Cansós de Trobairitz: Songs of the Women Troubadours c. 1200

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Nos estertores do vinil, toda uma geração de melômanos teve seus primeiros contatos com a música antiga através da Coleção Reflexe, da EMI.  A qualidade das gravações era tão grande que o jovem grupo de artistas responsáveis por elas estão aí até hoje, na música antiga e no barroco. Um deles chamava-se Jordi Savall com seu grupo Hespèrion XX. Este disco é lindo de chorar. (A gravação original em vinil era Quadraphonic, lembram disso?) Pois bem, a voz de Montserrat Figueras e o grupo de Savall jamais consideraram válidas as interpretações mecânicas de alguns equivocados. A coisa é de alta temperatura emocional e bonito, bonito, bonito. A música reflete a profunda influência árabe na península ibérica nos idos de 1200. Acho que você deve ouvir.

Cansós de Trobairitz: Songs of the Women Troubadours c. 1200

1 Vos Que’m Semblatz Dels Corals Amadors
Lyrics By – Condesa De Provenza, Gui De Cavalhon
Music By – Gaucelm Faidit
2 Estat Ai En Greu Cossirier
Lyrics By – Condesa De Dia*
Music By – Raimon De Miraval
3 Na Carenza Al Bel Cors Avinen
Lyrics By – Alais, Na Yselda I Na Carenza*, Carenza, Iselda
Music By – Arnaut De Maruelh
4 Si Us Quer Conselh, Bel’ami’Alamanda
Music By, Lyrics By – Guiraut De Bornelh
5 Ab Joi Et Ab Joven M’apais
Lyrics By – Condesa De Dia*
Music By – Bernart De Ventadorn
6 A Chantar M’er De So Q’ieu No Voldria
Music By, Lyrics By – Condesa De Dia
7 S’anc Fui Belha Ni Prezada
Music By, Lyrics By – Cadenet

Ensemble – Hespèrion XX
Flute, Percussion – Lorenzo Alpert
Guitar [Guitarra Moresca], Flute, Percussion – Gabriel Garrido
Lute, Guitar [Guitarra Moresca] – Hopkinson Smith
Soprano Vocals – Montserrat Figueras
Vielle, Lyre – Jordi Savall
Vielle, Rebab – Christophe Coin
Vocals – Josep Benet (tracks: A1, A4, B3), Pilar Figueras (tracks: A3)

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O casal Savall e Figueras fazendo um pit stop no taquaral.

O casal Savall e Figueras fazendo um pit stop no taquaral.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O Casamento do Céu e do Inferno: Motetos e Canções francesas do Século XIII

Quase chega a dar vontade de voltar no tempo e curtir um feudalismo, tal é a qualidade do Gothic Voices. Mas nada garante que fôssemos encontrar um grupo tão bom por lá… Então, melhor cheirar a fumaça de nosso tempo do que retornar ao século XIII. Além do mais, a presença da igreja devia ser sufocante. Em nenhuma outra época a influência da Igreja foi mais vasta. Mas também foi o século das grandes catedrais góticas de Colônia, Chartres, Reims, Auxerre, Amiens, Salisbury, Westminster, Burgos, Toledo… Apesar de que este CD esteja muito mais para o secular do que para o sacro. Bem, as grandes universidades da Europa foram fundadas no século XIII. A Universidade de Paris recebeu o seu alvará em 1215. Um ano antes, um enviado do Papa confirmara o estatuto da recém-criada Universidade de Oxford. Em 1210, S. Francisco de Assis conseguiu a aprovação papal para a regra que estabelecera para a sua pequena comunidade de pregadores errantes. De todos os santos medievais, foi ele quem gozou de maior popularidade dentro e fora da Igreja. Ascético mas alegre, poeta por natureza, criador do presépio de Natal, pregando aos pássaros, chegou a visitar o sultão para tentar convertê-lo ao Cristianismo, utilizando métodos mais próximos dos Evangelhos do que o comportamento dos cruzados. Uma das primeiras disciplinas a florescer neste novo ambiente intelectual foi a lógica formal, que conheceu novos progressos graças à recuperação do corpus integral de Aristóteles. E deu, né? Embriaguem-se de século XIII, meus amigos pequepianos!

O Casamento do Céu e do Inferno: Motetos e Canções do Século XIII

1. Je ne chant pas – Talens m’est pris
2. Trois sereurs – Trois sereurs – Trois sereurs
3. En tous tans que vente bise
4. Plus bele que flours – Quant revient – L’autrier jouer
5. Par un matinet – He, sire! – He, bergier!
6. De la virge Katerine – Quant froidure – Agmina milicie
7. Trop volentiers chanteroie
8. Ave parens – Ad gratie
9. Super te Jerusalem – Sed fulsit virginitas
10. A vous douce debonnaire
11. Mout souvent – Mout ai este en dolour
12. Can vei la lauzeta mover
13. Quant voi l’aloete – Diex! je ne m’en partire ja
14. En non Dieu – Quant voi la rose
15. Autres que je ne sueill fas
16. Je m’en vois – Tels a mout
17. Festa januaria

Obras de compositores franceses anônimos e de Blondel de Nesle, Colin Muset, Jehannot de l’Escurel, Bernart de Ventadorn e Gautier de Dargies.

Gothic Voices
Christopher Page

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Blake

De William Blake, trecho de Marriage of Heaven and Hell

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Capella de Ministrers – Trobadors (Vários)

Capella De Ministrers TrobadorsAcho que, após mais de 350 postagens, esta é a primeira que inclui música de trovadores medievais em nosso blog. Trata-se de um CD magnificamente interpretado e com rara qualidade de som. Eu desconhecia o grupo Capella de Ministrers até me deparar com este divertido CD que demonstra claramente, poe sua sonoridade, o quanto os árabes estiveram presentes na cultura européia da Idade Média.

O “menestrel” era o músico e cantor ambulante dos tempos da antiga cavalaria, vivendo, como profissional, agregado aos trovadores fidalgos. Fazia versos e cantava pelos castelos, sempre envolto em grande popularidade.Acompanhava, com seu instrumento, os cantos dos senhores. Quando de origem clerical, exercia papel saliente nas cortes, onde organizava divertimentos e espetáculos artísticos.
 
O “trovador” estava acima do menestrel.

Seu tema principal era o amor, baseado numa teoria platônica, embora de quando em quando, se tratasse de paixão verdadeira.

Bernard de Ventadour (1140-1195) foi o único poeta provençal que,  sem o manto da hipocrisia, manifestou livremente sua paixão… Há quem distinga os trovadores dos troveiros, que, a rigor, não passam de formas diferentes da mesma idéia.

Os trovadores (do provençal “troubadours”), falavam e escreviam na “langue d’oc” (sul da França).

Os troveiros (do francês “trouvêre”), usavam a “langue d’oil” (norté da França).

Importantes trovadores provençais (“langue d’oc”) foram: Bernard de Ventadour, o mais “moderno” de todos; Arnaut Daniel (1150-1189), inventor da “sextina”; Girard de Bourneuil (1150-1220),  tido, por muitos, como o inventor do soneto; Bertrand de Born, que foi fidalgo do Périgord (antiga região da França) e morreu frade em 1210; Peire Vidal (1150-1210); Peire d’Auvergne (século XII); Peire Cardenal, nascido em 1210 e morto no fim do mesmo século; Guiraut Riquier (1250-1294); Rambaldo de Vaqueiras (1180-1207); Guilherme de Aquitânia (Guilherme IX), conde de Poitiers e duque de Aquitânia e de Gasconha (1071-1127), um dos mais antigos poetas em língua românica. Diz-se que foi o primeiro trovador.

Na França (“langue d’oil”), foram troveiros de algum relevo (século XIII): Conon de Bêthune; Colin Muset; Philippe de Nanteuil; Gace Brulé; Jean Bodel, que deixou Arrás, sua terra natal, em 1202, por estar leproso; Thibaud IV (1201-1253). Blondel de Nesles; Adam de la Haíle, rico burguês, chamado “o Corcunda”, e que foi exilado de sua terra natal (também Arrás), em 1269, por questões políticas.

Eram, quase todos, cavaleiros, nobres, senhores; e os seus poemas, líricos.

Texto adaptado a partir deste aqui.

Capella de Ministrers – Trobadors

Performers:
Ruth Rosique – voice
David Antich – flutes
Efren Lopez – hurdy-gurdy, ud, saz
Octavio Lafourcade – medieval lute
Carles Magraner – vielle
Pau Ballester – psaltery, percussion

01 – Raimbaut de Vaqeiras – Aras pot hom conoisser e proar I
02 – Bernat de Tolosa – Ben volgr
03 – Anon. – S’anc vos ame
04 – Raimbaut de Vaqeiras – Savis e fols, humils et ergulhos
05 – Aimeric de Peghilhan – En greus pantais
06 – Anon. – Amors, merce no sia
07 – Bernat de Ventadorn – A! Tantas bonas chansons
08 – Peire Vidal – S’ieu fos en cort
09 – Berenguer de Palou – Dona, la ienser
10 – Raimbaut de Vaqeiras – Kalenda maya
11 – Berenguer de Palou – Aital dona
12 – Giraut de Bornelh – Reis glorios
13 – Bernat de Ventadorn – Can vei la lauzeta mover
14 – Peire Vidal – Jes per temps
15 – Raimbaut de Vaqeiras – Aras pot hom conoisser e proar II
16 – Anon. – Tant es gay
17 – Raimbaut de Vaqeiras – Guerras ni platz no son bos
18 – Raimbaut de Vaqeiras – No magrad’iverns
19 – Peire Cardenal – Un sirventesc novel
20 – Berenguer de Palou – De la iensor
21 – Pere Raimon de Toloza – Atressi cum la candela
22 – Berenguer de Palou – Tant m’abelis

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE – Part 1

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE – Part 2

PQP Bach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!