Evocações: do Salão Burguês à Sala de Concertos: Portugal / Brasil – Antonio Carlos Gomes (1836-1896), Francisco de Lacerda (1869-1934), Arthur Napoleão (1843-1925), Jayme Ovalle (1894-1955), Luiz de Freitas Branco (1890-1955) e Fernando Lopes-Graça (1906-1994) [link atualizado 2017]

LINDO !!!

Tem na Amazon: aqui.

Até às últimas décadas do século XIX, Portugal e o Brasil, apesar de politicamente separados, mantiveram estreitos laços culturais no domínio musical. A partir de então, o fosso entre as duas nações não cessou de aumentar. A tradição da música de salão burguesa, em Portugal, foi a primeira vítima da generalização do gramofone e da introdução da Rádio; a música mais popular nos círculos urbanos deixou de ser lida, e, na ausência de um investimento sério na educação musical, a pequena burguesia deixou de ler música. As tentativas feitas na década de 1940, no sentido de revitalizar a tradição do canto acompanhado ao piano, elevando-lhe o nível artístico, saldaram-se por um falhanço que a ausência de alternativas profissionais para a circulação do repertório tornou endémico. A canção em Português deixou de ser publicada, e quase deixou de ser escrita, para não acabar na gaveta. A actividade quase isolada de um Fernando Lopes-Graça e o repertório brasileiro, que desde o início do século não parou de crescer, apoiado numa forte ligação à música popular e num grande esforço educativo, não lograram alterar a situação. O recente desenvolvimento profissional do canto em Portugal, a que não é alheia à expansão e elevação artística do movimento coral operadas nas décadas de 1970 e 1980, permitem esperar que, à canção acompanhada em Português, venha a ser conferida a importância que lhe é devida; não no defunto salão burguês, mas na sala de concertos e na sua extensão discográfica. O repertório incluído nesta gravação abrange um século, de 1850 a 1950. Dos sete compositores representados, três são portugueses, três brasileiros (todos ligados ao Rio de Janeiro), e o sétimo, luso-brasileiro. Embora todos eles tenham tido alguma relação com a música popular, a forma como dela se servem ou inspiram varia grande-mente, como varia o tipo de público a que originalmente se dirigiram.
(Manuel Pedro Ferreira, extraído do encarte)

Ouça! Ouça! Deleite-se!

Evocação
Do Salão Burguês à Sala de Concertos
Portugal / Brasil (1850-1950)

Francisco de Lacerda (1869-1934)
01. Tenho tantas saudades
02. Os meus olhos nos teus olhos
03. Desde que os cravos e rosa
04. Meu amor, quando morreres
05. É ter arte não falar
Antonio Carlos Gomes (1836-1896)
06. Quem sabe?
07. Suspiro d’alma
Arthur Napoleão (1843-1925)
08. Romance
09. Miragem
10. Se tu me amasses!
Jayme Ovalle (1894-1955)
11. Azulão
12. Modinha
Luiz de Freitas Branco (1890-1955)
13. Aquela moça
14. O minuete
Fernando Lópes-Graça (1906-1994)
15. Márcia bela
16. Eu fui terra do bravo
17. Ó meu bem

Filomena Amaro, soprano
Gabriela Canavilhas, piano
Lisboa, 1995

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE 207Mb

Partituras e outros que tais? Clique aqui

Sabe aquela coisa de fazer um comentário? Eu ainda gosto. Pode comentar, pessoal!

Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Henrique Oswald (1852-1931) e Luís de Freitas Branco (1890-1955) por Luiz de Moura Castro e o Quarteto de Brasília

O Quarteto de Brasília tem uma das mais significativas discografias construídas para conjunto de câmara no Brasil, favorecido pelo feliz fato de o grupo possuir o próprio estúdio e selo de gravação; já Luiz de Moura Castro proporcionou uma das melhores interpretações de Mozart que ouvi ao vivo (só não me lembro o número do concerto); e Henrique Oswald, reforço, é o grande nome do Romantismo brasileiro, ao lado de Carlos Gomes. Tudo certo para um álbum espetacular, não?

Porém, infelizmente, o leite empedrou. Nem levo em conta a captação ruim do som, que denota ter sido feita num auditório ou sala de concerto sem público e não em um estúdio, mas pela execução sem confiança do quarteto, que, neste caso, atrapalhou a captação da aura da obra. Mesmo assim, é um registro importante pois temos de agradecer por qualquer gravação de Oswald, esteja ela como estiver. Peço que deem uma ouvida para conferir o que estou dizendo.

Oportunamente, postarei gravações boas do Quarteto de Brasília, o mais antigo em atividade ininterrupta no Brasil. O português Luís de Freitas Branco está no CD em função de este ter sido gravação nas efemérides dos 500 Anos do Descobrimento.

Faixas (a descrição dos movimentos está nos arquivos)
1-4. Quinteto para piano e cordas, op. 18 de Oswald
5-8. Quarteto para cordas de Freitas Branco

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!