Partituras Armoriais

 

O Movimento Armorial foi uma das coisas mais fenomenais que ocorreram no Brasil. Como nasceu em Pernambuco, não teve muita cobertura dos meios de comunicação nacionais, concentrados no eixo Rio-São Paulo,mas não perde em nada em robustez, propostas e inovação que a Tropicália. Ouso dizer que o Armorial foi mais abrangente, pois abraçou a pintura, escultura, gravura, literatura, design e, o que nos interessa mais neste blogue, a música!

Uma definição boa e didática do movimento é a da Lúcia Gaspar, Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco:

“A Arte Armorial Brasileira é aquela que tem como traço comum principal a ligação com o espírito mágico dos “folhetos” do Romanceiro Popular do Nordeste (Literatura de Cordel), com a Música de viola, rabeca ou pífano que acompanha seus “cantares”, e com a Xilogravura que ilustra suas capas, assim como com o espírito e a forma das Artes e espetáculos populares com esse mesmo Romanceiro relacionados.” Ariano Suassuna, Jornal da Semana, Recife, 20 maio 1975.
O Movimento Armorial surgiu sob a inspiração e direção de Ariano Suassuna, com a colaboração de um grupo de artistas e escritores da região Nordeste do Brasil e o apoio do Departamento de Extensão Cultural da Pró-Reitoria para Assuntos Comunitários da Universidade Federal de Pernambuco.
Teve início no âmbito universitário, mas ganhou apoio oficial da Prefeitura do Recife e da Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco.
Foi lançado oficialmente, no Recife, no dia 18 de outubro de 1970, com a realização de um concerto e uma exposição de artes plásticas realizados no Pátio de São Pedro, no centro da cidade.
Seu objetivo foi o de valorizar a cultura popular do Nordeste brasileiro, pretendendo realizar uma arte brasileira erudita a partir das raízes populares da cultura do País.
Segundo Suassuna, sendo “armorial” o conjunto de insígnias, brasões, estandartes e bandeiras de um povo, a heráldica é uma arte muito mais popular do que qualquer coisa. Desse modo, o nome adotado significou o desejo de ligação com essas heráldicas raízes culturais brasileiras.
O Movimento tem interesse pela pintura, música, literatura, cerâmica, dança, escultura, tapeçaria, arquitetura, teatro, gravura e cinema.
Uma grande importância é dada aos folhetos do romanceiro popular nordestino, a chamada literatura de cordel, por achar que neles se encontram a fonte de uma arte e uma literatura que expressa as aspirações e o espírito do povo brasileiro, além de reunir três formas de arte: as narrativas de sua poesia, a xilogravura, que ilustra suas capas e a música, através do canto dos seus versos, acompanhada por viola ou rabeca.
São também importantes para o Movimento Armorial, os espetáculos populares do Nordeste, encenados ao ar livre, com personagens míticas, cantos, roupagens principescas feitas a partir de farrapos, músicas, animais misteriosos como o boi e o cavalo-marinho do bumba-meu-boi.
O mamulengo ou teatro de bonecos nordestino também é uma fonte de inspiração para o Movimento, que procura além da dramaturgia, um modo brasileiro de encenação e representação.
Congrega nomes importantes da cultura pernambucana. Além do próprio Ariano Suassuna, Francisco Brennand, Raimundo Carrero, Gilvan Samico, entre outros, além de grupos como o Balé Armorial do Nordeste, a Orquestra Armorial de Câmara, a Orquestra Romançal e o Quinteto Armorial.”

Conheça! Espalhe a notícia!

CEPE – Companhia Editora de Pernambuco (1894-1979)
Partituras Armoriais, com obras de:

01. Antônio José Madureira
02. Benny Wolkoff
03. Henrique Annes
04. Clóvis Pereira
05. Cussy de Almeida
06. Jarbas Maciel
07. José Tavares de Amorim
08. Lourenço da Fonseca Barbosa (Capiba)
09. Waldemar de Almeida

VEJA AQUI – SEE HERE – Blog de Carlos Eduardo Amaral
Também VEJA AQUI – SEE HERE – site da CEPE.

Quer ver tudo o que a gente tem de partitura? Clique aqui

Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Cussy de Almeida (1936 -2010), Nélson Ferreira (1902-1976), Lula Queiroga (1960), Luiz Gonzaga (1912-1989), Humberto Teixeira (1915-1979), Capiba (1904 -1997), César Guerra-Peixe (1914-1993) e Clóvis Pereira (1932) – Grupo Orange – Raízes Brasileiras [link atualizado 2017]

MUITO BOM !!!

Postado originalmente em 31 de outubro de 2008 por CVL, repostado em 10 de março de 2011 pelo mesmo CVL e trepostado por Bisnaga, agora.

Diz-se bastante que não amamos aquilo que não conhecemos. Realmente, os CDs mais baixados até aqui, dentre os que postei, foram os de Copland e de Piazzolla (mais do que os das obras do Villa, pois Magdalena e A floresta do Amazonas completa, p. ex., são pouquíssimo conhecidas). Não reclamo por Jorge Antunes e por Padre Penalva, não tão acessíveis ao gosto predominante.

É que exortei vocês a baixarem o Réquiem Contestado de Eli-Eri Moura – porque vocês não vão encontrar essa obra, muito bela, nem em sebo – mas os downloads foram muito tímidos na semana em que o postei. Este CD aqui, do Grupo Orange, é meio ruim de achar (exceto no Recife, onde há de sobra) e também vai com minha efusiva recomendação. Portanto, aproveitem.

A melhor resenha que achei sobre o CD, que insere o Grupo Orange no contexto da música armorial e que, por sua vez, remete a outros links sobre o Movimento Armorial* e seus principais nomes na música, está neste blog.

Embora o Grupo Orange esteja desafinadinho que só (em algumas músicas em particular, como o Mourão), o repertório é excelente – principalmente Dom Cariongo, De rabeca em cantoria, Modinha, Assum Preto, De viola e de rabeca (título original de Mourão) e Galope.

Grupo Orange
Raízes Brasileiras

Cussy de Almeida (1936 -2010)
1. Dom Cariongo, Rei dos Congos
2. Caboclinhos
3. De rabeca em cantoria
4. Maracatucá
5. Modinha
Nélson Ferreira (1902-1976) e Lula Queiroga (1960). Arranjo de Maestro Duda
6. Adivinhações
Cussy de Almeida (1936-2010)
7. Cipó Branco de Macaparana
Luiz Gonzaga (1912-1989) e Humberto Teixeira (1915-1979) Arra. Benny Wolkoff
8. Assum Preto
Cussy de Almeida (1936-2010)
9. Cirandância
Capiba (1904 -1997). Arr. Maestro Duda
10. Minha Ciranda
César Guerra-Peixe (1914-1993) e Clóvis Pereira (1932)
11. De viola e de rabeca
Cussy de Almeida (1936-2010)
12. Aboio
13. Esquente de zabumba
Clóvis Pereira (1932), Cussy de Almeida (1936-2010) e Jarbas Maciel (1933)
14. Cavalo marinho
Clóvis Pereira (1932)
15. Terno de pífanos
César Guerra-Peixe (1914-1993)
16. Galope

Grupo Orange
Moema Macedo, bandolim (faixa 5)
Cussy de Almeida,regente

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE 61Mb

Já viu nossos mais de 100 endereços para baixar partituras? Clique aqui

Cussy de Almeida: um senhor violinista e um senhor compositor!

CVL
Repostado/recauchutado por Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Sivuca (1930-2006), Jarbas Maciel (1933), Maestro Duda (1935), José Siqueira (1907-1985), Glória Gadelha (1947) e Abdon Felinto Milanez (1858-1927): Orquestra Sinfônica da Paraíba & Sivuca [link atualizado 2017]

SHOW DE BOLA !!!

Postado originalmente em 25 dezembro de 2011 pelo CVL. Repostado por Bisnaga

É época, entre outras coisas, de contribuir com a caixinha de natal dos funcionários de meu prédio. Moro no Leblon e meu porteiro é do Méier; minha primeira mulher mora no Leme e seu porteiro é mineiro de Carangola; o porteiro do empresarial onde tenho um escritório em Maceió é alagoano de Maceió mesmo… Já o síndico de meu edifício é um gerente de TI oriundo do Pólo Digital do Recife e é um branquelo filho de paranaense de forte sotaque “nortista” enquanto um “cabeça-chata” potiguar gerencia o empresarial de Maceió e se parece mais com o pressuposto que temos em mente quanto ao que seja um “nordestino”. Só não sei porque ninguém no Nordeste trata cariocas, capixabas, paulistas e mineiros como “sudestinos”. Bem, isso é o que rola por aí, fora do universo de visitantes de nosso blog pois por aqui nunca vi ninguém pensar nesses termos.

Se fosse para buscar uma lógica entre biótipos e estereótipos, o CD ora postado só poderia ser baixado por porteiros, camareiras, serventes e pedreiros, pois contém somente obras compostas por “paraíbas” (Jarbas Maciel é recifense, mas para boa parte da juventude do Sul e Sudeste, “do pescoço pra baixo, é tudo canela”). Como isso iria de encontro ao espírito natalino, e à própria mensagem de quem é lembrado no presente dia, desejo a todos vocês que visitam o PQP Bach que carreguem paz e amor em seus corações (pode soar piegas ou óbvio, mas é algo de efeito verdadeiro e eficiente) e curtam as gravações que vos deixo.
As peças são as seguintes:
Concerto sanfônico para ‘Asa branca’: Creio que seja a primeira obra sinfônica composta por Sivuca. Alguém, acho que um dos outros membros do blog, me disse que possui a partitura. Eu quero, hein?
Suíte miniatura no estilo armorial (dedicada a Ariano Suassuna): Linda suíte, toda construída em cima de um tema de contradança popular do interior paraibano e que resgata a instrumentação padrão da Orquestra Armorial. Destaque para o tratamento das cordas em pizzicato logo no início, como um imenso violão que faz a harmonia para o duo de flautas.
Suíte Monette: É a peça mais popularesca de todas. Sem mais comentários.
Abertura festiva das ‘Festas natalinas do Nordeste’: Obra razão de ser do presente post.
Feira de Mangaio: A segunda gravação dessa peça que posto aqui no blog. Muito interessante como Sivuca optou por incluir uma seção modificada em ritmo de valsa-choro antes de tocá-la como um baião.
Hino oficial do estado da Paraíba.

Sivuca (1897-1986)
Orquestra Sinfônica da Paraíba & Sivuca (1999)

Sivuca (Severino Dias de Oliveira – Itabaiana, PB, 1930 – João Pessoa, PB, 2006)
01. Concerto sanfônico para ‘Asa branca’
Jarbas Maciel (PE, 1933)
02. Suíte miniatura no estilo armorial ‘A pedra do Reino’, I. Chamada
03. Suíte miniatura no estilo armorial ‘A pedra do Reino’, II. Aboio
04. Suíte miniatura no estilo armorial ‘A pedra do Reino’, III. Cavalo marinho
Maestro Duda (José Ursicinio da Silva – Goiana, PE, 1935)
05. Suíte Monette, I. Ciranda
06. Suíte Monette, II. Balada
07. Suíte Monette, III. Valsa
08. Suíte Monette, IV. Boi-bumbá
José Siqueira (Conceição, PB, 1907 – Rio de Janeiro, RJ, 1985)
09. Abertura festiva das ‘Festas natalinas do Nordeste’
Glória Gadelha (Sousa, PB, 1947) e Sivuca (Itabaiana, 1930 – João Pessoa, 2006)
10. Feira de Mangaio
Abdon Felinto Milanez (Areia, PB, 1858 — Rio de Janeiro, RJ 1927)
11. Hino oficial do Estado da Paraíba (letra de Aurélio de Figueiredo)

Sivuca, sanfona
Nailson Simões, trompete (faixas 5 a 8)
Radegundis Feitosa, trombone (faixas 5 a 8)
Orquestra Sinfônica da Paraíba
Coral Collegium Pró-Música da Paraíba (faixa 11)
Osman Giuseppe Gioia, regente
João Pessoa, 1999

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE 61Mb

Ô, Sivuca… Fazes uma falta aqui embaixo…

CVL
Repostado/recauchutado por Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!