II. Andante-Allegretto-Maestoso
03. III. Moderato-con moto-Tempo primo-Prestissimo-Moderato
04. IV. Allegretto
05. V. Andante con moto-Maestoso-Allegretto-Allegro-Maestoso-Adagio

Prelude to The Makropulos Affair
06. Prelude to The Makropulos Affair

Prelude to Katya Kabanova
07. Prelude to Katya Kabanova

Prelude to The House of the Dead
08. Prelude to The House of the Dead

Prelude to Jealousy (Jenufa)
09. Prelude to Jealousy (Jenufa)

The Pro Arte Orchestra
Charles Mackerras, regente

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Leos Janacek

Leoš, poderia pentear o cabelo antes de tomar café?

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Béla Bartók (1881-1945): Sonata for Solo Violin / Leoš Janáček (1854-1928): Violin Sonata / Claude Debussy (1862-1918): Violin Sonata / Serguei Prokofiev (1891-1953): Violin Sonata Nros 1 e 2 / Igor Fyodorovich Stravinsky (1882-1971): Divertimento

cover

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Viktoria Mullova é um das preferências absolutas deste filho de Bach. Mas a sonoridade desta moscovita é coisa de louco.

A peça de Bartók é uma peça de Bartók, isto, é, é esplêndida e o mantém entre os 3 maiores Bs da música erudita, os quais permanecem como os maiores mesmo quando se usa todas as outras letras do alfabeto. Quem são os três? Ora, Bach, Brahms, Beethoven e Bartók.

A peça de Janáček é igualmente sensacional. Música bem eslava, sanguínea e cheia de surpresas e belas melodias, combinando perfeitamente com Bartók.

Depois a gente brocha. Debussy… Debussy… Debbie…, o que dizer? Claude, apesar do tremendo esforço que fez para movimentar-se no primeiro movimento, é um gordo. Portanto, é meio estático. Para piorar, é também extático. Bem, hoje faz um lindo dia e dizem que é o Dia do Beijo, o que significa que eu deveria ir para a rua ver o que consigo. (Mas, olha, foi das melhores coisas que já ouvi do gordo Debbie).

Prokofiev! Ah, Serguei é outro papo. Já de cara ele mostra quão fodão é naquele tranquilo Andante assai e no furioso Allegro brusco que o segue. Sem dúvida, é um cara que valoriza o contraste… Nós também detestamos o total flat, a gente gosta tanto dos mares piscininha quanto das descidas vertiginosas; afinal, os acidentes geográficos é o que faz a beleza da paisagem, né? As duas Sonatas de Prokofiev são notáveis.

Stravinsky… Sei que meus pares aqui no blog são admiradores do anão russo e adoro provocar, só que não dá, o cara é bão demais, raramente erra. Será que o gordo Debbie escreveu alguma coisa chamada “Divertimento”? Ele se divertia com o quê?

Bartók: Sonata for Solo Violin / Janáček: Violin Sonata / Debussy: Violin Sonata / Prokofiev: Violin Sonata Nros 1 e 2 / Stravinsky: Divertimento

CD 1
1. Bartok Sonata for Solo Violin – I. Tempo di ciaccona
2. Bartok Sonata for Solo Violin – II. Fuga. Risoluto, non troppo vivo
3. Bartok Sonata for Solo Violin – III. Melodia. Adagio
4. Bartok Sonata for Solo Violin – IV. Presto agitato

5. Janacek Violin Sonata – I. Con moto
6. Janacek Violin Sonata – II. Ballada. Con moto
7. Janacek Violin Sonata – III. Allegretto
8. Janacek Violin Sonata – IV. Adagio

9. Debussy Violin Sonata – I. Allegro vivo
10. Debussy Violin Sonata – II. Intermede. Fantasque et leger
11. Debussy Violin Sonata – III. Finale. Tres animé

CD 2
1. Prokofiev Violin Sonata No.1 in F minor, Op.80 – I. Andante assai
2. Prokofiev Violin Sonata No.1 in F minor, Op.80 – II. Allegro brusco
3. Prokofiev Violin Sonata No.1 in F minor, Op.80 – III. Andante
4. Prokofiev Violin Sonata No.1 in F minor, Op.80 – IV. Allegrissimo

5. Prokofiev Violin Sonata No.2 in D major, Op.94a – I. Moderato
6. Prokofiev Violin Sonata No.2 in D major, Op.94a – II. Scherzo. Presto
7. Prokofiev Violin Sonata No.2 in D major, Op.94a – III. Andante
8. Prokofiev Violin Sonata No.2 in D major, Op.94a – IV. Allegro con brio

9. Stravinsky Divertimento – I. Sinfonia
10. Stravinsky Divertimento – II. Danses suisses
11. Stravinsky Divertimento – III. Scherzo
12. Stravinsky Divertimento – IV. Pas de deux. Adagio – Variations – Coda

Viktoria Mullova: violin
Piotr Anderszewski: piano
Bruno Canino: piano

Recording:
June 1987, Utrecht (Bartók)
April 1989, London (Prokofiev No.2, Stravinsky)
July 1994, Forde Abbey, Chard, England (Janácek, Debussy, Prokofiev No.1)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Mullova quando jovem: sei de vários que enlouqueceram.

Mullova quando jovem: sei de vários que enlouqueceram.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Béla Bartók (1881-1945): Concerto para Orquestra & Leoš Janáček (1854-1928): Sinfonietta (ambas com Seji Ozawa)

ozawaIM-PER-DÍ-VEL !!!

Mais um CD que não se encontra na Amazon. Um absurdo, pois é uma gravação que jamais deveria se tornar indisponível. Para meu gosto, Ozawa é um dos grandes mestres da regência e aqui nos dá um show de categoria em ambas as obras. Talvez esta seja a melhor gravação do Concerto para Orquestra que eu tenha ouvido.

Bem, vocês vão me permitir transcrever apenas no próximo post aqui a parte final daquela pequena biografia que estou postando, OK? Por quê? Ora, porque ao lado de uma das maiores obra-primas do século passado está a sensacional Sinfonietta de Janáček.

A Sinfonietta (com o subtítulo “Sinfonietta Militar” ou “Sokol Festival ‘) é um ultra expressivo e festivo trabalho escrito para grande orquestra (com 25 metais). Começou por Janáček ouvindo uma banda militar; daí, veio-lhe a vontade de escrever algumas fanfarras e… putz, saíram boas. Quando os organizadores do Festival de Ginástica de Sokol encomendaram-lhe uma obra bem escandalosa para o evento, ele desenvolveu o restante do material para a Sinfonietta. Mais tarde, ele tascou um “militar” no título, mas não pegou. Os militares perderam muito prestígio no decorrer do século… A primeira apresentação foi em Praga, em 26 de junho de 1926 sob a regência de Václav Talich.

Os fantásticos negrões dos metais da Orquestra Sinfônica de Chicago (devem ter tocado jazz desde crianças; aliás, vale a pena ouvir Bernstein falando sobre o naipe de metais de Chicago) dão mais uma demonstração absurda de sua competência — e isso nas duas obras. Vale a pena enfiar som na caixa.

Bèla Bartók (1881-1945): Concerto para Orquestra & Leoš Janáček (1854-1928): Sinfonietta (ambas com Seji Ozawa)

1. Concerto for Orchestra, Sz. 116 – 1. Introduzione (Andante non troppo – Allegro vivace
2. Concerto for Orchestra, Sz. 116 – 2. Giuoco della coppie (Allegretto scherzando)
3. Concerto for Orchestra, Sz. 116 – 3. Elegia (Andante, non troppo)
4. Concerto for Orchestra, Sz. 116 – 4. Intermezzo interrotto (Allegretto)
5. Concerto for Orchestra, Sz. 116 – 5. Finale (Pesante – Presto)

6 I. Allegretto (Fanfare)
7.II. Andante (The Castle, Brno)
8.III. Moderato (The Queen’s Monastery, Brno)
9. IV. Allegretto (The Street Leading to the Castle)
10. V. Andante con moto (The Town Hall, Brno)

Chicago Symphony Orchestra
Seiji Ozawa

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

ozawa-back

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Leos Janácek (1854-1928): Pièces pour piano

IM-PER-DÍ-VEL  !!!

A música para piano de Leos Janáček, quase toda ela composta nos primeiros anos do século XX, parece vir de Debussy, porém o filtro do nacionalismo tcheco e as águas do Danúbio transformaram aquela influência em algo mais direcionado, ou seja, de poesia não tão vaga. Nenhuma das três peças deste CD são esquecíveis. A Sonata 01/10/1905 é maravilhosa. Trata-se de uma homenagem — na verdade um lamento — dedicada a um jovem trabalhador assassinado por uma baioneta do exército durante uma manifestação em Brno, no dia  em 1º de outubro de 1905. Janáček estreou a sonata logo a seguir, em 1906. In the mists (Nas brumas) é belíssima e o ciclo de canções On the Overgrown Path é aquela música que está na trilha sonora de A Insustentável leveza do Ser, lembram? Parece um Schumann melhorado.

A leveza e a sensibilidade da pianista Hélène Couvert está perfeitamente adequada às peças. Sua interpretação tem notável senso de estilo. A poesia contida nas peças esconde grandes emoções e ela facilmente poderia escorregar para o vulgar, mas Couvert fica longe disso. A dignidade e sincera poesia das peças está preservada. Um disco absolutamente bom e que explora um repertório mais ou menos ignorado, ao menos no Ocidente. Gente, tá na hora de (re)ouvir Janáček.

Leos Janácek (1854-1928) – Pièces pour piano

01. On the Overgrown Path (Po zarostlém chodnícku), for piano, JW 8/17: Nos Soirées
02. On the Overgrown Path (Po zarostlém chodnícku), for piano, JW 8/17: Une feuille emportée
03. On the Overgrown Path (Po zarostlém chodnícku), for piano, JW 8/17: Venez avec nous!
04. On the Overgrown Path (Po zarostlém chodnícku), for piano, JW 8/17: La vierge de Frydek
05. On the Overgrown Path (Po zarostlém chodnícku), for piano, JW 8/17: Elles bavardaient en hirondelles
06. On the Overgrown Path (Po zarostlém chodnícku), for piano, JW 8/17: La parole manque!
07. On the Overgrown Path (Po zarostlém chodnícku), for piano, JW 8/17: Bonne nuit!
08. On the Overgrown Path (Po zarostlém chodnícku), for piano, JW 8/17: Anxieté indicible
09. On the Overgrown Path (Po zarostlém chodnícku), for piano, JW 8/17: En Pleurs
10. On the Overgrown Path (Po zarostlém chodnícku), for piano, JW 8/17: La chevêche ne s’est pas envolée!

11. Piano Sonata (‘Zulice, 1.X.05,’ ‘From the Street, 1 October, 1905’), JW 8/19 (final movement lost): Le pressentiment
12. Piano Sonata (‘Zulice, 1.X.05,’ ‘From the Street, 1 October, 1905’), JW 8/19 (final movement lost): La mort

13. In the mists (V Mlhách), pieces (4) for piano, JW 8/22: Andante
14. In the mists (V Mlhách), pieces (4) for piano, JW 8/22: Molto adagio
15. In the mists (V Mlhách), pieces (4) for piano, JW 8/22: Andantino
16. In the mists (V Mlhách), pieces (4) for piano, JW 8/22: Presto

Hélène Couvert, piano

BAIXE  AQUI — DOWNLOAD HERE

Hélène Couvert, estão servidos?

Hélène Couvert, estão servidos?

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Albéniz / Berio / Debussy / Fauré / Janáček / Liszt / Ravel / Sawhney / Takemitsu: Water

Após os excelentes álbuns Duo e Credo, ambos postados no PQP Bach, Hélène Grimaud nos chega com um disco onde aparece claramente a sua militância pelas causas ecológicas. Water é um trabalho incomum. Aqui, Grimaud executa peças de vários períodos — clássicas, românticas e contemporâneas — cuja temática é a água. Além do fascínio pela água, além das evocações tradicionais de rios, lagos, mares, flocos de neve, e gotas de chuva, o álbum também reflete uma perspectiva contemporânea sobre a água e a falta dela. As peças de diferentes compositores são amarradas através das Transitions, sons de água e de instrumentos musicais compostos, gravados e produzidos por Nitin Sawhney, um celebrado compositor de World Music. Ele também é DJ, produtor, multi-instrumentista, compositor orquestral e pioneiro cultural. Reafirmando sua posição como uma das artistas mais interessantes da música erudita, Grimaud combina a cultura com seu compromisso com os desafios ecológicos, ambientais e humanitários de nossos dias. Então, Water é um projeto com três níveis distintos de aspiração criativa: artístico, inventivo e ativista. Além disso é bom pacas de ouvir.

Albéniz / Berio / Debussy / Fauré / Janáček / Liszt / Ravel / Sawhney / Takemitsu: Water

1 Wasserklavier (No.3 From 6 Encores – Per Antonio Ballista) (Luciano Berio) 2:11
2 Water – Transition 1 (Nitin Sawhney) 1:18
3 Rain Tree Sketch II (In Memoriam Oliver Messiaen) (Toru Takemitsu) 5:25
4 Water – Transition 2 (Nitin Sawhney) 1:41
5 Barcarolle No.5 In F Sharp Minor (op.66) (fis-moll En Fa Diese Mineur Allegretto Moderato) (Gabriel Fauré) 6:39
6 Water – Transition 3 (Nitin Sawhney) 1:33
7 Jeux D’eau (Music Note=144) (Tres Doux) (Maurice Ravel) 5:10
8 Water – Transition 4 (Nitin Sawhney) 1:27
9 Almeria (No.2 From Iberia II Allegretto Moderato) (Isaac Albéniz) 10:06
10 Water – Transition 5 (Nitin Sawhney) 0:55
11 Les Jeux D’eaux A La Villa D’Este (No.4 From Annees De Pelerinage III S 163 Allegretto) (Franz Liszt) 7:38
12 Water – Transition 6 (Nitin Sawhney) 1:34
13 In The Mists: No.1 (Andante) (Leoš Janáček) 4:33
14 Water – Transition 7 (Nitin Sawhney) 1:16
15 La Cathedrale Engloutie (No.10 From Preludes I Profondement Calme) (Claude Debussy) 6:03
16 Water Reflections (Helene Grimaud’s Thoughts On The Permutations Of Water) 10:49

Piano – Hélène Grimaud

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Desta vez, deu na trave

Desta vez, deu na trave

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bartók: Sonata Nº 1 para Violino e Piano (1921) / Janáček: Sonata para Violino e Piano (1914-1921) / Messiaen: Tema e Variações para Violino e Piano (1932)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Bartok: Violin Sonata No. 1 (1921) / Janacek: Violin Sonata (1914-1921) / Messiaen: Theme and Variations for Violin and Piano (1932)

bart kremer arger

Na coletânea de ensaios Os testamentos traídos, de 1993, Milan Kundera disseca as culturas mais periféricas da Europa, tomando como exemplo sua Tchecoslováquia natal. “A intensidade muitas vezes assombrosa de sua vida cultural pode fascinar um observador”. Porém, “No seio dessa intimidade calorosa, um inveja o outro, todos vigiam a todos”. Se um artista ignora as regras locais,  a rejeição pode ser cruel, a solidão, esmagadora”. Claro que cada uma destas pequenas nações tinha seu círculo de compositores locais e, dentre eles, o(s) representante(s) nacionais. Sibelius na Finlândia, Bartók na Hungria, Grieg na Noruega, Dvorak, Smetana e Janáček na Tchecoslováquia, Nielsen na Dinamarca, Elgar e Vaughan Wiilliams naquele grande país quase sem música até o século XX, Villa-Lobos no Brasil (sim, Vanderson, sei que não fazemos parte da Europa), etc.

Este CD trata de Bartók e Janáček, dois compositores estranhos e inicialmente mal vistos pelas escolas alemã, francesa e italiana, mas que dominam este disco capitaneado pela argentina Argerich e pelo, penso, lituano Gidon Kremer. O francês Messiaen entra meio que de lambuja, pois as principais obras são as dos selvagens. Bartók já foi melhor interpretado, mas, meu jesuiscristinho, que sonata fantástica! O mesmo vale para o Janáček. Por tudo isso, trata-se de um CD

IM-PER-DÍ-VEL !!!!

Bartók: Sonata Nº 1 para Violino e Piano (1921) / Janáček: Sonata para Violino e Piano (1914-1921) / Messiaen: Tema e Variações para Violino e Piano (1932)

Béla Bartók (1881-1945)
Sonata for violin and piano No. 1
01. Sonata for Violin and Piano No.1, Sz. 75 – Allegro appassionato Gidon Kremer 12:44
02. Sonata for Violin and Piano No.1, Sz. 75 – Adagio Gidon Kremer 10:15
03. Sonata for Violin and Piano No.1, Sz. 75 – Allegro Gidon Kremer 9:29

Leos Janácek (1854-1928)
Sonata for violin and piano
04. Violin Sonata – 1. Con moto Gidon Kremer 4:52
05. Violin Sonata – 2. Ballada. Con moto Gidon Kremer 4:59
06. Violin Sonata – 3. Allegretto Gidon Kremer 2:47
07. Violin Sonata – 4. Adagio Gidon Kremer 4:00

Olivier Messiaen (1908)
Thema and Variations
08. Theme and Variations for Violin and Piano – Thème. Modéré Gidon Kremer 1:17
09. Theme and Variations for Violin and Piano – Variation 1. Modéré Gidon Kremer 1:30
10. Theme and Variations for Violin and Piano – Variation 2. Un peu moins modéré Gidon Kremer 0:47
11. Theme and Variations for Violin and Piano – Variation 3. Modéré, avec éclat Gidon Kremer 0:51
12. Theme and Variations for Violin and Piano – Variation 4. Vif et passionné Gidon Kremer 1:08
13. Theme and Variations for Violin and Piano – Variation 5. Très modéré Gidon Kremer 1:54

Gidon Kremer, violin
Martha Argerich, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Bartók e uma amigo de PQP Bach que só mandou esta foto como provocação

Em Budapeste, Bartók e um amigo de PQP Bach, o qual só mandou esta foto como provocação… Para me fazer sentir ciúmes, por saber de meu caso de amor com o húngaro.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Janacek (1854-1928), Haas (1899-1944), Szymanowski (1882-1937): Quartetos de Cordas arranjados para Orquestra de Câmara

O que liga Tolstói, Beethoven, um violinista virtuoso e uma mulher checa jovem, linda e casada? Ora, a inspiração para os quartetos de cordas do idoso Janacek. Este é um bonito disco do pessoal da Australian Chamber Orchestra. Tenho especialíssima predileção pelo Quarteto Nº 1 de Janacek e o arranjo para orquestra de câmara me satisfaz inteiramente. Menos conhecido, o Sr. Pavel Haas apresenta excelente e nada tímida música. Haas foi assassinado durante o Holocausto judeu da Segunda Guerra. E daí chega Szymanowski com, na minha humilde opinião, a peça mais fraca do disco. Ou será que a expressividade extrema de Janacek e Haas não teriam me preparado para a classe de mestre Szy, a qual normalmente aprecio? Fica a pergunta.

String Quartets arranged for String Orchestra

Leos Janacek (1854-1928)
String Quartet No. 1 ‘Kreutzer Sonata’ 19:19
1 I Adagio 4:07
2 II Con moto 4:36
3 III Con moto 4:34
4 IV Adagio con moto 5:49

Pavel Haas (1899-1944)
String Quartet No. 2, Op. 7 ‘From the Monkey Mountains’ 32:48
5 I Landscape 10:19
6 II Cart, Driver and Horse 4:53
7 III The Moon and I 8:50
8 IV A Wild Night 8:29

Karol Maciej Szymanowski (1882-1937)
String Quartet No. 2, Op. 56 19:17
9 I Moderato, dolce e tranquillo 8:27
10 II Vivace, scherzando 4:54
11 III Lento 5:48

Australian Chamber Orchestra
Richard Tognetti

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Olha aí o pessoal da Australian Chamber Orchestra

Olha aí o pessoal da Australian Chamber Orchestra

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Leoš Janáček (1854-1928): Quartetos Nº 1 e 2 / Sonata a Kreutzer e Cartas Íntimas / Melos Quartett e Panocha Quartet

Gosto muito destes dois quartetos do grande Leoš Janáček. Sua música não é sutil, calma nem delicada, mas serve, paradoxalmente, à expressões íntimas. Quem leu Sonata a Kreutzer, sabe que a extraordinária novelinha de Tolstói trata das relações de casal e é pra lá de pessimista. Aliás, há uma Sonata Kreutzer escrita por Beethoven muito antes do surgimento da novela de Tolstói. Nem imagino o motivo pelo qual o escritor russo fez de sua obra uma referência a Ludwig van. Mera homenagem ou desejava ele dizer algo? O outro quarteto destes CDs é chamado pelo compositor de Cartas Íntimas. Ambos são obras de primeira linha.

Os CDs que postamos têm o mesmo repertório na mesma ordem. Os dois registros são excelentes e eu não ousaria dizer qual é o melhor. A gravação do Melos impressiona primeiramente pela qualidade do som (Harmonia Mundi) e depois pela interpretação. Os checos do Panocha (Supraphon) são mais agressivos e talvez estejam mais próximos de Janáček.

Valem a audição. Muito.

Leoš Janáček (1854-1928): Quartetos Nº 1 e 2 /
Sonata a Kreutzer e Cartas Íntimas

1. String Quartet No. 1 “Kreutzer Sonata”: I. Adagio. Con moto 4:04
2. String Quartet No. 1 “Kreutzer Sonata”: II. Con moto 4:32
3. String Quartet No. 1 “Kreutzer Sonata”: III. Con moto. Vivo. Andante 3:58
4. String Quartet No. 1 “Kreutzer Sonata”: IV. Con moto (Adagio). Più mosso 5:43

5. String Quartet No. 2 “Intimate Letters”: I. Andante. Con moto. Allegro 6:22
6. String Quartet No. 2 “Intimate Letters”: II. Adagio. Vivace 6:08
7. String Quartet No. 2 “Intimate Letters”: III. Moderato. Andante. Adagio 5:36
8. String Quartet No. 2 “Intimate Letters”: IV. Allegro. Andante. Adagio

Melos Quartett


BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (RapidShare)

Leoš Janáček (1854-1928): Quartetos Nº 1 e 2 /
Sonata a Kreutzer e Cartas Íntimas

1 String Quartet No.1 (1923) – I. Adagio. Con moto
2 String Quartet No.1 (1923) – II. Con moto
3 String Quartet No.1 (1923) – III. Con moto. Vivo. Andante
4 String Quartet No.1 (1923) – IV. Con moto. (Adagio). Piu mosso

5 String Quartet No.2 (1928) – I. Andante
6 String Quartet No.2 (1928) – II. Adagio
7 String Quartet No.2 (1928) – III. Moderato
8 String Quartet No.2 (1928) – IV. Allegro

Panocha Quartet


BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (RapidShare)

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Leoš Janáček (1854-1928): Obras para piano (2 CDs)

Gosto muito da música de Leoš Janáček, sempre muito expressiva. Temos aqui alguma coisa de sua obra pianística. Quem conhece suas expansões orquestrais e vocais, pode se surpreender pela absoluta tranquilidade destas obras para piano que encontram referências em Debussy e ecos em Satie. São discos ideiais para se ouvir em tardes melancólicas como costumam ser as de domingo e também nas noites frias e chuvosas do sul do Brasil.

Ah, aqui, seu interessantíssimo Concertino.

Janacek: In the Mist / Piano Sonata, “October 1, 1905” / On an Overgrown Path, Series 1.

1. In the Mists. Four piano pieces, I. Andante 3:17
2. In the Mists. Four piano pieces, II. Molto adagio 4:11
3. In the Mists. Four piano pieces, III. Andantino 2:25
4. In the Mists. Four piano pieces, IV. Presto 4:06
5. Sonata in E flat minor for Piano – October 1, 1905 – Street Scene, I. Foreboding. Con moto 5:54
6. Sonata in E flat minor for Piano – October 1, 1905 – Street Scene, II. Death. Adagio 4:56
7. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 1. 1st Series – Our Evenings (Moderato) 3:58
8. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 2. 1st Series – A Leaf Gone with the Wind (Andante) 3:19
9. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 3. 1st Series – Come with us! (Andante) 1:06
10. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 4. 1st Series – The Holy Virgin of Frýdek (Grave) 3:25
11. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 5. 1st Series – Twittering Swalows (Con moto) 2:24
12. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 6. 1st Series – Unfinished Talk! (Andante) 1:51
13. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 7. 1st Series – Good Night! (Andante) 2:45
14. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 8. 1st Series – Anxiety (Andante) 2:37
15. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 9. 1st Series – The Tears (Larghetto) 3:20
16. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 10. 1st Series – The Bird of III Omen Sings On! (Andante) 4:10

Josef Palenicek, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (RapidShare)

Janacek: On an Overgrown Path / Series 1 & 2

Book I

1. Our Evenings
2. A Blown-Away leaf
3. Come With Us!
4. The Madonna of Frydek
5. They Chattered Like Swallows
6. Words Fail!
7. Good Night!
8. Unutterable Anguish
9. In Tears
10. The Barn Owl Has Not Flown Away!

Book II

11. Andante
12. Allegretto – Presto
13. Più mosso
14. Allegro – Adagio
15. Vivo

16. Tema con Variazioni (Zdenka Variations)

Ivan Klansky, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (RapidShare)

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Leos Janácek (1854-1928) – Quarteto de Cordas No. 1 – "Sonata a Kreutzer, inspirado em Tolstoi" e Quarteto de Cordas No. 2 – "Cartas Íntimas"

Atendendo às solicitações de Ciço (CVL), que ontem ouviu os dois quartetos presentes neste post em Olinda, Pernambuco, e se entusiasmou.

As duas obras do compositor checo Leos Janácek encontradas neste CD são emblemáticas. O Quarteto de Cordas No. 1, também conhecido como Sonata a Kreutzer, baseado na novela do escritor russo Leon Tolstoi, foi composto num curto espaço de tempo – entre 13 e 28 de outubro de 1923. O compositor já utilizara em 1908 dos escritos do autor de Guerra e Paz para compor um trio para piano. A obra teve a sua estreia em 1924. A segunda peça do CD se refere a correspondências amorosas entre ele e uma amante platônica. A estreia da obra se deu no dia 11 de setembro de 1928. Um mês após a estreia da obra, o compositor faleceu. Milan Kundera, o autor de A Insustentável Leveza do ser, que também era patrício de Janacek, disse certa vez que estes dois quartetos de cordas celebram o ápice da obra do compositor. Não deixe de ouvir. Boa apreciação!

Leos Janácek (1854-1928) – Quarteto de Cordas No. 1 – “Sonata a Kreutzer, inspirado em Tolstoi” e Quarteto de Cordas No. 2 – “Cartas Íntimas”

Quarteto de Cordas No. 1 – “Sonata a Kreutzer, inspirado em Tolstoi
01. Adagio. Con moto
02. Con moto
03. Con moto. Vivo. Andante
04. Con moto. (Adagio). Più mosso

Quarteto de Cordas No. 2 – “Cartas Íntimas
05. Andante
06. Adagio
07. Moderato
08. Allegro

Panocha Quartet
Jiri Panacho, violino
Pavel Zejfart, violino
Miroslav Sehnoutka, viola
Jaroslav Kulhan, cello

BAIXAR AQUI

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Léos Janacek (1854-1928) – Glagolitic Mass – The Diary of One Who Disappeared – Kubelik

Eu já havia prometido essa obra há algum tempo atrás, mas por motivos vários, a prorroguei. Na verdade, eu procurava por esta versão, que havia visto na casa de um amigo há alguns anos atrás, ainda em vinil, diga-se de passagem.
O texto abaixo foi retirado da Wikipedia:
The term “Glagolitic” refers to the Glagolitic alphabet, the earliest alphabet used by the Slavs, and not to the texts used for the mass, as Janáček seems to have believed.[citation needed]
The five vocal movements correspond to the Catholic ordinary of the mass (minus “dona nobis pacem” in the Agnus) and in fact the work began as a Latin setting of the Kyrie, Agnus, and Credo for organ and chorus. This early version survives because it was used as a dictation exercise for Janáček’s composition students in 1908.[2]
Janáček had extensive experience working with choirs, as well as writing a large amount of choral music, and this work is his finest in the genre. It begins and closes with triumphant fanfares dominated by the brass. In between these sections lies particularly vibrant and rhythmic writing for voices (soloists as well as choir). Before the closing Intrada, Janáček introduces a dramatic organ solo of considerable originality — a perpetuo moto of wild energy. Janáček’s Glagolitic Mass is considered one of the century’s masterworks and is frequently performed and recorded today.
Janáček was a strong supporter of pan-Slavism, and this mass has been viewed as a celebration of Slavic culture. It is also, unsurprisingly, connected to Kamila Stösslová, Janáček’s great love.

A segunda obra que acompanha este cd era para mim até então desconhecida. Eis o texto wikipedia:

On May 14th, 1916, were in the Lidové noviny newspapers published verses titled “From a Pen of the Self-taught Writer”. This “diary in poems” depicts a story of a village boy who had fallen in love with the young gipsy girl Zefka (Žofka), and who had decided to leave his family and village with her. The verses made a deep impression on Leoš Janáček (cooperator of Lidové noviny in that time), and he decided to rework the poems into the song cycle. He created a work in twenty-two parts, accompanied also with scenic demands. The cycle was composed during August 1917 and June 1919, the last modifications Janáček finished in December 1920. The composer created the work simultaneously with other compositions.

The composition was inspired and influenced by the Janáček’s friend and late love Kamila Stösslová. Janáček expressed his inclination in the letters to Stösslová, and he mentioned even the inspiration for the character of the gipsy girl Zefka: “…And the black gipsy girl in my Diary of One Who Disappeared – that was you. That´s why there´s so much emotional fire in the work. So much fire that if we both caught on, we´d be turn into ashes. …And all through the work I thought of you! You were my Žofka. Žofka with a child in her arms, and he runs after her!…”[1].

The Diary was premiered at the Reduta Theatre in Brno on 18 April 1921 under the title TheDiary of One Who Disappeared and Never Heard of Again, the end of the title was later crossed out. The tenor part was performed by Karel Zavřel, alto by Ludmila Kvapilová-Kudláčková, and piano part played Janáček’s student, pianist and conductor Břetislav Bakala.

O maestro Rafael Kubelik nasceu na antiga Bohemia, que na época pertencia ao Império Austro-Húngaro, hoje pertencente a República Tcheca. Fugiu do regime comunista ainda nos anos 50 e logo se estabeleceu como um grande maestro frente às principais orquestras do mundo. Sugiro a leitura do arquivo em .pdf que acompanha o arquivo.

P.S. – Um leitor reclamou que a faixa 8 estava com defeito. Infelizmente não estou podendo upar novamente todo o arquivo, por isso, estou colocando aí embaixo apenas  a faixa corrigida.

1. Glagolitic Mass – 1. Uvod (Introduction)
2. Glagolitic Mass – 2. Gospodi pomiluji (Kyrie)
3. Glagolitic Mass – 3. Slava (Gloria)
4. Glagolitic Mass – 4. Veruju (Credo)
5. Glagolitic Mass – 5. Svet (Sanctus)
6. Glagolitic Mass – 6. Agnece zij (Agnus Dei)
7. Glagolitic Mass – 7. Varhany solo (organ solo)
8. Glagolitic Mass – 8. Intrada

Evelyn Lear – Soprano
Hilde Rössel-Majdal – Alt
Ernst Haefliger – Tenor
Franz Crass – Bass
Bedrich Janacek – Organ
Choir und Symphonieorchester des Bayerischen Rundfunk

9. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 1. “Traf eine junge Zigeunerin”/”One day I met a gypsy girl” (Tenor)
10. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 2. “Ist sie noch immer da”/”That black-eyed gypsy girl” (Tenor)
11. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 3. “Wie der Glühwürmchen Spiel”/”Throug the twilight glow-worms” (Tenor)
12. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung Max Brod – 4. “Zwitschern im Nest schon die Schwalben”/”Already swallows are” (Tenor)
13. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 5. “Heut ist’s schwer zu pflügen”/”Weary work is ploughing” (Tenor)
14. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 6. “Heissa, ihr grauen Ochsen!”/”Hey, There my tawny oxen” (Tenor)
15. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 7. “Wo ist das Pflöcklein hin”/”I’ve got a loose axie” (Tenor)
16. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 8. “Seht nicht, ihr Öchselein”/”Don’t look; my Oxen” (Tenor)
17. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 9. ” Sei willkommen, Jan”/” Welcome, my handsome one” (Alt, Tenor, Chor)
18. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzng: Max Brod – 10. “Gott dort oben, mag”/”Go all-powerful, God eternal” (Alt, Chor)
19. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 11. “Vor der Heidin Wangen”/”From the rip’ning Cornfield” (Alt, Tenor)
20. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 12. “Dunkler Erlenwald”/”Forest’s shady height” (Tenor)
21. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 13. Piano Solo
22. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 14. “Sonn’ ist aufgegangen”/”See how high the sun is!” (Tenor)
23. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 15. “Meine grauen Ochsen”/”Now my tawny oxen” (Tenor)
24. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 16. “Was hab’ ich da getan?”/”What has come over me?” (Tenor)
25. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 17. “Flieh, wenn das Schicksal ruft”/”Who can escape his fate” (Tenor)
26. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 18. “Nichts mehr denk ich”/”Nothing matters now” (Tenor)
27. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 19. “Wie die Elster wegfliegt”/”See that thieving magpie” (Tenor)
28. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 20. “Hab’ ein Jüngferlein”/”Now she bears my child” (Tenor)
29. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 21. “Vater, dam Tag’ fluch ich”/”Father, how wrong you were” (Tenor)
30. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 22. “Leb denn wohl, Heimatland”/”Then farewell, dearest land” (Tenor)

Kay Griffel – Alt
Ernst Haeflgier – Tenor
Frauenchoir / Women´s Choir
Rafael Kubelik – Piano / Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FAIXA 8 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP Bach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Leoš Janáček (1854-1928): Taras Bulba (rapsódia)

Este gravação me foi enviada por alguém — não lembro quem — e não possou nenhuma referência sobre os intérpretes. Mas é boa música sobre a obra de Gógol.

Leoš Janáček: Taras Bulba (rapsódia)

1. The Death of Andrei
2. The Death of Ostap
3. The Prophecy and Death of Taras Bulba

???

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Leos Janáček, Cartas Íntimas / Béla Bartók, Contrastes / Arvo Pärt, Missa de Berlim – Harmonia Mundi – 50 years of music exploration – CD 29 de 29

Um CD absolutamente notável fecha a coleção comemorativa da Harmonia Mundi.

Janácek, escreveu aos 73 anos (!) seu segundo Quarteto de Cordas para uma mulher. A dedicatória é a seguinte:

– Aqui pude encontrar lugar para colocar minhas mais belas melodias. Exprimirão o medo que sinto de você.

Cartas Íntimas é efetivamente um obra prima e uma de minhas mais antigas preferências. Eu a ouvia na esplêndida Rádio da UFRGS nos anos 70. O Melos Quartett realiza belíssima interpretação.

Depois temos Contrastes, de Bartók, que consegue ser ainda melhor. Em 1938, Bartók recebeu, por intermédio do violinista húngaro József Szigeti, um pedido de Benny Goodman, conhecido clarinetista de jazz, para compor uma peça para clarinete, violino e piano. Assim surgiu Contrastes, partitura de uma complexidade extrema que atemorizou desde logo Goodman (“Vou precisar de três mãos para a tocar, senhor Bartók!”). Estreou-se em Janeiro de 1939, em Nova Iorque, com interpretação de József Szigeti, Benny Goodman e o pianista Endre Petri. (*) Goodman tirou de letra.

Não vejo (ou ouço) grande coisa na peça de Pärt, talvez seja problema meu. Sua música estática e extática me irrita um pouco.

Obrigatório pelas duas primeiras peças!

MAIS UMA SÉRIE TERMINADA!

CD 29

Quatuor à cordes n°2 “Lettres intimes” – Leos Janáček 25’44
1. Andante. Con Moto. Allegro
2. Adagio. Vivace
3. Moderato. Andante. Adagio
4. Allegro. Andante. Adagio
Melos Quartett

Contrastes pour violon, clarinette et piano – Béla Bartók 17’15
5. No.1 Verbunkos
6. No.2 Piheno
7. No.3 Sebes
Ensemble Walter Boeykens

Berliner Messe – Arvo Pärt 23’20
8. Kyrie
9. Gloria
10. First Alleluia Verse
11. Second Alleluia Verse
12. Veni Sancte Spiritus
13. Credo
14. Sanctus
15. Agnus Dei
Theatre of Voices
Christopher Bowers-Broadbent, organ
Paul Hillier

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

(*) Detalhes retirados daqui.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Chausson (1855–1899), Quarteto para piano / Copland (1900-1990), Trio / Janácek (1854-1928), On an overgrown path – – Harmonia Mundi – 50 years of music exploration – CD 28 de 29

Mais um belíssimo CD da coleção da HM. Com três obras pouco divulgadas, dou destaque às peças de Copland e a um estranho e devaneador Janácek. Chausson é que aquele mela-cueca romântico que faz a alegria de alguns de nossos ouvintes-leitores.

Em minha opinião, a grande obra do disco é a de Copland, mas Janácek recupera-se no último CD da série ao contrapor suas Cartas Íntimas aos Contrastes de Bartók.

CD 28

Quatuor pour piano, violon, alto et violoncelle op.30 Ernest Chausson 37’30
1. 1st Movement
2. 2nd Movement ‘Tres Calme’
3. 3rd Movement ‘Simple Et Sans Hate’
4. 4th Movement ‘Anime’
Les Musiciens

Trio Vitebst Etude sur un thème juif Aaron Copland 13’16
5. Trio ‘Vitebsk
Trio Wanderer

On an overgrown path Leos Janácek 30’31
6. I. Nos Soirees
7. II. Une Feuille Emportee
8. III. Venez Avec Nous!
9. La Vierge De Frydek
10. V. Elles Havardaient En Hirondelles
11. VI. La Parole Manque!
12. VII. Bonne Nuit!
13. VIII. Anxiete Indicible
14. IX. En Pleurs
15. X. La Cheveche Ne S’Est Pas Envolee!
Alain Planès, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Leos Janáček: Concertino For Piano, Two Violins, Viola, Clarinet, Horn & Bassoon (1925)

I. Moderato 05:42
II. Piu mosso 03:19
III. Con moto 03:55
IV. Allegro 04:34

Karoly Ambrus, horn
Csaba Babacsi, viola
Geza Banhegyi, clarinet
Istvan Hartenstein, bassoon
Thomas Hlawatsch, piano
Bela Nagy, violin
Vilmos Olah, violin

BAIXE AQUI.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!