.: interlúdio :. Hugo Díaz: ‘Tangos’ e ‘Grandes Obras’

.: interlúdio :. Hugo Díaz: ‘Tangos’ e ‘Grandes Obras’

Certos artistas excedem. Excedem ao nível do milagre. Hugo Diaz foi um dos maiores músicos de todos os tempos. Seu instrumento, a Harmônica, é algo muito particular e pouco popular se comparado aos outros instrumentos. Muito usual no blues, gênero no qual inúmeros nomes se assomam – porém destaco Paul deLay – a Harmônica (ou Gaita de boca – que não me ouçam os profissionais) floresce entre as fronteiras da música chamada popular e folclórica e o Jazz, gênero este que conta com o monumental Toots Thielemans em justo e inegável destaque. No Brasil temos os formidáveis Mauricio Einhorn e Rildo Hora, lembrando o ancestral e vistuosíssimo Edu da Gaita. Quando ouvimos Hugo Diaz não ouvimos uma Harmônica da maneira como usualmente a reconhecemos. Ouvimos “Hugo Diaz”. Assim como ocorre com o trompete em Louis Armstrong, Chet Baker e Miles Davis; ou na guitarra de Django Reinhardt e no sax-soprano de Sidney Bechet; nos acordeons de Sivuca e Dominguinhos. Encontramos o artista em toda sua inteireza. Seu sotaque, sua marca e timbre, sua expressão integral e presença quase física. Ele e instrumento são unos. No caso de Hugo isto se reforça também devido à coadjuvância dos seus ruídos. Diaz resfolega, grunhe, rosna, geme, soluça – lembro aos assépticos puristas de que Glenn Gould sem as suas intervenções naso-vocálicas não seria o mesmo. Diaz é artista que se arrebata e nos arrebata. Extrapola as possibilidades do seu instrumento. Nos induz à curiosidade de saber o que irá fazer na próxima faixa. Arrisca, anda na corda bamba dos sons, encontra soluções como verdadeiro mestre improvisador. Diaz briga. Briga e vence, muitas vezes não arremata o último acorde, deixa o ‘coup de grâce’ para os seus brilhantes acompanhadores. Em faixas como Vida Mia alguém desavisado poderia indagar que espécie de instrumento é aquele. Em suma, Diaz faz o que bem quer com seu instrumento e com a música. Ouvimos sons inéditos, em seu instrumento e, para mim, na música. É um mestre supremo, que com todo mérito e razão foi celebradíssimo em seu tempo e contexto e produziu fartamente. Victor Hugo Diaz nasceu a 10 de agosto de 1927 em Santiago de Estero, Argentina e se foi em Buenos Aires, em 1977. De família humilde, Hugo ficou cego aos 5 anos devido a uma bolada de futebol (esporte abominável para mim). Mais tarde uma cirurgia lhe restituiria apenas parte da visão, ou seja, Diaz se inscreve no rol dos gênios musicais cegos ou, que assim como o “amigo Hermeto, não exerga mesmo muito bem.” Aos 7 anos já se apresentava na rádio local. Embora conhecido principalmente por suas performances de Tango, sua música tem profundas raízes rurais, sobretudo na música folclórica de sua província natal: zambas, milongas camperas, chacareiras. Apesar do seu sucesso, sempre foi fiel aos músicos acompanhantes de sua juventude, como os Irmãos Abalo e o percussionista Domingo Cura. Numa turnê em 1953 encontrou Toots Thielemans, com mútua admiração. Nos Estados Unidos tocou com Louis Armstrong e Oscar Peterson – que desgraça não terem gravado, eu daria um olho para ouvir isso. Seu maior legado no repertório de Tango foi gravado nos anos 70. Seu último álbum foi dedicado a Gardel, em 1975. Hugo foi casado com Victória Cura, irmã do seu compadre percussionista. Sua filha Maria Victória – Maria ‘Mavi’ Diaz, tornou-se uma ressaltada representante do Rock Argentino. Trago, portanto, dois discos de Hugo Diaz. Agradeço ao harmonicista Diego Orrico por me apresentar a este soberbo artista. E, conforme dizia o Sr. Nogueira Pessoa, “sentir? sinta quem lê!” – ou quem quiser ouvir.

Mas, somente “porque hoje é Sábado” me lembrei do formidável Vinícius de Moraes. Conta-se que pouco tempo antes do poeta ser tolhido pelas Musas de volta ao Olimpo, um jornalistazinho insolente o abordou com uma indagação, se teria medo da morte. O poeta de olhos sábios e diluídos numa atmosfera de poesia e whisky, respondeu: “Não sinto medo da morte, mas saudades da vida.” Ora, neste histórico momento de Quarentena sentimos muitas saudades, se não da vida em si, das esquinas da mesma e dos seus botecos. E por virtude desta alvissareira lembrança de nosso poeta, trago um dos seus textos do livro “Para uma menina com uma flor” – “Depois da Guerra.” O que teria a ver Vinícius com Hugo Diaz? Para mim tudo, em poesia e intensidade. Mais explicações ficam a cargo da “Tonga da Mironga do Kabuletê.” E… não saiam de casa, fiquem ouvindo Hugo Diaz e lendo o velho Vini.

“Depois da Guerra vão nascer lírios nas pedras, grandes lírios cor de sangue, belas rosas desmaiadas. Depois da Guerra vai haver fertilidade, vai haver natalidade, vai haver felicidade. Depois da Guerra, ah meu Deus, depois da Guerra, como eu vou tirar a forra de um jejum longo de farra! Depois da Guerra vai-se andar só de automóvel, atulhado de morenas todas vestidas de short. Depois da Guerra, que porção de preconceitos vão se acabar de repente com respeito à castidade! Moças saudáveis serão vistas pelas praias, mamães de futuros gêmeos, futuros gênios da pátria. Depois da Guerra, ninguém bebe mais bebida que não tenha um bocadinho de matéria alcoolizante. A coca-cola será relegada ao olvido, cachaça e cerveja muita, que é bom pra alegrar a vida! Depois da Guerra não se fará mais a barba, gravata só pra museu, pés descalços, braços nus. Depois da Guerra, acabou burocracia, não haverá mais despachos, não se assina mais o ponto. Branco no preto, preto e branco no amarelo, no meio uma fita de ouro gravada com o nome dela. Depois da Guerra ninguém corta mais as unhas, que elas já nascem cortadas para o resto da existência. Depois da Guerra não se vai mais ao dentista, nunca mais motor no nervo, nunca mais dente postiço. Vai haver cálcio, vitarnina e extrato hepático correndo nos chafarizes, pelas ruas da Cidade. Depois da Guerra não haverá mais Cassinos, não haverá mais Lídices, não haverá mais Guernicas. Depois da Guerra vão voltar os bons tempinhos do carnaval carioca com muito confete, entrudo e briga. Depois da Guerra, pirulim, depois da Guerra, vai surgir um sociólogo de espantar Gilberto Freyre. Vai se estudar cada coisa mais gozada, por exemplo, a relação entre o Cosmos e a mulata. Grandes poetas farão grandes epopéias, que deixarão no chinelo Camões, Dante e Itararé. Depois da Guerra, meu amigo Graciliano pode tirar os chinelos e ir dormir a sua sesta. Os romancistas viverão só de estipêndios, trabalhando sossegados numa casa na montanha. Depois da Guerra vai-se tirar muito mofo de homens padronizados pra fazer penicilina. Depois da Guerra não haverá mais tristeza: todo o mundo se abraçando num geral desarmamento. Chega francês, bate nas costas do inglês, que convida o italiano para um chope Alemão. Depois da Guerra, pirulim, depois da Guerra, as mulheres andarão perfeitamente à vontade. Ninguém dirá a expressão “mulher perdida”, que serão todas achadas sem mais banca, sem mais briga. Depois da Guerra vão se abrir todas as burras, quem estiver mal de cintura, logo um requerimento. Os operários irão ao Bife de Ouro, comerão somente o bife, que ouro não é comestível. Gentes vestindo macacões de fecho zíper dançarão seu jiterburgue em plena Copacabana. Bandas de música voltarão para os coretos, o povo se divertindo no remelexo do samba. E quanto samba, quanta doce melodia, para a alegria da massa comendo cachorro-quente! O poeta Schmidt voltará à poesia, de que anda desencantado e escreverá grandes livros. Quem quiser ver o poeta Carlos criando, ligará a televisão, lá está ele, que homem magro! Manuel Bandeira dará aula em praça pública, sua voz seca soando num bruto de um megafone. Murilo Mendes ganhará um autogiro, trará mensagens de Vênus, ensinando o povo a amar. Aníbal Machado estará são como um perro, numa tal atividade que Einstein rasga seu livro. Lá no planalto os negros nossos irmãos voltarão para os seus clubes de que foram escorraçados por lojistas da Direita (rua). Ah, quem me dera que essa Guerra logo acabe e os homens criem juízo e aprendam a viver a vida. No meio tempo, vamos dando tempo ao tempo, tomando nosso chopinho, trabalhando pra família. Se cada um ficar quieto no seu canto, fazendo as coisas certinho, sem aturar desaforo; se cada um tomar vergonha na cara, for pra guerra, for pra fila com vontade e paciência – não é possível! Esse negócio melhora, porque ou muito me engano, ou tudo isso não passa, de um grande, de um doloroso, de um atroz mal-entendido!”

HUGO DIAZ – “TANGOS”:

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

HUGO DIAZ – “TANGOS” e “GRANDES OBRAS” – coletânea:

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Vinícius, em flagrante carinho.

WellBach

Astor Piazzolla (1921-1992) – Soul of the Tango – The Music of Astor Piazzolla – Yo-Yo Ma

A despeito do destaque na capa, o ótimo Yo-Yo Ma não tem tanto protagonismo neste álbum de pérolas de Astor Piazzolla. Com a reverência que lhe é tão própria, ele se alinha a grandes nomes do tango, ao Duo Assad e, notavelmente, ao próprio Astor Piazzolla (no dueto “Tango Rememberances”, cujas partes foram gravadas com dez anos de diferença) para render tributo ao mestre argentino. Claro que há muito mais em sua obra desenfreada do que cabe num só CD, e que existem roupagens muito mais radicais dessas composições já tantas vezes regravadas. Ainda assim, o que ouvimos nesta “Alma do Tango” é uma tremenda introdução a Piazzolla, com um belíssimo “Libertango” que eu deixaria tocando em loop pelo resto dos meus dias.

YO-YO MA – SOUL OF THE TANGO – THE MUSIC OF ASTOR PIAZZOLLA

Astor Pantaleón PIAZZOLLA (1921-1992)

1 – Libertango

2 – Tango suite, para dois violões: Andante

3 – Tango suite, para dois violões: Allegro

4 – Regreso al Amor (da trilha sonora do filme “Sur”)

5 – Le Grand Tango

6 – Fugata

Astor Pantaleón PIAZZOLLA e Jorge CALANDRELLI (1939)

7 – Tango Rememberances

Astor Pantaleón PIAZZOLLA

8 – Mumuki

9 – Tres Minutos con la Realidade

10 – Milonga del Ángel

11 – Café 1930

Yo-Yo Ma, violoncelo

Astor Piazzolla, bandoneón (faixa 7)

Sergio e Odair Assad, violões

Kathrin Scott, piano

Nestor Marconi, bandoneón

Antonio Agri, violino

Horacio Malvicino, violão

Hector Console, contrabaixo

Leonardo Marconi, piano

Gerardo Gandini, piano

Frank Corliss, piano

Edwin Barker, contrabaixo

Jorge Calandrelli, direção musical

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Vassily

De quando Piazzolla aprendeu a fazer caipirinha, por Beto Barreiros (https://www.revistaversar.com.br/memorias-do-box-quando-astor-piazzolla-aprendeu-a-fazer-caipirinha/)

 

 

 

 

 

.: interlúdio :. Daniel Barenboim, Rodolfo Mederos e Hector Console dão show de Piazzolla

mi-buenos-aires-querido-tangos-among-friendsTangos

Daniel Barenboim, ao piano
Rodolfo Mederos, ao bandoneón
Hector Console, no baixo

 

Uma coleção de tangos, dos mais refinados e nostálgicos, interpretados por 3 monstros sagrados: Daniel Barenboim, ao piano, diretor da  Chicago Symphony Orchestra de 1991 a 2006, nascido na Argentina onde viveu até seus 9 anos de idade; Rodolfo Mederos, ao bandoneón, que por muitos anos tocou com Piazzolla, e Hector Console, no baixo, considerado um dos melhores intérpretes de Piazzolla, com quem tocou por muitos anos, também.

A inspiração clássica de Barenboim brilha na sua performance ao piano, e o sabor do tango é ditado pelo bandonéon de Rodolfo Mederos, evocando a doce melancolia de lembranças passadas, principalmente em Adiós Nonino. A coleção também inclui uma das mais refinadas interpretações de El Dia Que Me Quieras.

Viaje pelos tangos imortais da “Guardia Vieja” como Gardel e Troilo (Pichuco), através do genial Ginastera e se delicie com o revolucionário Astor Piazzolla.

Tudo temperado com o molho de Piazzolla.

1. Mi Buenos Aires Querido (Gardel, Le Pera)
2. Verano Porteño (Astor Piazzolla)
3. La Moza Donosa (Alberto Ginastera)
4. Don Agustin Bardi (Horacio Salgan)
5. Tzigane Tango (Astor Piazzolla)
6. Invierno Porteño (Astor Piazzolla)
7. Aquellos Tangos Camperos (Ubaldo De Lio, Horacio Salgan)
8. Adiós Nonino (Astor Piazzolla)
9. El Dia Que Me Quieras (Gardel, Le Pera)
10. Primavera Porteña (Astor Piazzolla)
11. A Fuego Lento (Horacio Salgan)
12. Otoño Porteño (Astor Piazzolla)
13. Contrabajeando (Astor Piazzolla, Anibal Troilo)
14. Bailecito (José Resta)

Mi Buenos Aires Querido – Tangos Among Friends – 1996
Daniel Barenboim (piano)
Rodolfo Mederos (bandoneón)
Héctor Console (Bass)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 108,3 MB – 51,6 min
powered by iTunes 12.5.1

Boa audição!

23800004_10213084538699551_1226191607174809233_o

Avicenna

.: interlúdio:. Beata Söderberg: Beatitudes (Tangos)

.: interlúdio:. Beata Söderberg: Beatitudes (Tangos)

Apreciei com moderação este álbum de Beata Söderberg. Beata compõe, toca tango, música folclórica escandinava e o que vier pela frente. Mas sua maior especialidade parece ser  a composição e interpretação de seus tangos, dos quais já gravou cinco discos. Sua música parece ser crossculture, se esta expressão existe. Apesar de seu grupo ser interpretado por ela e um grupo de músicos argentinos, seu tango é violento e melódico como o heavy metal finlandês. Achei Beatitudes estranho, mas alguns amigos que vieram aqui em casa e que gostam mais do gênero, adoraram ouvi-lo. O CD recebeu muitos prêmios.

Beata Söderberg: Beatitudes (Tangos)

1 Viviana 3:37
2 Temprano 4:43
3 Chicago 3:30
4 Tomoto 4:39
5 Candombeata 6:18
6 Besos 3:52
7 Steinway Street Milonga 3:24
8 Dube 4:34
9 Tango Uno 4:38
10 Un Corazón para Llevar 2:43
11 Variaciones Sobre una Sonrisa 3:41
12 Año Nuevo 6:36

Beata Söderberg: Cello
Juan Esteban Cuacci: Piano
Walter Rios: Bandoneon
Roberto Tormo: Contrabajo
José Luis Colzani: Percusión

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

De Beata é que ela não tem nada
De Beata é que ela não tem nada

PQP

Astor Piazzolla (1921-1992): Piazzollando (Ao Vivo) Com Daniel Binelli

Gosto muito da obra de Astor Piazzolla (simplesmente adoro a pequena fuga intitulada Fuga 9), especialmente desta gravação, principalmente pelo toque tupiniquim dado as peças do mestre argentino. Uma das melhores gravações de Piazzolla que já tive a oportunidade de ouvir. Excelente disco!

A seguir, texto retirado do encarte do CD.

Se o sinfônico Bernstein compôs West Side Story e o songwriter Gershwin nos deu Porgy And Bess, este revezar de estéticas no século XX já tentou Ravel e Stravinsky com o jazz, e povoou as polirritmias de Villa-Lobos com cantos ameríndios, batuques africanos e com a ginga do choro.

Muito desta música que torce o nariz dos eruditos “xiitas”, que os indecisos mal rotulam de “crossover”, e que as redações não sabem qual crítico mandar cobrir… É um fenômeno musical atual que mal ou bem começa a preencher o vácuo deixado pelo impasse da chamada música contemporânea (de herança clássica).

Astor Piazzolla é um exemplo desta renovação, e do interesse que certos compositores passam a despertar em intérpretes de formação tanto popular quanto clássica. Este disco reúne “eruditos” como Lilian Barreto e Paulo Bosísio a “populares” como os irmãos Cazes e Omar Cavalheiro, mediados pelo “poliglota” Paulo Sérgio Santos. Como convidado especial, Daniel Binelli, companheiro de palco do Piazzolla dos últimos anos, e que galgou à posição de solista sinfônico como intérprete natural da obra concertante do revolucionário argentino.

Piazzolla sempre foi um músico de tango (apesar de ter inaugurado seu primeiro bandoneón tocando uma peça de Bach). Primeiro com Gardel, depois com Troilo, e muito rápido por conta própria, sempre tocou o que chamava de “música contemporânea da cidade de Buenos Aires”. Combatido pelos tradicionalistas, mas gênio desde sempre, a melhor lição que lhe deu Nadia Boulanger foi a de “nunca deixar de ser Piazzolla”.

E ele próprio, na descrição dos movimentos da História do Tango, nos mostra também a trajetória de sua música:
“Bordel 1900: O tango nasce em Buenos Aires em 1882… É uma música cheia de graça e vivacidade. (…) O tango é alegre.
Café 1930: (…) Agora se escuta e não se dança como antes. É mais musical e romântico. A transformação é total. Mais lento, novas harmonias e eu diria muito melancólico.
Night Club 1960: A época internacional. (…) Bossa-nova e novo-tango em luta conjunta. Música para os músicos.
Concerto de hoje: Esta é a música de tango com conceitos da nova música. (…) Este é o tango de hoje e do futuro. Embaixo está o tango, acima está a música…”

Sua obra é este “concerto de hoje”. Com os melhores elementos da Escola Moderna, sobretudo Bartok e Stravinsky, e não esquecendo sua base bachiana, Piazzolla construiu uma linguagem revolucionária que jamais traiu a essência estética do tango. Neste ponto assemelha-se a Duke Ellington, que levou sua música às salas de concerto sem nunca deixar de fazer jazz.

Se nossa irreverência nos permite meter o sotaque brasileiro neste assunto, é por duas razões: uma porque nossa musicalidade nos garante,  e outra porque o gênio de Piazzolla já o tornou universal.

Mario de Aratanha

.oOo.

Astor Piazzolla: Piazzollando (Ao Vivo) Com Daniel Binelli

01 Fuga 9 (2:55)
Arranjo: Henrique Cazes

História Del Tango
02 Bordel 1900 (4:01)
03 Café 1930 (5:47)
04 Night Club 1960 (5:28)
Arranjo: Henrique Cazes

05 Años de Soledad (4:49)
Arranjo: Leandro Braga

Suite Del Angel
06 Milonga Del Angel (5:29)
07 Muerte Del Angel (2:52)
08 Ressurección Del Angel (6:49)
Arranjo: José Bragato

09 La Casita De Mis Viejos (J. C. Cobián) (3:35)
Arranjo: Astor Piazzolla

10 Retrato de Milton (1ª gravação) (5:35)
Arranjo: José Bragato adaptado por Henrique Cazes

11. Adiós Nonino (10:06)
Arranjo: Daniel Binelli com cadência de piano de Lilian Barreto

Daniel Binelli: bandoneon
Lilian Barreto: piano
Paulo Bosísio: violino
Henrique Cazes: guitarra, cavaquinho, violão
Paulo Sérgio Santos: sax soprano, alto, clarineta, clarone
Omar Cavalheiro: contrabaixo
Beto Cazes: percussão
Produzido por Mario de Aratanha e Henrique Cazes

BAIXE AQUI / DOWNLOAD HERE

Marcelo Stravinsky

.: interlúdio – Orquesta Tipica El Afronte :.

Recebi agora há pouco o e-mail abaixo, de um leitor que preferiu permanecer tímido:

“olá, Blue Dog!

estive em Buenos Aires há uns dias, e encontrei esse bando de hippies tocando tango em San Telmo. são jovens cabeludos (o do vocalista é até vermelho), em grande grupo: quatro bandoneons, quatro violinos, cello, baixo, piano e voz. ótimos músicos. o repertório é 100% tangueiro, sem milongas ou delongas (cof). sei que não é jazz, mas também sei que não fica tão longe assim, e já vi Piazzolla no PQP; por isso estou te enviando um link. faça uso se achar pertinente. e não deixe de escutar a versão que fazem de Tresnochando.

um abração!
xxxxx.”

Não apenas compartilho, como em pesquisinha rápido acho até uma dica, caro xxxxx: a Orquesta Típica El Afronte se apresenta todas as quartas no Maldito Tango – Perú 571, San Telmo. Às 21h, ministram aula; duas horas depois, fazem show. Se voltares à cidade, já sabes. E obrigado pela pérola! Nós, vira-latas, temos muito em comum com músicos que não têm medo das ruas. Este disco não apenas traz belíssimas interpretações tangueiras – também me faz sentir em casa.

Orquesta Tipica El Afronte – Tango al Palo, 2006 (192)
elafronte.com.ar

Pablo Schaffino: piano
Maurício Beltrán: baixo
Jano Seitún: cello
Angela Goussinsky, Andrea Marina Sosa, Gabriel Atúm, Agustín Volpi: violino
Claudio Ferrari, Adrián Barile, Matías Nori, Martín Viña: bandoneón
Marco Bellini: voz

download – 51MB
01 Ojos Negros (Greco) 2’48
02 Maldita Monogamia (Atúm) 2’46
03 Una Canción (Troilo, Castillo) 3’12
04 Pa’ que bailen los muchachos (Troilo, Cadícamo) 2’54
05 Pueblada (Atúm) 2’58
06 Inspiración (Paulos, Rubistein) 3’17
07 Responso (Troilo) 3’08
08 Nunca Tuvo Novio (Bardi, Cadícamo) 3’20
09 Cuesta Abajo (Gardel, Le Pera) 3’11
10 Bahía Blanca (Di Sarli) 2’49
11 Trasnochando (Baliotti, Adamini) 3’37
12 Libertango (Piazzolla) 3’22

Boa audição!
Blue Dog