Antonio Meneses – Suítes brasileiras

SuitesBrasileirasEste é o terceiro CD de Meneses que ora está sendo postado e talvez o mais importante de todos os que o violoncelista recifense gravou pois concretiza um projeto e sem precedentes no país: o de estímulo à produção de um repertório específico para um instrumento.

Diz o release de divulgação do disco:

“Há alguns anos, Antonio Meneses encomendou a compositores brasileiros obras que servissem como uma espécie de preâmbulo para cada uma das seis suítes para violoncelo solo de Johann Sebastian Bach. O objetivo era realizar um prolongamento, guardadas as proporções, da homenagem que Villa-Lobos fizera a Bach nas Bachianas Brasileiras.”

Daí que cada uma das seis primeiras obras – totalmente diferentes entre si na estética – parafraseia uma suíte bachiana. Na segunda metade do álbum, há uma suíte inteira em cinco movimentos, que Meneses pediu especialmente ao conterrâneo pernambucano Clóvis Pereira.

Clóvis, depois de Marlos Nobre, é o maior compositor erudito pernambucano vivo. Embora sua produção não seja muito extensa e seja quase desconhecida fora de seu estado natal, dificilmente decepciona, deixando-se claro que ela segue em maior ou menor grau as linhas do Movimento Armorial.

A parceria Meneses-Clóvis nasceu uma obra antes, com o Concertino para violoncelo e orquestra (2005) – o qual vai ser lançado por Meneses em disco este ano junto com os dois concertos de Haydn -, e deu tão certo que já está sendo escrita uma sonata pra cello e piano, a ter estreia em 2011.

***

Antonio Meneses – Suítes brasileiras

1. Etius Melos, de Ronaldo Miranda
2. Cantoria 1 para violoncelo solo, de Marlos Nobre
3. Preambulum, de Almeida Prado
4. Pequena seresta de Bach, de Edino Krieger
5. Preludiando, de Marisa Resende
6. Invocatio nº 1, de Marco Padilha

Suíte macambira, de Clóvis Pereira
7. Overture
8. O canto do cego
9. Dança característica
10. Coco embolado
11. Frevo canzonado

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Antonio Meneses: indiscutível, bom pra caralho

Antonio Meneses: indiscutivelmente, bom pra caralho

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Marisa Rezende (1944) – Música de câmara

Aproveitando essa minha vibe de ouvir obras compostas por mulheres (Jane O’Leary, Barbara Strozzi e outras que vou postar em breve, como Jocy de Oliveira), introduzo este álbum com o melhor da obra de câmara de Marisa Rezende. Até hoje tenho uma boa impressão da compositora carioca por conta de sua peça sinfônica Vereda (a qual tive a oportunidade de ouvir aqui no Rio), infelizmente ainda não gravada (como tantas peças magníficas feitas no Brasil). Um detalhe curioso que encontrei em seu catálogo foi a estreia de algumas de suas composições no Recife na década de 80, cidade onde é difícil isso acontecer atualmente, pelo que tenho apurado.

Da primeira vez que ouvi o presente CD pra cá, mudei bastante minha percepção: hoje tolero melhor obras texturais e atonais (em certa medida, Rezende me lembra O’Leary). Daí recuperei este disco das profundezas de minhas prateleiras e pude apreciar melhor o lado técnico das obras, sem olhar somente o estético. Destaco, especialmente, o cromatismo ziguezagueante de Elos, para cravo solo, o cambiante quarteto de cordas Vórtice, que de um vacilante tango inicial dissolve-se adiante em fragmentos irreconhecíveis, e o impetuoso quarteto Volante.

Música de Câmara
Coleção música de câmara brasileira vol. 5

01. Volante (1990), para flauta, clarineta, violoncelo e piano
02. Sintagma (1988), para flauta, percussão e piano
03. Variações (1995), para flauta
04. Elos (1995), para cravo
05. Ressonâncias (1983), para piano
06. Mutações (1991), para piano a quatro mãos
07. Contrastes (2001), para piano
08. Vórtice (1997), para quarteto de cordas
09. Cismas (1997), para violino, viola, violoncelo, contrabaixo e piano

Flauta: Cássia Carrascoza
Clarineta: Luís Eugênio Montanha
Violoncelo: Dimos Goudaroulis
Piano: Lidia Bazarian
Piano: Marisa Rezende
Percussão: Carlos Tarcha
Cravo: Marcelo Fagerlande
Quarteto de cordas da cidade de São Paulo

BAIXE AQUI

CVL

PS.: No Música Brasileira de Concerto vocês podem fazer o download do encarte e do catálogo de Marisa Rezende.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!