Grandes Mestres Mexicanos (3 CDs) – Antonio Sarrier (1725-1762), Ricardo Castro (1864-1907), José Rolón (1876-1945), Manuel María Ponce (1882-1948), Candelario Huizar (1883-1970), Silvestre Revueltas (1899-1940), José Pablo Moncayo (1912-1958), Miguel Bernal Jiménez (1910-1956) e Blas Galindo (1910-1993)

Antes que eu me esqueça: estes três Cds são uma DELÍCIA!!!

Estamos aqui à frente de uma coletânea, com todos aqueles riscos de se postar (e se baixar, e se ouvir) uma coletânea: há sempre que se ter em mente que é um apanhado de execuções, provavelmente boas, mas não as melhores que teremos dessas músicas, que não formam um conjunto pensado por uma orquestra, mas com a importante função de apresentar-nos um novo repertório, do qual somos pouco aprofundados.

E que levante a mão aqui quem é que conhece com relativa profundidade a música erudita mexicana (afora nossos internautas mexicanos, que não são lá tantos assim)! Aí nos damos conta de como desconhecemos a vastíssima música latino-americana, à exceção de uns pontinhos de luz em Brasil, Argentina e México (isso para ficar apenas nos três latinos de maior produção erudita)… Nada! Sabemos muito pouco! E são tantos ritmos, tantas colorações, tantas influências que se entrecruzam nessas músicas…

Abrir essa caixa da música mexicana é como abrir um universo! E um universo belíssimo: temos obras aqui desde o barroco Antonio Sarrier (lindo concerto!), passando pelos românticos/nacionalistas Manoel Maria Ponce, Ricardo Castro  e José Rolón, até chegar aos modernos Candelario Huizar, Silvestre Revueltas, José Pablo Moncayo (que coisa o seu Huapango!), Miguel Bernal Jiménez e Blas Galindo, cobrindo quase 250 anos da música de concerto da Nova Espanha. Uma boa antologia para quem quer conhecer mais da música produzida no teto da Hispano-América.

Em tempo: se quiser conhecer mais, visite o blog do Música Iberoamericana de Concierto (essa coletânea não tem lá). Você vai adorar!

E pra você ter uma noção, a Huapango, que abre o CD1 (no vídeo aqui com Dudamel regendo a Simon Bolívar):

Ouça! Ouça! Deleite-se!

GRANDES MAESTROS MEXICANOS
de la Música Clásica y sus obras.

CD 1
José Pablo Moncayo (Guadalajara, 1912 – Ciudad de México, 1958)
01. Huapango
Manuel María Ponce (Fresnillo, 1882 – Ciudad de México, 1948)
02. Romanzetta
03. Estampas Nocturnas, I. La Noche
04. Estampas Nocturnas, II. En Tiempos del Rey Sol
05. Estampas Nocturnas, III. Arrulladora
06. Estampas Nocturnas, IV. Scherzo de Puck
Ricardo Castro (Nazas, 1864 – Ciudad de México, 1907)
07. Minueto en Sol Mayor Op. 23
José Pablo Moncayo (Guadalajara, 1912 – Ciudad de México, 1958)
08 Bosques

CD 2
Blas Galindo (San Gabriel, 1910 – Ciudad de México, 1993)
01. Sones de Mariachi
Silvestre Revueltas (Santiago Papasquiaro, 1899 – Cidade do México, 1940)
02. Sensemaya
03. Redes
04. La Noche de los Mayas, I. Noche de los Mayas
05. La Noche de los Mayas, II. Noche de Jaranas
06. La Noche de los Mayas, III. Noche de Yucatán
07. La Noche de los Mayas, IV. Noche de Encantamiento
08. Janitzio
Antonio Sarrier (Espanha, 1725 – México, 1762)
09. Sinfonía en Re Mayor, I. Obertura (Andante)
10. Sinfonía en Re Mayor, II. Andante
11. Sinfonía en Re Mayor, III. Fuga (Allegro)

CD 3
Candelario Huizar (Jerez de García Salinas, 1883 – Ciudad de México, 1970)
01. Pueblerinas, I. Moderato Flessibile-Allegro
02. Pueblerinas, II. Lento
03. Pueblerinas, III. Allegro Vivo
Miguel Bernal Jiménez (Morelia, 1910 – León, 1956)
04. El Chueco
José Rolón (Zapotlán el Grande, 1876 – Ciudad de México, 1945)
05. Concierto para Piano y Orquesta, I. Allegro Enérgico
06. Concierto para Piano y Orquesta, II. Poco Lento
07. Concierto para Piano y Orquesta, III. Allegro con Fuoco

Créditos:
CD1
Orquesta Sinfónica Nacional / Sergio Cárdenas, regente / Sala Nezahualcóyotl, Ciudad de México, 1980 (Faixas 01 e 08)
Camerata de la Orquesta Sinfónica Nacional / Luis Samuel Saloma, violín / Sergio Cárdenas
Sala Nezahualcóyotl, Ciudad de México, 1981 (Faixas 02 a 07)
CD2
Orquesta Sinfónica Nacional / Luis Herrera de la Fuente / 1969 (Faixa 01)
New Philharmonia Orchestra / Eduardo Mata / 1976 (Faixas 02, 03 e 08)
Orquesta Sinfónica de Xalapa / Luís Herrero de la Fuente / Sala Nezahualcóyotl, Mexico, 1980 (Faixas 04 a 07, e 09 a 11)
CD3
Orquesta Filarmónica de la Ciudad de México / Fernando Lozano / Sala Nezohualcóyotl, Ciudad de México, 1981 (Faixas 01 a 04)
Orquesta Sinfónica Nacional / Miguel García Mora, Piano / Luis Herrero de la Fuente / 1969 (faixas 05 a 07)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERECD1 – PQPShare 147Mb
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERECD2 – PQPShare 191Mb
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERECD3 – PQPShare 168Mb

Comente! Deixe umas palavrinhas amigas!. É rapidinho e deixa a gente feliz! 😀

Rai-ai-ai! Y viva México!

Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bernstein / Carreño / Castellanos / Estévez / Ginastera / Márquez / Revueltas / Romero: Gustavo Dudamel – Fiesta

Dudamel, grande revelação da regência da atualidade e figurinha repetida daqui do blog não? Mas sempre é bom falar mais um pouco sobre ele.

Dudamel já foi abençoado pela santíssima trindade da regência da capital musical do planeta, Berlim. Claudio Abbado, o mítico maestro da Filarmônica entre 1989 e 2002, viajou várias vezes à Venezuela para reger a Orquestra Sinfônica Juvenil Simón Bolívar, com a qual Dudamel tem percorrido o planeta. Sir Simon Rattle, sucessor de Abbado na Filarmônica, chamou o jovem de “o maestro mais dotado que já vi”, e dividiu com ele o pódio da turnê norte-americana da Simón Bolívar. Daniel Barenboim, diretor da Ópera de Berlim, atuou como pianista sob a batuta do jovem prodígio, ao lado da Filarmônica de Viena, e o convidou a reger em seu teatro. Se Dudamel é bom para Abbado, Rattle e Barenboim, é bom também para a gravadora Deutsche Grammophon. Além de um DVD, com um concerto em homenagem ao aniversário do papa Bento XVI, o mais prestigiado selo clássico do planeta já lançou três discos do prodígio venezuelano: um com a Filarmônica de Los Angeles, no Concerto para Orquestra, do húngaro Béla Bartók, e dois regendo a Simón Bolívar em sinfonias de Beethoven e Mahler.

Achei esse CD quase completo, se tirassem Sensemaya , que é um pé no saco o resto é a mais bela das coisas. Neste CD também entram o Danzón Nº 2 também figura repetida do blog mais a desse CD é incrível ! Na música o tema principal é tocado várias vezes em tons diversos e em variações do tema principal. Essa música poderia até ser um pé no saco, mais Dudamel consegue deixar a música orgãnica, ou seja, que seja de compreenção de todos e ainda por cima sem ficar chata. Além disso a música é altamente sincopada, o que realmente te dá uma vontade de dançar. (Será que é por isso que se chama Danzón?)

Fuga con Pajarillo.  Na composição musical o tema é repetido por outras vozes que entram sucessivamente e continuam de maneira entrelaçada. Começa com um tema, declarado por uma das vozes isoladamente. Uma segunda voz entra, então, “cantando” o mesmo tema mas noutra tonalidade, enquanto a primeira voz continua desenvolvendo com um acompanhamento contrapontista. As vozes restantes entram, uma a uma, cada uma iniciando com o mesmo tema. O restante da fuga desenvolve o material posterior utilizando todas as vozes e, usualmente, múltiplas declarações do tema. Ouça e entenderás…

Depois entra as quatro danças do balé Estância, do arentino Alberto Ginastera, cuja articulação rítmica impressiona tanto pela percussão quanto pela unicidade das cordas. Composto de 4 faixas :Los Trabajadores Agricolas, Danza del trigo, Los peones de hacienda e Danza Final.

Após esse turbilhão vem o conhecido Mambo, de West Side Story, de Bernstein, é conhecida para caramba.

Então, é isso.

Trechos do texto acima tirados daquidaqui.

Gustavo Dudamel – Orquestra Simon Bolívar – Fiesta

01 – Revueltas – Sensemaya
02 – Carreño -Margaritena
03 – Estévez  – Melodia en El Llano
04 – Marquéz –  Danzón Nª 02
05 – Romero – Fuga con Pajarillo
06 – Ginastera – Los Trabajadores Agricolas
07 – Ginastera – Danza del trigo
08 – Ginastera – Los peones de hacienda
09 – Ginastera – Danza Final
10 – Castellanos – Santa Cruz de Pacairigua
11 – Bernstein – Dance from West Side Story ( Mambo )

Orquestra Simón Bolívar
Gustavo Dudamel – Regente

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Apoie os bons artistas, compre suas músicas.
Apesar de raramente respondidos, os comentários dos leitores e ouvintes são apreciadíssimos. Comente a postagem!

Hum... Bem, deixa assim.

Hum… Bem, deixa assim.

Gabriel Clarinet

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Silvestre Revueltas (1899 – 1940) – La noche de los mayas

O nacionalismo trouxe resultados interessantes para música. Poucas notas e já identificamos o país de origem da composição. No período romântico essa tarefa era bem mais difícil, pois todos os compositores de segundo e terceiro time escreviam como Schumann ou Brahms (no pós-modernismo vivemos a mesma coisa). Claro que a música folclórica sempre foi uma fonte constante e importante para os grandes compositores, e às vezes fica difícil lembrar um grande nome que não tivesse raiz profunda com o seu país. Alguns observadores mais radicais reforçam que o compositor que esquece as tradições populares e desconhece sua música folclórica não teria base para construir obra de valor. No entanto, quando observamos a carreira de um grande compositor, a música folclórica era apenas mais uma ferramenta, proposital ou acidental, para construção de uma obra mais complexa e estruturada, o objetivo era outro. Diferente dos nacionalistas que tinham como meta exaltar as riquezas melódicas e rítmicas de seu país. Exemplos foram muitos: Villa-lobos no Brasil, Copland no Estados Unidos, o jovem Stravinsky na Rússia, Manuel de Falla na Espanha. Mas acho que nenhum deles foi tão fervoroso nacionalista quanto o mexicano Silvestre Revueltas.

Silvestre Revueltas teve uma carreira curta. Era pobre e alcoólatra. Morreu com apenas 41 anos, e diz a lenda, com uma garrafa na mão. Foi um personagem difícil, passou um ano trabalhando na Espanha, durante a guerra civil. Prestou uma homenagem a Federico Garcia Lorca com uma obra de inusitado contraste (primeira faixa do disco). Sua música, como estrutura técnica, deve muito a Stravinsky; mas como inspiração, deve tudo ao coração do México. Quem nunca pisou no México, mas ouviu Sensemaya (1938) pode dizer que conhece, sim, um pouco deste país. A obra é exuberante e colorida, traz a natureza do povo mexicano, e de um México ainda povoado pelos Maias. A obra mais importante é La noche de los mayas (1939), conhecida como a Sagração da Primavera mexicana. Foi inicialmente pretendida como trilha de filme, mas ganhou vida própria logo cedo. A obra é extremamente empolgante, assim como todo o disco. Uma bela viagem na geografia e na história do México.

1. Homenaje a Federico Garcia Lorca
2. Sensemaya
Performed by New Philharmonia Orchestra
Conducted by Eduardo Mata

3. Ocho X Radio
4. Toccata
5. Alcancias: Allegro
6. Alcancias: Andantino
7. Alcancias: Allegro vivo
8. Planos
Performed by London Sinfonietta
Conducted by David Atherton

9. La Noche de los Mayas: I. La noche de los Mayas
10. La Noche de los Mayas: II. La noche de Jaranas
11. La Noche de los Mayas: III. La noche de Yucatan
12. La Noche de los Mayas: IV. La noche de encantamiento
Performed by Jalapa Symphony Orchestra
Conducted by Herrera de la Fuente

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!