Antonio Meneses – Suítes brasileiras

SuitesBrasileirasEste é o terceiro CD de Meneses que ora está sendo postado e talvez o mais importante de todos os que o violoncelista recifense gravou pois concretiza um projeto e sem precedentes no país: o de estímulo à produção de um repertório específico para um instrumento.

Diz o release de divulgação do disco:

“Há alguns anos, Antonio Meneses encomendou a compositores brasileiros obras que servissem como uma espécie de preâmbulo para cada uma das seis suítes para violoncelo solo de Johann Sebastian Bach. O objetivo era realizar um prolongamento, guardadas as proporções, da homenagem que Villa-Lobos fizera a Bach nas Bachianas Brasileiras.”

Daí que cada uma das seis primeiras obras – totalmente diferentes entre si na estética – parafraseia uma suíte bachiana. Na segunda metade do álbum, há uma suíte inteira em cinco movimentos, que Meneses pediu especialmente ao conterrâneo pernambucano Clóvis Pereira.

Clóvis, depois de Marlos Nobre, é o maior compositor erudito pernambucano vivo. Embora sua produção não seja muito extensa e seja quase desconhecida fora de seu estado natal, dificilmente decepciona, deixando-se claro que ela segue em maior ou menor grau as linhas do Movimento Armorial.

A parceria Meneses-Clóvis nasceu uma obra antes, com o Concertino para violoncelo e orquestra (2005) – o qual vai ser lançado por Meneses em disco este ano junto com os dois concertos de Haydn -, e deu tão certo que já está sendo escrita uma sonata pra cello e piano, a ter estreia em 2011.

***

Antonio Meneses – Suítes brasileiras

1. Etius Melos, de Ronaldo Miranda
2. Cantoria 1 para violoncelo solo, de Marlos Nobre
3. Preambulum, de Almeida Prado
4. Pequena seresta de Bach, de Edino Krieger
5. Preludiando, de Marisa Resende
6. Invocatio nº 1, de Marco Padilha

Suíte macambira, de Clóvis Pereira
7. Overture
8. O canto do cego
9. Dança característica
10. Coco embolado
11. Frevo canzonado

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Antonio Meneses: indiscutível, bom pra caralho

Antonio Meneses: indiscutivelmente, bom pra caralho

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

"Versos Brasileiros": suítes para coro e/ou cordas de Henrique de Curitiba, Ernst Mahle, Ronaldo Miranda, Edmundo Villani-Côrtes e Edino Krieger – Camerata Antiqua de Curitiba / Wagner Politschuk (2007)

Publicado originalmente em 18.06.2011

Faz 6 meses que venho adiando a postagem deste CD por razões mil: primeiro, esperei que a Fundação Cultural de Curitiba respondesse minha consulta sobre como adquirir o CD (já que não tem na Amazon).

Já entendi que essa resposta não vem, mas aí fiquei achando uma maldade postar a música sem as informações do gordo livreto, e cadê tempo de escanear? Recentemente arranjei algum e escaneei só o que me pareceu mais indispensável. Ficaram de fora – pena – as biografias dos compositores e intérpretes principais, etc. etc.

Aí tinha que achei muito bonito o conceito do CD, e de modo geral também a execução – mas os dois também me suscitaram interrogações e pensamentos que pensava em compartilhar aqui… só que me deu uma BAITA preguiça de esmiuçar e sistematizar!

Então, pra não ficar paralisado, pensei assim: vou postar sem maiores comentários; os leitores que ouçam, e se quiserem apresentem nos comentários sua apreciação ou não, questionamentos e opiniões – e aí, se sentir que é o caso, eu trago ao baile também os meus. Que tal?

Só não quero deixar de contar que o Monge Ranulfus participou como coralista na estréia das “Cantigas do Bem Querer” em 1977, com regência de Samuel Kerr – e não esquece de um detalhe engraçado: o Henrique de Curitiba havia aberto um volume ao acaso numa livraria e gostou dos versos que leu: achou que, mesmo ingênuos, tinham uma certa poesia que lhe inspirava canções. Não tinha a menor idéia de que Cassandra Rios era um nome escandaloso na época, tida como autora erótica que as pessoas liam escondido… e aí houve donzelas participantes do coro que arregalaram os olhos quando viram o nome “Cassandra Rios” na partitura, e cobraram explicações do maestro… hehehe. (E agora me veio a pergunta: será que hoje isso ainda poderia acontecer?)

Bom, agora é com vocês!

“VERSOS BRASILEIROS” (2007)
Coro e orquestra da Camerata Antiqua de Curitiba

Regência: Wagner Politschuk
Soprano solo: Edna D’Oliveira
Piano: Paulo Braga

Henrique de Curitiba (1934-2008)
CANTIGAS DO BEM-QUERER
para coro, cordas, piano e soprano solo
(original: 1977; esta versão, especial para a Camerata: 2003)
Versos de Cassandra Rios

01 I. Chove
02 II. No mar nasceu a cor do teu olhar
03 III. Se me disseres
04 IV. Intermezzo I
05 V. Feche os olhos meu bem
06 VI. Eu te vi (ária soprano)
07 VII. Intermezzo II
08 VIII. Final: Poeta e cancioneiro

Ernst Mahle (*1929)
SUÍTE NORDESTINA (1976) para cordas

09 I. Allegro moderato
10 II. Andantino
11 III. Vivo

Ronaldo Miranda (*1948)
SUÍTE NORDESTINA (1982) para coro a capella

12 I. Morena bonita
13 II. Dendê trapiá
14 III. Bumba chora
15 IV. Eu vou, eu vou

Edmundo Villani-Côrtes (*1930)
CINCO MINIATURAS BRASILEIRAS (1978) para cordas

16 I. Prelúdio
17 II. Toada
18 III. Choro
19 IV. Cantiga de ninar
20 V. Baião

Edino Krieger (*1928)
Duas peças para coro a capella
Versos de Vinicius de Moraes

21 PASSACALHA (1968)
22 FUGA E ANTI-FUGA (1967)

Edmundo Villani-Côrtes (*1930)
Seis peças para coro, cordas e piano

Sobre versos de Mário de Andrade
23 O PASSARINHO DA PRAÇA DA MATRIZ (1994)
24 VALSINHA DE RODA (1979)
25 RUA AURORA (1993)

Sobre versos de Júlio Bellodi
26 PAPAGAIO AZUL (1999)
27 FREVO FUGATO (1987)
28 SINA DE CANTADOR (1998)

. . . . . . . BAIXE AQUI – download here

Ranulfus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Convergences – Brazilian Music for Strings

ConvergencesEssa madrugada lembrei-me dos fãs de Amaral Vieira – Suzete, Lisianne, Maria Cristina, Gladis, Henrique, Organista e tutti quanti – e reparei que nunca mais postei nada dele. Pois aí vai: uma excelente seleção de obras nacionais para cordas, interpretadas por um dos melhores conjuntos de câmara do país, a Camerata Fukuda. Destaque para as Nove meditações sobre o Stabat Mater de Amaral Vieira e para o Ponteio de Claudio Santoro. Antidestaque para a versão totalmente descaracterizada do Mourão de Guerra-Peixe/Clóvis Pereira, que distancia-se erroneamente da que é comumente ouvida (transformando o xaxado em não-sei-o-quê) e se baseia numa partitura não original (tenho a citada partitura para comparar).

Fiz o upload tomando o café da manhã.

Convergences – Brazilian Music for Strings

1 Mourão César Guerra-Peixe 3:44

2 Modinha imperial Francisco Mignone 4:46

3 Divertimento: I. Allegretto Edino Krieger 3:50
4 Divertimento: II. Seresta (Homenagem a Villa-Lobos) Edino Krieger 6:41
5 Divertimento: III. Variações e Presto Edino Krieger 4:17

6 Nove meditações sobre o “Stabat Mater”, Op. 249: I. Andante religioso Amaral Vieira 3:52
7 Nove meditações sobre o “Stabat Mater”, Op. 249: II. Andante Amaral Vieira 2:00
8 Nove meditações sobre o “Stabat Mater”, Op. 249: III. Moderato Amaral Vieira 2:31
9 Nove meditações sobre o “Stabat Mater”, Op. 249: IV. Allegro alla breve Amaral Vieira 0:46
10 Nove meditações sobre o “Stabat Mater”, Op. 249: V. Moderato Amaral Vieira 2:35
11 Nove meditações sobre o “Stabat Mater”, Op. 249: VI. Molto lento, doloroso Amaral Vieira 1:35
12 Nove meditações sobre o “Stabat Mater”, Op. 249: VII. Deciso Amaral Vieira 0:41
13 Nove meditações sobre o “Stabat Mater”, Op. 249: VIII. Allegro molto Amaral Vieira 0:32
14 Nove meditações sobre o “Stabat Mater”, Op. 249: IX. Andante Amaral Vieira 4:27

15 Suite antiga, Op. 11: I. Minueto Alberto Nepomuceno 3:26
16 Suite antiga, Op. 11: II. Ária Alberto Nepomuceno 3:38
17 Suite antiga, Op. 11: III. Rigaudon Alberto Nepomuceno 3:56

18 Ponteio Cláudio Santoro 4:59

Elisa Fukuda, violino
Camerata Fukuda

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O cearense Alberto Nepomuceno (1864-1920)

O cearense Alberto Nepomuceno (1864-1920)

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Beethoven, Hassler, Penalva, Henrique de Curitiba, Edino Krieger, Krzysztof Meyer: tributo ao maestro Roberto Schnorrenberg (1/2)

Em janeiro último (2014) Curitiba realizou sua 32.ª Oficina de Música anual. Notável, não? Mas seria ainda mais caso se contassem junto os nove “Festivais” realizados antes, ano a ano de 1965 a 1970, e depois em 74, 75 e 77, todos (exceto o de 74) com a apaixonada direção de Roberto Schnorrenberg.

Apaixonada e competentíssima! Schnorrenberg, que nos deixou em 1983, com apenas 54 anos, era um músico extraordinário. Eu, monge Ranulfus, posso testemunhar porque estava lá nos três últimos festivais (como vocês poderão perceber distinguindo minha maviosa e inconfundível voz em meio às outras seiscentas do coral, na segunda postagem desta série…)

Figura inesquecível, “o Schnô” – suas fúrias teatrais nos ensaios: “trrrrogloditas!” para os baixos, “galinááááceas!” para as sopranos. Nos atuais tempos mal humorados isso talvez lhe tivesse rendido algum processo, mas a verdade é que só nos divertia e estimulava.

Mas não era só onda: neste país em que tanta realização musical ainda permanece no nível das excelentes intenções mas afinação nem tanto – para ficar só no mais elementar – é vitalmente necessário resgatar e preservar os sons produzidos sob a batuta de Schorrenberg e seus amigos – gente que a partir do Collegium Musicum e da Escola Livre de Música Pro Arte iluminou a vida musical de São Paulo nos anos 50 e 60, e de quebra também a de Curitiba e muitos lugares mais.

Quatro discos de vinil documentaram uma fração da música que se fez em Curitiba naquele janeiro de 1975 – tudo ensaiado em um mês, ou menos, por músicos vindos dos mais diversos lugares – profissionais os instrumentistas e solistas vocais, amadores os coralistas. Mestre Avicenna teve um trabalho hercúleo para digitalizá-los e limpar os ruídos. Em uns poucos casos sobrou um resíduo impossível de eliminar, como no final do 2º movimento da Pastoral, mas mesmo assim, @s senhor@s hão de convir: isso não é uma realização menor da Pastoral, que possa ser esquecida.

Com a exceção do belo salmo cromático de Hassler, o segundo bloco é só de autores contemporâneos – que estiveram todos presentes e lecionando nesse mesmo festival. Muitas obras, de brasileiros e estrangeiros, estreavam nessas ocasiões – a exemplo da “Metánoia” do Padre Penalva, que no festival seguinte ganharia a companhia de “Dóxa” e “Eiréne”, sob o nome conjunto de “Agápe”. O polonês Krzysztof Meyer, que comparece aqui com um quarteto de cordas de altíssima qualidade (para quem já aprendeu a ouvir a música mais experimental do século XX) estrearia seu “Concerto Retrô” no festival do ano seguinte – cujo registro ainda hei de postar.

O Estudo Aberto de Henrique de Curitiba não impressiona muito na gravação: sua intenção era observar as mudanças de textura com os diferentes músicos se deslocando no palco. A obra brasileira mais bem sucedida aqui me parece ser a de Edino Krieger – pois a do Padre Penalva… ah, que drama: as texturas corais e instrumentais dessa obra são admirabilíssimas, coisa de Penderecki – mas confesso que não aguento ouvi-la – isso porque se há modalidade artística em que o Brasil me parece realmente fraco, incompetente de tudo, é a da locução artística, tanto solo quanto coral [jogral]. Alemães sabem fazer isso como grande arte; acho que precisaríamos de anos de treinamento com eles para realizar adequadamente um obra desta complexidade. O que ouço em matéria de texto falado é constrangedor (ainda mais lembrando que é minha uma das vozes que engrolam “Miserere mei, Deus…” logo no início. Bota misericórdia nisso!). Mesmo assim recomendo a vocês no mínimo zapearem pela obra e conferirem as texturas de que falei.

Enfim, senhor@s, divirtam-se com estes vinis 1 e 2. Logo voltaremos à carga com os 3 e 4: a Missa Solemnis Op.123, de vocês-sabem-quem. Aguardem!

8º CURSO INTERNACIONAL DE MÚSICA DO PARANÁ  e
8º FESTIVAL DE MÚSICA DE CURITIBA   (1975)
Postagem 1/2

• VINIL 1/4

Ludwig van Beethoven (1770-1827)
Sinfonia No.6 em Fá maior, op.68 ‘Pastoral’
1. Despertar de alegres emoções ao chegar ao campo – Allegro ma non troppo
2. Cena junto ao regato – Andante con moto
3. Convívio divertido da povo da roça – Allegro
4. Tempestade – Allegro
5. Cantos dos pastores: sentimentos de alegria e gratidão após a tempestade – Allegretto
Orquestra do 8º Festival de Música de Curitiba – Reg. Roberto Schnorrenberg

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 166,7 MB | HQ Scans 1,3 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 111,4 + 1,3 MB – 1h 23min

• VINIL 2/4

1. Hans Leo Hassler (1564-1612):
    Salmo 119, v.1-2: Ad Dominum cum tribulare clamavi
(faixa incluída originalmente no vinil 1/4)
2. Pe. José de Almeida Penalva (Campinas, 1924 – Curitiba, 2002)
    Metánoia (1ª versão)
Madrigal dos Alunos do 8º Curso Internacional de Música do Paraná.
Narração: Pe. Nereu Teixeira. Regência: Henrique Gregori

3-4. Henrique de Curitiba (Zbigniew Henrique Morozowicz) (Curitiba, 1934-2008)
    Estudo Aberto
Faixa 3: Primeira posição / Improviso
Faixa 4: Segunda posição / Final
Flauta: Norton Morozowicz
Clarinete: Daniel Blech
Fagote: Noel Devos

5. Edino Krieger (Brusque, SC, 1928)
    Estro Armonico
Orquestra do 8º Festival de Música de Curitiba.
Regência: Roberto Schnorrenberg

6. Krzysztof Meyer
(Kraków, Polônia, 1943)
    Quarteto de Cordas nº 4, op. 33 (1973):
I. Preludio interroto – II. Ostinato – III. Elegia e Conclusione
Quarteto Wilanow
Violino: Tadeusz Gadzina
Violino: Pawel Losakiewicz
Viola: Arthur Paciorkiewics
Violoncelo: Wojciech Walasek

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 198,4 MB | HQ Scans 1,3 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 119,1 + 1,3 MB – 42min

powered by iTunes 11.1.3

Boa audição!

PALHINHA: ouça 5. Estro Armonico (Edino Krieger)
com a Orquestra Sinfônica Nacional da Rádio MEC

Ranulfus: idealização e texto
Avicenna: digitalização do LP e mouse conductor

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Cadernos de Música Contemporânea Brasileira

Já fazia um tempinho que eu não postava algo de música clássica nacional, que é minha especialidade aqui no PQP Bach, portanto vou compensando agora essa lacuna antes de me “licenciar” do blog por alguns [poucos] meses pra visitar o mano FDP nas Ilhas Seychelles.

Os presentes cadernos compilam em cinco volumes uma amostra da produção de importantes compositores brasileiros na ativa. Cada volume, que acompanha um CD, contém um resumo biográfico e uma análise das obras do disco anexo e ainda vem com um caderno contendo as partituras de algumas das obras analisadas (ou todas, como no caso de Gilberto Mendes).

Saiba um pouco neste link.

O CD de Gilberto Mendes abarca 30 das 32 canções que o santista escreveu. Algumas delas estão entre as mais belas do cancioneiro do “lied” nacional, a começar por Peixes de Prata (faixa 10). Por sorte, os intérpretes são Fernando Portari (talvez o melhor tenor brasileiro hoje) e Rosana Lamosa, que têm a virtude de evitar vícios de interpretação e impostação que ainda afetam irritantemente o canto erudito nacional (ainda espero, por exemplo, uma gravação das Serestas de Villa-Lobos decente – que bem poderia ter Portari no lugar de um soprano).

Já o CD de Edino Krieger também traz algumas canções, junto a uma ou duas obras para cordas e os dificílimos Estudos Intervalares, para piano, enquanto o de Rodolfo Coelho de Souza reúne uma diversificada amostragem de seu catálogo, que vai de peças eletroacústicas tonais a um duo para marimba e vibrafone, passando por obras para flauta e cordas.

O CD de Almeida Prado prioriza suas importantes obras para violino e piano, especialmente as três sonatas, ao passo que o de Edmundo Villani-Cortes – compositor decididamente neorromântico e tonal, em total contraste com Almeida Prado – apresenta obras para cordas solistas e piano, com destaque para o belíssimo quinteto Caratinguê (última faixa), que só “perde” para o quinteto Fronteiras de Amaral Vieira entre as obras nacionais derivadas da formação instrumental de A truta.

Sem mais a acrescentar, boa audição a todos.

PS.: Digitar o nome de todas as faixas é uma tarefa ingrata pra mim neste momento. Caso alguém se disponha a fazê-lo, enviarei uma lembrança pelos correios assim que eu puder.

***

Almeida Prado

Faixa 1 a 4 Sonata para violino e piano n. 1 (1980)
Faixa 1 1.º mov.: granítico , intenso. 6’ 38” . BR S3A 06 00001
Faixa 2 2.º mov.: contínuo, fantástico. 1”52” . BR S3A 06 00002
Faixa 3 3.º mov.: com luminosidade interior- tema com 5 variações 5’05” . BR S3A 06 00003
Faixa 4 4.º mov.:Movimento contínuo e acelerante 2’41” . BR S3A 06 00004
Dedicada a Natan Schwartzman
Violino Constanza Almeida Prado
Piano Achille Picchi
Partitura editada pela Tonos

Faixa 5 Sonata para violino e piano n. 2 (1984) 15’25” . BR S3A 06 00005
Dedicada a Ney Salgado e Waleska Hadelich
Violino Constanza Almeida Prado
Piano Achille Picchi
Partitura editada pela Tonos

Faixa 6 Sonata para violino e piano n. 3 (1991) 15’11” . BR S3A 06 00006
Dedicada a Maria Constança Audi de Almeida Prado
Violino Constanza Almeida Prado
Piano Helenice Audi
A partitura desta obra teve sua primeira edição neste projeto

Faixa 7 Cantiga da Amizade (1978) 2’06” . BR S3A 06 00007
Dedicada a Max Feffer
Violino Constanza Almeida Prado
Piano Achille Picchi
A partitura desta obra teve sua primeira edição neste projeto

Faixa 8 a 10 Sonatina para violino e piano (1984)
Faixa 8 1.º mov.: Allegro 1’24” . BR S3A 06 00008
Faixa 9 2.º mov.:Andante – Meigo, Calmo 3’12” . BR S3A 06 00009
Faixa 10 3.º mov.: Colorido 3’14” . BR S3A 06 00010
Dedicada a Sergei Eleazar de Carvalho
Violino Constanza Almeida Prado
Piano Helenice Audi
Partitura editada pela Tonos

Faixa 11 Diálogos (1967) 6’27” . BR S3A 06 00011
Dedicada a Oswaldo e Adelci Paulino
Violino Constanza Almeida Prado
Piano Helenice Audi
A partitura desta obra teve sua primeira edição neste projeto

Faixa 12 Balada para violino e piano “B’nai brith” (1993) 6’27” . BR S3A 06 00012
Dedicada a Meri e Natan Schwartzmann
Violino Constanza Almeida Prado
Piano Achille Picchi
A partitura desta obra teve sua primeira edição neste projeto

Tempo total: 69’46”

BAIXE AQUI

***

Edino Krieger

Faixas 1 a 3 Quarteto de Cordas n.1 (1955)
Faixa 1 1.º movimento: Allegro moderato 10’14” . BR S3A 06 00036
Faixa 2 2.º movimento: Andante non troppo 7’06” . BR S3A 06 00037
Faixa 3 3.º movimento: Allegro 5’00” . BR S3A 06 00038

Quarteto Camargo Guarnieri:
Elisa Fukuda, violino I
Maria Fernanda Krug, violino II
Renato Bandel, viola
Fábio Presgrave, violoncelo
Partitura editada pela Pan American EUA

Faixa 4 Balada do Desesperado (1954) 10’21” . BR S3A 06 00039
sobre poema de Castro Alves – D.P.
Soprano: Céline Imbert
Pianista: Gilberto Tinetti
A partitura desta obra teve sua primeira edição neste projeto

Faixa 5 Desafio (1955) 1’54” . BR S3A 06 00040
sobre poema de Manuel Bandeira
“ © da letra do fonograma Desafio, do Condomínio dos proprietários dos direitos intelectuais de Manuel Bandeira”“(in: Estrela da vida inteira – Editora Nova Fronteira)”“Direitos cedidos por Solombra – Agência Literária (solombra@solombra.com.br)”
Soprano: Céline Imbert
Pianista: Gilberto Tinetti
A partitura desta obra teve sua primeira edição neste projeto

Faixa 6 Canción China a dos Voces (1953) 5”07” . BR S3A 06 00041
sobre poema de Nicolás Guillén
Fundación Nicolás Guillén – SGAE/ADDAF
Soprano: Céline Imbert
Pianista: Gilberto Tinetti
A partitura desta obra teve sua primeira edição neste projeto

Faixa 7 Três Sonetos de Drummond: Os poderes infernais (2002) 2’45” . BR S3A 06 00042
sobre poemas de Carlos Drummond de Andrade
Copyright Carlos Drummond Andrade
Dedicada a Renato Mismetti e Maximiliano de Brito
Soprano: Céline Imbert
Pianista: Gilberto Tinetti
A partitura desta obra teve sua primeira edição neste projeto

Faixa 8 Três Sonetos de Drummond: Carta (2002) 2’50” . BR S3A 06 00043
sobre poemas de Carlos Drummond de Andrade
Copyright Carlos Drummond Andrade
Dedicada a Renato Mismetti e Maximiliano de Brito
Soprano: Céline Imbert
Pianista: Gilberto Tinetti
A partitura desta obra teve sua primeira edição neste projeto

Faixa 9 Três Sonetos de Drummond: Legado (2002) 3’00” . BR S3A 06 00044
sobre poemas de Carlos Drummond de Andrade
Copyright Carlos Drummond Andrade
Dedicada a Renato Mismetti e Maximiliano de Brito
Soprano: Céline Imbert
Pianista: Gilberto Tinetti
A partitura desta obra teve sua primeira edição neste projeto

Faixas 10 a 12 Estudos intervalares para piano solo (2001)
Faixa 10 Das segundas 1”40” . BR S3A 06 00045
Faixa 11 Das terças 3’38” . BR S3A 06 00046
Faixa 12 Das quartas 2’49” . BR S3A 06 00047
Obra comissionada pela Secretaria de Estado da Cultura do Rio de Janeiro para o projeto “3 Séculos de Piano” do Conservatório brasileiro de Música
Pianista: Eduardo Monteiro
A partitura desta obra teve sua primeira edição neste projeto

Tempo total: 56’ 30”

BAIXE AQUI

***

Edmundo Villani-Côrtes

Faixa 1 a 3 Sonata para violino e piano “Encantada” (1957)
Faixa 1 1.º mov.: Moderato 7’45” . BR S3A06 00013
Faixa 2 2.ºmov.: Andantino 3’53” . BR S3A06 00014
Faixa 3 3.º mov.: Rondo-Vivace 2’39” . BR S3A06 00015

Luiz Filipe Coelho – violino
Paul Rivinus – piano

Faixa 4 Luz para violino e piano (1995) 5’53” . BR S3A06 00016
A partitura desta obra teve sua primeira edição neste projeto
Luiz Filipe Coelho – violino
Paul Rivinus – piano

Faixa 5 Águas para violino e piano (1991) 5’11” . BR S3A06 00017
A partitura desta obra teve sua primeira edição neste projeto
Luiz Filipe Coelho – violino
Paul Rivinus – piano

Faixa 6 a 8 Sonata para viola e piano (1969)
Faixa 6 1.º mov.: Allegro moderato 10’37” . BR S3A06 00018
Faixa 7 2.ºmov.: Lento 3’50” . BR S3A06 00019
Faixa 8 3.º mov.: Allegro 5’10” . BR S3A06 00020
Thais Coelho – viola
Paul Rivinus – piano

Faixa 9 Interlúdio n. 5 para viola e piano (1996) 3’29” . BR S3A06 00021
Dos Cinco prelúdios para piano solo, em versão para viola e piano
A partitura desta obra teve sua primeira edição neste projeto

Thais Coelho – viola
Paul Rivinus – piano

Faixa 10 Contemplativo para violoncelo e piano (1978) 3’57” . BR S3A06 00022
Prelúdio da obra Cinco Miniaturas Brasileira, em versão para violoncelo e piano
A partitura desta obra teve sua primeira edição neste projeto
Paul Rivinus – piano
Tatiana Himmelsbach – violoncelo

Faixa 11 Royati (2000) 6’23” . BR S3A06 00024
Luiz Filipe Coelho (1º.violino), Marija Jeremic (2.º violino) Thais Coelho (viola), Tatiana Himmelsbach (violoncelo) e Paul Rivinus (piano)

Faixa 12 Caratinguê (2000) 10’15” . BR S3A06 00025
A partitura desta obra teve sua primeira edição neste projeto

Luiz Filipe Coelho (violino), Thais Coelho (viola), Tatiana Himmelsbach (violoncelo), Jason Witjas-Evans (contrabaixo) e Paul Rivinus (piano)

BAIXE AQUI

***

Gilberto Mendes

As partituras de todas as canções deste CD tiveram sua primeira edição neste projeto.

Faixa n.º 1Episódio (1949) 1’40” . BR S3A 06 00048
sobre poema de Carlos Drummond de Andrade
Copyright Carlos Drummond Andrade
Dedicada a Nancy Bello
Tenor: Fernando Portari
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 2 A hora cinzenta (1951/52) 2’25” . BR S3A 06 00049
sobre poema de Raul de Leoni – D.P.
Dedicada a Maria Cecília de Oliveira e Antonio Eduardo
Soprano: Rosana Lamosa
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 3 Felicidade I (1951/52) 2’18” . BR S3A 06 00050
sobre poema de Raul de Leoni – D.P.
Dedicada a Maria Cecília de Oliveira e Antonio Eduardo
Soprano: Rosana Lamosa
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 4 Felicidade II (1951/52) 2’26” . BR S3A 06 00051
sobre poema de Raul de Leoni – D.P.
Dedicada a Maria Cecília de Oliveira e Antonio Eduardo
Soprano: Rosana Lamosa
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 5 Ingratidão (1951/52) 1’53” . BR S3A 06 00052
sobre poema de Raul de Leoni – D.P.
Dedicada a Maria Cecília de Oliveira e Antonio Eduardo
Soprano: Rosana Lamosa
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 6 Adolescência (1951/52) 2’01” . BR S3A 06 00053
sobre poema de Raul de Leoni – D.P.
Dedicada a Maria Cecília de Oliveira e Antonio Eduardo
Soprano: Rosana Lamosa
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 7 Confusão (1951/52) 2’30” . BR S3A 06 00054
sobre poema de Raul de Leoni – D.P.
Dedicada a Maria Cecília de Oliveira e Antonio Eduardo
Soprano: Rosana Lamosa
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 8 Sugestões do Crepúsculo (1951) 3’54” . BR S3A 06 00055
sobre poema de Vicente de Carvalho – D.P.
Dedicada a Rubens Ricciardi
Tenor: Fernando Portari
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 9 Sonho póstumo(fragmento) (1955) 1’32” . BR S3A 06 00056
sobre poema de Vicente de Carvalho – D.P.
Dedicada a Rosana Lamosa e Rubens Ricciardi
Soprano: Rosana Lamosa
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 10 Peixes de prata (1955) 2’50” . BR S3A 06 00057
sobre poema de Antonieta Dias de Moraes
antonieta.dias.de.moraes@paginadacultura.com.br, representada pela Página da Cultura site www.paginadacultura.com.br
Dedicada a Eunice Katunda
Tenor: Fernando Portari
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 11 A tecelã (1955) 1’43” . BR S3A 06 00058
sobre poema de Antonieta Dias de Moraes
antonieta.dias.de.moraes@paginadacultura.com.br, representada pela Página da Cultura site www.paginadacultura.com.br
Dedicada a Andrea Kaiser e Rubens Ricciardi
Tenor: Fernando Portari
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 12 Lamento (1956) 1’22” . BR S3A 06 00059
sobre antigo poema chinês extraído do Tchu Ivan (320 – a.C) – D.P.
Dedicada a Andrea Kaiser e Rubens Ricciardi
Tenor: Fernando Portari
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 13 Canção simples (1957) 1’32” . BR S3A 06 00060
sobre poema de Tereza de Almeida
Dedicada a Andrea Kaiser e Rubens Ricciardi
Tenor: Fernando Portari e soprano: Rosana Lamosa
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 14 Lagoa (1957) 2’35” . BR S3A 06 00061
sobre poema de Carlos Drummond de Andrade
Copyright Carlos Drummond Andrade
Dedicada a Andrea Kaiser e Rubens Ricciardi
Tenor: Fernando Portari
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 15 Desencanto (1957) 1’50” . BR S3A 06 00062
sobre poema de Maria José Aranha de Rezende
Dedicada a Andrea Kaiser e Rubens Ricciardi
Soprano: Rosana Lamosa
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º16 Dizei, Senhora (1966) 1’45” . BR S3A 06 00063
sobre poema de Cid Marcus
Dedicada a Andrea Kaiser e Rubens Ricciardi
Tenor: Fernando Portari
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 17 A mulher e o dragão (1967) 2’07” . BR S3A 06 00064
Texto-fragmento bíblico extraído de “O Apocalipse” de São João – D.P.
Dedicada a Yuri Serov
Soprano: Rosana Lamosa
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 18 Poeminha poemeto poemeu poesseu poessua da flor (1984) 1’31” . BR S3A 06 00065
sobre poema de Décio Pignatari
Dedicada a Eládio Perez González
Soprano: Fernando Portari
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 19 O trovador (1993) 1’30” . BR S3A 06 00066
sobre poema de Mário de Andrade
Dedicada a Martha Herr
Tenor: Fernando Portari
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 20 Finismundo: a última viagem – parte I (1993) 6’42” . BR S3A 06 00067
sobre poema de Haroldo de Campos
Dedicada a Fernando Portari
Tenor: Fernando Portari
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 21 Anatomia da musa (1995) 1’07” . BR S3A 06 00068
sobre poema de José Paulo Paes extraído da obra Melhores Poemas de José Paulo Paes, seleção de Davi Arrigucci Jr.Global Editora, 6ª. edição, 2005.
Dedicada a Rosana Lamosa e Rubens Ricciardi
Tenor: Fernando Portari
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 22 Fenomenologia da certeza (1995) 1’03” . BR S3A 06 00077
sobre poema de José Paulo Paes extraído da obra “Socráticas”
Cia das Letras
Dedicada a Fernando Portari e Rubens Ricciardi
Tenor: Fernando Portari
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 23 Sol de Maiakovski (1995) 0’57” . BR S3A 06 00069
sobre poema de Augusto de Campos
Dedicada a Victoria Evtodieva
Soprano: Rosana Lamosa
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 24 Tvgrama I (Tombeau de Mallarmé) 1’27” (1995) . BR S3A 06 00070
sobre poema de Augusto de Campos
Dedicada a Rosana Lamosa e Rubens Ricciardi
Soprano: Rosana Lamosa
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 25 Desencontros, à memória de Kurt Weil, à lembrança de Gilberto Mendes (1995) 1’17” . BR S3A 06 00071
sobre poema de José Paulo Paes extraído da obra “Socráticas”
Cia das Letras
Dedicada a Rosana Lamosa
Soprano: Rosana Lamosa
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 26 Luz mediterrânea: no olvido do tempo (1995) 1’16” . BR S3A 06 00072
sobre poema de Gil Nuno Vaz
Dedicada a Julia Novikova
Soprano: Rosana Lamosa
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 27 O Pai do universo (1997) 2’26” . BR S3A 06 00073
Texto-fragmento extraído do “Baghavad Gita” com tradução de Rogério Duarte
Cia das Letras
Dedicada a João Duarte
Tenor: Fernando Portari
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 28 Amplitude (1999) 1’42” . BR S3A 06 00074
sobre poema de Alberto Martins
Dedicada a Rosana Lamosa e Rubens Ricciardi
Soprano: Rosana Lamosa
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 29 Mais uma vez (1999) 0’59” . BR S3A 06 00075
sobre poema de Carlos Ávila
Dedicada a Fernando Portari e Rubens Ricciardi
Tenor: Fernando Portari
Pianista: Rubens Ricciardi

faixa n.º 30 A festa (1999) 1’32” . BR S3A 06 00076
sobre poema de Narciso de Andrade
Dedicada a Fernando Portari e Rubens Ricciardi
Tenor: Fernando Portari
Pianista: Rubens Ricciardi

Tempo total: 60’01”

BAIXE AQUI

***

Rodolfo Coelho de Souza

Faixa 1 Tristes Trópicos (1990-1991) 9’10” . BR S3A06 00026
Fernando Corvisier -piano
Partitura editada por Alain Van Kerckhoven Éditeur, Bruxelas, Bélgica, 2005

Faixa 2 Chiaroscuro – (1996) 8’48’ . BR S3A06 00027
Joaquim Abreu e Eduardo Gianesella – percussão
Carmen Célia Fregoneze – piano
Rodolfo Coelho de Souza – eletrônica
Encomendada para o Festival “Sonidos de las Americas – Brasil” pela American Composers Orchestra, promotora do evento

Faixa 3 Estudo n. º 1 para violão em quartos de tom (1977) 4’36” . BR S3A06 00028
Terezinha Prada – violão
Partitura editada por Editora Novas Metas

Faixa 4 Diálogos para marimba e vibrafone (1988) 5’00” . BR S3A06 00029
Joaquim Abreu – marimba
Eduardo Gianesella -vibrafone
A partitura desta obra teve sua primeira edição neste projeto

Faixa 5 Divertimento para flauta e piano (1996) 9’39” . BR S3A06 00030
Valentina Daldegan – flauta
Beatriz Furlaneto – piano

Faixa 6 a 8 Serenata para flauta e quarteto de cordas (2004)
Faixa 6 1.º mov. Andante 8’35” . BR S3A06 00031
Faixa 7 2.º mov. Andantino 3’31” . BR S3A06 00032
Faixa 8 3.º mov. Larghetto 5’05” . BR S3A06 00033
2. º prêmio de composição no Festival Aspeckte de Salzburg (2005)
Camerata Ademus composta por:
Rogério Wolf – flauta
Eliane Tokeshi – violino
Luiz Amato – violino
Ricardo Kubala – viola
Julian Tryczynski – cello
A partitura desta obra teve sua primeira edição neste projeto

Faixa 9 Invenções sobre um tema de Gilberto Mendes, para Orquestra Sinfônica (2002) 11’15” . BR S3A06 00034
Sinfonia Cultura, regência Lutero Rodrigues
Fonograma gentilmente cedido pela RÁDIO CULTURA FM DE SÃO PAULO, emissora da Fundação Padre Anchieta

Faixa 10 O Círculo Mágico, para Percussão e Sons Eletrônicos (2005) 7’29” . BR S3A06 00035
Grupo de Percussão da UFPR:
Mariana Cardoso Puchivailo
Mariana Kowalczuk Cioffi
Ariel Gílson Mendes
Juliana Carla Bastos
Direção: Paulo Demarchi

Tempo total: 73’14”

BAIXE AQUI

***

Use o 7-zip para descompactar os arquivos

CVL, com agradecimentos ao Francisco Carlos Coelho pela ficha técnica das gravações.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão 2006

Hoje vai o CD com a Orquestra Acadêmica tocando as Ritmetrias do Edino Krieger. A captação de som desses CDs em Campos do Jordão ficou longe das melhores, mas é louvável a iniciativa de se lançarem esses discos com os registros do melhor festival de inverno da América Latina. Por isso, aproveitem.

***

01 Glinka – Abertura da Ópera Russlan e Ludmila 5m45s
02 I – Andante sostenuto 18h21s
03 II – Andantino in modo canzona 8m55s
04 III – Scherzo – Allegro 5m32s
05 IV – Allegro con fuoco 8m56s
06 Edino Krieger – Ritmetrias – Variações rítmicas sobre um metro contínuo 6m52s

Roberto Minczuk e a Orquestra Acadêmica

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Edino Krieger (1928) – Obras para cordas

Este CD é um registro feito em março de 2006 com as principais obras para cordas de Edino Krieger. As quatro primeiras são da década de 50 e ora revelam uma influência nacionalista moderada, ora noeclássica e didática. Já as Quatro imagens de Santa Catarina foram compostas em 2005, especialmente pra Camerata Florianópolis. O primeiro movimento, Brusque – O canto dos teares, o que tem de curto, tem de engenhoso: o compasso quebrado (cinco por oito) mas constante e acentuado pela percussão dá nitidamente a sensação das engenhocas funcionando num tear, com o canto dos trabalhadores e o entrelaçar de fios alternadamente sugerido pelos violinos.

***

Camerata Florianópolis – Edino Krieger

1. Andante para cordas
2. Brasiliana, para viola e cordas – Solo: Emerson de Biaggi
3-6. Suíte para cordas
Abertura
Ronda breve
Homenagem a Bartók
Marcha Rancho
7-9. Divertimento para cordas
Allegretto
Seresta
Variações e Presto
10-13. Quatro imagens de Santa Catarina
Brusque – O canto dos teares
Blumenau – Oktoberfest
São Joaquim – Paisagem branca
Florianópolis – Sol e mar

Camerata Florianópolis, regida por Jeferson Della Rocca

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Edino Krieger (1928) – Sonatina e outras obras para piano

Ninguém pediu a Sonatina de Krieger, mas vou empurrá-la pra vocês assim mesmo, já que Santa Catarina está me inspirando e me rendendo bons lucros. É uma das obras para piano mais queridas – senão a mais – de compositores brasileiros vivos e a mais conhecida de todo o catálogo do célebre compositor catarinense.

Segue o texto do encarte do CD com a Sonatina e outras peças pianísticas importantes de Krieger.

***

Edino Krieger

Nascido em Brusque, Santa Catarina, a 17 de março de 1928, aos 7 anos iniciou estudos de violino com seu pai, Aldo Krieger, violinista e compositor. Aos 14 anos ingressou no Conservatório Brasileiro de Música do Rio de Janeiro. Iniciou em 1944 estudos de composição com H.J. Koellreuter, ingressando no ano seguinte no Grupo Música Viva. Em 1948 obtém o 1º lugar em concurso do Berkshire Music Center, EUA, onde estudou sob a orientação de Aaron Copland. Em seguida, consegue bolsa de estudos para Julliard School, onde estudou com Peter Menin. Em 1955, estuda em Londres com Lennox Berkeley e nesse mesmo ano é premiado no Festival Internacional de Varsóvia. Em 1959 conquista o 1º prêmio do I Concurso Nacional de Composição do MEC, com o Divertimento para Cordas. Em 1965 suas Variações Elementares foram estreadas no Festival Interamericano de Música de Washington, e no ano seguinte seu Ludus Symphonicus recebia sua estréia mundial pela Orquestra de Filadélfia, em Caracas. Em 1967 e 1968 obtém Medalha de ouro nos Festivais Internacionais da Canção do Rio de Janeiro.

Paralelamente à sua atividade criadora, tem exercido diversas funções públicas, entre as quais as de diretor musical da Rádio MEC, organizador e regente assistente da Orquestra Sinfônica Nacional, criador e diretor dos festivais de música da Guanabara de 1969 a 1970, e idealizador das Bienais de Música Contemporânea. Obteve ainda em 1969 o prêmio Golfinho de Ouro, conferido pelo Museu da Imagem e do Som. Dirige a Divisão de Música da Rádio Jornal do Brasil e exerceu a crítica musical no Jornal do Brasil. Em 1979 criou o projeto Memória Musical Brasileira — FUNARTE — do Ministério da Educação e Cultura (atualmente Ministério da Cultura). Em 1981 assumiu a direção do instituto Nacional de Música da FUNARTE.

As Composições

As composições de Edino Krieger incluídas nesta gravação datam dos anos 50 e pertencem a um período caracterizado pela busca de uma expressão voltada para as raízes de sua própria experiência musical. Com efeito, enquanto suas peças anteriores, de 1945 a 1952, mostram um interesse pela pesquisa de novas formas e de nova linguagem, partindo do impressionismo do Improviso para flauta só até o dodecafonismo dos Epigramas, das Miniaturas para piano e da Música 1952 para Cordas, sua produção, a partir do Choro para Flauta e Cordas, de 1952, aponta para uma linha neo-clássica, com a predominância de formas e estruturas mais tradicionais e, paralelamente, de uma linguagem mais tonal e uma substância musical fortemente impregnada de sabor brasileiro. Essas composições parecem mergulhar no mundo sonoro de sua infância, marcado pelo ambiente musical da família, dos ensaios de carnaval na alfaiataria de seu avô, nos anos 30 e 40, onde os blocos se reuniam em torno do “Jazz Band América”, formado exclusivamente pela família, para aprender e ensaiar o repertório carnavalesco de cada ano; ou das retretas da Banda Musical Concórdia, que seu pai integrou e depois dirigiu, como sucessor do mestre Humberto Matioli; ou, ainda, das serestas que seu pai e seus tios promoviam todos os fins de semana, noite a dentre e que terminavam, invariavelmente, no portão da sua casa, onde às vezes se estreava uma nova valsa nascida ao longo da madrugada…

Acrescente-se a isso uma preocupação de caráter didático, que se inicia com as 20 Rondas Infantis, de 1952, e se manifesta no Prelúdio e Fuga, de 54, no Choro Manhoso e no Estudo Seresteiro, de 56 e na Sonatina, de 57.

A Sonatina, que abre este disco, recebe agora a segunda gravação pelo pianista Miguel Proença, que a lançou em seu primeiro LP, em 1982, tornando-a uma página particularmente conhecida do estudante de piano.

O Prelúdio (cantilena) e Fuga (marcha-rancho) nasceu como um exercício de fuga, sem maiores pretensões. Ao ler a Fuga, recém-concluída, a pianista Anna Stella Schic sugeriu estrear a peça numa próxima ocasião. Um Prelúdio foi então acrescentado, à guisa de introdução ao exercício, e a composição, já agora com sua forma barroca de Prelúdio e Fuga, e com sua substância brasileira de cantilena e marcha-rancho — à maneira das Bachianas de Villa-Lobos — foi dedicada à pianista, e depois incorporada à Suíte para Cordas, composição de caráter didático dessa mesma época, e mais adiante, em 1967, transcrita para coro a 8 partes pelo próprio autor, transformou-se na Fuga e Anti-Fuga. Com letra de Vinícius de Moraes.

O Choro Manhoso e o Estudo Seresteiro foram compostos em Brusque, em 1956, num dos períodos de férias que o autor passava em sua cidade natal.

Ilmar Carvalho

Krieger e as Sonatas para piano

As Sonatas para Piano, de Edino Krieger — que recebem neste LP o seu primeiro registro fonográfico — foram compostas na década 50, época em que o compositor produziu também o Quarteto para Cordas nº1 e a Brasiliana (para viola e cordas).

Impregnadas de atmosfera modal, quanto à sua essência melódico-harmônica, essas obras trazem reminiscências do período em que Krieger viveu nos Estados Unidos (1948-49), estudando com Aaron Copland (no Festival de Tanglewood) e Peter Menin (na Juilliard School of Music, de Nova Iorque). Pertencem a uma fase marcada pela presença de elementos temáticos de caráter nativista, dentro de um traçado formal tradicionalista. No período anterior, predominavam técnicas e linguagem vanguardistas, e um culto sistemático das formas sintéticas e miniaturistas.

A Sonata nº1 foi escrita no Rio de Janeiro, entre dezembro de 1953 e maio de 1954. Já no primeiro movimento — Andante – Allegro energico — desponta o clima modal da partitura, ao lado do emprego constante de quartas e quintas justas e dos desenhos uníssonos em dobramentos de oitava. Poulenc, Prokofiev e o próprio Aaron Copland podem ser apontados como fontes de influência para o discurso musical do autor.

O segundo tempo — Seresta — já existia antes como peça isolada, trazendo no subtítulo a menção “Homenagem a Villa-Lobos”. Trata-se de um texto em que convivem simplicidade melódica e vigor pianístico, mesclando-se a ambientação modal com características mais determinantes da música brasileira de caráter urbano.

O movimento final — Variações e Presto — inicia-se com um tema lento e expressivo, exposto em linguagem transparente. A 1ª variação (Moderato) tem caráter rítmico: o autor propõe uma nova figuração para o desenho temático (melodicamente um terço acima), usando com abundância pausas e deslocamentos de acentos. A 2ª variação (Andantino) fixa-se no aspecto melódico, começando pela exposição do tema em movimento contrário. A 3ª variação apresenta o motivo central com os valores ampliados, em contraponto com belos comentários de sabor seresteiro. A quarta — e última — variação é um Allegro scherzando de feição rítmica e virtuosística.

O Presto conclusivo fecha a Sonata em atmosfera burlesca, tipicamente brasileira: o desenho principal sugere com nitidez um frevo nordestino.

É importante ressaltar que a Sonata nº1 foi, 1959, adaptada pelo autor para orquestra de cordas, recebendo, na nova versão, o título de Divertimento para Cordas, obra que obteve o 1º Prêmio no concurso “Música e Músicos do Brasil” da Rádio MEC.

Estreada no Rio, em 1959, pelo pianista Homero Magalhães, a Sonata nº2 foi composta três anos antes, em abril de 1956, quando Krieger se aperfeiçoava em Londres, com Lennox Berkeley. A obra mantém o clima melódico-harmônico da sonata anterior, desenvolvendo-se igualmente em três movimentos.
O primeiro movimento — Allegro — apresenta a célula temática inicial em oitavas dobradas, prosseguindo em seguida na textura modal peculiar e impregnando o discurso pianístico de cristalinos trinados, procedimento que — um ano mais tarde — o autor conservaria em sua conhecida Sonatina.

O segundo movimento — Andantino — traz sugestões nordestinas com sutil tratamento harmônico, remetendo-nos ao despojamento e ao savoir-faire dos Andantes de Guarnieri. O texto caminha para um adensamento da linguagem pianística, retornando em seguida à amena beleza do clima inicial.

O tempo final — Vivace molto e com spirito — tem o caráter de uma Tocata, alternando células de acordes de quinta justas com sinuosos desenhos de oitavas dobradas. A conclusão é brilhante e virtuosística.
Primeira obra dessa série, a Sonata para Piano a Quatro Mãos foi criada em 1953, surgindo inicialmente como um Rondon-Fantasia, dedicado a Jeanette e Heitor Alimonda. Krieger posteriormente ampliou a partitura e rebatizou-a de Sonata, tornando o final pianisticamente mais eloqüente.

O autor conservou, porém, a estrutura de um único movimento de caráter monotemático: o expressivo motivo principal aparece variado no decorrer da peça, com as características essenciais do décor modal, límpidos trinados e transparentes texturas.

Em 1971, a Sonata para Piano a Quatro Mãos foi editada pela Peer International (Nova Iorque/Hamburgo).

Ronaldo Miranda

***

01 – Sonatina – I. Moderato
02 – Sonatina – II. Allegro
03 – Prelúdio e Fuga – I. Prelúdio (Cantilena)
04 – Prelúdio e Fuga – II. Fuga (Marcha-rancho)
05 – Choro Manhoso
06 – Estudo Seresteiro
07 – Sonata nº1 – I. Andante
08 – Sonata nº1 – II. Seresta (Homenagem a Villa-Lobos)
09 – Sonata nº1 – III. Variações e Presto
10 – Sonata nº 2 – I. Allegro
11 – Sonata nº 2 – II. Andantino, moderato e con motto
12 – Sonata nº 2 – III. Vivace molto e con spirito
13 – Sonata a 4 Mãos – Moderato

Miguel Proença e Laís de Souza Brasil (vide no encarte quem toca o quê)

BAIXE AQUI (Os arquivos estão em extensão .mpc)

***

Mando de brinde os três Estudos Intervalares, compostos em 2000. O estudo “das quartas” é outra obra que descobri que utiliza o tema de Nozani-Ná, recolhido por Roquette Pinto e incorporado nos Choros 3, 7 e 12 do Villa, em Moacaretá de Sérgio de Vasconcellos Corrêa e noutra obra que não me lembro.

I. Das segundas
II. Das terças
III. Das quartas

Piano: Alexandre Dossin.

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Edino Krieger (1928) – Canticum Naturalle e outras obras

Zarpei em direção ao Sul do país. Estou em Santa Catarina pra ver o quanto a filial volante do Café do Rato Preto apurou no mês de outubro, que é supermovimentado naquele Estado (oktoberfest aqui, oktoberfest acolá…).

Passarei dois dias especificamente em Brusque, cidade natal do maior compositor catarinense, que chegou aos oitenta anos de idade em 2008: Edino Krieger.

O CD que vai aqui postado contém cinco obras de três fases distintas de Krieger: a Suíte e o Divertimento para cordas, neoclássicos e nacionalistas, da década de 50, pós-expurgação de Koellreuter; Ludus e Estro, pós-expurgação nacionalista, altamente seriais; e o absurdamente estupendo Canticum Naturalle.

Se você acha bonito os passarinhos cantando na Alvorada de Lo schiavo de Carlos Gomes, no Choros n° 10 do Villa ou mesmo na rica Pássaros exóticos de Messiaen, vai se impressionar profundamente com a Floresta Amazônica reconstituída instrumento por instrumento (ou bicho por bicho) nos dois primeiros minutos da peça de Krieger e com o sirênico (ou iárico, “de Iara”, mais propriamente falando) vocalise para voz feminina na parte central – e vai perder o fôlego com a tempestade tropical que cai no último minuto.

Canticum Naturalle não alivia pra nenhum instrumento da orquestra – que requer piano, celesta, harpa e vasta percussão. Todos os naipes têm passagens superdifíceis, de modo que não é toda sinfônica que tem preparo pra dar conta dela. Existe um abismo entre as versões aqui postadas – a da Rádio MEC, mesmo com o grande Eleazar de Carvalho, não chega perto da orquestra alemã que Krieger regeu.

De longe essa é a obra-prima do octogenário compositor catarinense e item certo no top ten do cânone sinfônico nacional. Uma partitura sui generis e inigualável.

***

01. Suíte para cordas (1954)
02. Divertimento para cordas (1959)
03. Ludus Symphonicus (1965)
04. Estro Armonico (1975)
05. Canticum Naturalle (1972)

Orquestra Sinfônica da Rádio MEC, regida por Eleazar de Carvalho
Meio-soprano: não sei.

BAIXE AQUI

***

Quem não estiver a fim de adentrar no universo musical de Edino Krieger agora, baixe somente esta gravação de Canticum Naturalle, mas uma orquestra que dá conta do recado e que teve o próprio compositor regendo. Enfim: arquivo imperdível.

BAIXE AQUI

Orquestra Filarmônica do Sul da Vestfália, regida por Edino Krieger
Soprano: Evi Zeller

***

Quem quiser que eu poste a famosa Sonatina do Krieger, bBasta pedir nos comentários: ela sairá na semana que vem, se Canticum Naturalle tiver boa saída, claro.

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!