History of the Sacred Music vol. 03: The Birth of Polyphony (1100-1300)

2q0j7fbHarmonia Mundi: História da Música Sacra
vol 03: O nascimento da Polifonia (1100-1300)


Muitos sons. Esse é o significado da palavra Polifonia, que vem do grego. Em essência, a interpretação ao pé da letra, nos diz tudo…


Polifonia, é uma técnica de composição em que duas ou mais ”melodias” se desenvolvem preservando o contexto na qual estão contidas. Para entendermos melhor essa tal de polifonia, vamos pensar na 9ª sinfonia de Beethoven, 1° movimento. É tão bonito ver as vozes se entrelaçando, meandrando a melodia principal, fazendo contrapontos, esquemas de ”perguntas e respostas”. No caso, isso é polifonia.

A polifonia no seu inicio, era improvisada. Não há registros, apenas teorias que derivam de tratados sobre música e liturgia (sim meu caro, liturgia. Esqueceu que a música era para acompanhar os ritos próprios da Igreja Católica ?). Como sabemos, a polifonia teve inicio junto com a melodia do canto gregoriano (lembra-se? Harmonia Mundi 2 ? ) era dobrada em 8ªs, 5ªs e 4ªs. (O interessante é que tudo isso surgiu espontaneamente. Os cantores não tinham a intenção de cantar diferente do uníssino.) Logo depois, começou-se a usar a 3ª e a 6ª. Hoje em dia, não há limites para a polifonia. Ela está em tudo em que escutamos. Desde buzinas aleatórias até John Cage. É claro que a polifonia está intimamente ligada a vários sons. Portanto o ”Poema sinfonico para 100 metrônomos” de Ligeti não é uma obra polifônica, apenas uma poliritmia.

Retomando à trajetória do desenvolvimento da música polifônica, poucas são as alterações sofridas no canto gregoriano, introduzindo-se apenas diálogos entre as melodias, as vozes ainda caminham no modelo vertical. Todas falam a mesma coisa e/ou trocam de nota no mesmo instante. No século seguinte percebe-se que a melodia se tornará muito mais interessante e apreciável se uma segunda voz caminhasse separada da voz* principal, fazendo algo diferente mas dentro do mesmo contexto. Depois, no século XII, o canto gregoriano é dilatado, ou seja, coloca-se entre uma nota e outra uma melodia mais dinâmica e de ritmo mais ágil, além de se introduzir uma diferenciação de andamento entre as várias vozes. Mas que para isso pudesse ocorrer de forma correta e precisa, o sistema musical teria que mudar. Pois até então, era utilizado o sistema neumático (solesmes) em que o ritmo, vinha de acordo com a acentuação da palavras. O sistema de neumas foi sendo melhorado de modo que havia uma precisão ritmica e melódica entre as vozes*.

Com isso, houve o aparecimento do Organum, que essencialmente é a melodia sendo cantada em diferentes alturas, mantendo-se o contexto na qual foi prorposta. Mais tarde, Paris tornou-se um importantíssimo centro musical, desde que, em 1163, teve inicio a construção da catedral de Notre-Dame. Aí as partituras de organum, com um grupo de compositores pertencentes à ”Escola de Notre-Dame”, alcançaram um admirável estágio de elaboração. No entanto, apenas o nome de dois desses compositores chegou até nós: Leonín, que foi o primeiro mestre de coro de catedral, e o de seu sucessor, Pérotin.

Com toda certeza, o auge do desenvolvimento da polifonia foi o Moteto, que basicamente foi quando usaram-se textos distintos para cada voz.* O moteto tornou-se uma das grandes formas da música polifônica, pois sua complexidade excedia os recursos disponíveis na época, o que fez com que junto com o seu desenvolvimento trouxesse melhorias e um aprimoramento do sistema rítmico e também da notação, sendo o apogeu de seu uso o contraponto modal do século XVI, apesar de sua importância para a música barroca e da recorrência a ele até por compositores românticos. Além dos benefícios que este estilo trouxe para sua época, deixou recursos que foram usados durante séculos posteriores e que ainda hoje, refletem na nossa música.

Assim sendo, podemos sintetizar essa evolução da seguinte forma:

Século IX – primeiras formas polifônicas em que se tem o registro (organum).
Século XII – auge da composição de organum.
Século XIV – formas polifônicas da Ars Nova.
Séculos XV e XVI – contraponto renascentista.
Século XVII – contraponto barroco.
Século XIX – contraponto no estilo de Albrechtsberger (harmonia movimentada).
Século XX – contraponto dodecafônico de Schoenberg.

* quando digo ”vozes” não me refiro apenas à voz humana. Não nos esqueçamos que a música vocal foi a primeira a surgir. Qualquer coisa cantada paralelamente é chamada de “voz”. Esse termo permenece até hoje para toda linha melódica desenvolvida ou por um instrumentista ou por um cantor.

Palhinha: ouça 03. 12th-Century Polyphony in Aquitaine à Saint-Martial de Limoges: 3. Resonemus hoc natali

History of the Sacred Music vol. 03: The Birth of Polyphony (1100-1300)
Anonymous
Ensemble Organum. Director: Marcel Pérès
01. 12th-Century Polyphony in Aquitaine à Saint-Martial de Limoges: 1. Domine labia mea aperies/Deus in adjutorium meum (Choer)
02. 12th-Century Polyphony in Aquitaine à Saint-Martial de Limoges: 2. Versus: O primus homo coruit (à 2 voix)

Theatre of Voices. Director: Paul Hillier
03. 12th-Century Polyphony in Aquitaine à Saint-Martial de Limoges: 3. Resonemus hoc natali

Ensemble Organum. Director: Marcel Pérès
04. The Notre-Dame School (12th century): Mass for Christmas Day: 1. Introït trepé: Puer natus est
05. The Notre-Dame School (12th century): Mass for Christmas Day: 2. Kyrie

Léonin, or Leoninus (Paris, c. 1135 – 1201)
Theatre of Voices. Director: Paul Hillier
06. The Notre-Dame School (12th century): Propter veritatem

Pérotin (France, fl. c. 1200), also called Pérotin the Great
Theatre of Voices. Director: Paul Hillier
07. The Notre-Dame School (12th century): Graduel: Viderunt omnes/Notum fecit Dominus

Anonymous
Theatre of Voices. Director: Paul Hillier
08. Hockets from the Bamberg Manuscript (13th century): 1. In seculum Longum
09. Hockets from the Bamberg Manuscript (13th century): 2. In seculum Viellatoris
10. Hockets from the Bamberg Manuscript (13th century): 3. In seculum Breve
11. Hockets from the Bamberg Manuscript (13th century): 4. In seculum D’Amiens longum

Anonymous
Anonymous
12. 13th-Century Marian Songs: 1. Ave maria gracia plena
13. 13th-Century Marian Songs: 2. Pia mater gratie
14. 13th-Century Marian Songs: 3. Ave nobilis venerabilis

Ensemble Organum. Director: Marcel Pérès
15. The gradual of Eleanor of Brittany (13th & 14th centuries): Kyrie: Orbis factor

Anonymous
16. An English Ladymass at Salisbury Cathedral (13th & 14th centurie): 1. Kyrie: Kyria christifera
17. An English Ladymass at Salisbury Cathedral (13th & 14th centurie): 2. Gloria
18. An English Ladymass at Salisbury Cathedral (13th & 14th centurie): 3. Sanctus – Benedictus
19. An English Ladymass at Salisbury Cathedral (13th & 14th centurie): 4. Agnus Dei: Virtute numinis

History of the Sacred Music vol. 03: The Birth of Polyphony (1100-1300) – 2003
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | 291,9 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 160,5 MB

Encarte e letras dos 30 CDs – AQUI – HERE

powered by iTunes 12.2.3 | 1,1 h

Boa audição.

 

xc436f

 

 

 

 

.

.

 

gabrieldelaclarinet: texto
Avicenna: lay-out & mouse operator

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Perotin / Sungji Hong (1973): Trio Mediaeval – Stella Maris

Espetacular CD da ECM (para variar). Três vozes femininas cantam as primeiras obras da polifonia e uma obra moderna da compositora coreana Sungji Hong (1973). Som puríssimo, lindo.

Altamente recomendável.

Trio Mediaeval – Stella Maris

Anônimos

1. Flos regalis virginalis 4:26
2. O Maria, stella maris 3:43
3. Quem trina polluit 4:44
4. Dou way Robyn – Sancta Mater 3:58
5. Veni creator spiritus 9:51

Perotin
6. Dum sigillum 9:52

Anônimo

7. Beata viscera 2:01

Sungji Hong
8. Missa Lumen de lumine (2002) – Kyrie 4:03
9. Missa Lumen de lumine (2002) – Gloria 6:43
10. Missa Lumen de lumine (2002) – Credo 5:48
11. Missa Lumen de lumine (2002) – Sanctus 4:06
12. Missa Lumen de lumine (2002) – Agnus Dei 5:52

Anna Maria Friman soprano
Linn Andrea Fuglseth soprano
Torunn Østrem Ossum soprano

Recorded February 2005
ECM New Series 1929

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Apoie os bons artistas, compre sua música!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Pérotin (c. 1160-c. 1236) com o Hilliard Ensemble

É impossível descrever a maravilhosa interpretação que o Hilliard Ensemble dá ao genial Pérotin neste CD da ECM. Que vozes! Pouco se sabe a respeito do compositor, mas… Bem, ouçam.

Perotin

1 Viderunt Omnes
2 Veni Creator Spiritus
3 Alleluia Posui Adiutorium
4 O Maria Virginei
5 Dum Sigillum
6 Isaias Cecinit
7 Alleluia Nativitas
8 Beata Viscera
9 Sederunt Principes

The Hilliard Ensemble:
David James (Countertenor)
John Potter (Tenor)
Rogers Covey-Crump (Tenor)
Mark Padmore (Tenor)
Charles Daniels (Tenor)
Gordon Jones (Baritone)
Paul Hillier (Baritone)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Music of the Gothic Era – Early Music Consort of London – David Munrow

David Munrow (1942-1976) é uma espécie de lenda da música antiga. Viveu apenas 33 anos, gravou dezenas de discos, escreveu livros sobre música, fez inúmeras viagens para pesquisar instrumentos esquecidos e produziu e apresentou os programas Ancestral Voices (BBC) e Early Musical Instruments (ITV), que acabaram transmitidos postumamente. Munrow suicidou-se em 1976, logo após a morte de seu pai e de seu padrasto, a quem dedicou seu último livro.

O CD que postamos é uma esplêndida coletânea de música polifônica medieval francesa (1160-1390) já fora de catálogo. O CD que mostramos acima é uma nova edição ampliada. É um CD duplo.

Music of the Gothic Era

01. Leonin: Viderunt omnes
02. Perotin: Viderunt omnes
03. Anon: Alle, psallit e cum luya
04. Anon: Amor potest
05. Anon: S’on me regarde
06. Anon: In mari miserie
07. Anon: O mitissima
08. Petrus de Cruce: Aucun ont trouve
09. Adam de la Halle: De me dame vient
10. Adam de la Halle: J’os bien a m’amie parler
11. Anon: Le mesnie fauveline
12. de Vitry: Impudentur circumivi
13. de Vitry: Cum statua
14. Anon: Clap, clap, par un
15. Anon: Febus mundo oriens
16. Machaut: Qui es promesses
17. Machaut: Lasse! comment oublieray
18. Anon: Inter densas deserti meditans
19. Machaut: Hoquetus David

The Early Music Consort of London
David Munrow

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!