Erik Satie (1866-1925): Socrate, hino e melodias

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Mais um CD de qualidade extraordinária tendo como estrela o soprano Barbara Hannigan. Como 2016 foi o ano do 150º aniversário de nascimento de Erik Satie, Barbara Hannigan e Reinbert de Leeuw apresentam, com grande intensidade expressiva, o mundo sonoro fascinante deste compositor e pianista francês. Hannigan e Leeuw nos permitem descobrir e experimentar composições vocais quase esquecidas de Satie: Trois Mélodies, Trois Autres Mélodies e Hymne. O trabalho principal e título do álbum é a composição Socrate composta por três partes – Portrait de Socrate, Les Bords d’Illissus e Mort de Socrate: música que soa clara, transparente e frágil.

Hannigan e Leeuw durante um papo no jardim

Hannigan e Leeuw durante um papo no jardim

Erik Satie (1866-1925): Socrate, hino e melodias

01. Trois Melodies: Les Anges
02. Trois Melodies: Elegie
03. Trois Melodies: Sylvie
04. Trois Autres Melodies: Chanson
05. Trois Autres Melodies: Chanson medievale
06. Trois Autres Melodies: Les fleurs
07. Hymne
08. Socrate: Portrait de Socrate
09. Socrate: Les Bords d’illissus
10. Socrate: Mort de Socrate

Barbara Hannigan, soprano
Reinbert De Leeuw, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Barbara Hannigan penteia-se para encontrar os fãs de nosso blog

Barbara Hannigan penteia-se para encontrar seus fãs de nosso blog

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Erik Satie (1866-1925) & Takashi Yoshimatsu (1953): Crystal Dream

Temos aqui uma bela experiência que junta um repertório “antigo” com um repertório contemporâneo. Alguns exemplos já foram feitos nesse blog, como Der Bote de Alexei Lubimov, e a improvável mistura de Jean-Philippe Rameau com György Ligeti feita por Cathy Krier.

Aqui a mistura acontece com Erik Satie e Takashi Yoshimatsu. A semelhança entre os dois é ao mesmo tempo uma peculiaridade: ambos não seguem nenhum estilo que esteja presente no tempo deles mas também não são grandes inovadores.Satie em sua época utilizava melodias simples e tocantes puxando um pouco do romantismo, mas ao mesmo tempo utilizava diferenças ritmicas que distoavam das regras deste. Takashi Yoshimatsu é o que podemos chamar de um neorromantico, mas ao mesmo tempo traz influências do jazz que nada têm a ver com o romantismo.

A peculiaridade da música dos dois compositores é o que os une apesar de distantes historicamente. E é o que torna esse álbum tão peculiar, pouco  mas surpreendentemente agradável.

Erik Satie (1866-1925) & Takashi Yoshimatsu (1953): Crystal Dream

01 Gymnopedie No.1

02 Interlude To Water

03 Gnossienne No.1

04 Romance From The Past

05 Gnossienne No.4

06 Nonchalantry Prelude

07 Gymnopedie No.2

08 Globular Romance

09 Gymnopedie No.3

10 Arabesque In Twilight

11 Gnossienne No.3

12 Prelude To Little Spring

13 Romance To Listless Summer

14 Barcalore On Autumn

15 Pastoral On Winter

16 Croquis Et Agaceries D’un Gros Bonhomme: En Bois Tyrolienne Turque

17 Croquis Et Agaceries D’un Gros Bonhomme: En Bois Danse Maigre

18 Croquis Et Agaceries D’un Gros Bonhomme: En Bois Espanana

19 Interlude With Birds

20 Gnossienne No.2

21 Gnossienne No.5

22 Memory Of Interlude

23 Reverie Du Pauvre

24 Interrupted Faint Prelude

25 Caresse

26 Je Te Veux

27 Distant Dream Romance

28 Gnossienne No.6

29 Noel In Midnight

30 Sarabande No.3

31 Static Dream Pavane

1, 3, 5, 7, 9, 11, 16-18, 20, 21, 23, 25, 26, 28, 30 composed by Erik Satie

2, 4, 6, 8, 10, 12-15, 19, 22, 24, 27, 29, 31 composed by Takashi Yoshimatsu.

Pascal Rogé, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Pascal Rogé já apareceu muitas vezes por aqui no blog.

Pascal Rogé já apareceu muitas vezes por aqui no blog.

Luke

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Erik Satie (1866-1925): Peças para Piano

É inevitável. Ao menos um disco de Satie você terá em seu acervo. Ele tem algumas obras bastante boas e famosas. Mas poucas pessoas são apaixonadas por sua arte muitas vezes estática e quase sempre bem humorada. Aliás, o cômico em Satie costuma permanecer esquecido para dar espaço à poesia de peças como a deste disco. Porém, afirmo-lhes: o melhor de Satie está nos últimos discos da coleção de suas obras completas. São peças para vários instrumentos que ninguém mais ouve. Sei lá onde guardei aquilo, mas é muito cômico e bom. No mês passado, em 17 de maio, Satie completou 150 anos de nascimento. As homenagens foram bem modestas, considerando sua popularidade. Olga Scheps dá excelente tratamento a elas neste CD recém lançado e dá um passinho à frente dos outros CDs ao gravar a alegre Cinq Grimaces pour le songe d’une nuit d’été.

Debussy e Satie: provavelmente em conversa sem ritmo.

Debussy e Satie estáticos, como quase sempre.

Erik Satie (1866-1925): Peças para Piano

01. Gnossienne No. 1 Lent
02. Gnossienne No. 2 Avec étonnement
03. Gnossienne No. 3 Lent
04. Gnossienne No. 4 Lent
05. Gnossienne No. 5 Modéré
06. Gnossienne No. 6 Avec conviction et avec une tristesse rigoureuse
07. Cinq Grimaces pour le songe d’une nuit d’été I. Préambule
08. Cinq Grimaces pour le songe d’une nuit d’été II. Coquecigrue
09. Cinq Grimaces pour le songe d’une nuit d’été III. Chasse
10. Cinq Grimaces pour le songe d’une nuit d’été IV. Fanfaronnade
11. Cinq Grimaces pour le songe d’une nuit d’été V. Pour sortir
12. Gymnopédie No. 1 Lent et douloureux
13. Gymnopédie No. 2 Lent et triste
14. Gymnopédie No. 3 Lent et grave
15. Je te veux
16. Sarabande No. 1 in F Minor
17. Sarabande No. 2 in D Minor, à Maurice Ravel
18. Sarabande No. 3 in B-Flat Minor
19. Tendrement – Valse chantée
20. Gentle Threat

Olga Scheps, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Eric Satie: 150 anos no mês passado

Eric Satie: 150 anos no mês passado

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Erik Satie (1866-1925): 3 Gymnopedies e outras peças para piano

IM-PER-DÍ-VEL!!!

Este é um grande candidato a melhor CD da obra pianística de Satie. Com boa seleção de obras, fraseado perfeito — na medida certa, entre a melancolia, a fragilidade e a ironia típicas do compositor –, Pascal Rogé da um show nesta gravação clássica dos anos 80. As Gymnopedies e Gnossiennes de Rogé são ainda as melhores interpretações disponíveis. Ele tem o espírito de Erik Satie. O mesmo vale para os 4 Prelúdios Flácidos e para os Embriões Dissecados. São 62 minutos perfeitos, você não se arrependerá de conhecê-los.

Erik Satie (1866-1925): 3 Gymnopedies e outras peças para piano

1. Satie: 3 Gymnopédies – No.1 3:10
2. Satie: 3 Gymnopédies – No.2 2:32
3. Satie: 3 Gymnopédies – No.3 2:34
4. Satie: Je te veux 5:14
5. Satie: 4 Préludes flasques 5:21
6. Satie: Prélude en tapisserie 2:57
7. Satie: Nocturnes – 4. No.4 3:00
8. Satie: Vieux sequins et vieilles cuirasses 4:27
9. Satie: Embryons desséchés 6:13
10. Satie: Gnossiennes – No. 1 – Lent 3:44
11. Satie: Gnossiennes – No. 2 – Avec étonnement 2:34
12. Satie: Gnossiennes – No. 3 – Lent 3:13
13. Satie: Gnossiennes – No. 4 3:36
14. Satie: Gnossiennes – No. 5 4:07
15. Satie: Gnossiennes – No. 6 1:57
16. Satie: Sonatine bureaucratique 4:20
17. Satie: Le Piccadilly 1:39

Pascal Rogé, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Obrigado, Rogé!

Obrigado, Rogé!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Erik Satie (1866-1925): Obras orquestrais

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Satie foi um compositor sem igual, que podia fazer a graça que fosse e não parecer ridículo ou afetado, embora durante boa parte de sua carreira – antes de ser descoberto por Ravel, Debussy, Le Six e outros – a opinião dominante fosse a contrária. A própria vida excêntrica de Satie é tão fascinante que qualquer biografia que se lance sempre traz fatos e especulações completamente novas. Esse texto da Wikipédia serve como ponto de partida.

Aqui vai o melhor das obras orquestrais do místico francês, com destaque para o sui generis balé Parade, que por si só rende um livro.

***

Satie: Orchestral Works

En habit de cheval (In riding habit), 4 pieces for piano duet (or orchestra)
1. I: Choral
2. II: Fugue Litanique
3. III: Autre Choral
4. IV: Fugue De Papier

5. Gymnopedie No.1 (Orch. Debussy)

6. Gymnopedie No.3 (Orch. Debussy)

Parade, ballet in 1 scene for orchestra
7. Choral – Prelude Du Rideau Rouge – I: Prestidigitateur Chinois / II: Petite Fille Americaine / III: Acrobates
8. Finale – Suite Au ‘Prelude Du Rideau Rogue’

Relâche (No Performance Today), ballet for orchestra (also piano version)
9. I: Ouverture / II: Projectionette – Rideau
10. III: Entree De La Femme / IV: Musique…
11. V: Entree De Borlin / VI: Danse De La Porte Tournante
12. VII: Entree Des Hommes / VIII: Danse Des Hommes / IX: Danse De La Femme / X: Final / Deuxieme Partie
13. XI: Musique De Rentree / XII: Rentree Des Hommes / XIII: Rentree De La Femme / XIV: Les Hommes Se Devetissent / XV: Danse De Borlin Et De La Femme / XVI: Les Hommes Regagnent Leur Place
14. XVII: Danse De La Brouette / XVIII: Danse De La Couronne / XIX: Le Danseur Repose La Couronne / XX: La Femme Rejoint Son Fauteuil / XXI: La Queue Du Chien

15. Gnossienne No.3 (Orch. Poulenc)

La belle excentrique, “serious fantasy” for orchestra (or piano, 4 hands)
16. Grande Ritournelle
17. Marche Franco-Lunaire
18. Valse Du Mysterieux Baiser Dans L’oeil
19. Cancan Grand Mondain

Grimaces (5) for “A Midsummer Night’s Dream,” incidental music
20. Modere
21. Peu Vite
22. Modere
23. Temps De Marche
24. Modere
25. Le Picadilly

Jean-Pierre Armengaud, piano
Orchestre National du Capitole de Toulouse
Michel Plasson, regência

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Erik Satie: talentoso, excêntrico e incontornável

Erik Satie: talentoso, excêntrico e incontornável

CVL / PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio – Kaori Muraji :.

Considere o vídeo abaixo:

Seguindo o caminho do interlúdio anterior, continuamos ouvindo violões, por que não. E sobre Kaori, bem; é jovem, linda, e toca de olhos fechados. Que dizer mais? Era daquelas crianças-prodígio, aprendeu a tocar violão com o pai aos três anos, e dali em diante foi conquistando competições e prêmios internacionais — até ser a primeira artista japonesa a assinar um contrato internacional com a Decca.

Credenciais à parte, os ouvidos notam que Kaori leva tudo muito a sério. Tem uma técnica impecável, e suas escolhas nos arranjos não costumam ser bem comportadas. Dos quatro álbuns desde post — talvez 1/5 de sua discografia — , três são de repertório erudito, e se o próprio Joaquín Rodrigo, pouco antes de sua morte, elegeu-a como sua voz no século XXI, a resenha do AMG para “Plays Bach” é bem menos elogiosa. (Este cão, que sabidamente não entende lhufas de música erudita, gostou bastante da segunda parte do cd, em que ela toca sozinha.) O último disco do post é de repertório popular, bem ao estilo balaio de gatos, misturando West Side Story à Internationale — e se eu prefiro mastigar vidro a ouvir Tears in Heaven outra vez nesta ou em qualquer outra vida, há momentos realmente sublimes, como Jongo, Sunburst e até Merry Christmas Mr. Lawrence (no vídeo abaixo, numa parceria muito bem concatenada com o próprio Saka).

Dito isto, aos álbuns? Blue Dog recomenda a ordem cronológia/de postagem mesmo; Lumières é fabuloso.

P.S.: Atendendo a pedidos, e não tão longe do contexto, participamos que o post de Wes Montgomery para “Full House” foi atualizado com um rip em V0. E no mesmo post foi adicionado um outro álbum — que você também deveria ouvir. Ctrl+clique o link acima pra não esquecer.


Kaori Muraji – Lumières /2005 [V0]
Kaori Muraji: guitar
download – mediafire /107MB

01 Gymnopedie No. 1 (Satie)
02 Gymnopedie No. 3 (Satie)
03 La fille aux cheveux de lin (Debussy)
04 Pavane Pour Une Infante Defunte (Ravel)
05 Saudade No. 3 (From Trois Saudades): I Rituel (Dyens)
06 Saudade No. 3 (From Trois Saudades): II Danse (Dyens)
07 Saudade No. 3 (From Trois Saudades): III Fete Et Final (Dyens)
08 2 Barcarolles, Op.60: I Lent, Calme, Dans Une Quietude Expressive (Kleynjans)
09 2 Barcarolles, Op.60: II Allegro (Kleynjans)
10 Fantasie Pour Guitare: I Resolu (De Breville)
11 Fantasie Pour Guitare: II Lent (De Breville)
12 Fantasie Pour Guitare: III Trés Vite (De Breville)
13 Gnossienne No 1 (Satie)
14 Water Color Scalor: I Prelude (Yoshimatsu)
15 Water Color Scalor: II Intermezzo A (Yoshimatsu)
16 Water Color Scalor: III Dance (Yoshimatsu)
17 Water Color Scalor: IV Intermezzo B (Yoshimatsu)
18 Water Color Scalor: V Rondo (Yoshimatsu)
19 Claire de Lune from Suite Bergamasque (Debussy)
20 Summer Knows Theme from “The Summer of ’42” (Legrand)


Kaori Muraji – Viva! Rodrigo /2007 [V0]
Kaori Muraji, guitar; Orquesta Sinfónica de Galícia, reg. Viktor Pablo Pérez. Música de Joaquín Rodrigo
download – mediafire /97MB

01 Concierto de Aranjuez – Allegro con spirito
02 Concierto de Aranjuez – Adagio
03 Concierto de Aranjuez – Allegro gentile
04 Sones en la Giralda
05 Concierto para una fiesta – Allegro deciso
06 Concierto para una fiesta – Andante calmo
07 Concierto para una fiesta – Allegro moderato


Kaori Muraji – Plays Bach /2008 [V0]
Kaori Muraji, guitar; Leipzig Bachorchester, reg. Christian Funke
download – mediafire /113MB

01 Cembalo Concerto No.2 in E major, BWV 1053 – I. Allegro
02 Cembalo Concerto No.2 in E major, BWV 1053 – II. Siciliano
03 Cembalo Concerto No.2 in E major, BWV 1053 – III. Allegro
04 BWV 1068 Air on the G string
05 Cembalo Concerto No.5 in F minor, BWV 1056 – I. Allegro
06 Cembalo Concerto No.5 in F minor, BWV 1056 – II. Largo
07 Cembalo Concerto No.5 in F minor, BWV 1056 – III. Presto
08 BWV 147 Choral Jesus bleibet meine Freude
09 Partita No.2 in D minor, BWV 1004 – I. Allmanda
10 Partita No.2 in D minor, BWV 1004 – II. Corrente
11 Partita No.2 in D minor, BWV 1004 – III. Sarabanda
12 Partita No.2 in D minor, BWV 1004 – IV. Giga
13 Partita No.2 in D minor, BWV 1004 – V. Ciaconna
14 Menuet, BWV Anh. 114 & 115


Kaori Muraji – Portraits /2009 [320]
Kaori Muraji, guitar
download – mediafire /156MB

01 Merry Christmas Mr. Lawrence (Sakamoto)
02 Tango en Skai (Dyens)
03 Tears In Heaven (Clapton)
04 Jongo for guitar(Bellinatti)
05 Energy Flow (Sakamoto)
06 What a Friend We Have in Jesus(Converse)
07 Internationale (De Geyter)
08 Amours Perdues (Kosma)
09 Secret Love (Fain)
10 Porgy and Bess – Summertime (Gershwin)
11 West Side Story – I Feel Pretty (Bernstein)
12 West Side Story – Maria (Bernstein)
13 West Side Story – America (Bernstein)
14 Nocturne No.2 in E flat, Op.9 No.2 (Chopin)
15 Thousands of Prayers (Tanikawa)
16 Träumerei (Schumann)
17 Love Waltz (Neumann)
18 Introduction To Sunburst/Sunburst (York)
19 In My Life (McCartney)

Boa audição!
Blue Dog

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Satie (1866-1925) – Milhaud (1892-1974) – Auric (1892-1983) – Françaix (1912) – Fetler (1920)

Este é um dos cds que mais tenho ouvido nos últimos dois anos, não entendo porque demorei tanto a compartilhá-lo com os amigos. Trata-se de um álbum com obras de compositores franceses compostas nos extremos do século XX, ou seja, início, com os Les Six Satie, Milhaud e Auric e final do século com Françaix e Fetler. Satie nos presenteia com seu balé Parade, música que mais tenho escutado já há um bom tempo. De Milhaud temos a polêmica e empolgante Le Boeuf Sur Le Toit, pantomima baseada em canções brasileiras. A alegre, ritmada e cheias de emoções Ouverture é uma das poucas peças de Auric que tive a oportunidade de ouvir. Completam o álbum dois compositores que eu nunca tinha ouvido falar, mas que me empolgaram bastante, Jean Françaix nos brinda com seu despretensioso e singelo, mas muito bonito Concertino para Piano e Orquestra e Paul Fetler com os Contrasts para Orquestra, obra que me surpreendeu bastante, com passagens rápidas e ritmadas, bem ao meu gosto. Enfim, um álbum que vale a pena ouvir.

Uma ótima audição!

.oOo.

Satie – Milhaud – Auric – Françaix – Fetler

Erik Satie
01 Parade (Ballet realiste on theme of Jean Cocteau) (14:27)
[1.1] Choral – Prélude du Rideau rouge – Prestidigitateur Chinois (5:16)
[1.2] Petite fille Americaine (3:51)
[1.3] Acrobates (2:56)
[1.4] Final – Suite au  “Prélude du Rideau rouge” (2:24)

Darius Mihaud
02 Le Boeuf Sur Le Toit (Ballet, after Jean Cocteau) (18:35)

Georges Auric
03 Ouverture (7:51)

Jean Françaix
Concertino for Piano and Orchestra

04 Presto leggiero (1:51)
05 Lent (1:44)
06 Allegretto: Rondeau (4:15)
Claude Françaix, piano
London Symphony Orchestra

Paul Fetler
Contrasts for Orchestra

07 Allegro con forza (4:03)
08 Adagio (5:24)
09 Scherzo: Allegro ma non troppo (3:52)
10 Allegro marciale – Presto (4:58)

Minneapolis Symphony Orchestra (hoje Minnesota Orchestra), Antal Dorati

BAIXE AQUI / DOWNLOAD HERE

Marcelo Stravinsky

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Erik Satie (1866-1925) – Les Fils des Etoiles

Erik Satie foi um importante precursor dos movimentos musicais do século passado. Foi um vanguardista. Influenciou Ravel e Debussy com sua música de paisagens estáticas. A música para Satie era uma mobília, um móvel que se adequa ao ambiente. A vida continua em seu fluxo e a música fica lá, parada, sem que a percebamos. Os efeitos psicológicos são notáveis. Por exemplo, enquanto estou aqui em casa lendo, esperando o tempo passar, o compositor é minha companhia. Mas é como eu não estivesse ouvindo nada. As pessoas passam no corredor, próximo ao meu apartamento, os carros buzinam, grades tilintam, chaves penduricalham; crianças gritam. Mas parece que não ouço nada. As miniaturas musicais de Satie são como rios marulhentos. Não percebemos a sua “viagem”. Todavia, às vezes, o seu ronco suave se expressa e aí lhe damos atenção. Satie destinava essa intenção à sua música. Queria que os ouvintes encarassem dessa forma aquilo que escrevia. Enquanto as sinfonias e concertos constituem universos, “teses”, “discursos eloquentes”, as peças de Satie são pequenos quadros, crônicas doces, suaves, “vagabundas”, miniaturas semi-mortiças. Mas, como é boa essa música!

Erik Satie (1866-1925) – Les Fils des Etoiles

01. Prélude du 1er Acte – La Vocation – Thème décoratif_ La nuit de Kaldée
02 – 1er Acte – La vocation
03 – Prélude du 2e Acte – L’Initiation – Thème decoratif_ La salle basse du Grand
04 – 2e Acte – L’Initiation
05 – Prélude du 3e Acte – L’Incantation – Thème decoratif_ La terasse du palais
06 – 3e Acte – L’Incantation

Steffen Schleiermacher, piano

BAIXAR AQUI

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio [em caixinhas de música] :.

(Acontece seguido, me pararem na rua para perguntar: como vocês do PQP conseguem manter o fluxo de postagens excelentes, uma atrás da outra? Eu respondo contando um segredinho: ouvimos tanta música boa que precisamos organizar escalas para publicar um post, e frequentemente nos arremessamos à jugular um do outro por um lugar na fila. É assim que hoje, nesta madrugada, eu encaixo um interlúdio furtivo, enquanto espio nas postagens agendadas uma pérola do Avicenna esperando a manhã chegar para tomar seu justo lugar no topo do blog.

E é assim que eu imaginei o par de discos que trouxe hoje: quietos, noturnos, querendo passar despercebidos. Por um lado, sua natureza: (muito) mais próximos à musique concrète do que o costumeiro jazz dessa coluna. Por outro, pelo próprio clima das composições: as leituras para caixinha de música que Yuko Ikoma, a acordeonista que vimos logo ali, fez de Erik Satie, ressoam claras nas frequencias agudas, e crocantes nas médias; com simplicidade, cortam a noite trazendo um conforto paradoxal, evocando imagens circenses e, claro, alguma infância.

E se a palavra é simplicidade, bem, que a reforcemos: tanto os temas escolhidos quanto os arranjos em si não primam por invenções de qualquer espécie. São composições conhecidas, e daí parte do prazer que o álbum proporciona: reassimilar estas versões suaves, macias, e no entanto de notas bem definidas, de um cuidado maior do que o aparente.

Dois anos antes, em Paris, uma artista realizou um experimento semelhante; Cécile “Colleen” Schott gravou um disco de composições suas para caixinha de música. Nesse caso, e como é de seu perfil, Colleen explora mais; utiliza pedais de loop e edição em computador para criar atmosferas mais complexas. Às vezes em vinhetas simples, passáveis; noutras em melodias brilhantes e determinadamente angélicas. (Blue Dog é um grande fã de Colleen e tem sonhos com Your Heart is So Loud como trilha sonora, porque é um sortudo.)

Não é um par de discos que se vai ouvir a toda hora, de cabo a rabo; no entanto podem relocalizar qualquer situação. É uma música que serve para fundo de longos olhares, e que acalma a noite dos insones; e que como toda boa música, se escutada de perto, traz alguma inquietação. E ainda por cima mostra que, com um único e medieval elemento, se pode fazer música contemporânea experimental de grande sensibilidade.)


Yuko Ikoma – Moisture with Music Box /2008 [192]
download – 48MB /mediafire
01 1ére Gymnopédie
02 2éme Gymnopédie
03 3éme Gymnopédie
04 Je te veux
05 Menues Propos Enfantins – Chant guerrier du roi des haricots
06 Menues Propos Enfantins – Ce que dit la petite princesse des Tulipes
07 Menues Propos Enfantins – Valse du Chocolat aux amandes
08 Prestidigitateur Chinois
09 Rêverie du Paurve
10 1ére Gnossienne
11 4éme Gnossienne
12 Berceuse


Colleen – Et les Boîtes à Musique /2006 [V2]
download – 55MB /mediafire
01 John Levers the Ratchet
02 What is a Componium? (Part 1)
03 Charles’s Birthday Card
04 Will You Gamelan for Me?
05 The Sad Panther
06 Under the Roof
07 What is a Componium? (Part 2)
08 A Bear is Trapped
09 Please Gamelan Again
10 Your Heart is so Loud
11 Calypso in a Box
12 Bicycle Bells
13 Happiness Nuggets
14 I’ll Read You a Story

Boa audição!
Blue Dog

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Erik Satie (1866-1925) – Peças arranjadas para flauta e violão – Sketches of Satie

Eu, como um grande entusiasta da obra de Satie, quero compartilhar essa pequena joia musical.

“Sketches of Satie” é uma coletânea de composições originais para piano de Erik Satie, rearranjadas e tocadas pelos irmãos Steve (violão) e John Hackett (flauta). As peças foram tão bem transcritas para flauta e violão que é difícil acreditar, principalmente para os leigos, que não tenham sido originalmente compostas para estes instrumentos.

Os fãs do grupo Genesis, não serão surpreendidos pelo virtuosismo de Steve Hackett, ex-guitarrista da banda britânica. A revelação aqui é seu irmão John, que toca de forma tão natural e fluente, que demonstra uma inspiração quase divina.

A performance dos irmãos apresenta uma assombrosa e hipnótica, beleza exótica. Steve Hackett mostra aqui, porque é um dos melhores e mais versáteis violonistas (guitarristas) do mundo, cedendo os holofontes para seu irmão, ele exibe sem constrangimentos, uma admirável e irrestrita modéstia.

Uma ótima audição!

.oOo.

Sketches of Satie

1. Gnossienne No. 3 (2:24)
2. Gnossienne No. 2 (1:56)
3. Gnossienne No. 1 (3:18)
4. Gymnopédie No. 3 (2:36)
5. Gymnopédie No. 2 (2:52)
6. Gymnopédie No. 1 (3:55)
7. Pièces Froides No. 1 Airs À Faire Fuir I (2:46)
8. Pièces Froides No. 1 Airs À Faire Fuir II (1:36)
9. Pièces Froides No. 2 (2:05)
10. Avant Dernières Pensées (Idylle à Debussy) (0:57)
11. Avant Dernières Pensées (Aubade à Paul Dukas) (1:11)
12. Avant Dernières Pensées (Méditation à Albert Roussel) (0:54)
13. Gnossienne No. 4 (2:41)
14. Gnossienne No. 5 (3:20)
15. Gnossienne No. 6 (1:41)
16. Nocturnes No. 1 (3:31)
17. Nocturnes No. 2 (2:14)
18. Nocturnes No. 3 (3:36)
19. Nocturnes No. 4 (2:49)
20. Nocturnes No. 5 (2:27)

Steve Hackett (guitar)
John Hackett (flute)

BAIXE AQUI / DOWNLOAD HERE

Marcelo Stravinsky

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Erik Satie (1866-1925): Orchestral Works

A primeira vez que ouvi falar em Erik Satie foi num livro sobre a história da música, no qual o autor criticava duramente o grande figurão da música francesa da primeira metade do século XX, afirmando que não se podia levá-lo a sério como compositor. Até então, eu só o conhecia como um compositor excêntrico das obras mais monótonas e com títulos mais esquisitos, mas jamais tinha ouvido alguma obra sua. Algum tempo depois pude apreciar as Gnosianas e outras pequenas peças para piano e pude ter um gostinho do estilo de Satie.
Puxa, nunca ouvi tanto a música do mestre do grupo dos Seis, como nesses últimos meses e posso afirmar categoricamente que descordo por completo do autor do livro, que nem lembro mais qual era. Uma música simples, satírica, com bastante humor e inventividade. Suas obras orquestrais, em especial, são bem empolgantes e com ritmos muito contagiantes baseados no ragtime. Uma das mentes mais excêntricas e brilhantes do século XX.
E pra realizar o desejo de algumas almas pedintes, trago-lhes o balé Parade, que é simplesmente a obra mais ouvida, por mim, nesses últimos meses, com a frequência absurda de pelo menos duas ou três vezes todos os dias.

.oOo.

Erik Satie: Orchestral Works

Parade
1. Choral: Prélude Du Rideau Rouge Prestidigitateur Chinois
2. Petite Fille Américaine
3. Acrobates/Finale Suite Au Prélude Du Rideau Rouge

Trois Gymnopédies
4. Gymnopédie No. 1, orchestration by Debussy
5. Gymnopédie No. 2, orchestration by Roland-Manuel
6. Gymnopédie No. 3, orchestration by Debussy

Mercure
7. No. 1, “Marche Ouverture”
8. Act I, No. 2, “La Nuit”
9. Act I, No. 3, “Danse de tendresse”
10. Act I, No. 4, “Signes du Zodiaque”
11. Act I, No. 5, “Entree de Mercure”
12. Act II, No. 6, “Danses des Graces”
13. Act II, No. 7, “Bain des Graces”
14. Act II, No. 8, “Fuite de Mercure”
15. Act II, No. 9, “Colere de Cerbere”
16. Act III, No. 10, “Polka des Lettres”
17. Act III, No. 11, “Nouvelle Danse”
18. Act III, No. 12, “Le Chaos”
19. Act III, No. 13, “Rapt de Proserpine”

Relâche
Part 1
20. Ouverturette
21. Projectionette
22. Rideau – Entrée De La Femme
23. Musique
24. Entrée De l’Homme
25. Danse Da La Prte Tournante
26. Entrée Des Hommes
27. Danse Des Hommes
28. Danse De La Femme
29. Petite Danse Finale
Part 2
30. Musique De Rentrée
31. Rentrée Des Hommes
32. Rentrée De La Femme
33. Les Hommes Se Dévêtissent, La Femme Serhabille
34. Danse De l’Homme Et De La Femme
35. Les Hommes Regagnent Leur Place Et Retrouvent Leur Parddessus
36. Danse De La Brouette
37. Danse De La Couronne
38. Le Danseur Dépose La Couronne Sur La Tête d’une Spectatrice
39. La Femme Rehoint Son Fauteuil
40. Petite Danse Finale (Shanson Mimée): La Queue De Chien

Orchestre Symphonique Et Lyrique de Nancy
Jérôme Kaltenbach

BAIXE AQUI / DOWNLOAD HERE

Strava

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Erik Satie (1866-1925) & Darius Milhaud (1892-1974): Orchestral Works

Apresento-lhes um cd que aprecio bastante, com obras orquestrais de dois compositores franceses da primeira metade do século XX, Erik Satie e Darius Milhaud. E sobretudo, a interpretação do grande maestro e compositor, Bernard Herrmann.

Satie, além de criador do Ragtime, influenciou uma gama de compositores contemporâneos, principalmente os do chamado Les Six, grupo formado por seis compositores, cujas músicas representavam uma reação ao Wagnerismo e Impressionismo. O Grupo era formado por Georges Auric, Louis Durey, Arthur Honegger, Darius Milhaud, Francis Poulenc e Germaine Tailleferre. A designação Les Six estabelecia uma relação com o Grupo dos cinco de São Petersburgo, Balakirev, Rimsky-Korsakov, Borodin, Mussorgsky e César Cui.

Darius Milhaud foi um compositor e professor francês, um dos mais prolíficos do século XX. Sua obra é conhecida por conciliar o uso da politonalidade e do jazz. Suas obras mais conhecidas são os balés Le Bœuf sur le toit e La Création du monde, ambos já postados no blog, além da Suite de Danças Saudades do Brasil.

As Obras
As Gymnopedies são três peças escritas originalmente para piano inspiradas no estilo do grupo Les Six. Estas três singelas peças se consolidaram como as mais populares de Satie. Temos aqui duas Gymnopedies orquestradas por Debussy, as de número 3 e 1 respectivamente.
O cd ainda traz outras peças de Satie. Os balés Les Aventures de Mercure, La Belle Excentrique, e a pantomima musical com orquestração de Milhaud, Jack-in-the-box. Tratam-se de peças muito leves e despretensiosas que caracterizam bem a obra do compositor francês. Com excessão de Les Aventures de Mercure, escrito para orquestra, mas possuidor de uma redução para piano, os outros dois balés desta gravação foram escritos originalmente para piano.
Saudades do Brasil é uma suíte composta por 12 danças (maxixes), cujos nomes fazem referência a bairros do Rio de Janeiro, marca de uma viagem ao Brasil durante a primeira guerra mundial, como adido cultural da Embaixada da França no Rio. Foi concebida originalmente para piano, somente mais tarde seria orquestrada pelo próprio Milhaud e acrescida de uma abertura.

.oOo.

Erik Satie & Darius Milhaud: Orchestral Works

Erik Satie
01 Gymnopédies III & I (6’33’’)
02 Les Aventures de Mercure (13’32’’)
03 La Belle Excentrique (4’42’’)
04 Jack-In-The-Box (6’48’’)

Darius Milhaud
05 Saudades do Brasil (26’40’’)
(Overture – Sorocaba – Botafogo – Leme – Copacabana – Ipanema – Gávea – Corcovado – Tijuca – Sumaré – Paineiras – Laranjeiras – Paysandú )

London Festival Players
Bernard Herrmann

BAIXE AQUI / DOWNLOAD HERE

Marcelo Stravinsky

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Erik Satie: Furniture Music

E eis que este insolente cão irrompe numa madrugada de terça-feira para meter-se numa seara para si desconhecida, onde nada sabe. Ainda mais, fica no quintal de CDF Bach – e mexe com uma paixão de Clara Schumann. Mas, como se sabe, no PQP postamos o que estamos ouvindo, e como eu estava ouvindo, ora, vim postar. Desde já vou deixando o espaço em aberto, para que o próprio CDF, ou Clara, o adicionem com mais pertinência, ou ao efeito de links e novidades vindos dos comentários.

O fato é que não apenas o jazz me interessa; me interessam muitas outras coisas mais, e no terreno da música, uma delas é o ambient. E em pesquisas fui descobrir que bem antes de Brian Eno criar o “Music for Airports” em 1978, quem primeiro concebeu a idéia de uma música feita para lugares, ao invés de pessoas, foi Erik Satie.

Isso em 1920.

Satie, nome nada estranho aos freqüentadores deste blog com certeza, criou a furniture music. A música do local e dos objetos que nos cercam. De curta duração e produção, resumiu-se a cinco peças – que vem a diferenciar-se, conceitualmente, do ambient atual pelo fato de que não apresentam variação. Ou seja, são curtos temas clássicos, repetidos muitas e muitas vezes, destinados primariamente a ser pano de fundo dos intervalos no teatro francês. Apesar da intenção, um entr’act de Satie não foi bem sucedido:

Allegedly, the public did not obey Satie’s intention: they kept silently in their places and listened, trained by a habit of incidental music, much to the frustration of the avant-garde musicians, who tried to save their idea by inciting the public to get up, talk, and walk around. wikipedia

No pacote lincado logo abaixo, estão três gravações das peças da furniture music, encontradas nesta página. Além delas, há também anexada a única – que eu saiba – referência direta a este trabalho: a peça Furniture Music Etcetera, uma variação livre (de quase 21 minutos) composta por John Cage, em 1980, para Curtain of a Voting Booth.

Nestas faixas ouço uma concretude que se descortina genial pela proposta, e pelo efeito que consegue.

Se eu estiver muito maluco, me mandem vacinar.

download aqui – 26MB
Furniture Music, Part 1: Curtain of a Voting Booth 5’56
Furniture Music, Part 2: Tapestry of Wrought Iron: for the arrival of the guests – grand reception – to be played in an entrance hall 3’00
Furniture Music, Part 3: Phonic Tiles – may be performed at a luncheon 2’25
Ars Nova Ensemble
Marius Constant: director
Michel Dalberto: piano
Pierre Thibaudm Bernard Jeannoutot: trumpets
Erato Records 4700W

Furniture Music Etcetera 20’43
Steffen Scheleiemacher: piano
John Cage: Complete Piano Music Vol. 10
diz um reviewer da amazon: “This work is barely more than a sketch for realisation by the performer: it consists of instructions on when to play fragments of Satie and when to play fragments of Cage. Schleiermacher’s reconstruction, thus, is necessarily speculative, but it entertains for its 20 minute duration.”

Boa audição!
Blue Dog

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!