A Quatro Mãos: Piano Brasileiro a Quatro Mãos – Duo Kaplan-Parente (Série Discos Marcus Pereira)

capaA intensa atividade do duo pianístico formado por José Alberto Kaplan e Gerardo Parente – ex-professores da Universidade Federal da Paraíba – também gerou este álbum lançado pelo precioso selo Discos Marcus Pereira. O repertório, bastante incomum, é aparentemente uma gota do imenso e inexplorado repertório brasileiro para quatro mãos. Aos que me cobram novas postagens do Discos Marcus Pereira, e em particular àqueles que me fizeram pedidos específicos, prometo para breve novos .:interlúdios:. com blocos de quatro ou cinco discos. Só lhes peço paciência, e que guardem os tomates, pois subi ao PQPShare muito mais coisas do que o tempo que tenho me permite postar. Fazemos o PQP Bach por puro amor, nas poucas horas livres, e sem nada ganharmos por isso – e, de quebra, ainda levamos algumas pedradas.

Sim, isso dói. E, sim, aceitamos abraços carinhosos ali na caixa de comentários.

PIANO BRASILEIRO A QUATRO MÃOS – DUO KAPLAN-PARENTE

Francisco Paulo MIGNONE 
01 – Lundu

José Alberto KAPLAN
02 – Duas Modinhas: Azulão (sobre canção de Jayme Ovalle) e Casinha Pequenina (tradicional)

Octavio MAUL
03 – Duas Miniaturas: Cirandinha e Polka Antiga

Aylton ESCOBAR
04 – Seresta opus um

Osvaldo LACERDA
05 – Brasiliana no. 4

Aloysio de ALENCAR PINTO
06 – Sarau de Sinhá: Schottisch – Polca – Romance – Contradança – Valsa – Noturno – Capricho – Lundu – Recitativo – Galope

Duo Kaplan-Parente
José Roberto Kaplan e Gerardo Parente, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Duo Kaplan-Parente, aqui disposto como Parente-Kaplan.

Duo Kaplan-Parente (ou, aqui, Parente-Kaplan)

Vassily Genrikhovich

 

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Duo Quanta: Música Brasileira para Piano e Violoncelo – Henrique Oswald (1852-1931), José Siqueira (1907-1985), Mozart Camargo Guarnieri (1907-1993), Osvaldo Lacerda (1927-2011), José Carlos Amaral Vieira (1952) e João Linhares (1963) [Acervo PQPBach]

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Postado originalmente em 28 de março de 2013. Repostado com direito a FLAC

Pessoal, que baita CD!

Eu confesso aqui que sou meio grandiloquente e que geralmente me interessam mais obras compostas para orquestras completas. Conjuntos pequenos, especialmente duetos, algumas vezes acabam por me cansar pela monotonia que eventualmente causam. Mas monotonia não é nem de longe o que esses dois caras fenomenais – repito: FE-NO-ME-NAIS – fazem aqui.

O Duo Quanta, com  o paulista Paulo Gazzaneo no piano e o paraibano Raïff Dantas Barreto no violoncelo, é imenso, amplo, generoso na interpretação das músicas. E eu, vergonhosamente, os desconhecia até há bem pouco tempo e, portanto, o encarte falará melhor que eu sobre a dupla:

Formado por artistas de sólida reputação no mercado artístico nacional, o Duo Quanta vem preencher uma lacuna ainda pouco abordada pelos músicos brasileiros: o repertório de nosso país para piano e violoncelo.

O presente CD, com obras de compositores de São Paulo, Rio de Janeiro e da Paraíba, marca a estreia do duo formado por Raïff Dantas Barreto e Paulo Gazzaneo no cenário artístico nacional. com a premissa principal de resgatar as obras brasileiras para esta formação. Em defesa da brasilidade de seu trabalho, o duo escolheu para este registro fonográfico o uso de instrumentos de fabricação nacional, evidenciando e pondo em prova a qualidade sonora de nosso acervo instrumental. Nas cordas do violoncelo de Saulo Dantas Barreto e na primazia dos harmônicos produzidos pelo piano Fritz Dobbert os artistas foram muito bem sucedidos no emprego da máxima capacidade sonora dos instrumentos utilizados, mostrando-nos que já dispomos de conhecimento para produzir instrumentos com a mesma propriedade dos grandes que a história da música já presenciou (extraído do encarte).

São 13 faixas que contemplam compositores brasileiros desde o romantismo, como o melodioso Henrique Oswald (seu Berceuse e sua Elegia são de grande inspiração), até os contemporâneos como João Linhares, cujo Côco é simplesmente genial, o difícil Osvaldo Lacerda, com uma Elegia e uma Cançoneta, e Amaral Vieira, com as intrigantes Elegia e Burlesca. Aparecem também, brilhantemente, os modernos: Ponteio e Dansa (escrita assim, à antiga) são as vibrantes obras de Camargo Guarnieri apresentadas neste álbum. Já seu colega José Siqueira, sempre complexo, sincopado e genial, completa o álbum com a espetacular Suíte Sertaneja, digna deste grande compositor que a concebeu.

Obras muito boas, escolhidas a dedo. Um baita repertório rico, com todas as síncopas, contratempos e outros tempos quebrados que são característicos de nossa música e tão nossos, intercalados com momentos de extremo lirismo, de melodias enlevantes.

Ouça, ouça! Deleite-se sem a menor moderação!

Palhinha: o Côco, de João Linhares (faixa 2):
[soundcloud url=”https://api.soundcloud.com/tracks/186349054″ params=”color=ff5500&auto_play=false&hide_related=false&show_comments=true&show_user=true&show_reposts=false” width=”100%” height=”166″ iframe=”true” /]

Duo Quanta
Música Brasileira para Piano e Violoncelo

Henrique Oswald (1852-1931)
01. Berceuse
João Linhares (1963)
02. Coco
Osvaldo Lacerda (1927-2011)
03. Elegia
Mozart Camargo Guarnieri (1907-1993)
04. Ponteio
05. Dansa
Osvaldo Lacerda (1927-2011)
06. Aria
Amaral Vieira (1952)
07. Elegia
08. Burlesca
Henrique Oswald (1852-1931)
09. Elegia
Osvaldo Lacerda (1927-2011)
10. Canconeta
José Siqueira (1907-1985)
11. Suite Sertaneja – Baião
12. Suite Sertaneja – Aboio
13. Suite Sertaneja – Coco de Engenho

Duo Quanta
Raïff Dantas Barreto, violoncelo
Paulo Gazzaneo, piano


BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQPShare – MP3  (128Mb)
PQPShare – FLAC  (304Mb)

Partituras e outros que tais? Clique aqui


Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Paulo Ronqui – Paulicéia: obras paulistas para trompete solo

MUITO BOM !!!

Quem diria, heim: o violista aqui postando obras pra trompete… Isso é sinal de que só pode ser coisa boa. O solista deste álbum que vos apresentamos hoje é o entusiástico Paulo Ronqui, importante trompetista que, apesar de jovem, é nome já muito respeitado no meio. Este CD que apresento para vocês é um trabalho minucioso que faz um panorama das obras paulistas dedicadas ao trompete, partindo desde o século XIX até anos bem recentes.

Na verdade seria bem difícil encontrar alguma composição para trompete no período colonial brasileiro: nos três primeiros séculos desses limites que hoje chamamos Brasil, a música que se registrava (e que por isso chegou até nós) era a religiosa, com solos quase que exclusivamente vocais. Com a chegada da Família Real ao país em 1808 muita coisa muda, uma delas é o surgimento e a rápida proliferação de bandas marciais: os instrumentos de sopro se tornam mais populares e mais presentes no cotidiano das cidades e na vida das pessoas. Com algum tempo, compositores, especialmente a partir do período romântico, passaram a debruçar-se sobre as páginas pautadas para escrever obras para esse que é um dos instrumentos de maior destaque nas bandas (e que ganha papel mais relevante também nas orquestras a partir do século XIX). Por esse motivo as obras mais antigas deste álbum são duas singelas melodias do compositor romântico José Pedro de Sant’Anna Gomes (sim, sim, é parente de Carlos Gomes, irmão mais velho dele), criado na música na banda de seu pai, Manoel José Gomes.

No século XX a música se diversifica bastante e novos compositores escrevem para o trompete, agora em número muito maior, por isso a quase totalidade das obras deste CD serem de compositores contemporâneos (aliás, na época de produção do disco, apenas Sant’Anna Gomes e Camargo Guarnieri eram falecidos). Paulo Ronqui mostra grande versatilidade para dar conta de peças tão variadas, com acompanhamentos e levadas tão diferentes, desde obras mais lentas, como a Norma Jeane de Mojola até outras mais rítmicas e sincopadas como a Invocação de Oswaldo Lacerda e o Ponteio de Villani-Côrtes, passando por outras de estrutura composística complexa, como o estudo de Camargo Guarnieri.

É um conjunto diversificado e rico, que demonstra muito bem as possibilidades e sonoridades desse instrumento fascinante! Ouça! Ouça!

Paulo Ronqui
Paulicéia: obras paulistas para trompete solo:

Oswaldo Lacerda (São Paulo, SP, 1927 – São Paulo, SP, 2011)
01. Invocação e Ponto, para trompete e orquestra
02. Invenção para trompete, trompa e trombone

Edmundo Villani-Côrtes (Juiz de Fora, MG, 1930)
03. Concerto no. 1 para trompete, I. Ponteio para as Alterosas
04. Concerto no. 1 para trompete, II. Aquífero-Guarani
05. Concerto no. 1 para trompete, III. Valsa Rancheira

Eduardo Escalante (Buenos Aires, Argentina, 1937)
06. Duo No. 14 para trompete e violão
Celso Mojola (Jundiaí, SP, 1960)
07. Norma Jeane, para trompete e piano
Mozart Camargo Guarnieri (Tietê, SP, 1907 – São Paulo, SP, 1993)
08. Estudo para trompete em Dó
José Pedro de Sant’Anna Gomes (Campinas, SP, 1834 – Campinas, SP, 1908)
09. Andante
10. Bolero

Ernst Mahle (Stuttgart, Alemanha, 1929)
11. Concertino para trompete e orquestra

Paulo Ronqui, Trompete (faixas 1 a 11)
Isac Emerick, Trompa (faixa 2)
Robson de Nadai, Trombone (faixa 2)
Rafael dos Santos, Piano (faixas 3, 4, 5, 9, 10)
Clóvis Barbosa, Violão (faixa 6)
Maria José Carrasqueira, Piano (faixa 7)
Fernando Hashimoto, Percussão
Aylton Escobar, Regência (faixas 1 e 11)
Orquestra de Cordas do CD (faixas 1 e 11):
Campinas, 2005

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE – PQPShare (86Mb)

Partituras e outros que tais? Clique aqui

Ouça! Deleite-se! … Mas, antes ou depois disso, deixe um comentário…


……….“Eu não acerto essa nota com muita frequência!”

Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Quintetos de sopro brasileiros (1926-1974) – Quinteto Villa-Lobos

Em razão da postagem com obras para sopros solistas de Mozart, me lembrei deste CD duplo do Quinteto Villa-Lobos que estava aqui guardado, esperando para ser postado. Ainda não estou de volta à ativa – vou demorar mais alguns meses em banho-maria – mas pude dar conta desta postagem porque não tenho muitas apreciações a fazer sobre o álbum: é uma compilação (a primeira) de obras importantes do ponto de vista histórico para esta formação instrumental, e algumas são muito bem escritas, mas não consigo ver transcendência, ousadia ou empolgação em quase nenhuma delas (a exceção no terceiro quesito ficou por conta do terceiro movimento dos quintetos de Marlos Nobre e Bruno Blauth; já ousadia, só encontrei no quinteto de Lindembergue Cardoso, mas aviso aos ouvidos menos afeitos à música do séc. XX que a obra é dissonante e fragmentária de cabo a rabo). Espero que vocês possam apreciá-las de alguma forma.

***

Quintetos de sopro brasileiros (1926-1974) – Quinteto Villa-Lobos

CD1
Oscar Lorenzo Fernandez – Suite para Quinteto de Sopros, Op.37
1. Pastoral. Crepúsculo no Sertão
2. Fuga. Saci Pererê
3. Canção. Canção da Madrugada
4. Scherzo. Alegria da Manhã

Claudio Santoro – Quinteto de Sopros
5. Alegre
6. Lento
7. Vivo

Osvaldo Lacerda – Variações e Fuga
8. 1º versão 1962, 2º versão, revista e reformulada 1994

José Vieira Brandão – Divertimento nº 1 para Quinteto de Sopros
9. Allegro Moderato
10. Andante Sostenuto
11. Allegro com Moto

Marlos Nobre – Quinteto de Sopro, Op.29
12. Lento. Animato
13. Lento
14. Vivo

Ernst Mahle – Quinteto
15. Poco Lento e Rubato-Vivace
16. Andantino “Noturno”
17. Vivo “Rondo”

BAIXE AQUI

CD2
Mozart Camargo Guarnieri
1. Choro nº 3

José Siqueira
2. Brincadeira a Cinco

Francisco Mignone – 1º Quinteto para Sopros
3. Andante Calmo (Misterioso). Allegro. Andante Calmo
4. Scherzo
5. Adagio
6. Finale

Brenno Blauth – Quinteto para Sopros T.18
7. Moderado
8. Lento
9. Movido

Ricardo Tacuchian – Suite Brasileira para Quinteto de Sopros
10. Canto Místico
11. Canto Sentimental
12. Canto Festivo

Sergio Vasconcellos Correia – Dez Cantos Populares Infantis
13. Seu Sabiá, Terezinha de Jesus, A Moda da Carranquinha, Sapo Cururu, O Castelo Pegou Fogo, O Barqueiro, A Ponte do Avião, Cachorrinho, Você Gosta de Mim?, Eu sou Mineiro de Minas

Lindembergue Cardoso
14. Quinteto

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!