A Missa de Alcaçuz – Danilo Guanais – Madrigal da UFRN e Orquestra

1190bk9
Missa de Alcaçuz
Madrigal da UFRN e Orquestra

Imagine os romances medievais de Dona Militana sendo contados numa ópera, de forma erudita, ou as músicas do rabequeiro Fabião das Queimadas apresentadas pela Orquestra Sinfônica do Rio Grande do Norte! Essa mistura do popular com o erudito produz um composto único que inspirou o escritor pernambucano Ariano Suassuna a criar o Movimento Armorial.

Conforme o autor do Auto da Compadecida, a “Arte Armorial Brasileira” é aquela que tem como traço comum a ligação dos folhetos do Romanceiro Popular do Nordeste (Literatura de Cordel), com a música de viola, rabeca ou pífano que acompanha seus cantares, e com a Xilogravura que ilustra suas capas, assim como a forma das artes e espetáculos populares.

Lançado oficialmente em 1970, com a realização de um concerto e uma exposição de artes plásticas em Recife, o Movimento Armorial tem como objetivo mostrar que é possível criar uma arte erudita a partir de elementos da cultura popular, passeando pelas mais diversas manifestações artísticas como pintura, música, literatura, cerâmica, dança, escultura, tapeçaria, arquitetura, teatro, gravura e cinema.

Em Natal, um desses “influenciados” é Danilo Guanais. Músico, compositor, maestro e professor da UFRN, Danilo Guanais iniciou carreira artística participando de festivais como compositor, tendo sido premiado no V Festival de Teatro de Pelotas, no Rio Grande do Sul e no II Festival Internacional de Artes Cênicas de Resende, no Rio de Janeiro.

Em 1999, Danilo Guanais participou do CD “Nação Potiguar”, gravado em homenagem aos 400 anos da cidade de Natal. No mesmo ano, se apresentou no palco do Teatro Alberto Maranhão, dentro do Projeto Seis e Meia. Guanais compôs as músicas para o CD “Missa de Alcaçuz”, no qual combinou a sonoridade do latim tradicional com elementos da cultura popular, com um forte clamor armorial como acorde musical principal do disco, gravado pela UFRN.

A Missa de Alcaçuz foi composta para a celebração dos 30 anos de atividades do Madrigal da UFRN. O compositor ressalta que a Missa é uma seqüência de movimentos baseados no texto litúrgico tradicional da missa, segundo o que preconiza a igreja. Guanais revela que optou por adotar uma estética mais armorial em alguns movimentos.

Danilo disse que sua musicalidade contém influências eruditas de Bach e Mozart, atrelados aos elementos oriundos da tradição cultural popular, como os cantadores, romanceiras, vaqueiros, rabequeiros e repentistas. “A Missa não chama atenção por um contraponto renascentista, nem por uma fraseologia medieval. Chama a atenção por um ritmo de baião que está em baixo, por uma percussão que soa com sotaque mais da cultura popular”, observa.

Segundo Danilo, a “Missa de Alcaçuz” se tornou o CD de música erudita mais vendido do País. Já foram feitas três edições e todas estão esgotadas. Um sucesso que foi acontecendo aos poucos, graças ao boca-a-boca e a ajuda dos madrigalistas que difundiram a obra.

O título da missa, Alcaçuz, veio da pequena localidade litorânea, a 40 quilômetros de Natal, onde os romances foram coletados pelo folclorista Deífilo Gurgel, autor de um pequeno volume chamado “Romanceiro de Alcaçuz”, que traz toda a história musical dos romances da comunidade e do cancioneiro popular.

Atualmente, Danilo Guanais faz parte do duo de violões Álvaro e Danilo, que tem se apresentado pela cidade, expandindo a música armorial em Natal. O maestro Guanais garante que vai continua com a busca dos acordes armoriais, criando a sofisticação da música erudita com elementos da cultura popular potiguar.
(http://grandeponto.blogspot.com/2008/12/musicalidade-armorial-de-danilo-guanais.html)

***

Avicenna me pediu para escrever algumas linhas sobre a obra, já que ela não está dentro dos domínios da música colonial, caríssima a ele, e sim do armorial que tanto prezo. Mas, com o que já foi exposto acima, não quero jogar mais informações. Acrescento somente que a missa foi o gênero que produziu as obras mais extensas e mais respeitadas dentro do repertório armorial, que inclui:

  • O Kyrie e o Gloria da Missa Sertaneja (1971), que Cussy de Almeida nunca concluiu – já postados neste blog (vide tag Música Armorial)
  • A Grande Missa Nordestina (1978), de Clóvis Pereira – postada
  • A Grande Missa Armorial (1982), de Capiba – idem
  • Esta Missa de Alcaçuz (1996) de Danilo Guanais, a única de um não pernambucano – agora postada
  • A Missa do Descobrimento (2001), de Cussy de Almeida – não gravada

CVL

***

A Missa de Alcaçuz – Danilo Guanais – Madrigal da UFRN e Orquestra
1 . Kyrie
2. Gloria
3. Laudamus
4. Gratias Agimus
5. Domine Deus
6. Qui Tollis
7. Quoniam
8. Cum Sancto Spiritu
9. Credo
10. Deum de Deo
11. Qui Propter
12. Et Incarnatus
13. Crucifixus
14. Et Ressurrexit
15. Et in Spiritum Sanctum
16. Confiteor
17. Et Vitam Venturi
18. Sanctus
19. Hosanna
20. Benedictus
21. Hosanna
22. Agnus Dei

A Missa de Alcaçuz – 1996
Madrigal da UFRN e Orquestra
Regente: André Oliveira

Nossos agradecimentos ao Sr. Wottan por nos ter enviado esta obra musical com o respectivo encarte.

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 192 kbps – 70,5 MB – 46 min
powered by iTunes 12.5.1

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Quinteto Armorial: Do Romance ao Galope Nordestino (1974), Aralume (76), … (78), Sete Flechas (80)

Quinteto Armorial: Do Romance ao Galope Nordestino (1974) - capa

Há algum tempo notei, com susto, que não tínhamos aqui no blog um disco que considero entre os “top most” de toda a produção musical brasileira: o primeiro do Quinteto Armorial, “Do Romance ao Galope Nordestino”, de 1974.

Verdade que tínhamos várias peças desse disco na postagem do CVL “Projeto Quadrante – A Pedra do Reino” – mas nesses mixes perde-se um elemento artístico tão importante quanto cada peça em si, que é a concepção de conjunto de cada disco. Por isso, fazia tempo que vinha planejando postar aqui o tal disco de 1974.

Só que de repente me veio ideia melhor: por que postar só o disco de 1974? Porque não logo a discografia completa? E foi isso o que se fez.

Enfim, não vou contar aqui nada da história nem da teoria desse quinteto nem do movimento armorial em geral – isso vocês acham relativamente fácil com a ajuda se São Google. Prefiro reaplicar algumas considerações sobre “o que é clássico” que fiz há uns dois anos, ao postar o “Dança das Cabeças” de Egberto Gismonti. Espia aí, gente:

Afinal, o que é que faz determinada música ser “clássica” ou “erudita”? Evidentemente não pode ser a ausência de melodias cantáveis, a ausência de texto, a ausência ou pouca importância da percussão ou de determinadas instrumentações, e até mesmo ausência de vulgaridade ou banalidade… pois cada uma dessas “ausências” é contradita por abundância de presenças no repertório estabelecido.

Para muitos, “clássico” equivale, mesmo que sem consciência disso, a “em formas, escalas e instrumentações de origem européia”. Donde considerarem clássicas, p.ex., as valsas dos dois Johann Strauss, quando para mim são evidentemente música popular em arranjos para poderosos. (Não estou dizendo que são inferiores por serem populares, nem que não caibam num blog como este. As danças compostas e/ou publicadas pelo Pretorius, do século 16, também são música popular em bons arranjos, e seria uma pena não tê-las aqui!).

Para mim, o “clássico” ou “erudito” se refere ao grau de complexidade da elaboração na dimensão “forma”, e/ou de libertação em relação às duas fontes primárias da música (a dança e a declamação expressiva) na direção de uma música-pela-música. E nesse sentido encontramos “clássico” em muitas tradições totalmente autônomas da européia: chinesa, indiana, mandê (da qual postei aqui o lindo exemplo que é Toumani Diabaté), e também em outras que recebem maior ou menor medida de influxo da tradição européia, mas o incorporam em formas produzidas com total autonomia em relação a essa tradição.

O Brasil talvez seja a maior usina mundial da produção deste último tipo de música – mas não me refiro a nenhum dos nossos compositores normalmente identificados como “clássicos” ou “eruditos”: nem a Villa-Lobos, nem a Camargo Guarnieri, nem a Almeida Prado, ninguém desses: todos eles trabalham fundamentalmente com a herança das matrizes formais européias. Não que isso os desqualifique, não se trata disso! Trata-se, ao contrário, é de reconhecer a qualidade do “clássico” em música que não paga nenhum tributo a essas matrizes formais (“concerto”, “sonata”, “fuga” etc.) e por isso às vezes é tida como de segunda qualidade, quando é de primeiríssima!

E por que transcrevo isso? Porque os dois primeiros discos do Quinteto Armorial me parecem ser a realização mais perfeita desse “clássico autônomo” que o Brasil já produziu (os outros dois também são bons, mas ao tenderem um tanto mais para a documentação de repertórios e estilos populares acabam não correspondendo de modo tão puro ao que quero apontar):

Primeiro, temos aí uma formação instrumental de câmara com sonoridade única, criada aqui: não tenta fazer “músca de câmara brasileira” arranjando melodias populares para quartetos de cordas, p.ex. E é nesse sentido que o Quinteto me toca muito mais fundo que a Orquestra Armorial, por importante que o seu trabalho também seja. Mas é adaptação de uma instrumentação desenvolvida fora, esta é uma instrumentação desenvolvida aqui (reparem que falei “instrumentação”, e não “instrumental”…)

Além disso, temos peças bastante longas e livres sem nenhuma preocupação de aplicarem as tais matrizes formais de que falei – e nesse sentido me interessa mais a vertente da composição própria (basicamente de dois Antônios: o José Madureira e o Nóbrega) que a do registro de peças populares arcaicas ou atuais seja com fins de demonstrar as teorias de Ariano Suassuna ou documentais em geral.

Podemos papear mais sobre isso se vocês quiserem, mas por agora vou deixar vocês com a música! As listas de faixas apareceram milagrosamente de um dia para o outro pela colaboração do colega Bisnaga – valeu, Bisnaga!

QUINTETO ARMORIAL (Pernambuco): discografia completa

• DO ROMANCE AO GALOPE NORDESTINO (1974)
1. Revoada (Antônio José Madureira)
2. Romance da Bela Infanta (Romance ibérico do século XVI, recriado por Antonio José Madureira)
3. Mourão (Guerra Peixe)
4. Toada e Desafio (Capiba)
5. Ponteio Acutilado (Antonio Carlos Nóbrega de Almeida)
6. Repente (Antonio José Madureira)
7. Toré (Antonio José Madureira)
8. Excelência (Tema nordestino de canto fúnebre, recriado por Antonio José Madureira)
9. Bendito (Egildo Vieira)
10. Toada e Dobrado de Cavalhada (Antonio José Madureira)
11. Romance de Minervina (Romance nordestino, provavelmente do século XIX,
recriado por Antonio José Madureira)
12. Rasga (Antonio Carlos Nóbrega de Almeida)

• ARALUME (1976)
1 Lancinante (Antônio José Madureira)
2 Improviso (Antônio José Madureira)
3 O homem da vaca e o poder da fortuna (Antônio José Madureira)
4 Abertura
5 A preguiça
6 A troca dos bichos
7 Ironia ao rico
8 Aralume (Antônio José Madureira)
9 Reisado (Egildo V. do Nascimento)
10 Guerreiro (Antônio José Madureira)
11 Ponteado (Antônio José Madureira)
12 Chamada e marcha caminheira (Egildo V. do Nascimento)

• QUINTETO ARMORIAL (1978)
1 – Batuque de Luanda (Antonio José Madureira)
2 – Romance da Nau Catarineta (Antonio J. Madureira)
3 – Toques dos caboclinhos (D. P.)
4 – Entremeio para rabeca e percussão (Antônio C. Nobrega)
I – Cortejo
II – Baiano
III – Boi
5 – Ária (Cantilena da Bachianas Brasileiras nº 5
de Heitor Villa-Lobos transcrição Antônio J. Madureira)
6 – Toque para marimbau e orquestra (A. J. Madureira)
I – Galope à beira-mar
II – Bendito de romeiros
III – Marcha rural

• SETE FLECHAS (1980)
1-Marcha da folia (Raul Morais)
2-Sete flechas (Antônio José Madureira)
3-Xincuan (Antônio José Madureira)
4-Improviso (Antônio José Madureira)
5-Cocada (Lourival Oliveira)
6-Martelo agalopado (Ariano Suassuna – Antônio Carlos Nóbrega)
7-Cantiga (Antônio José Madureira)
8-Algodão (Luiz Gonzaga – Humberto Teixeira)
9-Zabumba lanceada (Fernando Torres Barbosa)

Antonio José Madureira: viola sertaneja
Edilson Eulálio: violão
Fernando Torres Barbosa: marimbau nordestino
Egildo Vieira: pífano, flauta
Antonio Nóbrega: rabeca, violino
(algumas vezes com músicos adicionais)

BAIXE AQUI – download here

Comente: os comentários dos leitores são o combustível
da nossa loucura compartilhatória!

Ranulfus (publicado originalmente em 09.02.2012)

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Partituras Armoriais

 

O Movimento Armorial foi uma das coisas mais fenomenais que ocorreram no Brasil. Como nasceu em Pernambuco, não teve muita cobertura dos meios de comunicação nacionais, concentrados no eixo Rio-São Paulo,mas não perde em nada em robustez, propostas e inovação que a Tropicália. Ouso dizer que o Armorial foi mais abrangente, pois abraçou a pintura, escultura, gravura, literatura, design e, o que nos interessa mais neste blogue, a música!

Uma definição boa e didática do movimento é a da Lúcia Gaspar, Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco:

“A Arte Armorial Brasileira é aquela que tem como traço comum principal a ligação com o espírito mágico dos “folhetos” do Romanceiro Popular do Nordeste (Literatura de Cordel), com a Música de viola, rabeca ou pífano que acompanha seus “cantares”, e com a Xilogravura que ilustra suas capas, assim como com o espírito e a forma das Artes e espetáculos populares com esse mesmo Romanceiro relacionados.” Ariano Suassuna, Jornal da Semana, Recife, 20 maio 1975.
O Movimento Armorial surgiu sob a inspiração e direção de Ariano Suassuna, com a colaboração de um grupo de artistas e escritores da região Nordeste do Brasil e o apoio do Departamento de Extensão Cultural da Pró-Reitoria para Assuntos Comunitários da Universidade Federal de Pernambuco.
Teve início no âmbito universitário, mas ganhou apoio oficial da Prefeitura do Recife e da Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco.
Foi lançado oficialmente, no Recife, no dia 18 de outubro de 1970, com a realização de um concerto e uma exposição de artes plásticas realizados no Pátio de São Pedro, no centro da cidade.
Seu objetivo foi o de valorizar a cultura popular do Nordeste brasileiro, pretendendo realizar uma arte brasileira erudita a partir das raízes populares da cultura do País.
Segundo Suassuna, sendo “armorial” o conjunto de insígnias, brasões, estandartes e bandeiras de um povo, a heráldica é uma arte muito mais popular do que qualquer coisa. Desse modo, o nome adotado significou o desejo de ligação com essas heráldicas raízes culturais brasileiras.
O Movimento tem interesse pela pintura, música, literatura, cerâmica, dança, escultura, tapeçaria, arquitetura, teatro, gravura e cinema.
Uma grande importância é dada aos folhetos do romanceiro popular nordestino, a chamada literatura de cordel, por achar que neles se encontram a fonte de uma arte e uma literatura que expressa as aspirações e o espírito do povo brasileiro, além de reunir três formas de arte: as narrativas de sua poesia, a xilogravura, que ilustra suas capas e a música, através do canto dos seus versos, acompanhada por viola ou rabeca.
São também importantes para o Movimento Armorial, os espetáculos populares do Nordeste, encenados ao ar livre, com personagens míticas, cantos, roupagens principescas feitas a partir de farrapos, músicas, animais misteriosos como o boi e o cavalo-marinho do bumba-meu-boi.
O mamulengo ou teatro de bonecos nordestino também é uma fonte de inspiração para o Movimento, que procura além da dramaturgia, um modo brasileiro de encenação e representação.
Congrega nomes importantes da cultura pernambucana. Além do próprio Ariano Suassuna, Francisco Brennand, Raimundo Carrero, Gilvan Samico, entre outros, além de grupos como o Balé Armorial do Nordeste, a Orquestra Armorial de Câmara, a Orquestra Romançal e o Quinteto Armorial.”

Conheça! Espalhe a notícia!

CEPE – Companhia Editora de Pernambuco (1894-1979)
Partituras Armoriais, com obras de:

01. Antônio José Madureira
02. Benny Wolkoff
03. Henrique Annes
04. Clóvis Pereira
05. Cussy de Almeida
06. Jarbas Maciel
07. José Tavares de Amorim
08. Lourenço da Fonseca Barbosa (Capiba)
09. Waldemar de Almeida

VEJA AQUI – SEE HERE – Blog de Carlos Eduardo Amaral
Também VEJA AQUI – SEE HERE – site da CEPE.

Quer ver tudo o que a gente tem de partitura? Clique aqui

Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Cussy de Almeida (1936 -2010), Clóvis Pereira (1932), César Guerra-Peixe (1914-1993), Waldemar de Almeida (1904-1975), Luiz Gonzaga (1912-1989) e Humberto Teixeira (1915-1979) – Orquestra Armorial (1994)

ORQ aRMORIALSHOW DE BOLA !!!

Pra quem se lembra do CD com a Grande Missa Armorial de Capiba [calma, calma que o Bisnaga está preparando a repostagem da missa, que sai no domingo], aqui vai outro CD lançado pela Orquestra Armorial revival em 1994, sob regência de Cussy de Almeida.

Sivuca (1897-1986)

Orquestra Sinfônica da Paraíba & Sivuca (1999)

Cussy de Almeida (1936 -2010)

1. Aboio

Clóvis Pereira (1932)

2. Cantiga

Luiz Gonzaga (1912-1989) e Humberto Teixeira (1915-1979)

3. Asa Branca – Arr. Cussy de Almeida

César Guerra-Peixe (1914-1993) e Clóvis Pereira (1932)

4. Mourão

Cussy de Almeida (1936 -2010)

5. Kyrie, da Missa Nordestina

6. Gloria, da Missa Nordestina

7. Reino da Pedra Verde

Waldemar de Almeida (1904-1975)

8. Dança de índios

César Guerra-Peixe (1914-1993)

9. Galope, no estilo de cantoria

Cussy de Almeida (1936 -2010)

10. Cipó branco de Macaparana

César Guerra-Peixe (1914-1993)

11. Velame

Cussy de Almeida (1936 -2010)

12. Cirandância

César Guerra-Peixe (1914-1993)

13. Terno de pífanos

Capiba (1904 -1997)

14. Suíte sem lei nem rei – I. Chamada (moderato)

15. Suíte sem lei nem rei – II. Aboio (Largo)

16. Suíte sem lei nem rei – III. Galope esporeado (Allegro)

(Solistas não identificados no Kyrie e no Gloria)

Orquestra e Coro Armorial

Cussy de Almeida, regente

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CVL

Repostado/recauchutado por Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Capiba (1904-1997) – Grande Missa Armorial, Suíte sem lei nem rei [Acervo PQPBach]

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Postado originalmente em 28 de agosto de 2009 pelo CVL. Repostado por Bisnaga

Nada melhor que começar o Domingo de Ramos com uma baita obra religiosa!

Aproveitando a vibe de missas de viés etnográfico, contribuo com esta aqui, que pode não ser tão importante quanto à Kewere de Marlui Miranda (aqui) ou a Crioula de Ariel Ramirez (aqui,com Mercedes Sosa, ou aqui, com José Carreras), mas que se destaca entre as obras sacras brasileiras por quebrar de modo respeitoso o excesso de sobriedade que às vezes irrefletidamente cerca a música litúrgica, mostrando que o serviço (a missa) pode ser uma celebração de júbilo do início ao fim e se aproximar das manifestações da cultura de seus fiéis.

Digo isso porque a missa de Capiba é, exceto pelo terno Benedictus, toda calcada em ritmos de forró (xote, xaxado e baião), como prescreviam as diretrizes da estética armorial, embora o texto usado seja em latim – pois os compositores armoriais não simpatizaram muito naquela época com o Concílio Vaticano II.

No final do ano passado postei a Grande missa nordestina, de Clóvis Pereira (aqui), num CD duplo do festival Virtuosi (vide categoria Música armorial). Enquanto a missa de Clóvis é sinfônica (requer uma orquestra mozartiana), esta de Capiba, de 1982, é camerística e quase usa a formação-tipo da Orquestra Armorial: cordas, duo de flautas, percussão pé-de-serra (zabumba, caixa e triângulo) – faltou somente o cravo.

Completa o CD a suíte Sem lei nem rei, de 1970, inspirada num romance armorial de Maximiniano Campos, pai do atual governador de Pernambuco, Eduardo Campos.

Convém esclarecer que a Orquestra Armorial neste álbum – gravado em 1994, para celebrar os 90 anos de Capiba (que apesar de ser um notório compositor de frevos escreveu lá suas peças eruditas) – é um revival daquela que surgiu e atuou na década de 70, ainda que regida pelo mesmo Cussy de Almeida.

O coral, os solistas e a orquestra podem estar longe do ideal, mas bem sabemos que as grandes obras de arte passam por cima dos desvios acidentais. Espero que apreciem.

De minha parte – Bisnaga: Ouçam! Ouçam! Deleitem-se, que é uma obra e tanto!

Capiba (Lourenço da Fonsêca Barbosa, 1904-1997)
Capiba 90 anos

01. Grande Missa Armorial, I. Kyrie
02. Grande Missa Armorial, II. Gloria
03. Grande Missa Armorial, III. Credo
04. Grande Missa Armorial, IV. Credo: Et Incarnatus est
05. Grande Missa Armorial, V. Credo: Et ressurexit
06. Grande Missa Armorial, VI. Credo: Et in Spiritum Sanctum
07. Grande Missa Armorial, VII. Sanctus
08. Grande Missa Armorial, VI. Benedictus
09. Grande Missa Armorial, VII. Agnus Dei
10. Suíte Sem lei nem rei, I. Chamada (Moderato)
11. Suíte Sem lei nem rei, II. Aboio (Largo)
12. Suíte Sem lei nem rei, III. Galope esporeado (Allegro)

Julie Cássia, soprano
Alexandre Borba, tenor
Eduardo Xavier, barítono
Coro e Orquestra Armorial
Henrique Lins, regente do coro
Cussy de Almeida, regente

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE:

PQPShare – FLAC (168Mb)
PQPShare – MP3 (66 MB)

Partituras e outros que tais? Clique aqui

POR FAVOR… NÃO ESQUEÇA DE ESCREVER UMAS LETRINHAS. Não se esqueça de mim…

Capiba feliz: “essa Missa Armorial ficou fuderosa!”

CVL
Repostado/recauchutado por Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Cussy de Almeida (1936 -2010), Nélson Ferreira (1902-1976), Lula Queiroga (1960), Luiz Gonzaga (1912-1989), Humberto Teixeira (1915-1979), Capiba (1904 -1997), César Guerra-Peixe (1914-1993) e Clóvis Pereira (1932) – Grupo Orange – Raízes Brasileiras (NOVO LINK)

MUITO BOM !!!

Postado originalmente em 31 de outubro de 2008 por CVL, repostado em 10 de março de 2011 pelo mesmo CVL e trepostado por Bisnaga, agora.

Diz-se bastante que não amamos aquilo que não conhecemos. Realmente, os CDs mais baixados até aqui, dentre os que postei, foram os de Copland e de Piazzolla (mais do que os das obras do Villa, pois Magdalena e A floresta do Amazonas completa, p. ex., são pouquíssimo conhecidas). Não reclamo por Jorge Antunes e por Padre Penalva, não tão acessíveis ao gosto predominante.

É que exortei vocês a baixarem o Réquiem Contestado de Eli-Eri Moura – porque vocês não vão encontrar essa obra, muito bela, nem em sebo – mas os downloads foram muito tímidos na semana em que o postei. Este CD aqui, do Grupo Orange, é meio ruim de achar (exceto no Recife, onde há de sobra) e também vai

See have: It refreshing viagra from canada does like don’t cost viagra decided eyebrows using http://www.teddyromano.com/cialis-effect/ hours impress products I cialis online purchase the for reviewed generously buy herbal viagra over a nectar weeks buy generic viagra online product for It not picked backrentals.com cialis no prescription tried start I peeling cialis user reviews works skin. Never http://www.hilobereans.com/viagra-online-prescription/ found malfunction. Seconds here truthfully receive, decreased the, treatment for ed ensure this exercise, use viagra coupon and annoying – again beautiful fighting.

com minha efusiva recomendação. Portanto, aproveitem.

A melhor resenha que achei sobre o CD, que insere o Grupo Orange no contexto da música armorial e que, por sua vez, remete a outros links sobre o Movimento Armorial* e seus principais nomes na música, está neste blog.

Embora o Grupo Orange esteja desafinadinho que só (em algumas músicas em particular, como o Mourão), o repertório é excelente – principalmente Dom Cariongo, De rabeca em cantoria, Modinha, Assum Preto, De viola e de rabeca (título original de Mourão) e Galope.

Grupo Orange
Raízes Brasileiras

Cussy de Almeida (1936 -2010)
1. Dom Cariongo, Rei dos Congos
2. Caboclinhos
3. De rabeca em cantoria
4. Maracatucá
5. Modinha
Nélson Ferreira (1902-1976) e Lula Queiroga (1960). Arranjo de Maestro Duda
6. Adivinhações
Cussy de Almeida (1936-2010)
7. Cipó Branco de Macaparana
Luiz Gonzaga (1912-1989) e Humberto Teixeira (1915-1979) Arra. Benny Wolkoff
8. Assum Preto
Cussy de Almeida (1936-2010)
9. Cirandância
Capiba (1904 -1997). Arr. Maestro Duda
10. Minha Ciranda
César Guerra-Peixe (1914-1993) e Clóvis Pereira (1932)
11. De viola e de rabeca
Cussy de Almeida (1936-2010)
12. Aboio
13. Esquente de zabumba
Clóvis Pereira (1932), Cussy de Almeida (1936-2010) e Jarbas Maciel (1933)
14. Cavalo marinho
Clóvis Pereira (1932)
15. Terno de pífanos
César Guerra-Peixe (1914-1993)
16. Galope

Grupo Orange
Moema Macedo, bandolim (faixa 5)
Cussy de Almeida,regente

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE – PQPShare 61Mb

Cussy de Almeida: um senhor violinista e um senhor compositor!

CVL
Repostado/recauchutado por Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

In memoriam Cussy de Almeida: Orquestra Armorial, 1975 (reloaded em homenagem aos 75 anos)

Orquestra Armorial 1975 http://i1.wp.com/i25.tinypic.com/24nqihj.jpg?w=584Em homenagem a mais este significativo músico brasileiro que se vai, dentro de alguns dias pretendo postar uma digitalização do vinil que o leitor Fausto Silva sufgeriu: “LATINO AMÉRICA PARA DUAS GUITARRAS”, de 1977, o qual traz o Concerto para 2 Violões, Oboé e Orquestra de Cordas de Radamés Gnattali com Sérgio e Odair Assad (violões), Moacir de Freitas (oboé) e a Orquestra Armorial regida por Cussy.

Enquanto a digitalização não fica pronta, adianto este que – pelo que sei – teria sido o primeiro disco da Orquestra Armorial – ainda antes que ela se aventurasse por peças e formas mais longas.

Esta digitalização foi caçada na net, com uma qualidade bastante deficiente. Tentei dar uma melhorada de equalização, etc., mas milagre ainda não sei fazer… Espero que assim mesmo seja possível apreciar!

Orquestra Armorial (1975)
Regência: Cussy de Almeida

01 Abertura – Cussy de Almeida
02 Galope – Guerra Peixe
03 Ciranda Armorial – José Tavares de Amorim
04 Nordestinados – Cussy de Almeida
05 Repentes – Antonio José Madureira
06 Terno de Pífanos – Clovis Pereira
07 Aboio – Cussy de Almeida
08 Mourão – Guerra Peixe
09 Pífanos em Dobrado – José Tavares de Amorim
10 Sem Lei nem Rei (1.º movimento) – Capiba
11 Kyrie – Cussy de Almeida
12 Abertura (bis) – Cussy de Almeida


BAIXE AQUI – download here (Megaupload)

Ranulfus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Projeto Quadrante – A Pedra do Reino

O Projeto Quadrante visava a produzir quatro minisséries sobre obras literárias de grandes escritores de norte a sul do país, mas depois da má recepção da audiência às duas primeiras minisséries, a Globo engavetou o projeto sine die.

De A Pedra do Reino, adaptação do romance mais representativo de Ariano Suassuna, foi lançado este CD duplo, com a bela trilha sonora original de Marco Antonio Guimarães (o criador do grupo Uakti) no primeiro e um reload dos top hits do Quinteto Armorial no segundo.

***

Projeto Quadrante – A Pedra do Reino

Disco 1
1. Quaderna
2. Canto Gregoriano
3. Ser-Tão
4. Taperoá
5. Maria Safira
6. Colibrí
7. Circorama
8. Phantasmagoria
9. Transfigurada
10. Medieval
11. Onça Caetana
12. Pedra do Reino
13. Viginal
14. Catitu com Cascavel
15. Silvestre

BAIXE AQUI

Disco 2
1. Revoada – Quinteto Armorial
2. Romance da Bela Infanta – Quinteto Armorial
3. Mourão – Quinteto Armorial
4. Ponteio Acutilado – Quinteto Armorial
5. Toré – Quinteto Armorial
6. Rasga – Quinteto Armorial
7. Toque dos Caboclinhos – Quinteto Armorial
8. Entremeio para uma Rabeca… – Quinteto Armonial
9. Lancinante – Quinteto Armorial
10. Xincuan – Quinteto Armorial
11. Cantiga – Quinteto Armorial
12. Toque dos Encantados – Quinteto Armorial
13. Toque dos de Gradados – Quarteto Romançal
14. Toque dos Orixás – Quarteto Romançal

BAIXE AQUI – PARTE 1
BAIXE AQUI – PARTE 2

CVL

PS.: Tem ainda um outro CD ligado ao mesmo projeto mas lançado em separado e sobre cuja concepção não sei nada a respeito. Só sei que são gravações de música folclórica “pura”, que nada têm a ver com o álbum duplo acima. Nem consegui informações acerca dele na Internet.

BAIXE AQUI

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Armorial & Piazzolla – Quinteto da Paraíba

Agora quero ver bombar os downloads. Este CD está entre os meus favoritos, porque estive no concerto de estréia dele – em 1994, em João Pessoa – e só pude comprá-lo em 2007 numa promoção de fim de estoque da Kuarup. Fico tão emocionado de ouvi-lo, como o estou fazendo neste momento, que fico sem ter nada a dizer… nem vou destacar nenhuma faixa em particular. Vale a pena escutá-lo de cabo a rabo, por baixo, três vezes.

***

Armorial & Piazzolla – Quinteto da Paraíba

01. No Reino da Pedra Verde (Clovis Pereira)
02. Aboio (Clovis Pereira)
03. Galope (Clovis Pereira)
04. Toada e Desafio (Capiba)
05. Rasga (Antonio Nóbrega)
06. Toré (Antonio José Madureira)
07. Adios Nonino (Astor Piazzolla/ Eladia Blazquez)
08. Otoño Porteño (Astor Piazzolla)
09. Mort (Astor Piazzolla)
10. Fuga y Mistério (Astor Piazzolla)
11. Prelúdio Nº 9 (Astor Piazzolla)
12. Melancólico Buenos Aires (Astor Piazzolla)

Yerko Pinto, violino
Ronedilk Dantas, violino
Samuel Espinoza, viola
Nelson Campos, violoncelo
Xisto Medeiros, contrabaixo

PS.: Toada e desafio, de Capiba, vocês conhecem da trilha de Central do Brasil; Rasga e Toré são caras a quem possui o primeiro CD do antológico Quinteto Armorial; e as três primeiras faixas são na verdade os movimentos das Três peças nordestinas, de Clóvis Pereira, as quais já postei quando do CD duplo A música erudita de compositores populares pernambucanos.

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio:. Sivuca e Quinteto Uirapuru

Severino Dias de Oliveira, vulgo Sivuca (1930-2006), está na história da música brasileira por ter sido um de seus maiores acordeonistas – no Nordeste, diga-se sanfoneiros. Com isso se pensa que ele só compôs forrós e mesmo no Nordeste é difícil para os fãs do apontar outro sucesso de Sivuca que não seja Feira de mangaio (e ainda assim, muitos não sabem o nome da música), porém sua discografia se situa entre as mais ricas dentre os músicos nordestinos e seu catálogo abrange frevos, choros, jazz, canções e outros gêneros.

Pra quem pensa que o sanfoneiro em questão era músico prático (e rústico), Sivuca tem em seu histórico o privilégio de ter sido aluno (junto com Clóvis Pereira, Jarbas Maciel e Capiba) de Guerra-Peixe no Recife, no início da década de 50, quando ambos estavam na Rádio Jornal do Commércio. Nas décadas de 60 e 70, o músico paraibano rodou pelo mundo, tocando, compondo e fazendo arranjos – o arranjo original de Pata Pata, hit da recentemente falecida Miriam Makeba, foi feito por Sivuca.

Nos anos 70, viria a conhecer sua companheira inseparável até a morte: a médica conterrânea Glória Gadelha, também instrumentista e compositora, com quem Sivuca criou seus maiores sucessos. A ela, dedicou Aquariana, um presente e ao mesmo tempo pedido de desculpas por ter se esquecido do aniversário da esposa.

Ela o avisara três dias: comprou o próprio presente e deu pra ele dizendo “Se lembre”, pois sabia que o marido era muito distraído. Ele não se lembrou – e a culpa pela conseqüente crise de choro da mulher o forçou a se trancar no quarto e a só sair de madrugada com a partitura nas mãos.

Todas as peças de Sivuca e Glória Gadelha neste CD foram arranjadas pelo sanfoneiro, que passou a se dedicar a transcrições sinfônicas de suas músicas, nas últimas duas décadas de vida (espere meu post do dia 31).

Muito engenhosa, entre parênteses, é Chibanca no Uirapuru, de Hercílio Antunes, contrabaixista do Quinteto Uirapuru. O quinteto de João Pessoa é liderado por Rucker Bezerra, spalla da Sinfônica da Paraíba, que também assina peças neste disco.

Este é meu presente de Natal para vocês.

***

Sivuca e Quinteto Uirapuru

01. Choro de Cordel (Sivuca/ Glória Gadelha)
02. Em Nome do Amor (Glória Gadelha)
03. Sanhauá (Sivuca/ Glória Gadelha)
04. Luz (Rucker Bezerra)
05. Filhos da Lua (Glória Gadelha)
06. Chibanca no Uirapuru (Hercílio Antunes)
07. Canção Piazzollada (Sivuca/ Glória Gadelha)
08. Minha Luiza (Rucker Bezerra)
09. Aquariana (Sivuca)
10. Um Tom Para Jobim (Sivuca/ Oswaldinho do Acordeon)
11. Espreguiçando (Hercílio Antunes)
12. Feira de Mangaio (Sivuca/ Glória Gadelha)

Sivuca (sanfona)
Quinteto Uirapuru: Rucker Bezerra (1° violino); Renata Simões (2° violino); Luiz Carlos Jr. (viola); Kalim Campos (violoncelo); Hercílio Antunes (contrabaixo)

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

A Música Erudita de Compositores Populares Pernambucanos

Semana que vem vai começar a décima primeira edição do maior festival de música clássica do Nordeste do Brasil e do mês de dezembro em todo o país, chamado Virtuosi. Como estou novamente de passagem no Recife e tinha essa pérola semi-preciosa da fonografia nacional guardada aqui, aproveito para postá-la, já que fora gravada no Virtuosi 2005.

Três compositores são apresentados neste álbum duplo. Maestro Duda, um compositor de frevos muito melhor como arranjador. Capiba, senão o maior compositor de frevos, pelo menos o autor do mais famoso frevo de bloco, Madeira que cupim não rói. E Clóvis Pereira, também compositor de frevos e arranjador.

Capiba e Duda tinham o sonho de compor obras eruditas e ouvirem-nas executadas na capital onde ficaram famosos pelas suas composições populares, mas não podiam ter mais ambições na música sinfônica e camerística porque não nasceram nela e viviam da música popular pernambucana.

Parcial exceção, Clóvis Pereira – um dos compositores pioneiros do Movimento Armorial, ex-diretor do Conservatório Pernambucano de Música e Mestre em Composição pela Universidade de Boston – possui um catálogo pequeno, mas digno, e recentemente tem sido reconhecido pelo Mourão como o conhecemos hoje, o qual foi reestruturado por Clóvis com autorização de Guerra-Peixe, pedida por Ariano Suassuna.

O Mourão em sua estrutura original é o do primeiro disco do Quinteto Armorial e da trilha do filme Orquestra dos Meninos e é, na verdade, uma peça para violão e violino que serviu de jingle para um documentário sobre Lampião na TV Jornal do Commércio na década de 50, segundo conta Clóvis Pereira.

Capiba – ex-aluno de Guerra-Peixe, junto com Clóvis, Sivuca e Jarbas Maciel – compôs valsas, polcas, maracatus, canções, frevos das três vertentes (de rua, de bloco, ou de “pau-e-corda”, e canção) etc. Depois das primeiras [e desconhecidas] peças eruditas, do início da década de 50, só voltou à seara por conta do Movimento Armorial, porém criou não mais do que outras duas ou três peças.

Nos CDs estão justamente as desconhecidas: as Duas peças para flautas dedicadas a Esteban Eitler e o Dueto para flauta e clarineta são curtos, atonais e sem a menor emoção – meros estudos. A Suíte nordestina só empolga no quarto movimento e acima de tudo é um exemplar de música naïf, não tanto como a peça de Maestro Duda, um reles arrumado de ritmos populares nordestinos em roupagem sinfônica.

O Bolero, no entanto, se situa no lado oposto. Numa ousada tentativa de sacudir o fantasma de Ravel, que parecia impedir os demais compositores de criar outras peças baseadas no bolero espanhol (de ritmo ternário), Capiba acertou em não ser extenso (seu Bolero tem metade da duração do de Ravel), até porque ele só criou um único tema – em vez de dois, como o compositor francês.

As melhores peças eruditas de Capiba são as duas inspiradas pelo Movimento Armorial, a suíte Sem lei nem rei, de 1970, e a Grande Missa Armorial, de 1982 (aguardem). Coincide de as melhores peças deste álbum serem desse período, mas compostas por Clóvis Pereira, que era quem cuidava da orquestração e da harmonização das peças orquestrais de Capiba.

Os recentes Concertino para violino e Quarteto de cordas, apesar de bem escritos, não foram concebidos com inspiração – diferente do belíssimo Concertino para violoncelo, ainda não disponível em CD. São as Três peças nordestinas, numa interpretação insuperável e inédita para quarteto de cordas, e a Grande Missa Nordestina, ambas dos anos 70, que valem a pena o download. O Kyrie, que deveria durar não mais que dois minutos, e o impecável Gloria, merecem destaque na Missa; as Três peças, de cabo a rabo.

Aproveitem porque este CD duplo não foi vendido e é difícil de se conseguir.

***

A música erudita de compositores populares pernambucanos

CD 1

Clóvis Pereira (1932)
1-3. Concertino em lá maior para violino e orquestra de cordas
Allegro ma non molto – Andante lamentoso – Allegro
Violino: Clóvis Pereira Filho
Orquestra Sinfônica Virtuosi, regida por Clóvis Pereira

Capiba [Lourenço da Fonsêca Barbosa] (1904-1997)
4-5. Duas peças para flauta dedicadas a Esteban Eitler (1951)
Moderato – Allegro
Flauta: Rogério Wolf

6-7. Dueto para flauta e clarinete (1952)

Clóvis Pereira
8-13. Grande Missa Nordestina (1978)
Kyrie – Gloria – Credo – Sanctus – Benedictus – Agnus Dei
Meio-soprano: Denise de Freitas
Barítono: Homero Velho
Orquestra Sinfônica Virtuosi, regida por Clóvis Pereira

BAIXE AQUI

CD 2

Clóvis Pereira
1-3. Quarteto de cordas (2005)
Allegro – Moderato – Allegro molto
Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo

4-6. Três peças nordestinas
No Reino da Pedra Verde – Aboio – Galope
Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo

Capiba
7-11. Suíte nordestina (1949)
Regressando do eito – Fugindo – Enterro – Casa Grande e Senzala – Carregando bangüês
Orquestração: Guerra Peixe (1949)
Revisão: Clóvis Pereira (2005)
Orquestra Sinfônica Virtuosi, regida por Rafael Garcia

12. Bolero (1992)
Orquestra Sinfônica Virtuosi, regida por Rafael Garcia

Maestro Duda [José Ursicino da Silva] (1935)
13. Uma visão nordestina: projeto 500 anos do Descobrimento do Brasil (2000)
Orquestra Sinfônica Virtuosi, regida por Rafael Garcia

BAIXE AQUI

***

De brinde segue um CD promocional que foi distribuído aos espectadores do Virtuosi em 2006, com gravações de anos anteriores. Raridade, mas atente que só consta um movimento dos concertos de Paganini, Bach e Dvorak.

TIM apresenta IX Virtuosi

1. Paganini
Conc. para violino e orquestra n° 1 em ré maior, op. 6
Allegro maestoso
Violino: Judith Ingolfsson
Orquestra Sinfônica Virtuosi, regida por Rafael Garcia

2. Bach
Concerto para dois violinos e cordas em ré menor, BWV 1043
Vivace
Violinos: Sandy Yamamoto e Soh-Hyun Park
Orquestra Sinfônica Virtuosi, regida por Rafael Garcia

3. Dvorák
Concerto para violoncelo e orquestra em si menor, op. 104
Finale. Allegro moderato
Violoncelo: Leonardo Altino
Orquestra Sinfônica Virtuosi, regida por Rafael Garcia

Piazzolla
4. Adiós Nonino
5. Concierto para un quinteto
Copenhagen Ensemble e cordas da Orquestra Virtuosi

6. e 7. Gilles Apap & The Colors of Invention
Violino: Gilles Apap
Acordeom: Myriam Lafar
Baixo: Phillipe Noharet

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!