Steve Reich (1936): Third Coast Percussion

IM-PER-Dí-VEL !!!

Esse disco de 2016 vai direto para a galeria de obras-primas. Foi de dentro das comemorações dos 80 anos de Steve Reich (3 de outubro de 1936) que veio esta gravação fenomenal. Aguardamos outras! Com enorme cultura e sensibilidade, Reich vai fazendo o que nunca devia ter sido deixado de lado. Desde sempre a música erudita bebeu na fonte popular e vice-versa e a música de Reich tem, nos últimos anos, construído curiosas pontes entre os dois mundos. Não pense que você vai ouvir trabalhos condescendentes — o que Reich faz é absolutamente erudito –, mas ele leva e traz, leva e traz, fato reconhecido por Beck, Eno, Prince e tantos outros que o procuram. Este é um disco de percussão. Não esqueça que o piano, o vibra e o xilofone são instrumentos de percussão… A música é de uma elegância impar. O Third Coast Percussion — cujo núcleo é formado por David Friend, Oliver Hagen e Matthew Duvall — é extremamente musical e preciso. Além disso, tem encomendado obras a diversos compositores. Eu estou de boca aberta, ouvindo o disco pela terceira vez e pensando em cancelar compromissos. E você, meu caro pequepiano, dispa-se dos preconceitos contra o contemporâneo (rimou!) e babe.

Steve Reich (1936): Third Coast Percussion

1. Fast (6:39)
2. Slow (3:16)
3. Fast (5:03)
4. Fast (11:17)
5. Moderate (4:23)
6. Slow (2:33)
7. Moderate (3:36)
8. Fast (6:34)
9. Nagoya Marimbas (4:48)
10. Music For Pieces Of Wood (feat. Matthew Duvall) (14:20)

Third Coast Percussion

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Reich, talento para todos os lados

Reich, espalhando talento para todos os lados

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Steve Reich (1936): Radio Rewrite

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Aqui Steve Reich permanece mais uma vez fiel a seu corolário de dialogar com a música popular e traz, além dos guitarristas mandando bala na Electric Counterpoint — dedicada e gravada originalmente por Pat Metheny — e dos seis pianos de Piano Counterpoint, Radio Rewrite, que é  baseada em canções do grupo inglês Radiohead.

Não canso de deixar clara uma das opiniões do genial Reich:

Todos os músicos do passado, começando na Idade Média, estavam interessados na música popular. A música de Béla Bartók se fez inteiramente com fontes de música tradicional húngara. E Igor Stravinsky, ainda que gostasse de nos enganar, utilizou toda a sorte de fontes russas para seus primeros balés. A grande obra-prima Ópera dos Três Vinténs, de Kurt Weill, utiliza o estilo de cabaret da República de Weimar. Arnold Schoenberg e seus seguidores criaram um muro artificial, que nunca existiu antes. Minha geração atirou o muro abaixo e agora estamos novamente numa situação normal. Por exemplo, se Brian Eno ou David Bowie recorrem a mim e se músicos populares reutilizam minha música, como The Orb ou DJ Spooky, é uma coisa boa. Este é um procedimento histórico habitual, normal, natural.

Steve Reich

O terceiro movimento de Electric Counterpoint (Fast):

Steve Reich (1936): Radio Rewrite

1. Electric Counterpoint: I. Fast
2. Electric Counterpoint: II. Slow
3. Electric Counterpoint: III. Fast
4. Piano Counterpoint (para seis pianos)
5. Radio Rewrite: I. Fast
6. Radio Rewrite: II. Slow
7. Radio Rewrite: III. Fast
8. Radio Rewrite: IV. Slow
9. Radio Rewrite: V. Fast

Pelos músicos do Alarm will sound.

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Steve Reich hoje, aos 78 anos

Steve Reich hoje, aos 78 anos

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Henryk Górecki (1904-1991): Quarteto No. 1 e 2 — Steve Reich (1936): Different Trains — George Crumb (1929): Black Angels — Kronos Quartet 25 anos [6 e 7/10]

cover (2)

  • Repost de 28 de Janeiro de 2016

PQP sobre este post: IM-PER-DÍ-VEIS !!!

Górecki, Reich e Crumb, o que esses três têm em comum além da contemporaneidade de suas músicas? Nada que eu saiba amiguinhos, a pergunta foi só pra instigar curiosidade mesmo.

Górecki usa elementos minimalistas nesses dois quartetos seus, mas não sei se falta um pouco mais de vísceras que já havia ouvido em outras composições suas ou se o Kronos Quartet “falha na missão”.front

Reich é mais interessante, em sua música ele usa o elementos repetitivo e que vai se desenvolvendo aos poucos, embora aqui seja muito mais perceptível do que Music for 18 musicians por exemplo. Ele meio que brinca fazendo um contraponto minimalista e a música muda indo de uma repetição de tema à outro. E cada vez que um ou outro tema volta, ele volta com um elemento diferente. É genial. Ele adiciona umas vozes de radio também, puxando um elemento da eletroacústica, mas faz isso querendo anunciar o espírito de cada fase da música, por exemplo, New York é melancólica, Los Angeles é agitada, e quando volta à repetição New York to Los Angeles, que é meio que uma mistura, ele coloca uns sons de locomotiva. Uma brincadeira interessante. Com certeza uma música cheia de ideias que também é cheia de musicalidade.

Crumb chega pra não deixar pedra sobre pedra. Sua música é coisa que pirados como eu adoram. Ele faz inúmeras brincadeiras com elementos “não musicais”: a batida na madeira, um rangido, um suspiro, uma interjeição, etc. Mas não pense que isso tudo é sem coordenação como uma porcaria pós-moderna qualquer, na verdade ele consegue coordenar tudo isso muito bem, criando uma harmonia surpreendente. Dos três “porquinhos” aqui, ele é o mais criativo. Recomendo ouvir com o som bem alto e com muita atenção, pois a música dele está salpicada de detalhes quase inaudíveis.

Semana que vem trarei Terry Riley o oitavo disco da coleção juntamente com o nono, que trás obras de Alfred Schnittke.

25 Years of the Kronos Quartet [BOX SET 6 and 7/10]

Disc 6

Henryk Górecki (1904-1991):

Quasi una Fantasia, Quartet No. 2, Op. 64
01 I. Largo
02 II. Deciso – Energico (Marcatissimo sempre)
03 III. Arioso: Adagio cantabile
04 IV. Allegro (Sempre con grande passione e molto marcato)

05 Already It Is Dusk, Quartet No. 1, Op. 62

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Disc 7

Steve Reich (1936):

Different Trains
01 America – Before The War
02 Europe – During The War
03 After The War

George Crumb (1929):

Black Angels
04 I. Departure
05 II. Absence
06 III. Return

Kronos Quartet:
David Harrington, violin
John Sherba, violin
Hank Dutt, viola
Joan Jeanrenaud, cello

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Steve Reich e o quarteto fantástico. [Kronos Quartet photographed at San Francisco, CA February 23, 2011©Jay Blakesberg]

Steve Reich e o quarteto fantástico. [Kronos Quartet photographed at San Francisco, CA February 23, 2011©Jay Blakesberg]

Luke

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Steve Reich (1936) — 80 anos: Phases: A Nonesuch Retrospective (5 CDs)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Steve Reich completou 80 anos no último dia 3 de outubro. Ele é o mais embasbacante e interessante dos minimalistas. É música para ser ouvida com grande atenção, pois as aparentes repetições contém variações que ocorrem a cada momento, criando climas inesperados. Com a cabeça quase sempre tapada por um boné e agora com oito décadas de vida, Reich vai montando uma obra que dialoga com o popular (Tehillim, por exemplo) e com a política (Different Trains).

Eu, PQP, amo sua música.

Steve Reich nasceu em Nova Iorque, a 3 de Outubro de 1936. Diplomou-se primeiro em Filosofia na Cornell University em 1957. Depois, foi estudar composição na Juilliard School of Music e trabalhou com Luciano Berio e Darius Milhaud.

Tornou-se na década de 60 uma das mais proeminentes figuras do Minimalismo. No final dos anos sessenta e início dos setenta aplicou técnicas de música gravada à composição acústica. Nos anos 70, uma viagem a África abriu-lhe novos horizontes na área da percussão. A peça Drumming deu origem ao seu grupo Steve Reich and Musicians. Em 1974 escreveu a obra-prima Music for 18 Musicians, considerada uma revolução na música. Aquele vinil da ECM do início dos anos 80 jamais será esquecido!

Nos anos 80, a obra de Reich tomou novas direções ao procurar temas políticos e religiosos. A década seguinte trouxe obras de grande envergadura sobre as origens das religiões cristã, judaica e islâmica, bem como sobre outros problemas e conflitos das sociedades modernas. Nesse período foi nomeado membro da Academia Americana das Artes e Letras e da Academia de Belas Artes da Baviera, e recebeu a Comenda da Ordem das Artes e Letras de França.

Em 2000 recebeu o Prémio Schuman da Columbia University, Montgomery Fellowship do Dartmouth College, Regent’s Lectureship na University of California at Berkeley, um doutoramento honorário do California Institute of the Arts e foi nomeado Compositor do Ano pela revista Musical America. Em 2007 recebeu o Polar Prize da Academia Real Sueca de Música, e em 2009 o Prémio Pulitzer em Música pela composição Double Sextet. 

Music For 18 Musicians
1-1 Pulses 5:26
1-2 Section I 3:58
1-3 Section II 5:13
1-4 Section IIIA 3:55
1-5 Section IIIB 3:46
1-6 Section IV 6:37
1-7 Section V 6:49
1-8 Section VI 4:54
1-9 Section VII 4:19
1-10 Section VIII 3:35
1-11 Section IX 5:24
1-12 Section X 1:51
1-13 Section XI 5:44
1-14 Pulses 6:11

Different Trains
2-1 America – Before The War 8:59
2-2 Europe – During The War 7:31
2-3 After The War 10:21

Tehillim
2-4 Part I: Fast 11:45
2-5 Part II: Fast 5:54
2-6 Part III: Slow 6:19
2-7 Part IV: Fast 6:24

2-8 Eight Lines 17:29

You Are (Variations)
3-1 You Are Wherever Your Thoughts Are 13:14
3-2 Shiviti Hashem L’negdi (I Place The Eternal Before Me) 4:15
3-3 Explanations Come To An End Somewhere 5:24
3-4 Ehmor M’aht, V’ahsay Harbay (Say Little And Do Much) 4:04

New York Counterpoint
3-5 Fast 5:03
3-6 Slow 2:44
3-7 Fast 3:32

3-8 Cello Counterpoint 11:36

Electric Counterpoint
3-9 Fast 6:51
3-10 Slow 3:22
3-11 Fast 4:30

Triple Quartet
3-12 First Movement 7:10
3-13 Second Movement 4:05
3-14 Third Movement 3:28

4-1 Come Out 12:48

4-2 Proverb 14:04

The Desert Music
4-3 First Movement (Fast) 7:54
4-4 Second Movement (Moderate) 6:59
4-5 Third Movement, Part One (Slow) 7:00
4-6 Third Movement, Part Two (Moderate) 5:54
4-7 Third Movement, Part Three (Slow) 5:55
4-8 Fourth Movement (Moderate) 3:35
4-9 Fifth Movement (Fast) 10:48

5-1 Music For Mallet Instruments, Voices, And Organ 16:50

Drumming
5-2 Part I 17:30
5-3 Part II 18:11
5-4 Part III 11:13
5-5 Part IV 9:50

Eu tô quase sempre de boné

Eu tô quase sempre de boné

Credits
Alto Vocals – Alice Murray (tracks: 3-1 to 3-4), Amy Fogerson (tracks: 3-1 to 3-4), Jay Clayton (tracks: 1-1 to 1-14, 5-1 to 5-5), Kim Switzer (tracks: 3-1 to 3-4), Nancy Sulahian (tracks: 3-1 to 3-4), Sarona Farrell (tracks: 3-1 to 3-4), Tracy Van Fleet (tracks: 3-1 to 3-4)
Bass – Donald Palma (tracks: 4-3 to 4-9), Oscar Hildago* (tracks: 3-1 to 3-4)
Cello – Delores Bing (tracks: 3-1 to 3-4), Greg Passelink* (tracks: 2-8), Jeanne LeBlanc (tracks: 1-1 to 1-14), Jennifer Culp (tracks: 3-12 to 3-14), Joan Jeanrenaud (tracks: 2-1 to 2-3), Mark Stewart (4) (tracks: 2-8), Maurice Grant* (tracks: 3-1 to 3-4), Maya Beiser (tracks: 3-8), Roger LeBow (tracks: 3-1 to 3-4), Sharon Prater (tracks: 4-3 to 4-9)
Clarinet – Evan Ziporyn (tracks: 1-1 to 1-14, 2-8, 3-5 to 3-7), Helen Goode-Castro (tracks: 3-1 to 3-4), James Faschia (tracks: 3-1 to 3-4), Larry Hughes (tracks: 3-1 to 3-4), Leslie Scott (tracks: 1-1 to 1-14), Michael Lowenstern (tracks: 2-8)
Flute – Geri Ratella* (tracks: 3-1 to 3-4), Sara Weisz (tracks: 3-1 to 3-4)
Guitar – Pat Metheny (tracks: 3-9 to 3-11)
Maracas, Marimba, Glockenspiel – Thad Wheeler (tracks: 1-1 to 1-14, 5-1 to 5-5)
Maracas, Piano – Philip Bush (tracks: 1-1 to 1-14)
Marimba – John Magnussen (tracks: 3-1 to 3-4), Mike Englander (tracks: 3-1 to 3-4), Tom Raney (2) (tracks: 3-1 to 3-4), Wade Culbreath (tracks: 3-1 to 3-4)
Marimba, Glockenspiel – Ben Harms (tracks: 5-2 to 5-5), Gary Schall (tracks: 5-2 to 5-5), Glen Velez (tracks: 5-2 to 5-5)
Marimba, Piano, Xylophone, Glockenspiel – Garry Kvistad (tracks: 1-1 to 1-14, 5-1)
Marimba, Xylophone, Vibraphone – Russell Hartenberger* (tracks: 1-1 to 1-14, 4-2, 5-1 to 5-5)
Mezzo-soprano Vocals – Ananda Goud (tracks: 2-4 to 2-7), Yvonne Benschop (tracks: 2-4 to 2-7)
Oboe – Joan Elardo (tracks: 3-1 to 3-4), Joel Timm (tracks: 3-1 to 3-4)
Piano – Brian Pezzone* (tracks: 3-1 to 3-4), Gloria Cheng (tracks: 3-1 to 3-4), Jay Clayton (tracks: 1-1 to 1-14), Lisa Edwards (2) (tracks: 3-1 to 3-4), Vicki Ray (tracks: 3-1 to 3-4)
Piano, Marimba – Steve Reich (tracks: 1-1 to 1-14, 5-1 to 5-5)
Piano, Organ [Electric] – Edmund Niemann (tracks: 1-1 to 1-14, 2-8, 4-2), Nurit Tilles (tracks: 1-1 to 1-14, 2-8, 4-2, 5-1)
Piccolo Flute – Mort Silver (tracks: 5-2 to 5-5)
Piccolo Flute, Flute – David Fedele (tracks: 2-8), Patti Monson (tracks: 2-8)
Soprano Vocals – Allison Zelles (tracks: 4-2), Andrea Fullington (tracks: 4-2), Barbara Borden (tracks: 2-4 to 2-7), Cheryl Bensman Rowe (tracks: 1-1 to 1-14, 4-3 to 4-9), Claire Fedoruk (tracks: 3-1 to 3-4), Emily Lin (tracks: 3-1 to 3-4), Marie Hodgson (tracks: 3-1 to 3-4), Marion Beckenstein (tracks: 1-1 to 1-14), Phoebe Alexander (tracks: 3-1 to 3-4), Rachelle Fox (tracks: 3-1 to 3-4), Rebecca Armstrong (tracks: 1-1 to 1-14, 5-1), Sonja Rasmussen (tracks: 4-2), Tania Batson (tracks: 3-1 to 3-4), Tannie Willemstijn (tracks: 2-4 to 2-7)
Tenor Vocals – Alan Bennett (3) (tracks: 4-2), Fletcher Sheridan (tracks: 3-1 to 3-4), Joseph Golightly* (tracks: 3-1 to 3-4), Kevin St.Clair (tracks: 3-1 to 3-4), Pablo Cora (tracks: 3-1 to 3-4), Paul Elliott (tracks: 4-2), Sean McDermott (tracks: 3-1 to 3-4), Shawn Kirchner (tracks: 3-1 to 3-4)
Viola – Darren McCann* (tracks: 3-1 to 3-4), Francesca Martin (tracks: 4-3 to 4-9), Hank Dutt (tracks: 2-1 to 2-3, 3-12 to 3-14), Catherine Reddish* (tracks: 3-1 to 3-4), Martha Mook* (tracks: 2-8), Ron Lawrence (tracks: 2-8), Victoria Miskolcsky* (tracks: 3-1 to 3-4)
Violin – David Harrington (tracks: 2-1 to 2-3, 3-12 to 3-14), Deborah Redding (tracks: 4-3 to 4-9), Elizabeth Knowles (tracks: 2-8), Elizabeth Lim (tracks: 1-1 to 1-14), Gregor Kitzis (tracks: 2-8), Jacqueline Carrasco (tracks: 2-8), John Sherba (tracks: 2-1 to 2-3, 3-12 to 3-14), Julie Rogers (2) (tracks: 3-1 to 3-4), Ralph Morrison (tracks: 3-1 to 3-4), Samuel Fischer (tracks: 3-1 to 3-4), Steve Scharf (tracks: 3-1 to 3-4), Susan Reddish (tracks: 3-1 to 3-4), Tamara Hatwan (tracks: 3-1 to 3-4), Todd Reynolds (tracks: 2-8)
Voice [Long Tones] – Pamela Wood Ambush (tracks: 5-1 to 5-5)
Xylophone, Marimba – Tim Ferchen* (tracks: 1-1 to 1-14, 5-1)
Xylophone, Marimba, Vibraphone – Bob Becker (tracks: 1-1 to 1-14, 4-2, 5-1 to 5-5)
Xylophone, Piano, Vibraphone – James Preiss (tracks: 1-1 to 1-14, 5-1 to 5-5)

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Eu bato em tudo o que vejo

E bato em tudo o que vejo

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Steve Reich (1936): Tehillim, The Desert Music

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Temos que celebrar os 80 anos do grande Steve Reich, ocorridos em 3 de outubro. Logo publicarei uma coleção de 5 CDs com seus maiores trabalhos gravados pela Nonesuch Records. A monumental gravação de hoje é da nova-iorquina Cantaloupe Music.

Tehillim e The Desert Music estão entre as peças mais grandiosas de Reich. Os dois grupos, Ossia e Alarm Will Sound, beneficiaram-se das ligações muito estreitas que têm com o compositor. Além disso, Alan Pierson, o regente, preparou tudo fazendo constantes consultas a Reich. São peças ágeis, típicas da fase dos anos 80 de Reich. São brilhantes, cheias de luz e precisão. Vozes e cordas sempre foram um problema dentro das texturas percussivas de Reich, mas aqui os cantores e cordas mantém uma vitalidade rítmica impressionante. Pura energia e clareza, fazendo com que o gênio de Reich surja a cada momento.

Tehillim (1981)
01. I. Psalm 19: 2-5 [11:13]
02. II. Psalm 34: 13-15 [5:52]
03. III. Psalm 18: 26-27 [7:47]
04. IV. Psalm 150: 4-6 [5:59]

The Desert Music (1984, revised chamber version 2001)
Text by William Carlos Williams
05. I. (Fast) [7:09]
06. II. (Moderate) [5:51]
07. III. Part I (Slow) [6:55]
08. III. Part II (Moderate) [5:12]
09. III. Part III (Slow) [5:59]
10. IV. (Moderate) [3:03]
11. V. (Fast) [9:38]

‘Tehillim’ Performers:
Ossia
Conductor: Alan Pierson
High soprano: Elizabeth Phillips
Lyric sopranos: Akiko Fujimoto, Carolyn Dorey
Alto: Kirsten Sollek-Avella
Percussion: Clay Greenberg, Payton Macdonald, Karen Minzer, Ian Quinn, Jason Treuting, Lawson White
Flute: Jessica Johnson
Piccolo: Ann Choomack
Oboe: Michael Miller
English horn: Jeffrey L. Paul Ii
Clarinets: Elisabeth Stimpert, Andrea Levine
Organs: John Orfe, Rob Haskins
Violins: Susanna Cortesio (Principal), Terra Peach, Caleb Burhans, David Wish
Violas: Kara Poorbaugh, John Pickford Richards
Cellos: Stefan Freund, Luke Pomorski
Bass: Sara Lukjanovs
Assistant conductor: Clay Greenberg

‘The Desert Music’ Performers:
Alarm Will Sound and Ossia
Conductor: Alan Pierson
Female voices: Martha Cluver, Akiko Fujimoto, Heather Gardner,
Pam Igelsrud, Beth Meyers, Kirsten Sollek-Avella
Male voices: Caleb Burhans, Clay Greenberg, Will Jennings, Daniel Toven
Flutes/Piccolos: Jessica Johnson, Justin Berrie, Meg Sippey, Rachel Roberts
Horns: Matt Marks, Kate Sheeran
Trumpets: Lisa Edelman, Leah Schumann
Trombones: James Hirschfeld, David Beauchesne, Mike Dowden
Keyboards: Clay Greenberg, Solungga Fang-Tzu Liu, Tom Rosenkranz, Ian Quinn, Jen Snyder
Percussion: Dennis Desantis, Clay Greenberg, Beth Meyers, Payton Macdonald, Alex Postelnek,
Mike Tetreault, Jason Treuting, Lawson White, Pete Zlotnick
Violins: Courtney Orlando (Principal), Andrew Fouts, David Wish,
Yuki Numata, Autumn Inglin Shepherd, Michael Jorgensen
Violas: John Pickford Richards, Justin Caulley, Kara Poorbaugh
Cellos: Susie Kelly, Stefan Freund, Norbert Lewandowski
Basses: Ike Sturm, Brent Bulmann
Assistant conductor: Ian Quinn

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Gênio.

Gênio.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Steve Reich (1936): Music for 18 Musicians

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Fazendo sua estreia na grande Harmonia Mundi, o Signal Ensemble, grupo nova-iorquino, executa a célebre Music for 18 Musicians (1976), um trabalho básico de um compositor fundamental que mudou a rota da música do século XX. Steve Reich deu seu OK a esta gravação e completou: “o Signal fez uma gravação extraordinária da Music for 18 Musicians. Foram exatos e emocionais. Deem uma ouvida”.

Várias gravações ocorrerão em 2016 em comemoração ao 40º aniversário do trabalho, que um clássico instantâneo da ECM e da música em geral. Porém, provavelmente, poucos serão mais sensacionais do que este registro. A alegria, a precisão rítmica e a transparência de som talvez sejam difíceis de serem realcançadas. Uma música dificílima e que aqui soa com naturalidade. E de efeito tão fascinante como sempre.

Os 18 músicos são assim divididos:

  1. violin

  2. cello

  3. female voice

  4. female voice

  5. female voice

  6. piano

  7. piano

  8. piano and maracas

  9. marimba and maracas

  10. marimba and xylophone

  11. marimba and xylophone

  12. marimba and xylophone

  13. metallophone and piano

  14. piano and marimba

  15. marimba, xylophone, and piano

  16. clarinet and bass clarinet

  17. clarinet and bass clarinet

  18. female voice and piano

Steve Reich (1936): Music for 18 Musicians

1 Pulses 5:22
2 Section 1 4:18
3 Section 2 4:26
4 Section 3A 3:56
5 Section 3B 4:05
6 Section 4 4:58
7 Section 5 5:23
8 Section 6 4:37
9 Section 7 3:42
10 Section 8 3:46
11 Section 9 4:25
12 Section 10 1:32
13 Section 11 4:07
14 Pulses 4:32

Ensemble Signal
Brad Lubman

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Reich: quase 40 anos de um obra-prima

Reich: os quase 40 anos de um obra-prima

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Alessandro Scarlatti / Górecki / C.P.E. Bach / Geminiani / Reich / J.S. Bach: Time Present And Time Past

IM-PER-DÍ-VEL !!!

CD belíssimo, absolutamente notável e anormal — às vezes parece até uma tese — deste brilhante facefriend que sofre de insônia e que, para relaxar, costuma postar gravações suas feitas a partir de seu iPhone, dando belas explicações sobre cada obra que está estudando… É uma insônia muito produtiva! O multipremiado Mahan Esfahani recebeu todos os prêmios de melhor CD de música barroca de 2014 por suas interpretações das Württemberg Sonatas, de C.P.E. Bach e pelo visto vai de novo com este Time Present and Time Past. Um outro amigo resumiu bem no Facebook o que é este CD:

Muito foda. A seleção do repertório é tão brilhante quanto a interpretação. Fazer-nos escutar o concerto de Bach sobre Vivaldi com uma cadenza de Brahms depois de Reich e Górecki foi um achado. Longa vida ao garoto!!!

Sim, o disco alterna obras barrocas e modernas e… a gente acha natural e que têm tudo a ver. Longa vida a Mahan Esfahani e que possamos ver até onde ele vai chegar. É um cara talentosíssimo, comunicativo e que quebra inteiramente a distância entre si e seu público. Acho que está identificado o Gustav Leonhardt de nosso tempo. Abaixo, ele improvisa com extraordinário talento sobre a Fantasia (sem a fuga) Cromática de Bach.

https://youtu.be/N4Ngo47jy2Y

Alessandro Scarlatti / Górecki / C.P.E. Bach / Geminiani / Reich / J.S. Bach:
Time Present And Time Past

Alessandro Scarlatti
01 06:27 VARIATIONS ON “LA FOLLIA”

Henryk Górecki — HARPSICHORD CONCERTO, OP. 40
02 04:25 1. ALLEGRO MOLTO
03 04:07 2. VIVACE

Carl Philipp Emanuel Bach
04 07:14 12 VARIATIONS ON “LA FOLIA D’ESPAGNE” IN D MINOR, WQ. 118, NO. 9 –

Francesco Geminiani
05 11:45 CONCERTO GROSSO IN D MINOR

Steve Reich
06 16:37 PIANO PHASE FOR TWO PIANOS

Johann Sebastian Bach — HARPSICHORD CONCERTO IN D MINOR, BWV 1052
07 07:49 1. ALLEGRO
08 06:38 2. ADAGIO
09 08:25 3. ALLEGRO (CADENZA: JOHANNES BRAHMS)

G. F. Handel
10. 05:15 Handel Chaconne In G Major For Harpsichord. HWV 435

Mahan Esfahani, cravo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Mahan Esfahani após dizer que sua 'big mouth' tinha dito bobagens numa entrevista à BBC

Mahan Esfahani após dizer que sua ‘big mouth’ tinha dito bobagens numa entrevista à BBC.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ninguém merece mais

Steve Reich recebeu na Espanha o prêmio da Fundação BBVA Fronteiras do Conhecimento por seus esforços em construir pontes entre culturas e por “tratar de questões atuais, desde o conflito palestino-israelense e o 11 de setembro e até a relação entre religião, arte e ciência”.

O prêmio é de 40 mil euros e um bom jantar comemorativo. Na boa, ninguém merece mais do que ele.

É difícil encontrar uma foto de Reich sem boné.

É difícil encontrar uma foto de Reich sem boné.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Steve Reich (1936): City life, Sextet, Vermont Counterpoint and Clapping music

Link revalidado por PQP — Obs.: Não deem bola para os nomes das 12 faixas no arquivo. Os nomes corretos estão abaixo.

Já foram postadas várias obras magistrais de Reich aqui no blog. Faltavam estas aqui, verdadeiras obras-primas.

Fiquem com a resenha a seguir na Amazon, pra saber um pouco mais:

Having heard only a few different minimalist composers, this cd is refreshing (not to say that the other minimalists are bad, i feel that i hear glass’ music everywhere). i did not buy this cd, but rather got it as part of the package with gerhard richter’s book of overpainted photographs, FLORENCE (one of the overpainted photos is the cover of this cd; as with this review, i was also the first to write a review for that book).

As stated somewhere else, CLAPPING MUSIC is fun. following ligeti, who tried to write music without melody or rythm and only harmony, it seems that reich has tried to write music without melody or harmony, and only rythm. it is interesting in that matter. i find it very interesting in that matter. the rythms found therein are interesting enough.

CITY LIFE is a nice piece along with VERMONT COUNTERPOINT. both lend the listener to understand and grasp reich’s distinctive style. if anything, i would describe this style as open and hollow. that is, the harmonies that are used are not basic triads, or dissonant, but rather sounds as if there are a lot of suspended 2 or 4 chords. CITY LIFE also seems to have electronic elements, such as samples, or something like that. i also like the melody, that seems like notes dancing and jumping around.

My favorite piece on this cd is SEXTET. the dominating piano here is the closest disonant sound on the cd; perhaps it is because of the . i also appreciate the repetitive nature that seems to build on this peice (the repitition and laying more and more layers on top of it; this is also apparent in CITYLIFE).

This is the only album of steve reich’s music that i have heard, but i must say that it has interested me in getting more, including his famous 18 MUSICIANS.

***

Steve Reich – City life, Sextet, Vermont Counterpoint and Clapping music

1. City Life For Ensemble: I. Check It Out (Bars 1-212) (Reich) Contempoartensemble & Mauro Ceccanti 6:17
2. City Life For Ensemble: II. Pile Driver / Alarms (Bars 213-421) (Reich) Contempoartensemble & Mauro Ceccanti 4:04
3. City Life For Ensemble: III. It’s Been A Honeymoon – Can’t Take No Mo’ (Bars 422-582) (Reich) Contempoartensemble & Mauro Ceccanti 5:17
4. City Life For Ensemble: IV. Heartbeats / Boats & Buoys (Bars 583-708) (Reich) Contempoartensemble & Mauro Ceccanti 4:01
5. City Life For Ensemble: V. Heavy Smoke (Bars 709-1037) (Reich) Contempoartensemble & Mauro Ceccanti 5:29

6. Sextet For Percussion & Keyboards: I. (Bars 1-95) (Reich) Nextime Ensemble & Danilo Grassi 9:50
7. Sextet For Percussion & Keyboards: II. (Bars 96-119) (Reich) Nextime Ensemble & Danilo Grassi 4:36
8. Sextet For Percussion & Keyboards: III. (Bars 120-143) (Reich) Nextime Ensemble & Danilo Grassi 2:13
9. Sextet For Percussion & Keyboards: IV. (Bars 144-168) (Reich) Nextime Ensemble & Danilo Grassi 2:53
10. Sextet For Percussion & Keyboards: V. (Bars 469-216) (Reich) Nextime Ensemble & Danilo Grassi 5:42

11. Vermont Counterpoint For Flute (Doubling Piccolo & Alto Flute) & Tape (Reich) Roberto Fabbriciani 9:28

12. Clapping Music For Two Performers (Reich) Alessandro Carobbi & Fulvio Caldini 4:59

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Reich: gênio absoluto

Reich: gênio absoluto

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Reich (1936): Variations for Winds, Strings & Keyboards / Adams (1947): Shaker Loops

Queridíssimo e extraordinário disco que comprei em vinil em 1986. Foi o disco onde conheci o grande John Adams. Anos atrás, fiquei refeliz ao ver que a Deutsche Grammophon o tinha relançado em CD, dentro da coleção de The Originals, espécie de repositório do melhor que a gravadora produziu ao longo de sua prolífica vida. A extraordinária composição “modular” Shaker Loops aparece aqui para me deixar rerefeliz. E… Steve Reich dispensa apresentações, certo?

Reich (1936): Variations for Winds, Strings & Keyboards /
Adams (1947): Shaker Loops

1. Variations for Winds, Strings, and Keyboards 21:42

2. Shaker loops – 1. Shaking and trembling 8:52
3. Shaker loops – 2. Hymning slews 6:29
4. Shaker loops – 3. Loops and verses 7:23
5. Shaker loops – 4. A final shaking 3:36

San Francisco Symphony Orchestra
Edo de Waart

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Steve Reich

Steve Reich: gênio

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Steve Reich (1936): You Are (Variations) / Cello Counterpoint

You are (Variations) não me apaixonou tanto quanto outros trabalhos de Reich. Já Cello Counterpoint me apaixonou totalmente. A violoncelista Maya Beiser entrega-se com competência a uma composição que desafia o amante habitual do instrumento ao utilizar interações concisas e movimentos muito rápidos, normalmente não associadas com ao cello.

Mas vejam bem, é um CD com música de Reich — deve ser excelente e eu estou enganado. Não deem tanta importância ao que escrevo. Afinal, o que interessa hoje é que o Boca Junior faça uma boa partida. O Boca é o Brasil na Libertadores!

Steve Reich (1936): You Are (Variations) / Cello Counterpoint

1. You Are (Variations): You are wherever your thoughts are 13:14
2. You Are (Variations): Shiviti Hashem L’negdi (I place the Eternal before me) 4:15
3. You Are (Variations): Explanations come to an end somewhere 5:24
4. You Are (Variations): Ehmor m’aht, v’ahsay harbay (Say little and do much) 4:04

5. Cello Counterpoint 11:29

Musicians:
You Are (Variations)
Los Angeles Master Chorale
Grant Gershon, conductor
Phoebe Alexander, Tania Batson, Claire Fedoruk, Rachelle Fox, Marie Hodgson, Emily Lin, sopranos
Sarona Farrell, Amy Fogerson, Alice Murray, Nancy Sulahian, Kim Switzer, Tracy Van Fleet, altos
Pablo Corá, Shawn Kirchner, Joseph Golightly, Sean McDermott, Fletcher Sheridan, Kevin St. Clair, tenors
Geri Ratella, Sara Weisz, flutes
Joan Elardo, Joel Timm, oboes
James Faschia, Helen Goode-Castro, Larry Hughes, clarinets
Gloria Cheng, Lisa Edwards, Brian Pezzone, Vicki Ray, pianos
Wade Culbreath, Mike Englander, John Magnussen, Tom Raney, marimbas and vibes
Tamara Hatwan, Ralph Morrison, Susan Reddish, violin 1
Samuel Fischer, Julie Rogers, Steve Schart, violin 2
Darren McCann, Victoria Miskolcsky, Catherine Reddish, violas
Delores Bing, Maurice Grants, Roger LeBow, cellos
Oscar Hidalgo, bass

Cello Counterpoint
Maya Beiser, cello

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (RapidShare)

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Steve Reich (1937) – Different Trains / Electric Counterpoint (Kronos Quartet, Pat Metheny)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Different Trains (1988) é uma importante obra de Steve Reich. Alguns pensam ser sua obra-prima. Há tantas… Mas ainda fico com Music for 18 musicians e outras. Different Trains foi escrita para quarteto de cordas, vozes e sons, ambos “sampleados”, registrados em estações de trens. Os trens sempre fizeram parte da vida do compositor e o segundo movimento sugere judeus — Reich é judeu — sendo levados para campos de extermínio.

Different Trains foi inspirada pelas memórias pessoais de Reich. Desde criança ele viajava de trem da casa de sua mãe para a de seu pai. Estes eram divorciados e o pequeno Steve era obrigado a viajar frequentemente de trem entre Nova Iorque e Los Angeles — imaginem o tempo que levava uma viagem dessas — enquanto outros judeus eram levados a outros lugares no Velho Mundo por muito mais tempo. O ma-ra-vi-lho-so Kronos Quartet acompanha as gravações feitas nas estações que incluem nomes de cidade, sons de trens, sirenes, etc. Como a Music for 18 musicians, aqui também o movimento é perpétuo e a aparente simplicidade esconde detalhes e mais detalhes. Merece audição atenta. Os sons falados que “cantam” foram retirados de gravações autênticas realizadas nas próprias estações de trem, inclusive os da nazista, excetuando-se os anos correspondentes à música. Ouçam porque vale a pena.

Electric Counterpoint (1987) é uma obra para uma guitarra — a de Pat Metheny, neste caso — tocando 10 temas pré-gravados, que são ouvidos um sobre o outro. Cada nota é absolutamente clara e o conjunto se altera gradualmente. O trabalho de Metheny faz muito pela peça. É excelente música, mas acho que o aspecto sociológico de Different Trains meio que abocanha o CD para si…. Imerecido, pois Electric Counterpoint é DEMAIS.

Steve Reich (1937) – Different Trains / Electric Counterpoint

1. Different Trains – America-Before the War (movement 1)
2. Different Trains – Europe-During the War (movement 2)
3. Different Trains – After the War (movement 3)
4. Electric Counterpoint – Fast (movement 1)
5. Electric Counterpoint – Slow (movement 2)
6. Electric Counterpoint – Fast (movement 3)

Kronos Quartet
Pat Metheny

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Steve Reich (1936): Drumming / Six Pianos / Music for Mallet Instruments, Voices and Organ

Junto a Adams e Riley, Reich forma o trio de ouro do minimalismo estadunidense. Aqui, neste sensacional álbum duplo da Deutsche Grammophon, temos a parte da obra dedicada ao tema ritmo. Drumming veio antes da extraordinária Music for 18 Musicians, de 1974, onde o que é feito em Drumming assume forma verdadeiramente grandiosa.

Reich não é apenas um compositor genial, mas é dado a dar definições absolutamente exatas sobre a posição da música e dos compositores em nosso tempo. Sempre penso em uma de suas mais importantes lições, a mais bachiana das delas:

Todos os músicos do passado, começando na Idade Média, estavam interessados na música popular. A música de Béla Bartók se fez inteiramente com fontes de música tradicional húngara. E Igor Stravinsky, ainda que gostasse de nos enganar, utilizou toda a sorte de fontes russas para seus primeros balés. A grande obra-prima Ópera dos Três Vinténs, de Kurt Weill, utiliza o estilo de cabaret da República de Weimar. Arnold Schoenberg e seus seguidores criaram um muro artificial, que nunca existiu antes. Minha geração atirou o muro abaixo e agora estamos novamente numa situação normal. Por exemplo, se Brian Eno ou David Bowie recorrem a mim e se músicos populares reutilizam minha música, como The Orb ou DJ Spooky, é uma coisa boa. Este é um procedimento histórico habitual, normal, natural.

 

Steve Reich

E agora ele fala deste CD:

Durante um ano, entre o outono de 1970 e o outono de 1971, eu trabalhei naquela que acabou a mais longa peça que compus. Drumming dura cerca de uma hora e meia e é dividida em quatro partes que são executadas sem pausa. Eu escolhi instrumentos que estão todos normalmente disponíveis nos países ocidentais (embora os bongôs tenham origem na América Latina, as marimbas na África, e em última análise, o glockenspiel derive de instrumentos da Indonésia), sintonizados com nossa escala diatônica temperada própria. Uso-os musicalmente dentro do contexto das minhas obras anteriores.
Seis Pianos (1973) surgiu da idéia que eu tinha há vários anos para fazer uma peça para todos os pianos em uma loja especializada. A peça que resultou é mais modesta, mas soa incontrolável. São seis pianos brincando uma música ritmicamente complexa. Os pianistas têm de estar fisicamente bem juntos de forma a ouvir um ao outro claramente ou não conseguirão interpretar a obra.
Enquanto trabalhava em Seis Pianos eu comecei uma outra composição que parecia cresceu espontaneamente a partir de um padrão de marimba simples. A Música para instrumentos de percussão, vozes e órgão foi concluída em maio de 1973, e trata de dois  processos rítmicos interrelacionados. Espero que alguém possa gostar das peças.

 

Steve Reich, 1974

Steve, eu adorei, mas meus vizinhos vieram saber o que estava acontecendo. Expliquei-lhes e segui a audição sem baixar o volume.

Steve Reich (1936): Drumming / Six Pianos / Music for Mallet Instruments, Voices and Organ

CD 1:
Drumming (for 4 pairs of tuned bongo drums, 3 marimbas, 3 glockenspiels, 2 female voices, whistling and piccolo )
1) Part I (24:35)
Drums [Small Tuned] – Bob Becker, James Preiss, Russ Hartenberger

2) Part II (25:19)
Marimba – Ben Harms, Bob Becker, Cornelius Cardew, Glen Velez, Russ Hartenberger, Steve Chambers, Steve Reich, Tim Ferchen*
Voice – Jay Clayton, Joan La Barbara

3) Part III (15:40)
Glockenspiel – Bob Becker, Glen Velez, James Preiss, Russ Hartenberger
Piccolo Flute – Leslie Scott
Whistling – Steve Reich

CD 2:
1) Part IV (18:57)
Drums [Small Tuned] – Steve Chambers, Steve Reich, Tim Ferchen*
Glockenspiel – Ben Harms, Cornelius Cardew, James Preiss
Marimba – Bob Becker, Glen Velez, Russ Hartenberger
Piccolo Flute – Leslie Scott
Voice – Jay Clayton, Joan La Barbara

2) Six Pianos (24:14)
Bob Becker, Glen Velez, James Preiss, Russ Hartenberger, Steve Chambers, Steve Reich – Pianos

3) Music for Mallet Instruments, Voices and Organ (18:32)
Glockenspiel – Ben Harms, Glen Velez
Marimba – Bob Becker, Russ Hartenberger, Steve Reich, Tim Ferchen*
Organ [Electric] – Steve Chambers
Percussion [Metallophone] – James Preiss
Voice – Janice Jarrett, Joan LaBarbara*
Voice [Melodic Patterns With Marimbas] – Jay Clayton

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (RapidShare)

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Steve Reich (1936-): Music for 18 Musicians – link revalidado

Este disco, comprado em vinil no ano de 1980, foi a maior das surpresas. Em primeiro lugar, era editado pela ECM mas não era absolutamente jazz; segundo, era uma música minimalista muito mais complexa e bem acabada do que a composta por um certo Philip Glass. Era um minimalista mesmo! Sua música tinha as mesmas repetições das de Glass, só que suas variações eram muito mais rápidas, inteligentes e interessantes, às vezes quase inaudíveis, mas sempre ocorrendo sem possibilidade de mesmice. Fiquei fascinado. Ouvi este disco de olhos fechados talvez dezenas de vezes, procurando entender e visualizar o que todos os 18 músicos realizavam, às vezes abrindo os olhos para ver suas fotos no bolachão da ECM. Vinte anos depois, comprei a gravação de um grupo húngaro que refazia a “Música” com extraordinário entusiasmo. É esta gravação que posto em P.Q.P. Bach. Ainda me seduzo pela incrível sucessão de harmonias mostradas por Reich. É uma audição lúdica e de complexidade nunca diminuída. É um clímax perpétuo, algo que nem os Viagras conseguem. Mas não posso fazer analogias com orgasmos, pois 61 minutos de orgasmo seria como esconder-se no Orgasmotron do filme “O Dorminhoco”, de Woody Allen.

Depois conheci Adams e outros, mas… (Grande parte do texto abaixo foi traduzido da Wikipedia espanhola por mim.)

Todos os músicos do passado, começando na Idade Média, estavam interessados na música popular. A música de Béla Bartók se fez inteiramente com fontes de música tradicional húngara. E Igor Stravinsky, ainda que gostasse de nos enganar, utilizou toda a sorte de fontes russas para seus primeros balés. A grande obra-prima Ópera dos Três Vinténs, de Kurt Weill, utiliza o estilo de cabaret da República de Weimar. Arnold Schoenberg e seus seguidores criaram um muro artificial, que nunca existiu antes. Minha geração atirou o muro abaixo e agora estamos novamente numa situação normal. Por exemplo, se Brian Eno ou David Bowie recorrem a mim e se músicos populares reutilizam minha música, como The Orb ou DJ Spooky, é uma coisa boa. Este é um procedimento histórico habitual, normal, natural.

Steve Reich

Em 1974, Reich começou a escrever Music for 18 Musicians, o número de integrantes de seu “ensemble”, uma peça que acabaria dois anos mais tarde. Seguramente é a obra de Reich que obteve maior êxito e, para muitos, é que se chamaria sua obra principal. Esta peça trouxe consigo muitas idéias novas, ainda que outras já houvessem sido escutadas em peças anteriores. A obra se organiza ao redor de um ciclo de onze acordes introduzidos no princípio, seguidos por pequenas variações em cada acorde, e por um retorno ao ciclo original. É complicado mesmo e sei lá como alguém consegue interpretar tal música ao vivo, como fazem esses húngaros malucos. As seções chamam-se conveniente, «Pulsos», «Seção I-XI» e novamente, «Pulsos». Esta foi a primeira tentativa de Reich de escrever uma obra para um conjunto maior de executantes, o que permitiaria um maior alcance dos efeitos psicoacústicos, fato que fascinou a Reich, que declarara na época que gostaria de «explorar mais esta idéia» («explore this idea further»). Reich comentou que este trabalho continha mais movimento harmônico em seus primeiros cinco minutos do que qualquer outro trabalho que escrevera antes. A Deutsche Grammophon gravou a peça, mas não estava nada segura de lançá-la depois do relativo fracasso de vendas de Drumming. Foi proposto a Reich um lançamento pela ECM. Ele logo rechaçou a idéia dizendo que sua obra não era jazz. Porém Bob Hurwitz — então na ECM (logo depois foi para a Nonesuch) —, o convenceu. Venderam mais de 100.000 copias nos dois anos seguintes, promovendo a obra em emissoras de rádio de rock progressivo e jazz experimental. Para Reich, foi uma sorte haver concordado, pois desde aquele momento passou a gozar de um amplo prestígio e respeito no cenário musical internacional.

Imperdível esta gravação ao vivo feita por este extraordinário – e concentradíssimo! – grupo húngaro. Procurem ouvir sem interrupção e com atenção. Vale a pena.

Steve REICH – MUSIC for 18 MUSICIANS – Amadinda Percussion Group

Os Músicos:

1 Ida Szabó – ének / voices
2 Ágnes Dobszay – ének / voices
3 Zsuzsanna Lukin – ének / voices
4 Katalin Károlyi – ének / voices
5 László Melis (Group 180) – hegedu / violin
6 Ákos Pásztor (Group 180) – gordonka / cello
7 Gellért Tihanyi (Group 180) – klarinét, basszusklarinét / clarinet, bass clarinet
8 János Maczák – klarinét, basszusklarinét / clarinet, bass clarinet
9 Béla Faragó (Group 180) – zongora / pianos
10 Zoltán Rácz – zongora / pianos
11 György Oravecz – zongora, maracas / piano, maraca
12 Zsolt Sárkány – marimba
13 Zoltán Váczi – marimba
14 Károly Bojtos – xilofon, zongora / xylophone, piano
15 Benedek Tóth – xilofon / xylophone
16 Tibor Nemes – marimba, zongora / piano, marimba
17 Gergely Bíró – marimba, maracas
18 Aurél Holló – vibrafon, zongora / vibraphone, piano

BAIXE AQUI -DOWNLOAD HERE

Apoie os bons artistas, compre sua música!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Steve Reich (1936) – Triple Quartet (2001), Electric Guitar Phase, Music for a Large Ensemble e Tokyo/Vermont Counterpoint

Mais um grande CD com obras do lendário Steve Reich. Começa por um bartokiano quarteto de cordas confessadamente baseado no último movimento do Quarto Quarteto de Béla Bartók e com um certo flerte com Schnittke. O Kronos Quartet dá seu show de competência habitual.

Segue com Electric Guitar Phase, originalmente para violino e que nesta versão ganha ares de riff roqueiro, depois vem Music for a Large Ensemble, bastante semelhante à célebre Music for 18 musicians e finaliza com a bela Tokyo/Vermont Counterpoint.

É impressionante o trabalho de todos os músicos que tocam no CD. Citei apenas o Kronos, mas deveria ter citado todos. São impecáveis.

Steve Reich – Triple Quartet

1. Triple Quartet: First Movement 7:10
2. Triple Quartet: Second Movement 4:04
3. Triple Quartet: Third Movement 3:28
Kronos Quartet

4. Electric Guitar Phase 15:11
Dominic Frasca

5. Music for a Large Ensemble 14:50
Alan Pierson
Alarm Will Sound

6. Tokyo/Vermont Counterpoint 9:04
Mika Yoshida

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!